O Purgatório nos escritos de Maria Valtorta

 


Jesus diz:
«Também hoje vos falarei referindo-se ao Evangelho. Vou te mostrar uma frase. Apenas um, mas que tem vastos significados. Você sempre considera isso de um ponto de vista. Sua estreiteza humana não permite mais. Mas meu Evangelho é uma obra espiritual, portanto seu significado não fica limitado ao ponto material de que fala, mas se espalha como um som em círculos concêntricos, e cada vez mais amplos, abrangendo muitos significados.

Eu disse ao jovem rico: “Vá, venda o que você tem e venha me seguir”. Você acreditou que eu dei o conselho evangélico da pobreza. Sim, mas não pobreza como você a entende; não apenas isso. Dinheiro, terras, edifícios, joias são coisas que você ama e custa seu sacrifício desistir de tê-los ou dor para perdê-los. Mas, para uma vocação de amor, você também sabe como despi-la. Quantas mulheres não venderam tudo para ficar com o cônjuge ou amante – o que é pior – e continuar uma vocação de amor humano? Outros, por exemplo, jogam a vida fora. Soldados, cientistas, políticos, arautos de novas doutrinas sociais, mais ou menos justas, sacrificam-se todos os dias ao seu ideal vendendo a vida, dando a vida pela beleza, ou pelo que consideram beleza, de uma ideia. Eles se empobrecem com a riqueza da vida por causa de suas idéias. Mesmo entre meus seguidores muitos souberam e conheceram renunciar às riquezas da vida, oferecendo-as a Mim por meu amor e pelo próximo. Renúncia muito maior do que a das riquezas materiais.

Mas na minha frase há ainda outro significado, pois há uma riqueza maior do que ouro e vida e infinitamente mais cara. Riqueza intelectual. Seus próprios pensamentos! Como isso se mantém! Existem, é verdade, escritores que o conferem às multidões. Mas eles fazem isso pelo lucro e nunca dizem o que pensam. Eles dizem o que sua tese precisa, mas certas luzes íntimas os mantêm trancados no peito da mente. Porque muitas vezes são pensamentos de dor por dores íntimas ou censuras da consciência despertada pela voz de Deus.

Pois bem, em verdade vos digo, visto que esta é uma riqueza maior, maior e mais pura – porque é uma riqueza intelectual e portanto incorpórea – a sua renúncia tem um valor diferente aos meus olhos. O que está aceso em você vem do centro do Céu onde Eu, o Deus Único e Triúno, estou. Portanto, não é certo que você diga: “Este pensamento é meu”. Eu sou o Pai e Deus de todos. Portanto, as riquezas de uma criança, que dou a uma criança, devem ser desfrutadas por todos e não exclusivamente a um. Para aquele que merecia ser – direi – o depositário, o destinatário, continua a ser a alegria de o ser. Mas o presente deve circular entre todos. Porque eu falo com um por todos. Quando alguém encontra um tesouro, se for honesto, se apressa em entregá-lo aos responsáveis ​​e não o considera culpado. Aquele que encontra o Tesouro, minha Voz, ele deve entregá-lo a seus irmãos. É o tesouro de todos.

Eu não gosto de avarentos. Nem mesmo os gananciosos na piedade. Muitos há que oram por si próprios, usam indulgências para si próprios, alimentam-se de Mim para si próprios. Nunca pensei nos outros. É sua alma que importa para eles. Eu não gosto deles. Eles não serão danificados porque permanecem na minha graça. Mas eles terão apenas o mínimo de graça que os salvará do Inferno. O resto, que o Paraíso terá que lhes dar, terá que conquistá-lo com séculos de purgatório. O avarento, material e espiritual, é um glutão, um glutão e um egoísta. Ele se empanturra. Mas isso não faz bem a ele. Pelo contrário, isso produz nele doenças do espírito. Você se torna impotente para aquela agilidade espiritual que lhe permite perceber as inspirações divinas, para se regular sobre elas e chegar ao Céu com segurança.

Você vê quantos significados minha palavra evangélica pode ter? E tem mais. Agora, com um pouco de ciúme dos meus segredos, ajuste-se. Não faça riquezas que eu te dou riquezas injustas.

Quanto ao que te disse ontem, não penses que aquele por quem deves reparar é uma alma consagrada cuja vocação vacila. Não. É uma criatura fraca que eu escolhi, mas que ouviu as vozes das criaturas mais do que as minhas e por mesquinhas considerações humanas perdeu o trono na casa do Noivo. Agora ele sofre com isso. Mas ele não tem forças para reparar. Eu abriria meus braços novamente. Ore para que ele saiba como chegar à porta do salão de casamento místico e que ele saiba como entrar com uma nova alma. Mesmo uma lágrima oferecida para esse fim tem seu peso e seu valor. Ajude o seu Jesus, Maria, e Ele o ajudará cada vez mais. ”

Fonte: Quaderni di Maria Valtorta (1943). Centro Editorial Valtortiano.

Purgatório nos escritos de Maria Valtorta


17 de outubro. Jesus diz:

«Quero explicar-vos o que é e em que consiste o Purgatório. E vou explicar para você, de uma forma que irá impactar muitos que acreditam ser os guardiões do conhecimento do além e não são. As almas imersas nessas chamas sofrem apenas de amor.

Não indignos de possuir a Luz, mas nem mesmo dignos de entrar nela imediatamente, no Reino da Luz, quando se apresentam a Deus, são investidos pela Luz. É uma beatitude curta e antecipada, que os torna certos da sua salvação e os torna conscientes do que será a sua eternidade e conhecedores do que se comprometeram com a sua alma, defraudando-a de anos de posse bendita de Deus. de purgação, são atingidos pelas chamas expiatórias

Nisso, quem fala do Purgatório diz que tem razão. Mas não estou certo em querer aplicar nomes diferentes a essas chamas. Eles são o fogo do Amor. Eles purificam acendendo as almas de amor. Eles dão Amor porque, quando a alma alcançou neles aquele amor que não alcançou na terra, ela se liberta dele e se junta ao Amor no céu. Parece-lhe uma doutrina diferente da conhecida, certo? Mas pense nisso. O que o Deus Triúno deseja para as almas criadas por Ele? Bom. Quem quer o Bem para uma criatura, que sentimentos ele tem pela criatura? Sentimentos de amor.

Qual é o primeiro e o segundo mandamento, os dois mais importantes, aqueles que eu disse para não serem maiores e para estarem neles a chave para alcançar a vida eterna? É o mandamento do amor: Ame a Deus com todas as suas forças, ame o próximo como a si mesmo.

Através da minha boca e dos profetas e santos, o que eu disse a você inúmeras vezes? Essa caridade é a maior absolvição. A caridade consome os defeitos e as fraquezas do homem, porque quem ama vive em Deus, e viver em Deus peca pouco, e se pecar se arrepende imediatamente, e para quem se arrepende há o perdão do Altíssimo. O que estava faltando nas almas? Amar. Se eles tivessem amado muito, eles teriam cometido alguns pecados leves, relacionados com a sua fraqueza e imperfeição. Mas eles nunca teriam alcançado a persistência consciente, mesmo na culpa venial. Eles teriam procurado não entristecer o seu Amor, e o Amor, vendo a sua boa vontade, também os teria absolvido das venialidades cometidas.

Como uma falha pode ser reparada, mesmo na Terra? Expiação por ele e, se possível, pelos meios pelos quais foi cometido. Quem fez mal, devolvendo o que tirou com arrogância. Quem caluniou, retratou a calúnia e assim por diante.

Agora, se a pobre justiça humana quer isso, a santa justiça de Deus não quer? E que meios Deus usará para obter reparação? Ele mesmo, isto é, amor e amor exigente.

Este Deus a quem ofendeste e que te ama paternalmente e que quer unir-te às suas criaturas, te leva a obter por si mesmo esta união.

Tudo depende do Amor, Maria, exceto os verdadeiros mortos: os condenados. O amor também morreu por eles mortos. Mas para os três reinos – o mais pesado: a Terra; aquele em que o peso da matéria é abolido, mas não da alma oprimida pelo pecado: Purgatório; e finalmente aquele em que os habitantes dela compartilham com seu Pai a natureza espiritual que os liberta de todos os fardos – o motor é o Amor. É amando na terra que você trabalha para o céu. É amando no Purgatório que você conquista o Céu que em vida você não sabia como merecer. É amando no céu que você desfruta do céu.

Quando uma alma está no Purgatório, ela nada faz senão amar, refletir, arrepender-se à luz do Amor que por ela acendeu aquelas chamas, que já são Deus, mas esconde Deus dela para seu castigo.

Aqui está o tormento. A alma se lembra da visão de Deus que teve no julgamento particular. Ele carrega essa memória consigo e, visto que ter mesmo um vislumbre de Deus é uma alegria que ultrapassa todas as coisas criadas, a alma está ansiosa para recuperar essa alegria. Aquela memória de Deus e aquele raio de luz que a investiu quando apareceu diante de Deus, permitem à alma ver na sua verdadeira entidade as faltas cometidas contra o seu Bem, e isto – o ver constitui, junto com o pensamento que por essas faltas a posse do Céu e a união com Deus foram voluntariamente proibidas por anos ou séculos, constitui seu castigo purgativo.

É o amor e a certeza de ter ofendido o Amor, o tormento dos purgantes. Quanto mais uma alma perde na vida, mais é como se estivesse cega por cataratas espirituais, que tornam mais difícil para ela conhecer e alcançar aquele arrependimento perfeito do amor que é o coeficiente primário de sua purgação e entrada no Reino de Deus, o amor está sobrecarregado e demorado em sua vida, quanto mais uma alma o oprime com a culpa. À medida que se purifica pelo poder do Amor, acelera sua ressurreição para o amor e, conseqüentemente, sua conquista do Amor, que se completa quando, terminada a expiação e atingida a perfeição do amor. Amor, é admitido na Cidade de Deus.

É preciso rezar muito para que essas almas, que sofrem para alcançar a Alegria, sejam rápidas em alcançar o amor perfeito que os absolve e os une a Mim. Suas orações, seus sufrágios, são tantos aumentos no fogo do amor. Eles aumentam o ardor. Mas – oh! bendito tormento! – também aumentam a capacidade de amar. Eles aceleram o processo de purga. As almas imersas naquele fogo sobem a níveis cada vez mais elevados. Eles os levam ao limiar da luz.

Finalmente, eles abrem as portas da Luz e introduzem a alma no céu.

A cada uma dessas operações, provocadas pela sua caridade para aqueles que o precederam na sua segunda vida, corresponde um salto de caridade para você. Caridade de Deus que te agradece por prover aos seus filhos sofredores, caridade das crianças que sofrem, que te agradecem por trabalhar para trazê-los à alegria de Deus.

Nunca como depois da morte da terra os teus entes queridos te amam, porque o seu amor já se infundiu com Luz. de Deus e nesta Luz eles entendem como você os ama e como eles deveriam tê-lo amado.

Eles não podem mais dizer a você palavras que invoquem o perdão e dêem amor. Mas eles as dizem a Mim por você, e eu as trago a você, estas palavras de seus Mortos, que agora sabem ver e amar você como deveriam. Eu os trago a você com seu pedido de amor e sua bênção. Já válido desde o Purgatório, porque já está infundido com a caridade ardente que os queima e os purifica. Perfeitamente válido, então, a partir do momento em que, libertos, eles te encontrarão na soleira da Vida ou nela se reunirão a ti, se já os precisaste no Reino do Amor.

Confie em mim, Mary. Eu trabalho para você e seus entes queridos. Eleve seus espíritos. Eu vim para te dar alegria. Confie em mim.”

Fonte: Escritos de Maria Valtorta. Centro Editorial Valtortiano.

Maria Valtorta vê sua mãe nas chamas do Purgatório.


 

4 de outubro de 1949, 15h30.
Depois de muito tempo, vejo minha mãe, entre as chamas do Purgatório.
Eu nunca a vi nas chamas. Ele gritou. Não posso reprimir o grito que depois justifico a Marta com uma desculpa, para não impressioná-la.
Minha mãe já não é tão esfumaçada, gnigiastra, com uma expressão áspera, hostil a Tudo e a todos, como eu a vi nos primeiros 3 anos após a morte quando, embora eu lhe implorasse, ela não queria se voltar para Deus … nem está turva e triste, quase assustada, como eu a vi nos anos seguintes. Ela é linda, rejuvenescida, serena. Ela parece uma noiva em seu vestido não mais cinza, mas branco, muito branco. Ele emerge das chamas da virilha para cima.
Eu falo com ela Eu digo a ela: “Você ainda está aí, mãe? Mesmo assim, orei muito para encurtar sua frase e fiz você orar. Esta manhã, pelo sexto aniversário, dei a vocês a Sagrada Comunhão. E você ainda está aí! ”.

Hilária, alegre, ela responde: “Estou aqui, mas por mais um pouco. Eu sei que você orou e fez as pessoas orarem. Esta manhã dei um grande passo em direção à paz. Agradeço a você e à freira que orou por mim. Eu recompensarei então … Em breve. Logo termino a purga. Já limpei os defeitos da mente … minha cabeça orgulhosa … depois os do coração … meu egoísmo … Eles eram os mais graves. Agora expio os da parte inferior. Mas eles são uma bagatela em comparação com o anterior “.

“Mas quando te vi tão esfumaçado e hostil .., você não quis se voltar para o céu …”.

“Eh! Eu ainda era excelente … Humilde? Eu não queria. Então o orgulho caiu ”.

“E quando você ficou tão triste?”

“Eu ainda estava apegado às afeições terrenas. E você sabe que não foi um bom apego … Mas eu já entendi. Eu fiquei triste com isso. Porque eu entendi, agora que não havia mais culpa do orgulho, que eu amava muito a Deus, querendo que ele fosse meu servo, e muito a você … ”.

“Não pense mais nisso, mãe. Agora já passou ”.

“Sim, já passou. E se for assim, agradeço. É por você que sou assim. Seu sacrifício … Ele obteve o purgatório para mim e logo a paz ”.

“Em 1950?”.

“Antes! Antes! Em breve!”.

“Então não haverá mais nada para orar por você.”

“Ore como eu estava aqui. Existem muitas almas, de todos os tipos, e muitas mães esquecidas. Devemos amar e pensar em todos. Agora eu sei. Você sabe como pensar em todos, amar a todos. Eu também sei disso agora e entendo que está certo. Agora não estou mais baseando (palavras precisas) o julgamento contra Deus, agora digo que é certo … ”.

“Então você reza por mim”.

“Eh! primeiro pensei em você. Veja como eu guardei a casa para você. você sabe né? Mas agora vou rezar pela sua alma e por que ou ser feliz que você venha comigo ”.

“E o pai? Onde está o pai? “.

“No Purgatório”.

“Ainda? No entanto, foi bom. Ele morreu cristão, com resignação ”.

“Mais que eu. Mas está aqui. Deus julga diferente de nós. Seu próprio jeito … “.

“Por que o papai ainda está aí?”.

“Eh !!” (Eu me sinto mal, eu esperava por isso no céu por um tempo).

“E a mãe da Marta? Sabe, Marta … “.

“Sim Sim. Agora eu sei o que é Marta. Antes .., minha personagem … a mãe da Marta já está há muito tempo fora daqui ”.

“E a mãe do meu amigo, Eroma Antonifli? Você sabe…”.

“Eu sei. Nós sabemos tudo. Nós purgativos. Menos bom do que os santos. Mas nós sabemos. Quando eu desci aqui, ela saiu ”.

Eu vejo a língua das chamas e elas me dão dor. Eu pergunto a ela:
“Você sofre muito com aquele incêndio?”

“Agora não. Agora há outro mais forte que dificilmente te faz sentir isso. E então … aquele outro fogo dá vontade de sofrer. E então o sofrimento não dói. Nunca quis sofrer … sabe … ”.

“Você está linda, mãe, agora. Você é como eu queria você ”.

“Se eu sou assim, devo isso a você. Eh! quantas coisas você entende quando está aqui. Nós nos entendemos cada vez mais, quanto mais nos purificamos do orgulho e do egoísmo. Tive tanto … “.

“Não pense mais nisso”.

“Tenho que pensar … Adeus Maria …”.

“Adeus, mãe. Venha logo e me pegue … “.

“Quando Deus quiser …”.

Eu queria marcar isso. Contém ensinamentos. Deus pune primeiro os pecados da mente, depois do coração e, por último, as fraquezas da carne. Devemos rezar, como se fossem nossos parentes, pelos purgantes abandonados; O julgamento de Deus é muito diferente do nosso; os purgantes entendem o que não entenderam na vida porque estavam cheios de si.

Além da tristeza pelo papai … Estou feliz por tê-la visto tão tranquila, feliz mesmo, pobre mãe!

Fonte: Escritos de Maria Valtorta. Centro Editorial Valtortiano.

Dos Cadernos de Maria Valtorta: 30 de junho de 1943.


 

Jesus repete: «Entre as riquezas a serem doadas para seguir-Me e que eu alistei para vocês, há ainda outra. Aquele que está mais ligado ao espírito e que o arranca causa mais dor do que dilacera a carne. São os afetos, essa riqueza tão viva. No entanto, pelo meu amor, deve-se saber como doá-los também.

Eu não condeno as afeições. Pelo contrário, eu os abençoei e santifiquei com a Lei e os Sacramentos. Mas você está na terra para conquistar o céu. Essa é a verdadeira morada. O que criei para você aqui embaixo deve ser visto pelas lentes acima. O que eu dei a você deve ser recebido com gratidão, mas devolvido prontamente a meu pedido.

Eu não destruo sua riqueza emocional. Eu o removo da terra para transplantá-lo para o céu. Lá as sagradas coabitações familiares, as amizades puras, todas aquelas formas de afeto honesto e abençoado serão reconstruídas para sempre que eu,

Filho de Deus feito homem, também quis para mim e sei o quanto são queridos. Mas se eles são queridos, tão queridos, eles não são mais queridos para Deus e para a vida eterna. Mas aqueles que, diante de um afeto quebrado, não sabem pronunciar a mais bela palavra de filiação em Deus, não demonstram uma verdadeira fé no doce Pai que está nos céus, mas se rebelam. E eles não refletem que se eu der aquela dor é certo evitar maiores dores e obter maior mérito! Você também não conseguiu dizer: “Faça como quiser!”. Passaram-se anos até que eu me dissesse: “Obrigado, padre, por essa dor”. Mas você acredita que o seu Jesus teria dado a você se não tivesse sido bom dar a você? Agora pense e entenda. Mas o quanto você se importou em fazer isso! Eu estava ligando para você, tentando fazer você entender o motivo. Mas você não ouviu o seu Deus.

Não me pergunte: “Por que você permitiu isso.” Se eu permiti, não foi sem motivo. Vou lhe contar sobre isso esta noite, quando você mais sofre. Estou com você justamente porque você sofre. Vou te fazer companhia. Mas lembre-se de que não tive ninguém na hora da tentação. Eu tive que superar isso de mim. Você, por outro lado, tiveram sempre me perto, mesmo quando você não me viu porque o Espírito do Mal incomodado ao ponto de impedi-lo de ver e ouvir o seu Jesus.

Agora, se eu te dissesse que a adesão de um filho na morte de um pai encurta o purgatório ao mesmo, que o perdão de um filho pelas faltas mais ou menos verdadeiras de um pai é um refresco para aquela alma, você acreditaria . Mas então você não se deu paz e desperdiçou o bem que fez.

Renunciar à riqueza de um afeto, para seguir a minha Vontade sem remorsos humanos, é a perfeição da renúncia recomendada ao jovem do Evangelho. Lembre-se disso pelo resto de sua vida. Um pai como eu nunca dá nada de prejudicial aos filhos. Mesmo que a aparência de uma pedra para aqueles que pedem um beijo, essa pedra é ouro puro e eterno. Cabe à alma reconhecê-lo e mantê-lo assim, pronunciando a palavra que me atraiu do céu para o seio de Maria e me colocou na cruz para redimir o mundo: fiat ”.

Fonte: Quaderni di Maria Valtorta (1943). Centro Editorial Valtortiano.

esus diz:
«Retomo o tema das almas recebidas no Purgatório. Se você entendeu todo o significado de minhas palavras, não importa. São páginas para todos, porque todos têm seres queridos no Purgatório e quase todos, com a vida que levam, estão destinados a ficar nessa morada. Portanto, para nós dois eu continuo.

Disse que as almas do purgatório só sofrem por amor e expiam com amor. Aqui estão as razões para este sistema de expiação.

Se vocês, homens irrefletidos, considerarem cuidadosamente minha Lei em seus conselhos e mandamentos, verão que tudo está centrado no amor. Amor a Deus, amor ao próximo.

No primeiro mandamento eu, Deus, me imponho ao teu amor reverente com toda a solenidade que é digna de minha natureza com respeito ao teu nada: “Eu sou o Senhor teu Deus.

Muitas vezes vocês se esquecem disso, homens que se acreditam deuses e, se vocês não têm um espírito vivificado pela graça em vocês, vocês não são nada além de pó e podridão, animais que combinam animalidade com a astúcia da inteligência possuída pela Besta, que te obriga a fazer obras por bestas, piores do que por bestas: por demônios.

que me deu a capacidade de amar e as criaturas de amar? com santidade ‘e não com luxúria, que me deu o poder, a autoridade para torná-los um meio de santidade e não de condenação. Posso tornar-me semelhante a Ele porque Ele disse: “Vós sois deuses”, mas só se eu viver a sua Vida, essa é a sua Lei, mas só se eu viver a sua Vida, esse é o seu Amor. Apenas um é Deus: Ele. Eu sou seu filho e súdito, o herdeiro de seu reino. Mas se eu desertar e trair, se eu criar meu próprio reino no qual humanamente quero ser rei e deus, então eu perco o verdadeiro Reino e meu destino como um filho de Deus decai e se degrada ao de um filho de Satanás, pois não pode ser feito ao mesmo tempo, sirva ao egoísmo e ao amor, e quem serve ao primeiro serve ao Inimigo de Deus e perde o Amor, ou seja, perde Deus. autoridade para torná-lo um meio de santidade e não de condenação. Posso tornar-me semelhante a Ele porque Ele disse: “Vós sois deuses”, mas só se eu viver a sua Vida, isto é, a sua Lei, mas só se viver a sua Vida, ou seja, o seu Amor. Apenas um é Deus: Ele. Eu sou seu filho e súdito, o herdeiro de seu reino. Mas se eu desertar e trair, se eu criar meu próprio reino no qual humanamente quero ser rei e deus, então eu perco o verdadeiro Reino e meu destino como um filho de Deus decai e se degrada ao de um filho de Satanás, pois não pode ser feito ao mesmo tempo, sirva ao egoísmo e ao amor, e quem serve ao primeiro serve ao Inimigo de Deus e perde o Amor, ou seja, perde Deus. autoridade para torná-lo um meio de santidade e não de condenação. Posso tornar-me semelhante a Ele porque Ele disse: “Vós sois deuses”, mas só se eu viver a sua Vida, essa é a sua Lei, mas só se eu viver a sua Vida, esse é o seu Amor. Apenas um é Deus: Ele. Eu sou seu filho e súdito, o herdeiro de seu reino. Mas se eu desertar e trair, se eu criar meu próprio reino no qual humanamente quero ser rei e deus, então eu perco o verdadeiro Reino e meu destino como um filho de Deus decai e se degrada ao de um filho de Satanás, pois não pode ser feito ao mesmo tempo, sirva ao egoísmo e ao amor, e quem serve ao primeiro serve ao Inimigo de Deus e perde o Amor, ou seja, perde Deus. Apenas um é Deus: Ele. Eu sou seu filho e súdito, o herdeiro de seu reino. Mas se eu desertar e trair, se eu criar meu próprio reino no qual humanamente quero ser rei e deus, então eu perco o verdadeiro Reino e meu destino como um filho de Deus decai e se degrada ao de um filho de Satanás, pois não pode ser feito ao mesmo tempo, sirva ao egoísmo e ao amor, e quem serve ao primeiro serve ao Inimigo de Deus e perde o Amor, ou seja, perde Deus. Apenas um é Deus: Ele. Eu sou seu filho e súdito, o herdeiro de seu reino. Mas se eu desertar e trair, se eu criar meu próprio reino no qual humanamente quero ser rei e deus, então eu perco o verdadeiro Reino e meu destino como um filho de Deus decai e se degrada ao de um filho de Satanás, pois não pode ser feito ao mesmo tempo, sirva ao egoísmo e ao amor, e quem serve ao primeiro serve ao Inimigo de Deus e perde o Amor, ou seja, perde Deus.

Remova da sua mente e do seu coração todos os deuses mentirosos que você colocou nele, começando com o deus da lama que você é quando não vive em Mim. Lembre-se do que você me deve por tudo que eu lhe dei – e mais eu teria dado você, se não o fez, amarrou suas mãos ao seu Deus com o seu estilo de vida – o que Eu dei a você para a vida diária e para a vida eterna. Por esta razão, Deus te deu seu Filho, para que ele fosse sacrificado como um cordeiro imaculado e lavasse suas dívidas com seu Sangue e assim não fizesse as iniqüidades dos pais caírem sobre seus filhos até a quarta geração de pecadores, como nos tempos mosaicos. Eu sou aqueles que me odeiam porque o pecado é ofendido contra Deus e quem ofende odeia.

Não eleve outros altares a deuses falsos. Tenha, não tanto nos altares de pedra, mas no altar vivo do seu coração, somente o Senhor seu Deus. Sirvam-no e dêem a verdadeira adoração de amor, de amor, de amor, ó filhos que vocês não sabem amar, que dizem, dizem, dizem palavras de oração, palavras apenas, mas não façam do amor a sua oração, a única que Deus, por favor.

Lembre-se de que uma verdadeira batida do coração de amor, que sobe como uma nuvem de incenso das chamas do seu coração apaixonado por Mim, tem um valor para Mim que é infinitamente maior do que mil e mil orações e cerimônias feitas com um calor ou frio coração. Atraia minha misericórdia com seu amor. Se soubesses quão ativa e grande é minha Misericórdia com quem me ama! É uma onda que passa e lava o que é uma mancha em você. Ele te dá uma estola branca para entrar na Cidade Santa do Céu, na qual a Caridade do Cordeiro que ele se deixou imolar por você brilha como o sol.

Não use o Santo Nome por hábito ou para fortalecer sua raiva, para desafogar sua impaciência, para corroborar suas maldições. E, acima de tudo, não aplique o termo? Deus a uma criatura humana que você ama por uma fome de sentidos ou de adoração da mente. Apenas um deve ser informado desse nome. A Mim. E a Mim deve ser dito com amor, com fé, com esperança. Então esse Nome será sua força e sua defesa. A adoração deste Nome justificará você, pois quem trabalha colocando meu nome como selo de suas ações não pode cometer maldades. Falo daqueles que agem com verdade, não dos mentirosos que procuram cobrir a si mesmos e suas obras com o esplendor do meu santo nome três vezes. E quem eles estão tentando enganar? Não estou sujeito a engano, e os próprios homens, a menos que sejam mentalmente enfermos,

Você que não sabe amar outra coisa senão a si mesmo e ao seu dinheiro, e cada hora que não é dedicada a satisfazer a carne ou encher a bolsa parece perdida para você, sabe, em sua diversão ou trabalho como gananciosos e brutos, para ponha um ponto final que lhe dê uma maneira de pensar sobre Deus, sua bondade, sua paciência, seu amor. Você deve, repito, sempre ter-me em mente o que quer que faça; mas como você não sabe trabalhar mantendo seu espírito fixo em Deus, você pára de trabalhar uma vez por semana para pensar apenas em Deus.Isso, que pode lhe parecer uma lei servil, é a prova de como Deus o ama. Teu bom Pai sabe que sois máquinas frágeis que se desgastam com o uso contínuo e tem provido para a vossa carne, até porque é também sua obra, dando a você o comando para deixá-lo descansar um dia em sete para dar-lhe apenas um refresco. Deus não quer suas doenças. Se você tivesse permanecido seus filhos, seus, desde Adão, não teria conhecido doenças. Estes são os frutos da sua desobediência a Deus, junto com a dor e a morte; e como uma fazenda de cogumelos eles nasceram e nascem nas raízes da primeira desobediência: a de Adão, e eles brotam um do outro, cadeia trágica, do germe que permaneceu em seu coração, do veneno da maldita Serpente que te dá febres de luxúria, de avareza, gula, preguiça, imprudência culpada.

E é imprudência culposa querer forçar o seu ser a trabalhar continuamente pelo ganho, como é querer superfrutar a gula ou sentir por não se contentar com o alimento necessário à vida e o companheiro necessário para a continuação da espécie, mas satisfazendo-se além da medida como animais do pântano e cansando e humilhando você como – na verdade, não como brutos, que não são semelhantes, mas superiores a você na união à qual eles obedecem às leis da ordem – mas humilhando você mais do que os brutos: como demônios que desobedecer às leis sagradas do instinto correto, da razão e de Deus.

Você corrompeu o seu instinto e agora o leva a preferir refeições corruptas, formadas por luxúrias nas quais você profana o seu corpo: o meu trabalho; sua alma: minha obra-prima; e você mata embriões de vidas negando-os à vida, porque você os suprime voluntariamente ou por meio de sua lepra, que são um veneno mortal para as vidas em ascensão.

Quantas almas há que seu apetite sensual chama do Céu e para as quais você fecha as portas da vida? Quantos são aqueles que apenas 2 chegam ao fim, e vêm à luz morrendo ou já mortos, e aos quais você fecha o Céu? Quantos são aqueles a quem impõe um fardo de dor, que nem sempre podem carregar, com uma existência doente, marcada por doenças dolorosas e vergonhosas? Quantos são os que não resistem a este destino de martírio indesejado, mas fixados por ti como uma marca na carne, que geraste sem reflectir que, quando se é corrupto como sepulcros cheios de podridão, já não é lícito ter filhos para condená-los à dor e desgosto da sociedade? Quantos que, incapazes de resistir a este destino, se suicidam?

Mas o que você acha? O que vou culpá-los por seu crime contra Deus e eles próprios? Não. Diante deles, que pecam contra dois, há você que peca contra três: contra Deus, contra você e contra os inocentes que você gera para levá-los ao desespero. Pense nisso. Pense bem nisso. Deus é justo, e se a culpa pesa, as causas da culpa também pesam. E neste caso o fardo da culpa alivia a sentença do suicídio, mas carrega a sentença de vocês, verdadeiros assassinatos de suas criaturas desesperadas.

Naquele dia de descanso que Deus colocou na semana e deu a você seu exemplo de descanso – pense, Ele: o Agente infinito, o Gerador que continuamente se gera a partir de Si mesmo, Ele mostrou a você a necessidade de descanso., Pois você o fez, para ser seu Mestre em vida. E vocês, poderes insignificantes, querem ignorá-lo como se fossem mais poderosos do que Deus! -. Naquele dia de descanso para a tua carne que se rompe pelo cansaço excessivo, saiba cuidar dos direitos e deveres da alma. Direitos: para a vida real. A alma morre se ficar separada de Deus. No domingo, dá à tua alma – já que não sabes fazer todos os dias e todas as horas – para que no domingo se alimente da Palavra de Deus, fique saturada de Deus, para ter vitalidade nos outros dias de trabalho. Tão doce o descanso na casa do pai para um filho que o trabalho manteve afastado durante toda a semana! E por que você não dá essa doçura à sua alma? Por que você contamina este dia com lixo e luxúria, em vez de torná-lo uma luz clara para sua bem-aventurança de agora e então?

E, depois do amor por quem te criou, amor por quem te gerou e por quem é teu irmão. Se Deus é caridade, como você pode dizer que está em Deus se não tenta ser como ele na caridade? E você pode dizer que é como Ele se ama apenas a Ele e não os outros criados por Ele? Sim, esse Deus é para ser amado mais do que qualquer pessoa, mas quem despreza amar aqueles a quem Deus ama não pode dizer que ama a Deus.

Ama, pois, primeiro aqueles que, por te terem gerado, são os segundos criadores do teu ser na terra. O supremo Criador é o Senhor Deus, que forma o 2 assim que é nossa construção assim que chegam 3 ilumina nossa correção iluminando suas almas e, como mestre da Vida e da Morte, permite que você volte à vida. Mas os segundos criadores são aqueles que de duas carne e sangue fazem uma nova carne, um novo filho de Deus, um novo futuro habitante dos céus. Porque é para os céus que você foi criado, porque é para os céus que você deve viver na terra.

Oh! dignidade sublime de pai e mãe! Santo Episcopado, digo com uma palavra ousada mas verdadeira, que consagra um novo servo a Deus com o crisma de um amor conjugal, o lava com as lágrimas de seu pai, o veste com a obra de seu pai, o faz portador de Ilumine, infundindo o conhecimento de Deus nas mentes, filhinhos, e o amor de Deus nos corações inocentes. Na verdade, eu digo a você que os pais são um pouco inferiores a Deus apenas por terem criado um novo Adão. Mas então, quando os pais sabem como fazer do novo Adão um novo pequeno Cristo, então sua dignidade é apenas um grau menor do que a do Eterno.

Ama, pois, com um amor apenas inferior ao que deves ter pelo Senhor teu Deus, teu pai e tua mãe, esta dupla manifestação de Deus que o amor conjugal faz se tornar um? Ama-a porque a sua dignidade e as suas obras são as mais semelhantes às de Deus para ti: são os teus pais, os teus criadores terrenos, e tudo em ti deve venerá-los por isso.

E ame sua prole, ou pais. Lembre-se que um direito corresponde a todo dever e que, se os filhos têm o dever de ver em você a maior dignidade depois de Deus e de dar-lhe o maior amor depois do amor total que deve ser dado a Deus, você tem o dever de ser perfeito para não diminuir o conceito e o amor dos filhos por ti.

Lembre-se de que gerar carne é muito, mas não é nada ao mesmo tempo. Animais também geram carne e muitas vezes a tratam melhor do que você. Mas você gera um cidadão dos céus. Você tem que se preocupar com isso. Não apague a luz nas almas dos filhos, não permita que a pérola da alma dos seus filhos se acostume com o lodo, para que este hábito não a force a submergir no lodo. Dê amor, amor santo aos seus filhos, e não se preocupe tolamente com a beleza física, com a cultura humana. Não. É da beleza de sua alma, da educação de seu espírito, que você deve cuidar.

A vida dos pais é sacrifício, assim como a dos padres e professores convictos da missão lors. Todas as três categorias são de? Formadores de quê, pelo bem do espírito ou do pLiche, se preferir. E uma vez que o espírito está para a carne na proporção de ß000 `1, considere que perfeição os pais, professores e sacerdotes devem recorrer para realmente serem o que devem.

Eu digo? Perfeição. Não basta? Formação “. Devem” moldar os aliados “, mas para formá-los que não sejam deformados devem modelar-se num modelo perfeito. E como eles podem reivindicá-lo se eles próprios são imperfeitos? E como eles podem se tornar perfeitos se não forem modelados no Perfeito que é Deus? E o que pode capacitar o homem a seguir o exemplo de Deus? O amor. Sempre amor. Você é ferro bruto e informe. A Cmvre é a fornalha que purifica e derrete você e faz com que fluidos fluam pelas veias sobrenaturais na forma de Deus, então você será o formador de outros: quando você for formado na perfeição de Deus.

Muitas vezes, os filhos representam o fracasso espiritual dos pais. Vemos por meio dos filhos o que os pais valiam. Pois se é verdade que às vezes filhos depravados nascem de pais santos, esta é a exceção. Geralmente, pelo menos um dos pais não é santo, e como é mais fácil para você copiar o mau do que o bom, a criança copia o menos bom. Também é verdade que às vezes uma criança sagrada nasce de pais depravados. Mas mesmo aqui é difícil para ambos os pais serem depravados. Pela lei da compensação, o melhor dos dois é bom para dois e com orações, lágrimas e palavras, ele faz o trabalho de ambos, formando o filho para o céu.

Em todo o caso, ou filhos, sejam quais forem os vossos pais, digo-vos: não julgueis, ameis apenas, apenas perdoeis, apenas obedeçam, exceto naquilo que é contrário à minha lei. A vocês o mérito da obediência, do amor e do perdão, do perdão de vocês, filhos, Maria, que acelera o perdão de Deus aos pais, e quanto mais acelera, mais completo é o perdão; aos pais a responsabilidade e o justo julgamento, tanto em relação a ti como no que é de Deus, de Deus, único Juiz.

É supérfluo explicar que matar é falhar no amor. Amor a Deus, de quem tiras o direito de vida e de morte a uma das suas criaturas e o direito de Juiz. Só Deus é Juiz e santo Juiz e, se Ele permitiu que o homem criasse para si os conselhos de justiça para pôr fim ao crime e ao castigo, ai de ti se, como te falta a Justiça de Deus, falhares na justiça do homem, colocando-se como juízes de seu semelhante que falhou ou você acredita que ele falhou com você.

Pensem, ó pobres filhos, que ofensa, dor, perturbação da mente e do coração, e que a própria raiva e dor colocam um véu em sua visão intelectual, um véu que os impede de ver a verdadeira verdade e a caridade como Deus. para que saibas regular a tua justa indignação sobre ela e não fazer dela uma injustiça com demasiada condenação implacável. Seja santo mesmo enquanto a ofensa o queima. Lembre-se de Deus especialmente então.

E vocês também, juízes da terra, sejam santos. Você tem os horrores mais agudos da humanidade em suas mãos. Examine-os com os olhos e a mente imbuídos de Deus. Você verá o verdadeiro “porquê” de certas misérias. Você acha que mesmo que eles sejam verdade? Misérias? da humanidade que é degradante, são muitas as causas que os produzem. Na mão que matou procure a força que a moveu para matar e lembre-se de que você também é homem.

Pergunte a si mesmo se você: traído, abandonado, provocado, teria sido melhor do que aquele que está na sua frente esperando uma sentença. Examinando-se severamente, pense se nenhuma mulher pode acusá-lo de ser o verdadeiro assassino da criança que ela reprimiu, porque após a hora de alegria você se retirou de seu compromisso honroso. E, se puder, seja rigoroso.

Mas se, depois de ter pecado contra a criatura nascida do teu laço e da tua luxúria, ainda queres obter o perdão Daquele que não se engana e não se esquece com anos e anos de vida correta, depois daquela impropriedade que cometeu não queira reparar, ou depois daquele crime que você cometeu, seja pelo menos diligente em prevenir o mal, e especialmente onde a leveza feminina e a miséria ambiental predispõem a cair no vício e no infanticídio. Lembrem-se, homens, que eu, o Puro, não recusei redimir as mulheres sem honra. E pela honra que eles já não tinham, levantei em suas almas, como uma flor de um solo profanado, a flor viva do arrependimento que redime.

Dei o meu amor misericordioso aos pobres coitados de quem um chamado? Amor se prostrou na lama. Meu verdadeiro amor os salvou da luxúria que o chamado amor havia injetado neles. Se eu os tivesse amaldiçoado e fugido, os teria perdido para sempre. Também os amei por causa do mundo, que depois de desfrutá-los os subjuga com desprezo hipócrita e indignação mentirosa. No lugar das carícias do pecado, eu os acariciava com a pureza do meu olhar; em vez de palavras de delírio, eu tinha palavras de amor para eles; em lugar da moeda, preço vergonhoso do seu beijo, dei as riquezas da minha Verdade: Assim se faz, homens, tirar da lama quem se afunda na lama, e não se agarra ao pescoço a perecer em dois ou um não atira pedras para afundar mais fundo nele. É o amor, é sempre o amor que salva.

Que pecado contra o amor é o adultério, eu já falei e não vou repetir, pelo menos por enquanto. Há tanto a dizer sobre essa regurgitação da animalidade – e tanto que você nem entenderia, porque se vangloria de ser traidor do lar – que, por piedade do meu pequeno discípulo, fico calado. Não quero esgotar as forças da criatura exausta e perturbar sua alma com cruezas humanas, pois, perto de seu objetivo, ele pensa apenas no céu.

Quem rouba, é óbvio que falta amor. Se se lembrasse de não fazer aos outros o que não gostaria de fazer a si mesmo, e se amasse os outros tanto quanto a si mesmo, não tiraria com violência e fraude o que pertence ao seu próximo. Portanto, não faltaria amor, como te falta em cometer furtos, que podem ser de bens, de dinheiro ou de ocupação. Quantos roubos você comete roubando um lugar do seu amigo, uma invenção para com [843] pagno! Vocês são ladrões, três vezes ladrões, fazendo isso. Você é mais do que se roubasse uma carteira ou uma joia, porque sem elas ainda pode viver, mas sem emprego você morre, e com o roubo do lugar sua família morre de fome.

Eu dei a você a palavra como um sinal de elevação sobre todos os outros animais da terra. Você deve, portanto, me amar pela palavra, meu presente. Mas posso dizer que você me ama pela palavra quando faz uma arma deste presente do céu para arruinar seu vizinho com um juramento falso? Não, não ame nem a mim nem ao seu próximo quando fizer afirmações falsas, mas você nos odeia. Você não acha que a palavra mata não só a carne, mas a reputação do homem? Quem mata odeia, quem odeia não ama. A inveja não é caridade: é anti-caridade. Quem deseja demais as coisas dos outros tem inveja e não ama. Seja feliz com o que você tem. Pense que sob o pretexto de alegria muitas vezes há dores que Deus vê e que são poupadas a você, aparentemente menos felizes do que aqueles de quem você inveja. Porque, se o objeto desejado é a esposa de outra pessoa ou outro marido, então saiba que ao pecado da inveja você se junta ao da luxúria e do adultério. Portanto, cometa uma tripla ofensa à Caridade de Deus e ao próximo.

Como você pode ver, se você infringir o decálogo, estará infringindo o amor. E o mesmo vale para os conselhos que dei a vocês, que são a flor da planta da Caridade. Agora, se ao transgredir a Lei você está transgredindo o amor, é óbvio que o pecado é uma falta de amor. E, portanto, ele deve se expiar com amor.

O amor que você não soube me dar na terra, você deve dar-me no Purgatório. Por isso digo que o Purgatório nada mais é do que o sofrimento do amor. Você amou pouco a Deus em sua Lei durante toda a sua vida. Você jogou o pensamento nEle pelas costas, você tem vivido amando a todos e amando-o um pouco. É certo que, não tendo merecido o Inferno e não tendo merecido o Céu, você o merece agora iluminando-se com a caridade, ardendo pelo que você tem sido morno na terra. É certo que você suspira por mil e mil horas de expiação de amor o que você mil e mil vezes falhou em suspirar na terra: Deus, propósito supremo das inteligências criadas. Cada vez que você vira as costas ao amor, anos e séculos de nostalgia amorosa se correspondem. Anos ou séculos dependendo da gravidade de sua culpa.

Já agora seguro de Deus, conhecedor da beleza celestial de Deus para aquele encontro fugaz do primeiro juízo, cuja memória te acompanha para tornar mais viva a ansiedade do amor, tu suspiras por Ele, a distância dEle tu choras , por teres sido a causa desta distância tu te arrependes e te arrependes, e te tornas cada vez mais penetrável àquele fogo aceso pela Caridade para o teu bem supremo.

Quando os méritos de Cristo vêm, das orações dos vivos que te amam, lançados como essências de ardor no fogo sagrado do Purgatório, a incandescência do amor penetra em você com mais força e profundidade e, em meio ao rugido das chamas, mais e mais a memória de Deus vista naquele momento fica clara em você.

Como na vida da terra, quanto mais o amor cresce e mais tênue é o véu que esconde a Divindade dos viventes, no segundo reino mais cresce a purificação e, portanto, o amor, e quanto mais próxima e visível a face da Deus se torna, já brilha e sorri em meio ao lampejo do fogo sagrado. É como um Sol que se aproxima cada vez mais, e sua luz e seu calor cancelam cada vez mais a luz e o calor do fogo purgativo, até que, passando do tormento merecido e abençoado do fogo para o refrigério conquistado e abençoado de posse, você passa de labareda em labareda, de luz em luz, sobe para ser luz e resplandecer Nele, Sol eterno, como uma centelha absorvida pelo fogo e como uma lâmpada lançada no fogo.

Oh! alegria dos alegres, quando vos encontrardes elevados à minha Glória, passados ​​daquele reino da expectativa para o reino do triunfo. Oh! conhecimento perfeito do Amor Perfeito!

Este conhecimento, ó Maria, é um mistério que a mente pode conhecer pela vontade de Deus, mas não pode descrever com uma palavra humana. Acredite que ele merece sofrer uma vida inteira para possuí-lo desde a hora da morte. Você acredita que não há caridade maior do que obtê-la com orações por aqueles que você amou na terra e que agora começam a purgação no amor, para a qual as portas do coração foram fechadas em vida muitas e muitas vezes?

Alma, abençoada a quem as verdades ocultas são reveladas. Prossiga, trabalhe e suba. Para você e para aqueles que você ama na vida após a morte.

Deixe o amor consumir o estame de sua vida. Despeje seu amor no Purgatório para abrir as portas do Céu para aqueles que você ama. Bem-aventurado és tu se sabes amar a ponto de incinerar o que é fraco e pecador. Os serafins encontram o espírito purificado pela imolação do amor e lhe ensinam o eterno? Sanctus a cantar aos pés do meu trono ”.

Fonte: Escritos de Maria Valtorta. Centro Editorial Valtortiano.

Compartilhe a Divina Vontade