Católicos e Eleições

EUA: Católicos e Eleições

EUA: Católicos e Eleições

Os eleitores católicos que apóiam candidatos favoráveis ​​ao aborto, à eutanásia ou à pesquisa com embriões “cometem mal moral”

Os Bispos Católicos do Estado de Kansas, Dom Joseph Naumann, Arcebispo de Kansas City; Bispo Ronald Gilmore, Bispo de Dodge City; Bispo Paul Coakley, Bispo de Salina; O bispo Michael Jackels, bispo de Wichita, publicou um novo guia para o eleitor cristão insistindo que favorecer os candidatos que apóiam o aborto pelo voto “é moralmente errado”. No documento conjunto, eles afirmam que os eleitores católicos que apóiam candidatos a favor do aborto, da eutanásia ou da pesquisa com embriões “cometem um mal moral” (o pecado da cooperação para o mal).

O documento prossegue afirmando que, apesar das outras razões que os eleitores possam ter, eles não deveriam votar em candidatos favoráveis ​​”ao aborto, à eutanásia, ao suicídio assistido, à destruição de embriões humanos na pesquisa de células-tronco e clonagem”, caso contrário, eles fariam estar cooperando com o mal.

Alguns eleitores católicos, diz Life News, justificam seu apoio aos candidatos ao aborto, como Barack Obama, justificando que eles parecem estar mais próximos da doutrina católica em questões sociais.

No entanto, os bispos do Kansas insistem que o aborto, a eutanásia e a experimentação com embriões humanos são “atos que constituem um ataque à vida humana inocente e são intrinsecamente maus, ou seja, são maus em si mesmos, independentemente de nossas opiniões ou outras circunstâncias. ”

“Diante disso, cooperamos para o mal moral se votarmos em um candidato que tem uma postura permissiva com relação a ações intrinsecamente más.”

Lembramos as declarações de muitos bispos americanos a partir do ano 2000: “a posição sobre o aborto é um fator determinante que qualifica ou desqualifica um candidato para receber o voto dos católicos, porque sem desvirtuar outros temas da doutrina social da Igreja, o o assassinato de um nascituro afeta o primeiro dos direitos humanos – o direito à vida – do qual dependem todos os outros direitos. O magistério dos bispos não favorece nem se opõe a nenhum partido, mas no cumprimento do seu mandato apostólico, orienta os fiéis sobre como julgar no momento de votar ”(cfr. NG 799).

Observe também a carta dirigida pelo então Cardeal Ratzinger ao Cardeal Theodore McCarrick, Arcebispo de Washington, por ocasião da Assembleia da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, realizada em Denver, de 14 a 19 de junho de 2004, na qual foi afirmou expressamente: “Pode haver uma legítima diversidade de opiniões entre os católicos sobre ir à guerra e aplicar a pena de morte, mas não, no entanto, no que diz respeito ao aborto e à eutanásia” (ver NG 664).

Os Bispos do Kansas continuam: “Quando você não pode eleger nenhum candidato que evite apoiar todas as ações intrinsecamente más, devemos votar de forma a permitir o mínimo de dano à vida humana inocente e à sua dignidade. não agiríamos de forma imoral se tivéssemos que votar em um candidato que não é totalmente aceitável moralmente para derrotar aqueles que são uma ameaça ainda maior à vida e à dignidade humana ”, concluem. END, 14-08-08

______________________________ __

GLOBAL NEWS é um boletim informativo sobre temas que se relacionam à PROMOÇÃO E DEFESA DA VIDA HUMANA E DA FAMÍLIA. Editor: Pbro. Dr. Juan Claudio Sanahuja; E-mail: notícias globais @ noticiasglobales.org; http://www.noticiasglobales.org;

Citando a fonte e o nome do autor, fica autorizada a reprodução total ou parcial dos artigos contidos em cada número da newsletter.

Compartilhe a Divina Vontade