Você consegue ignorar uma Revelação particular?

VOCÊ PODE IGNORAR A REVELAÇÃO PRIVADA?

Os que caíram neste mundanismo olham de cima e de longe,
rejeitam a profecia de seus irmãos e irmãs …

—Papa Francisco,  Evangelii Gaudium , n. 97

 

COM  os acontecimentos dos últimos meses, tem havido uma enxurrada das chamadas revelações “privadas” ou proféticas na esfera católica. Isso levou a reafirmar a noção de que não é preciso acreditar em revelações privadas. Isso é verdade? Embora eu tenha coberto este tópico antes, vou responder com autoridade e ao ponto para que você possa transmitir isso para aqueles que estão confusos sobre este assunto.  

 

O SKINNY NA PROFECIA

Você pode ignorar a chamada revelação “privada”? Não. Ignorar Deus, se Ele está realmente falando, é imprudente, para dizer o mínimo. São Paulo foi claro:

Não despreze as declarações proféticas. Teste tudo; retenha o que é bom. (1 Tes 5:20)

A revelação privada é necessária para a salvação? Não – estritamente falando. Tudo o que é necessário já foi revelado na Revelação Pública (ou seja, o “depósito da fé”):

Ao longo dos tempos, houve as chamadas revelações “privadas”, algumas das quais foram reconhecidas pela autoridade da Igreja. Eles não pertencem, porém, ao depósito da fé. Não lhes compete melhorar ou completar a Revelação definitiva de Cristo, mas ajudar a vivê-la mais plenamente em um determinado período da história. Guiado pelo Magistério da Igreja, o sensus fidelium sabe discernir e acolher nestas revelações tudo o que constitui um autêntico apelo de Cristo ou dos seus santos à Igreja.  Catecismo da Igreja Católica,  n. 67

Isso não significa que posso simplesmente “passar” toda essa aparição, coisa de vidente mística?  Não. Não se pode simplesmente jogar fora a revelação privada como uma mosca no peitoril da janela. Dos próprios papas:

Exortamos-vos a ouvir com simplicidade de coração e sinceridade de espírito as advertências salutares da Mãe de Deus … Os Romanos Pontífices … Se são instituídos os guardiães e intérpretes da Revelação divina, contida na Sagrada Escritura e na Tradição, também a tomam como seu dever de recomendar à atenção dos fiéis – quando, após exame responsável, eles julgam para o bem comum – as luzes sobrenaturais que aprouve a Deus dispensar livremente a certas almas privilegiadas, não para propor novas doutrinas, mas para guie-nos em nossa conduta. —Papa São João XXIII, Papal Radio Message, 18 de fevereiro de 1959; L’Osservatore Romano

Sobre o destinatário individual da revelação divina, o Papa Bento XIV disse:

São aqueles a quem é feita uma revelação e que estão certos de que vem de Deus, obrigados a dar um assentimento firme a ela? A resposta é afirmativa …  – Heroic Virtue , Vol III, p.390

Quanto ao resto de nós, ele passa a dizer:

Aquele a quem essa revelação privada é proposta e anunciada, deve crer e obedecer ao mandamento ou mensagem de Deus, se for proposta a ele com base em evidências suficientes … Pois Deus fala com ele, pelo menos por meio de outro, e portanto o exige acreditar; daí é que ele é obrigado a acreditar em Deus, que requer que ele o faça. —Ibid. p. 394

Sobre o que é incerto, porém, ele acrescenta:

Pode-se recusar o assentimento à “revelação privada” sem prejuízo direto à fé católica, contanto que o faça, “modestamente, não sem razão e sem desprezo”. —Ibid. p. 397; Revelação Privada: Discernindo com a Igreja , Dr. Mark Miravalle, pg. 38

 

A LINHA INFERIOR

Pode alguma coisa que Deus diga ser sem importância? Nas palavras do teólogo Hans Urs von Balthasar:

Portanto, podemos simplesmente perguntar por que Deus fornece [revelações] continuamente [em primeiro lugar, se] elas dificilmente precisam ser atendidas pela Igreja. – Mistica oggettiva, n. 35

“Profecia”, disse o cardeal Ratzinger pouco antes de se tornar papa, “não significa prever o futuro, mas explicar a vontade de Deus para o presente e, portanto, mostrar o caminho certo a seguir para o futuro”.  E ainda,

O profeta é alguém que fala a verdade pela força do seu contato com Deus – a verdade de hoje, que também, naturalmente, ilumina o futuro. – Cardeal Joseph Ratzinger (PAPA BENTO XVI),  Christian Prophecy, The Post-Biblical Tradition,  Niels Christian Hvidt, Prefácio, p. vii

Por isso, eu vos digo: todo pecado e toda blasfêmia serão perdoados aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito Santo não lhes será perdoada. Mateus 12,31

Todo aquele que tiver falado contra o Filho do Homem será perdoado. Se, porém, falar contra o Espírito Santo, não alcançará perdão nem neste século, nem no século vindouro. Mateus 12,33

Em outras palavras, deve interessar a todos o caminho que nós, como Igreja e indivíduos, devemos tomar – particularmente nesta hora negra no mundo em que Jesus (em uma revelação aprovada) disse: estamos vivendo em um “tempo de misericórdia”. Mas contra o Espírito Santo, não tem perdão. Jesus é exato nessa sentença. 

Se a Revelação Pública é como um carro, a profecia são os faróis. Dirigir no escuro não é recomendado. 

Em todas as épocas, a Igreja recebeu o carisma da profecia, que deve ser examinado, mas não desprezado. —Cardinal Ratzinger (BENTO XVI), Mensagem de Fátima, Comentário Teológico , www.vatican.va

Can You Ignore Private Revelation?

Fonte:

Compartilhe a Divina Vontade