A Igreja Católica condena os escritos de Luisa Piccarreta? Padre Stephen Patton, MA, JD

Outros LivrosReino da Divina Vontade
A Igreja Católica condena os escritos de Luisa Piccarreta? Padre Stephen Patton, MA, JD
Clique na barra abaixo para escutar em áudio

O que a Igreja Católica diz sobre Luisa Piccarreta

A Igreja Católica condena
os escritos de Luisa Piccarreta?

Padre Stephen Patton, MA, JD

 

10 de julho de 2000

Você se lembra do velho ditado que todos aprendemos na escola primária: “Não acredite
em tudo que você lê”? Isso permanece tão verdadeiro hoje como sempre. A partir do outono de
1997, muitas pessoas leram alguns artigos na imprensa católica americana que
as levaram a acreditar que a Igreja Católica condena os escritos da Serva
de Deus Luisa Piccarreta. Como resultado, muitos que haviam encontrado grandes tesouros em seus escritos espirituais pararam de lê-los. Outros desencadearam uma tempestade de abusos contra aqueles que continuaram a lê-los. Tudo isto tem sido bastante injusto, porque simplesmente não é verdade que a Igreja Católica condene os escritos de Luísa. Os católicos são livres para lê-los. Aqui está a história completa.

A condenação do Vaticano em 1938

Nas suas tentativas de mostrar que a Igreja condena os escritos de Luísa, os seus críticos salientam que em 1938 o Vaticano colocou três livros associados ao seu nome no que ficou conhecido como Índice de Livros Proibidos.   (Nota: o artigo “Fatos interessantes sobre Luisa e seus escritos” –  localizado no final deste artigo – traz informações mais específicas sobre os livros em questão) Este era um assunto sério, com certeza. Mas o quadro completo inclui alguns factos importantes que os críticos de Luisa evitam habitualmente mencionar.

1.  A condenação de 1938 nada teve a ver com o diário espiritual de Luísa, de 36 volumes, conhecido como “Livro do Céu”, que é a sua obra mais importante . Esta obra de 40 anos, contendo o peso esmagador da sua doutrina espiritual sobre a Vontade Divina, nunca foi colocada no Índice. Isto é especialmente significativo porque em 1938 os funcionários do Vaticano não só sabiam deste trabalho exaustivo, como também tinham os volumes originais nos arquivos do Vaticano! Se algum dia quisessem “condenar” esse trabalho de Luisa, esse teria sido o momento. Mas eles não o fizeram. E assim, nunca houve nenhum vestígio de condenação na coisa mais importante que Luisa escreveu. Na verdade, o oficial, censor nomeado pela Igreja, deu o Nihil Obstat aos primeiros 19 volumes do “Livro do Céu” depois de os ter examinado atentamente na sua língua original italiana durante um
período de 17 anos, antes da sua morte. O arcebispo que nomeou este censor deu seu Imprimatur manuscrito diretamente sobre os manuscritos originais.

2. Quanto aos três livros que figuraram no Index em 1938, dois deles tiveram diversas outras edições. A condenação limitou-se apenas às edições específicas mencionadas oficialmente. Outras edições destes mesmos dois livros foram publicadas com plena aprovação eclesiástica, ainda em 1997. A terceira obra foi uma compilação de extratos editados dos escritos de Luísa, que nunca foi reimpressa.

3. O próprio Vaticano aboliu o Índice de Livros Proibidos em 1966. Isto significa que já não tem qualquer efeito vinculativo para os católicos. Ao abolir o Índice, o Vaticano aconselhou os católicos a continuarem “vigilantes” em relação a todos os livros que constavam do Índice, mas também nos disse que a partir desse momento, em relação a estes livros, “a Igreja confia na consciência madura dos fiéis. .” Em uma palavra, não havia mais “condenação”. Isto significa claramente que, relativamente a estes três livros atribuídos a Luísa, a Santa Madre Igreja diz-nos agora, parafraseando: “Tens toda a liberdade de os ler. Apenas tenha cuidado; Eu confio em você.”

4. Na verdade, seria muito difícil para nós ler qualquer um desses três livros, mesmo que quiséssemos. Por que? Porque nenhuma das edições condenadas está impressa, nem mesmo no original italiano. Todos os livros dos escritos de Luísa atualmente publicados, pelo menos em inglês e pelo Centro da Vontade Divina, foram traduzidos apenas de versões totalmente aprovadas pela Igreja.

Os críticos de Luisa poderão responder que está tudo bem, mas permanece o facto de que três das obras, mesmo que não todas, já foram colocadas no Índice do Vaticano e nunca foram retiradas especificamente. Eles entendem que isto significa que ainda existe alguma
desaprovação persistente do Vaticano em relação a ela e aos seus escritos. Alguns até encaram isso como uma “condenação” persistente, apesar da linguagem clara do próprio Vaticano dizer o contrário em 1966. Mas existe realmente alguma desaprovação persistente de qualquer tipo por parte do Vaticano? Parece, a partir de uma declaração oficial do Vaticano em 1994, que a resposta é não.

O Vaticano de 1994 não resiste

Antes de um bispo poder iniciar uma investigação sobre a Causa de Beatificação de qualquer pessoa, ele
deve primeiro obter permissão do Vaticano, também conhecida como Santa Sé. A Congregação para as Causas dos Santos concede esta permissão em nome da Santa Sé somente após consultar todos os outros escritórios da Cúria apropriados do Vaticano para determinar se há alguma objeção ao procedimento da causa do candidato.

Seguindo esta exigência, o Reverendo Carmelo Cassati, Arcebispo de
Trani-Barletta-Bisceglia, a arquidiocese onde Luisa morreu, pediu permissão ao Vaticano para prosseguir com a sua Causa. Por meio de ofício datado de 24 de fevereiro de 1994, a Congregação para as Causas dos Santos declarou “por parte da Santa Sé o NÃO OBSTARE para a abertura da Causa de Beatificação da Serva de Deus Luísa Piccarreta”.

O significado aqui é certo:  nenhum escritório da Santa Sé, incluindo a Congregação para a Doutrina da Fé que emitiu a condenação original de 1938, considerou que essa condenação representava um impedimento para que Luisa Piccarreta fosse declarada santa . Por outras palavras, a Santa Sé não considera agora que a contribuição de Luísa para os três livros que originalmente colocaram no Índice, muito menos qualquer outra coisa que ela escreveu, contenha algo contra a fé e a moral. Se pensassem de outra forma, teriam se oposto a que a diocese prosseguisse com o que equivaleria a uma Causa sem esperança.

A ironia é que aqueles que insistem que a Santa Sé ainda “condena” ou mesmo “desaprova” os escritos de Luísa estão a contradizer o significado óbvio da declaração oficial da própria Santa Sé em 1994.

Um caso semelhante: Beato (agora Santo) Padre Pio

Será que o facto de a Santa Sé não “condenar” Luísa ou os seus escritos significa que
os “aprova” para além das aprovações dadas pela sua arquidiocese? Não necessariamente. Às vezes, falando oficialmente, a Santa Sé é simplesmente “neutra” sobre tais assuntos. E em alguns casos, com o tempo, a Santa Sé muda de ideias. O caso do Beato (hoje Santo) Padre Pio apresenta uma boa ilustração.

No início do século XX, este frade santo, mas por vezes incompreendido, foi silenciado pelo Papa Pio XI e proibido de receber visitantes. O seu ministério foi, numa palavra, “condenado”. Por fim, a proibição foi suspensa e ele foi autorizado mais uma vez a ministrar aos penitentes. Além disso, após a sua morte, a Santa Sé finalmente declarou o “Non Obstare” para que a sua Causa de Beatificação prosseguisse. Mas nada disso ainda representava a “aprovação” oficial e direta dele ou de seu ministério. Eles acabaram de se tornar oficialmente “neutros”. No que dizia respeito ao Vaticano, os católicos podiam pegar Padre Pio ou deixá-lo.

Mas tudo mudou quando Padre Pio foi declarado Venerável em 1997. Por decreto papal, as virtudes do Padre Pio passaram a ser consideradas heróicas por todos os católicos. Além disso, os católicos foram definitivamente assegurados de que nenhum dos escritos do Padre Pio continha qualquer matéria contra a fé e a moral. Numa palavra, foi finalmente, oficialmente, “aprovado” pela Igreja Católica.

Do ponto de vista do Vaticano, a santidade de Luísa e os seus escritos estão actualmente no mesmo tipo de categoria “neutra”. A Igreja Católica ainda não lhes dá oficialmente a sua “aprovação” total, mas também não os “condena”. No que diz respeito ao Vaticano, o que acontece com Luísa Piccarreta é agora o mesmo que aconteceu com Padre Pio antes de ser declarado Venerável; Os católicos são livres para pegar ou largar ela e seus escritos.

Indicações de “aprovação” católica oficial

Dado que ela ainda não foi declarada “Venerável”, não há nada que corresponda à
“aprovação” formal do Vaticano dos escritos de Luísa. Mas há certamente indicações favoráveis ​​sobre eles provenientes do nível diocesano inferior da autoridade católica. Estas indicações devem, no mínimo, ajudar os católicos a terem confiança de que não estão em desacordo com a Igreja se lerem e gostarem dos seus escritos.

1. O primeiro é o simples facto da Causa de Beatificação de Luísa. Normalmente, os bispos
só apresentarão um candidato se ele ou ela tiver uma história clara de ser um católico exemplar em todos os sentidos, especialmente na obediência e submissão à Igreja e aos seus ensinamentos. Não há dúvida sobre isso no caso de Luisa. O registo histórico mostra que ela escreveu o seu diário espiritual apenas em obediência ao seu bispo e aos sacerdotes que ele lhe designou; ela nunca teria escrito de outra forma. Além disso, ela submeteu tudo o que escreveu à contínua revisão e censura.

2. Em 1926, os primeiros 19 volumes do diário espiritual de Luísa, como mencionado acima, foram publicados com o Imprimatur do Arcebispo Joseph Leo e o Nihil Obstat do Beato (agora Santo) (Pe.) Hannibal Di Francia. Estas são declarações oficiais da diocese católica nas quais é publicado um livro que certifica 1) que está sendo publicado com a permissão do bispo local e 2) que não há nada nele que seja contrário à fé e à moral. Eles são dados como guias confiáveis ​​aos fiéis católicos. Como nunca foram removidos, os católicos ainda podem confiar neles. Agora, alguma menção especial deve ser feita à aprovação do Beato (agora Santo) Aníbal Di Francia.

Beato (agora Santo) Aníbal Di Francia e Escritos de Luisa

Além de ter sido nomeado pelo Bispo Leão para ser o censor dos seus escritos, o Beato (agora Santo) Aníbal Di Francia também foi confessor extraordinário de Luísa durante 17 anos. Ele não apenas não encontrou nada contrário à fé ou à moral católica nos escritos dela, mas ele, um sacerdote amplamente conhecido pelo discernimento espiritual, também os considerou de imenso valor espiritual. Suas cartas publicadas para ela indicam seu profundo apreço por sua doutrina espiritual e sua dedicação em promovê-la.

Os críticos americanos que escreveram recentemente que os escritos de Luísa contradizem a fé católica, na verdade opõem as suas opiniões às do Beato (agora Santo) Aníbal. “Sua opinião não é infalível”, poderiam dizer. Mas não vamos esquecer, nem o deles. E pense por um minuto – o Beato (agora Santo) Aníbal conheceu Luisa pessoalmente e interpretou o que ela escreveu apenas no contexto de sua formação cultural e de sua vida como um todo. Quem entre seus críticos pode afirmar o mesmo? O Beato (agora Santo) Aníbal também leu cada palavra de seu diário espiritual (até sua morte em 1927) no original italiano, e não apenas algumas passagens selecionadas e traduzidas. Quem entre seus críticos pode afirmar o mesmo? Com todos esses fatores em mente, qual opinião, a do Beato (agora Santo) Aníbal ou a deles, é provavelmente mais confiável?

Compreendendo a moratória do Arcebispo Cassati sobre a promoção pública

Em Janeiro de 1998, o Arcebispo Carmelo Cassati, então o arcebispo responsável pela causa de Luísa, pediu uma moratória na promoção pública da sua espiritualidade. Fez isso para devolver a tranquilidade e o respeito próprios ao processo da Causa de Luísa. Ele também mencionou as “explicações pobres ou exageradas de seus escritos” que algumas vezes eram dadas por alguns de seus promotores. Ele enfatizou que “é tarefa daqueles que explicam a sua doutrina aos outros… conciliá-la com o ensinamento da Igreja”, e que “um período de tempo para reflexão” seria útil neste sentido. Desejo destacar dois assuntos relativos ao seu sábio pedido.

1. O Arcebispo Cassati não questionou a correcção doutrinal dos escritos originais de Luísa, apenas a forma como alguns dos seus promotores os explicaram.
Este é certamente um conselho prudente. Devemos ter o cuidado de interpretar e “promover” até mesmo as próprias Escrituras apenas em harmonia com o ensinamento da Igreja. Uma espiritualidade tão profunda como a de Luísa necessita do mesmo cuidado.

2. Especificamente em resposta ao pedido do Arcebispo Cassati para “reconciliar (a doutrina de Luísa) com o ensinamento da Igreja”, em 11 de Fevereiro de 1999, o Centro da Vontade Divina publicou um tratado detalhado que escrevi intitulado “A Ortodoxia dos Escritos de Luísa Piccarreta : Uma resposta a certas objeções doutrinárias.” Foi uma refutação ponto a ponto de cada crítico e organização que publicou opiniões negativas sobre Luisa.* Com a esperança de iniciar um diálogo teológico aberto que fosse útil para todos os envolvidos, enviei cópias para cada um deles. Nos dezessete meses desde então, quase não recebi nenhuma resposta.

Resumo: A Igreja Católica nos permite ler e curtir Luisa

Mostrei neste breve artigo que a Igreja Católica não condena nem Luisa Piccarreta nem os seus escritos. Não há absolutamente nenhuma dúvida de que a posição oficial actual do Vaticano é neutra. Isto é evidenciado sobretudo pelo facto de há seis anos a Santa Madre Igreja ter permitido, e Ela continua a permitir, que a Causa de Beatificação de Luísa prosseguisse.

O Arcebispo que promove a Causa de Luísa fá-lo em estrito acordo com o Direito Canónico e em completa harmonia com Roma. Isto inclui uma revisão cuidadosa e abrangente dos escritos de Luisa por especialistas competentes e independentes em teologia.

Os católicos deveriam saber de uma vez por todas que as opiniões publicadas dos críticos são apenas isso – opiniões. Eles não são vinculativos para as consciências dos católicos. Eles não representam a autoridade da Igreja Católica. Somos livres para discordar deles. Em suma, este é um assunto que está aberto à discussão na Igreja Católica. E assim…

Se alguém afirma ou insinua que a Igreja Católica condena Luisa Piccarreta ou qualquer um dos seus escritos, ele é, intencionalmente ou não, um fornecedor de falsidade.

***

Fatos interessantes sobre Luisa e seus escritos

 Em maio de 1938, após uma perseguição a Luísa por parte de certos partidos, e numa época em que o Vaticano reprimia muitos místicos da época, incluindo
Padre Pio, que foi condenado pelo Papa Pio XI, um delegado foi enviado de o então Santo Ofício à casa de Luísa em Corato, Itália, para confiscar três obras associadas ao nome de Luísa, que haviam sido editadas, alteradas e publicadas por seu último confessor, Dom Benedetto Calvi. Estas três obras definitivamente não eram os volumes do Livro do Céu, que não havia sido publicado. As três obras publicadas foram: “As Horas da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo com um tratado da Vontade Divina” “A Rainha dos Céus no Reino da Vontade Divina” e uma compilação de passagens dos primeiros quatro volumes de Luísa. com o título “No Reino da Vontade Divina”.  Lembre-se que estas três obras não foram escritas originalmente por Luisa, mas foram editadas e alteradas por Don Benedetto Calvi .

O delegado do Santo Ofício não comunicou a sua presença ou missão ao Ordinário da diocese. Durante o episódio na casa de Luísa, quando o delegado do Santo Ofício recolheu os exemplares das três obras, Luísa manteve-se calma, mas o delegado levou também o seu diário particular – os cadernos dos volumes do Livro do Céu! Ele levou os volumes 1 a 34. A questão de sua autoridade para levar esses volumes é obscura, mas aqueles que estão próximos da história da vida de Luisa acreditam que este delegado não tinha autoridade para levar esses volumes, que eram dela pessoal, propriedade privada. O volume 35 foi esquecido e o volume 36 estava apenas no estágio inicial. Luísa escreveu uma carta para ser enviada ao Santo Ofício, submetendo-se totalmente às decisões da Igreja, afirmando que condenaria tudo o que a Igreja condenasse e aprovaria tudo o que a Igreja aprovasse. O seu arcebispo disse-lhe que não era necessário enviar aquela carta.

Três meses depois, apareceu no Osservatore Romano um artigo não assinado , afirmando que as três obras acima mencionadas haviam sido colocadas no Índice de Livros Proibidos devido a falsa espiritualidade e termos extravagantes, etc.; mas, significativamente, nenhuma explicação foi dada sobre qualquer erro contra a fé ou a moral católica. Aqui, somos lembrados da condenação de 19 anos dos escritos sobre a Divina Misericórdia pela Beata (agora Santa) Irmã Faustina da Polônia.

Os 34 volumes do Livro do Céu foram entregues aos arquivos do Santo Ofício, agora denominado Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, sob a liderança atual (agora passada) do Cardeal Joseph Ratzinger (agora Papa Bento XVI). Providencialmente, esses escritos foram cuidadosamente embrulhados em papel protetor e mantidos em perfeitas condições para aguardar mais um dia na providência de Deus.

Em 1967, o Índice de Livros Proibidos foi abolido pelo Papa Paulo VI. As penalidades jurídicas para a leitura dos livros do Índice foram removidas, mas permaneceram os requisitos morais, nomeadamente não se expor à ocasião de pecados contra a fé ou a moral. Este requisito sempre existe. O Vaticano já não dispõe de um procedimento de revisão de todas as publicações relativas a conteúdo religioso. De tempos em tempos, certos escritos são investigados pelo Vaticano com penalidades jurídicas para aqueles que são desaprovados pelo Vaticano.

No final de 1993, o Cardeal (agora Papa Bento XVI) da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé do Cardeal Ratzinger, investigou a condenação das três obras associadas ao nome de Luísa, bem como a história dos seus escritos, e não encontrou nada que impedisse o processo. para que a Causa de Beatificação de Luísa avance. Na verdade, todas as Sagradas Congregações do Vaticano concordaram que não havia nada que impedisse o avanço da Causa de Luísa. É sempre difícil saber com precisão o funcionamento interno e as decisões dos escritórios do Vaticano, mas foi dito que o escritório do Cardeal (agora Papa Bento XVI) Ratzinger limpou o registro relativo aos três livros condenados, possivelmente removendo-os especificamente do índice antigo.  O que é certo é que o nome de Luísa foi inocentado de qualquer estigma associado à condenação de 1938, e nenhum escritório do Vaticano fez qualquer objecção à abertura da sua Causa de Beatificação . Se houvesse qualquer questão de perigo para a Fé ou a Moral Católica, a Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé nunca teria consentido na abertura da Causa de Beatificação de Luísa. De fato, Dom Cassati, perfeitamente informado sobre todo o assunto, recomendou um estudo atento dos escritos de Luísa numa Carta Pastoral datada de 23 de janeiro de 1997. (Ver Decreto, Edital e outras cartas que seguem este artigo)

Em 28 de março de 1994, o Cardeal Angelo Felici, prefeito da Sagrada Congregação para a Causa dos Santos, assinou uma carta oficial ao Arcebispo Carmelo Cassati da Arquidiocese onde vivia Luisa, afirmando que tinha o prazer de notificá-lo de que não havia objeção. por parte do Vaticano à abertura da Causa de Beatificação de Luisa Piccarreta e que tinha permissão formal para fazê-lo. A Causa de Luísa foi aberta na Festa de Cristo Rei, 20 de novembro de 1994.

Em janeiro de 1996, o Cardeal (agora Papa Bento XVI) Ratzinger divulgou os 34 volumes do Livro do Céu ao Arcebispo Cassati como parte do protocolo para o processo da Causa de Beatificação de Luísa. Uma equipe foi ao arquivo do escritório do (então) Cardeal (hoje Papa Bento XVI) Ratzinger e passou 4 dias fotocopiando e fotografando os 34 volumes, finalizando o projeto em 2 de fevereiro de 1996. Os originais estavam em perfeitas condições e foram devolvidos a os arquivos. As fotocópias foram levadas à Arquidiocese de Trani e colocadas sob a custódia do Arcebispo Cassati.

Quanto aos volumes originais 35 e 36, eles estão sob custódia de um certo padre na Flórida, que apresentou fotocópias deles ao Arcebispo Cassati.

Em Março de 1997, por ocasião do 50º aniversário da morte de Luísa, foi
anunciado publicamente que o Tribunal Responsável pela Causa de Luísa tinha determinado por unanimidade que a vida de Luísa era de virtudes heróicas e que as suas experiências místicas eram autênticas. Além disso, em 1997, devido ao processo de beatificação, dois teólogos independentes e altamente qualificados, contratados pela Igreja para rever os escritos de Luísa, apresentaram os seus relatórios afirmando que não encontraram nada contrário à fé ou à moral católica. Talvez haja ainda mais revisões teológicas antes que a Causa de Luísa vá para Roma.

Em resumo, o registro é inteiramente claro no que diz respeito aos escritos de Luisa Piccarreta.
Qualquer pessoa pode lê-los com a consciência tranquila e ficar completamente em paz. Que Deus receba toda a Glória que Ele merece e determinou receber de sua Criação, um assunto que é mais belamente trazido à nossa atenção no Livro do Céu.

por Mary Jo Anderson

DESCRIÇÃO

Mary Jo Anderson conta a história do Movimento da Vontade Divina e de sua fundadora, Luisa Piccarreta. Embora muitos afirmem que Piccarreta é o santo mais sagrado da Igreja, exceto a Virgem Maria, a Igreja não aprovou os seus escritos, e vários padres e bispos até desencorajaram o Movimento da Vontade Divina de promover a sua causa ou espalhar a sua doutrina. Em seus escritos, que supostamente consistem em mensagens de Jesus, Piccarreta afirma que uma nova revelação está sendo dada através dela que resultará em uma era definitiva de graça na qual o Espírito Santo efetuará a vontade de Deus em toda a criação.

TRABALHO MAIOR

Crise

PÁGINAS

32-37

EDITORA E DATA

The Morley Institute, Inc., abril de 1998

 

[Ed. nota: Em 2010, a causa de canonização de Luisa Piccarreta foi transferida da sua diocese local para o Vaticano, que agora abriu a causa. Os dois teólogos designados para estudar as suas obras deram um parecer positivo. Isto ainda não constitui uma aprovação oficial da Igreja, e o debate continuará ao longo do processo da sua causa. Contudo, é claro que estes dois teólogos, pelo menos, não concordam com as reservas expressas abaixo.]

Luisa Piccarreta ficou confinada à cama durante mais de sessenta anos, registrando todos os dias em seus cadernos tudo o que Jesus lhe revelava. A anotação do caderno de 29 de janeiro de 1919 diz:

 Minha querida filha, quero que conheça a ordem da minha Providência. Em cada período de 2.000 anos eu renovei o mundo. No primeiro período renovei com a enchente. Nos segundos 2.000 anos, eu o renovei com minha vinda à Terra e manifestando minha humanidade, da qual, como tantos canais de luz, minha divindade brilhou. E neste terceiro período de 2.000 anos, aqueles que são bons e os próprios santos viveram os frutos da minha humanidade, mas quase não desfrutaram da minha divindade. Agora estamos no final do terceiro período e haverá uma terceira renovação. É por isso que há confusão geral. Isso se deve à preparação para a terceira reforma.

 

Sofrendo de uma alimentação misteriosa e supostamente consumindo apenas a Eucaristia, durante sua vida Piccarretta preencheu trinta e seis volumes descrevendo o “Reino da Vontade Divina” que será inaugurado antes do novo milênio. Os promotores da causa de beatificação de Piccarretta explicam com urgência este Reino da Vontade Divina como o terceiro e último decreto de Deus, completando a obra que ele iniciou na criação e redimiu pela Encarnação. Eles enfatizam uma “vinda definitiva”, o período final em que o Espírito Santo derramará tais graças que toda a realidade será transformada para fazer a vontade de Deus.

Os seus apoiantes afirmam que os padres frequentemente se reuniam ao lado da cama de Piccarreta para observar os êxtases que enrijeciam o seu corpo numa laje de pedra, reanimada apenas pelo toque de um clérigo. Os teólogos contestam que os promotores da Vontade Divina estão a atrair fiéis católicos com falsas revelações e histeria milenar.

Quem é Luísa Piccarreta? Ela é a pessoa mais santa que já existiu, exceto a Virgem Maria? Piccarretta escreveu que Jesus concedeu-lhe o título de “Arauto da Nova Era”. As publicações da Vontade Divina pregam um Éden restaurado. Deus revelou a Luísa uma nova e última era?

A controvérsia cresce

Luisa Piccarreta nasceu em Corato, Itália, em 1865 e foi declarada “Serva de Deus” em 1948, um ano após sua morte. Nunca avançando além da educação de primeira série, ela se tornou uma “Filha de Maria” aos onze anos e uma Dominicana de terceira ordem na adolescência. Muitos de seus vizinhos relataram que ela parecia ser uma alma de vítima, sofrendo um estigma místico tão doloroso que ficou acamada durante a maior parte de sua vida.

Em 1938, as autoridades da Igreja pediram a Piccarretta que entregasse os seus trinta e quatro volumes de revelação, três dos quais foram colocados no índice de livros questionáveis ​​pelo Santo Ofício. O conjunto de diários foi mantido nos arquivos do Vaticano até 1994. No entanto, antes de os livros serem originalmente confiscados, o confessor de Piccarretta, Annibale Di Francia, permitiu que as freiras transcrevessem partes dos volumes um a dezenove. Essas cópias foram traduzidas para o inglês e o espanhol e circularam discretamente com Nihil Obstat, de Di Francia. De acordo com as transcrições, Jesus disse a Piccarretta: “Esses escritos renovarão a face da terra”.

Os seguidores da Vontade Divina acreditam que estamos vivendo agora no tempo em que Jesus advertiu seus discípulos que ocorreria perto dos “últimos dias”; citam profecias privadas, tanto aprovadas (LaSalette, Fatima, Akita) como não aprovadas (Pe. Gobbi, Louis de Montfort). Segundo os seus promotores, esta revelação do plano de Deus para os seus filhos nos dias de apostasia em massa foi dada à acamada Luisa Piccarreta.

Pe. Venard Poslusney, 0. Carm., um defensor de Piccarreta que faz apresentações sobre a Vontade Divina, enfatiza este mesmo ponto, recitando as palavras de Jesus a Piccarretta: “Tendo enviado do seio do meu poder criativo os dois primeiros FIAT, desejo emitir o terceiro FIAT, já que não posso mais conter meu amor. Isso completará a obra que jorrou de mim. Caso contrário, a obra de criação, bem como a de redenção, permaneceriam incompletas.” Entusiasmado, o padre carmelita continua: “Nunca, fora da Bem-Aventurada Virgem Maria, li a vida de uma santa como esta. Ela nunca comeu nem bebeu, foi perfeitamente obediente  passou em todas as provas  e Deus deu-lhe revelações para nós.”

Apesar do entusiasmo de Poslusney e de outros, os seus promotores encontraram pouco apoio eclesiástico para o movimento de Piccarretta e a sua causa de beatificação na América. O Arcebispo Levada de São Francisco rejeitou o pedido para realizar uma conferência sobre o Reino da Vontade Divina em sua diocese. O movimento encontrou um calafrio semelhante em Little Rock, Arkansas, onde o Bispo McDonald escreveu a um pároco: “Com esta carta, proíbo a promoção pública ou privada do movimento do Reino da Vontade Divina na Diocese de Little Rock. Você pode postar esta carta e usá-la conforme a ocasião exigir.” Os proponentes da Vontade Divina rotulam esta rejeição de “perseguição” e vêem nela um análogo aos dezessete anos que a Beata Faustina trabalhou para dar à Igreja a devoção à Divina Misericórdia que lhe foi revelada por Cristo. No entanto, os astutos reconhecem que a devoção prestada à Beata Faustina não é uma nova revelação, mas uma recordação do que já é conhecido e ensinado.

Os oponentes dos escritos de Piccarretta levantam dois pontos críticos: primeiro, nada de novo é necessário para completar a obra de Cristo; nenhum novo decreto ou revelação pode ser acrescentado ao depósito da fé. Em segundo lugar, a revelação privada não pode conter novas informações necessárias à salvação das almas, caso contrário os santos que viveram antes dos escritos de Piccarretta teriam sido privados de uma ajuda substantiva à vida cristã.

Os defensores respondem a esta última objeção citando uma das revelações de Jesus a Piccarretta: “As criaturas são incapazes de compreender o meu trabalho de uma só vez. Portanto, devo manifestar-me pouco a pouco.” Além disso, questionam o direito dos bispos de obstruir as suas actividades, citando a libertação pelo Vaticano de todos os volumes anteriormente confiscados mantidos nos arquivos. Atualmente, o trabalho de Piccarretta está sendo submetido a um novo escrutínio por um tribunal diocesano na sua diocese natal, Trani, sob a direção do Arcebispo Carmelo Cassati.

Os defensores apressam-se a acrescentar que os escritos de Piccarretta gozam da aprovação de teólogos contratados pelo tribunal diocesano para estudar os seus volumes. No entanto, os teólogos nomeados na literatura promocional americana da Vontade Divina não são conhecidos dos teólogos dos EUA, e o gabinete do núncio papal dos EUA não tem informações sobre o Pontifício Instituto Teológico do Sul de Itália, onde um dos teólogos defensores é o reitor. Tom Fahy, presidente do Centro para a Vontade Divina em Jacksonville, Flórida, respondeu a um artigo desfavorável no The Wanderer alegando que “nenhum dos escritos originais de Luisa Piccarreta foi jamais condenado pela Igreja ou colocado no Índice de Livros Proibidos. Qualquer afirmação ou insinuação em contrário é falsa.”

Mas é Fahy quem insinua falsidade; ele não é totalmente aberto sobre os escritos contestados. Os volumes que Fahy tenta proteger incluem Vigília da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, No Reino da Vontade Divina e A Rainha dos Céus na Vontade Divina. Relatando a condenação, L’Osservatore Romano (11/09/38) afirmou que a censura indicava “um misticismo falso e perigoso que é frequente em nossos dias… [A] Vontade Divina é concebida de maneira exagerada e errônea. (…) [Foi] então oportuno colocar os fiéis em guarda.”

Fahy afirma que o confessor de Piccarretta editou seus volumes erroneamente, e esse processo editorial defeituoso é o obstáculo doutrinário, e não o conteúdo e o significado dos diários de Piccarretta. Esta é uma capa fina. Considere uma entrada do Livro do Céu, onde Jesus diz a Piccarretta:

 “Agora, filha, você… é única em minha mente; e você será única na história. Não haverá – nem antes nem depois de você – qualquer outra criatura a quem eu obrigarei por necessidade o trabalho de meus ministros. , . Como eu queria minha Mãe comigo como primeira intermediária da minha misericórdia… Eu a queria à minha direita. . . . Eu queria você [Luisa] como a primeira intermediária da justiça. . . . Eu queria você à minha esquerda.”

 

A impressionante elevação de si mesma como outra Virgem Maria é uma evidência das afirmações extravagantes nos diários de Piccarretta que o decreto de condenação considerou questionáveis. Além disso, há a questão de forçar a vontade (“Obrigarei por necessidade”), o que é contrário ao ensinamento da Igreja de que Deus nunca usurpa a vontade, que somos sempre livres para oferecer voluntariamente a nossa vontade em conformidade com a vontade de Deus. .

Outra página surpreendente do Livro do Céu diz:

 [Para] nenhuma outra alma, por mais que eu as tenha amado, mostrei como viver em minha vontade. . . . Procure na vida dos santos o quanto quiser ou nos livros de doutrina e não encontrará as maravilhas da minha vontade operando na criatura e a criatura agindo na minha vontade. O máximo que você encontrará será a resignação, o abandono, a união de vontades, mas a vontade divina trabalhando na criatura e a criatura na minha vontade, você não encontrará isso em ninguém.

 

Mais uma vez, Piccarretta tira de suas visões a compreensão de que somente ela, e nenhuma outra alma até este ponto, incluindo São Pedro, Santa Teresa de Ávila, São Tomás de Aquino, ou qualquer um dos grandes santos, recebeu o dom do desejo divino. Estas afirmações não são refutadas pelo Pe. Venard, Fahy ou qualquer pessoa designada para promover a beatificação de Piccarretta. Claramente, os livros indexados não eram vítimas mal editadas, aguardando correção, uma vez que todos os volumes de Piccarretta fazem pronunciamentos igualmente surpreendentes.

Santos Delírios

Pe. Terrence Staples, da Diocese de Arlington, Virgínia, escreveu uma crítica incisiva da Vontade Divina que foi carregada no PetersNet, um site católico ortodoxo. Pe. O exame de Staples sobre a Vontade Divina serviu de combustível para o fogo; logo as brasas rugiram em chamas de ponto-contraponto. Refutando alguns dos pontos teologicamente mais problemáticos da obra de Piccarretta, Pe. Staples se opôs veementemente à ideia de que Piccarretta traz à Igreja uma nova revelação. “Tudo o que necessitamos para a santidade e o aumento da fé foi transmitido de uma vez por todas pelos apóstolos. O que foi transmitido pelos apóstolos compreende tudo o que serve para fazer com que o Povo de Deus viva a sua vida em santidade e aumente a sua fé. desta forma a Igreja, na sua doutrina, na sua vida e no seu culto, perpetua e transmite a cada geração tudo o que ela mesma é, tudo o que ela acredita”.

Pouco depois do Pe. A crítica de Staples apareceu, outras publicações e associações católicas expressaram preocupação. Os Católicos Unidos pela Fé publicaram um boletim descrevendo os erros na Vontade Divina de Luisa Piccarreta. Nosso Visitante Dominical caracterizou o debate que “se alastrou em certos círculos católicos conservadores” como dividido entre aqueles que vêem Piccarretta como uma santa e aqueles que temem que esta mulher piedosa tenha sido iludida.

Pe. Staples ressalta que ninguém está agredindo a personagem Luisa Piccarreta. Pelo contrário, ele vê na Vontade Divina a manifestação da vanglória, que segundo São Tomás de Aquino inclui a presunção de novidades.

Quando pressionado sobre a causa da beatificação de Luísa, Pe. Staples respondeu: “Estou confortável em dizer que Piccarretta não será beatificado.” Pe. William Most, do Christendom College em Front Royal, Virgínia, concordou, acrescentando esta advertência: “O processo de canonização de Maria de Ágreda foi interrompido por um papa da mesma ordem franciscana que ela, porque ela disse que todos são obrigados a aceitar seus ensinamentos.”

Reino traz divisão

“Eles simplesmente não entendem o que significa viver na Vontade Divina”, retruca Peter Gruters, um engenheiro civil que abandonou a profissão quando conheceu a Vontade Divina. Hoje ele mora na zona rural de Minster, Ohio, onde dirige a Our Lady’s Foundation, uma pequena editora. Todos os meses a empresa confia que Deus enviará fundos suficientes para continuar a imprimir os livros que Gruters está escrevendo. Gruters afirma que recebeu o dom de viver na Vontade Divina e tem locuções quase todos os dias. Ele escreveu o que Jesus lhe diz, compreendendo os seis volumes que o seu apostolado publica. Gruters descreve a Vontade Divina como uma “Vontade Habitante” que dá a graça de ser mais parecido com Jesus. O principal benefício é que este novo dom da Vontade Divina traz o “dom da ordem”, o que significa que a “desordem da vontade humana” desaparece, deixando em seu lugar o Reino de Deus na terra, segundo Gruters.

A promessa de paz e ordem atrai muitos católicos fiéis ao movimento da Vontade Divina. Os frutos, ao que parece, foram a dissensão. Muitos ex-membros descreveram a divisão que foi causada nos grupos de oração do rosário quando a Vontade Divina foi introduzida. Normalmente, aqueles que aceitam a Vontade Divina veem aqueles que não a aceitam como estando fora da Vontade. Logo a fidelidade é transferida para um cenáculo da Divina Vontade onde a oração é combinada com leituras dos livros de Luisa Piccarreta. John McMillan de Orlando, Flórida, um ex-apoiador do movimento, relata: “Disseram-nos que só precisamos rezar a primeira dezena do rosário antes que a presença da Santíssima Virgem se junte a nós, por isso não precisamos rezar um rosário inteiro já que ela estava conosco em oração. Notei que alguns que costumavam ir à missa diária pararam de ir. (Piccarretta escreve sobre a Vontade Divina como o ‘sacramento dos sacramentos’.) E então, você sabe, o bispo pediu-lhes que saíssem, mas eles não fizeram.”

McMillan participou de um grupo independente da Vontade Divina que os promotores autorizados da causa de Luisa Piccarreta não apoiam. Pe. Tom Celso, listado como “assessor eclesiástico da causa de Piccarretta nos EUA”, explica que cinco padres vieram da Itália para a Flórida para estabelecer os Filhos Apostólicos da Vontade Divina. Pe. Celso, ordenado na Diocese de Rochester pelo Bispo Matthew Clark, interessou-se pelo movimento e pediu licença de suas funções diocesanas para estudar a Vontade Divina. Ele visitou brevemente os Filhos da Vontade Divina de St. Cloud, Flórida, em 1986, relembrando em uma entrevista:

 Quando soube que o bispo deles na Itália dissolveu o grupo, não fiz mais contato com esse grupo. ‘A Sociedade de Vida Apostólica’ liderada pelo Pe. Gustavo não está de forma alguma ligado à Igreja oficial na promoção da causa da Serva de Deus Luisa Piccarreta. O Bispo de Orlando perguntou ao Pe. Gustavo e seu grupo vão embora. . . . [Nós] não estamos em contato com eles.

 

Este grupo independente, e vinte outros inspirados no seu modelo, estão espalhados pelos Estados Unidos. Alguns vivem em comunidade, encorajando aqueles que se juntam a doar todos os seus bens à comuna. Eles atribuem como autoridade eclesiástica o ex-bispo Raymond Roy de St. Paul, Canadá, que renunciou à sua sé sob o peso de um escândalo de má gestão financeira.

Estas irregularidades e as atividades de grupos independentes prejudicam a verdadeira causa de Luisa Piccarreta, lamentam os seus defensores. Os independentes, como Peter Gruters, ressaltam que os dois grupos têm um foco distinto: “Só queremos viver na Vontade Divina. A beatificação de Piccarretta é secundária para nós, já que a Vontade é o dom, e Piccarretta foi o instrumento. para a Vontade Divina sob Tom Fahy têm como foco a promoção da causa de beatificação de Piccarretta, não necessariamente vivendo no Dom. Essa é a diferença.” Ambos os grupos exibem um sentido elevado do desenrolar iminente dos eventos preditos no Livro do Apocalipse.

Pe. Staples alerta que os “propensos à aparição” provavelmente encontrarão as mensagens que procuram em todos os cantos. Além disso, muitos dos que discutem a sua crença no Reino da Vontade Divina também se referem aos escritos de Maria Valtorta, autora do condenado Poema do Homem-Deus, ou de Vassula Ryden, uma mulher grega que afirmava receber aparições, ambas rejeitadas. pelas autoridades da Igreja.

Hora de reflexão

Pe. Celso e os defensores da causa de Piccarretta são uniformemente calorosos e generosos. Pe. Celso ressaltou sua adesão à Igreja mesmo que a causa de Piccarretta não se concretize. No entanto, ele ressalta que tinha todas as expectativas de que a causa dela fosse adiante, já que João Paulo II beatificou o confessor de Piccarretta, Annibale Di Francia, em 1990. Annibale escreveu cartas a Piccarretta elogiando sua vida santa e os ensinamentos “sublimes”. Quem pode julgar Piccarretta, perguntam os defensores, antes que o processo seja concluído?

Fahy considera que as 1.100 pessoas que participaram de uma recente conferência sobre o Reino da Vontade Divina em Roma, Geórgia, são uma forte indicação de que muitos acreditam que Piccarretta é um instrumento de Deus. Pe. Venard enfatiza a santidade indiscutível da vida de Piccarretta como prova de seu valor.

A refutação de Fahy ao artigo do Wanderer , de Paul Likoudis, incluía um apelo para revisitar o oitavo mandamento. Claramente, ele está preocupado que acusações infundadas contra a causa de Piccarretta não sejam divulgadas. No entanto, para que a sua promoção seja digna de crédito, algumas discrepâncias precisam de ser esclarecidas.

Numa entrevista, Fahy provoca a sugestão de que pode haver evidências de que Padre Pio estava lendo as Horas da Paixão de Piccarretta quando recebeu os estigmas. Pe. JP Martin, do Convento Nossa Senhora das Graças em San Giovanni Rotondo, defende Padre Pio com palavras fortes, dizendo: “Não há absolutamente nenhuma base para conectar o Venerável Padre Pio com esse movimento e desejo fortemente que seu nome não seja usado em qualquer conexão. .” Pe. Celso e Pe. Venard indicou que Piccarretta foi declarado “venerável”, mas uma verificação não revelou tal designação. Quando solicitado a esclarecer, Pe. Venard disse que o termo “venerável” não é mais usado e que “Servo de Deus” é agora o termo usado pela Igreja para indicar uma vida digna de ser imitada. No entanto, ainda em dezembro de 1997, Padre Pio foi nomeado venerável pela Igreja.

Os promotores da Vontade Divina sustentam que a beatificação de Di Francia indica uma aprovação tácita de Luisa Piccarreta. “Você não acha que o Santo Padre precisava saber dos escritos de Piccarretta já que aprovou Annibale?” pergunta o Pe. Venard. Di Francia fundou uma ordem de sacerdotes, os Rogacionistas, cuja formação não inclui a espiritualidade da Vontade Divina. Pe. John Bruno, RCJ, superior do seminário da ordem, observa que não há menção a Piccarretta na biografia de seu fundador. Pe. Bruno explicou que nunca tinha ouvido falar de Piccarretta ou do relacionamento próximo que seu fundador teria tido com ela. Seu primeiro indício de relacionamento foi recentemente, quando Tom Fahy e Pe. Celso veio visitar os Rogacionistas e deu-lhe uma foto de Di Francia e Piccarretta. Pe. Bruno ficou tão impressionado com a Vontade Divina que fez um discurso na conferência do grupo em novembro de 1997.

Pe. Bruno teve esta resposta à questão de por que não houve menção ao relacionamento: “Acho que o postulador da causa de beatificação do Padre Annibale não quis enfatizar o relacionamento, já que alguns de seus escritos estavam no Index”.

Isto levanta novas questões. A Congregação dispunha de todos os documentos relevantes para considerar a causa de Di Francia, ou, como pe. Bruno especula, alguns foram retidos porque poderiam dificultar a promoção de Di Francia? Por outro lado, existia de facto uma relação estreita entre Piccarretta e Di Francia, ou, quando o padre foi beatificado em 1990, os apoiantes de Piccarretta viram uma oportunidade de explorar o seu papel como seu confessor? Parece provável que Di Francia tenha aprovado alguns dos trabalhos de Piccarretta, mas como ele morreu antes de seus trabalhos serem colocados no Índice, não podemos saber como ele via o corpo completo.

Estas questões e outras irregularidades também preocuparam o Arcebispo Carmelo Cassati de Trani, Itália. Uma carta foi enviada em janeiro de seu escritório para Fahy, Pe. Celso e outros autorizados a promover a causa de Piccarretta. A carta revoga essa autorização e proíbe qualquer publicação posterior do trabalho de Piccarretta ou quaisquer novas conferências realizadas para promover a sua causa ou os seus escritos. O arcebispo, temeroso de que “sem perceber, estejamos prejudicando a mesma causa da beatificação de Piccarretta”, ordenou agora que todas as perguntas adicionais sobre Piccarretta fossem dirigidas ao seu gabinete.

Pe. Celso saúda este desenvolvimento, já que o arcebispo prometeu ler a obra de Piccarretta com sua própria caligrafia e produzir novas traduções que evitarão dúvidas sobre a ortodoxia de Piccarretta. Pe. Staples também está satisfeito com a nova cautela do arcebispo. Isto sublinha a promessa do Arcebispo Cassati ao Pe. Staples que estudaria com muito cuidado a teologia exposta na obra de Piccarretta à luz do ensinamento da Igreja. O arcebispo, numa advertência que parece altamente apropriada dado o entusiasmo dos apoiantes de Luísa, escreveu: “Penso que é necessário que todos nós façamos uma pausa por um período de tempo para reflexão”.

https://www.catholicculture.org/culture/library/view.cfm?recnum=396  (link original)

Compartilhe a Divina Vontade
Tags: , ,

Você também pode gostar

LIVRO DO CÉU VOLUME 5 – 1
A Ortodoxia dos Escritos de Luisa Piccarreta – Padre Stephen R. Patton

Aplicativo Vida na Divina Vontade

Baixe Direto o APP Android

ENCONTRE TUDO RAPIDINHO

Horas da Paixão

31 Dias com Maria 

Giros da Alma

Escritos de Luisa PiccarretaLIVRO DO CÉU

Nossos vídeos no Youtube

Evangelho Maria Valtorta

Vida Intima de Ns Senhor 

VÍDEOS DA ESCOLA

 

   Aplicativo para outros celulares: https://app.vc/dvbeta

Telegram: https://t.me/joinchat/Vy8mSSfh_lVs_nez

Whatszap:
12.988930463

Baixar os: Livros da Valtorta
e Livros da Vida intima

 

           ORAÇÃO DO DIA

¨Mãe celeste, Rainha Soberana do Fiat Divino, toma-me pela mão e mergulha-me na Luz do querer Divino. Tu serás a minha guia, minha terna Mãe, e me ensinarás a viver e a manter-me na ordem e no recinto da Divina Vontade. Amém, Fiat.¨

O que é o Reino da Divina Vontade?

Canal Divina Vontade

Como se faz os 31 Dias com Maria

Formação na Divina Vontade

Músicas da Divina Vontade

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Abrir bate-papo
1
Escanear o código
Olá 👋
Podemos ajudá-lo?