Filiação Verdadeira


FILIAÇÃO VERDADEIRA por Mark Mallet

 

 que significa que Jesus deseja restaurar à humanidade o “dom de viver na vontade divina”? Entre outras coisas, é a restauração da  verdadeira filiação. Deixe-me explicar…

 

OS FILHOS NATURAIS

Fui abençoado por me casar com uma família de fazendeiros. Tenho lembranças maravilhosas trabalhando ao lado do meu sogro, seja alimentando o gado ou fixando uma linha de cercas. Sempre ansiosa para ajudá-lo, eu me concentrei em fazer o que ele pedisse – mas muitas vezes com muita ajuda e orientação.

Quando se tratava de meus cunhados, no entanto, era uma história diferente. Fiquei espantado com o modo como eles podiam praticamente ler a mente do pai para resolver um problema, propor uma solução ou inovar no local com muitas vezes poucas palavras ditas entre eles. Mesmo depois de fazer parte da família há anos e aprender algumas das rotinas, nunca consegui adquirir a  intuição que  eles tinham como filhos naturais de seu pai. Eles eram como extensões de sua vontade, que simplesmente assumiram seus pensamentos e os colocaram em ação … enquanto eu fiquei ali parado, imaginando o que era essa comunicação aparentemente secreta!

Além disso, como filhos naturais, eles têm direitos e privilégios com o pai que eu não. Eles são os herdeiros de sua herança. Eles possuem uma memória de sua herança. Como progênie, eles também desfrutam de uma certa intimidade filial (embora muitas vezes eu roube mais abraços do meu sogro do que qualquer outra pessoa). Sou mais ou menos um filho adotivo …

 

OS FILHOS ADOTADOS

Se através do casamento eu me tornei um filho “adotado”, por assim dizer, é através do batismo que nos tornamos filhos e filhas adotados do Altíssimo.

Pois você não recebeu um espírito de escravidão para voltar ao medo, mas recebeu um espírito de adoção, através do qual clamamos: “Abba, pai!” … [que] nos concedeu as preciosas e muito grandes promessas, então para que através deles você possa participar da natureza divina … (Romanos 8:15, 2 Pedro 1: 4)

No entanto, nestes últimos tempos, o que Deus começou no batismo Ele agora deseja  concluir na terra como parte da plenitude de Seu plano, dando à Igreja o “Dom” da filiação plena. Como o teólogo Rev. Joseph Iannuzzi explica:

… apesar da redenção de Cristo, os remidos não possuem necessariamente os direitos do Pai e reinam com ele. Embora Jesus tenha se tornado homem para dar a todos que o recebem o poder de se tornar filhos de Deus e se tornado o primogênito de muitos irmãos, pelos quais eles podem chamá-lo de Deus seu Pai, os redimidos não pelo batismo possuem plenamente os direitos do Pai como Jesus e Mary fez. Jesus e Maria gozavam de todos os direitos de uma filiação natural, isto é, de cooperação perfeita e ininterrupta com a Vontade Divina … – O dom de viver na Vontade Divina nos escritos de Luisa Piccarreta

São João Eudes afirma esta realidade:

Pois os mistérios de Jesus ainda não estão completamente aperfeiçoados e realizados. Eles são completos, de fato, na pessoa de Jesus, mas não em nós, que são seus membros, nem na Igreja, que é seu corpo místico. – St. John Eudes, tratado “Sobre o Reino de Jesus”, Liturgia das Horas , Vol. IV, p 559

O que foi “completamente aperfeiçoado e realizado” em Jesus foi a “união hipostática” de sua vontade humana com a Vontade Divina. Dessa maneira, Jesus sempre e em toda parte compartilhou a  vida interior  do Pai e, portanto, todos os direitos e bênçãos que isso implicava. De fato, Adão prelapsariano também compartilhou a vida interior da Trindade porque ele possuía  a Vontade Divina no vazio de sua vontade humana, de tal forma que ele participou plenamente  do poder, luz e vida de seu Criador, administrando essas bênçãos por toda a criação como embora ele fosse “rei da criação”. [1]

No entanto, após a queda, Adam perdeu essa posse; ele ainda era capaz de  fazer  a vontade de Deus, mas não era mais capaz de possuí- la (e, portanto, todos os direitos que lhe davam) em sua natureza humana ferida.

Após o ato de redenção de Cristo, os portões do céu foram abertos; os pecados da humanidade poderiam ser perdoados e os sacramentos permitiriam que os crentes se tornassem membros da família do pai. Através do poder do Espírito Santo, as almas podiam conquistar sua carne, conformar sua vontade à de Deus e habitar nEle de maneira a chegar a uma certa perfeição e união interior, mesmo na terra. Em nossa analogia, isso seria comparável a eu fazer os desejos do meu sogro perfeitamente e com amor completo . No entanto, mesmo isso ainda não concederia  os mesmos direitos e privilégios ou bênçãos e participaria de sua paternidade como seus próprios filhos naturais.

 

UMA NOVA GRAÇA PELOS ÚLTIMOS TEMPOS

Agora, como os místicos do século XX, como a Beata Dina Belanger, São Pio, Venerável Conchita, Serva de Deus Luisa Piccarreta etc., revelaram, o Pai de fato deseja restaurar à Igreja na terra   esse “presente de Viver no Vontade Divina ”como o estágio final de sua preparação.  Esse presente seria semelhante ao meu sogro me dando por  favor  (a palavra grega charis  significa favor ou “graça”) e  infundiu conhecimento  que seus próprios filhos receberam pela  natureza. 

Se o Antigo Testamento concedeu à alma a filiação da “escravidão” à lei e o Batismo a filiação da “adoção” em Jesus Cristo, com o dom de Viver na Divina Vontade Deus concede à alma a filiação da “possessão” que admite que “concorde em tudo o que Deus faz” e participe dos direitos de todas as suas bênçãos. À alma que deseja livre e amorosamente viver na Vontade Divina, obedecendo-a fielmente com um “ato firme e resoluto”, Deus concede a ela a filiação da possessão . – O dom de viver na vontade divina nos escritos de Luisa Piccarreta , Rev. Joseph Iannuzzi, (Locais Kindle 3077-3088), Edição Kindle

Isso é para cumprir as palavras do “Pai Nosso”, nas quais temos implorado que o Seu “Reino venha e será feito na Terra como no céu”.  É entrar no “modo eterno” de Deus através da posse da Vontade Divina e, assim, gozar pela graça  dos mesmos direitos e privilégios, poder e vida que são da natureza de Cristo .

Naquele dia, você perguntará em meu nome e eu não lhe digo que pedirei ao Pai por você. (João 16:26)

Como Santa Faustina testemunhou depois de receber o presente:

Cheguei a entender os favores inconcebíveis que Deus me concedia … senti que tudo o que o Pai celestial possuía era igualmente meu … “Todo o meu ser está mergulhado em Ti, e vivo Sua vida divina como os eleitos no céu …” – Divina Misericórdia em Minha Alma, Diário, n. 1279, 1395

De fato, é também para realizar  na terra  a união interior que os abençoados no Céu desfrutam agora (isto é, todos os direitos e bênçãos da verdadeira filiação), mas sem a visão beatífica. Como Jesus disse a Luisa:

Minha filha, vivendo em Minha Vontade, é a vida que mais se assemelha à [vida dos] abençoados no céu. É tão distante de alguém que simplesmente se conforma à Minha Vontade e o faz, executando fielmente suas ordens. A distância entre os dois é tão distante quanto a do céu da terra, tanto quanto a de um filho de um servo e um rei de seu súdito. – O dom de viver na vontade divina nos escritos de Luisa Piccarreta, Rev. Joseph Iannuzzi, 

Ou, talvez, a diferença entre um genro e um filho:

Para viver na Minha Vontade é a reinar nela e com ela, quando para fazer a Minha Vontade é para ser submetido a minhas ordens. O primeiro estado é possuir; o segundo é receber disposições e executar comandos. Para viver na Minha Vontade é fazer a Minha Vontade do próprio, como a própria propriedade, e para eles para administrá-lo como eles pretendem. – Jesus a Luisa, o dom de viver na vontade divina nos escritos de Luisa Piccarreta, Rev. Joseph Iannuzzi,  4.1.2.1.4

Da grande dignidade que o Pai deseja restaurar para nós, Jesus disse à Bem-aventurada Dina que queria divinizá-la “ da mesma maneira que uni Minha humanidade à Minha divindade… Você não me possuirá mais completamente no céu… porque Eu te absorvi totalmente. ” [2] Depois de receber o presente, ela escreveu:

Esta manhã, recebi uma graça especial que acho difícil de descrever. Eu me senti envolvido em Deus, como se estivesse no “modo eterno”, que está em um estado permanente e imutável … Sinto que estou continuamente na presença da adorável Trindade … minha alma pode habitar no céu, viver lá sem retroceder. olhar para a terra e continuar a animar meu ser material.  – A coroa da santidade: Sobre as revelações de Jesus a Luisa Piccarreta, Daniel O’Connor (pp. 160-161), Kindle Edition

 

PORQUE AGORA?

Jesus explica o propósito deste presente reservado para estes “tempos do fim”:

A alma deve se transformar em Mim e se tornar uma semelhança comigo; deve tornar minha vida própria; Minhas orações, Meus gemidos de amor, Minhas dores, Meu coração ardente bate o seu próprio … Desejo, portanto, que Meus filhos entrem na Minha humanidade e reconstituam o que a alma da Minha humanidade fez na Vontade Divina … Elevando-se acima de todas as criaturas, eles restaurarão reivindicações legítimas da criação – Minhas próprias [reivindicações legítimas], bem como as das criaturas. Eles trarão todas as coisas à origem primordial da criação e ao propósito para o qual a criação veio a ser … Assim terei o exército de almas que viverão em Minha Vontade, e nelas a criação será reintegrada, tão bela e justa quanto quando saiu das minhas mãos. – O dom de viver na vontade divina nos escritos de Luisa Piccarreta, Rev. Joseph Iannuzzi, (Locais 3100-3107 do Kindle), edição Kindle.

Sim, este é o trabalho da Pequena Raivosa de  Nossa Senhora :  liderar o caminho, primeiro reivindicando nossa verdadeira filiação por meio do Dom que o céu nos oferece agora, de acordo com a própria oração de Cristo.

Eu lhes dei a glória que você me deu, para que sejam um, como nós somos um, eu neles e você em mim, para que sejam aperfeiçoados como um só … (João 17: 22-23)

Se a criação caiu em desordem através da desobediência de Adão, é pela restauração da Vontade Divina em “Adão” que a criação será reordenada. Vale a pena repetir:

“Toda a criação”, disse São Paulo, “geme e trabalha até agora”, aguardando os esforços redentores de Cristo para restaurar o relacionamento adequado entre Deus e sua criação. Mas o ato redentor de Cristo por si só não restaurou todas as coisas, simplesmente tornou possível o trabalho de redenção, iniciou nossa redenção. Assim como todos os homens compartilham a desobediência de Adão, todos os homens devem compartilhar a obediência de Cristo à vontade do Pai. A redenção estará completa somente quando todos os homens compartilharem sua obediência … – Servo de Deus Walter Ciszek, He Leadeth Me (São Francisco: Ignatius Press, 1995), pp. 116-117

Através da recuperação da verdadeira filiação, esses filhos e filhas ajudarão a restaurar a harmonia original do Éden, “assumindo nossa humanidade através de uma união que é a imagem da União Hipostática”. [3]

Daí resulta que restaurar todas as coisas em Cristo e levar os homens de volta à submissão a Deus é o mesmo objetivo. – PAPA ST. PIO X,  E Supremi ,  n. 8

Como o cardeal Raymond Burke resumiu tão bem:

… em Cristo é realizada a ordem correta de todas as coisas, a união do céu e da terra, como Deus Pai pretendia desde o princípio. É a obediência de Deus, o Filho Encarnado, que restabelece, restaura a comunhão original do homem com Deus e, portanto, a paz no mundo. Sua obediência une mais uma vez todas as coisas, ‘coisas no céu e coisas na terra’. Cardeal Raymond Burke, discurso em Roma; 18 de maio de 2018, lifesitnews.com

Assim,  é compartilhando Sua obediência  que recuperamos a verdadeira filiação, com ramificações cosmológicas:

… É a ação completa do plano original do Criador delineado: uma criação na qual Deus e homem, homem e mulher, humanidade e natureza estão em harmonia, em diálogo, em comunhão. Esse plano, perturbado pelo pecado, foi adotado de uma maneira mais maravilhosa por Cristo, que o realiza misteriosamente, mas efetivamente, na realidade presente, na expectativa de  realizá- lo … —POPE JOÃO PAULO II, Audiência Geral, fevereiro 14, 2001

Quando? No fim dos tempos no céu? Não. Na “realidade presente” dentro do tempo, mas particularmente durante uma “era de paz” que virá, quando o Reino de Cristo reinará “na terra como no céu” por meio de Seus santos dos últimos dias 

… eles reinaram com Cristo por mil anos. (Ap 20: 4; “mil” é a linguagem simbólica por um período de tempo)

Confessamos que um reino nos é prometido na terra, embora antes do céu, apenas em outro estado de existência … –  Tertuliano (155-240 dC), Pai Niceno da Igreja; Adversus Marcion , Pais Ante-Nicene, Henrickson Publishers, 1995, vol. 3, pp. 342-343)

Não é verdade que sua vontade deve ser feita na terra como no céu? Não é verdade que seu reino deve vir? Você não deu a algumas almas, querida, uma visão da futura renovação da Igreja?  – St. Louis de Montfort, Oração para Missionários , n. 5; www.ewtn.com

Uma renovação que ocorrerá quando o Militante da Igreja reivindicar sua verdadeira filiação .

Fonte:https://www.markmallett.com/blog/true-sonship/


Compartilhe a Divina Vontade