Jesus mostra a Luisa visões dos ataques cismáticos contra o Papa

10 de setembro de 1900

Ameaças contra os perversos.

 

Esta manhã, me vi fora de mim mesma e vi muitas atrocidades e pecados terríveis cometidos, alguns cometidos contra a Igreja e o Santo Padre. Então, voltando a mim mesma, meu adorável Jesus veio e me disse: “O que você diz sobre o mundo?

E eu, sem saber onde Ele queria bater com essa pergunta, impressionada como eu estava com as coisas vistas, eu disse: “Bendito Senhor, que posso lhe dizer de tanta perversidade, dureza, a feiúra do mundo? Não tenho como dizer como é ruim! ”

E Ele, aproveitando minhas próprias palavras, acrescentou:

” Você viu como eles são perversos? Você mesma disse isso, não há como não entregá-los, depois que eu quase tirei o pão, eles ainda estão na mesma tenacidade, e ainda pior, e por enquanto eles vão atrás de comida através de furtos e roubos, causando danos aos que lhes servem, então é necessário que Eu toque a pele, senão eles se perverterão mais ”.

Quem pode dizer o quão atordoada eu fiquei ao ouvir Jesus!? Parece-me que fui causa de uma ocasião de fazê-lo desdenhar o mundo; em vez de pedir misericórdia, pintei-o de preto. Fiz o que pude depois, para repará-lo, mas Ele não me ouviu; o mal já estava feito! Ah, Senhor, perdoe-me por essa falta de caridade e use misericórdia!

12 de setembro de 1900

Cruz para sofrer, Jesus restaura Luisa.

 Maquinações de revoluções contra a Igreja.

Continuou quase o mesmo; esta mão derramando suas amarguras, e fiquei tão sofrida que comecei a orar ao Senhor para me dar forças e me levantar um pouco, porque não podia resistir. Enquanto estava nisso, veio-me uma luz à mente fazendo que pensasse que cometia pecado ao fazer isto, e além disso, que dirá o bendito Jesus? Enquanto em outras ocasiões lhe roguei tanto que derramasse, desta vez que sem fazer rogar tinha derramado, estava buscando alívio, de parecer que me vou fazendo mais má, e chega a tanto minha maldade, que mesmo diante Dele mesmo não me abstenho de cometer defeitos e pecados. Então, não sabendo o que fazer para reparar, resolvi dentro de mim que desta vez, para fazer um maior sacrifício e me dar uma penitência a fim de que minha natureza em outra ocasião não ousaria procurar alívio, renunciar à vinda de Nosso Senhor, e se viesse devia lhe dizer: “Não venha amor, tenha compaixão de mim, não me alivie”.

Assim fiz e passei algumas horas em intenso sofrimento e sem Jesus; quão amargo me parecia. Mas Jesus tendo compaixão de mim, sem que o buscasse veio, e Eu logo lhe disse: “Tenha paciência, não venha, que não quero alívio”.

E Ele: “Minha filha, estou feliz com o seu sacrifício, mas você precisa de um refresco, caso contrário Eu viria menos“.

E eu: “Não, Senhor, não quero alívio”.

Mas Ele se aproximou da minha boca, quase pela força derramada de sua boca algumas gotas de leite doce, o que mitigou meu sofrimento. Quem pode dizer a confusão, a vergonha que senti diante Dele, esperando uma reprovação? Mas Jesus, como se não sentisse minha ausência, mostrou-se mais afável, mais doce. Vendo isso, eu disse: “Meu adorável Jesus, depois de ter derramado em mim e eu sofrer, você não deve poupar o mundo? Não é verdade? ”

E Ele:” Minha filha, você acredita que eu derramei tudo em você? E então, como você pôde lidar com tudo o que farei no mundo? Você mesmo viu que [pelo] pouco que eu derramei, você não poderia resistir e, se eu não tivesse vindo para ajudá-la, você teria terminado; ou o que seria se eu derramasse tudo em você? Minha querida, eu lhe dei a palavra, em parte vou satisfazê-la “.

Depois disso, Ele me carregou para fora de mim mesma, entre as pessoas, e eu continuei a ver muitos males, especialmente maquinações de revoluções contra a Igreja e entre a sociedade, para matar o Santo Padre e os sacerdotes. Eu me senti atormentando minha alma ao ver essas coisas, e pensei comigo mesma: ”

Se, nunca, essas maquinações seriam efetivadas, o que acontecerá com elas? Quantos males virão? ”

E toda aflita, olhei para Jesus, e Ele me disse:” E o que aconteceu com esse tumulto, o que você diz? ”
E eu:” Que tumulto? Nada aconteceu no meu país “.

E Ele: “Você não se lembra da revolta de Andria?

“Sim, Senhor”. ”

E Ele: “E bem, parece que é nada, mas não é assim, aquela foi toda uma ocasião, e é um fomento, uma força para outras cidades para mover-se e derramar sangue, causando ultraje às pessoas consagradas, e a meus templos, e como cada um quer mostrar quanto é mais feroz em exaltar o errado, competirão para ver quem pode fazer mais mal”.

E eu: “Ah, Senhor, dê paz à Igreja e não permita tantos problemas!”

E, querendo dizer mais, desapareceu, deixando-me toda aflita e preocupada.

Compartilhe a Divina Vontade