Causa do porquê Deus não é conhecido


30 de novembro de 1930
23

Eu estava dando minha volta na Criação para acompanhar os atos que o Divino Fiat realiza nas coisas criadas e, chegando ao Éden, parecia-me que o meu amado Jesus esperava que eu pudesse comunicar o amor, a bondade, a santidade, o poder e tudo o que Ele fez na sua criação, derramando-se totalmente no homem a ponto de enchê-lo completamente de si mesmo e de suas qualidades divinas, mas tanto a transbordar delas, dando-lhe a tarefa, como a maior honra do homem, de fazer uso de seu amor, a sua bondade, santidade e poder, para levar a cabo a sua vida com os mesmos bens que Aquele que o criou. Senti-me encharcada pelas qualidades divinas, e meu doce Jesus me disse:

“Minha filha, o homem foi criado para ser inseparável de Deus e se [Deus] não é conhecido e amado é justamente porque pensam que Deus é o Ser distante do homem, como se não tivéssemos nada a ver com ele, nem ele conosco, nem Deus com ele.

Acreditar nele de longe faz com que Deus perca do homem, e tudo o que ele teve ao criá-lo, nossas próprias qualidades divinas, permanecem enfraquecidas, sufocadas e para muitos como se não tivessem vida. Enquanto nossa Divindade não está longe, mas perto, na verdade dentro do homem, e em todos os seus atos somos atores e espectadores; portanto, nossa dor é grande em ver que as criaturas nos sustentam e acreditam que estamos longe delas e, portanto, não nos conhecem nem nos amam. Pensar longe é o ferro mortal que mata o amor da criatura pelo Criador, a distância quebra qualquer amizade. Quem pode pensar em amar, conhecer e esperar de um ser distante?

Ninguém. E somos obrigados a repetir: ‘Estamos com eles, dentro deles, e parece que não nos conhecem; e enquanto o seu amor, a sua vontade, por não nos amarem está longe de nós, dizem que estamos longe deles.

 

Aqui, portanto, a causa de alguns que leram minhas intimidades com você [e] chegaram a duvidar é justamente esta: porque pensam que eu sou o Deus distante, e quão longe tantas intimidades não poderiam acontecer entre Eu e você. Agora, minha filha, você quer saber quem faz Deus sentir-se vivo no coração da criatura?

Minha vontade, que reinando nela, pois se Minha Vontade der [a criatura] vida à vontade humana, meu Fiat faz sentir seu amor, sua força, sua bondade e sua santidade, que perpassam todos os atos da criatura; para isso não há Deus que esteja longe, mas Deus que está perto e que é a vida primária de sua vida e de todos os seus atos. Portanto, viver na minha Divina Vontade mantém o vigor de todos os bens que demos ao homem ao criá-lo e faz dele o trono de Deus e sua glória, onde ele domina e reina”.

Depois disso continuei a seguir tudo o que o Divino Fiat fez na Criação, admirável e sublime, e disse a mim mesma: “Quero entrar no sol para encontrar a Vontade Divina operando em sua luz, para dar-lhe todo o belo, o puro, o sagrado, o poder que pode manter a vontade humana operando em sua luz; Quero entrar no céu azul para abraçá-lo e dar-lhe a minha vontade operando na imensidão dos céus, na multiplicidade das estrelas, para dar-lhe a glória, o amor ao céu e tantos atos de adoração profundos quanto as estrelas ”.

E então eu segui todas as coisas criadas.

Mas enquanto o fazia, o meu pensamento dizia-me: «As coisas criadas não são certas, são véus que escondem esse Fiat e que, com a sua razão divina, mais do que se fossem certas, as domina com a sua força, mantém o equilíbrio perfeito e ela adora, ama, se glorifica ”. Mas enquanto eu pensava nisso, meu amado Jesus, fazendo-se ver, me segurou em seus braços e com toda ternura me disse:

“Minha filhinha da minha Divina Vontade, a minha Vontade é uma, e embora possua a virtude bilocante, ela se biloca a cada instante em cada coisa, em cada ato, de tal forma que cada um a possa manter como seu próprio ato e vida, mas, no entanto, nunca perde a sua unidade, é sempre um, e com a sua força única mantém, onde reina, a união, a harmonia, a ordem, a comunicação, a inseparabilidade e mantém tudo encerrado em si, dentro de um único ato. O ato é um, minha Vontade é uma, mas se estende por toda parte sem deixar nem mesmo um átomo de coisas criadas sem sua vida operante e vivificante.

Ah, sim, são muitos véus que a escondem! Ela se cobre de luz e se estende ao sol, com sua luz ela molda as criaturas, as abraça, beija, as aquece, as ama; estende-se no céu e faz com que todos os olhos olhem, quantas estrelas existem, para olhá-las, e o brilho suave delas são vozes silenciosas, como que silenciosas, chamando as criaturas à Pátria Celestial; ela flui para o ar e, ao enchê-la, você as respira e, ao soprá-las, você as sente e lhes dá vida. Em todas as coisas criadas, ela corre em direção às criaturas para dar-lhes muitos efeitos distintos, para oferecer-lhes seu amor, sua vida, conservação; mas um é o ato, uma é a Vontade que preenche o céu e a terra.

 

Agora, minha filha, quem faz minha Vontade e vive nela, quando faz seus atos atrai para si todos os atos de meu Fiat, que ele fez e continua fazendo; e  atrai a criatura e seu ato em seu ato. Então, em virtude de sua única Vontade, ela a atrai para o céu, para o sol, para o ar, em tudo; e então você sabe o que acontece? Que não mais uma única razão e Vontade Divina encherão o céu e a terra, mas outra razão e vontade humana que, perdendo-se na razão e na Vontade Divina, pode ser considerada como o véu das coisas criadas, mas um véu que mantém a razão e vontade, mas sacrificada e identificada com a razão e Vontade Divina; e então acontece que não é mais apenas para amar, honrar e glorificar meu Fiat nas coisas criadas, mas outra vontade humana que O ama, adora, glorifica, do céu, do sol, do ar.

Assim, como a minha Divina Vontade atrai para si a vontade humana e para os seus atos, para se fazer amada, adorada e glorificada com o seu próprio amor, adoração e glória, assim a criatura que não quer viver senão a minha Vontade atrai todos para si, os atos por Ela praticados e se faz amada, santificada, como uma Vontade Divina que sabe amar e santificar, que estende seu céu, forma seu sol; em suma, sua arte divina continua, como ela começou e continua na Criação. Você vê então o que significa fazer minha Vontade Divina? E não fazê-lo significa perder seu céu, seu sol, seu ar, seus mares de graça, sua arte divina. Por isso, quero sempre encontrar nela a filha da minha Divina Vontade ”.

Compartilhe a Divina Vontade