OS PAPAS E A ERA DA PAZ


OS PAPAS E A ERA DO AMANHECER

Foto, Max Rossi/Reuters

 

Não há dúvida de que os pontífices do século passado exerceram seu ofício profético para despertar os crentes para o drama que se desenrola em nossos dias. É uma batalha decisiva entre a cultura da vida e a cultura da morte… a mulher vestida de sol – em trabalho de parto  para dar à luz uma nova era – contra  o dragão que procura destruí -lo, se não tentar estabelecer seu próprio reino e “nova era” (veja Ap 12:1-4; 13:2). Mas enquanto sabemos que Satanás falhará, Cristo não. O grande santo mariano, Luís de Montfort, o enquadra bem:

 

Seus mandamentos divinos são quebrados, seu Evangelho é jogado de lado, torrentes de iniqüidade inundam toda a terra levando até mesmo seus servos… Tudo chegará ao mesmo fim que Sodoma e Gomorra? Você nunca vai quebrar o seu silêncio? Você vai tolerar tudo isso para sempre? Não é verdade que sua vontade deve ser feita na terra como no céu? Não é verdade que seu reino deve vir? Você não deu a algumas almas, queridas para você, uma visão da futura renovação da Igreja?  —St. Louis de Montfort, Oração pelos Missionários , n. 5; www.ewtn.com

Falando em uma declaração informal dada a um grupo de católicos alemães em 1980, o Papa João Paulo falou desta próxima renovação da Igreja:

Devemos estar preparados para passar por grandes provações em um futuro não muito distante; provações que exigirão que desistamos até de nossas vidas, e um dom total de nós mesmos a Cristo e por Cristo. Por meio de suas orações e minhas, é possível aliviar esta tribulação, mas não é mais possível evitá-la, porque só assim a Igreja pode ser efetivamente renovada. Quantas vezes, de fato, a renovação da Igreja foi efetuada com sangue? Desta vez, novamente, não será de outra forma. —Regis Scanlon, “Flood and Fire”, Homiletic & Pastoral Review , abril de 1994

“O sangue dos mártires é a semente da Igreja”, disse o antigo Padre da Igreja, Tertuliano. [1] Daí, novamente, a razão deste site: preparar o leitor para os dias que nos esperam. Esses tempos tinham que vir, por alguma geração, e pode muito bem ser o nosso.

As profecias mais notáveis ​​sobre os “últimos tempos” parecem ter um fim comum, anunciar grandes calamidades iminentes sobre a humanidade, o triunfo da Igreja e a renovação do mundo. — Enciclopédia Católica , Profecia, www.newadvent.org

A visão mais autorizada, e a que parece estar mais em harmonia com a Sagrada Escritura, é que, após a queda do Anticristo, a Igreja Católica entrará novamente em um período de prosperidade e triunfo. — O Fim do Mundo Presente e os Mistérios da Vida Futura , Pe. Charles Arminjon (1824-1885), p. 56-57; Imprensa Instituto Sophia

Então são, acima de tudo, tempos de esperança. Estamos passando de um longo inverno espiritual para o que nossos papas recentes chamaram de “nova primavera”. Estamos, disse São João Paulo II, “cruzando o limiar da esperança”.

[João Paulo II] tem, de fato, uma grande expectativa de que o milênio de divisões seja seguido por um milênio de unificações… se transformou em um novo começo.   —Cardeal Joseph Ratzinger (PAPA BENTO XVI), Sal da Terra, Entrevista com Peter Seewald, p. 237

Após a purificação através de provações e sofrimentos, o alvorecer de uma nova era está prestes a romper.  PAPA S. JOÃO PAULO II, Audiência Geral, 10 de setembro de 2003

O LIMIAR DE UMA NOVA ERA

Enquanto eu estava reunido com centenas de milhares de pessoas na Jornada Mundial da Juventude em Toronto, Canadá, em 2002, ouvimos João Paulo II nos chamar para sermos “vigias da manhã” deste “novo começo” antecipado:

Os jovens mostraram-se para Roma e para a Igreja um dom especial do Espírito de Deus… sentinelas” no alvorecer do novo milênio. —PAPA JOÃO PAULO II, Novo Millennio Inuente , n.9

…vigias que anunciam ao mundo uma nova aurora de esperança, fraternidade e paz. —PAPA JOÃO PAULO II, Discurso ao Movimento Juvenil Guanelli, 20 de abril de 2002, www.vatican.va

Bento XVI continuou este apelo aos jovens em uma mensagem que descreve com mais detalhes esta vindoura ‘nova era’ (a ser diferenciada da falsa espiritualidade da ‘nova era’ predominante hoje):

Fortalecidos pelo Espírito e com base na rica visão da fé, uma nova geração de cristãos está sendo chamada para ajudar a construir um mundo no qual o dom da vida de Deus seja bem-vindo, respeitado e valorizado – não rejeitado, temido como uma ameaça e destruído. Uma nova era em que o amor não seja ganancioso ou egoísta, mas puro, fiel e genuinamente livre, aberto aos outros, respeitoso de sua dignidade, buscando seu bem, irradiando alegria e beleza. Uma nova era em que a esperança nos liberta da superficialidade, apatia e auto-absorção que amortecem nossas almas e envenenam nossos relacionamentos. Queridos jovens amigos, o Senhor está pedindo a vocês que sejam profetas desta nova era… — PAPA BENTO XVI, Homilia, Jornada Mundial da Juventude, Sydney, Austrália, 20 de julho de 2008

Ele se referiu a esta nova era novamente ao falar ao povo do Reino Unido em sua visita lá:

Esta nação, e a Europa que [São] Beda e seus contemporâneos ajudaram a construir, estão mais uma vez no limiar de uma nova era . — PAPA BENTO XVI, Discurso na Celebração Ecumênica, Londres, Inglaterra; 1º de setembro de 2010; Zenit.org

Essa “nova era” foi algo que ele previu em 1969, quando profetizou em uma entrevista de rádio:

Da crise de hoje emergirá a Igreja de amanhã — uma Igreja que perdeu muito. Ela se tornará pequena e terá que recomeçar mais ou menos desde o início. Ela não poderá mais habitar muitos dos edifícios que construiu na prosperidade. À medida que o número de seus adeptos diminui, também perderá muitos de seus privilégios sociais… O processo será ainda mais árduo, pois a estreiteza sectária e a obstinação pomposa terão que ser abandonadas… essa peneiração já passou, um grande poder fluirá de uma Igreja mais espiritualizada e simplificada. —Cardeal Ratzinger (PAPA BENTO), “Como será a Igreja em 2000”, sermão de rádio em 1969; Imprensa Inácio ucatholic.com

TRADIÇÃO APOSTÓLICA

Notavelmente, no entanto, é o que os Santos Padres vêm dizendo o tempo todo, especialmente no século passado. Ou seja, João Paulo II e Bento XVI não estão propondo uma única esperança para o futuro, mas construindo sobre essa voz apostólica que realmente chegará um tempo em que o reino espiritual de Cristo será estabelecido, por meio de uma Igreja purificada, até os fins da Terra.

Deus ama todos os homens e mulheres da terra e lhes dá a esperança de uma nova era, uma era de paz. Seu amor, plenamente revelado no Filho Encarnado, é o fundamento da paz universal. Acolhido no íntimo do coração humano, este amor reconcilia as pessoas com Deus e consigo mesmas, renova as relações humanas e desperta aquele desejo de fraternidade capaz de afastar a tentação da violência e da guerra. O Grande Jubileu está inseparavelmente ligado a esta mensagem de amor e reconciliação, mensagem que dá voz às aspirações mais verdadeiras da humanidade de hoje.  —PAPA JOÃO PAULO II, Mensagem do Papa João Paulo II para a Celebração do Dia Mundial da Paz, 1º de janeiro de 2000

O teólogo pontifício de João Paulo II, bem como de Pio XII, João XXIII, Paulo VI e João Paulo I, afirmou que este tão esperado “período de paz” na terra está se aproximando.

Sim, um milagre foi prometido em Fátima, o maior milagre da história do mundo, perdendo apenas para a Ressurreição. E esse milagre será uma era de paz que nunca foi realmente concedida antes ao mundo . —Cardeal Mario Luigi Ciappi, 9 de outubro de 1994,  Catecismo da Família,  p. 35

O Cardeal Ciappi está, portanto, vinculando declarações magistrais anteriores ao Triunfo do Imaculado Coração, que é ao mesmo tempo um triunfo da Igreja.

A Igreja Católica, que é o reino de Cristo na terra, está destinada a ser difundida entre todos os homens e todas as nações… — PAPA PIUS XI, Quas Primas , Encíclica, n. 12, 11 de dezembro de 1925; cf. Mateus 24:14

Finalmente será possível que nossas muitas feridas sejam curadas e toda a justiça brote novamente com a esperança de autoridade restaurada; que os esplendores da paz sejam renovados, e as espadas e os braços caiam das mãos e quando todos os homens reconhecerem o império de Cristo e obedecerem voluntariamente à Sua palavra, e toda língua confessará que o Senhor Jesus está na Glória do Pai. —PAPA LEÃO XIII, Consagração ao Sagrado Coração, maio de 1899

Esta esperança foi reiterada novamente em nossos dias pelo Papa Francisco:

…[a] peregrinação de todo o Povo de Deus; e à sua luz também os outros povos podem caminhar para o Reino da justiça, para o Reino da paz. Que grande dia será, quando as armas serão desmontadas para serem transformadas em instrumentos de trabalho! E isso é possível! Apostamos na esperança, na esperança da paz, e wydpf.jpgserá possível. —PAPA FRANCISCO, Domingo Angelus, 1º de dezembro de 2013; Agência Católica de Notícias , 2 de dezembro de 2013

Como seus predecessores, o Papa Francisco também mantém a esperança de que um “mundo novo” seja possível, onde a Igreja se torne verdadeiramente um lar para o mundo, um povo unificado nascido da Mãe de Deus:

Imploramos a intercessão materna [de Maria] para que a Igreja se torne casa de muitos povos, mãe de todos os povos, e que se abra o caminho para o nascimento de um mundo novo. É Cristo ressuscitado que nos diz, com uma força que nos enche de confiança e esperança inabalável: “Eis que faço novas todas as coisas” (Ap 21,5) . Com Maria avançamos confiantes para o cumprimento desta promessa… — PAPA FRANCISCO, Evangelii Gaudium , n. 288

Uma promessa condicionada à conversão:

A humanidade precisa de justiça, de paz, de amor, e só a terá voltando de todo o coração a Deus, que é a fonte. —PAPA FRANCISCO, no Ângelus dominical, Roma, 22 de fevereiro de 2015; Zenit.org

É consolador e reconfortante ouvir esta antecipação profética de um período global de paz na terra de tantos papas:

“E eles ouvirão a minha voz, e haverá um rebanho e um pastor”. Que Deus… em breve cumpra sua profecia para transformar esta visão consoladora do futuro em uma realidade presente… É tarefa de Deus realizar esta hora feliz e torná-la conhecida de todos… Quando ela chegar, resultará em seja uma hora solene, uma grande com consequências não só para a restauração do Reino de Cristo, mas para a pacificação do… mundo. Oramos com muito fervor e pedimos a outros que também rezem por esta tão desejada pacificação da sociedade. —PAPA PIUS XI, Ubi Arcani dei Consilioi “Sobre a paz de Cristo em seu reino” , 23 de dezembro de 1922

Falando em um documento não menos autoritário do que uma encíclica, o Papa Pio X escreveu:

Oh! quando em cada cidade e aldeia a lei do Senhor for fielmente observada, quando o respeito for demonstrado pelas coisas sagradas, quando os sacramentos forem frequentados e as ordenanças da vida cristã cumpridas, certamente não haverá mais necessidade de trabalharmos mais para ver todas as coisas restauradas em Cristo… E então? Então, finalmente, ficará claro para todos que a Igreja, tal como foi instituída por Cristo, deve gozar de plena e total liberdade e independência de todo domínio estrangeiro… “Ele quebrará as cabeças de seus inimigos”, para que todos possam saibam “que Deus é o rei de toda a terra”, “para que os gentios se reconheçam como homens”. Tudo isso, veneráveis ​​irmãos, cremos e esperamos com fé inabalável. —PAPA PIUS X, E Supremi, Encíclica “Sobre a Restauração de Todas as Coisas” , n.14, 6-7

Ecoando a oração de Jesus pela unificação, “ para que todos sejam um ” (Jo 17,21), Paulo VI assegurou à Igreja que esta unidade viria:

A unidade do mundo será. A dignidade da pessoa humana deve ser reconhecida não apenas formalmente, mas efetivamente. A inviolabilidade da vida, do útero à velhice… Desigualdades sociais indevidas serão superadas. As relações entre os povos serão pacíficas, razoáveis ​​e fraternas. Nem egoísmo, nem arrogância, nem pobreza… [deverão] impedir o estabelecimento de uma verdadeira ordem humana, um bem comum, uma nova civilização. —PAPA PAULO VI, Mensagem Urbi et Orbi, 4 de abril de 1971

Antes dele, o Beato João XXIII elucidou esta visão de uma nova ordem de esperança:

Às vezes temos que ouvir, para nosso pesar, as vozes de pessoas que, embora ardendo de zelo, carecem de senso de discrição e medida. Nesta era moderna, eles não podem ver nada além de prevaricação e ruína… Sentimos que devemos discordar daqueles profetas da desgraça que estão sempre prevendo desastres, como se o fim do mundo estivesse próximo. Nos nossos tempos, a Divina Providência conduz-nos a uma nova ordem de relações humanas que, pelo esforço humano e mesmo para além de todas as expectativas, se dirigem ao cumprimento dos desígnios superiores e inescrutáveis ​​de Deus, em que tudo, mesmo os retrocessos humanos, conduz à bem maior da Igreja. — BEATO JOÃO XXIII, Discurso de Abertura do Concílio Vaticano II, 11 de outubro de 1962; 4, 2-4: AAS 54 (1962), 789

E novamente, antes dele, o Papa Leão XIII também profetizou sobre esta restauração e unidade em Cristo:

Temos tentado e persistentemente realizado durante um longo pontificado para dois fins principais: em primeiro lugar, para a restauração, tanto nos governantes como nos povos, dos princípios da vida cristã na sociedade civil e doméstica, já que não há vida verdadeira para homens exceto de Cristo; e, em segundo lugar, promover a reunião daqueles que se afastaram da Igreja Católica, seja por heresia ou por cisma, pois é indubitavelmente a vontade de Cristo que todos estejam unidos em um rebanho sob um pastor . — Divinum Illud Munus , n. 10

 

SEMENTES DO FUTURO

No Apocalipse de São João, ele fala dessa renovação da Igreja em termos de uma “ressurreição” (Ap 20,1-6). O Papa Pio XII também emprega esta linguagem:

Mas também esta noite no mundo mostra sinais claros de uma aurora que virá, de um novo dia recebendo o beijo de um sol novo e mais resplandecente… Uma nova ressurreição de Jesus é necessária: uma verdadeira ressurreição, que não admite mais senhorio de morte… Em indivíduos, Cristo deve destruir a noite do pecado mortal com a aurora da graça recuperada. Nas famílias, a noite da indiferença e do frescor deve dar lugar ao sol do amor. Nas fábricas, nas cidades, nas nações, em terras de incompreensão e ódio, a noite deve brilhar como o dia, nox sicut dies illuminabitur, e a contenda cessará e haverá paz . —PAPA PIUX XII, endereço Urbi et Orbi , 2 de março de 1957; vaticano.va

Essa “ressurreição”, então, é, em última análise, uma  restauração  da graça na humanidade para que Sua “vontade seja feita na terra como no céu”, como oramos todos os dias.

O próprio Deus providenciou para realizar aquela santidade “nova e divina” com a qual o Espírito Santo deseja enriquecer os cristãos no alvorecer do terceiro milênio, a fim de “fazer de Cristo o coração do mundo”. —PAPA JOÃO PAULO II, Discurso aos Padres Rogacionistas, n. 6, www.vatican.va

Assim, o novo milênio imaginado pelos papas é realmente o cumprimento do Pai Nosso .

…todos os dias na oração do Pai Nosso pedimos ao Senhor: “Seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mt 6,10)…. reconhecemos que “céu” é onde a vontade de Deus é feita, e que “terra” se torna “céu” – isto é, o lugar da presença do amor, da bondade, da verdade e da beleza divina – somente se na terra o vontade de Deus é feita. —PAPA BENTO XVI, Audiência Geral, 1º de fevereiro de 2012, Cidade do Vaticano

 

MARIA… UMA VISÃO DE FUTURO

A Igreja sempre ensinou que a Bem-Aventurada Virgem Maria é mais do que a mãe de Jesus. Como disse Bento XVI:

Santa Maria… tornaste-te imagem da Igreja futura… —Encíclica Spe salvi, n.50

Mas, claramente, os papas não estão sugerindo que sua santidade seja algo que a Igreja realizará apenas no céu. Perfeição? Sim, isso só virá na eternidade. Mas os papas estão falando de uma restauração daquela santidade primordial no Jardim do Éden que foi perdida, e que agora encontramos em Maria. Nas palavras de São Luís de Montfort:

Temos motivos para acreditar que, no final dos tempos e talvez mais cedo do que esperamos, Deus levantará pessoas cheias do Espírito Santo e imbuídas do espírito de Maria. Através deles Maria, Rainha mais poderosa, fará grandes maravilhas no mundo, destruindo o pecado e estabelecendo o Reino de Jesus seu Filho sobre as ruínas do reino corrupto que é esta grande Babilônia terrena. (Ap.18:20) — Tratado sobre a Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem , n. 58-59

Perto do fim do mundo… Deus Todo-Poderoso e Sua Santa Mãe devem levantar grandes santos que superarão em santidade a maioria dos outros santos, tanto quanto os cedros do Líbano se elevam acima dos pequenos arbustos . —Ibidem. n, 47

A Ressurreição, porém, não precede a Cruz. Assim também, como ouvimos, as sementes desta nova primavera para a Igreja serão e estão sendo plantadas neste inverno espiritual. Um novo tempo florescerá, mas não antes que a Igreja tenha sido purificada:

A Igreja será reduzida em suas dimensões, será necessário recomeçar. No entanto, desta prova sairá uma Igreja que terá sido fortalecida pelo processo de simplificação que experimentou, pela sua renovada capacidade de olhar para dentro de si… a Igreja será numericamente reduzida. —Cardeal Ratzinger (PAPA BENTO XVI), Deus e o Mundo , 2001; Entrevista com Peter Seewald

O ‘teste’ pode muito bem ser aquele mencionado no Catecismo da Igreja Católica :

Antes da segunda vinda de Cristo, a Igreja deve passar por uma prova final que abalará a fé de muitos crentes. A perseguição que acompanha sua peregrinação na terra revelará o “mistério da iniqüidade” na forma de um engano religioso oferecendo aos homens uma solução aparente para seus problemas ao preço da apostasia da verdade … O engano do Anticristo já começa a tomar forma no mundo toda vez que se pretende realizar na história aquela esperança messiânica que só pode ser realizada além da história através do juízo escatológico.  CCC 675, 676

Claramente, então, os papas não estão falando de um reino político em estilo milenar, mas de uma renovação espiritual da Igreja que impactará até mesmo a própria criação antes do “fim”.

Assim se delineia a plena ação do projeto original do Criador: uma criação na qual Deus e homem, homem e mulher, humanidade e natureza estão em harmonia, em diálogo, em comunhão. Este plano, transtornado pelo pecado, foi assumido de maneira mais admirável por Cristo, que o realiza misteriosamente, mas efetivamente na realidade presente, na expectativa de realizá-lo…  — PAPA JOÃO PAULO II, Audiência Geral, fevereiro 14, 2001

Esta é a nossa grande esperança e a nossa invocação: ‘Venha o teu Reino!’ — um Reino de paz, justiça e serenidade, que restabelecerá a harmonia original da criação. —ST. PAPA JOÃO PAULO II, Audiência Geral, 6 de novembro de 2002, Zenit

 

O CONFRONTO FINAL

Talvez, como em nenhuma outra época nos últimos 2.000 anos, o messianismo secular tenha prevalecido tanto. Tecnologia, ambientalismo e o direito de tirar a vida de outra pessoa – ou a própria – tornaram-se a “esperança do futuro”, em vez de Deus e uma verdadeira civilização de amor construída sobre Sua ordem. Assim, estamos de fato “enfrentando o confronto final” com o espírito desta época. O Papa Paulo VI parecia compreender as dimensões necessárias, mas esperançosas, desse confronto quando canonizou os mártires de Uganda em 1964:

Esses mártires africanos anunciam o alvorecer de uma nova era. Se ao menos a mente do homem pudesse ser direcionada não para perseguições e conflitos religiosos, mas para um renascimento do cristianismo e da civilização! — Liturgia das Horas, Vol. III, pág. 1453, Memorial de Charles Lwanga e Companheiros

Que amanheça para todos o tempo da paz e da liberdade, o tempo da verdade, da justiça e da esperança. —PAPA JOÃO PAULO II, Mensagem de rádio, Cidade do Vaticano, 1981

 

 

Compartilhe a Divina Vontade