Estudo 50 – Livro do Ceu Vol. 21 ao 28 – Escola da Divina Vontade



21-17

18 de abril de 1927

A Ressurreição de Nosso Senhor deu às criaturas o direito de ressuscitar.   Diferença que passa entre quem trabalha na Vontade Divina e o que funciona fora dela.

(1) Eu estava seguindo a Santa Vontade Divina no ato quando Ele ressuscitou do sepulcro, glorioso e triunfante, e meu amável Jesus, saindo de dentro do meu interior, me disse:

(2) “Minha filha, com a ressurreição de minha Humanidade, deu a todas as criaturas o direito de elevar não apenas suas almas à glória e bem-aventurança eternas, mas também seus corpos.   O pecado havia tirado esses direitos das criaturas para serem ressuscitadas; minha Humanidade os restaurou com a ressurreição.   Envolveu o germe da ressurreição de todos e, em virtude desse germe encerrado em Mim, todos tiveram o bem de poder ressuscitar dos mortos.   Quem faz o primeiro ato deve ter a virtude de encerrar em si todos os outros atos que as outras criaturas devem fazer, para que, em virtude do primeiro ato, os outros possam imitar e fazer o mesmo ato.   Quão bem a Ressurreição da minha Humanidade não trouxe, dando a todos o direito de serem ressuscitados.  Para o homem, porque se retirou da minha Vontade, glória, felicidade, honras, tudo falhou, ele rompeu o vínculo que, unindo-o a Deus, lhe deu o direito a todos os bens de seu Criador e meus. a ressurreição juntou-se ao anel da união, devolvendo-lhe os direitos perdidos, dando-lhe a virtude de ressuscitar.

Toda a glória, toda a honra é da minha Humanidade, se eu não tivesse ressuscitado, ninguém poderia ressuscitar.   Com o primeiro ato vem a sucessão de atos semelhantes ao primeiro.   Veja qual é o poder de um primeiro ato, minha Rainha Mamãe fez o primeiro ato de me conceber; Para poder conceber-me, o Verbo Eterno, encerrou em si todos os atos das criaturas para retribuir ao seu Criador, para poder dizer-lhe:  “Sou eu que te amo, te adoro, te satisfaço para todos”.   Portanto, encontrando todos em minha Mamãe, apesar de minha concepção ter sido uma, pude me entregar a todos como a vida de cada criatura.   Assim, minha filha, fazendo seus primeiros atos em minha Vontade, as outras criaturas recebem o direito de entrar nela e de repetir seus atos, para receber os mesmos efeitos.   Quanto é preciso que mesmo um faça o primeiro ato, porque isso serve para abrir a porta, para preparar as matérias-primas, para formar o modelo para dar vida a esse ato.   Quando o primeiro é feito, é mais fácil para os outros imitá-lo.  Isso também acontece no mundo inferior, quem é o primeiro a formar um objeto deve trabalhar mais, sacrificar-se mais, deve preparar todos os assuntos necessários, deve fazer muitos testes e quando o primeiro é feito, não só adquire o direito de poder fazê-lo, fazer os outros, mas é mais fácil para ela repeti-lo, mas toda a glória pertence a quem fez o primeiro, porque se o primeiro não fosse feito, os outros atos semelhantes nunca poderiam ter existido.   Portanto, tenha o cuidado de formar seus primeiros atos, se você deseja que o reino do Fiat Divino venha e reine na terra”.

(3) Depois disso fui me fundindo na Santa Vontade Divina, recordando todos os atos das criaturas para que nela todos ressuscitassem e meu doce Jesus me disse:

(4) “Minha filha, que grande diferença existe entre um ato feito em minha Vontade e um ato ainda bom feito fora Dele.   No primeiro corre dentro dele uma Vida Divina e esta Vida enche o Céu e a Terra e esse ato recebe o valor de uma Vida Divina; no segundo há um ato da vida humana e este é limitado, restrito, que muitas vezes seu valor acaba por acabar com o ato e se há valor dentro, é um valor humano sujeito a perecer”.

22-3

12 de junho de 1927

 

As relações que existem entre o Criador e a criatura, entre o Redentor e os redimidos, entre Santificador e santificado e quem poderá ler os caracteres Divinos.

(1) Eu estava seguindo, conforme meu costume, os atos do Fiat Divino para reparar e ligar todas as relações quebradas pela vontade humana entre Criador e criatura, entre o Redentor e aqueles que o fazem, entre o Santificador e o santificado e meu amado Jesus movendo-se no meu interior me disse:

(2) “Minha filha, quem quiser conhecer todas as relações que existem entre Criador e criatura e manter seus vínculos em vigor, deve fazer minha Divina Vontade reinar nela com domínio absoluto, porque estando em toda Criação a Vida dela formar uma única vida para todas as coisas criadas e sendo uma vida, entenderá a linguagem delas e as relações que existem entre seu Criador.   Cada coisa criada fala do seu Criador, possui caracteres legíveis do meu Fiat Divino.   Mas você sabe quem é capaz de ouvir sua voz, entender sua fala celestial e ler os caracteres divinos que cada coisa criada mantém impressa?  Quem possui minha Vontade tem ouvido para ouvir sua voz, inteligência para compreendê-la, olhos para ler os caracteres divinos que seu Criador imprimiu com tanto amor em cada coisa criada.

Por outro lado, para quem não deixa minha Vontade reinar, encontra-se nas condições de quem é surdo e não ouve, de quem é estúpido e não entende, de quem não estudou a variedade de línguas e para o que é dito não entende nada.   Da mesma forma, para manter as relações e conhecê-las entre o Redentor e os remidos, eles devem estudar minha vida, cada palavra, trabalho, passo, batimento cardíaco e dores foram todos os laços com os quais vim ligar todos os resgatado.   Mas quem permanece preso?  Quem estuda minha vida e tenta me imitar, assim como me imita, fica preso às minhas palavras, obras, passos, etc. olhos para ler todos os caracteres impressos em mim ao vir para redimir o genro humano.   E se a criatura não fizer isso, os caracteres da Redenção serão ilegíveis para ela, será uma língua estrangeira para ela e as relações e vínculos da Redenção não terão força.   A criatura será sempre o cego nascido para todos os nossos bens com os quais quisemos enriquecê-la.  E para quem quer conhecer e receber todas as relações e vínculos de santidade, deve amar o Santificador, o Espírito Santo acende suas chamas para aqueles que realmente amam e o liga com as relações de sua santidade; sem amor não há santidade, porque os laços da verdadeira santidade já estão rompidos”.

(3) Meu Jesus fez silêncio e eu fiquei completamente imerso no Supremo Fiat e meu bem amado acrescentou:

(4) “Minha filha, quem vive em minha Vontade bebe luz e como a luz enquanto vê e desfruta de uma, os outros podem ver e desfrutar dela, então minha Vontade dando-se como luz à alma e investindo tudo, biloca tudo … dentro dela e ilumina o pensamento de cada criatura, biloca sua palavra e ilumina as palavras dos outros, biloca suas obras, seus passos e ilumina os dos outros.   A luz possui bilocação verdadeira e perfeita e, embora seja una, tem a virtude de bilocação para cada um que queira apreciá-la e vê-la.   O sol não é um, mas quantos o veem e o apreciam?   Muito mais o Sol de minha Vontade, que a alma bebe e se enche inteiramente de sua luz, detém a virtude que, enquanto uno, se biloca para cada ato, palavra, passo, etc. e ali forma o encantamento de sua luz divina”. .

23-3

25 de setembro de 1927

 

Quem vive na Vontade Divina não encontra mais meios de sair dela, e quem vive na Ele contém todas as sementes da glória que a Criação possui. Como Jesus a chama junto com a obra do seu reino.

(1) Senti-me sob o pesadelo da privação do meu doce Jesus e pensei comigo mesmo:   “Não sei como o meu amado Jesus me deixa, Ele não pensa que posso tornar-me mais mau sem Aquele que é a minha vida, e quem sozinho pode me dar vida para fazer o bem? Ele não cuida mais de nada, nem de me vigiar, nem de me empurrar, nem de me corrigir”.   Mas enquanto eu pensava assim, meu amado Jesus saiu de dentro do meu interior e me disse:

(2) “Minha filha, porque tenho certeza de que você não pode sair de dentro do grande mar de minha Divina Vontade, tendo colocado você nele, e você, com sua total adesão, quis entrar, portanto, há não há como sair dele, porque os limites deste mar não são encontrados, enquanto você andar por dentro, você não encontrará sua margem, nem seu fim.   De onde estou certo de que minha filhinha não pode sair de dentro do mar da minha Vontade e por isso moro no mesmo mar e você me perde de vista, mas como um é o mar em que estamos, tudo o que você faz tem o caminho para chegar a Mim, e tenho certeza de como seus atos Me alcançam, que você está no meu mar e, portanto, não me dou atenção.  Enquanto antes eu não tinha certeza de você, por isso eu estava tão ansioso para te vigiar, te empurrar e nunca te deixei, porque eu não te vi no fundo do mar da minha Divina Vontade, de onde há sem medo de poder sair, porque esta é a beleza de viver em minha Divina Vontade, que todos os perigos e medos permaneçam deslocados, ao contrário, quem vive resignado ou faz a Divina Vontade, está sempre em perigo e com medo, e pode encontrar muitos caminhos que o distanciam do imenso mar do Supremo Fiat”.

(3) Então eu me abandonei completamente naquele mar e me senti feliz por não poder sair, e meu doce Jesus acrescentou:

(4) “Minha filha, meu Fiat onipotente na Criação criou muitas coisas, colocando em cada uma delas um bem para as criaturas, para receber o retorno da glória de sua parte por quantas coisas Ele colocou à luz do dia, mas você sabe em quem foi depositada esta glória que estava esperando pelo seu Criador? Você é minha filha, porque vivendo em minha Vontade e possuindo-a, você possui todas as sementes de cada glória que cada coisa criada possui e, portanto, ao se voltar na Criação, você sente em si o bem que cada coisa criada contém, e você faz o seu ofício para liberar de você aquela glória que seu Criador espera com tanto amor.  Que harmonia, que ordem, que amor, que encanto de beleza passa entre a alma que vive em Minha Vontade e entre todas as coisas criadas por Mim, estão tão unidas que parecem inseparáveis; a alma que vive em minha Divina Vontade vive em plena luz do dia, e seus atos, seus pensamentos, suas palavras nada mais são do que os reflexos dela, o Sol de minha Vontade reflete mais do que dentro de um cristal nela. e pensa, reflete e fala, reflete e trabalha, reflete e ama, não há nada maior, nem mais belo, do que uma alma que vive dos reflexos deste Sol, esses reflexos o mantêm em comum com os atos de seu Criador e na posse de seu próprio bens.  Além disso, vocês devem saber que, assim como minha Humanidade incluiu todos os bens da Redenção e deles saiu para o bem dos remidos, assim Ele quis encerrar em Si todos os atos e bens dos filhos do reino do meu Divino Fiat, pois assim como a alma faz seus atos Nele, eu alargo sua capacidade e coloco meus atos nela e assim como ela entra em meu reino e está emitindo seus atos, eu estou sempre expandindo sua capacidade, para colocar nela todos os atos que minha Humanidade possui, para nela completar o reino de minha Vontade.  Por isso eu os chamo para trabalharem juntos comigo neste meu reino, eu trabalho preparando a terra, é preciso purificá-la, ela está muito suja, há certos pontos que não merecem mais existir, tantos são os atrocidades, portanto é necessário que desapareçam tanto os habitantes quanto o próprio solo.  O reino da minha Divina Vontade é o reino mais santo, mais puro, mais belo e ordeiro que deve vir à terra, por isso é necessário que a terra seja preparada, purificada, pois enquanto eu trabalho para purificá-la e, se necessário, destruir lugares indignos e de tão santo reino, trabalhareis movendo o céu e a terra com teus atos feitos em minha vontade, teu eco será incessante, que farás ressoar em toda a criação que pedires o reino de meu Fiat, teu contínuo atos e se necessário, suas dores e o fim de sua vida, implorar um bem tão grande e um reino que trará tanta felicidade.   Portanto, não preste atenção a mais nada, mas ao trabalho que temos que fazer”.

(5) Mas com todas as palavras de Jesus senti um medo que Ele pudesse me deixar ou mesmo ir tão longe neste mar de sua bendita Vontade, que quem sabe quando ele teve que voltar para sua filhinha torturada por amor dele, e Jesus se movendo no meu. interno me disse:

(6) “Minha pobre filhinha, é claro que você é uma menina, que não se aflige ou se preocupa com nada além de estar nos braços de sua mãe e se alguma vez ela estiver, sua mãe a deixa por um tempo, ela chora, fica inconsolável e é todos os olhos para ver sua mãe e correr para os braços dela.   Assim é você, meu pobre pequeno, mas você deve saber que a mãe pode estar deixando seu filho, mas eu nunca deixarei meu filho pequeno, é meu interesse não deixá-lo, eu tenho minha vontade em você. meus atos, minhas propriedades, pois tendo as minhas em ti, tenho interesse em não te deixar, aliás minhas próprias coisas me chamam a ti e venho gozar minhas coisas, minha Divina Vontade reinando em ti.   Então você pode temer que eu o deixe quando eu disse a você:  “Dá-me a minha, dá-me a minha Vontade”.   Mas o seu Jesus nunca lhe dirá isso, então fique em paz”.

24-3

1º de abril de 1928

Necessidade de prova; qual será a prova dos filhos do reino divino.   Quem ele vive na Vontade Divina e oferece dons a Deus.   Longa história disso.   Exemplo.

(1) Meu abandono na Vontade Divina é contínuo, mas enquanto estava completamente abandonado nela, pensei comigo mesmo:   “Qual será a prova que Jesus vai querer para aqueles que viverem no Reino da Vontade Divina? Se de todos Jesus quer uma prova de fidelidade para confirmar o estado em que o chama e ter a certeza de poder confiar à criatura os bens que lhe quer dar, muito mais a estes filhos do seu reino que serão os estado mais sublime que pode existir. , exigirá essa prova”.   Mas enquanto pensava nisso, meu sempre amável Jesus se moveu dentro de mim e me disse:

(2) “Minha filha, é claro que não há segurança sem prova, e quando a alma resiste à prova, recebe a confirmação de meus desígnios e tudo o que é necessário e conveniente para realizar o estado por mim chamado.   Por isso quis provar Adão, para confirmar o seu estado feliz e o direito de rei sobre toda a Criação, e como não foi fiel na prova, da justiça não pôde receber a confirmação dos bens que o seu Criador lhe quis dar, porque na prova o homem adquire o selo de fidelidade, que o coloca no direito de receber os bens que Deus havia estabelecido para lhe dar no estado em que a alma foi chamada por ele.  Quem não é provado, pode-se dizer que não tem valor, nem diante de Deus, nem diante dos homens, nem diante de si mesmo; Deus não pode confiar em um homem sem provas, ele mesmo, que é o homem, não sabe que força ele tem.   Portanto, se Adão tivesse resistido ao teste, todas as gerações humanas teriam sido confirmadas em seu estado feliz e real.  Então eu, amando estes filhos de minha Divina Vontade com um amor muito especial, eu mesmo quis fazer a prova para todos eles em minha Humanidade, reservando para eles a única prova de nunca deixá-los fazer sua vontade, mas somente e sempre a minha. para reconfirmar a ele todos os bens que são necessários para viver no reino do meu Divino Fiat, com isso fechei todas as portas de saída para ele, ungi-o com uma fortaleza invencível, para que ninguém possa entrar no mais altos recintos do meu reino, porque quando eu mando que isso não se faça, é uma porta que eu permaneço onde a vontade humana pode sair, é uma ocasião que a criatura sempre guarda, de onde minha vontade pode sair de dentro, mas quando digo:  daqui você não sai, todas as portas permanecem fechadas, a fraqueza se fortalece, e só resta a decisão de entrar e nunca sair, ou não entrar.   Portanto, para viver no reino da minha Vontade haverá apenas a decisão, a decisão trará o ato consumado; não estou fazendo isso com você? Não lhe clamo sempre do fundo do coração que nada se atreva a entrar, a não ser apenas a minha Vontade? Ela como centro de vida, com sua força onipotente, com sua luz deslumbrante, mantém tudo fora de você, e eclipsando tudo, faz fluir seu primeiro movimento de vida em todos os seus atos e domina e reina como uma rainha”.

(3) Depois disso fui seguindo os atos da Vontade Divina em toda a Criação, para trazê-los como homenagens ao meu Criador, e em todas as coisas criadas fluía um movimento de vida que as reunia e movia tudo, fiquei surpreso. e meu doce Jesus acrescentou:

(4) “Minha filha, este movimento de vida em toda a Criação é minha Vontade, que move tudo e mantém todas as coisas como em seu próprio punho de vida.  Quão longo é o seu movimento e, embora seja múltiplo, é um, portanto, a história de minha Vontade é longa, e seu trabalho em compor sua história se torna muito longo, e por mais que você queira restringir seu dizer, é difícil para porque seu movimento que move tudo continuamente, tem tanto a dizer sobre o que ela fez em sua longa história, que de acordo com o que ela disse, parece-lhe que ela não disse nada, e desde os movimentos, tudo as vidas, todos os campos são dela, tem muitas saídas para contar sua longa história, e você será o narrador e portador da história de uma Vontade Eterna, que ao contar sua história te envolve por dentro para te dar a vida de seus atos e comunicar a você, tanto quanto possível. , seu movimento e os bens que ele contém.  Portanto, você deve saber que quem vive em minha vontade oferece à Eterna Majestade atos reais, atos que só são encontrados no palácio divino de minha vontade, e então nos sentimos verdadeiramente honrados pela criatura, quando ela vem diante de nós com os atos reais que faz nossa Vontade em toda a Criação, são atos divinos e dignos de nossa Majestade, mas quem não vive em nossa Vontade, por quantos bens pode fazer, são sempre atos humanos que ele nos oferece, não divinos, inferiores a Nós porque não flui neles o ato régio de nosso Fiat Divino.

Acontece como um rei que é servido por um pajem seu, de todas aquelas coisas que estão em seu palácio, o rei, apesar de serem suas coisas, sente-se honrado porque se bebe, bebe sua água pura em jarras de ‘ ouro, nítido e limpo; se ela come, a comida é digna dele e é dada a ela em pratos de prata; se ela se veste, ela é trazida com vestes reais como convém a um rei, o rei se sente todo satisfeito e satisfeito porque ele é servido pelas coisas reais que lhe pertencem; em vez disso, outro pajem serve ao rei, mas quando ele quer beber, vai à sua vil morada buscar sua água turva, leva-a em potes de barro, mal lavados; se come, vai buscar sua comida grosseira e em pratos nojentos; se ele se veste, ele leva as roupas dela sem adornos e não dignas de um rei, o rei não fica satisfeito nem honrado em ser servido por este pajem,  “O que, eu guardo minhas coisas reais e este se atreve a me servir com as coisas vis de sua casa?” A primeira página é aquela que vive na minha Vontade, a segunda que vive pela vontade humana, o que é uma grande diferença entre uma e outra”.

25-3

17 de outubro de 1928

Como toda verdade do Fiat possui um encantamento na vontade humana, guerra da Fiat. Analogia entre a concepção de Jesus e entre a Eucaristia, e entre o prisioneiro e o prisioneiro.

1 ) Minha pobre mente estava perdida na Vontade Divina, todas as verdades que me ditaram meu Supremo Bom Jesus, senti-as como tantos sóis, que me investindo de minha pequena vontade humana, arrebatada por tanta variedade de luz, já não sentia o desejo de ‘agir’. E meu Supremo Bom Jesus, movendo-se dentro de mim, me disse:

2) “Minha filha, todas as verdades que manifestei sobre minha Vontade Divina não são apenas uma Vida Divina que coloquei fora de Mim, mas possuem um doce encantamento para encantar a vontade humana, que, encantada pela minha, sentirá sob o encantamento de uma inatividade e dará livre campo de ação à minha Divina Vontade. Assim, toda verdade sobre minha Vontade Divina será um exército feroz contra a vontade humana. Mas você sabe o que ele vai ser feroz sobre? De luz, de força, de amor, de beleza, de santidade, para combater a vontade humana por meio de todas essas armas; diante dessas armas, ela sofrerá um doce encantamento e se deixará vencer pelo Fiat Divino. Portanto, qualquer verdade mais acima É um encantamento maior que a vontade humana sofrerá.

3 ) Ora, como toda verdade possui um encantamento, todo ato feito pela criatura em minha vontade é um encontro que ela faz com minha vontade para receber toda a força desse encantamento divino. Portanto, quanto mais atos de minha Vontade ele faz, tanto terreno humano ele perde e adquire o divino; e se tudo nela mergulhar, ela só terá que lembrar que tem uma vontade, mas que a mantém em repouso e encantada pela Vontade Divina”.

( 4) Depois disso segui meus atos no Fiat Divino, e seguindo Seus atos, fui acompanhando a concepção de Jesus no ventre, e Jesus movendo-se dentro de mim me disse:

5) “Minha filha, quanta analogia há entre a concepção que fiz no ventre e entre o que faço em cada hóstia consagrada. Veja, do céu desci para conceber no seio da Mamãe Celestial, do céu desci para permanecer consagrado, escondido entre os véus das espécies de pão. No escuro, imóvel, permaneci no ventre materno, no escuro, imóvel e ínfimo repouso em cada hospedeiro. Olhe para mim, estou escondido aqui neste tabernáculo, rezo, choro, e nem deixo que minha respiração seja ouvida, nos véus sacramentais minha própria Vontade Divina me segura como morto, aniquilado, restringido, comprimido, enquanto Estou vivo e dou vida a todos. Oh! abismo do meu amor, quão incomensurável você é. No ventre eu estava sobrecarregado com o peso de todas as almas e todos os pecados, aqui, em todas as hostes, por menores que sejam,

6) Agora quero dizer-vos a satisfação que sinto por vos manter perto do meu sacrário, sob o meu olhar sacramental e a analogia que existe entre mim e vós. Veja, estou escondido aqui sob o império de minha Divina Vontade. Ah! é ela mesma, seu poder, que contém o prodígio de me esconder em cada hóstia com a consagração. Você está na sua cama, só pelo império do meu Fiat, ah! não são os males corporais que te prendem, não, mas apenas a minha Vontade que assim quer, que, formando um véu de ti, Me esconde e me forma uma hóstia viva, um tabernáculo vivo. Aqui, neste tabernáculo, eu oro continuamente, mas você sabe qual é a minha primeira oração? Que a minha Vontade seja conhecida, que o seu império que me mantém oculto sobre todas as criaturas reine e domine ali, porque então a minha Vida Sacramental terá o seu fruto completo. o cumprimento dos muitos sacrifícios, a restauração de minha Vida nas criaturas, quando minha Vontade for conhecida e ali formar Seu reino. E aqui estou escondido, fazendo tantos sacrifícios para esperar o triunfo, o reino da minha Divina Vontade. Tu também rezas e, ecoando a minha oração, ouço o teu dizer contínuo, pondo em movimento todos os meus atos e todas as coisas criadas, e em nome de todos e de tudo, pedes-me que a minha Vontade seja conhecida e forme o Seu reino; o teu eco e o meu são um só, e só pedimos uma coisa, que tudo volte ao Fiat Eterno, que lhe sejam restituídos os seus justos direitos. Então você vê quanta analogia existe entre você e Eu, mas o mais bonito é aquele que eu quero, você quer, nós dois somos sacrificados por uma causa tão sagrada,

26-3

16 de abril de 1929

Para quem mora no Fiat, é uma troca de vida entre o Fiat e a alma.   Amor duplicado.

( 1 ) As privações do meu doce Jesus se tornam mais longas, e eu não faço nada além de suspirar e gemer seu retorno.  E por mais que eu viva completamente abandonado no Fiat Divino, suas privações são feridas tão profundas e amargas, que mais que um veado ferido eu emito meus gritos de dor, que se pudesse surtaria o céu e a terra e me moveria tudo até as lágrimas, por uma dor tão excruciante e por uma privação tão grande, que me faz sentir o peso de uma dor infinita e de uma ferida sempre aberta, exceto nos poucos momentos em que Ele me fala de Sua Divina Vontade que parece-me fechar, mas reabrir com mais dor, amarga, e por isso sou obrigado em meus escritos, a escrever minha nota dolorosa de minha pequena alma, que mais do que um cervo ferido, envio meus gritos de dor, para fere aquele Jesus que me fere, quem sabe, ferido, volta para mim e dá uma trégua no meu ponto dolorido.  Assim, enquanto eu me sentia imerso na dor de sua privação e completamente abandonado em sua Vontade, ele se moveu dentro de mim e me disse:

( 2 ) “Coragem ou filha, não se abandone na sua dor, mas suba mais alto.   Você sabe que tem uma tarefa a cumprir, e esta tarefa é tão grande, que nem mesmo a dor da minha privação deve detê-lo, na verdade, deve servir-lhe como uma elevação mais alta à luz da minha Divina Vontade.   Seu encontro com Ele deve ser contínuo, porque é uma troca de vida que você deve fazer:  Ele deve continuamente se dar a você, e você a Ele.  E você sabe que o movimento, o batimento cardíaco, a respiração, devem ser contínuos, senão a vida não pode existir, e você faria sua vida faltar no meu Fiat, e sentiria a dor que sua filhinha, seu querido bebê recém-nascido. , faz sua falta nela seu movimento, seu batimento cardíaco, sua respiração, ela sentiria o dilaceramento de seu recém-nascido, que, para sentir sua vida como sua Vida, sempre a mantém no ato de nascer, sem colocá-la fora de si. peito, nem mesmo para fazê-lo dar um passo, e você sentiria a Vida de seu movimento contínuo, seu batimento cardíaco, sua respiração falhando; você sentiria o vazio de uma Vontade Divina em sua alma.   Não, não, minha filha, não quero em ti nenhum vazio da minha Vontade.  Agora, você deve saber que cada manifestação em meu Fiat Divino que eu faço para você é como tantos passos em que minha Vontade desce à alma, para tomar posse dela, para formar seu reino, e a alma sobe ao Céu para levar do céu à terra.   Portanto, é uma grande tarefa e não vale a pena por qualquer motivo, mesmo que fosse sagrado, perder tempo.   E você vê como Eu mesmo me eclipso em minha Divina Vontade de dar todo o lugar a Ela, e se eu escapo ao vir, é apenas para tratar, rearranjar e fazer você saber o que pertence à minha Divina Vontade, assim seja atencioso. e seu vôo em É contínuo”.

( 3 ) Depois disso ela continuou a sentir-se oprimida pelas privações de Jesus e eu pensei comigo mesmo:   “Como o seu amor por mim diminuiu, comparado com o que ele me trouxe antes, parece-me que assim que as sombras permaneceram meu amor por Jesus   , mas enquanto eu pensava isso se moveu dentro de mim e me disse:

( 4 ) “Minha filha, cada ato feito em minha Divina Vontade duplica meu amor por você, portanto, depois de tantos atos que você fez nela, posso dizer que meu amor cresceu tanto, que devo expandir sua capacidade para poder fazer você receber meu amor crescente que surge em Mim em cada ato que você faz em minha Divina Vontade.   Portanto, meu amor é mais intenso e cem vezes mais do que antes, então você pode ter certeza de que nunca sentirá falta do meu amor”.

27-3

2 de outubro de 1929

Só a Vontade Divina faz a criatura feliz; atacam uns aos outros.   Quem não tem verdadeira vontade de fazer o bem, ele é um pobre aleijado, e Deus não quer usá-lo.

 

(1) Continua o meu abandono e a vivência no Fiat Divino, oh!   quão poderosa é sua força criativa, oh!   como é deslumbrante a sua luz, que infiltrando as fibras mais íntimas do coração, as reveste e acaricia, faz-se um lugar e erige ali o seu trono de domínio e comando, mas com tal doçura arrebatadora, que a pequenez da criatura fica desaparecida, mas feliz por permanecer sem vida e perdido no Fiat Divino.   Oh!   se todos te conhecessem, ah!   Vontade adorável, oh!   como eles gostariam de se perder em Ti para recuperar sua Vida e ser felizes com a mesma felicidade divina.   Mas enquanto minha pequenez se perdia no Fiat Divino, meu amável Jesus movia-se dentro de mim e me apertando com força, com força em Seu divino coração, Ele me disse:

(2) “Minha filha, somente minha Divina Vontade pode fazer a criatura feliz. Ela, com sua luz, ou eclipsa ou põe em fuga todos os males, e diz com seu poder divino:   “Eu sou a felicidade perene, fuja. todos os males, Quero ser livre, porque antes da minha felicidade todos os males perdem a vida”.   Quem vive completamente na minha Divina Vontade, tanto é o seu amor que transforma as ações da criatura, e ocorre uma troca de vida entre Deus e ela, uma troca de ações, de passos, de batimentos cardíacos.  Deus permanece ligado à criatura, e a criatura a Deus, tornam-se seres inseparáveis, e nessa troca de ação e vida se forma o jogo entre Criador e criatura, um se torna presa do outro, e nisso eles brincam um com o outro. uma maneira divina, eles estão felizes, eles celebram, e Deus e a criatura se gloriam, eles se sentem vitoriosos porque ninguém perdeu, mas um venceu o outro, porque na minha Divina Vontade ninguém perde, perdas não existem nela. .   Só de quem vive na minha Vontade posso dizer, é meu divertimento na Criação, e sinto-me vitorioso em me rebaixar para me deixar vencer pela criatura, porque tenho certeza de que ela não se oporá a ser superada por Mim.   Por isso o vôo em minha Vontade é sempre contínuo”.

(3) Depois disso eu pensava em tantas coisas que o bendito Jesus me havia falado sobre sua Divina Vontade, sobre os muitos desejos ardentes dele para torná-la conhecida, e que apesar dos muitos desejos de Jesus nada surgiu para obter sua intenção … e disse a mim mesmo:   “Que sabedoria de Deus, que mistérios profundos, quem pode entendê-los?  Ela o quer, é dolorosa porque não há quem lhe dê a conhecer, mostra seu coração que anseia, suspira que sua Vontade Divina se dará a conhecer, para formar seu reino entre as criaturas, e então , como se fosse um Deus impotente, os caminhos estão trancados, as portas estão fechadas, e Jesus tolera, e com paciência invencível e indizível, espera que as portas e os caminhos se abram, bate nos corações para encontrar quem será aqueles que cuidarão de fazer conhecer sua Divina Vontade”.   Mas enquanto eu pensava nisso, meu doce Jesus, fazendo-se ver toda bondade e ternura, para quebrar os corações mais duros, me disse:

(4) “Minha filha, se eu soubesse o quanto sofro quando quero formar minhas obras e torná-las conhecidas das criaturas para dar-lhes o bem que elas contêm, e não encontro ninguém que tenha um verdadeiro ímpeto, um verdadeiro desejo e vontade de fazer do meu trabalho a sua vida para o dar a conhecer, para dar aos outros a vida do bem do meu trabalho que sente em si mesmo; e quando vejo essas disposições em quem tem que cuidar, a quem com tanto amor chamo e escolho para as obras que me pertencem, sinto-me tão atraída por ele, que para fazer bem o que quero me rebaixo, Desço nele e lhe dou minha mente, minha boca, minhas mãos e até meus pés, para que em tudo ela sinta a vida do meu trabalho, e como uma vida sincera, não como algo estranho para ele, ela pode sentir a necessidade de dá-lo aos outros.  Minha filha, quando um bem não se sente em si como vida, tudo termina em palavras, não em obras, e eu fico fora deles, não dentro, e por isso eles ficam como pobres aleijados, sem inteligência, cegos, mudos, sem mãos … e sem pés, e nas minhas obras não quero servir-me dos pobres aleijados, ponho-os de lado, e não prestando atenção ao tempo que vou voltando para encontrar os dispostos que devem servir ao meu trabalho.

E assim como não me cansei de percorrer os séculos e toda a terra para encontrar o menor, para depositar em sua pequenez o grande depósito do conhecimento de minha Divina Vontade, também não me cansarei de girar a terra e girar para encontrar os verdadeiramente dispostos, que apreciarão como vida o que manifestei no Fiat Divino, e estes farão qualquer sacrifício para torná-lo conhecido.  Portanto, não sou o Deus impotente, mas sim aquele Deus paciente, que quer que minhas obras sejam feitas com decoro e por pessoas dispostas, não forçadas, porque o que mais abomino em minhas obras é o esforço da criatura, como se eu não mereciam os seus pequenos sacrifícios, e que pelo decoro de tão grande obra, que é dar a conhecer a minha Divina Vontade, não quero servir-me de pobres aleijados, porque quem não tem verdadeira vontade de fazer o bem, está sempre um aleijado que lhe faz a alma, mas quero me servir de gente que, administrando meus divinos membros, o faça com decoro, como merece um trabalho que deve trazer tanto bem às criaturas e grande glória a minha Majestade”.

28-3

5 de março de 1930

Como Jesus quer ver seu Fiat palpitante na criatura.   Como viver Nele está o chamado de todos os atos na Unidade Divina.   O que significa Unidade.

( 1 ) Vivo sempre na dor da privação do meu doce Jesus; que duro martírio!   Se não fosse pelo fato de que sua Santa Vontade tinha no seu lugar, fazendo-se sentir continuamente, que enquanto Ele me dá a vida Ele sempre me mantém ocupado e perdido Nele, eu não sei como viver, mas com tudo isso, as muitas lembranças queridas de Jesus que pensei que nunca mais o perderia de vista, suas doces e repetidas visitas, seus muitos estratagemas amorosos, suas muitas surpresas de que eu parecia viver mais no céu do que na terra, só de lembrar dele são cruéis feridas, que tornam mais endurecido o meu doloroso martírio.   Ah!   Jesus, Jesus! ! !  Como é fácil aturar e esquecer quem te ama e forma seu martírio, e que você mesmo disse tantas vezes que me amava tanto!   Ah!   Jesus, volte porque eu não aguento mais.   Mas enquanto minha pobre alma sentia a febre, que Jesus queria, e delirava desproporcionalmente, meu doce Jesus, movendo-se dentro de mim e me segurando em seus braços, como que para acabar com meus erros, me disse:

( 2 ) “Minha filha, acalme-se, acalme-se, eu estou aqui, nem te coloquei como uma banda, nem a natureza do meu Amor sabe esquecer ninguém, mas estou em você para dirigir todos os seus atos em minha Divina Vontade, porque não quero nenhum ato seu, mesmo mínimo, não é nobre e divino e que não tenha o selo do meu Fiat Divino, quero vê-lo palpitar em todos os seus atos, tudo isso é meu compromisso , para formar a primeira cópia da alma que deve viver em minha Divina Vontade”.

( 3 ) Dito isto, Ele fez silêncio, e eu segui meu passeio no Fiat Divino, quis recolher tudo o que as criaturas fizeram para fechar tudo na Vontade Divina, e meu Supremo Bom Jesus acrescentou:

( 4 ) “Minha filha, viver em minha Divina Vontade é o chamado de todos os atos das criaturas na unidade dela.   Tudo saiu de dentro de sua unidade, de nosso único ato que dá vida a todos os atos, portanto é nosso direito, de justiça, que tudo nos retorne para reconhecer de onde vieram.   Reconhecer de onde vem um ato, quem é que dá vida a tantos atos, de que maneira e como, é a mais bela homenagem ao nosso Poder e Sabedoria que com um único ato é a vida de todos os atos.   E só aquele que vive no meu Fiat, abraçando tudo junto com Ele, toma tudo em sua mão e encerra tudo naquela Vontade em que vive, sobe em nossa unidade para nos trazer tudo, e nos dar as verdadeiras homenagens de todos os efeitos do nosso único ato.  Por isso, voltar-se para a nossa Vontade Divina não só recolhe tudo, mas comunica o teu ato a todas as coisas criadas, de modo que todo o céu se põe às adorações junto com as tuas adorações, o sol para nos amar junto com o teu amor, o vento para glorificar nós junto convosco, enfim, todas as coisas criadas, sentindo na minha Vontade com que todas estão investidas, o vosso ato que nela fazeis, todas elas posam para nos amar, para nos adorar, para nos dar glória e graças, assim que sentimos que em nosso Fiat Divino a criatura nos dá a plenitude do amor, a totalidade da adoração, a glória completa.   Portanto, siga seu vôo em minha Divina Vontade e não se preocupe com mais nada, porque Nela você tem muito o que fazer”.

( 5 ) De onde fiquei pensando na unidade da Vontade Divina, e meu doce Jesus acrescentou:

( 6 ) “Minha filha, você sabe o que significa a Unidade da Vontade Divina?   Significa que de dentro desta Vontade não há nada belo, bom ou santo que não saia de dentro Dela.   Esta nossa Vontade Divina, uma é sua Unidade, uma é seu ato; mas enquanto é um, a Vontade, a unidade e o ato se estendem por toda parte; e porque se estende por toda parte como num só fôlego, tudo faz, tudo abraça e tudo dá vida.   Assim, quem vive em nossa Divina Vontade se funde em nossa Unidade, e tudo o que faz não sai de Nós, mas dentro de Nós.  Por outro lado, quem vive fora dela, sentimos a dor do rasgo que faz de seus atos de dentro de nossa Vontade, e enquanto ele os rasga não os devolve a nós, porque não forma uma nossa Divina Vontade. com o seu.   Por isso a grande diferença de quem vive fora do nosso Fiat, todos os seus atos são atos divididos e quebrados, não fundidos, pois não terá o bem de sentir em si a plenitude da luz, a felicidade e todos os bens, mas tudo. será miséria, fraqueza e escassez de luz”.

Compartilhe a Divina Vontade