Estudo 39 Evangelho como me foi revelado – Escola da Divina Vontade


VIDEO DA AULA
22 de fevereiro de 1944.
[…].
41.11 Jesus diz:
[…].
– Voltemos muito, muito atrás. Voltemos ao Templo, onde Eu, aos doze
anos, estou disputando. Ou melhor, voltemos às ruas que levam a Jerusalém,
e de Jerusalém ao Templo.
Vê a angústia de Maria, quando, tendo-se reunido às filas dos homens e
das mulheres, viu que Eu não estava com José.
Ela não levanta a voz, em ásperas repreensões contra o esposo. Todas as
mulheres o teriam feito. Vós o fazeis por muito menos, esquecendo-vos de
que o homem é sempre o chefe da casa. Mas a dor que transparece no rosto
de Maria, magoa José, mais do que qualquer repreensão. Maria não se
abandona a cenas dramáticas. Vós, por muito menos, o fazeis, pois gostais de
ser notadas, e feitas alvos de compaixão. Mas a dor contida de Maria é tão
evidente, pelo tremor que a toma, pelo rosto que empalidece, pelos olhos
que se dilatam, que comove mais do que qualquer cena de pranto e de
clamor.
Não sente mais cansaço, nem fome. O caminho foi longo e, depois de
tantas horas, não tomou nenhum alimento! Mas ela deixa tudo. Tanto a
enxerga, que está sendo arrumada, como a comida que ia ser distribuída.
Volta atrás. É tarde, a noite desce. Não importa. Cada passo que dá leva-a de
volta a Jerusalém. Faz parar as caravanas e os peregrinos. Pergunta a todos.
José a segue e a ajuda. Um dia de caminho, voltando, e depois uma penosa
busca pela cidade.
Onde, onde poderá estar o seu Jesus? E Deus permite que ela não saiba,
durante tantas horas onde é que devia ir me procurar. Procurar um menino no
Templo, seria uma coisa sem sentido. Que teria um menino ido fazer no
Templo? No máximo, teria se perdido na cidade, e se tivesse voltado para
dentro do Templo, levado pelos seus pequenos passos, sua voz chorosa teria
chamado pela mãe atraindo a atenção dos adultos, dos sacerdotes, os quais
teriam providenciado para que se procurassem os pais dele, por meio de
avisos colocados nas portas. Mas não havia nenhum aviso. Ninguém na
cidade sabia desse Menino. Bonito? Loiro? Robusto? Mas há tantos assim!
Era muito pouco para se poder dizer: “Eu o vi. Estava em tal ou tal lugar!”
41.12Três dias depois, símbolo de outros três dias de futura angústia, eis
que Maria, exausta, penetra no Templo, percorre os pátios e os vestíbulos.
Nada. Corre, corre a pobre mãe, no rumo de onde lhe pareceu vir uma voz
de menino. E, até os cordeiros, que estão balindo, lhe parecem o pranto do
Filho, que está procurando. Mas Jesus não está chorando. Ele está
ensinando. Neste momento, Maria ouve, do outro lado de uma barreira de
pessoas, a querida voz, que diz: “Estas pedras tremerão…” Ela tenta
atravessar a multidão, e só o consegue, depois de muito esforço. Aqui está o
Filho, de braços abertos, em pé entre os doutores.
Maria é a Virgem prudente. Mas desta vez a angústia venceu a sua
reserva. É como um dique, que enfrenta o que vier. Ela corre até o Filho, e o
abraça levantando-o do banco, pondo-o no chão, e exclama: “Oh! Por que
nos fizeste isto? Há três dias que estamos à tua procura. Tua mãe está para
morrer de dor, Filho. Teu pai está exausto de cansaço. Por que Jesus?”
Não se pergunta os “porquês” a Quem sabe os “porquês” de seu modo
de agir. Aos chamados não se pergunta “porque”, deixam tudo para seguir a
voz de Deus. Eu era a Sabedoria e sabia. Eu fui “chamado” para uma
missão, e a estava cumprindo. Acima do pai e da mãe desta terra, está Deus,
o Pai divino. Os seus interesses superam os nossos, e seus afetos são
superiores a qualquer outro. Eu digo isso a minha mãe.
Termino o ensinamento aos doutores, com o ensinamento a Maria,
Rainha dos doutores. E ela nunca mais esqueceu isso. O sol voltou ao seu
coração, quando me tomou pela mão, humilde e obediente, mas as minhas
palavras também ficaram em seu coração. Muito sol e muitas nuvens
passarão pelo céu, durante aqueles vinte e um anos, em que Eu estarei ainda
sobre a terra. E muita alegria e muito pranto se alternará em seu coração, por
outros vinte e um anos. Mas ela nunca mais me perguntará: “Por que, meu
Filho, nos fizeste isto?”
Aprendei, ó homens insolentes!
41.13Eu expliquei e esclareci a visão, porque tu não estás em condições de
fazer mais.
[…].
[68] disputa, que incidirá sobre os passos bíblicos que listamos (como de norma) segundo ordem canónica e não na ordem das
citações: Génesis 35,16-18; Êxodo 14,21-22; 24; Números 24,17; 2 Reis 2,11; Isaías 9,5; 40,1-5; 52,13-15; 53,1-12; Jeremias
31,15; Daniel 9,24-27; Jonas 2; Miqueias 5,1; Ageu 2,7-9; Zacarias 9,9; Malaquias 3,1

Compartilhe a Divina Vontade