Monja Maria Cecilia Baij – Vida e Obras


VÍDEO DO TEXTO

DAS “ENTREVISTAS” DE MARIA CECILIA BAIJ

PALAVRAS DE CECILIA

“Meu Jesus, meu centro, vida de minha alma, meu amor só em ti o meu espírito encontra descanso, tudo o que falta de ti é para mim dor e tormento, só em ti encontro a paz.

Meu Senhor e meu Deus, eu te louvo, eu te bendigo, te adoro e te ofereço estes meus louvores com aqueles que todos os benditos do céu e todos os justos que estão na terra te dão nesta hora ”. (Livro III das Conversas)

PALAVRAS DE JESUS

“Saiba que estou na cruz de braços abertos para mostrar que espero que o pecador o abrace toda vez que vier a mim, ele me encontrará pronto para a misericórdia”

“Grandes foram as dores que sofri no tempo da minha paixão e foram poucas comparadas com as que sofri no meu coração; ninguém pode vir a entendê-los, só eu que os sofri e meu e seu SS. Mãe que foi minha fiel companheira em todas as minhas dores. Quero que entre muitas vezes no meu coração e medite sobre as angústias e dores que este sofreu pela saúde dos homens ”(Livro I e III das Conversas)

DO PRIMEIRO TRATADO SOBRE O SAGRADO CORAÇÃO

“O coração de Jesus odeia o pecado, mas está sempre aberto para receber o pecador arrependido, odeia o mal, mas deseja o bem, porque deseja a conversão do pecador, e por mais que ele se ofenda com isso, quando ele se converte , o seu divino Coração o perdoa imediatamente …

Se o Amoroso Coração de Jesus fosse capaz de sofrer, sentir-se-ia muito grande quando visse os vossos corações longe dEle e comprometidos com o amor às criaturas e a nós próprios ”.

 

OS TRABALHOS

A vida e a espiritualidade À AS OBRAS

Maria Cecilia Baij nasceu em Montefiascone em 4 de janeiro de 1694 filha de Carlo e Clemenza Antonini

Em 1712 entrou no mosteiro dos cistercienses de Viterbo, mas deixou-o dez meses depois para entrar no mosteiro dos beneditinos de Montefiascone. Aqui em 1714 ele fez sua profissão religiosa.

O Cristo sofredor quis associá-la à sua paixão e, para isso, purificou o seu coração com duras provas, tornando-a digna de receber graças e favores excepcionais.

A oração das “Conversas” e dos outros escritos de Cecília, por iluminação divina, fazem dela apóstola e mensageira do amor de Deus.

Dos mesmos escritos Cecilia também se destaca como uma “mística” do século XVIII.

Cecília foi abadessa do mosteiro por cerca de 20 anos e morreu no cargo de seu mandato em 6 de janeiro de 1766.

DAS “ENTREVISTAS” DE MARIA CECILIA BAIJ

PALAVRAS DE CECILIA

“Meu Jesus, meu centro, vida de minha alma, meu amor só em ti o meu espírito encontra descanso, tudo o que falta de ti é para mim dor e tormento, só em ti encontro a paz.

Meu Senhor e meu Deus, eu te louvo, eu te bendigo, te adoro e te ofereço estes meus louvores com aqueles que todos os benditos do céu e todos os justos que estão na terra te dão nesta hora ”. (Livro III das Conversas)

PALAVRAS DE JESUS

“Saiba que estou na cruz de braços abertos para mostrar que espero que o pecador o abrace toda vez que vier a mim, ele me encontrará pronto para a misericórdia”

“Grandes foram as dores que sofri no tempo da minha paixão e foram poucas comparadas com as que sofri no meu coração; ninguém pode vir a entendê-los, só eu que os sofri e meu e seu SS. Mãe que foi minha fiel companheira em todas as minhas dores. Quero que entre muitas vezes no meu coração e medite sobre as angústias e dores que este sofreu pela saúde dos homens ”(Livro I e III das Conversas)

DO PRIMEIRO TRATADO SOBRE
O SAGRADO CORAÇÃO

“O coração de Jesus odeia o pecado, mas está sempre aberto para receber o pecador arrependido, odeia o mal, mas deseja o bem, porque deseja a conversão do pecador, e por mais que ele se ofenda com isso, quando ele se converte , o seu divino Coração o perdoa imediatamente …

Se o Amoroso Coração de Jesus fosse capaz de sofrer, sentir-se-ia muito grande quando visse os vossos corações longe dEle e comprometidos com o amor às criaturas e a nós próprios ”.

 

OS TRABALHOS

A vida e a espiritualidade À AS OBRAS

Maria Cecilia Baij nasceu em Montefiascone em 4 de janeiro de 1694 filha de Carlo e Clemenza Antonini

Em 1712 entrou no mosteiro dos cistercienses de Viterbo, mas deixou-o dez meses depois para entrar no mosteiro dos beneditinos de Montefiascone. Aqui em 1714 ele fez sua profissão religiosa.

O Cristo sofredor quis associá-la à sua paixão e, para isso, purificou o seu coração com duras provas, tornando-a digna de receber graças e favores excepcionais.

A oração das “Conversas” e dos outros escritos de Cecília, por iluminação divina, fazem dela apóstola e mensageira do amor de Deus.

Dos mesmos escritos Cecilia também se destaca como uma “mística” do século XVIII.

Cecília foi abadessa do mosteiro por cerca de 20 anos e morreu no cargo de seu mandato em 6 de janeiro de 1766.

São José não tem nenhuma palavra registrada na Sagrada Escritura,mas as meditações de uma
freira italiana do século XVIII dão a oportunidade de imaginar como pode ter sido a vida cotidiana
da Sagrada Família da perspectiva do Pai Adotivo de Jesus.

A revelação pessoal à Serva de Deus Madre Maria Cecilia Baij,descrita no livro “A Vida de São José”,
revela um retrato íntimo da vida de oração, sofrimento e felicidade da Sagrada Família.

Assim como um pintor pode preencher os detalhes que retratem uma cena da vida de Cristo tomada
da Bíblia, o relato de Madre Maria Cecilia Baij permite ao leitor se demorar em cenas que poderiam
ter feito parte da vida de José com Jesus e Maria, com um foco especial na vida interior do Santo.

Começa com o Nascimento de José e em 75 páginas faz um relato de sua vida antes de conhecer Maria,
cujo foco é como Deus o preparou com graças para o privilégio de conhecer a futura Mãe de Deus.

Daí o leitor acompanha José quando ele exulta na Encarnação do verbo no ventre de Maria, suporta as dificuldades no caminho até Belém, chora de alegria com o Salvador em seus braços, canta hinos de louvor
a Deus com Maria, trabalha com o menino Jesus em sua oficina, e continuamente se abandona à vontade
de Deus diante das incertezas.

A Igreja não considera obrigatório acreditar em revelações privadas como matéria de fé. Mesmo assim, o livro recebeu Imprimatur e Nihil Obstat do Vaticano, declarando oficialmente que ele não contém erros doutrinais.

O manuscrito, terminado antes da morte da Madre Maria Cecilia em 1766, ficou perdido até que um monge beneditino o encontrou em 1990 no Convento de São Pedro em Montefiascone, Itália, e publicou alguns trechos.

Vinte anos depois, Dom Pedro Bergamaschi apresentou ao Papa Bento XV o manuscrito da monja beneditina durante o mês de São José de 1920. O Papa encorajou Bergamaschi a publicá-lo.

Maria Cecilia Baij nasceu em 1694 em Montefiascone, cerca de 80 km a norte de Roma às margens do lago Bolsena.
Aos 20 anos entrou para a comunidade beneditina de Montefiascone.Tornou-se abadessa em 1743 e
morreu no cargo aos 72 anos.

Durante suas orações no mosteiro, Madre Maria Cecilia recebia tanto ataques do demônio quanto revelações sobre a vida de Cristo, São José, a Sagrada Família e São João Batista, sobre as quais escreveu longamente
por ordem de seu confessor.

O Mosteiro de São Pedro continua ativo, mais de 250 anos depois da morte dela. As irmãs recebem peregrinos que percorrem a Via Francigena, uma rota de peregrinação medieval que passa pela cidade. As irmãs também guardam ainda todos os manuscritos originais de Madre Maria Cecilia.

Acredita-se que Madre Maria Cecilia tenha terminado seu livro sobre São José em dezembro de 1736. Ao longo de todo o texto, José é frequentemente mostrado em oração, dando louvor a Deus sozinho ou com a Virgem Maria e Jesus.

“Às vezes, quando José trabalhou muito duramente, ele se aproximava de sua esposa e pedia a ela que cantasse para ele um hino de louvor a Deus, com o que se reconfortava do cansaço.
A Santa Virgem sempre atendia seu pedido. Seu canto de hinos de exaltação divina eram tão delitosos que José frequentemente era levado ao êxtase”, escreve a Serva de Deus.

“Uma vez ele observou a Maria:
‘Minha esposa, seu canto sozinho
é suficiente para trazer conforto
a todo coração aflito!
Que consolação me dás com
ele! Que alívio para meu cansaço!
Que grande alegria é para mim
ouvir-te falar ou cantar!”

“Para a Santíssima Virgem, essas
palavras eram ocasião de dar mais
louvores a Deus, a fonte de tudo o
que é bom. ‘Deus derramou essas
graças em meu coração,’ ela disse
a ele, ‘para que que tu possas ser
confortado e obtenhas alívio de tuas
tribulações e aflições.’ O amor e gratidão do santo a Deus crescia
continuamente e ele seguia se maravilhando diante da virtude
de sua santíssima esposa.”

O CARDELA BARBARIGO E M. CECILIA BAIJ:
DUAS TENTATIVAS DE REFORMA DO MOSTEIRO
BENEDITINO DE MONTE FIASCONE

Um grande relaxamento reinava no mosteiro, cheio de zelo pelas almas dos religiosos e pela dignidade da Ordem, quis oferecer um remédio salutar. A situação que encontrou em S. Pietro Monte Fiascone e a sua pedagogia pastoral podem ser vislumbradas nas entrelinhas das Ordenações e Decretos feitos durante a visita do Eminência e Rev.mo Cardeal S. ta Susanna Bispo de Monte Fiascone e Corneto para o Mosteiro, e Freiras da Ordem de São Bento de Monte Fiascone – data em S. Visita este dia 22 de setembro de 1688.

Por exemplo: ele proíbe – e isso nos leva a argumentar em S. Pietro, a presença de mulheres de alta classe e riqueza, que desejam preservar e realmente preservar algo de estilo secular – de “ter ou usar grandes medalhas de filigrana de prata, luvas, sapatos justos e outras vaidades seculares semelhantes; muito menos guardar na sala instrumentos musicais, espelhos, quadros com comediantes dourados e outras vestimentas vaidosas.
Em particular, o Cardeal convidou os religiosos a observar estritamente o voto de pobreza e os graus de humildade do sétimo capítulo da Regra de São Bento.

E proibiu, entre outras coisas, de se vestir de maneira diferente, para que na semelhança do hábito se reconhecessem como verdadeiras irmãs em Cristo. E, além disso, sob severas penalidades, que as celas estejam sempre abertas, tanto de dia como de noite, e que, dado o sinal de dormitório, os decanos devam opinar-se mutuamente, e às vezes a abadessa acompanhada por uma delas, para visitar todas as celas, certifique-se de que todos estejam em suas camas; e quem ousar dormir acompanhado incorrerá na pena de excomunhão; e a mesma pena de excomunhão, reservada a Sua Eminência, incidirá àquela freira que, dando o sinal de retirada, entrar na
cela da outra sem a permissão da abadessa. A ação do Cardeal, destinada a estimular os beneditinos da época a não se afastarem da escuta das necessidades evangélicas de sua Regra, achatando-se sob o peso do condicionamento social, foi mal recebida e não conseguiu reformar adequadamente o degradado tecido sócio-religioso em que Maria Cecilia Baij, depois de alguns anos, ele ainda teria recuperado os espaços para sua espiritualidade mística. Quando, em 12 de abril de 1713, aos 19 anos, Baij ingressou no mosteiro beneditino,
encontrou um internato ainda cheio de vaidade:

«Vestem-se – escreveu Mons. Pompilio Bonaventura -com algumas vaidades, fitas, vestidos de seda e muito
mais; ao qual os chamei, corrigi-los e proibi-os para o futuro » Ao longo dos anos M. Cecília pôde enfocar claramente o objetivo religioso que aspirava alcançar para si e para as suas irmãs: isto é, o de observar a “vida comum perfeita” delineada pelas regras agostinianas. Se Maria Cecília estendeu o seu apostolado fora do mosteiro à glória de Deus e ao bem das almas, mas onde brilhou de maneira especial foi no mosteiro. E a primeira coisa que ela queria tanto estabelecer era a Vida Comum, que faltava no Mosteiro. Já em 24 de outubro de 1731 escreveu ao seu Confessor P. Guidi sobre o assunto: «Comuniquei-me imediatamente e disse a Jesus o que dizia respeito à Vida Comum. A princípio ele disse que é sua vontade que isso seja feito, e o inimigo trabalha com todas as suas forças para impedi-lo.
Agora, porém, como não há disposição nos religiosos, é necessário eliminá-los gradativamente ”.

Não vai durar / Vamos sofrer muito, e quem vai ter muito e quem não vai ter nada, nem vai poder fazer fantasia / Não vai poder dar nada aos parentes, e eles vão ter que ir embora ; assim como os amigos / Não poderemos mais fazer caridade / Não lhes dá alma para vestir as coisas dos outros / As moças não trabalharão, vão se divertir e os pobres velhos sofrerão / Não o encontramos, então você o torna difícil; será uma confusão nos deixar inquietos.

M. Cecília não desistiu de imediato da ideia e em várias outras ocasiões tentou introduzir na comunidade as regras da “vida comum perfeita”, mas sem sucesso, e no final «entendeu que já não era conveniente falar de Vida Comum […]. Ela, como seu Jesus, não teria nada além de contradições, e terminaria sua vida na humilhação e na cruz, sem nunca ver a realização triunfal de seus desejos “.

Será necessário esperar o novo século, e precisamente no dia 28 de junho de 1802, para que o sonho de M. Cecília Baij se torne realidade. Naquele dia, de fato, vinte e quatro freiras dirigiram-se ao cardeal Jean Sifrein Maury pedindo para poderem cumprir as regras da “vida comum”. Maury, depois de se certificar de que os rendimentos do mosteiro eram “não só suficientes, mas também abundantes”, emitiu a 6 de julho do mesmo ano o decreto de fundação. Depois de termos conhecido à luz da fé a perfeição e as vantagens da Vida Comum, nós, todos juntos na presença de Deus, de forma livre, espontânea e com bom coração, o desejamos, pedimos instantaneamente e esperamos o momento feliz que o mais digno, Nosso venerável pastor, o cardeal Maory
[sic] Apresente-o em nosso mosteiro de São Pedro como foi introduzido em outros mosteiros beneditinos. E para o
efeito pedimos unanimemente que sejam chamadas duas Religiosas Beneditinas de Vida Comum a organizar da melhor forma possível a dita Vida Comum que […] entrou no dia 7 de agosto e foi a MDM Teresa Tofi de Roma e D. Costante M. Prioli Romana e recebeu o posto depois de M. Abadessa e Vicariato, onde obteve permissão para residir por três anos. MAIS «POBRES FREIRAS» A “vida comum perfeita” estava, no entanto, destinada a durar pouco tempo, pois, em 25 de abril de 1810, Napoleão decretou a supressão de todos os institutos, corporações, congregações, comunidades e associações eclesiásticas de qualquer natureza e denominação.

Em 15 de junho de 1810, [lugar] na Comissão dos Inventários dos Lugares Pios […] executou-os com toda a vivacidade, ameaçou várias vezes até por escrito a violência de entrar nas cláusulas monásticas.
Ele também colocou nos Inventários os objetos supostos e não encontrados, alegando terem sido ocultados. Ávido pelos bens da Igreja, ele fez saber a alguns colonos e sócios de alguns lugares piedosos que, no futuro, eles não teriam mais que trazer a renda para o lugar Pio. E então veio o fatídico ano de 1870, com a supressão do Estado papal e a aplicação da lei Siccardi para a abolição do foro e das imunidades eclesiásticas.

Assim, a 20 de Setembro do mesmo ano, a Câmara Municipal de Montefiascone decretou que: Todo o património estável, móvel e autopropulsionado do Seminário e Hospital, dos Conventos dos Menores Conventuais e Servos de Maria, dos Mosteiros de S. Pietro e del Divino Amore, o Maestre Pie, o Hospício e o Orfanato de Montefiascone, juntamente com todos os direitos, ações e razões que lhes são devidos. Novamente as freiras
tiveram que deixar o mosteiro e permaneceram fora até 1905, quando, com grandes dificuldades financeiras e sacrifícios pessoais, puderam comprá-lo de volta. Em 2 de junho de 1905 foi afixado o pôster para a hasta pública de venda do mosteiro, que havia sido vendido pela Fazenda do Estado ao Município em 3 de maio.

No dia 21 de novembro foi comprado por 19 mulheres (as próprias freiras!) Por 22.060 liras por mediação de Giuseppe Gori, que declarou:
“Que se tinha apresentado no leilão em nome das sub-nomeadas compradoras, a favor das quais pretendia que fosse definitivamente adjudicado”.

SÉCULO XX Mas mesmo o novo século não poupou aos “insultos” materiais do mosteiro. Apenas dois anos após o regresso das freiras, sem qualquer discrição para com os legítimos autores, “a preciosa majólica de Benedetto Buglioni foi removida por um engenheiro, como se fosse sua” , que ficou guardada nas salas adjacentes à igreja.

fonte https://breccola.jimdofree.com/app/download/13683464427/Storia+breve+del+Monastero+di+San+Pietro.pdf?t=1545493491

Compartilhe a Divina Vontade