#30 MEDITAÇÃO DO ANJO DA GUARDA DE MARIA VALTORTA


LIVRO DE AZARIA CAPÍTULO 35


Dezoito Domingo depois de Pentecostes

 

13 de outubro de 1946

   Introito : Salmo 122 (121), 1; Sirach 36, 15-16 (vernáculo: Eclesiástico 36, 18).
Oração : A ação da tua misericórdia, nós te pedimos, ó Senhor, dirige os nossos corações, porque sem ti não podemos agradar-te.
Epístola : 1 Coríntios 1, 4-8.
Gradual : Salmo 102 (101), 16; 122 (121), 1.7.
Evangelho : Mateus 9, 1-8.
Ofertório : Êxodo 24, 4-5.
Segredo : Ó Deus, que através das augustas trocas deste sacrifício nos tornas participantes da tua única e suprema divindade, como nos fazes conhecer a tua verdade, concede-nos, nós te suplicamos, poder alcançá-la com costumes dignos.
Comunhão : Salmo 96 (95), 8-9.
Pós-comunhão: Renovados pelo dom sagrado, nós te agradecemos, ó Senhor, implorando a tua misericórdia para nos tornar cada vez mais dignos de participar dele.

Azaria disse:
«A recompensa dada ao paciente é certa porque o paciente imita seu Pai Celestial, que é tão paciente em esperar as conversões de homens pecadores, mas que depois tem a recompensa de sua paciência amorosa com o gozo de seus salvos. A imitação de Deus, sendo amor em ato, sempre obtém recompensa de Deus e, enquanto durar este dia terreno, a recompensa é profunda paz de espírito, paz que quem não sabe servir ao Senhor ignora. Além do pequeno dia terreno, a recompensa é a glória eterna e jubilosa. Outra recompensa para quem sabe ser paciente é o cumprimento das graças pedidas, que podem ser adiadas, mas que, mais cedo ou mais tarde, são concedidas, e sempre que convém concedê-las.
Portanto, abandone-se com plena confiança à Misericórdia que o ama e o dirige, e dirige os seus assuntos mais queridos, e você agradará tanto a Deus, e tudo o que lhe interessa será bem-sucedido, porque o próprio Deus tomará suas coisas e fará o seu próprio, defendendo-os e acabando com eles.
Assim todos os homens souberam fazer e se deixaram comover pela Sábia Misericórdia como pano macio que se dobra ao sopro do vento, ainda que leve como a brisa em que o profeta sentiu Deus! Eles se veriam levados para o céu sem nem saber como chegaram lá, assim como uma criança que, incapaz de andar, pode tocar o topo de uma montanha e se alegrar com o sol, o azul, a vastidão, as flores, porque são criados lá por sua mãe. , entre o doce refúgio de seus braços.
E vamos meditar Paulo. Ser o testemunho de Cristo confirmado no meio dos fiéis não significa já que esses fiéis receberam o Batismo e os demais Sacramentos. Mas significa que suas obras testificam que são imitadores de Cristo. As práticas religiosas limitadas às horas de culto, a observância de determinadas cerimónias sem então, terminadas estas, a religiosidade, a obediência aos preceitos e conselhos de vida cristã continuam intensas e sinceras em todas as horas, acontecimentos e ações do dia, eles não constituem testemunho de Cristo em você, mas apenas hipocrisia, ou, pelo menos, uma vida cristã muito fraca. Você seria semelhante, se o fizesse – e os que o fazem -, àqueles bebês estéreis que tiram o mínimo do leite e dos cuidados maternos para não morrer,
É igualmente daqueles espíritos que não fazem suco vital com o que lhes é dado pelos sacramentos e se limitam a receber e não se esforçam para dar, parasitas que vegetam e não vivem, inválidos no corpo vital de Cristo destinados a morrem porque são mornos, apáticos, estéreis, presa muito fácil de todas as infecções espirituais, cada vez mais fracos, até perecer como plantas com raízes podres.
Paulo, grande mestre da doutrina do corpo místico do qual Cristo é a cabeça, regozija-se com seus coríntios pelo testemunho de Cristo que eles dão, regozija-se na magnífica vitalidade dos membros vivos e dispostos e não dos parasitas que são um fardo e um perigo para os outros e um escândalo e uma vergonha e uma ofensa a Deus, que “nem quente nem quente”, como eles são, “rejeita-os de Si mesmo”, como diz o Apocalipse.
Paulo se regozija ao ver confirmado pelas virtudes dos cristãos o caráter dos cristãos dos coríntios “que se tornaram ricos em tudo, em todo dom da palavra e do conhecimento” pela graça de Deus obtida para Cristo, e mantida e aumentada pelos méritos de a criatura de boa vontade.
Ele se alegra com isso e os exorta a crescer cada vez mais em Cristo, sugando e assimilando os sucos vitais do cristianismo, que é vida e não fórmula, que é verdade e não hipocrisia, que está longe e não pântano onde se afunda e está, porque “não haja nenhum dom neles” – eu já expliquei 1que os dons realmente vivem apenas se a boa vontade da criatura os fizer viver – de modo que na vinda do Senhor Jesus eles não têm culpa. Sem a maior falta: a de ter desprezado os infinitos dons de Deus, negligenciando-os a ponto de não torná-los vida da própria vida e perfeição do espírito, portanto carentes de todas as virtudes e tornando-se não perseverantes na fé, na esperança, Caridade, Força, Prudência, Justiça e Temperança, mas cedendo às lisonjas do diabo, do mundo e da carne, espíritos caídos ou mortos, para os quais o sacrifício de Cristo foi vão, ou doloroso além da medida.
Não te digo mais, minha alma, alma de vítima. Sofre com Cristo e pelo seu triunfo real, e que esta seja a vossa Santa Missa perpétua.
Glória ao Pai, ao Filho, ao Espírito Santo».

1 Já expliquei, na lição do domingo anterior.

LIVRO DE AZARIA CAPÍTULO 36


Dezenove Domingo depois de Pentecostes

 

20 de outubro de 1946

   Introito : Eu sou a saúde do povo, diz o Senhor; de qualquer tribulação que clamarem a mim, eu os ouvirei, e serei seu Senhor para sempre. – Salmo 78 (77), 1.
Oração : Ó Deus todo-poderoso e misericordioso, afasta-nos de toda adversidade, para que livres de alma e corpo esperemos com liberdade de espírito ao teu serviço.
Epístola : Efésios 4, 23-28.
Gradual : Salmo 105 (104), 1; 141 (140), 2.
Evangelho : Mateus 22, 1-14.
Ofertório : Salmo 138 (137), 7.
Segredo : Por favor, Senhor, oramos para que esses presentes, oferecidos por nós aos olhos de sua majestade, possam ser benéficos para nós.
Comunhão : Salmo 119 (118), 4-5.
Pós-comunhão: Sua ação medicinal, ó Senhor, gentilmente nos livra de nossa maldade e nos faça sempre seguir seus mandamentos.

Diz Azaria:
«Quantas dificuldades há no homem para a sua própria saúde e prosperidade! Se considerado com cuidado, o homem é atormentado e preso por essa ansiedade perene, como um condenado em sua mesa. É uma obsessão que dá vida até mesmo à pouca felicidade material que a boa saúde ou os bons negócios podem trazer. Medo do amanhã! O medo da doença! O pesadelo de uma possível perda de dinheiro, emprego, empresa, terror de convulsões meteorológicas para o campo, epidemias para criadores de animais, revoltas operárias para industriais, revoltas nacionais para a maioria do povo.
E o homem, que não pode fazer nada contra essas coisas imateriais em si mesmas, embora feitas por forças materiais, o homem que não pode repelir o micróbio, o roubo, a demissão, o raio, o granizo, o vento, o terremoto, a morte, a revolta , vive com o cabresto no pescoço de seu medo. Esse viver sem paz é consequência de ter feito do materialismo a lei da vida. Se o homem fosse espiritual, em suas afeições e pensamentos, não tremeria assim. Em primeiro lugar: porque levantava o olhar para Deus, rezando para ele; segundo: porque ele diria: “Esta é a passagem, o céu é a meta. A passagem será dolorosa, mas a meta é brilhante e alegre. Perseveramos hoje para desfrutar o amanhã, para sempre. Estamos tremendo apenas para perder a meta e para não perder algo. na passagem, algo que não vamos conseguir carregar lá, no gol. Trabalhemos apenas com constância e fé, com caridade, com esperança e as demais virtudes, para construir o tesouro a levar conosco ao lugar da meta! E confiamos no Senhor que diz: ‘Eu sou a saúde do povo, de qualquer tribulação que clamarem eu os ouvirei'”.
Mas como conciliar o pedido na Oração com a oferta de almas vítimas? Eu falo com você porque você é, como todas as pequenas vozes, e através de você eu falo com as outras almas vítimas. Como você pode fazer a oração da Oração se você se ofereceu à imolação e se Deus o aceitou? Você vai andar para trás, para longe do seu local de tortura? Você vai implorar ao Pai que lhe dê saúde, bem-estar, afetos, tudo o que você ofereceu a ele para ser vítima? Ou você não vai orar dizendo essas palavras? Não. Você pode dizer a ela. Mas elevando seu espírito tão alto a ponto de pedir o perfeito, isto é, Deus “removerá você de toda adversidade  espiritual para que, livre na alma (das tentações e perturbações) e no corpo (dos temores do amanhã e dos apetites naturais da carne, apetites que não é pecado ouvi-los, mas é mérito não satisfazê-los) , você pode esperar com liberdade de espírito a serviço de Deus “. Torna-se uma oração perfeita, toda sobrenatural, angelical, muito superior à oração comum do homem, em que as preocupações materiais causam 98% de suas orações
. meditemos em Paulo que continua a enumerar as condições para ser  verdadeiramente  cristãos, no espírito da mente, ou seja, assumir um pensamento que contempla e julga os acontecimentos e as ações a serem vividas ou realizadas de um ponto de vista sobrenatural.
O homem, mesmo católico, não se esforça para viver e agir na moral cristã. Ele vive em um compromisso contínuo entre o cristianismo e a carne, o cristianismo e o mundo, o cristianismo e Satanás, esquecendo uma grande palavra: “Você não pode servir a dois senhores ao mesmo tempo”. Em vez disso, o homem serve a mais senhores: ele mesmo, o mundo, Satanás. Pode então ser de Deus se já pertence a três Mammons exigentes e ferozes?
Como o homem se torna e permanece escravo dessas riquezas? Ao assumir desde a infância os pensamentos da carne, do mundo, de Satanás. Absorve-os mesmo sem avisar, por um espírito imitativo, daquilo que o rodeia e que só é excepcionalmente perfeito, mesmo no núcleo principal que é a família. Mas, amadurecido, capaz, portanto, de distinguir completamente o que é bom e o que é mau, o que é espírito do século e o que é espírito sobrenatural, o que é cristianismo e o que não é, o cristão, que quer sê-lo verdadeiramente, ele tem o dever de  renovar-se no espírito da mente, de revestir-se do homem novo,  que é aquele nascido das consequências do sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo, o homem novo, criado,  recriado em justiça e verdadeira santidade . E como é esse novo homem? Tão sincero quanto Jesus Cristo foi mesmo diante do perigo de morte para falar a verdade. Porque a sinceridade é uma das principais características de Jesus Cristo, e Ele a impôs como uma das principais características de seus seguidores ao dizer: “Que o seu falar seja sim, sim; não, não”.
E é lógico que assim seja. Jesus Cristo é o Antagonista de Satanás. Satanás é uma mentira. Jesus Cristo é a Verdade. Alguém que se diz de Cristo pode assumir o caráter de Satanás? Portanto, o homem renova seu pensamento com fidelidade heróica à sinceridade. Sinceridade com todos e em todos os casos, sem refletir sobre possíveis lucros provenientes da mentira e possíveis danos decorrentes da sinceridade. Como uma lepra é a mentira, e fica cada vez pior depois da primeira mancha. Ninguém quer ser leproso. Ninguém quer ser mentiroso. A mentira é, além de dar a si mesmo, dano ao espírito e também dano aos irmãos. Quer você minta para eles, os engane sobre os outros, ou sobre seus próprios sentimentos, se você dá falso testemunho, calúnia ou fofoca, ou, para não torná-los seus inimigos, você não lhes diz:
Se você ficar com raiva, cuidado com o pecado. Viver juntos é tão difícil em uma sociedade onde a virtude é a exceção e o vício é a regra. Se a regra fosse a virtude, seria doce viver juntos. Mas o vício multiforme domina, o pecado sete vezes maior, o egoísmo reina, e é feio e difícil de viver. O vizinho dá um ao outro motivos contínuos de preocupação.
No entanto, observe como o apóstolo é equilibrado em exigir virtude dos cristãos. Não impõe uma virtude desumana, impossível, como não se preocupar por qualquer motivo. Mesmo que a inquietação não transborde e [não] passe a manifestações manifestas, uma ofensa, uma desobediência, um engano, só pode perturbar a quietude do coração, agitá-lo, agitá-lo. Aqui surge uma indignação pelo culpado que ofendeu, desobedeceu, traiu. É humano.
Mas no verdadeiro cristão, sendo o espírito mais forte que a carne, o movimento humano logo se acalma e, sem prejuízo da amargura da experiência, nos perdoamos, não reagimos a quem nos trouxe essa amarga experiência, e nenhuma vingança vem, feita contra o culpado. Aqui, então, como diz Paulo: “Se você está com raiva, pode e  não deve  pecar”. O ego não pode ser impedido  de sofrer por uma ofensa recebida, mas isso não é pecar. Pecado é quando alguém responde ofensa a ofensa falhando na caridade.
O sol não se põe em sua raiva. Lembre-se da palavra evangélica: “Se, enquanto você está para fazer sua oferta no altar, você se lembrar de que seu irmão está zangado com você, coloque a oferta ao pé do altar e primeiro vá reconciliar-se com seu irmão”. O sacrifício do seu ressentimento, se você é o ofendido, do seu orgulho, se você é o ofensor, vale muito mais do que o sacrifício material e a oração mecânica. E nada é oferenda ou oração, nem mesmo o Sacramento, se não for precedido pela caridade que é o perdão e a humildade. Não deixe o sol se pôr sobre sua raiva. Sim. Como se recomendar a Deus na oração da tarde, essa oração sagrada e capaz de afastar os fantasmas da noite e as sugestões satânicas, tão agudas nessas horas, se você tem Satanás em você tendo rancor para com aqueles que o ofenderam ou prejudicaram? Como fazer a oração das orações se você não perdoa? “Como perdoamos nossos devedores”, você diz. Mas se você não perdoar, você não perde nada. Portanto, perdoe diariamente o mal que lhe é feito diariamente. Nem você abre espaço para o diabo. Sim, quem não perdoa não ama, quem não ama expulsa Deus e acolhe Satanás. É um pouco pensado, mas uma verdade muito verdadeira.
Quem roubava não rouba mais. De quantas maneiras você pode roubar já lhe disse 1o Santíssimo Senhor Jesus. Muitos se rebelariam se lhes dissessem: “Vocês são ladrões”, e de fato eles nunca roubaram um centavo ou uma uva. Mas o roubo não é apenas de moedas, comida ou pedras preciosas. E os ladrões são muito mais numerosos do que as pessoas pensam. Ladrões morais sem número, ladrões espirituais em dons espirituais recebidos de terceiros. Na verdade, muitos não se lembram e não meditam que o décimo mandamento ordena não desejar as coisas dos outros. Agora: se já é pecado desejar, não será roubo tirar o que é dos outros, seja um afeto humano (mulher de outro, seduzindo a filha de outro e arrebatando-a de seu dever de filha), seja é um trabalho ou que é um dom de Deus, vestindo-o como a própria glória, talvez denegrindo aqueles que o receberam de Deus para persuadir os outros de que não pode ser o beneficiário, atormentando-o, fazendo-o duvidar de sua razão e de sua alma, a origem do dom, e assim por diante, para então desfrutar de sua herança como coisa própria? Sim. Isso é roubo, e agravado por mentiras e premeditação. E ai de quem o fizer. Somente uma confissão sincera de pecado, uma restituição e renúncia do tomado ou do inválido, pode obter o perdão.
“Mas faça um trabalho honesto para ajudar os necessitados”, aconselha o Apóstolo. Trabalho honesto! Quanto eu teria a dizer! Mas você entende e eu ficarei calado, e nós dois perdoamos por amor à caridade e para que eu possa elevar meu espírito e você o seu como o sacrifício da tarde para espalhar um odor agradável aos pés de Deus. Espíritos puros de cada nuvem mais leve contra a caridade, perfumada de paciência e mansidão, temperada com perdão, sempre, sempre.
Sempre assim, minha alma, e então, continuando a passar pelas tribulações, ou alma vítima que vem escalando sua provação há anos, e sempre por um caminho mais árduo quanto mais perto você estiver do cume e da consumação, Deus estará convosco e convosco ele consolará, estendendo a mão para vos defender dos vossos algozes ou adversários, para que não ultrapassem o limite. Esse limite que Deus conhece, que sua prudência quer ser respeitada. Porque fingir ferir e lutar ainda mais seria tentar as forças de sua alma, e isso é imprudência que Deus não permite.
Deus permite que as provações dêem maior bem-aventurança, mas não permite caprichos e desejos injustos, porque quer a salvação e não a morte dos espíritos, e principalmente daqueles que se entregaram generosamente para a sua glória.
E termino com a saudação litúrgica: “Que sua conduta siga até o fim os santos desejos de Deus”.
Glória ao Pai, ao Filho, ao Espírito Santo».

1 já o disse, em alguns discursos relatados na obra  O Evangelho como me foi revelado , por exemplo no do capítulo 131 (volume 2).

Compartilhe a Divina Vontade