Sinais dos Tempos: Paz no Oriente Médio?


Uma nova era no Oriente Médio: estes são os homens que ajudaram a fazer a paz

# 1 – Os pacificadores: Jared Kushner, Yossi Cohen, Ron Dermer, Avi Berkowitz e David Friedman

Ladeado pelo Embaixador dos EUA em Israel David Friedman e pelo conselheiro sênior da Casa Branca Jared Kushner, o presidente Donald Trump anuncia um acordo de paz entre Israel e os Emirados Árabes Unidos no Salão Oval da Casa Branca em Washington em 13 de agosto de 2020. (crédito da foto: KEVIN LAMARQUE / REUTERS)
Ladeado pelo embaixador dos EUA em Israel David Friedman e pelo conselheiro sênior da Casa Branca Jared Kushner, o presidente Donald Trump anuncia um acordo de paz entre Israel e os Emirados Árabes Unidos no Salão Oval da Casa Branca em Washington em 13 de agosto de 2020.
(crédito da foto: KEVIN LAMARQUE / REUTERS)
Os laços entre Israel e os Emirados Árabes Unidos têm se aquecido abaixo da superfície há décadas, mas um grande ponto de inflexão ocorreu em 2015, quando os EUA e outras potências mundiais negociaram um acordo nuclear com o Irã.
Tanto Israel quanto os Emirados Árabes Unidos fizeram sua oposição ao acordo conhecida do governo Obama. Israel tornou sua posição muito pública, enquanto os Emirados Árabes Unidos a mantiveram privada. O embaixador israelense nos Estados Unidos, Ron Dermer, tentou convencer seu colega dos Emirados, Yousef Al Otaiba, a se juntar à campanha aberta de Israel, mas sem sucesso, embora os Emirados Árabes Unidos continuassem sua oposição nos bastidores.
Dermer e Otaiba – que, apesar de não ser judeu, também merece um lugar de honra nestas páginas – mantiveram uma relação notavelmente próxima em Washington. Um artigo do Huffington Post naquele ano disse que os dois “concordam em quase tudo”, exceto para os palestinos. Dermer até convidou Otaiba ao Congresso para ouvir o discurso de Netanyahu lá, mas o embaixador dos Emirados disse que não. Seu escritório também negou ao Huffington Post que ele e Dermer fossem amigos.

Embaixador dos EUA, Ron Dermer (crédito da foto: REUTERS) Embaixador dos EUA Ron Dermer (crédito da foto: REUTERS)

Em retrospectiva, está claro que a amizade que não poderia ser reconhecida publicamente ajudou a estabelecer as bases para a normalização histórica entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, o terceiro tratado de paz de Israel com um país árabe e o primeiro em 26 anos.
Enquanto os embaixadores mantinham contato em Washington, o chefe do Mossad, Yossi Cohen, estava silenciosamente pulando para visitar os estados árabes sunitas moderados.
O Mossad sempre foi uma parte importante da política externa israelense tranquila com os países árabes moderados, e os Emirados Árabes Unidos não foram exceção. Quaisquer possíveis novos acordos futuros com Bahrein e Omã também envolveriam o Mossad, e Cohen já entrou em contato com as principais autoridades do Bahrein sobre os próximos passos.
Em julho de 2019, Cohen fez um raro discurso público importante no qual afirmou explicitamente que sua agência de espionagem estava por trás de grande parte do progresso com os países sunitas moderados do Golfo.
Esta não foi apenas mais uma afirmação teórica e otimista. O envolvimento crítico de Cohen na reunião de normalização do Sudão em fevereiro e na diplomacia do coronavírus em março também foram enormes para impulsionar os laços cada vez maiores entre Israel e os Emirados Árabes Unidos até a linha de chegada. Em junho, o The Jerusalem Post foi o primeiro a relatar sobre a estreita cooperação entre Israel e os Emirados Árabes Unidos para combater o coronavírus, mas as sementes foram plantadas por Cohen sob o radar em março.

Yossi Cohen (crédito da foto: REUTERS)Yossi Cohen (crédito da foto: REUTERS)

As comunicações constantes de Cohen, muitas reuniões silenciosas e diplomacia corona ajudaram o mestre da espionagem a aproveitar o momento diplomático.
No entanto, o terceiro lado do triângulo de paz Emirados Árabes Unidos-Israel-EUA desempenhou um papel fundamental.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fez questão de olhar para o Oriente Médio de uma maneira muito diferente de seu antecessor.

Conselheiro Especial do Presidente Jared Kushner, ex-empresário com ativos no mercado imobiliário e de mídia; O Embaixador dos Estados Unidos em Israel, David Friedman, advogado de falências de Trump; e o Enviado Especial para Negociações Internacionais Avi Berkowitz, estudante de Direito de Harvard e assessor de Kushner, não vem do “pântano” da política externa de Washington que Trump prometeu drenar. Como tal, eles resistiram à sabedoria convencional e viram o lugar de Israel na região sob uma luz diferente.
Avi Berkowitz (cortesia)Avi Berkowitz (cortesia)
Ao contrário do governo anterior, que via o Irã como uma potência regional em ascensão e buscava trabalhar com ele, o governo Trump queria isolar a República Islâmica e impedir que desestabilizasse a região e semeasse o terrorismo em todo o mundo. E não havia melhores parceiros para isso do que os Estados do Golfo e Israel, os inimigos do Irã.
Assim que ficou claro que os líderes do Golfo, como o príncipe herdeiro de Abu Dhabi Mohammed bin Zayed e o príncipe da Arábia Saudita Mohammed bin Salman, conhecidos respectivamente como MBZ e MBS, não guardavam rancor de Israel e, de fato, estavam trabalhando com eles contra o Irã. Kushner, que tinha um bom relacionamento com os dois, não viu razão para que os aliados da América contra o Irã não pudessem trabalhar uns com os outros e começou a pressionar a questão.
Enquanto isso, Berkowitz, de 31 anos, provou ser um prodígio da Casa Branca, desempenhando um papel fundamental no lançamento do acordo Israel-Emirados Árabes Unidos. Kushner lida com uma série de questões importantes para a administração Trump, enquanto Berkowitz costumava fazer o trabalho de base necessário. No ano passado, ele conquistou a confiança de funcionários do governo do Reino Unido à Arábia Saudita, que sabiam que ele falava em nome de Kushner, talvez o conselheiro mais próximo do presidente. Ele viajou à região várias vezes, de Israel ao Bahrein, Omã e Qatar para negociações delicadas para promover a agenda do governo para criar uma frente unida de Israel e países árabes que pudesse conter a influência iraniana na região.
Em janeiro, essa equipe também lançou o plano econômico “Paz para a Prosperidade” para o Oriente Médio, incluindo um mapa projetado para resolver o conflito israelense-palestino. Mas os palestinos boicotaram a cerimônia e se recusaram a se envolver com a equipe, citando como razões a decisão de Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e transferir a embaixada dos EUA para lá.
Kushner era o líder naquele projeto, mas as impressões digitais de Friedman estavam em todo o plano e desempenhou um papel fundamental na tentativa de obter um mapa detalhado para Israel estender sua soberania às comunidades na Judéia e Samaria. Friedman também foi responsável por receber as opiniões muito diversas do governo de Israel e da sociedade sobre como implementar esse plano e trabalhar com os membros da equipe de paz em Washington sobre como encorajar Israel a prosseguir.
No final, a decisão do governo foi que seria melhor para Israel ter paz no prazo imediato com os Emirados Árabes Unidos, um movimento de mudança de paradigma. A normalização entre Israel e outro país árabe exemplificou o que Kushner e Friedman vinham dizendo publicamente há anos; que a recalcitrância dos palestinos não significa que outros países devam implorar por sua aprovação. Os palestinos não têm poder de veto sobre o que acontece com Israel ou os Emirados Árabes Unidos ou qualquer outra pessoa, e se eles não forem capazes de avançar, o resto do Oriente Médio pode simplesmente deixá-los para trás.
Vinte e nove dias depois que a normalização com os Emirados Árabes Unidos foi anunciada, o Bahrein seguiu o exemplo e outro estado árabe pode estar a caminho. Esses cinco desempenharam um papel no que pode acabar sendo um realinhamento que beneficiará Israel, o Oriente Médio e o mundo.

Compartilhe a Divina Vontade