11º MEDITAÇÃO DO ANJO DA GUARDA DE MARIA VALTORTA


PENTECOSTES DOMINGO

Introdução: Ws 1: 7; Sal 68 (67): 2
Colete: 0 Deus, que neste dia ensinou os corações dos fiéis pela luz do Espírito Santo, conceda-nos pelo mesmo Espírito saborear o que é certo e
sempre para se alegrar em Sua consolação. Por nosso Senhor … na unidade do mesmo Espírito Santo.
Epístola: At 2: 1-11
Aleluia pascal – Primeira: Sl 104 (103): 30 – Segunda: Vem, Espírito Santo, enche os corações dos Teus fiéis: e acende neles o fogo do Teu amor. Seqüência:
Veni Sancte Spiritus. Evangelho: JN 14: 23-31
Ofertório: Sal 68 (67): 29-30
Segredo: Santifica, Senhor, oramos, os dons que Te oferecemos e purificamos nossos corações pela luz do Espírito Santo. Através de nosso Senhor … na unidade de
o mesmo Espírito
Santo. Comunhão: At 2: 2, 4
Pós-comunhão: Senhor, que o derramamento do Espírito Santo purifique nossos corações e os torne frutíferos pela aspersão interna de Seu orvalho celestial.
Por nosso Senhor … na unidade do mesmo Espírito Santo.
9 de junho de 1946
Azarias diz:
“Glória ao Divino Paráclito! Glória! Aleluia! Celebremos juntos os seus louvores por esta sua Epifania de amor. E
consideremo-la na sua preparação, na sua forma e nos seus efeitos.
“A estreiteza humana geralmente considera uma única epifania de Deus: a de Cristo. O homem é verdadeiramente incapaz de
ver, refletir e compreender. o homem era capaz de loue, ele veria, refletiria e compreenderia. As proporções de ver, compreender e
refletir são dadas pelo grau de amor alcançado pela alma.
“Quanto mais o homem se dá e se abandona ao amor para ser envolvido, queimado e destruído por ele e construído
com uma nova forma, queimado para queimar, e honrar queimando, e santificar trazendo entre os homens o calor da
imensa fornalha onde a criatura se transforma em serafim para que verdadeiramente entrar em Deus, no Tabernáculo
resplandecente que é Deus, o Trabalhador de quem tudo vem, o Incansável que trabalha tudo, o Perfeito, Consumado,
Santo, Poder, Sabedoria, Luz, Pensamento, Palavra, Amor, Vida, Graça, Confirmador da Graça – quanto mais o homem é
capaz de ver, refletir e compreender, pois ele possui sabedoria. Amor é sabedoria. A sabedoria é a fonte da virtude. O amor, isto é, a sabedoria, nunca está desconectado da santidade.
Em vez disso, é sempre o instigador da perfeição porque estimula o homem a obras frutíferas. E as obras fecundas e construtivas são
sempre obras de amor. Como os degraus de uma escada dourada, essas obras o elevam cada vez mais em direção ao céu. Como as penas
que se fortalecem ao voar – e todo trabalho de amor é um vôo para o Céu -, tais obras se tornam cada vez mais vastas, sagradas e alegres,
com a mesma alegria que Deus experimenta em trabalhar.
“O homem, quando imbuído de Amor, apropria-se – digamos – de sentimentos de Amor e, com o Amor Triúno,
recria-se, redime os outros além de si mesmo e tem prazer em criar e redimir; e, embora ativo além da medida em
seu trabalho nas duas formas de caridade – adoração a Deus e amor ao próximo – adquire, por doce êxtase, contínua
e continuamente percebendo, as luzes sapienciais de Deus nas quais está imerso, um profundo, equilibrado, pacífico
e solene majestade, que é o brilho da união sobre-humana com o Divino.
«Numa palavra: quando o homem é amoroso, vivendo com o seu espírito na Santíssima Trindade, assume os modos e os afetos
do Lugar onde habita e, portanto, um amor ativo, contemplativo, alegre, que é assim Luz e Sabedoria. , a faculdade de ver, refletir,
compreender.
“Agora, pelo que estou dizendo a você, pela Luz que estou trazendo, pelo fervor que nutro em você, quero que se
fixe no conhecimento superior, que o homem comumente não contempla, e Vejo o que Deus é, o Multiforme e
Igualável, Aquele que se completa em Si mesmo, mas não se excede pela prevalência de Uma de suas partes sobre a
outra, por prevalência, e o espírito de prevalência, já é egoísmo, e Deus não conhece egoísmo, pois em Deus há
Obediência no Filho, Acordo no Espírito para brilhar ao lado do Poder do Pai, mas nunca um espírito de opressão por
Um visando desvalorizar as ações dos Outros Dois.
“Ver Deus quer observar suas ações, incluindo aquelas que os estúpidos não percebem. E ver significa notar que
às Epifanias de Cristo, que o Santíssimo Senhor Jesus já vos explicou, correspondem as Epifanias anteriores do Pai e
as que também se seguem, do Espírito.
“O Pai se manifesta pela primeira vez na Criação. Uma imensa Epifania do Poder que fez tudo
do nada, pois o Todo pode fazer coisas do nada, ao passo que o nada, o não-ser, não pode se formar sozinho ou formar.
E o Criador se manifestou criando. A primeira Epifania de Deus, colocada como um sol radiante no início
dos tempos, para nunca, nunca escurecer novamente.
“O que é o organismo que dura eternamente, uma vez formado? O que não conhece dispersão, escurecimento, desagregação,
esquecimento, morte? Chegará o tempo em que as estrelas, até mesmo o sol supremo, não existirão mais. Os continentes não são
mais tão eram quando a Terra foi criada por Deus. Dinastias perecem. Freqüentemente, os nomes dos grandes que já existiram
não são conhecidos porque os séculos os cobriram com a poeira inconsciente do tempo. Mas a Epifania do Criador e Pai é e será
Ser. Pois com os ressuscitados no Último Dia permanecerá a parte super perfeita da dimensão perfeita desta Epifania – isto é, os
Viventes, os Homens, o eterno.
“Você ficou atordoada, minha alma? Não lhe parece apropriado chamar os malditos de ‘superperfeitos’? Eles serão a perfeição do
Mal e darão testemunho lá – no reino do Rebelde, que não quis dobrar seu espírito em adoração ao Mais Perfeito e queria ser um
deus no lugar de Deus àquilo que Aquele que o Rebelde quis tratar como seu igual pode fazer como Criador e como Juiz: fazer do
nada seres que não são apenas vivos, mas eternos, não apenas animais, mas dotados de espírito, e julgá-los com todo o seu ser,
dando a todos os que foram rebeldes o que mereceram, mantendo-os vivos para todo o sempre, enquanto tudo o que foi criado
experimentará a morte, e segregando-os no reino livremente escolhido por eles como seus reino.

“Como você vê, a primeira Epifania do Criador e Pai permanecerá, mesmo além do tempo, nos dois Reinos que não conhecerão
um fim – Paraíso, Inferno – para lembrar a todos, de acordo com sua condição, e em todos os momentos, que Deus existe e se
manifestou como tal desde o primeiro dia da criação. Uma lembrança luminosa e bendita para os cidadãos do Céu. Uma lembrança
de castigo para os que estão no Inferno. Mas para ambos indeléveis, mesmo depois de tudo ter sido anulado, exceto os dois
reinos.
“A manifestação criativa foi seguida pelas outras manifestações da Primeira Pessoa, aos patriarcas dos primeiros dias até a
manifestação no Sinai, o segundo no poder, e a terceira, completa, porque as Três Pessoas estavam presentes nele, no Jordão , e
ainda outro, para abalar gentios e judeus – os primeiros melhores do que os últimos – de modo que, por causa da então iminente
Paixão do Salvador, seus corações fossem preparados pela fé para se beneficiar de seus méritos.
“E às Epifanias do Pai estão unidas as do Amor, do Amor sempre presente em todas as ações do Pai e assim
manifestadas com Ele e a Palavra do ‘Fiat’, desde a Primeira Epifania da Primeira Pessoa, por , como diz o Introit, ‘O
Espírito do Senhor enche o mundo inteiro’, mas particularmente se manifestando nas lições de sabedoria e
operações de redenção.
“Oh, sublime manifestação do Amor, na casa virginal de Maria! O Amor que se manifestou em todo o seu amor, derramando-se
sobre a Mulher Amorosa para gerar o Salvador! ‘Ao preencher todas as coisas, Ele sabe o que te diz,’ O Introit professa: Ao encher o
coração da Virgem, Ele sabia o que estava fazendo: Ele estava fazendo a Virgem conceber o Homem para que as promessas se
cumprissem e o homem fosse novamente amigo e filho de Deus por meio de sucessivas operações de amor.
“Olha! Medita! Aquele que presidiu a todas as ações do Criador e, portanto, ao Pensamento de criar a
Imaculada também, a futura Mãe do Redentor, desce agora para desposá-la, achando-A mais bela que o
próprio Paraíso, porque Ela é bela na justiça por sua própria vontade, além da vontade do Senhor do Paraíso.
“Que mais doce Epifania do Amor Divino do que esta? E através desta doce Epifania foi assim formada no ventre
da Virgem a Carne da Palavra Santíssima, e o Coração de Cristo teve ali o seu início, aquele Coração que não teve
em sua primeira batida e não terá um único movimento que não seja 9 obediência e amor e que vos é proposta como
modelo para chegar à glória do céu.
8 “Mas àquela Epifania na Marcha da Galiléia, à outra nas margens do Jordão, juntou-se o luminoso,
coroando a Epifania de Pentecostes, a prometida epifania que Cristo mencionou aos seus Apóstolos para os consolar naquela
noite pascal e na manhã da Ascensão. Lá foi cumprido, precedido por uma preparação de obediência e oração, para fazer opobre
apóstolos no excelente Apóstolos, ‘batizá-los com fogo’, como Jesus havia predito a eles para que fossem purificados de sua
estupidez e, mais espírito do que carne, pudessem mergulhar no Fogo e espalhá-lo por toda parte, incendiando o mundo inteiro
com isto. O Espírito sabia muito bem o que Ele estava realizando naquele momento. Ele estava realizando a transformação dos
corações. E Ele estava transformando-os de corações de homens em ‘vozes’ de Deus.
“É isso. O Espírito realiza essas operações. Ele toma o nada que é capaz de amar, que é obediente, que é fiel, que
fala a Deus em oração confiante, e investe em Si mesmo, transforma-o, faz dele um instrumento de Deus.
“’Você fará uma nova criação’, é dito. Sim, Ele realiza a recriação do homem como um instrumento, de modo que a boa
vontade do instrumento, quando unida ao Amor, supercriará o sagrado.
“E observe: a Primeira Pessoa se levantou e ordenou: ‘Haja Luz.’ O terceiro diz: ‘Haja amor’. O primeiro ordenou:
‘Haja o homem’, e o terceiro, ‘Haja santidade’. O Primeiro clamou a Lúcifer: ‘Seja amaldiçoado’. O Terceiro faz o Ódio
voar com o esplendor do Amor.
“O Senhor se levanta e dispersa os seus inimigos e os de seus filhos, e aqueles que odeiam o Amor fogem de sua vista e da
proximidade de seus filhos.
“Eu já disse a vocês que Maria era linda e amada porque Ela era linda injustiça por sua própria vontade além da
vontade do Senhor e por isso merecia o casamento com Deus. E eu também disse a vocês que os apóstolos mereciam o
Crisma Pentecostal por causa de seu obediência e oração em preparação para o evento.
“Cada alma, para merecer o Amor, deve, com sua própria vontade, desejar o Amor e deve manter-se digna do Amor
pela obediência e oração incansável. Se assim não fosse, a descida do Espírito Santo sobre ela seria em vão, pois ao descer
ali habitaria e rapidamente ascenderia ao Céu, deixando aridez, frio, escuridão e silêncio onde poderia haver
fecundidade, calor, luz e lições divinas.
“Mas se isto é para todos os fiéis, é ainda mais para os instrumentos. Os Apóstolos foram transformados de homens em vozes
de Deus através da obra do Paráclito e da sua própria preparação na obediência e na oração. Aqueles chamados a uma missão
especial – e toda convocação é um teste; ainda não é uma eleição segura e imutável – são transformados em ‘uoices ‘ pela obra do
Amor e sua própria preparação na obediência e na oração. Nunca dê outro nome diferente desses dois para os ‘nadas’ que se
tornam um instrumento. É sua obediência, seu falar com Deus, sua obediência aos mandamentos de Deus que os torna o que são.
E não dê outro nome senão o de desobediência e orgulho às quedas daqueles que pareciam justos e tinham apenas o verniz
externo dos justos.
“Eu, alma minha, jamais cessarei, ao preço de te parecer monótono, de te exortar a praticar aquelas virtudes necessárias para
todos, mas absolutamente indispensáveis, e em plena medida, no ser escolhido por um caminho extraordinário – que são uma
obediência perfeita e uma humildade perfeita, um espírito de união com Deus, isto é, oração contínua, e não, de fato, o murmúrio
mecânico de orações em certas horas.
“Anteontem, em uma aula íntima, expliquei-lhe que mesmo o que sua mente não compreende, porque não se nutre de
noções teológicas, opera transformações espirituais em você, para a alma, sem o conhecimento de seu próprio intelecto,
que não pode acompanhá-lo, por ser ignorante das noções teológicas, absorve o suco das lições que você recebe e se
alimenta delas. Apenas deixe seu cérebro, como você diz, ouvir nada além do som externo e incompreensível de tantas
lições profundas. Existe uma parte de você, a melhor parte, que é nutrida por todos eles da mesma forma, de verdade. E
isso tem mais valor do que se você, com seu intelecto, fosse capaz de analisar e apreender cada palavra, mas essa análise
permaneceu um estudo frio da mente e não pão e fogo do espírito.
“Muitos são os eruditos, mas poucos os que se sentem culpados pelo aprendizado. E por quê? Porque eles conhecer o que Deus é, mas
não quero levar esse conhecimento do cérebro para o coração, para o espírito, e eles são aprendidos, mas não são justos, não evoluem de
criaturas humanas para espirituais. Eles são muito orgulhosos, mas elesnão são grandes em obediência. Ousado em julgar, mas tímido em amar. Muitas palavras fluem de seus lábios. Mas eles descem em vez de
subir, porque eles sãopalavras, não flechas de amor disparadas em direção ao céu. Oração … Oh, quero fazer uma comparação do que é a
verdadeira oração!
“Pense em uma mulher carregando seu filho no ventre. O coração da criança que está para nascer não está totalmente unido
ao da mãe; distantes, separados por órgãos e membranas, seriam denominados independentes. E ainda a cada batida do o
coração da mãe corresponde a uma batida do filho, porque o sangue que corre em suas veias é o mesmo. Veja, é assim com a
oração quando é realmente ‘oração’. É uma conformação das pulsações de amor da criatura às pulsações de amor de seu Deus,
quase como se um e o mesmo sangue de amor imprimisse movimento em dois corações diferentes, sincronizando-os em seus
movimentos. Mas se a criança nasce , ele assim assume uma batida independente, pois agora ele está separado da mãe, fora dela.
“Conseqüentemente, se o crente se separa e sai de Deus, seus movimentos não são mais sincronizados com os de
Deus. A criança sai por uma lei natural e boa. O crente sai por uma escolha voluntária que não é boa. Nunca saia do
seio amoroso do Amor.
“E voltemos à consideração deste Paráclito de Manifestação do Espírito.
“Eu disse a você no início que consideraríamos o Pentecostes em sua preparação, forma e efeitos. A preparação pode ser
dividida em três períodos. O remoto, o próximo e o imediato.
“A preparação remota para o Pentecostes é aquela que esteve no Pensamento de Deus desde que Ele decretou a vinda do
Verbo à Terra para redimir e dar a Religião santa e perfeita que leva o nome de Cristo. Uma preparação muito remota, mas sempre
presente e cada vez mais ativo com o passar dos tempos, aproximando-se do limite do tempo do castigo e, portanto, do limite do
tempo do perdão. Como o amor está em todas as ações de Deus, não é um erro dizer que a preparação teve seu começo no
começo dos tempos.
“A preparação próxima é a do tempo que vai da Anunciação à Imolação.
“Imediato é ir da Ressurreição ao Pentecostes. Por isso, pequeno João, Nosso Senhor Jesus te transporta imediatamente ao
tempo pré-pentecostal assim que chega o dia da Páscoa.

Ele o trata como um de seus discípulos mais amados, alma minha. Para eles, quando Ele ressuscitou da morte, Ele ainda
deu ensino, e Ele deu, eu quase diria, em reclusão amorosa: Ele e eles, eles e o Senhor, sem mais pregação às multidões e milagres
marcantes, então para não ter a distração das multidões em torno de seu último ensino. E assim Ele os conduziu até o momento
de sua Ascensão, deixando-os com o comando de permanecer recolhidos em oração enquanto aguardavam o Paráclito, e debaixo
da direção de Maria Santíssima.
“Ele também o faz com você. E leva-o à brisa do Pentecostes, quando o último repique dos sinos da Páscoa está acabando. Nem
cinquenta dias são excessivos para se preparar para receber o Espírito, o Fogo que só consome o que é inútil , mas que, para ser recebido,
como santificador e agente, precisa de um espírito preparado como um cenáculo silencioso, isolado, perfumado de obediência e oração.
“Então o Pentecostes abre seus sete rios e dá luz e virilidade espiritual, nutre a alma com seus dons e a torna apta a
receber os frutos septiformes, pelos quais o Espírito deposita a semente que a boa vontade da alma leva à maturação.
Certamente ele não pode ser recebido onde não há lugar para sua abundância, dignidade para sua Natureza, onde seria em
vão ensinar, porque o barulho mundano perturba e oprime, onde a obediência é deficiente e a oração é uma mera sombra,
onde há outros sabores que são não a farinha e o mel da rocha (como diz a missa de amanhã, isto é, coisas simples,
agradáveis, verdadeiramente nutritivas, como são as que vêm de Deus e que Deus em sua bondade dá aos seus filhos), mas
o picante, corruptor sabores do mundo, da carne e do diabo.
“Maria, alma minha, até agora a mortificação que te oprimiu te manteve num estado de humildade e adesão a
Deus pelo qual o Espírito te amou e se comunicou com grande graça. Agora fortifica teu coração para que a fumaça
de o louvor não o corromperá e fará de você um címbalo sonoro, mas sem as palavras luminosas da Sabedoria.
“Fortaleça o seu coração. Eu digo a você, ‘Fortalecer.’ Eu disse a você: ‘Não tenha medo’ quando os homens lutaram contra você e você
estava sozinho com Deus e seu anjo. Agora eu digo a você, ‘Fortifique-se.’ Sinta-se firme diante do louvor como o foi diante das
reprovações. Não você, mas Ele é o único digno de louvor.
“Elevar e fixar o seu coração nEle, e prestar qualquer homenagem que seja prestada àquele que é digno disso. Você foi e é o
significa que traz a Palavra de Deus aos homens. Seja o meio que leva o louvor dos homens ao Autor do prodígio. O
humilde significa para ser o meio útil. O justo significa para ser o meio sagrado. Você sempre superou as batalhas da
dor, e cada dor sempre o tornou mais divino. Ser capaz de superar as batalhas de satisfação. Seja justo, humilde, fiel.
“Graças a Deus, minha Maria; damos graças a Deus ao final desta explicação singular, que é o que o Senhor queria que
eu lhe dissesse. Graças a Deus! Aleluia!”

SANTA MISSA DO PRIMEIRO DOMINGO APÓS O PENTECOSTES
E FESTA DA SAGRADA TRINDADE

Introdução: Tb 12: 6; Sl 8: 2
Colete: Deus Todo-Poderoso e Eterno, Você deu a Seus servos graça na confissão da verdadeira fé, para reconhecer a glória do eterno
Trindade e no poder de Vossa Majestade adorar a unidade; conceda que, pela perseverança na mesma fé, possamos ser defendidos de todas as adversidades. Por
meio de nosso Senhor.
Epístola: Rm 11: 33-36
Gradual: Dn 3: 55-56
Aleluia: Dn 3:52
Evangelho: Mt 28: 18-20
Ofertório: Th 12: 6
Segredo: Senhor nosso Deus, santifica, nós oramos, através da invocação do Teu santo nome, a vítima desta oferta, e por ela nos tornamos um presente eterno para
Você. Por meio de nosso
Senhor. Comunhão: Th 12: 6
Pós-comunhão: Que o recebimento deste sacramento, Senhor nosso Deus, e o reconhecimento da sagrada e eterna Trindade em sua unidade indivisível, seja
proveitoso para nós para a salvação do corpo e da alma. Por meio de nosso Senhor.

MISSA DO PRIMEIRO DOMINGO APÓS O PENTECOSTES
Introdução: Sal 13 (12): 6,1
Colete: Ó Deus, Tu és a força de todos aqueles que confiam em Ti; em Tua misericórdia ouve nossas orações, e porque através da fraqueza de nosso
natureza mortal nada podemos fazer sem Ti, concede-nos a ajuda da Tua graça, para que, ao guardar os teus mandamentos, possamos agradar-te tanto na vontade como nas
ações. Por meio de nosso Senhor.
Epístola: 1 Jo 4: 8-21
Gradual: Sal 41 (40): 5, 2
Aleluia: Sal 5: 2
Evangelho: Lc 6: 36-42
Ofertório: Sl 5: 3-4
Segredo: Imploramos, Senhor, graciosamente receba nossas ofertas que dedicamos a Ti, e fazemos com que elas sejam sempre uma fonte de perpétua ajuda para nós.
Por meio de nosso Senhor.
Comunhão: Sl 9: 2-3
Pós-comunhão: Conceda, nós imploramos, Senhor, que nós, que temos sido alimentados com tais grandes presentes, possamos ambos receber Seus benefícios de economia e nunca
cesse de seu louvor. Por meio de nosso Senhor.

16 de junho de 1946
Azarias diz:
“Recebi a ordem de explicar-lhes as duas Santas Missas deste glorioso domingo. Vamos, então, contemplar juntos essas
duas Santas Missas.
“Já contemplamos e honramos o Pai, que resplandece nas obras do Filho Redentor, que o foi porque Deus
Pai o permitiu com um ato de bondade incomensurável. Já contemplamos e honramos o Filho no ápice de sua
perfeição como o Deus Homem que morre e ressurge e volta ao Pai depois de tudo ter cumprido.Já
contemplamos e honramos o Espírito Santo desde o início das suas obras até à sua perfeita e completa epifania
pentecostal.
«Hoje contemplamos e adoramos as Três Adoráveis Pessoas reunidas, para iniciar com este ato a preparação para
compreender com fecundidade a vinda do Verbo à terra e as suas sagradas palavras.
“O ano litúrgico não começa hoje. Você sabe disso e eu sei disso. Começa com o Advento. Mas, para preparar a vinda do
Senhor, houve séculos de preparação em que os patriarcas e profetas foram os mestres para esta preparação, por isso,
quero agora que considerem os muitos domingos que vão do pós-Pentecostes ao Advento como uma preparação para o
início do ano litúrgico.
“São Domingos de Sabedoria. O Espírito Santo verdadeiramente os permeia a todos e atua como seu Mestre para preparar os homens
para a Santa Vinda do Messias, para que quando Ele for comemorado como um Menino, seja com um amor robusto e ativo e não apenas
uma afeição superficial, sentimental e inútil pela Criança.
“No Menino já está o futuro Redentor, que morrerá coberto de feridas na Cruz depois de ter labutado na
evangelização e sofrido mortificações e desconfortos. Conhecendo Cristo pelo que Ele realmente é, passa-se a
entender o Natal pelo que realmente é .
“Deus é a eternidade; Ele é, portanto, continuidade. Não há interrupções em suas obras. Uma gera a outra, à medida que os
Três procedem um do outro. A Tríade imprimiu seu selo e semelhança em suas ações. Estas são, portanto, uniformes e multiforme,
mas nunca separada ou interrompida. Uma cadeia infinita, eterna e inextinguível de amor, por tudo que Deus faz
é o amor, prosseguindo ininterruptamente por anos e séculos. Assim, o ano litúrgico é também uma cadeia em que uma parte gera a
outra, e não há fim, pois cada um tem uma razão de existência para se preparar para o outro.
«Glorifiquemos o Senhor por este magnífico procedimento do seu tempo que se reflete no pequeno tempo do ano litúrgico. E
procedamos no conhecimento dele após justa e adequada homenagem à Tríade perfeita.
“O santo patriarca exclama, e a liturgia adota as palavras do homem justo: ‘Bendizei ao Deus do céu e louvai-o antes dos vivos,
porque Ele tem misericórdia de vós.’ Na especificação litúrgica, a frase inicial é alterada para ‘Santíssima Trindade e Unidade
indivisível’ e mais tarde nas especificações das Três Pessoas, para enfatizar a sublime doutrina – nunca suficientemente
contemplada, meditada e amada – da Unidade e da Trindade de Deus. Mas a essência do convite é esta: ‘Proclame corajosamente,
mesmo diante dos inimigos de Deus ou daqueles que, embora não o combatam, são frios ou indiferentes à Divindade ou acreditam
que seja um mito proveniente da necessidade do homem de acreditar em algo- que Deus existe e é ativo porque existe e é todo
misericordioso em suas obras.
“Esta pregação humilde e sagrada é concedida a todo crente. Não há ignorância, não importa quão profunda seja, que proíba um
verdadeiro crente de pregar Deus e sua misericórdia. Não são apenas palavras eruditas ou ações sublimes que pregam a Deus. e isso
penetra mais profundamente mesmo aqueles que não conhecem e não querem conhecer Deus – fé simples, inabalável, serena até na dor, a
profissão, com obras que são inteiramente paz, inteiramente esperança, caridade e resignação, que Deus é misericordioso e que somente
a bondade pode vir Dele.
“Quantas criaturas que nada sabem da ciência, que estão isoladas pela doença, que são pobres, desoladas na indigência física ou
econômica, na verdade superam todos os pregadores em poder de persuasão, apenas pela paz que exalam em suas ações e palavras, e em
a frase simples anexada a todas as suas palavras, oposta a qualquer insinuação por aqueles que mal conhecem a Deus: ‘Se Deus quer que
eu seja assim, certamente é justo. Sua vontade seja feita. Ele certamente quer o meu bem. Não tenho dúvidas (…) Coloquei toda a minha
esperança nEle. Assim como Ele me libertou do pecado, por meio do sacrifício de Jesus, Ele também me concederá toda a graça de que
realmente preciso, e louvo sua Providência. ‘

“E mesmo que, dentro de seu coração, o crente, oprimido pela cruz, geme, ‘Por quanto tempo? Você vai esquecer seu eu para sempre?
Quando virás o teu rosto para mim? Não é, de facto, com raiva que este lamento se eleva a Deus, mas com a
ansiedade amorosa de um filho para com o Pai, tal como Cristo o sentiu nas horas mais dolorosas. Não há reprovação, mas
esperança neste grito. Não há rebeldia pela demora, mas expectativa, expectativa serena na certeza de que chegará o tempo em
que a dor cessará e a fé será recompensada.
“Ouçamos as duas orações. O que nos é dado para adorar e obter? A verdadeira fé.
“Fé, para seja verdadeiro, devo seja ousado. Heroicamente ousado contra todas as coisas criadas para ridicularizá-lo, se
opor a ele e demoli-lo. O mundo e a carne, além de Satanás, constituem os inimigos da fé contra os quais se deve ousar
eternamente.
“A bondade de Deus é tal que concede a glória do martírio não só aos próprios mártires que morrem no seu
sangue pela Fé, mas também a quantos, contra tudo e contra todos, são capazes de permanecer fiéis, integralmente
fiéis ao Senhor.
“Quantas batalhas são travadas contra a fé! Quantas manobras engenhosas Satanás usa para diminuí-la, para cobri-la do
ridículo, para mostrar que é impossível de ser seguida! Mas é aqui que se vê a justiça das três virtudes teológicas. Fé , apoiado
pela esperança e, acima de tudo, pela caridade, não desmorona por nenhum motivo e triunfa. A fé é o conhecimento que vem
a partir de loue. Quanto mais forte é o amor, mais forte é a fé, por amor traz Deus a ser conhecido.
«As palavras da oração da Santa Missa em honra da Santíssima Trindade são, pois, verdadeiras: ‘Ó Deus, que
concedeu aos teus servos, por profissão da verdadeira fé, que conhecessem a glória da Trindade Eterna e adorar a
Unidade no poder de sua majestade …..
“A Unidade e a Trindade de Deus é um mistério. Ninguém, por mais santo que seja, pode penetrá-lo. Nem mesmo aqueles a
quem foi revelado em parte – pois tudo não pode ser dito a alguém que ainda é mortal – pode dizer eles o conheceram. É um mistério
tão deslumbrante que o homem não pode fixar-se nele para conhecê-lo integralmente. Superior a todos os outros mistérios. O
mistério incompreensível porque é o mistério Mais Sublime. Portanto, só a fé heróica, sustentada por um forte amor , pode levar um,
se não dentro, ao seu limite, e permitir que alguém possa ouvir, por assim dizer,o murmúrio divino da Unidade dos Três,
oculto além da parede cegante de seu Fogo. Quanto mais forte é o amor – e lembro-vos
que à medida que a criatura atinge o grau de amor corresponde um respectivo grau do amor de Deus multiplicado pela sua força,
pois Deus ama dar-se a quem o procura sem medida, aquele que se doa com misericórdia e providência até para com os filhos que
não O buscam – mais forte é o conhecimento, porque a distância é mais reduzida, porque a alma está mais unida a Deus. Você desce
– uma vez que a alma não pode subir ao abismo da elevação onde a Trindade queima – para o Deus Who concessões Ele mesmo em
a fim de ser conhecido o máximo possível, ardente para ser inteiramente conhecido, inteiramente possuído por seu filho quando a
recompensa do Paraíso é dada à sua fé, seu amor, seu heroísmo.
“O que estou dizendo é um prefácio apropriado para as palavras da outra oração deste primeiro domingo após o Pentecostes. ‘A
fraqueza humana nada pode fazer sem Você.’ Mas o homem é sempre fraco quando vive com Deus em si mesmo? Com sua Trindade em
seu coração? Com seu conhecimento de Deus, com seu amor por Deus, e com o amor de Deus nele, uma criatura, para torná-lo forte,
capaz de fazer o que Deus quer, ser calmo pela esperança, seguro na fé? Não, ele não pode. Pois a união circunscreve a fraqueza ea fusão o
anula. Já não é a criatura, mas Deus que vive no homem e trabalha.
“Você sabe como a união é mantida. Não deixe nada fazer com que você enfraqueça o seu amor por Deus. Nada. Nem alegrias, nem
tristezas. Não essas tristezas, que o seu conhecimento de Deus diz que não são desejadas por Deus, nem aprovadas por Ele quem é amor e
bondade.
“Alma minha, como uma pomba cansada e ferida, você fica no oco que é o seu ninho. Você fica em Deus. Você não fala, não se
mova. Você se conserta. Só isso. Você não pode fazer de outra forma, oprimido como você estão pela dor que vem dos homens,
atordoados pela sua anticariedade e absorvidos por Deus, que se mostra a ti para te consolar, para te dizer: ‘Eu sou tudo para ti’.
Mas não são necessárias palavras para que você seja compreendido por Aquele que o ama. Seu amor fala com sua pulsação fiel. E
isso é o suficiente.
“Esqueça o mundo; isole-se em seu silêncio amoroso. Fique em silêncio, pois cada palavra é inútil, estéril, perniciosa. Permaneça em
sua justiça. Permaneça em sua obediência. Não há ninguém maior do que Deus. Siga seus mandamentos, então, e nada mais.
“Ouça como Paulo fala com você, alma ferida pela humanidade ty cercando você. Paulo, a grande ‘voz’, garante a você que os caminhos inescrutáveis de Deus e seus julgamentos,
incompreensíveis para os homens, são justos e bons, ricos em sabedoria e conhecimento divinos. Ele não erra, mas aqueles
que afirmam ser mais do que Deus e, com suas obras, senão com suas palavras, mostram que se consideram dignos de
aconselhar a Deus. E falam enquanto o olho de Deus os avalia e não pensam que tudo é uma prova e não temem ser
punidos por terem falhado na prova. E eles não tremem ao mostrar que não cumpriram o amor, ao amareles próprios, mas
não amando Deus ou a criatura. Pois o amor é obediência, e aqui não há obediência. Pois o amor é ação, e aqui não há
ação. Não há caridade.
“A caridade é ativa. Atua em fazer brilhar as glórias e misericórdias de Deus, em defender os inocentes, em vencer o medo dos
homens. E assim? Eles temem os homens e não a Deus? E eles têm medo de não ter a ajuda de Deus se seguirem a Deus Por que
eles temem isso, se não porque lhes falta caridade?
“Será que eles não se lembram de John? ‘Se alguém diz:’ Eu amo a Deus ‘e odeia seu irmão, ele é um har.’ Para aquele que não
ama aquele que ele vê e conhece, e cuja inocência e ações ele conhece – como ele pode amar a Deus, a quem ele não conhece? Eles
não conhecem mais o mandamento? Diz-se que quem ama a Deus também deve amar seu irmão Onde está o amor deles?
“Repito-vos a ordem do quarto domingo depois da Páscoa. Se não se curvarem às palavras do Senhor, poderão algum
dia curvar-se às vossas? Cala-te, portanto. Fecha-te em Deus. Ele curará a tua alma ferida. Em silêncio Ele vai falar com você.
Separe-se. Viva em Deus e por Deus. Deixe o castigo ser cumprido e não julgue. Não julgue. Deus já os está julgando. Imite
o Mestre para ser como o Mestre, como diz o Evangelho. Imite-o com amor e humildade.
“Venha, venha, pobre alma a quem Satanás encontrou uma maneira de ferir por meio daquele que deveria protegê-la mais do
que qualquer outra pessoa. Venha. O Senhor é a sua força e sua proteção, e Ele está sobre você com seu triplo poder … Venha,
exulte somente Nele, pois os inimigos dos irmãos são verdadeiramente os servos de Satanás, que é Dor, enquanto Deus é Alegria,
e não convém confiar-se a quem é malvado.
“Exultai em Deus, vosso Mestre e Salvador. Uma exultação inteiramente espiritual e, portanto, inteiramente sagrada. E, se insistem,
dizei-lhes apenas isto: ‘Já que haveis chamado o que era um dom” fardo do Senhor: “Estou me retirando, como me foi dito.
Mas lembre-se de que, como é dito em Jeremias, você que esmaga os
servos do Senhor e torna a ação pesada é o fardo, e Aquele que não é dominado, portanto, o lançará fora . Lembre-se de
que suas palavras são um “fardo”, não as de Deus, as palavras pelas quais você muda o significado das palavras e dos
decretos do Deus vivo. E lembre-se de que para mim já existe paz, pois já estou ouvindo os passos do mensageiro das boas
novas, daquele que anuncia a paz e a traz consigo. ‘
“Entre na Sua paz. Entre cada vez mais. Não tema. Não trema. O silêncio não é para você. O silêncio não é afastamento
ou punição para você. É misericórdia para você, vítima que se consome, e punição para eles.
“Alma minha, o Senhor está contigo, e a Mãe te cobre com seu manto como eu faço com minhas asas.”

 

Compartilhe a Divina Vontade