A Falsa Unidade


A FALSA UNIDADE

 

SE a oração e o desejo de Jesus é que “todos sejam um” (João 17:21) , então Satanás também tem um plano para a unidade – uma falsa unidade . .

Cristo orou para que todos fôssemos um:

… por ter a mesma opinião, ter o mesmo amor, estar de pleno acordo e de uma só mente … (Fl 2: 5)

Qual mente? Que amor? De que acordo? Paulo responde no próximo versículo:

Tende entre vós esta mente, que é vossa em Cristo Jesus, que … não considerou a igualdade com Deus uma coisa a ser agarrada, mas esvaziou-se, assumindo a forma de servo …

A marca do Cristianismo é o amor . O ápice desse amor é a abnegação, uma kenosis ou esvaziamento de si pelo outro. Esta deve ser a mente do Corpo de Cristo, uma unidade de serviço , que é o vínculo do amor.

A unidade cristã não é de submissão e conformidade irracionais. Isso é um culto. Como costumo dizer quando falo aos jovens: Jesus não veio para tirar a sua personalidade – Ele veio para tirar os seus pecados! E assim, o Corpo de Cristo é composto por muitos membros, mas com funções diferentes, todos ordenados em direção ao objetivo do amor. A diferença , portanto, é celebrada.

… O Apóstolo deseja comunicar… a ideia da unidade entre a multiplicidade dos carismas, que são dons do Espírito Santo. Graças a eles, a Igreja surge como organismo rico e vital, não fruto uniforme do único Espírito, que conduz todos à unidade profunda, porque acolhe as diferenças sem as eliminar e, assim, produz uma unidade harmoniosa. —Papa Bento XVI, Angelus, 24 de janeiro de 2010; L’Osservatore Romano, Edição semanal em inglês , 27 de janeiro de 2010; www.vatican.va

Na unidade cristã, tudo se orienta para o bem do outro, seja por atos de caridade, seja pela adesão às leis naturais e morais que nos são reveladas pela criação e na pessoa de Jesus. Assim, a caridade e a verdade não estão e não podem ser divorciadas, pois ambas estão orientadas para o bem do outro.  Onde há amor, não há compulsão; onde há verdade, há liberdade.

Assim, na unidade de Cristo, a alma humana pode crescer até o seu pleno potencial dentro de uma comunidade de amor … que é a imagem da primeira comunidade: a Santíssima Trindade.
A FALSA UNIDADE 

O objetivo de Satanás não é que todos sejamos um, mas que todos sejam uniformes.

Para construir esta falsa unidade, ela se baseará em uma falsa trindade : “ Tolerante , Humano , Igualdade ”. O objetivo do inimigo é primeiro destruir a unidade do Corpo de Cristo , a unidade do casamento , e aquela unidade interna dentro da pessoa humana (corpo, alma e espírito), que é feita à imagem de Deus – e então reconstruir tudo em uma falsa imagem .

Atualmente, o homem tem poder sobre o mundo e suas leis. Ele é capaz de desmontar este mundo e remontá-lo. —Papa Bento XVI (Cardeal Ratzinger), Palermo, 15 de março de 2000

Em ser “igual”, não existe mais “homem” ou “mulher” ou “marido” e “esposa”. (É importante notar que a mente secularista moderna não quer dizer com a palavra “igualdade”: o valor igual e eterno de cada ser humano – mas sim uma espécie de mesmice branda .) O movimento feminista radical foi fomentado por Satanás para apagar o diferente mas papéis complementares de homem e mulher.

A paternidade humana nos dá uma antecipação do que Ele é. Mas quando essa paternidade não existe, quando é vivida apenas como fenômeno biológico, sem sua dimensão humana e espiritual, todas as afirmações sobre Deus Pai são vazias. A crise da paternidade que vivemos hoje é um elemento, talvez o mais importante, que ameaça o homem em sua humanidade. A dissolução da paternidade e da maternidade está ligada à dissolução de nosso ser filhos e filhas. —Papa Bento XVI (Cardeal Ratzinger), Palermo, 15 de março de 2000

Feito isso, ele passa para a próxima etapa: o apagamento das diferenças na sexualidade masculina e feminina . Agora, a masculinidade ou feminilidade é uma questão de preferência e, portanto, o homem e a mulher são essencialmente “iguais”. 

Relativizar a diferença entre os sexos… confirma tacitamente aquelas teorias sombrias que procuram tirar toda a relevância da masculinidade ou feminilidade do ser humano, como se se tratasse de uma questão puramente biológica.  —Papa Bento XVI, WorldNetDaily , 30 de dezembro de 2006

Mas esse falso e limitado senso de “igualdade” não se restringe ao homem e à mulher; isso transborda em uma compreensão distorcida da natureza em ser “Humano”. Ou seja, os animais e as plantas devem ser considerados, embora variados em forma e de menor inteligência, criaturas iguais . Nessa relação simbiótica, homem, mulher, animal – até mesmo o planeta e o meio ambiente – tornam-se iguais em valor em uma espécie de homogeneização cósmica (e, às vezes, a humanidade assume menos valor em face de, digamos, uma espécie em extinção). 

A Espanha, por exemplo, aprovou o Projeto Grande Macaco em lei, declarando que chimpanzés e gorilas fazem parte da “comunidade de iguais” com as pessoas. A Suíça declarou que as plantas individuais têm “dignidade intrínseca” e que “decapitar” flores silvestres é um grande erro moral. A nova constituição do Equador prevê “direitos da natureza” iguais aos do Homo sapiens . – Homo Sapiens, Get Lost , Wesley J. Smith, pesquisador sênior em direitos humanos e bioética do Discovery Institute , National Review Online, 22 de abril de 2009

Assim como o Espírito Santo flui como Amor entre o Pai e o Filho, também esta falsa unidade é ligada pela “Tolerância”. Embora mantendo ou apegando-se à forma externa de caridade, muitas vezes é desprovida de amor, pois se baseia em sentimentos e lógica distorcida, em vez de na iluminação da verdade e da razão. A lei natural e moral são, portanto, trocadas pelo conceito elusivo de “direitos”. Assim, se algo pode ser considerado um direito, deve, portanto, ser tolerado (mesmo que o direito seja simplesmente “criado” por um juiz ou exigido por grupos de lobistas, independentemente de esses “direitos” violarem a verdade e a razão.)

Como tal, esta falsa Trindade não tem como fim o amor , mas o ego: é a nova Torre de Babel .

Está se construindo uma ditadura do relativismo que nada reconhece como definitivo e que não deixa como medida última senão o eu e seus apetites.  —Papa Bento XVI (Cardeal Ratzinger), Homilia de abertura no Conclave , 18 de abril de 2004.

Superficialmente, as palavras tolerante, humano e igual são termos que parecem bons e podem de fato ser bons. Mas Satanás é o “pai da mentira” que pega o que é bom e o distorce, prendendo assim as almas na confusão .

FALSA UNIVERSAL 

Uma vez que essa “trindade” de falsidade se aglutine em todos os seus três aspectos, ela prepara o caminho para uma falsa unidade que deve ser cuidadosamente monitorada e aplicada. Na verdade, a própria natureza da Tolerância é que ela não pode tolerar aquela coisa, pessoa ou instituição que se apega à ideia de absolutos morais . A Escritura diz: “ onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade. ” Por outro lado, onde está o espírito do anticristo, há coerção.  Aceitar ser diferente e unidos é uma falsa unidade , expandindo agora como um fenômeno global, assim, prepara o caminho para o Anticristo, que garante que cada indivíduo deve ser contabilizada. Ao controle é o ponto fraco da Tolerância; é a cola do Anticristo – não o amor. Um parafuso solto em uma máquina pode destruir todo o mecanismo; da mesma forma, cada pessoa deve ser cuidadosamente organizada e integrada na falsa unidade – ligada e conformada com sua expressão política, que é fundamentalmente totalitarismo. 

O Apocalipse fala sobre o antagonista de Deus, a besta. Este animal não tem nome, mas sim um número.

No [horror dos campos de concentração], eles cancelam rostos e história, transformando o homem em um número, reduzindo-o a uma engrenagem de uma enorme máquina. O homem não é mais do que uma função.Numerado

Em nossos dias, não devemos esquecer que eles prefiguraram o destino de um mundo que corre o risco de adotar a mesma estrutura dos campos de concentração, se for aceita a lei universal da máquina. As máquinas que foram construídas impõem a mesma lei. Segundo essa lógica, o homem deve ser interpretado por um computador e isso só é possível se traduzido em números.

A besta é um número e se transforma em números. Deus, porém, tem um nome e chama pelo nome. Ele é uma pessoa e procura a pessoa.   – Cardeal Ratzinger, (PAPA BENTO XVI) Palermo, 15 de março de 2000 (itálico meu)

Mas isso não é unidade . Em vez disso, é conformidade .

Não é a bela globalização da unidade de todas as Nações, cada uma com seus costumes, mas sim a globalização da uniformidade hegemônica, é o pensamento único. E esse único pensamento é fruto do mundanismo. —Papa Francisco, Homilia, 18 de novembro de 2013; Zenit

Como o cristianismo se baseia na liberdade e na responsabilidade para com a verdade – e é isso que promove a unidade genuína – a falsa unidade surgirá por uma aparência externa de liberdade: segurança em nome da paz. Um estado totalitário será justificado de modo a realizar essa falsa unidade para o “bem comum” (especialmente se o mundo estiver na turvação de uma Terceira Guerra Mundial ou se curvando sob catástrofes, naturais ou econômicas). Mas uma falsa unidade é igualmente uma falsa paz.

Pois vocês mesmos sabem muito bem que o dia do Senhor virá como um ladrão à noite … Um ladrão vem apenas para roubar, massacrar e destruir. (1 Tes 5: 2; João 10:10)

Eles curaram a ferida do meu povo, dizendo levianamente: ‘Paz, paz’, quando não há paz … Eu coloquei sentinelas sobre vocês, dizendo: ‘Dêem ouvidos ao som da trombeta!’ Mas eles disseram: ‘Não daremos atenção’. Portanto, ouçam, ó nações, e saibam, ó congregação, o que vai acontecer com eles. Ouça, ó terra; eis que estou trazendo o mal sobre este povo, o fruto de seus ardis, porque não deram ouvidos a minhas palavras; e quanto à minha lei, eles a rejeitaram.  ( Jeremias 6:14, 17-19)

O anticristo virá, portanto, como um ladrão na noite de confusão . 

… Quando todos nós estamos em todas as partes da cristandade tão divididos e tão reduzidos, tão cheios de cisma, tão próximos da heresia. Quando nos lançarmos sobre o mundo e dependermos dele para proteção, e abrirmos mão de nossa independência e força, ele [o Anticristo] explodirá sobre nós em fúria, tanto quanto Deus permitir. – Abençoado John Henry Newman, Sermão IV: A Perseguição do Anticristo

Antes da segunda vinda de Cristo, a Igreja deve passar por uma prova final que abalará a fé de muitos crentes. A perseguição que acompanha sua peregrinação na terra revelará o “mistério da iniqüidade” na forma de um engano religioso, oferecendo aos homens uma solução aparente para seus problemas ao preço da apostasia da verdade. —Catecismo da Igreja Católica, n. 675

A IGREJA FALSA

Então essa falsa unidade se tornará “universal” – uma palavra que vem do grego katholikos : “católica” – uma tentativa de transformar e deslocar a verdadeira Igreja e a verdadeira unidade na qual o plano de Cristo será realizado de outra forma.

Pois ele nos deu a conhecer com toda a sabedoria e perspicácia o mistério de sua vontade, de acordo com seu propósito que ele apresentou em Cristo como um plano para a plenitude dos tempos, para unir todas as coisas nele, as coisas no céu e as coisas no terra. (Ef 1: 9-10) 

Eu vi protestantes iluminados, planos formados para a fusão de credos religiosos, a supressão da autoridade papal … Não vi nenhum Papa, mas um bispo prostrado diante do Altar Supremo. Nesta visão eu vi a igreja bombardeada por outras embarcações … Foi ameaçada por todos os lados … Eles construíram uma grande e extravagante igreja que deveria abraçar todos os credos com direitos iguais … mas no lugar de um altar havia apenas abominação e desolação. Essa era a nova igreja a ser … – Abençoada Anne Catherine Emmerich (1774-1824 DC), The Life and Revelations of Anne Catherine Emmerich , 12 de abril de 1820

O Papa Francisco chama esse comprometimento das próprias crenças, esse crescente espírito de mundanismo dentro da Igreja, um “fruto do diabo”. Comparando nossa época com a dos antigos hebreus no Livro dos Macabeus, o Santo Padre advertiu que estamos caindo no mesmo “espírito de progressismo adolescente”.

Eles acreditam que avançar em qualquer tipo de escolha era melhor do que permanecer nos hábitos da fidelidade … Isso se chama apostasia, adultério. Eles não estão, de fato, negociando alguns valores; eles negociam a própria essência de seu ser: a fidelidade do Senhor. —Papa Francisco, Homilia, 18 de novembro de 2013; Zenit

Portanto, precisamos ficar acordados nestes tempos, especialmente quando vemos tantas pessoas sendo atraídas para o engano do compromisso. Ao mesmo tempo, a Igreja está cada vez mais sendo pintada como “terroristas” da paz e de uma “nova ordem mundial” mais tolerante. Assim, é claro que a Igreja enfrentará uma perseguição que, em última instância, a purificará.

A Igreja ficará pequena e terá que recomeçar mais ou menos do início. Ela não será mais capaz de habitar muitos dos edifícios que construiu na prosperidade. À medida que o número de seus adeptos diminui … Ela perderá muitos de seus privilégios sociais … Como uma pequena sociedade, [a Igreja] fará muito mais demandas por iniciativa de seus membros individualmente.

Será difícil para a Igreja, pois o processo de cristalização e clarificação custará a ela muita energia valiosa. Isso a tornará pobre e fará com que ela se torne a Igreja dos mansos … O processo será longo e cansativo como foi o caminhodo falso progressismo às vésperas da Revolução Francesa – quando um bispo poderia ser considerado inteligente se zombasse de dogmas e até insinuasse que a existência de Deus não era de forma alguma certa … Mas quando a prova dessa peneiração tiver passado, um grande poder fluirá de uma Igreja mais espiritualizada e simplificada. Os homens em um mundo totalmente planejado se sentirão indescritivelmente solitários. Se perderam completamente a visão de Deus, sentirão todo o horror de sua pobreza. Então, eles descobrirão o pequeno rebanho de crentes como algo totalmente novo. Eles o descobrirão como uma esperança que se dirige a eles, uma resposta que sempre buscaram em segredo.

E assim me parece certo que a Igreja está passando por tempos muito difíceis. A verdadeira crise mal começou. Teremos de contar com terríveis convulsões. Mas estou igualmente certo do que restará no final: não a Igreja do culto político, que já morreu com Gobel, mas a Igreja da fé. Ela pode muito bem não ser mais a força social dominante na medida em que era até recentemente; mas ela desfrutará de um novo desabrochar e será vista como o lar do homem, onde ele encontrará vida e esperança além da morte. – Cardeal Joseph Ratzinger (PAPA BENTO XVI), Faith and Future , Ignatius Press, 2009

Compartilhe a Divina Vontade