#42 MEDITAÇÃO INICIANTES – TRANSIÇÃO DA VIDA HUMANA À VIDA DIVINA


LIVRO DO CÉU VOLUME 1

(168) E continuou me dizendo: “Quero de ti perfeita conformidade com a minha Vontade, de modo a desfazer a tua vontade na minha, absoluto desapego de tudo, tanto que quero que tudo o que é terra seja mantido por você como estrume e podridão que dá horror só de olhar, e isso porque as coisas terrenas, mesmo que você não tenha apego a elas, apenas tê-las por perto e olhar para elas ofuscam as coisas celestiais e impedem que você realize aquele noivado místico que Eu prometi a você. Eu também quero que, como eu era pobre, você também Me imite na pobreza, considere-se nesta cama como uma coitadinha, os pobres se contentam com o que têm, e agradecem primeiro a Mim e depois aos seus benfeitores. Então você se contenta com o que lhe é dado , sem pedir isso ou aquilo ,porque poderia ser um obstáculo em sua mente e com santa indiferença, sem pensar se isso lhe faria bem ou mal, submeter-se à vontade dos outros”.

(169) Isso me custou muito no começo, sobretudo pela obediência que meu confessor me deu, não sei por quê, mas ele queria que eu tomasse quinino, e me impuseram a obediência que toda vez que meu estômago voltasse, Eu tive que tomá-lo novamente. Agora , o quinino estimulava meu apetite e às vezes eu sentia muita fome, comia a comida e assim que comia, e às vezes no próprio momento de tomar, devido às contínuas tentativas de vomitar, era obrigado a devolvê-lo , e fiquei com a mesma fome de antes. A palavra “pobre” que Jesus me dissera não me permitia ousar pedir nada, e eu mesmo tinha vergonha de pedir; Pensei comigo: “O que a família vai dizer, o estômago dele voltou e quer comer? Se eles me derem algo eu pego, se não ,o Senhor cuidará disso”. Então fiquei feliz por poder oferecer algo ao meu amado Jesus. Isso não durou muito, mas aproximadamente quatro meses. Um dia o Senhor me disse:

(170) “Peça ao confessor que lhe dê a obediência de não tomar quinino e não te faça comer tantas vezes, que eu te darei luz”.

(171) Depois veio o confessor e eu lhe disse, e ele me disse: “Para não mostrar singularidades, de agora em diante quero que você coma apenas uma vez por dia, e ele também suspendeu o quinino”. Assim fiquei mais calmo e minha fome passou, mas o vômito não parou, que só vez que comi a comida fui obrigado a devolver, o Senhor às vezes me disse para pedir a obediência de não comer, mas o confessor não deu eu nunca essa obediência, ele me disse: “Não importa o que você vomita, é outra mortificação”.

(172) Disse então ao Senhor e Ele me disse: “Quero que faças o pedido, mas com santa indiferença, quero que obedeças ao que a obediência te diz”.

(173) E assim continuei a fazê-lo. Quando cerca de quarenta dias se passaram, o que eu considerei pelas palavras que o Senhor me falou ( por um certo tempo )e que eu tinha dito isso ao confessor, os sofrimentos continuavam a me surpreender diariamente e ele era obrigado a vir todos os dias, então o confessor começou a me dar a obediência de não ter que estar mais naquele estado, e acrescentou que se eu caiu nos sofrimentos que ele não viria. De minha parte, sentia-me pronto a obedecer, sobretudo minha natureza queria se libertar daquele ser continuamente na cama, que, por mais bonito que fosse, era sempre cama, que ter que se submeter a todos, mesmo nas coisas mais repugnantes e necessárias à natureza. , e ser forçado a dizê-las aos outros é um verdadeiro sacrifício. Por isso a natureza fez o seu trabalho, tudo se consolava ao sentir esta obediência prestada, minha alma estava disposta a obedecer ou ficar na cama se o Senhor assim o quisesse,

(174)Quando ele me deu a obediência de não precisar mais ficar na cama, comecei a resistir e disse ao Senhor: “O que você quer de mim? Não aguento mais, porque a obediência não quer, mas se você quiser, dê luz ao confessor, então estou disposto a fazer o que você quiser”. E passei uma noite inteira discutindo com o Senhor; quando ele veio, disse-lhe: “Meu amado Jesus, tenha paciência, não venha, porque a obediência não permite que você me faça participar de seus sofrimentos”. Mesmo de manhã eu venci, me senti livre do sofrimento, quando em um instante o Senhor veio e me atraiu para Ele de tal forma que não pude resistir a Ele, perdi meus sentidos, e me encontrei junto com Ele , mas tão estreita que por causa de quanta oposição eu fiz, não consegui me separar de Jesus. Estando com Jesus me senti completamente aniquilado, e senti uma certa vergonha pelas muitas oposições que tinha feito durante a noite, e disse-lhe: “Santo Esposo, perdoa-me, é o confessor que assim o quer”. E Ele me disse:

(175) “Não tenha medo, quando é obediência não me ofendo”. E continuou: “Vem, vem a Mim, hoje é Ano Novo, quero dar-te o teu presente”.

Compartilhe a Divina Vontade