QUE TRIUNFE SEU REINADO DIVINO NO HOMEM

Um Momento Único se inicia na História deste Mundo!

Finalmente Chegou o Momento Oportuno, em que Deus deseja cumprir uma Grande Promessa!

Talvez ainda não compreendida, toda a Criação Geme com Dores de Parto. Todas as Gerações e todo Orbe almeja e espera por este Tempo!

A conclusão do Pai Nosso!

Deus deseja que o seu Reino, desça sobre a Terra e que Sua Vontade seja Feita e Vivida como é no Céu!

Um presente que Ele veio trazer para nós pessoalmente!

Um Dom que desde já podemos experimentar em Vida, hoje, agora… essa Grande Graça, que podemos ter um Dom, um Dom nunca antes imaginado. O Dom de Viver na Vontade de DEUS!

Deus deixou para os últimos tempos o Melhor, tudo o que nós nunca sequer podíamos imaginar.

Que é a conclusão da Criação! Como poderíamos imaginar que a Criação não tinha ainda terminado?

Pois bem, Deus a quer concretizar. Quer terminar o seu Projeto. Pois ficou paralisado por causa do PECADO!

E agora que já estamos Redimidos pelo Sacrífico de Jesus Cristo, seu filho que foi imolado no Madeiro da Cruz, e Ressuscitado.

Podemos então abrir nossos corações, olhos, mentes e Espírito! Para podermos acreditar e firmar em nós a Esperança de que o Reino de Deus está no meio de Nós.

Uma verdadeira Coroa e Conclusão do Projeto de Deus para todos os seus filhos!

Que viverão em União e Suprema Santidade com o Pai!

Filhos que irão viver na Terra, a mesma santidade dos que Vivem no Céu!

Um Dom que irá trazer esta Graça agora! Hoje!

Bastando apenas que você diga o Seu SIM!  O SEU FIAT!

QUE SEJA FEITA A VONTADE DE DEUS EM MINHA VIDA! 

Esse dom implica não apenas a Graça de fazer Perfeitamente a Santa Vontade de Deus, mas em viver plenamente uma Só Vontade, a VONTADE DE DEUS!

Uma imersão da Vontade Humana, que se fundirá com a SANTA E ÚNICA VONTADE DO CRIADOR!

Para que essa VONTADE DIVINA, se revele ser como já o é o Príncípio de Vida das almas.
Assim como a Nossa Alma é o princípio de Vida do nosso corpo.

Jesus nos diz por meio da Serva de Deus Luisa Piccarreta:

Oh! se as criaturas possuíssem minha Vontade como vida, imediatamente teriam Me reconhecido, porque minha Própria Vontade teria revelado Quem Eu era. Minha Vontade na criatura é aquela mesma Vontade Divina em Mim, imediatamente teriam se reconhecido e amado, e as criaturas teriam se aglomerado ao meu redor, nem teriam sido capazes de se separarem de Mim, reconhecendo-Me, por baixo da minha semelhança com seus disfarces, como a Palavra Eterna, Aquele que tanto os amou, e se vestiu como um deles. Então, eu não teria necessidade de me manifestar; mas minha Vontade, residindo neles, teria Me revelado; nem seria capaz de me esconder. Mas, em vez disso, tive que dizer quem eu era – e quantos não acreditaram em mim? Portanto, até que minha Vontade reine nas criaturas, tudo está velado. 17 de novembro de 1935 Volume 33

QUEM É A SERVA DE DEUS LUISA PICCARRETA?

Luisa Piccarreta ainda é um nome muito conhecido hoje em Corato, uma pequena cidade da Puglia situada no sertão ao norte de Bari. Em 23 de abril de 1865, o quarto de cinco filhos, nasceu esta criança a quem seus concidadãos, ainda em vida, chamaram de “a santa Luísa”.

Foi batizada no mesmo dia em que nasceu na Igreja Matriz de Corato. Ela participou da vida de sua família camponesa que dividia seu tempo entre a cidade e o trabalho árduo no campo.

No início, parecia estranho que essa criança passasse tanto tempo se escondendo em longas meditações e orações. Seus pais não deram muita atenção até que a jovem contraiu uma doença misteriosa, que a afligia com cada vez mais frequência, finalmente confinando-a na cama. Incapazes de fazer um diagnóstico claro, os médicos não tiveram escolha a não ser sugerir que um padre fosse chamado para uma “visita”. Foi uma grande surpresa quando, no momento em que o padre fez o sinal da cruz, Luísa despertou do seu “estado HABITUAL”, como o chama nos seus escritos. Isso continuou até sua morte e foi só assim que ela foi capaz de sair deste “Estado” com a ajuda de um padre.

Sua educação terminou após a primeira série do ensino fundamental. Ela lembrou que, quando menina, viu Jesus curvado sob a cruz na rua cercado por inúmeros homens malvados batendo-no e insultando-o enquanto- a chamava: “Alma, ajuda-me!”

E a partir desse momento, ao responder com o seu “Fiat”, os períodos de tempo que passava na cama tornaram-se cada vez mais frequentes, até ficar completamente imóvel – acamada durante 62 anos.

A extraordinária condição desta alma convenceu o Arcebispo de Trani, Sua Excelência o Bispo Domenico Maringelli, a confiá-la permanentemente aos cuidados espirituais de pe. Michele De Benedittis, designando-o como seu confessor oficial.

Luísa foi recebida inicialmente na Pia Associação denominada “Filhas de Maria” e posteriormente na Ordem Terceira de S. Domingos, assumindo o nome de Madalena. O que Transpirou em a alma desta jovem permaneceria culto devido à sua extrema reserva. Mesmo assim, ela continuou tendo experiências místicas que logo, compreensivelmente, geraram dúvidas e suspeitas.

Seu segundo confessor oficial, pe. Gennaro de Gennaro, deu uma contribuição essencial. Em 28 de fevereiro,
1899, deu-lhe a “obediência” de escrever tudo o que o Senhor Jesus e a Virgem Maria lhe comunicaram. Só então Luisa superou a relutância em tornar públicas suas experiências interiores. Consequentemente, ela escreveu – com grande esforço e contra a vontade por mais de quarenta anos – 14.000 páginas de diários que mais tarde foram reunidos em 36 volumes, bem como centenas de cartas e outros escritos.

No dia 14 de setembro do mesmo ano (1899), Jesus uniu-a a si de forma definitiva, casando-a misticamente na cruz e dando-lhe os estigmas, que permaneceram invisíveis em resposta aos seus apelos insistentes a Jesus.

St. Annibal di Francia nos deixou uma idéia de como ela era vista por todos que a conheceram, alguns dos quais vieram de longe. O Arcebispo de Trani nomeou St. Annibale como Censor oficial de seus escritos em relação à sua publicação.

No Prefácio que ele escreveu para as Horas da Paixão, a descreveu assim: “Esta noiva de Jesus crucificada passa a noite em êxtase doloroso e em sofrimentos de toda espécie; e ainda, vendo-a durante o dia sentada no meio de sua cama, trabalhando com agulha e linha, nada, nada disso pode ser notado – nem o menor indício de qualquer coisa que ela tenha sofrido durante a noite – nenhum indício de algo extraordinário ou sobrenatural. Em vez disso, você a vê ali com toda a aparência de uma pessoa saudável, feliz e alegre.

Ela fala, ela conversa e, quando apropriado, ela ri. No entanto, ela recebe apenas alguns amigos. Às vezes, uma alma perturbada confia nela ou pede suas orações. Ela os escuta com bondade e os conforta, mas nunca se apresenta como profetisa e nunca diz uma palavra que indique revelações. O grande conforto que ela oferece é sempre um – sempre o mesmo tema da “Vontade Divina”.

Com efeito, o seu quotidiano pode resumir-se em poucas palavras: O seu pequeno quarto era uma capela e uma oficina de bordados. A Eucaristia era o seu único alimento, o leito a sua Cruz, o “Fiat” o seu lema, a sua palavra breve e sábia, o seu exemplo luminoso – todas estas coisas tornaram esta noiva seráfica de Cristo, Arauto do Reino da Vontade Divina. É precisamente a “Vontade Divina” que forma o centro de suas experiências místicas e de cada página de seus escritos. Sua linguagem é simples e rica em exemplos, histórias e imagens, muitas vezes usando expressões de seu dialeto para atrair e dispor a alma de quem se aproxima para sondar as profundezas do
“Pai Nosso”: “Seja feita a Tua Vontade na terra como está no céu ”(Mateus 6:10).

Quando Luísa partiu desta terra para a casa do Pai em 4 de março de 1947, milhares de peregrinos invadiram Corato durante três dias. Em menos de um ano, o Arcebispo Reginaldo M. Addazi declarou Luisa uma “Serva de Deus”. Seus restos mortais foram transferidos para o Santuário Paroquial de Santa Maria Greca no dia 3 de julho,
1963, graças ao seu último confessor oficial, pe. Benedetto Calvi. Só em 20 de novembro de 1994, seguindo o “non
obstare” da Santa Sé, a Arquidiocese de Trani-Barletta-Bisceglie, sob a orientação de Sua Excelência o Bispo Carmelo Cassati e a pedido da Pia Associação de “Luisa Piccarreta PFDV ”em Corato, abriu a Causa de Beatificação e Canonização. Em 29 de outubro de 2005, Sua Excelência o Bispo Giovan Battista Pichierri encerrou a investigação diocesana sobre a vida santa de Luísa. Depois de recolher os testemunhos e documentos apropriados, o arcebispo agora remete ao Santo Padre o juízo definitivo sobre a santidade do Servo de Deus.

 

ESCRITOS DA SERVA DE DEUS

• Diário: 36 volumes do manuscrito. Eles foram escritos de 28 de fevereiro de 1899 a dezembro
1938. O primeiro volume é uma autobiografia espiritual do Servo de Deus. Os outros 35 volumes narram seus diálogos
com o Senhor ou com a Virgem Maria, tendo como tema a “Vontade Divina” e como ela quer reinar entre as criaturas. O
próprio Jesus sugere o título: “Livro do céu. O retorno da Criatura à Ordem, ao Lugar e ao Propósito para o qual foi criada
por Deus ”(Vol. 19, 27 de agosto de 1926).
• As horas da paixão. As vinte e quatro horas da Paixão de Nosso Senhor Cristo.
• A Virgem Maria no Reino da Vontade Divina.
• Memórias da minha infância
• A Peregrinação da Alma na Vontade Divina.
• Orações: As três chamadas; Consagração à Vontade Divina; As Sete Dores de Maria; As visitas a Jesus
Sacramento; Anseios por santidade; Para Jesus, todo amor.
• Cartas: 239 Cartas para vários destinatários; 70 cartas a S. Annibale Maria di Francia.

A EXPERIÊNCIA DA LEITURA

Muitos dos que lêem as páginas do “Diário” da Serva de Deus Luisa Piccarreta dizem que têm uma reação inexplicável. A incompreensão e até uma espécie de repulsa dão lugar a uma atração quase encantadora. A alma disposta a receber a Luz é arrebatada pelo Mistério encerrado nos escritos.

Revelando-se gradualmente, esta Luz realmente dá à alma uma sensação interior que ela nunca conheceu antes. Esses escritos “deixam Deus dentro” de quem os aborda com docilidade e abertura. Eles têm um ponto central em torno do qual tudo gira: a “Vontade Divina”, ou melhor, a própria realidade de Deus que é dada gratuitamente à criatura como Amor que cria, redime e santifica.
Esses escritos muitas vezes podem parecer repetitivos, se a pessoa não estiver familiarizada com os longos discursos de Jesus no Evangelho de São João, onde a repetição ajuda a transmitir uma compreensão cada vez mais profunda. Os escritos podem parecer muito simplistas, mas apenas se esquecermos a pedagogia das
parábolas que enchem os Evangelhos. Os escritos também podem ser julgados excessivamente místicos, mas apenas se o misticismo for considerado prerrogativa de alguns eleitos.

Ao contrário, essas páginas parecem tão luminosas que o leitor se sente como se estivesse despido, incapaz de escapar da vista de um Deus Todo-Amoroso, que nos implora uma resposta sincera e livre. Deus surge como um Pai que “enlouquece” ao ver Suas criaturas ainda tão longe de exercer plenamente seus direitos como Seus filhos. Por sua vez, o Espírito Santo deseja ardentemente fazer de Si mesmo o Guia de nossa vida diária, para torná-la absolutamente “normal”, ou melhor, “Divino”. Responder a este apelo – deixar-se ser “possuído” por Deus em tudo – é a “santidade das santidades”.

No entanto, algumas passagens desses escritos podem ser difíceis de entender por causa da linguagem de Luisa, que mostra seu gosto por imagens mais do que especulações teóricas. A esse respeito, precisamos lembrar que um grande projeto de pesquisa teológica está em andamento, que correlacionará esses textos em um comentário crítico apropriado.

Resta o fato de que as expressões incertas ou duvidosas nunca devem ser separadas de todo o corpo da obra (em grande parte ainda não editada), porque há outros lugares onde certos conceitos recebem uma explicação mais completa do que em passagens anteriores, com o auxílio de imagens, comparações e vários tons de significado. Esta coleção de extratos não assume esta tarefa como seu objetivo principal,

Devemos começar dizendo que a vida da Serva de Deus reflete claramente a Santidade da qual ela fala em seus escritos.

Num certo sentido – na medida em que é possível a uma criatura viver a vida desta Santidade Luísa exemplifica-o
completamente. Pode-se dizer que Jesus não só quer nos falar da Santidade, mas nos oferece uma realização concreta dela na vida desta mulher. Consequentemente, pode-se impor uma interpretação unificada da vida e dos escritos de Luísa.

Com efeito, não bastaria relatar as circunstâncias extraordinárias de sua vida (por exemplo, os quase 70 anos confinada à cama sem escaras) para compreender a essência de sua santidade. Em vez disso, essa essência se expressa em sua vida diária por sua fidelidade constante e por sua adesão total à luz que brilha em seus escritos.

JESUS A LUISA PICCARRETA:

¨Além disso, você deve saber que Viver em Nossa Vontade é Unidade, na medida em que, se a criatura ama, Deus está sempre à frente de seu Amor. Então, Seu Amor e o amor dela são Um Único Amor. Se a criatura pensa, Deus está na cabeça de seus pensamentos; se ela fala, Deus é a fonte de suas palavras; se ela trabalha, Deus é o principal ator operando em suas obras; se ela anda, Deus guia seus passos. Viver na Minha Vontade nada mais é do que a vida da criatura em Deus e a Vida de Deus dentro dela. “É impossível para nós deixar Nosso Amor, Nosso Poder e Nossos Atos separados da alma que Vive em Nossa Vontade. Se a Vontade é Uma, todo o resto vem por si: Unidade de Amor, Unidade de Obras, Unidade de tudo.¨ 15 de agosto de 1937 VOL.35

JESUS DISSE A LUISA: “Minha filha, não há nada para se surpreender. Tudo o que estou lhe dizendo é a verdade pura. Minha vontade é tudo e pode fazer tudo. Não colocar em Nossas mesmas condições quem Vive em Nossa Vontade, não é de Nosso Ser Supremo. A criatura, que no máximo nos pode ver no natural, uma vez que o Vivendo em Nossa Vontade se reconhece como Graça, participação e expressão de Nosso Amor e Vontade; e é assim que Minha Vontade quer que a criatura seja. Portanto, queremos que ela viva em nossa vontade, para que seus atos e os nossos possam ser fundidos juntos, e possam ressoar com um único som, um único valor, um único amor. Não podemos nem queremos resistir a um de nossos atos. “ 15 de agosto de 1937 VOL 35

JESUS DISSE A LUISA: “Quanto mais devo lhe dizer, Minha filha, do Grande Presente que demos à criatura ao Criar sua vontade humana? Primeiro, criamos o espaço, depois o céu, as estrelas, o sol, o ar, o vento e assim por diante. Esse espaço tinha que nos servir para que pudéssemos criar todas as outras obras. Não seria uma Obra Digna de Nossa Sabedoria Criar coisas sem ter o espaço para colocá-las. Da mesma forma, ao criar a vontade humana, criamos o vácuo, o lugar onde colocar a grande dádiva da nossa santíssima vontade que demos ao homem. Este espaço tinha que servir a Nossa Vontade Operacional. Devíamos colocar nele os Céus Mais Extensos e os Sóis Mais Brilhantes; não um único, mas um para cada vez que o homem agisse. Portanto, enquanto a Criação tinha que servir ao homem, este espaço da vontade humana era servir a Seu Deus – formar Suas delícias; sempre poder formar Sua estante, Seu Trono, Sua Divina Câmara. “Eu dei ao homem este Dom, formando este espaço dentro dele a fim de ter o lugar onde se comunicar com ele – ser um a um com ele, em doce companhia. Eu queria ter Meu quarto secreto. O Meu Amor queria dizer-lhe muitas coisas, mas queria o ambiente em que pudesse falar com ele, e no qual o Meu Amor pudesse chegar ao ponto de se doar totalmente ao homem, enquanto ele se abandonasse totalmente em Deus. É por isso que amo tanto que ele viva em nossa vontade: porque quero que o que criei seja só para mim. Eu exijo Minha estante, Meu Trono, Minha Câmara Divina. Não posso realizar a Criação até que o homem volte à Minha Vontade Divina e me dê Meu Lugar Real dentro de sua vontade. Temos muito mais coisas bonitas para fazer – muito mais coisas para dizer dentro de Nosso Espaço da vontade humana – mas não podemos dizer ou fazer: porque Nossa Vontade está faltando, Encontramos Nosso Espaço todo confuso. Portanto, não temos espaço para colocar Nossas Obras. Se  Queremos falar, ele não entenderá; ele nem mesmo terá audição para ouvir. Portanto, Faremos Prodígios Inéditos para readquirir o que é Nosso: o Espaço e Nossa Sala Divina. “E você – ore e sofra, para que eu possa ter de volta o que é Meu. Nunca me recuse o espaço de sua vontade humana, para que Meu Amor seja derramado e Minhas Obras possam continuar a Obra de Criação. ” Fiat !!!  29 de agosto de 1937 VOL 35

JESUS DISSE A LUISA: “Minha filha, todos os bens da criatura estão ligados à Minha Vontade. Se ela se desgrudar Disto, todos os seus bens estão acabados. Você deve saber que cada vez que ela faz sua vontade humana, ela perde a Vontade Divina com todos os Seus Bens; então ela perde tudo o que é Belo – tudo o que é Santo e Bom. Esta é uma perda incalculável. A pobre criatura é lançada na mais miserável miséria; ela perde seus direitos sobre todos os Bens e é investida por tal infelicidade que a deixa constantemente inquieta. “Mesmo que pareça que ela possa ter alguns bens, estes são apenas aparentes: acabam por torturá-la completamente. Por outro lado, toda vez que ela decide fazer Minha Divina Vontade com total firmeza, ela perde sua vontade humana – as misérias e as paixões. Ela perde todos os males, os trapos miseráveis ​​e as roupas imundas que a vontade humana havia formado. Que perda feliz! Perder males e misérias é Glória e Vitória, é Honra. Mas perder os Bens é covardia e desonra. Veja então: se a criatura quiser, ela pode se recuperar da grande perda da Minha Vontade – perda que ela sofreu ao fazer a sua própria vontade; mais ainda, porque receberá a ajuda do Nosso Poder, do Nosso Amor e da Nossa própria Vontade. Ao adquirir novamente os direitos sobre todos os Bens, todos a defenderão para se recuperar do jogo perdido. ” Fiat !!!  6 de setembro de 1937 VOL 35

 

 

BAIXE aqui ! OS LIVROS DA SERVA DE DEUS LUISA PICCARRETA

 

 

 

 

 

Compartilhe a Divina Vontade