#18 MEDITAÇÃO INICIANTES – TRANSIÇÃO DA VIDA HUMANA A VIDA DIVINA


(63) “Minha amada as coisas passadas foram apenas uma preparação, agora eu quero vir a atos,
e para dispor seu coração para fazer o que eu quero de você, isto é, imitação da minha Vida, quero
que você entre no imenso mar da minha paixão, e quando tiver compreendido bem a amargura das
minhas penas, o amor com que as sofri, quem sou eu que tanto sofri, e quem és tu, s criatura vil,
ah, seu coração não se atreverá a se opor aos golpes, a cruz, que eu só preparei para o seu bem.
Em vez de apenas pensar que eu, seu mestre, ao que sofri, suas tristezas parecerão sombras
comparadas às minhas, sofrimento será doce e você não poderá ficar sem sofrer ”.

(64) Minha natureza tremia só de pensar no sofrimento, pedi a Ele para me dar força, porque sem
Ele eu teria usado seus próprios presentes para ofender o doador. Então comecei a meditar na
Paixão, e isso fez tanto bem à minha alma, que acho que tudo o bem chegou a mim dessa fonte.
Via a paixão de Jesus Cristo como um imenso mar de luz, que com seus inúmeros raios eles me
machucavam muito, isto é, raios de paciência, de humildade, de obediência e de tantas outras
virtudes; Eu me vi toda cercado por essa luz e fui aniquilada me vendo tão diferente de Ele.
Aqueles raios que me inundaram eram para mim muitas outras censuras que me disseram:

(65) “Um Deus paciente, e você? Um Deus humilde e submetido até aos seus próprios inimigos, e
você? Um Deus que sofre tanto por seu amor e seus sofrimentos por seu amor, onde estão eles?
(66) Às vezes, ele mesmo me narrava as penas sofridas por Ele, e ficava tão comovida que
chorava amargamente. Um dia, enquanto trabalhava, eu estava considerando as penas muito
amargas que meu bom Jesus sofreu, meu coração se sentiu tão oprimido pela dor, que me faltava
a respiração; temendo que algo acontecesse comigo, eu queria me distrair inclinando-me para a
varanda a rua, mas o que eu vejo? Eu vejo a rua cheia de gente, e no meio meu amante Jesus
com a cruz nas costas; um o empurrava de um lado e outro alguem pro outro, todo agitado, com o
rosto pingando sangue, que levantou os olhos em minha direção, numa atitude de me pedir ajuda.
Quem pode contar a dor que senti, a impressão que uma cena tão lamentável causou em minha
alma?
Entrei rapidamente no meu quarto, eu mesma não sabia onde estava, meu coração, o sentia rasgar
em pedaços por causa da dor, e chorando lhe dizia:: “Meu Jesus, se ao menos eu pudesse ajudar,
te pudese libertar daqueles lobos furiosos! Ai! eu gostaria ao menos de sofrer essas penas em seu
lugar, para aliviar minha dor. Ah, meu bem, me dê o sofrimento, porque não é justo que Tu sofras
tanto, e eu, pecadora, fique sem sofrer ”.

Compartilhe a Divina Vontade