MARIA VALTORTA QUEM É O QUE NOS DEIXOU?


A síntese abaixo é extraída da Introdução ao Volume 1 de O Poema do Homem-Deus , e é intercalada com passagens de
O Poema do Homem-Deus ( 
Vol: …), Autobiografia de Maria ( AUT : …), seu 1943 e 1944 Notebooks ( N43 : … e N44 ) e O Livro de Azarias ( AZ : …).

 

 

NASCIMENTO E INFÂNCIA

 

Maria Valtorta, filha única, nasceu a 14 de março de 1897 em Caserta, Itália. Seu pai, Joseph, era um suboficial em serviço no 19º Regimento de Cavalaria. Sua mãe, Iside, era professora de francês.

Quando ela tinha quatro anos e meio, seu pai foi transferido para Milão, onde Maria foi colocada no jardim de infância das irmãs ursulinas. Aqui ela começou a experimentar “o desejo de consolar Jesus tornando-se como Ele na dor voluntariamente nascida do amor”.

Aos sete anos, inscreveu-se no Instituto das Irmãs Marcellienne, onde iniciou os estudos elementares, obtendo desde o início o reconhecimento escolar como a primeira da turma. No dia 30 de maio de 1905, foi confirmada pelo santo cardeal Andrea Ferrari, cujo toque “infundiu nela verdadeiramente o Espírito do amor”.

Seu pai foi mais uma vez transferido para Voghera, onde Maria frequentava escolas públicas, e em Casteggio, no primeiro domingo de outubro de 1908, Maria recebeu sua primeira comunhão. Mas ela estava profundamente triste com a ausência de seu pai, a quem tanto amava: sua mãe, uma mulher extremamente severa, havia julgado sua presença na cerimônia como “desnecessária”.

Aos doze anos, Maria foi para o internato. Seu amor pelo estudo, ordem e obediência deram-lhe a reputação de ser “exemplar”. Mas sua mãe decidiu que ela deveria seguir um curso técnico de estudos, e Maria – bastante inepta em matemática – não pôde evitar ser reprovada mal nos exames

                                         

JOVEM ADULTO

Depois de “cinco terríveis anos escolares e quatro anos solares”, sua mãe decretou que ela deveria deixar a faculdade , e na primavera de 1913, Joseph aposentou-se por motivos de saúde, e a família Valtorta mudou-se para Florença, onde Maria conheceu Robert. Eles se amavam, mas a mãe de Maria acabou com o afeto amigável que brotava. Acontecimento semelhante ocorreria nove anos depois, no noivado de Maria com Mário, um jovem cativante e órfão de mãe, carente de carinho e carinho.

Na primavera de 1916, “durante um grande período de desespero e desejo”, o Senhor a atraiu a si por meio de um sonho que permaneceria “vivo” em Maria por toda a sua vida. Jesus ajudou Maria com palavras de admoestação e piedade, bem como com um gesto de absolvição e bênção, que para Maria foram “uma limpeza que a purificou completamente”. E ela acordou “com sua alma, iluminada por algo que não era deste mundo”.

Mas sua retirada do mundo ainda era remota. Em 1917 Maria ingressou nas fileiras das enfermeiras samaritanas, e durante dezoito meses ofereceu seu serviço no hospital militar de Florença, tendo solicitado a designação com soldados e não com oficiais “para servir aos que sofriam, e não para flertar ou encontrar um marido” . No exercício desta caridade, sentiu-se “docemente obrigada a aproximar-se cada vez mais de Deus”.

A 17 de Março de 1920, enquanto caminhava por uma rua acompanhada pela mãe, “foi atingida nas costas por uma jovem delinquente, com uma barra de ferro arrancada da cama”. Ela permaneceu confinada à cama por três meses, apenas uma amostra do que seria sua futura enfermidade completa.

 

 

                                              

EM VIAREGGIO

Em 1924, a família Valtorta mudou-se para Viareggio (uma estância costeira, a leste de Florença), onde Maria levava uma vida de solidão, exceto por “algumas pequenas excursões à beira-mar e pinhal” e as “compras diárias” que permitiam ela a “visitar Jesus Santíssimo, sem atrair os raios de sua mãe”.

Atraída pelo exemplo de Santa Teresa do Menino Jesus, cuja Autobiografia leu numa sessão, Maria oferece-se como vítima do Amor misericordioso (28 de janeiro de 1925), renovando a partir daí “todos os dias” este ato de oferenda.

Em dezembro de 1929, ela foi admitida na Ação Católica como delegada cultural juvenil, e rapidamente assumiu uma atividade entusiástica – organizando conferências que atraíram grandes audiências, que se tornaram progressivamente mais numerosas “mesmo entre os católicos não praticantes”.

Já fazia algum tempo que pronunciava os votos de virgindade, pobreza e obediência, renovando a sua oferta a 1 de julho de 1931, enquanto o seu sofrimento, tanto físico como espiritual, era cada vez menos poupado.

O 4 de janeiro de 1933 foi o último dia em que Maria, caminhando com um cansaço extraordinário, conseguiu sair de casa. E a partir de 1º de abril de 1934, ela não conseguia mais sair da cama.

Em maio de 1935, Martha Diciotti entrou na casa dos Valtorta. Ela se tornaria a fiel companheira de Maria, a “ouvinte” de seus escritos, aquela que amorosamente a ajudaria e cuidaria dela até sua morte.

Apenas um mês depois, porém, Maria sofreria o doloroso golpe da morte do pai. A dor de não poder assisti-lo nos últimos momentos, e de nem mesmo ver seu corpo depois de sua morte, fez com que Maria se sentisse “entre a morte e a vida”. Sua mãe tornou-se ainda mais insensível e despótica e, em seu leito de doente, Maria continuou a sofrer e a amar. Ela tornou-se cada vez mais disposta à vontade de Deus – consolando os aflitos, corrigindo os que estavam em trevas espirituais e recebendo dolorosas premonições sobre a gravidade dos tempos.

Em 1942 ela foi visitada por um piedoso padre missionário, pe. Rornuald M. Migliorini dos Servos de Maria, que se tornou seu diretor espiritual por quatro anos. A seu pedido, em 1943, ela concordou em escrever sua autobiografia , com a condição de que ela pudesse contar “tudo de bom e de ruim”, em uma exibição autêntica de sua alma. Teve o dom de ser escritora nata, e estimulada por impulso sobrenatural, na Sexta-feira Santa, 23 de abril do mesmo ano de 1943, começou a escrever os “ditados”, após ter concluído a Autobiografia .

Poucos meses depois – no dia 4 de outubro – sem saber do sublime empreendimento da filha, a mãe de Maria faleceu. Maria “a amou com um amor que nem mesmo a sua dureza foi capaz de cansar ou diminuir”.

Em casa, agora eram apenas Maria e Martha.

ESCRITOR MÍSTICO

Sua atividade como escritora atingiu intensidade de 1943 a 1947, e continuou, diminuindo progressivamente, até 1953. Sua primeira grande tarefa de escrita foi a autoria de uma extensa autobiografia, sob instruções de pe. Migliorini. Um vislumbre de seu estilo de escrita, de sua vida de sofrimento e de seu compromisso com a participação na salvação de almas está contido na passagem a seguir, onde Maria explica como é capaz de compreender um sofrimento que vem diretamente de Deus:

 

Em primeiro lugar, a dor que vem de Deus, por mais dura e penetrante que seja, nunca está separada da paz . Este é o sinal que nunca falta. Mesmo que às vezes pareça não estar presente, está . Assim que a alma olha para o seu fundo – e isso sempre ocorre, talvez por um instante, mas é suficiente – ela vê que há uma grande paz em seu sofrimento. Paz não significa resignação. Isso significa muito mais . Significa bem-aventurança. E a dor que vem de Deus é sempre acompanhada por uma bem-aventurança superespiritual …

Por outro lado, a dor que vem dos humanos – ou, pior, dos domínios infernais – é sempre injusta e nos incomoda, mais ou menos … Vai nos fazer gritar, chorar, até praguejar; às vezes nos enlouquece e às vezes nos faz morrer. Mas morreremos de doenças da carne, enlouqueceremos devido à desordem mental, amaldiçoaremos como resultado de uma convulsão moral e soluçaremos por fraqueza geral.

Mas a dor que vem de Deus e penetra nosso espírito não nos faz perder o controle: ela nos eleva a uma paz, seriedade e caridade mais elevadas . Sofremos intensamente, muito intensamente. É uma fome insaciável, que cresce a cada hora, que nada pode saciar … É Deus, Deus quem quer, só Ele . E Ele se mantém sempre escondido, se afasta cada vez mais, enquanto nós – com os braços do nosso desejo erguidos – agonizamos de amor, invocando-O … Quantas palavras se deve escrever para dizer o que vivemos a cada batida do coração!

“Qual é a sua conduta nessas horas de escuridão, em relação a Deus e ao seu próximo?”

Resposta: Quanto mais Deus se afasta, mais eu O amo com todo o meu ser, com espírito de humildade, paciência e submissão, reconhecendo que o mereço. Faço atos contínuos de fé, porque sei – mesmo que não o sinta – que Ele está perto de mim mesmo assim, e digo isso a Ele; atos de esperança, porque espero que em sua bondade ele abrevie a provação, e que através dela eu possa merecer um bem maior; atos de caridade, porque, para instá-lo a voltar, digo-lhe que o amo a qualquer custo, e que o amaria mesmo que ele não se preocupasse mais comigo; e atos de contrição, porque reconheço que pequei e mereço seu castigo. Então, quanto ao meu próximo, aproveito esta minha provação oferecendo a Deus a minha dor, para que outras almas que não o procuram – ou o procuram mal – sejam conduzidas à busca fervorosa de Deus. Minha hora de escuridão, portanto, torna-se uma hora de luz …

“Você se sente agitado e estimulado a manifestar externamente sua inquietação?”

Resposta: Não. Eu fico inquieto porque sou de carne e osso além de possuir uma alma, por conta do que posso aborrecer a carne. Mas eu nunca manifesto isso. Eu declarei, e repito, que a dor que vem de Deus é muito aguda, e é a única espécie que é realmente pura Dor – simples, perfeita como Deus; mas está sempre unido à paz . Onde há paz, não há agitação. Nunca forço Deus a se mostrar com meus acessos de raiva. Rogo-lhe que me conceda ver novamente o seu Rosto, que é a alegria do espírito. Mas então espero pacientemente aquele momento abençoado …

Às vezes (a dor) dura algumas horas, às vezes vários dias. Depois, porém, eles cessam repentinamente e eu passo da desolação para uma alegria sempre maior do que a experimentada antes, e para uma união cada vez mais estreita e uma visão cada vez mais clara, quase ao ponto de me tornar real, sensível, e não apenas intelectual .

“Eles lhe parecem destinados a um fim especial, como obter uma graça solicitada, por exemplo?”

Resposta: Creio que visam sempre um fim especial, um fim desejado por Deus para seu pequeno hospedeiro, a quem Ele me nega seu Rosto para me dar um beijo mais longo no Céu quando tudo acabou para mim lá embaixo. E estou mergulhado na luz da Santíssima Trindade, que sempre amei e louvei na terra. Um fim desejado por mim por alguma graça solicitada. Se eu não sofro, eu não obtenho. A oração não é suficiente. E que sofrimento é maior do que este? Quais são as torturas de todo um corpo doente em comparação a uma única hora de separação, de abandono por Deus? Sou eu mesmo que digo a Deus: “Faça-me sofrer, mas conceda-me isto ou aquilo.” Não para mim, está entendido. Renunciei completamente a todos os meus desejos. Peço apenas Vida Eterna. Além disso, que o Senhor faça o que quiser. Mas, para outros, sou um suplicante insistente e nunca satisfeito. E especialmente quando peço luz para uma alma nas trevas, as trevas então se apoderam de mim . Mas estou tão feliz de ser martirizado por isso!

“Esses (períodos de abandono) são seguidos por uma luz maior nas coisas divinas?”

Resposta: Sempre … Depois da privação de meu Sol, quando Ele brilha sobre meu espírito, me encontro envolto em um oceano de luz, tão brilhante que me dá uma vertigem celestial. É como se a porta da minha prisão tivesse sido aberta por uma mão compassiva e eu pudesse ver um feixe de raios de sol penetrando pela fresta. Digo crack , porque se toda a luz de Deus se precipitasse sobre mim, ficaria morto … À luz desses feixes vejo muitas coisas que antes eram obscuras para mim, e prossigo com segurança, como se o Mestre estivesse segurando minha mão, me instruindo docemente …

AUT: 316-21)

Em 23 de rd abril de 1943, na manhã de sexta-feira santa, Maria começou a receber a primeira de um número adicional e extraordinário de ditados (e visões posteriores) de Jesus. Obedientemente, ela os registrou quase sentada na cama, em cadernos escolares comuns, que sustentava com um pedaço de papelão apoiado sobre os joelhos dobrados. Ela escreveria a qualquer hora, de dia ou de noite, mesmo quando estivesse exausta de cansaço ou dores torturantes. Ela escreveu sem esforço, naturalmente e sem revisão. Se interrompida, ela pode deixar de escrever e retomar mais tarde com facilidade. Ela não consultou livros, exceto a Bíblia e o catecismo do Papa Pio X ..

Em um dos ditados anteriores, Jesus explica a Maria os motivos pelos quais inspirou o padre Migliorini a pedir-lhe que escrevesse sua autobiografia:

 

“… Fiz isso porque sabia que faria bem a você. Ao escrevê-lo, você expulsou toda a amargura, todo o veneno e todo o fermento que a vida havia depositado em você. Você se purificou disso. Você precisava contar a si mesmo de novo tudo o que você sofreu e para contar a um coração cristão. Isso é o que mais consola enquanto vocês são seres humanos. Você precisava, por assim dizer, fazer alguma contabilidade espiritual para ver o que você deu a Deus e recebeu de Deus, o que você deu aos homens e recebeu dos homens.

“Tomados um por um, os aspectos da vida são muito negros ou muito rosados, e as pessoas às vezes são levadas a errar ao avaliá-los. Quando estão todos alinhados, todos pontilhados como em um mosaico, vê-se que a escuridão é necessário para que o rosado não pareça muito ousado. Vê-se que tudo se encaixa harmoniosamente no desígnio que a própria Bondade deseja para você, e que o que você recebeu da Bondade é infinitamente mais do que você deu, a Deus e seu vizinho. Então os atos de egoísmo, orgulho e rancor cair, e a alma se torna grato, humilde e caridoso e alcança o perdão completo.

“Oh – aqueles que perdoam! Eles são a minha cópia mais próxima, pois perdoei a todos e continuo perdoando. Então o homem se torna espiritual .

“É por isso que eu queria que você passasse por aquela dolorosa provação também. Você sofreu enquanto lembrava e escrevia, mas sua alma se despojou de tanta humanidade, o que impediu sua evolução de ser uma criatura muito humana, para ser uma criatura espiritual. Você agiu como uma borboleta saindo de um casulo: a bainha que aprisionava seu espírito caiu como uma coisa morta, e sua alma abriu suas asas.

 

«Agora consegue mantê-los sempre abertos, para que fiquem bem altos e sob o raio de Deus . Ouçam o eco e vejam o reflexo de tudo o mais: que a única voz no teu coração seja a minha Palavra, e a única vista, o teu Jesus Depois disso, virei, e haverá paz sem fim. “

N43: 112)

UM DESAFIO DE SUCESSO DE JESUS

Outro item inicial e muito significativo, desses Cadernos de 1943 , lembrou Maria de uma “voz” e uma “visão” que ela já tinha visto e ouvido:

Há dois anos, pela primeira vez, percebi uma “voz” muda respondendo às minhas perguntas (perguntas que faço a mim mesmo quando medito sobre uma coisa ou outra). Lembro-me claramente. Seguiu-se uma discussão com meu primo (o espírita). Eu respondi com uma carta irrisória e pungente .

Três horas depois, enquanto ruminava o texto, já despachado, e me elogiava sobre ele, alegando razões humanas, e um tanto mais que humanas, e aprovação de minha carta ígnea, percebi a “voz”: “Não julgues. Você não pode saber de nada. Há coisas que eu permito. Há outras que eu provoco. E nenhuma é sem propósito. E nada é compreendido com justiça por vocês, seres humanos. Só eu sou Juiz e Salvador. Considere quantos de meus servos foram classificados como possuídos porque falavam, repetindo palavras que emergiam de reinos misteriosos. Considere quantos outros – cujas vidas pareciam transpirar na mais devota observância da Lei de Deus e de minha Igreja – estão agora entre os condenados por Mim. Não julgue . E não tenha medo. Eu estou com você. Olha:tenha um instante de percepção deminha Luz e você verá que a luz humana mais intensa é a escuridão em comparação com a minha Luz. “

E eu vi que uma porta parecia estar se abrindo, uma grande porta de bronze – pesada e alta … Girou nas dobradiças com o som de uma harpa. Não vi quem a abria devagarinho … Da fenda, filtrada ali por uma luz tão intensa, tão radiante, então – não há adjetivo para descrevê-la – que me encheu de céu. A porta foi se abrindo, e da fenda, crescendo cada vez mais, um rio de raios de ouro, de pérolas, de topázios, de diamantes, de todas as joias transformadas em luz, me envolveu completamente e me inundou. Compreendi naquela Luz que devemos amar a todos, não julgar ninguém, perdoar tudo e viver somente por Deus . Dois anos se passaram, mas ainda vejo aquele brilho …

N43: 28-9)

(Dezessete meses depois, Maria fez uma pergunta a Jesus 🙂

“Ora, em 1941, quando ocorreu o contato inicial com aquele homem, Você, Mestre, me disse: ‘Não julgue. Ao longo dos séculos, houve criaturas descritas como obcecadas que eram sagradas, e vice-versa. Não julgue, então. Falo onde e com quem eu quero, e posso falar até mesmo para aqueles que parecem menos dignos ‘? Você me disse isso, mais ou menos. Eu não tenho as palavras de sua luz aqui, que Na época, pensei que fossem apenas uma inspiração interior, mas sei que essas foram aproximadamente as suas palavras. “

(E Jesus respondeu 🙂

“Você não merecia mais, então. E ainda não era o momento de dar-lhe mais. Você precisava vir para perdoar, para merecer ter-Me como Mestre, da maneira que você Me tem. A partir disso, considere que mérito o perdão possui …

“Em 1941, você tinha muito trigo: seu amor pela Verdade e sua fidelidade a ela. Você tinha muita boa vontade para Me servir e levar a Luz aos corações – mesmo ao preço de usar uma mão pesada e ferir , para abrir caminho para a Luz. Você estava com muita pressa em trazer suas conquistas para a minha fome de corações. Você tinha tudo. Mas não fermento de Caridade suficiente …

“As almas são pacientes com uma doença ou outra; estão feridas ou convalescentes – e estes últimos são realmente afortunados. Mas se um médico agisse impensadamente sobre membros quebrados ou órgãos exaustos, o que aconteceria? E, se ele dissesse , ‘Tolo! É sua própria culpa que você seja assim! Aceite! É bem feito para você! Você é nojento’? Como resultado, o pobre paciente – ou pessoa ferida, ou convalescente – ficaria desmoralizado e, em ficando deprimido, não reagia. Sem ajuda não conseguia consolidar a melhora; as feridas ficariam mais pútridas, ou mais profundas, porque não tinham sido tratadas por uma mão experiente, ou tinham sido mal tratadas por uma inexperiente …

“Se eu não te tivesse interrompido com o meu ‘Não julgues’ – fazendo-te refletir que mesmo em alguém aparentemente menos apto a ser instrumento de Deus, Deus poderia estar presente – terias quebrado, com a tua violência, o que eu tinha atado juntos: um fio de seda destinado a se tornar amarra de um navio, com os cabos da caridade sobre-humana e do afeto humano …

“Vá em paz. Seu Jesus não faz nada sem um propósito perfeito.”…

N44: 597-600)

 

“PARA SER MEU FALADOR”

Durante o seu trabalho contínuo, a sua oração viva e constante e o seu sofrimento abraçado com a alegria dos redentores, Maria implorou a Deus que não permitisse sinais externos da sua intensa participação em Cristo, que a usou como fiel «porta-voz» e «pena», manifestando-se na riqueza das “visões” e na profundidade dos “ditados”. Em um desses ditados, Jesus disse a Maria:

 

“Que o presente que lhe dei nunca induza orgulho em você, levando-o a acreditar no que não é assim sobre você.

“Você nada mais é do que um porta-voz e um canal no qual flui a onda da minha Voz. Mas, ao tomá-lo, poderia levar qualquer outra alma. Só pegá- lo tornaria capaz de ser um canal e porta-voz da Voz de Cristo , pois meu toque faz um milagre . Mas você não é nada. Nada mais do que alguém apaixonado.

“Meus porta-vozes são encontrados entre os puros ou entre os pecadores que são realmente convertidos.

“Olhe para o grupo principal de apóstolos. A quem dei poder? Para Pedro. O homem que veio a Mim no auge de sua masculinidade, depois de experimentar as escapadelas e paixões da juventude e da maturidade. O homem que ainda era assim muito homem, depois de três anos de contato Comigo, que se tornou um negador e violento.

“A quem dei revelação e revelação? A João, à carne que não conheceu a mulher, e àquele que era sacerdote, mesmo antes de ser. Ele era puro e apaixonado.

“Quem eu permiti tocar meus membros mais puros e divinos antes e depois da Ressurreição? Maria Madalena, e não Marta.

“Pedro e Maria, os convertidos. João, o puro. É sempre assim.

“Mas a Pedro, em quem o orgulho de si mesmo estava escondido – ‘Mestre, mesmo que todos os outros Te traiam, eu não te trairei’ – eu não dei o que dei a João. E Pedro, um homem maduro e a cabeça do grupo principal, tive que pedir a John – um menino em comparação a ele – para Me perguntar quem era o traidor.E foi a John que eu revelei as últimas vezes – não a Pedro, o chefe da minha Igreja.

“Falo onde quero. Falo com quem quero. Falo como quero. Não tenho limitações.

“A única limitação, que não Me limita, mas bloqueia a vinda da minha Palavra, é o orgulho e o pecado . É por isso que a minha Palavra, que deve espalhar-se por toda a Criação desde as profundezas dos Céus, e instruir os corações dos aqueles marcados com meu sinal, encontram tão poucos canais em todas as classes de pessoas. O mundo – católico, cristão ou de outras religiões – é movido por dois motores: orgulho e pecado . Como minha Palavra pode entrar neste mecanismo árido? ser esmagado e ofendido por ele.

“Sejam João e Maria, e vocês se tornarão a voz da Voz. Arranque o pecado e o orgulho. Cultive a caridade, a humildade, a pureza, a fé e o arrependimento. Eles são as plantas sob as quais o Mestre se senta para instruir suas ovelhas.

 

“Ser meu porta-voz significa entrar em uma austeridade que nenhuma regra monástica impõe. Minha presença impõe reserva sobrenatural, autodomínio, desapego das coisas, ardor espiritual, penitência rude, generosidade na dor e fé viva – como nada mais faz em o mundo.

 

“É um presente. Mas é tirado se aquele a quem foi dado se desviar do espírito e se lembrar que é de carne e osso.

“É sofrimento. Mas se é sofrimento que esmaga carne e sangue, possui em si – e consigo – uma veia de tal doçura, que o maná dos antigos hebreus é absinto amargo em comparação com ele.

“É uma glória. Mas não é a glória desta terra …

“E escreva, então. No que é sobrenatural, nunca se deve ter medo. Quem te dita sabe o que está sendo dito, e quem te lê entende, porque eu também o coloquei em posição de entender. Então ponha de lado todas as reconsiderações humanas. Lembre-se de que você é meu porta-voz; portanto, deve dizer o que eu lhe digo, sem refletir em termos humanos sobre a impressão que outros possam ter disso … ”

N43: 177-8)

(Cinco meses depois, apenas nove dias depois de Maria receber o primeiro ditado das passagens que se tornaram O Poema do Homem-Deus , Jesus disse 🙂

“Ó filha amada, alimente-se desta Palavra sagrada que eles te trazem e eu dou a você. Já que você está destinada a repetir os ensinamentos da Palavra, que leva sua pequenez para confundir os grandes e consolar os humildes, aceite o alimento que Eu ofereça, e não recuse. Se o assunto parece desagradável e intragável, como um rolo de pergaminho pesado – saiba que eu quebro seus selos e esmigalhei suas partes por você, porque eu te amo e quero nutri-lo com o santo Comida.

“Abra seu coração e satisfaça sua fome insaciável. Pois o coração que conheceu a Deus está insaciávelmente faminto por Ele. Meu velho e novo Evangelho será o mais doce mel para o seu espírito.”

N43: 609)

 

ESCOLHIDO POR JESUS

Os cadernos escritos por Maria Valtorta têm quase quinze mil páginas. Pouco menos de dois terços dessa espantosa produção literária dizem respeito à obra monumental sobre a Vida de Jesus ( O Poema do Homem-Deus ). As obras menores incluem comentários extensos sobre textos bíblicos, lições doutrinárias, histórias dos primeiros cristãos e mártires e composições piedosas.

“Posso afirmar” – diz uma das declarações de Valtorta – “que não tive origem humana para saber o que escrevo e o que, mesmo enquanto escrevo, muitas vezes não entendo”. Seus escritos foram transparentemente a palavra inspirada de outra “fonte”, o que é evidente pela mudança no estilo de escrita – de seus próprios comentários aos ditados de Jesus, Maria e outros. O seguinte ditado de Jesus explica porque escolheu Maria para a sua missão extraordinária:

 

“Visto que me pudeste amar ao extremo, confiei-te a Palavra mais elevada do que nenhuma. Está em ti como uma estrela encerrada no teu espírito e ilumina-te com a luz da paz e da vida …

“Existem aqueles que vêm a Mim por um destino comum, e existem aqueles que estão predestinados a ser algo especial em meu serviço.

“Entre os predestinados há aqueles que viveram como anjos desde o nascimento, e há aqueles que se tornaram anjos, por amor, depois de terem sido homens. Mas eles são igualmente os predestinados a serem estrelas, iluminando o caminho de seus irmãos e irmãs quem está indo, e quem precisa de tantas luzes para ir …

“Você está entre estes, criaturinhas que vivem do amor. Você está entre estes. Depois de tanto tormento, você entendeu que só eu poderia ser para você o que sua alma queria, e você veio.

“Mas eu te escolhi antes de você existir, para ser a voz da Voz de Jesus Mestre. Esperei esta hora, Maria, com o coração de pai e de esposa; segui-te com o olhar, esperando pacientemente a hora de dizer-lhe minha Vontade e minha Palavra. Nada foi escondido de Mim sobre o que você faria que fosse menos bom, mas também não foi escondido nada sobre o que você ousaria fazer a partir do momento em que se lançaria na corrente do amor .

“Você dirá: ‘Você se revelou tão tarde, ó Senhor’. Tarde. Eu gostaria que fosse muito antes, filha, mas tive que trabalhar você como o ourives faz com o ouro bruto. Eu a moldei duas vezes. o ventre de sua mãe para dar-lhe ao mundo, mas mais tarde dentro de Mim para dar-lhe ao Céu e torná- lo um portador da minha Luz para o mundo. Eu sabia quando você viria e quando estaria maduro para o serviço. Deus não é com pressa, pois Deus sabe tudo sobre a vida de seus filhos.

“Chegou a hora em que você não é mais mulher, mas apenas uma alma de seu Senhor, um instrumento, como você disse. E quando você escreveu isso, você não sabia que meu amor iria usá-lo desta forma depois tantos anos de provação . Agora vá, aja e fale de acordo com o meu desejo. Eu não digo “comandar”. Eu digo “desejo”. Pois alguém comanda um subordinado e outro pede um amigo. minha amiga.

“E não tenha medo. De nada ou de ninguém. Nem as forças da terra nem as forças do inferno serão capazes de fazer mal a você, pois você está Comigo. O que você diz não é a sua palavra; é a minha palavra, que coloco nos teus lábios para que o repitam aos surdos da terra. O que tu fazes é o meu poder, que te dou para o bem dos que morrem de fome espiritual.

“Você não é a pobre Maria, uma mulher fraca, doente, sozinha, desconhecida, sujeita à traição. Você é minha discípula amada, e eu juro para você que mesmo que o mundo inteiro se movesse para fazer uma guerra contra você, não poderia durar longe de você o que eu dei a você, pois estou com você … “

N43: 349.358-60)

 

PROCURADO POR MARIA

 

(Jesus diz a Maria 🙂

«Um dia Maria, Minha Mãe, disse-te:« Com lágrimas peço ao Meu Filho que te dê a Mim ». E outra vez: “Deixo para o Meu Jesus que Me ame… Quando me amais venho. E a Minha vinda é alegria e salvação”.

Mãe queria você. E eu dei você para ela. Não, eu levei você lá, porque eu sei que onde posso me dobrar com autoridade, Ela o leva com a carícia do amor – e ela o leva lá ainda melhor do que eu. Seu toque é um selo antes do qual Satanás foge. Agora que está com o vestido Dela, se for fiel às orações das duas Ordens, meditará todos os dias em toda a vida de nossa Mãe: em suas alegrias e tristezas. Ou seja, Minhas alegrias e Minhas tristezas . Porque desde que eu, o Verbo, me tornei Jesus, me alegro e choro com Ela, e pelos mesmos motivos.

Então você pode ver que amar Maria é amar Jesus. É amá-lo com mais facilidade. Eu te faço carregar a cruz e te coloco na cruz. Em vez disso, a mãe carrega você, ou fica ao pé da cruz para recebê-lo, em seu coração que só pode amar. Além disso, no momento da morte, o seio de Maria é mais agradável do que um berço. Quem dá o seu último suspiro Nela, não ouve nada, mas as vozes dos coros angelicais girando em torno de Maria. Ele não vê escuridão, mas vê o doce raio da Estrela da Manhã. Ele não ouve choro, mas vê o sorriso dela. Ele não conhece o terror. De nós que a amamos, quem ousaria arrancar dos braços de Maria uma criatura dela ?

Não diga “Obrigado” para mim. Agradeça a ela, que não quis se lembrar de nada de você, exceto do pouco de bem que você fez e do amor que tem por mim, e é por isso que ela queria que você subjugasse sob seus pés o que a sua boa vontade não conseguiu subjugar . Grite: “Viva Maria!” E fica aos pés dela aos pés da cruz. Você vai adornar sua vestimenta com os rubis do Meu Sangue e com as pérolas de suas lágrimas. Você terá um manto de rainha para sua entrada no Meu Reino.

Vá em paz. Eu te abençoo. »

(Vol. 4: 507)

 

(Maria diz para Maria 🙂

“Atraí e conquistei a tua atenção espiritual com visões de gloriosa beleza; então, quando te vi ser arrebatado por Mim e cheio de amor por Mim, te instruí e te preparei para um conhecimento mais íntimo de tua Mãe, e para o mais profundo lições da minha vida e da do meu filho, esta foi para a lição básica de humildade, o antídoto para o veneno de Lúcifer, que desde Adão vos tem prejudicado e desviado do caminho de Deus .

«Apareci-vos – pela bondade do meu Filho – como portadora da Eucaristia viva, depois como Mãe do Salvador e depois exaltada no Céu. E depois destas silenciosas visões de luz e alegria – que, como redes celestes , te cercou e te levou para mim – eu te ensinei. Se sua alma tivesse se rebelado contra a doce rede de peso espiritual, eu o teria deixado. Mas você se envolveu nela, fazendo dessas visões sua alegria, seu desejo e o teu estímulo para o que é cada vez melhor. E então, depois da Rainha, mostrei-te a Mãe. Isto foi para te consolar – já sem mãe – para te elevar à minha humildade e para te levar à minha alegria ,

“Venho sempre quando é a hora certa. Sempre te amei. Mas pedi a Jesus por você quando li no pensamento de Deus que em breve você não teria mais mãe. Ele preparou o encontro e a união – que Ele seja abençoado pra isso! E eu vim …

 

 Diga isso àqueles que choram. Diga-lhes que acreditem em mim não apenas como uma Rainha divinizada, mas como uma verdadeira Mulher por quem a ternura maternal não é desconhecida. Diga-lhes que me chamem ao lado de suas lágrimas com o mais amado dos nomes, o um que recebi de meu Filho, desde sua infância até sua ascensão ao céu e além: ‘Mãe!’ Eu serei a ‘mãe’. “

N43: 604-5)

(Depois de uma noite de agonia física, Maria ouve a voz de Maria 🙂

“Entre os irmãos, ainda podem ocorrer momentos de severidade, incompreensão e as lágrimas daí decorrentes. O irmão mais velho aproveita a sua primogenitura para ser exigente com os mais novos. Mas a boa mãe nunca é rígida, incompreensível ou surda para o sofrimento dos que dela nasceram. Seu coração de mãe se parte tanto pelo choro do primogênito como pelo do último filho. Seu seio é um travesseiro para a carne de sua carne – seja do primogênito, ou do último a nascer.Suas mãos unem-se em súplica em nome do filho que sofre com a severidade de seu irmão.Ela não se resigna até que veja o mais velho se acalmar e o mais novo consolado.

“Isso acontece em quem é mãe de carne e osso. Mas eu sou a Mãe. Você não nasceu para mim de carne e sangue, mas do meu espírito – unido a Deus em um casamento eterno – e da minha dor.

“Meu filho, você me ouviu dizer: ‘Serei um lobo para defender a doutrina de Meu Filho.’ Mas assim como eu, a ovelha Cordeiro do Senhor, me tornaria um lobo em relação ao legado de meu Jesus, também como mãe que defende seus filhos, posso levantar-me em defesa deles, contra tudo o que pode levar a um assalto para matar um filho meu.

“Eu te defendo, Maria. Não chores. Tu estás sob o meu manto. Fecha os olhos, para não ver nem a severidade de Deus, nem a ferocidade dos homens. Não fales. Não te mexas. Não podes, pobre filho meu , sem aumentar sua dor, sem aumentar sua resistência.

“Disseram-lhe que fizesse pelo menos uma pequena oração árida e árida em aceitar sacrifícios. Não. Seria hipocrisia inútil e envenenaria sua alma mais do que os eventos já envenenaram. Eu quero ainda menos. Só quero que você abandone você mesmo para mim.

“Durma no meu peito. Você será curado. Fique em silêncio. Eu falarei por você. Me ame. Eu sou o seu conforto. Eu sou a Mãe. A Mãe da Dor. E você não é muito diferente do meu Jesus quando Ele era deitado, morto, no meu colo. Mas você vai se levantar de novo, meu filho. Porque eu quero que você o faça. “

N44: 275-6)

ANOS DEPOIS DE MARIA

Maria escreveu sobretudo em tempos de guerra e em condições muito difíceis, incluindo a evacuação, sendo que a 24 de abril de 1944 foi obrigada a mudar-se para Santo André de Compito, na província de Lucca. Ela voltou para sua querida casa em Viareggio no dia 23 de dezembro do mesmo ano.

Sua missão como escritora não a isolou do mundo. Ela se preocupava com as pessoas ao seu redor, auxiliando-as em suas vidas e preocupava-se com conselhos iluminados e, quando necessário, com sacrifícios secretos e heróicos que milagrosamente resolviam casos dolorosos. Não ficou indiferente ao destino do seu país que tanto amava, nem renunciou aos seus deveres civis, a ponto de ser transportada de ambulância para a assembleia de voto em 18 de abril de 1948.

No dia 18 de abril de 1949, Maria ofereceu a Deus o sacrifício de não ver a aprovação eclesiástica da Obra, acrescentando também o precioso dom da própria inteligência. O Senhor deve ter acreditado na sua palavra porque, depois de ver a Obra “bloqueada”, Maria deu início a um lento processo de retrocesso para uma espécie de isolamento psicológico, iniciado, talvez, em 1956.

Seus olhos, porém, permaneceram claros e sua atitude tranquila. Ela nunca pediu nada e se permitiu ser alimentada como uma criança. Quando interrogada por causa de alguma circunstância séria a respeito de seus escritos, ela respondeu de forma breve e exata, como se temporariamente sacudida de seu estado de incomunicabilidade.

Seu estado de espírito não era o da chamada “insanidade” (como alguns dos antagonistas de Maria diriam). Jesus deu a ela percepções durante seus primeiros anos, da paz e proteção que ela teria, depois que suas obras se tornassem conhecidas do mundo exterior:

 

“Para que não desmaies durante as vossas paradas finais na terra, estou encerrando-vos na morada de Maria. Lá, a perturbação não entra, porque Ela é a Mãe da Paz. Lá, o Inimigo não entra, porque Ela é a Vitoriosa Um.

 

“Deixe Maria ensinar-lhe as chamas supremas da Caridade – Ela que é a Filha, Mãe e Esposa da Caridade.

 

“Corte todos os laços entre você e o mundo. Viva em Jesus e Maria. Lembre-se que, mesmo que o homem tivesse dado todos os seus bens para possuir o amor, isso não seria nada, pois o Amor é tal que em comparação com Deus – o Amor de seu almas, o verdadeiro propósito de suas vidas – tudo perde valor. Possuir o Amor é a única coisa que conta. E o Amor é possuído quando por Ele alguém é capaz de renunciar a tudo que possui.

“Depois a paz virá, Maria. Agora há luta. Mas para quem ama, é luta coroada pela vitória.

“Eu irei em breve, para trocar sua coroa de espinhos por outra de alegria. Persevere.

 

“Coloque meu selo sobre cada batida do coração, cada trabalho. Grave-o com lágrimas nas fibras do seu coração. Eu sou Aquele que salva e ama.”

N43: 402)

“Eu disse, e desde o início, que meu ‘porta-voz’ deveria ser deixado em paz, envolto em véus de silêncio que seriam levantados após sua morte. Quando as orações e desejos de quem eu amo – e que agrada a Eu por causa de sua intenção constantemente correta – me inclinando a ser condescendente, estabeleci cláusulas e diretrizes para a proteção do meu instrumento …

“Isso não é brincadeira de criança. Os interesses de Deus e a paz de um coração estão em jogo aqui. Cuidado, todos vocês!

“Meu ‘porta-voz’ – aqueles de vocês que estão próximos dela sabem – sempre se opôs a toda violação de seu segredo, a toda forma de exibicionismo, a toda proclamação em seu favor e honra. Ela não é uma ‘violeta’ para sem motivo. Se eu lhe dei esse nome, eu sei por quê. Ela sofreu certas intrusões e atos de incenso. Ela não ama incenso para si mesma. Ela quer que tudo seja dado ao seu Mestre, Jesus … “

N44: 568-9)

(Estas palavras de Jesus foram posteriormente reforçadas, dois anos depois, pelo anjo da guarda de Maria, Azariah 🙂

“Alma minha, como uma pomba cansada e ferida, tu ficas no oco que é o teu ninho. Ficas em Deus. Não falas, não te mexas. Tu consertas. Só isto. Não podes fazer de outra forma, oprimido como tu estão pela dor que vem dos homens, atordoados por sua anti-caridade e absorvidos por Deus. Ele se mostra a você para consolá-lo, para dizer-lhe: ‘Eu sou tudo para você’. Mas as palavras não são necessárias, para você para ser compreendido por Aquele que te ama. O teu amor fala com a sua pulsação fiel. E basta.

“Esqueça o mundo; isole-se em seu silêncio amoroso. Fique em silêncio, pois cada palavra é inútil, estéril, perniciosa. Permaneça em sua justiça. Permaneça em sua obediência. Não há ninguém maior do que Deus. Siga seus mandamentos, então, e nada mais..

“Cale-se, portanto. Feche-se a Deus. Ele curará sua alma ferida. No silêncio Ele falará com você. Separe-se. Viva em Deus por Deus. Cumpra-se o castigo e não julgue. Não julgue. Deus já os está julgando. Imitar o Mestre para ser como o Mestre, como diz o Evangelho. Imitá-lo com amor e humildade …

Alma minha, o Senhor está contigo, e a Mãe te cobre com seu manto, como eu faço com minhas asas. “

AZ: 137-9)

MORTE DE MARIA

Maria faleceu em seu quarto em Viareggio no dia 12 de outubro de 1961, às 10h35, 65º ano de vida e 28º de enfermidade. O reitor da Ordem Terceira dos Servos de Maria, pe. Innocenzo M. Rovetti foi chamado para ajudá-la em seu leito de morte. Ela havia pertencido a esta Ordem Terceira, bem como à Ordem Terceira dos Franciscanos. No exato momento em que o sacerdote recitou as palavras: Proficiscere, anima christiana, de hoc mundo (Parta, ó alma cristã, deste mundo), Maria deu seu último suspiro. Pareceu ser seu último ato de obediência. Os poucos e solenes visitantes puderam admirar o brilho de sua mão direita (aquela que havia sido definida como “pena do Senhor”), enquanto sua mão esquerda ficava lívida. E seus joelhos, que serviam como sua mesa, estavam visivelmente dobrados sob seu vestido branco,

Uma pequena procissão de automóveis acompanhou o falecido ao Cemitério da Misericórdia, onde foi realizado o enterro.

Dez anos depois, em 12 de outubro de 1971, seus restos mortais foram exumados da terra e colocados no nicho familiar. Em 2 de julho de 1973, porém, com as autorizações civis e eclesiásticas, foram transferidos de Viareggio para Florença, para serem sepultados na Capela Capitular do Grande Claustro da Basílica da Santíssima Anunciação, onde ainda se encontra o túmulo de Maria Valtorta. venerado.

 

DIFUSÃO DOS MANUSCRITOS

As primeiras edições dos escritos de Maria Valtorta começaram a ser publicadas, sem seu nome, nos últimos anos de sua vida. Rapidamente receberam ampla acolhida em todo o mundo, com difusão na Itália e no exterior. Foram até terras distantes, e tudo sem publicidade, mas com o impacto exclusivo de sua mensagem de verdade e amor, que conquistou o coração dos homens, mudando-os para melhor.

Num “ditado” de 23 de agosto de 1943, encontramos as seguintes palavras de Jesus dirigidas ao escritor: “É preciso bom senso para usar o meu dom. Não uma difusão aberta e ruidosa, mas uma lenta expansão progressivamente mais ampla e sem qualquer nome. Quando a tua mão está quieta em paz, na expectativa da gloriosa ressurreição, então e só então o teu nome será mencionado “.

A obra principal é uma grande Vida de Jesus, cuja narração se estende desde o nascimento e a infância da Virgem Maria até sua assunção ao céu.

Definida nos escritos valtortianos como “O Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo conforme foi revelado a João Pequeno”, a obra recebeu o título mais simples de “O Poema de Jesus”, que foi preferido para a primeira edição. Posteriormente, o editor foi solicitado a retificar este título porque ele já havia sido aplicado a um pequeno volume de poesia publicado em outro lugar, e o título revisado lido como “O Poema do Homem-Deus”, como permanece até hoje.

E foi “revelado” a Maria Valtorta, denominado “João Pequeno”. João, para colocá-la perto do Evangelista que era o discípulo favorito. Pouco, pela dependência da sua Obra, embora bastante extensa, da dos Evangelistas que, em breves manuscritos, encerram o essencial.

PARA PROCLUIR AS FRUTAS

Em 28 th abril 1946, Azarias ditada este conselho para aqueles de nós que receberam o dom dos escritos de Maria Valtorta:

 

“ Para os negadores, os incertos ou os denegridores do milagre … você pode dizer ‘Eu não sei quem Ele é. Eu sei que fui um miserável, e Ele me curou na alma e no corpo.’ E você pode fazer particularmente a declaração luminosa do cego de nascença, para aqueles que o censuraram por ter recebido sua visão de um réprobo: ‘Eu não sei se Ele é um pecador, mas eu só sei disso: que eu era cego e agora eu vejo … Desde que o mundo começou, nunca se falou de alguém abrir os olhos a um cego de nascença. Se aquele que me curou não fosse Deus, Ele não poderia ter feito isso. ‘

“Sim, é assim que você pode responder a essas dúvidas insinuantes sobre a porta-voz: ‘Não sabemos quem ela é. Só sabemos que ela curou nossos espíritos. Desde que o mundo começou, nunca se falou do demônio tendo aberto os olhos de quem estava em pecado, para a luz de Deus. Se aquele que nos curou não fosse um instrumento de Deus, suas páginas não teriam sido capazes de nos converter. ‘ “

AZ: 75-6)

Compartilhe a Divina Vontade