A vinda de Jesus na Terra, serviu para formar tudo para o REINO DA DIVINA VONTADE


1 de julho de 1926 *Não há santidade sem a Vontade de Deus. A vinda de Jesus na Terra serviu para formar os caminhos, as escadas, para alcançar o Reino de sua Vontade.*

Eu estava realizando meus atos habituais na Vontade Suprema e pensei: “É possível que muitos santos do Antigo Testamento, que se distinguiram tanto com o poder de milagres, como Moisés, Elias e muitos profetas e muitos santos após a vinda de Nosso Senhor, que se tornou tão maravilhoso em virtude e por milagres, nada disso possuía o Reino da Vontade Divina e vivia na unidade de sua Luz? Parece incrível.”

Agora, enquanto eu pensava isso, meu doce Jesus saiu de dentro de mim e, segurando-me perto de si mesmo, Ele me disse: “_Minha filha, mas é realmente verdade que até agora ninguém possuía o Reino da minha vontade, nem desfrutava de toda a plenitude da vida e unidade de Luz que Ela contém. Se tivesse sido, sendo a coisa que mais me interessa, que Me glorifica mais e que nada menos salvará todos os direitos divinos e completará a obra da Criação e Redenção, não apenas, mas trará à criatura o maior bem que pode existir no Céu e na Terra, eu teria garantido que Eu teria dado a conhecer, assim como as muitas virtudes e maravilhas dos meus santos, teria conhecido quem possuía o Reino da minha Vontade, que é tão querido por Mim, para transmiti-lo a outros, imitando aquele que o possuía.

Agora, os santos do Antigo Testamento estavam na mesma condição de Adão, que não possuía o Reparador Divino, que enquanto estava para fortalecer a Vontade humana e Divina, pagaria de maneira divina as dívidas de culpado. Mas, no entanto, os santos antigos e modernos se apoderaram da minha vontade, tanto quanto sabiam; os mesmos milagres que fizeram foram partículas do poder da minha vontade comunicadas a eles. Para que todos os meus santos tenham vivido, alguns na sombra dela, outros nos reflexos de sua luz, alguns sujeitos ao seu poder, outros sob as ordens de seus mandamentos, porque não há santidade sem a minha vontade; mas eles possuíam o pouco que sabiam e nada mais, porque o bem é então suspirado e passamos a possuí-lo quando o conhecemos, ninguém é dono de um bem, uma propriedade, sem conhecê-lo, e suponha que ele o possuísse e não o conhecesse, para ele esse bem está tão morto, porque falta a vida do conhecimento.

Agora, sendo a maior coisa minha Vontade, que envolve tudo, e todas as coisas, da maior à menor, permanece perdida diante Dele, deve-se saber tantas coisas sobre minha vontade para ir além do que se sabe sobre criação, redenção, virtudes e todas as ciências. Tinha que ser um livro para cada passo, para cada ato, um livro para todas as coisas criadas, de modo que toda a Terra tivesse que ser preenchida com volumes, para exceder o número de coisas criadas, e com o conhecimento que deveria interessar ao Reino de minha parte. Agora, onde estão esses livros? Nenhum livro, assim que alguns ditos lhe são conhecidos, embora deva estar no início de todo conhecimento, de qualquer coisa; sendo a vida de cada coisa, deve estar em tudo, como a imagem do rei impressa na moeda que corre no Reino, como a luz do sol brilhando em cada planta para dar vida a ela, como a água que sacia os lábios ardente, como alimento que satisfaz os famintos depois de um longo jejum.

Tudo tinha que ser preenchido com o conhecimento sobre minha vontade; e se não for esse o caso, é um sinal de que o Reino da minha Vontade não é conhecido, portanto não possui. Você poderia me dizer algum santo que disse que possuía este reino e a unidade da Luz da Vontade Suprema? Claro que não. Eu mesmo pouco falei; se eu quisesse falar de maneira descontraída sobre o Reino da minha Vontade e querer formar no homem como Adão inocente o possuía, sendo o ponto mais alto, o mais imediato a Deus e o mais próximo da semelhança divina, ainda sendo fresco o Na queda de Adão, todos ficariam desanimados e, virando as costas para eles, diriam: ‘Se Adão inocente não confiasse ou tivesse constância para viver na santidade deste Reino, tanto que ele e todas as gerações mergulharam em misérias, paixões e males irreparáveis, como podemos, culpados, viver em um reino tão santo?

Legal, sim, mas podemos dizer que não é para nós. Não apenas isso, mas minha Vontade sendo o ponto mais alto, ela tomou os caminhos, os meios de transporte, as escadas, as roupas decentes, os alimentos adequados, para poder habitar neste Reino. Então, minha vinda à Terra serviu para formar tudo isso; de modo que todas as minhas palavras, obras, punições, orações, exemplos, sacramentos estabelecidos, foram formas que eu formei, meios de transporte para fazê-los chegar mais rapidamente, escadas para fazê-los subir; pode-se dizer que lhes dei as vestes da minha humanidade roxas com o meu sangue, para fazê-las decentemente vestidas neste reino tão santo da minha vontade, estabelecido pela Sabedoria Não Criada na Criação para dar a ela uma herança do homem. Portanto, se eu falei pouco sobre isso (porque quando falo, falo em tempo e circunstância, em que a necessidade e a utilidade do bem que ele contém devem estar incluídas em minha palavra), portanto, em vez de falar, eu fiz os fatos e Eu me reservei para falar com você sobre o Reino da minha Vontade. Agora, como eles poderiam possuí-lo se não tivessem conhecimento completo? Por outro lado, você deve saber que todas as manifestações que lhe fiz sobre isso, suas maravilhas, seus bens, o que é conveniente para a alma fazer para poder se estabelecer neste reino, minha própria vontade expressou que eu quero o homem retorna ao meu reino, e como eu fiz tudo, a criação, a redenção, para que pudesse entrar em posse do meu reino perdido, são ligações de transmissão, são portas para deixá-lo entrar, são doações que faço, leis, instruções sobre como viver nela, inteligência para fazê-los entender e apreciar o bem que possuem.

Se tudo isso estava faltando, como eles poderiam possuir este Reino da minha Vontade? Seria como se um indivíduo quisesse se mudar para outro Reino para viver sem passaporte, sem conhecer leis, maneiras nem dialetos: pobre coitado, sua entrada seria inacessível e, se como intruso, ele se sentiria tão desconfortável que ele próprio adoraria sair de um reino que [no] nada sabe. Agora, minha filha, não lhe parece mais fácil, mais encorajador, mais ao alcance da natureza humana, do que depois de conhecerem o Reino da Redenção, onde podem curar cegos, coxos e doentes (porque no Reino da minha Vontade os cegos não entram, mas todos são retos e de saúde saudável), encontrando todos os meios possíveis no Reino da Redenção e o mesmo passaporte da minha Paixão e Morte para entrar no Reino da minha Vontade, animados à vista de tantas coisas boas, eles decidirão tomar posse dela?

Portanto, esteja atenta, nem queira restringir, diminuir os bens que estão no Reino da minha Vontade; e isso você faz quando nem tudo manifesta o que eu te faço conhecido, porque o conhecimento é o portador do presente, e se agora eu difundi no conhecimento dela, são presentes que eu faço, e nesses presentes eu estabeleço o mais ou menos a colocar no Reino da minha vontade, para o bem daqueles que a devem possuir_”.

Compartilhe a Divina Vontade