Sua Santidade Bento XVI e Luisa Piccarreta


Sua Santidade Bento XVI e Luisa Piccarreta

Sua Santidade Bento XVI

e Luisa Piccarreta

 

Sua Eminência e Reverendíssimo Cardeal Joseph Ratzinger, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé durante o Pontificado de Sua Santidade o Papa João Paulo II, foi escolhido pelo Espírito Santo como Supremo Pontífice da Santa Igreja Católica e Apostólica Romana, precisamente nestes tempos em que começa a Era do terceiro Fiat Divino , como cumprimento da petição do Pai-Nosso : “ Adveniat Regnum tuum. Fiat Voluntas Tua sicut em Cœlo et in terra ”. E Sua Santidade Bento XVI sabe disso, pois Deus o preparou ao longo do tempo fazendo-o conhecer e estudar os escritos de Luísa Piccarreta, “A Filha da Divina Vontade”, escolhida por Deus para a missão de abrir as portas do Reino da Vontade Divina na terra como no céu.

Esta é a história:

 

O apêndice”

       Foi no ano de 1989 quando José Luis Acuña (meu pai), que morava em Atlacomulco, México, deu a seu bispo Sua Excelência Mons. Ricardo Guízar Díaz, o último livro de padre Octavio Michelini que ele traduziu e publicou: “A taça transborda”, com anexo de sua autoria. Quatro anos antes, em 1985, quando meu pai comprou uma casa nesta diocese para morar conosco sua família, ele foi cumprimentar nosso bispo e se apresentar pessoalmente, pois já havia entrado em contato com ele uma vez, justamente por causa de os dois livros anteriores do Padre Michelini traduzidos e publicados por ele; Mons. Guízar havia solicitado esses livros aos sacerdotes da diocese de Aguascalientes, da qual era bispo auxiliar, antes de ser nomeado primeiro bispo da então recém-criada diocese de Atlacomulco. Desde então estabeleceram uma relação espiritual, cordial e de respeito; meu pai, junto com minha mãe, Marcela Rincón de Acuña, o visitava de vez em quando e aproveitava para conversar com ele sobre os escritos de Luisa Piccarreta e dar-lhe alguns dos que ele já havia traduzido. Em agosto de 1986, Sua Excelência foi consagrar nossa capela particular, dedicando-a à Virgem Assumida ao Céu, e todo dia 15 de agostoth ele iria celebrar missa naquela capela.

Mons. Guízar achava que o conteúdo do Apêndice estava atualizado e de grande importância, e no final de 1989 quando fez sua visita “Ad Limina Apostolorum” –visita que a cada cinco anos cada bispo faz ao Santo Padre para informá-lo sobre a diocese a seu cargo – também marcou um encontro com o Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, ex-Santo Ofício, o Cardeal Joseph Ratzinger, falou a ele e dei-lhe o Apêndice escrito por meu pai, um de seus diocesanos. O Cardeal mostrou-se muito interessado, porque diante de tantos problemas e ataques à Igreja, dentro e fora dela, queria ter uma visão mais luminosa do futuro da Igreja, e o Apêndice falava dos ataques e problemas da Igreja , sim, mas também que esses ataques são originados justamente pelo diabo e seus partidários para impedir ou atrasar na Igreja e por meio dela em todo o mundo, o estabelecimento do Reino de Deus na terra como no céu, propósito para o qual a Igreja foi fundada por Jesus Cristo. Contudo:

“Os decretos de Deus são eternos e não há nada nem ninguém que os impeça de serem cumpridos. A criação foi um decreto eterno e ninguém conseguiu, pode ou poderá impedir. A Encarnação e Redenção foi um decreto eterno e não havia ninguém que pudesse impedi-lo de cumpri-lo. Da mesma forma: O REINO DE DEUS NA TERRA COMO ESTÁ NO CÉU é um decreto eterno, pois o próprio Jesus, Verbo Eterno Encarnado de Deus, O anunciou pedindo e fazendo-nos pedir, e não há nada nem ninguém que pode impedi-lo nisso. O mal é para quem não quiser receber os bens e os frutos do cumprimento desses decretos, mas impedi-los … ninguém, nem o diabo, nem a maldade da criatura, absolutamente nada ou ninguém!

… Existe o Magistério, recebido da mesma boca de Jesus: “Venha o teu Reino, seja feita a Tua Vontade, assim na terra como no céu” e Ela virá e se fará… Guiado pelo Magistério da nossa Santa Mãe o A Igreja deixa escancarar as portas do nosso coração ao Redentor e ao Reino de Deus na terra, em nós, em nós como no Céu, pois sabemos que este Reino é fruto pleno da Encarnação do Verbo… ” (Apêndice)

Entrevista

Poucos meses depois, em maio de 1990, meus pais planejaram uma viagem à Itália, para visitar as casas de Luisa Piccarreta em Corato. Devido ao interesse demonstrado pelo Cardeal Ratzinger, meu pai pensou em visitá-lo para lhe contar mais sobre o Reino da Vontade Divina nos escritos de Luísa; ele falou sobre isso com Mons. Guízar e ele deram a meu pai uma carta de recomendação para que o cardeal Ratzinger pudesse recebê-las.

Uma vez na Itália, foram primeiro a Corato para a Casa de Luisa, sede da Associação “Luisa Piccarreta” fundada pela Irmã Assunta Marigliano; eles tiveram uma entrevista com o Arcebispo de Trani, Mons. Giuseppe Carata, que havia reconhecido e aprovado três anos antes, a Pia Associação, e lhe disseram que iam visitar Sua Eminência o Cardeal Ratzinger na Itália. Mons. Carata contou-lhes alguns fatos interessantes para que pudessem mencioná-los ao Cardeal Prefeito: que em breve iriam beatificar o Venerável Padre Annibale Maria Di Francia, confessor extraordinário de Luísa, Censor Eclesiástico dos escritos de Luísa e primeiro redator de “ As horas da paixão ”, que foram editadas sob a sua responsabilidade e com o seu próprio nome, fazendo várias edições em italiano e depois traduzido para o alemão e foi colocado no Índice de Livros Proibidos, e agora…. eles iriam beatificá-lo?

No Vaticano, meus pais foram admitidos na missa particular do Cardeal Ratzinger e depois o abordaram. Meu pai assim que saiu dessa entrevista escreveu brevemente as principais idéias tratadas com Sua Eminência:

   “- Que fui o autor do Apêndice. Ele se lembrava bem do Bispo.

  • Mostrei-lhe fotos da capela com ele. Ele me disse que isso era muito importante para nos unirmos à Igreja.
  • Fui diretamente falar sobre Luisa e os escritos. Dei a ele os resumos que havia preparado, que ele folheou … Expliquei um pouco sobre como viver na Divina Volição e a importância atual dos escritos.
  • Que o bispo os achava maravilhosos.
  • Eu disse a ele que eles não tinham sido aprovados, que deveriam ser revisados. Que eles estavam lá no Santo Ofício. Que eu realmente não estava pedindo isso por mim, mas por tantas almas, etc.
  • Ele me disse que talvez não os tenham revisado direito (sic). Respondi que talvez não fosse a hora, mas agora era, que já era a hora; que é necessário promovê-los. Ele me disse que iria lê-los com atenção.
  • Também dei a ele os exemplares que a irmã Assunta me deu e disse a ele o que Mons. Carata me contou: sobre o padre Annibale Di Francia; cópias das Horas da Paixão e da Rainha dos Céus publicadas por ele com seu nome; eles vão beatificá-lo em outubro. Depois disso, esperei por ele do lado de fora da capela para tirar uma foto com ele, para colocá-la na capela, com o que ele concordou de bom grado. Repeti que o que dizia respeito a Luísa era MUITO IMPORTANTE para a Igreja. Ele nos deu sua bênção e nos despedimos. Na rua encontrei mais uma vez o Secretário Pessoal, a quem falei também da Luísa, que não sabia, agora a conhece … Vou poder escrever-lhe, dando-lhes mais escritos. Acuna e Ratzinger

Carta e mais capítulos da Luisa

  • Quando eles voltaram para o México, meu pai conversou com Mons. Guízar sobre a entrevista com o cardeal Ratzinger. Depois, no início de julho do mesmo ano, selecionou outros capítulos dos escritos de Luisa e os enviou ao Cardeal com uma carta que entre outras coisas dizia: Os textos escolhidos e entregues ao Cardeal em ambos os casos são os mesmos encontrado no início do livro em espanhol: “Passagens selecionadas”, sem título (pp.25-49). Beatificação do padre Annibale M. Di Francia O fato da beatificação do padre Annibale é muito significativo, pois significa que após apurar o fato dos livros colocados no Index, isso não foi um obstáculo, e mais,“Com a beatificação do Beato Annibale Di Francia, os seus escritos foram também aprovados pela Igreja e, portanto, também os prefácios das obras de Luísa” (Da Homilia de Sua Excelência Mons. Carata em 23/1/1991 no Igreja de São Domingos em Corato). E foi depois canonizado em 2004. Assim, a Igreja aprovou tudo o que diz Santo Aníbal sobre Luísa, a sua missão e os seus escritos, e o coloca como exemplo para nós nestes tempos. “Todos os escritos de Luisa têm de ser aprovados”. Posteriormente, Mons. Guízar foi a Corato, à Associação “Luisa Piccarreta”, celebrou ali a Santa Missa e se encontrou com o Arcebispo de Trani, Mons. Giuseppe Carata, notificando-o sobre a conversa que teve com o cardeal Ratzinger.Cartas de Mons. Guízar aos livros de Luisa Mons. Guízar, contando com as palavras proferidas pelo Cardeal Ratzinger, “todos os escritos de Luisa deve ser aprovado”, escreveu a carta de recomendação que aparece no início do livro “As Horas da Paixão”, com a data de 22 de Janeiro nd 1991. Em 1991, Sua Excelência Carmelo Cassati foi o sucessor de Mons. Carata na Arquidiocese de Trani; Mons. Guízar contou-lhe as palavras do Cardeal Ratzinger referindo-se ao início da Causa de Luísa. Portanto, Sua Excelência C. Cassati trabalhou para realizá-lo, muito mais que seu antecessor tinha a intenção de fazê-lo. De forma que, graças ao nosso Sumo Pontífice Bento XVI, está em curso o processo de beatificação de Luísa, para que todos os seus escritos possam ser aprovados, como disse.Livro “Origem do Homem: Criação ou Evolução?”Em setembro de 2001, meu pai e eu fomos para a Itália e tivemos um breve encontro com o Cardeal Ratzinger. Depois de cumprimentá-lo, meu pai lembrou-lhe que antes havia conversado com ele sobre Luisa Piccarreta e seus escritos e sobre o Beato Annibale Di Francia; mais tarde eu disse a ele que havia escrito um livro sobre a forma como o homem foi criado por Deus e o plano criativo de Deus para a humanidade, o estado sublime do primeiro homem, Adão, sua santidade original, tirando-o dos escritos de Luísa, e como Deus quer fazer com que a humanidade volte àquele estado de santidade original, estabelecendo o Reino da Vontade Divina na terra como no céu, através de Luísa. No final disse-lhe que o tinha mencionado e citei algo que ele tinha dito sobre os escritos de Luísa ao Mons. Guizar e deu-lhe o livro em italiano.

  • No ano 2000, eu, Alejandra Acuña, filha de José Luis, escrevi e publiquei o livro: “Origem do Homem: Criação ou Evolução?” contra o evolucionismo, também com uma breve carta de Mons. Ricardo Guízar Díaz. Na nota nº 32, cito a famosa frase dita pelo Cardeal Ratzinger a Mons. Guízar, com autorização do próprio Bispo.
  • No início de 1996 a Arquidiocese de Trani-Barletta-Bisceglie obtém da Congregação para a Doutrina da Fé, presidida pelo Cardeal Ratzinger, a permissão de fotocópia de todos os volumes de Luisa que se encontravam nos arquivos da Congregação desde 1938, para ser lido e estudado por pessoas habilitadas pelo Tribunal da Causa de Luísa, para ser censurado e aprovado pela Autoridade Competente, e finalmente publicado.
  • Em fevereiro de 1994, o arcebispo de Trani recebido da Congregação para a Causa dos Santos do Nihil obstat para iniciar oficialmente o processo diocesano Canon para a Causa de Beatificação de Luisa e na solenidade de Cristo Rei, em 20 de novembro th 1994 na Igreja Matriz de Corato, a Causa de Beatificação da Serva de Deus Luisa Piccarreta inicia com uma Missa solene.
  • Abertura da Causa de Beatificação de Luisa
  • Fez o mesmo em 1992, dando outra carta especial para o livro “Passagens selecionadas” e mais adiante em 1999 para o livro “A Virgem Maria no Reino da Vontade Divina”.
  • Entretanto, no México, crescia o interesse pelos escritos de Luísa, que eram traduzidos pelo meu pai e entregues em privado em forma de cópias fotográficas, e por isso pensou na edição “As Horas da Paixão”. Para ser ordenado, em comunhão com a Igreja, segundo o conselho do Cardeal Ratzinger, ele primeiro informou o Bispo e pediu uma carta dele.
  • Também falaram sobre a necessidade de abrir a Causa de Beatificação de Luísa na Arquidiocese de Trani para que o Arcebispo de Trani pudesse pedir à Congregação para a Doutrina da Fé, cópias dos escritos de Luísa para que pudessem ser revisados ​​e aprovado.
  • Após a beatificação do Padre Annibale, Mons. Ricardo Guízar foi ver o cardeal Ratzinger mais uma vez e falou-lhe de Luisa Piccarreta, de seus escritos e do fato da beatificação do padre Annibale, aquele que publicou “As horas da paixão”, que havia escrito a introdução daquele livro e deu testemunho da importância da missão e dos escritos de Luísa na Igreja. Sua Eminência respondeu dizendo:
  • Em outubro do mesmo ano de 1990, Mons. Guízar Díaz viajou mais uma vez a Roma para assistir ao Sínodo dos Bispos sobre a formação sacerdotal, e ali providencialmente esteve presente na Beatificação do Padre Annibale Di Francia.
  • Como resposta, meu pai recebeu uma carta com o título “Joseph Cardeal Ratzinger” na qual o Secretário Pessoal confirmava ter recebido o frete e assegurava a bênção do Cardeal.
  • “Anexo outros parágrafos seleccionados de diferentes volumes de Luísa, que alguns deles nos fazem ver um futuro luminoso para a Santa Igreja e para a humanidade, e uma breve biografia de Luísa”.
  • Carta e mais capítulos da Luisa
  • Na rua encontrei mais uma vez o Secretário Pessoal, a quem falei também da Luísa, que não sabia, agora a conhece … Vou poder escrever-lhe, dando-lhes mais escritos.
  • Mais ou menos essas foram as idéias principais. Ele me agradeceu e disse que eu deveria continuar fazendo tudo com o bispo. Eu disse adeus.
Compartilhe a Divina Vontade