#43 MEDITAÇÃO INICIANTES – TRANSIÇÃO DA VIDA HUMANA À VIDA DIVINA


176) ( Apenas naquela manhã era o primeiro dia do ano ) . Então ela aproximou seus lábios muito puros dos meus e derramou um leite muito doce, me beijou, tirou um anel de dentro de seu flanco e me disse:

(177) “Hoje quero mostrar-lhe o anel que preparei para você quando se casar.” Então ele me disse: “Diga ao confessor que é Minha Vontade que você continue na cama, e como sinal de que sou Eu, diga a ele que há guerra entre a Itália e a África, e que se ele lhe der a obediência para que você continue a sofrer, eu não vou deixar você fazer isso.” nada para ambas as partes, elas ficarão em paz”.

(178) No momento mesmo de dizer estas palavras, senti-me cercado de sofrimentos como se por um vestido, e sozinho não consegui me libertar, pensei comigo mesmo: “O que dirá o confessor?” Mas não estava mais em meu poder. Aquele leite que Jesus derramou em mim produziu tanto amor por Ele que me senti definhando, e me senti tão cheio e doce, que depois que o confessor veio e me trouxe de volta daquele estado, e a família me trouxe comida, me senti tão satisfeito que a comida não descesse, mas para cumprir a obediência que eu queria, demorei um pouco, mas logo fui obrigado a devolver, misturado com aquele doce de leite que Jesus me dera. e ele, como se estivesse brincando, me disse:

(179) “O que eu te dei não é suficiente? Você ainda não está feliz?” Corei todo, mas rapidamente disse: “O que você quer de mim? É obediência.” Quando o confessor chegou, começou a ficar inquieto e me disse que eu era desobediente, ou então me disse: “É uma doença. Se fosse coisa de Deus, ele teria feito você obedecer, por isso, em vez de chamar o confessor, você deveria chamar os médicos”. Quando ele terminou de falar, contei-lhe tudo o que o Senhor me havia dito, como disse acima, e ele me disse que era verdade que havia guerra entre a África e a Itália, e ele disse: Vamos ver se nada acontece”. E assim ele foi persuadido a me fazer continuar a sofrer.

(180) Passados ​​cerca de quatro meses, um dia veio o confessor e disse-me que tinha chegado a notícia de que a guerra entre a África e a Itália, sem prejuízo mútuo, tinha terminado, assinando a paz. Assim o confessor ficou mais convencido e me deixou ficar em paz

(181) Então meu doce Jesus não fez nada além de me preparar para aquele noivado místico que Ele me havia prometido, Ele se fez visto enquanto eu estava naquele estado, às vezes três ou quatro vezes por dia, como quisesse, e às vezes era um idas e vindas contínuas, parecia-me um amante que não sabe ficar sem a mulher, assim fazia Jesus comigo, e às vezes até me dizia:

(182) “Olha, eu te amo tanto que não sei como ser se não vier, sinto-me quase incomodado pensando que você está sofrendo por Mim e que está sozinho, por isso vim para ver se você precisa de alguma coisa”.

(183) E enquanto ele dizia isso, ele mesmo levantou minha cabeça, colocou o braço atrás do meu pescoço e me abraçou, e enquanto ele me segurava assim, ele me beijou, e se era verão e estava quente, da boca ele mandava um hálito refrescante, ou pegava algo na mão e me abanava e depois me perguntava:

(184) “Como você se sente? Você não está se sentindo melhor?”

(185) Eu costumava dizer-lhe: “De qualquer forma que estejas contigo, estás sempre bem”. Outras vezes eu vinha, e se me via muito fraco por continuar naqueles sofrimentos, principalmente se o confessor viesse à noite, meu amado Jesus vinha, e me vendo naquele estado de extrema debilidade, tanto que às vezes Eu tinha vontade de morrer, Ele se aproximava de mim e de sua boca derramava aquele leite na minha, ou então me fazia deitar ao lado dele e eu chupava torrentes de doçura, delícias e força, e ele dizia para Eu:

(186) “Eu realmente quero ser seu tudo, e também seu alimento para alma e corpo.”

(187) Quem pode dizer o que experimentei, tanto na alma como no corpo, por causa dessas graças que Jesus fez por mim? Se eu quisesse dizer isso, eu expandiria demais. Lembro-me que às vezes quando Ele não vinha logo, eu lamentava com Ele dizendo: “Ah, Santo Esposo, como me fizeste esperar, tanto que não pude resistir mais, tive vontade de morrer sem Ti”. E enquanto ele dizia isso, a dor era tão grande que eu senti que estava chorando, e Ele todo sentiu pena de mim, enxugou minhas lágrimas, me beijou, me abraçou e disse:

(188) “Eu não quero que você chore. Olha, eu estou com você agora, me diga o que você quer.”

(189) Eu lhe disse: “Não quero mais nada além de você, e só vou parar de chorar quando você me prometer que não vai me fazer esperar tanto”.

(190) E Ele me disse: “Sim, sim, eu te farei feliz”.

(191) Um dia, enquanto fazíamos isso e era tão triste que eu sentia que não conseguia parar de chorar, meu bom Jesus me disse:

(192) “Quero agradá-lo em tudo, sinto-me tão atraído por você que não posso fazer menos do que fazer o que você quer. Se até agora eu tirei sua vida externa e me manifestei a você, agora quero atrair sua alma para Mim, para que onde quer que eu vá você possa vir junto a Mim, assim você poderá desfrutar mais de Mim e abraçar Eu mais intimamente, o que você não fez no passado.”

Compartilhe a Divina Vontade