A Missão do Anjo da Guarda – Maria Valtorta


Maria Valtorta: A missão do anjo da guarda


16 de julho de 1947.

Diz S. Azaria:
«O povo acredita que a missão do anjo da guarda cessa com a morte dos guardados. Isso não é sempre o caso. Cessa, conseqüentemente, com a morte do pecador impenitente, e com a maior dor do anjo da guarda daquele que não se arrependeu. É transfigurado em jubilosa e eterna glória com a morte de um santo que passa da Terra ao Paraíso sem pausas purgativas. Mas ele continua como era, como uma proteção que intercede e ama o seu confiado, para aqueles que passam da Terra ao Purgatório para se expiar e se purificar. Então nós, os anjos da guarda, oramos com caridade por você diante do trono de Deus e, unidos às nossas orações de amor, apresentamos os sufrágios que parentes e amigos aplicam a você na Terra.

Oh! Não posso dizer tudo sobre o quão vivo, ativo, doce é o vínculo que ainda nos une a vocês, purgantes. Como mães que espiam a recuperação da saúde de um filho doente e em convalescença, como noivas que contam os dias que as separam do encontro com o marido cativo, assim o fazemos nós. Nós, nem por um momento, não deixamos de observar a divina Justiça amorosa e as vossas almas que se purificam no fogo do amor. E nos alegramos em ver o Amor cada vez mais aplacado por você, e você cada vez mais digno de seu Reino.

E quando a Luz nos ordena: – Vai tirá-lo para trazê-lo aqui, mais ratos do que flechas corremos para trazer um momento de paraíso, que é fé, que é esperança, que é conforto para quem ainda resta para expiar, ali no Purgatório, e agarramos a nós mesmos a alma amada pela qual trabalhamos e sofremos, e subimos com ela ensinando-lhe a hosana celestial.

Os dois momentos doces na missão dos Guardiães, os dois momentos mais doces, são quando a Caridade nos diz: – Desce, porque um novo homem é gerado e você deve mantê-lo como uma joia que me pertence, e quando podemos ir com você para o céu. Mas o primeiro é menor do que o último. Os outros momentos de alegria são suas vitórias sobre o mundo, a carne e o diabo. Mas, assim como se treme por sua fragilidade desde que o levou sob custódia, sempre lateja depois de cada uma de suas vitórias, porque o Inimigo do Bem está vigilante para tentar derrubar o que o espírito constrói. Portanto alegre, perfeito em sua alegria é o momento em que entramos no céu com você. Porque nada mais pode destruir o que já foi realizado.

E agora, minha alma, eu respondo a um de seus íntimos para perguntar-lhe se Deus está feliz que outro Guardião esteja em sua casa. Ó tu, que nunca nos fazes perguntas, mas manténs o teu espírito aberto sobre o qual o teu desejo às vezes escreve as suas perguntas mais fortes sem o teu próprio conhecimento, sem a tua vontade, impedido de perguntar por aquele respeito digno que poucos têm pelo Sobrenatural que se rebaixa tu, saiba que é doce corresponder a quem é como tu, dar-te consolo, alma querida a Deus e atormentada pelos homens.

Sim. Deus está feliz. Feliz porque na tua casa um anjo fica feliz por zelar por uma alma recém-criada, joia de Deus, e feliz porque Jesus é Aquele que amou os pequeninos … e o resto digo à tua alma, e tu ficas entre nós como um segredo tão belo que é inútil revelá-lo ao mundo que não sabe compreender as alegrias de Deus às almas de Deus ”.

Fonte: Escritos de 1947. Centro Editorial Valtortiano.

Outras ações do anjo da guarda


 

20 de agosto.
Diz S. Azaria,
ainda seguindo as suas explicações sobre os Anjos da Guarda (a outra é de 16 de julho de 1947): “Outra ação do Anjo da Guarda é estar constante e maravilhosamente ativo com Deus, cujas ordens ele escuta e a quem oferece as boas ações do guardado, apresenta e apóia as súplicas, intercede em suas dores; e com o homem a quem ele atua sobrenaturalmente como um mestre que guia o caminho reto, sem parar, com inspirações, luzes, atrações para Deus.
Oh! os nossos fogos, que são os fogos da Caridade que nos criou e que nos investe com os seus ardor, convergem-nos sobre os nossos guardiães, como o faz o sol no torrão que fecha uma semente para aquecê-la e fazê-la germinar, e depois na caule para fortalecê-lo e torná-lo um caule e planta robustos. Com os nossos fogos te consolamos, aquecemos, fortalecemos, iluminamos, ensinamos, atraímos para o Senhor. E se então a teimosa geada da alma e sua teimosa dureza não nos deixam penetrar e superar, então se a harmonia caridosa de nossos ensinamentos não é aceita, mas sim escapamos para perseguir a música infernal trovejante que surpreende e enlouquece, não de nós é a culpa. De nós é a dor pelo fracasso de nossa ação de amor sobre a alma que amamos, com todas as nossas capacidades, depois de Deus.

Estamos, portanto, sempre com o nosso guardião, seja ele um santo ou um pecador. Desde a infusão da alma na carne até a separação da alma da carne, estamos com a criatura humana que o Senhor Altíssimo nos confiou. E este pensamento, que todo homem tem com um anjo, deve ajudá-lo a amar o seu próximo, a suportá-lo, a recebê-lo com amor, com respeito, senão por si mesmo, pela invisível Azaria que está com ele e que, como um anjo, sempre merece respeito e amor.

Se você pensasse que em cada ação sua para com o próximo, além do Olho onipresente de Deus, dois espíritos angélicos presidem e observam que se regozijam ou sofrem com o que você faz, muito melhor você estaria sempre com o seu próximo! Pense: você acolhe uma pessoa, você a honra ou mortifica, você a ajuda ou rejeita, você peca com ela ou a tira do pecado, você é instruído e instrui, você a beneficia ou você é beneficiado. . e dois anjos, o seu e o dela, estão presentes e vêem não apenas suas ações evidentes, mas a verdade de suas ações, isto é, se você as faz com amor verdadeiro, ou com amor falso, ou com ódio, com cálculo e assim por diante .

Você dá esmolas? Os dois anjos vêem como você dá. Você não dá? Os dois anjos vêem o verdadeiro porquê de você não dar isso. Você hospeda um peregrino ou o rejeita? Os dois anjos veem como você o hospeda, eles veem o que é espiritualmente verdadeiro em sua ação. Você visita uma pessoa doente? Você recomenda um cético? Você consola um aflito? Você honra um falecido? Você chama um perdido à justiça? Você ajuda quem precisa? Dois anjos são testemunhas de todas as obras de misericórdia: a sua e a daquele que recebe a sua misericórdia ou a vê negada. Ele vem te visitar ou incomodar alguém? Sempre pense que você não o recebe sozinho, mas seu anjo com ele, e por isso sempre tenha caridade. Porque até o criminoso tem seu anjo, e o anjo não se torna criminoso se o criminoso for seu guardião.

Portanto, acolhe qualquer pessoa com amor, mesmo que seja um amor prudentemente reservado, nas defesas, mesmo que seja um amor severo para fazer o teu próximo que te visita compreender que a sua conduta é repreensível e te magoa e que não deve mudá-la tanto. para agradar você tanto quanto para agradar a Deus. Aceite com amor. Porque se você rejeita o homem que é desagradável, ou indesejável, intrusivo naquele momento, ou que você sabe que é pérfido, você também rejeita o invisível, mas santo hóspede que está com ele e que deve dar as boas-vindas a todo visitante, porque todo vizinho que vem de você trazer para dentro de suas paredes ou para perto de você o anjo que é seu guardião.

Você tem que morar com alguém de quem não gosta? Em primeiro lugar, não julgue. Você não sabe como julgar. O homem raramente julga com justiça. Mas mesmo julgando com justiça, com base em elementos positivos e examinados sem preconceitos humanos e raiva, não falhe na caridade, porque além de seu próximo, você falharia para com o anjo da guarda desse vizinho. Se você soubesse pensar assim, quão mais fácil seria superar desgostos e ressentimentos, e amar, amar, fazer as obras que te farão dizer por Jesus Senhor e Juiz 😕 Vem à minha direita, bendito.

Vamos, um pequeno esforço, uma reflexão contínua sempre, isto: ver, com os olhos da fé, o anjo da guarda que está ao lado de cada homem, e agir sempre como se cada ação sua fosse feita ao anjo de Deus. que testemunhará perante Deus. Ele, o anjo da guarda de cada homem – garanto-vos – unido ao vosso, dirá ao Senhor:? Altíssimo, sempre foi fiel à caridade, amando-te no homem, amando o mundo sobrenatural nas criaturas , e por este amor espiritual ele suportou ofensas, perdoou, foi misericordioso com todo homem, em imitação de seu Filho amado cujos olhos humanos, enquanto fitavam seus inimigos, viam ao lado deles, com a ajuda de seu espírito santíssimo, os anjos , os seus anjos aflitos, e os honrou, ajudando-os na tentativa de converter os homens, para glorificar com eles a Ti, Altíssimo,salvando tantas criaturas quanto possível do Mal.

Eu quero você, que se alegra porque vindo aqui o Senhor encontra mais um anjo para adorá-lo, eu quero que você acredite em minhas palavras e se comporte com todos aqueles que vêm a você, como você acredita na presença do anjo do nascituro , ou com quem tens contactos de todas as formas, como já te disse, pensando no seu anjo da guarda para superar o cansaço e a indignação, amando com justiça cada criatura para fazer algo de agradecimento a Deus e honra ao anjo da guarda. E também de ajuda ao guardião angelical.

Medita, minha alma, como o Senhor te honra, e como nós, anjos, te honramos, damos-te a oportunidade de nos ajudar – Ele, o Divino, e nós, seus ministros espirituais – com a palavra capaz de colocar o teu próximo à direita caminhos e sobretudo com o exemplo de uma conduta firme no Bem. Empresa, que não cede às indulgências e compromissos para não perder a amizade de um homem, preocupada apenas em não perder a de Deus e dos seus anjos. Será doloroso, às vezes, ter que ser severo para que a glória de Deus e sua vontade não sejam pisoteadas por um homem. Talvez cause grosseria e frieza. Não se preocupe com isso. Ajude o anjo do seu vizinho e você também encontrará isso no céu.

Fonte: Escritos de 1947. Centro Editorial Valtortiano.

Compartilhe a Divina Vontade