APOCALIPSE BY MARIA VALTORTA – AS SETE IGREJAS

Caderno Maria Valtorta 1945 a 1950Outros Livros
APOCALIPSE BY MARIA VALTORTA – AS SETE IGREJAS
Clique na barra abaixo para escutar em áudio

AS SETE IGREJAS 

O Apocalipse é certamente um livro de revelação e é, por sua vez, um livro profético. Tanto a revelação como a profecia vêm de Deus, pois só Deus as inspira e só Deus pode inspirá-las porque, sendo a Verdade, Ele a conhece exclusivamente; assim como conhece os eventos futuros por ser o Eterno, o Onisciente e o Onipotente. A profecia é como uma projeção de eventos futuros, vista somente por Deus e iluminada por Ele para aqueles que vivem envoltos nas brumas do seu tempo presente. Para fazer entender o grande analfabeto da religião — e são tantos, tantos, mesmo entre aqueles que baseiam o seu catolicismo na recepção dos Sacramentos, no cumprimento do preceito festivo, na participação nas procissões e na ida, sim, isto também, às Pregações, entretanto não sabem responder, se lhes for perguntado, muitas coisas, o significado de algumas palavras e uma delas é a palavra «profecia e profetas»; e o outro é o de “apóstolo” e outros; e confundem, porque ignoram, o que é uma coisa boa e uma coisa de luz com o que não é uma coisa boa ou carente de luz – para fazer esses religiosos analfabetos entenderem o que é revelação e que é profecia e outras coisas, explicar a Unidade e Trindade de Deus, recorreu-se ao exemplo das três faces de um poliedro, o mesmo pode agora recorrer-se ao exemplo, e talvez com ele o compreendam, de uma projecção de factos que certamente têm de acontecer mas que ainda não são, fatos que só uma Mente conhece, um Aluno os vê e uma Palavra pode explicá-los. O homem, ao longo dos séculos,  realizou uma infinidade de invenções e descobertas, algumas boas, outras ruins e outras que poderiam ter sido boas se tivessem servido para a formação humana, instrução e mesmo elevação, mas que, ao contrário, não foram boas por terem servido excitar os apetites baixos da parte inferior, corromper o entendimento e, por fim, danificar a alma. Uma dessas coisas que poderia ter sido boa, mas não foi por ter servido para ilustrar o vício, o crime e o pecado: é a cinematografia, e outra, a imprensa. Mas para esclarecer nossa ideia, a primeira nos serve. A cinematografia, com seus filmes, pode ilustrar eventos e personagens do passado mais ou menos historicamente bem, já que o homem raramente faz as coisas bem e mais raramente as faz de acordo com a verdade das coisas. Mais, de qualquer forma, por meio desta invenção, é possível mostrar as pessoas vivas, eventos, usos e costumes de séculos passados ​​e até milênios. O filme se desenrola e o homem assiste. Deus toma um homem —profeta ou inspirado por Ele, mais certamente por Ele escolhido para esse fim— e aos seus olhos ou ouvidos espirituais ele ilumina ou conta eventos passados ​​sobre os quais, seja através dos séculos, por alteração involuntária, fácil produzir na revelação verbal ou por alteração voluntária motivada por cismas religiosos, heresias e investigações científicas desprovidas de sabedoria religiosa, a verdade é alterada. No entanto, ilumina e revela eventos futuros que somente Ele conhece em Seu eterno presente. Eles vêem e percebem como se um filme sonoro estivesse acontecendo para eles. E Deus os comissiona a manifestar o que Ele lhes revela, tornando-se uma mão para escrever ou uma boca para dizer o que Deus tem prazer em revelar. Este símile — embora Jesus use exemplos para fazer seus seguidores entenderem as lições — fará muitos entenderem o que é profecia e que os profetas, que um inspirado ou vidente e como quando eles não dizem coisas que entram em conflito com a Fé. e a Grande Revelação, eles devem ser acreditados para revelar tudo o que é necessário saber para vagar em caminhos seguros. Haverá aqueles para quem as profecias parecem coisas, não apenas incompreensíveis por serem excessivamente obscuras, mas já passadas, quando se fala de eventos ocorridos há séculos. Sim, muitas das coisas expressas neles aconteceram e não se repetirão; mas muitos outros se repetirão, como eu sei. Eles têm repetido quantas vezes a humanidade voltou às condições em que a profecia ocorreu. Assim, enquanto a encarnação do Verbo e a fundação da Igreja não devem se repetir, pois a Igreja fundada por Jesus, seu Eterno Pontífice e Cabeça, não pode perecer por causa de sua promessa divina, e, portanto, não há necessidade de fundar uma nova, tanto é verdade que os castigos permitidos por Deus decorrentes da abominação introduzida no lugar sagrado e das injustiças humanas se repetirão, como já se repetiram. Como será igualmente para muitas outras coisas. A humanidade, como teve ciclos alternados de justiça e injustiça, de fé real e somente fé externa —«a letra e não o espírito da fé»— ou simplesmente falta de fé para os cinco décimos da população mundial, ele também tem ciclos alternados de castigos e indultos, alguns sofridos e outros obtidos, sem que isso o torne melhor. E as profecias, sendo dadas por quem conhece “o Tempo” sem limitação nele, servem em muitos casos como luz e guia, voz da verdade e conselho de misericórdia para todos os tempos. O Apocalipse, profecia do Apóstolo da Luz e da Caridade, ilumina, e o faz através da Caridade, os tempos, todos os tempos, até a última vez. Dezenove séculos se passaram desde que João teve a revelação chamada «Apocalipse», cujo período de cumprimento, apenas comparando-o com a eternidade, poderia ser considerado «próximo». Mas se o tempo de espera, medido de acordo com o tempo terrestre, foi e é longo, no que diz respeito ao estado das sete igrejas, agora é atual como era então. João, Vendo as sete igrejas daquele tempo, as sete luzes mais ou menos luminosas daquele tempo, ele não só viu aquelas, mas também as outras igrejas que se formariam ao longo dos séculos, como também previu o que acontecia e o que aconteceria na Terra. , no céu e no inferno. Via: as luzes da santidade, as sombras da injustiça, o crescimento da humanidade, ou melhor, da materialidade; a chama da caridade e da sabedoria nutrida por ela subindo ao céu. E a fumaça nebulosa da ciência privada de sabedoria que rasteja pela terra quando o homem tenta explicar a si mesmo tantas outras coisas sobre a criação com seu único conhecimento. A fumaça nauseante das luxúrias do eu, de todas as luxúrias. Fumaça do culpado de egoísmo e ferocidade. Fumaça, fumaça, nada além de fumaça, fumaça nociva que se espalha sobre a terra, que se insinua, que polui, que envenena e que mata. Isso mata as coisas “melhores” no sentido que Deus atribui a esta palavra e que expressamos dizendo: as coisas mais “belas”. As três e quatro virtudes, as relações sociais, as consciências, as inteligências, a paz familiar… Todas as coisas que fumegam, que se produz onde não há, cutucando a ponto de quase se livrar, chegando a saber se privar da mesma vida para obter a Vida eterna. E uma vez confirmados na Fé, na Esperança e na Caridade, confirmados na Graça e Sabedoria, na Piedade, na Fortaleza, no Santo Temor de Deus, em todas as pombas do Paráclito, tornaram-se tantos «mestres» e «fundadores», não de uma nova doutrina e de novas igrejas, porque uma é a doutrina e outra é a Igreja perfeita, mas “da doutrina e da Igreja” entre novos povos e novas regiões. Vinte séculos se passaram, novos apóstolos sucederam as primeiras, novas igrejas àquelas outras igrejas em novas áreas da Terra. A obra apostólica não foi interrompida ou paralisada ainda que, por culpa dos homens, mesmo progredindo, regrida em amplitude de domínio e não só nisso. Continuação da obra, propagação do Evangelho, expansão do Corpo Místico, são verdades inegáveis, consequências lógicas do fato de que Jesus alimenta sua Igreja, a guia, a estimula, e Jesus é eterno, poderoso e santo. Sua Santidade desce e circula por todo o Corpo, seu poder transmite forças misteriosas aos seus servos e sua eternidade impede que a Igreja morra. Mas por culpa e má vontade dos homens, enquanto progride e se estende por 20 séculos por novas terras, pára, regride e até morre em outras. Pecado apenas destes tempos? Não, antes de tudo mais ou menos total e profundamente, enquanto houve desvios, prisões, separações e até “mortes” nos ramos que constituem toda a videira mística que eram de natureza diversa e que, com o passar dos séculos, mais graves foram os desvios e deserções dos rebentos da videira. Agora é a hora da Negação. Mas João viu todas essas coisas. Eu os antecipei. Ele os viu nas sete igrejas daquela época. Ele os previu nas igrejas de hoje, das quais as sete igrejas daquela época não eram apenas verdadeiras, mas figurativas. Ele também anteviu o horror atual: a da Negação em tantos lugares e tantos espíritos. E finalmente ele antecipou o horror extremo: o tempo do Anticristo. Ele viu tudo através da primeira visão. A última consequência é fruto da primeira, que se repete através dos ciclos das eras, cada vez em maior proporção à medida que a Igreja cresce. Mesmo isso é dolorosamente lógico para que isso aconteça. Porque Cristo é tanto mais odiado e combatido pelo Anticristo quanto mais ele se afirma e triunfa sobre os santos. Que o Corpo Místico vence em suas batalhas? Pois o Anticristo aumenta seu poder e desfere seus golpes mais atrozes. Que Cristo queira triunfar, como é justo que assim seja? Bem, o Anticristo também quer triunfar e sua violência aumenta proporcionalmente. que Cristo triunfa para derrotá-lo e derrubá-lo. ai não pode! já que Cristo é o Vencedor; mas espere e tente. E, Não podendo alcançar uma vitória coletiva sobre todo o povo de Deus, eles reivindicam suas vitórias individuais ou nacionais por inteligências enganadoras, possuindo espíritos e arrancando povos da Igreja.

Tabela de Conteúdo

As sete igrejas. 

Há pouco tempo elas foram fundados e precisamente por aqueles que foram ordenados a fundá-los diretamente por Deus: “Ide e ensinai todas as nações” (Mateus 28, 19) depois, como por promessa divina, eles receberam o Espírito Santo. que “lhes lembrasse de todas as coisas e lhes ensinasse toda a verdade” (Jo 14,26) de modo que a entendessem, ou seja, capacitando-os a compreender as coisas mais elevadas e, assim, “revestidos de poder do alto ” (Lc 24,19) foram capazes de ser os fundadores de algo tão exaltado como o Reino de Deus entre os homens. E, apesar disso, a imperfeição e ainda mais que a imperfeição, havia sido incubada em muitos deles, porque o Adversário ou Anticristo já estava espiritualmente ativo e trabalhando para corromper e destruir as fortalezas espirituais do Reino de Deus. Cria discórdias entre os membros, insinua heresias sutis, desperta a arrogância tola, aconselha vis compromissos entre a consciência e a lei da carne; as restrições mentais tão odiosas a Deus cuja linguagem é: “sim, sim; não, não» e tal quer ser também dos seus filhos e dos seus fiéis; esfriar a caridade, aumentar o amor pela existência terrena, pelas riquezas materiais e pelas honras. Eis o trabalho do  Adversario, incansável em sua tarefa de tentar derrotar Deus e destruir tudo o que Ele acredita, aproveitando-se de tudo o que pode ajudá-lo, auxiliado pelos próprios homens, seja por sua própria imperfeição ou por reações injustas dos membros mais fortes contra os mais fortes. O que é conveniente dizer já foi dito. A falta de justiça e caridade que são como o mel que atrai as almas para a colmeia mística e as mantém fiéis, provoca reações nos membros feridos: dor, escândalo e até desconfiança e separação. A Igreja foi fundada pela Caridade e caridade perfeita é o que sempre deve ser dado nela. A Igreja se nutre da Caridade e a caridade perfeita é o que ela deve oferecer a todos os seus membros, especialmente aos menores e mais fracos, para alimentá-los e mantê-los vivos. A Igreja recebeu o mandato de ensinar a caridade. Mas ai se o ensino se limitar à letra em vez de praticá-lo em seu espírito! Viva na caridade para que os cordeiros vivam nela. Este é o dever dos pastores. Pois se as ovelhas virem que a caridade é posta de lado pelos pastores – e ai da ovelha que não emprestar amor reverente levado a ponto de renunciar à liberdade de julgamento e liberdade de ação nas coisas boas que o próprio Deus deixou ao homem (e até Ele deixa a liberdade completa, limitando-se a dizer o que é bom e o que não é) – enquanto os pastores negam essa caridade às suas ovelhas, o que acontece? Que através de um coração que não está aberto às necessidades infinitas das almas – falo de corações pastorais – as almas se voltam para outra direção indo para o mundo para outras portas que se abrem para as necessidades materiais dando pão, roupas, remédios, conselhos, ajuda para encontrar um trabalho, para não serem expulsos de casa pelo rico de coração duro, mas que arrancam dos corações a religião e a justiça. Porque é isso que acontece e assim, por pão, roupa, teto e ajuda a restaurar a justiça em favor de uma alma perseguida, uma alma ou mais almas saem do aprisco, dos pastos, do caminho de Deus e vão para outros pastos e por outros caminhos, o primeiro material e o segundo anticristão. No desenvolvimento secular da videira mística, houve quebras até mesmo dos brotos principais. Foram muitas as causas que os motivaram e nem todas por rebeliões espontâneas dos membros, mas sim por rebeliões causadas por um rigorismo sem caridade e sem justiça que obriga os outros a carregarem pesos que não podem suportar. É por isso que Israel conheceu guerras e cismas. É por isso que desse povo         qual foi quem seguiu a Cristo por isso que, ainda hoje, há membros que se separam ou, pelo menos, ficam perplexos ou sofrem escândalo. Se observarmos as sete igrejas daquele tempo tal como João as viu e as ouviu julgadas pelo eterno Juiz, veremos nelas já em ação quanto mais tarde, e de forma cada vez mais ampla, aconteceu e aparece em ação no igrejas ou religiões, “cristãs” no nome, embora não cristãs-católicas. As igrejas separadas. Deram-se uma constituição humana conservando da verdadeira Igreja apenas o que queriam conservar para serem considerados “cristãos”. Mas ser cristão não significa apenas orar a Cristo, pregar-lhe de alguma forma, ou ser mais rigoroso do que os verdadeiros católicos em certas coisas. Ore a Deus, pregue a Deus e seja rígido no serviço. formalista de Deus, também os sacerdotes, escribas e fariseus do tempo em que Jesus estava entre os homens. Isso, porém, com raras exceções, não os tornava “cristãos”, mas sim anticristãos. Ser cristão significa fazer parte do Corpo Místico, pertencer como católicos à Igreja de Roma e a Cristo, viver de acordo com o que Ele ensinou e ordenou que fosse vivido. Caso contrário, não se é realmente cristão, nem católico pelo simples fato de ter recebido o Batismo e os demais sacramentos segundo o rito da Igreja de Roma.

Como não é, embora não tenha caído ou permanecido em culpa grave ou tenha vindo a negar a Fé, fazendo parte de seitas condenadas pela Igreja ou pertencente a partidos políticos certamente condenados por serem na justiça condenáveis; Você não é um verdadeiro católico ou cristão de fato quando não vive a vida cristã ou honra a Deus com um culto interno vivo e contínuo mesmo na intimidade da casa, sempre presente até no trabalho intelectual ou manual que deve ser feito e .desenvolvido, sempre ativo mesmo nas relações sociais que temos de manter continuamente com todos os nossos vizinhos mais ou menos ligados a nós por laços de sangue ou relações sociais. Você não é um verdadeiro católico ou cristão de fato quando pratica apenas um culto externo e formal para ser elogiado ou um culto interno para não ser rotulado de ridículo como hipócrita ou talvez ter que sofrer danos materiais. Não é um verdadeiro católico ou um cristão prático quando não tenta cultivar as virtudes da maneira mais perfeita possível, levando-as ao heroísmo se necessário; quando não é posto em prática o que se chama “o coroamento da lei que é a caridade”, do qual as obras de misericórdia são tantos outros ramos; quando não há interesse em se livrar de um hábito vicioso que é a causa do pecado; quando se peca contra o Espírito Santo duvidando da Misericórdia divina que perdoa a quem se arrepende; presumindo poder salvar-se desprezando ou negando as verdades luminosas da Fé, não apenas as primeiras e principais, mas tudo o que está contido no Credo e é definido por dogmas antigos e recentes, dando origem às lutas contra o justo, permanecendo obstinadamente pecaminoso e impenitente; quando o próximo for prejudicado em sua vida ou mesmo se for apenas em sua saúde corporal ou em sua honra; quando a ordem natural é violada pela prática de atos abomináveis ​​que os próprios animais não praticam com plena culpa por falta de razão e consciência; oprimir os pobres, praticar a usura com ganhos ilícitos, • explorar mais do que o devido ao trabalhador a quem é negada uma justa recompensa. Por viver assim, eles merecem os severos julgamentos de Jesus aos escribas, fariseus e mercadores do Templo. Como seria bom se no Evangelho —que deveria ser o livro que todos os cristãos leem diariamente, frase por frase, meditando naquelas verdades que dão Vida— aqueles pontos em que Jesus expõe onde se encontra a verdadeira vida religiosa e onde a aparição ou a ficção disso! E examinam-se comparando-se com o fariseu e o publicano, com o fariseu e o pecador, com o levita e o bom samaritano, com o rico que colocou o excedente de sua riqueza no gazofilacio e a viúva que jogou “tudo o que tinha viver” e ver a que categoria cada um pertence. E se você pertence à categoria daqueles que só têm um culto externo, arrependa-se transformando-se em verdadeiros discípulos do Mestre, em verdadeiros filhos de Deus e irmãos de Cristo, ou seja, cristãos de nome e de fato. Porque, do contrário, terão o nome de cristãos, mas sem serem ramos nutridos por Ele. Serão ramos quebrados que, embora não estejam completamente secos porque uma tendência natural ao Bem os faz agir como justos, não são bem ramos que , soberbamente, eles se plantaram novamente, tornando-se assim plantas independentes que dão só gastos em vez de boas uvas. Para tornarem-se assim, eles devem ser enxertados novamente na Videira verdadeira, na única Videira verdadeira que faz os ramos produzirem frutos copiosos e santos. Isso se aplica tanto a cada um dos ramos individuais quanto àqueles que, juntos, formam uma videira separada, isto é, igrejas separadas, que, por serem separadas e se deram uma constituição própria, idealizada por seu fundador – um homem e não um Homem-Deus – não pode dispor dessa totalidade de vida espiritual que só o Corpo Místico mantém e que preserva de separações cada vez maiores, não só do Corpo em sim, mas também da Verdade e da Luz que o fazem seguro. caminho que conduz da Igreja terrena à celestial.

Compartilhe a Divina Vontade
Tags: , , ,

Você também pode gostar

APOCALIPSE BY MARIA VALTORTA : GUERRA CONTRA A IGREJA
Estudo 37 Livro do Céu Vol.12 ao 21 – Escola da Vontade Divina

Aplicativo Vida na Divina Vontade

Baixe Direto o APP Android

ENCONTRE TUDO RAPIDINHO

Horas da Paixão

31 Dias com Maria 

Giros da Alma

Escritos de Luisa PiccarretaLIVRO DO CÉU

Nossos vídeos no Youtube

Evangelho Maria Valtorta

Vida Intima de Ns Senhor 

VÍDEOS DA ESCOLA

 

   Aplicativo para outros celulares: https://app.vc/dvbeta

Telegram: https://t.me/joinchat/Vy8mSSfh_lVs_nez

Whatszap:
12.988930463

Baixar os: Livros da Valtorta
e Livros da Vida intima

 

           ORAÇÃO DO DIA

¨Mãe celeste, Rainha Soberana do Fiat Divino, toma-me pela mão e mergulha-me na Luz do querer Divino. Tu serás a minha guia, minha terna Mãe, e me ensinarás a viver e a manter-me na ordem e no recinto da Divina Vontade. Amém, Fiat.¨

O que é o Reino da Divina Vontade?

Canal Divina Vontade

Como se faz os 31 Dias com Maria

Formação na Divina Vontade

Músicas da Divina Vontade

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Abrir bate-papo
1
Escanear o código
Olá 👋
Podemos ajudá-lo?