Estudo 48 Livro do Céu Vol. 1 ao 11 – Escola da Divina Vontade



Parte 2

LIVRO DO CÉU VOL. 1

56b Depois de ter aplicado a minha alma a sua dor, então me
pareceu estar disposta a receber a absolvição. Toda humilhada
e confusa como estava, e prostrada aos pés do bom Pai Jesus,
com os raios que enviava à minha mente, tratava de me
estimular principalmente à dor dizendo, se bem não recordo
tudo: “Grande, supremo foi o mal que fiz a Ti. Estas potências minhas
e estes sentidos do corpo deviam ter sido tantas línguas para te louvar,
ah, em troca foram como tantas víboras venenosas que te mordiam e
procuravam até mesmo te matar. Mas, Pai Santo, perdoe-me, não
queiras me afastar de Ti pelo grande mal que cometi pecando”.
E Jesus: “E tu, prometes não pecar mais e afastar do teu
coração qualquer sombra de mal que possa ofender o teu
Criador?”
E eu: “Ah sim, com todo o coração te prometo. Mas bem quero mil
vezes morrer que voltar a pecar, nunca mais, nunca mais”.
E Jesus: “E Eu te perdoo e aplico à tua alma os méritos de
minha Paixão e quero lavá-la em meu Sangue”.
E, enquanto dizia isto, levantou a sua mão direita abençoada
e pronunciou as palavras da absolvição, exatas às palavras que
o sacerdote diz, e no ato em que isto fazia, de sua mão corria
um rio de sangue, e minha alma ficava toda inundada por ele.
Depois disso me disse: “Vem, ó filha, vem fazer penitência por
teus pecados beijando minhas feridas”. Toda trêmula me
levantei e lhe beijei suas Sacratíssimas Chagas e depois me
disse: “Minha filha, sê mais atenta e vigilante, porque hoje te
dou a graça de não cair mais no pecado venial voluntário”.
Depois me fez outras exortações que não recordo bem e
desapareceu.

2-51

31 de julho de 1899

( Sem título )

 

( 1 ) Continuando Jesus a vir esta manhã, mas sempre em silêncio, mas eu estava muito feliz enquanto eu tinha meu tesouro Jesus, porque tendo ele eu tinha todo o meu conteúdo, eu entendia muitas coisas ao vê-lo de sua beleza, de sua bondade e muito mais, mas como foi tudo por meio da inteligência e por meio de comunicação intelectual, portanto a boca não sabe expressar nada, então eu os passo em silêncio.

+   +   +   +

2-52

1º de agosto de 1899

Silêncio e choro de Jesus pelas criaturas.   Na pureza.

 

( 1 ) Esta manhã meu dulcíssimo Jesus, transportando-me para fora de mim mesmo, mostrou-me a corrupção em que caiu a raça humana.   É horrível pensar assim! Enquanto eu estava entre essas pessoas, Jesus disse quase chorando:

( 2 ) “Ah! cara, como você está desfigurado, deformado, dispensado, oh! homem, eu fiz de você para ser meu templo vivo e você, em vez disso, fez de você a morada do diabo; olhe também para as plantas, por estarem cobertas de folhas e flores e frutos, elas te ensinam a honestidade, a modéstia que você deve ter do seu corpo e você tendo perdido toda a modéstia e até o temor natural que você deveria ter, você se tornou pior das feras, tanto que não tenho mais ninguém que se pareça com você.   Você era minha imagem, mas agora você não se reconhece mais, pelo contrário, você me deixa tão horrorizado com suas impurezas, que me deixa doente ao vê-lo e você mesmo me obriga a fugir de você”.

( 3 ) Enquanto Jesus dizia isso, senti-me atormentado pela dor ao ver meu amado Jesus tão amargurado, por isso lhes disse:   “Senhor, você está certo de que já não encontra nada de bom no homem e que ele chegou a tal quem não sabe mais obedecer às leis da natureza, então se você quiser olhar para o homem, você não fará nada além de enviar castigos, então eu imploro que você aponte à sua mercê e assim tudo será remediado”.   Enquanto eu dizia isso, Jesus me disse:

( 4 ) “Filha, dá-me um alívio das minhas dores”.

( 5 ) No ato de dizer isso, ele tirou a coroa de espinhos que parecia encarnada em sua adorável cabeça e a enfiou na minha, senti dores muito amargas, mas fiquei feliz por Jesus ter se revigorado   . disse:

( 6 ) “Filha, amo muito as almas puras e como das impuras sou obrigado a fugir, estas ao invés como por ímã sou atraído a ficar com elas.   Às almas puras empresto de bom grado minha boca para fazê-las falar com a mesma língua que a minha, para que não tenham que fazer um último esforço para converter as almas; nas ditas almas tenho o prazer não só de continuar a minha Paixão, e assim continuar ainda a Redenção, mas o que é mais, me alegro sumamente de glorificar nelas minhas mesmas virtudes”.

3-52

15 de março de 1900

 

Jesus se sente desarmado pelas almas vítimas.

 

(1) Ainda sem vir, eu estava com muita dor e senti uma febre para entrar em delírio.   Agora, já que o confessor veio celebrar o sacrifício divino, comungei, mas não vi meu querido Jesus como de costume, então comecei a dizer minhas bobagens:   “Diga-me meu bem, por que você não aparece?   Desta vez, parece-me que ele não lhe deu a oportunidade de escapar! Como, em boa hora, em boa forma, você me deixa?   Ai, nem os amigos desta terra agem assim! Quando eles têm que ficar longe, pelo menos eles se despedem, e você, nem se despede?   Como, isso é feito?   Perdoe-me se falo assim, é a febre que me faz delirar e enlouquecer”.   Quem pode dizer todas as bobagens que eu disse a ele?  Seria uma perda de tempo.   Ora, enquanto eu delirava e chorava, Jesus, ora mostrou uma mão, ora um braço, quando vi o confessor que me deu a obediência para sofrer a crucificação, e Jesus, como que forçado pela obediência, fez-se ver e Eu imediatamente a Ele:   “Por que você não apareceu?”    E Ele, mostrando um aspecto sério, disse:

(2) “Não é nada, não é nada, é que eu quero castigar a terra e eu, mesmo estando em boas mãos com apenas uma criatura, me sinto desarmado e não tenho forças para pôr a mão nos castigos, porque me mostrando você começa a dizer, se você vê que eu tenho que mandar castigos:   “Derrame-me, faça-me sofrer”.   E me sinto conquistado por você e nunca coloco minha mão em punições, e os homens não fazem nada além de se tornarem mais ousados”.

(3) Agora, continuando o confessor a repetir a obediência para me fazer sofrer a crucificação, Jesus mostrou-se lento para me obrigar a fazer esta obediência, ao contrário das outras vezes em que quis imediatamente que eu me submetesse, e disse-me:

(4) “E você, o que você quer fazer?”

(5) E eu:   “Senhor, o que quiseres”.

(6) Então, voltando-se para o confessor com um olhar sério, disse-lhe:

(7) “Você também quer me amarrar, dando-lhe essa obediência para me fazer sofrer?”

(8) E enquanto dizia isso, começou a compartilhar em mim as dores da cruz e depois, mostrando-se aplacado, derramou sua amargura e acrescentou:

(9) “O confessor, onde está ele?”

(10) E eu:   “Senhor, não sei para onde ele foi, é certo que não o vejo mais conosco.”

(11) E Ele:   “Eu quero, porque já que ele me restaurou, eu quero restaurá-lo”.

4-53

31 de janeiro de 1901

Jesus Cristo explica-lhe a grandeza da virtude da paciência.

 

( 1 ) Como eu estava em meu estado habitual, meu doce Jesus não vinha, então depois de uma longa espera, assim que o vi, Ele me disse:

( 2 ) “Minha filha, a paciência é superior à pureza, porque sem paciência a alma se desencadeia facilmente, e é difícil manter-se pura, e quando uma virtude precisa da outra para ter vida diz-se, a superior para isso; de fato, pode-se dizer que a paciência não é apenas a custódia da pureza, mas é uma escada para subir a montanha da fortaleza, de modo que, se alguém subir sem a escada da paciência, cairá imediatamente do mais alto para o mais baixo.   Além disso, a paciência é o germe da perseverança, e esse germe produz ramos chamados firmeza.  Oh, como é firme e estável a alma paciente no bem empreendido, não leva em conta a chuva, a geada, o gelo, o fogo, mas toda a sua conta é levar ao fim o bem que começou, porque não há loucura maior do que aquele que hoje faz o bem porque gosta, amanhã porque não encontra mais prazer o deixa de fora; O que se diria de um olho que em uma hora tem visão e em outra permanece cego? De uma língua que ora fala e ora fica muda? Ah! sim minha filha, só a paciência é a chave secreta para abrir o tesouro das virtudes, sem o segredo desta chave as outras virtudes não saem para dar vida à alma e enobrecê-la”.

+   +   +   +

4-54

5 de fevereiro de 1901

Ele vê duas donzelas servindo justiça:   tolerância e dissimulação.

 

( 1 ) Esta manhã Jesus abençoado me transportou para fora de mim mesmo, mas Ele se mostrou em um estado que moveu até as pedras à compaixão.   Oh! como sofria e parecia que, não aguentando mais, queria se aliviar um pouco, como se procurasse ajuda.   Senti meu pobre coração romper-se de ternura, e imediatamente puxei a coroa de espinhos, colocando-a em mim para aliviá-lo, então disse: “.   “Meu doce bem, já faz algum tempo que você não renovou as dores da cruz para mim, peço-lhe que as renove hoje, para que você fique mais aliviado”.

( 2 ) E Ele: “Meus amados, é preciso que se peça justiça para que isso seja feito; pois as coisas chegaram a tal ponto que ele não pode permitir que você sofra”.

( 3 ) Eu não sabia pedir justiça, quando apareceram duas donzelas que pareciam estar servindo à justiça, e uma se chamava tolerância, a outra dissimulação; e tendo pedido que me crucificassem, a tolerância pegou minha mão e a pregou, sem querer terminar, então eu disse: “Ah! santa dissimulação, você consegue me crucificar, não vê que a tolerância me deixou, deixe-me ver o quanto você é melhor em dissimular”.   Daí ele tem a tarefa de me crucificar, mas com tanta agonia, que se o Senhor não me tivesse sustentado em seus braços, eu certamente teria morrido de dor.   Depois disso, o abençoado Jesus acrescentou:

( 4 ) “Filha, é preciso ao menos que às vezes você sofra essas dores, e se não fosse assim, ai do mundo! o que seria dele”.

( 5 ) Então eu rezei para ele por várias pessoas, e me encontrei em mim mesmo.

+   +   +   +

4-55

6 de fevereiro de 1901

A satisfação perfeita de Jesus é encontrar-se na alma.

 

( 1 ) Encontrando-me no meu estado habitual, o bendito Jesus, vindo, disse-me:

( 2 ) “Minha filha, quando minha graça se encontra na posse de mais pessoas, celebre mais; acontece que com aquelas rainhas, quanto mais as donzelas se penduram em seus signos e fazem uma coroa ao redor delas, mais elas se divertem e celebram.   Você se fixa em Mim e olha para Mim, e permanecerá tão tomado por Mim, que todo o material cairá morto para você, e você deve se fixar tanto em Mim, a ponto de atrair-Me todo para você, porque eu acho em você Eu mesmo posso encontrar a minha em você a complacência perfeita.   Portanto, encontrando em você todos os meus prazeres possíveis de estar em uma criatura humana, não posso desagradar tanto o que os outros fazem comigo”.

( 3 ) E enquanto ele dizia isso ele se encerrou dentro de mim, e tudo se agradou.   Quão afortunado eu me consideraria se viesse a atrair meu amado Jesus completamente para dentro de mim.

6-49

14 de julho de 1904

A vida é um consumo contínuo.

 

( 1 ) Os meus dias vão-se tornando cada vez mais penosos devido às quase contínuas privações do meu adorável Jesus, eu mesmo não sei porque me sinto devorado pela alma e também pelo corpo por esta separação.   Que arquivo surdo.   Meu único e único consolo é a Vontade de Deus, porque se eu perdi tudo, até Jesus, esta santa e doce Vontade de Deus está apenas em meu poder, além de sentir-me devorar até o corpo, me iludo que ela não demore tanto a dissolução dela, pois vejo que sinto sucumbir, e por isso espero que algum dia, o Senhor me chame para Si e acabe com essa dura separação.   Então, esta manhã, depois de ter lutado, oh! quanto, quando ele veio e me disse:

( 2 ) “Minha filha, a vida é uma consumação contínua, uns a consomem por prazeres, outros por criaturas, alguns por pecar, outros por interesses, alguns por caprichos, há muitos tipos de consumação.   Agora, quem forma esta consumação inteiramente em Deus, pode dizer com toda a certeza: “Senhor, a minha vida foi consumida por amor a Ti, e não só me consumi, mas morri só por teu amor”.   Portanto, se você se sente continuamente consumido pela minha separação, pode dizer que morre continuamente em Mim e sofre tantas mortes por meu amor.   E se consumires o teu ser para Mim, na medida em que é consumação de ti, adquires o mesmo divino em ti”.

+   +   +   +

6-50

22 de julho de 1904

A única estabilidade é o que faz CONHECER o progresso da vida divina na alma.

 

( 1 ) Continuando meu estado habitual, quando o bendito Jesus veio e me disse:

( 2 ) “Minha filha, quando a alma se propõe a não pecar, ou a fazer um bem e não realiza as intenções feitas, o sinal é que elas não são feitas com toda a vontade, e que a luz divina não tenha contato com a alma, porque quando a vontade é verdadeira e a luz divina, ela te faz saber o mal a evitar, ou o bem a fazer e dificilmente a alma não realiza o que se propôs, e isso porque o divino a luz não vê a estabilidade da vontade, não te dá a luz necessária para evitar um e fazer o outro, no máximo podem ser momentos de infortúnio, abandono de criaturas ou algum outro acidente que a alma parece querer destruir para Deus, que ele quer mudar sua vida, mas assim que o vento dos acidentes muda, logo muda a vontade humana.  Assim, em vez de vontade e luz, podemos dizer uma mistura de paixão de acordo com as mudanças dos ventos.   Mas a única estabilidade é aquela que dá a conhecer o progresso da vida divina na alma, porque sendo Deus imutável, quem o possui participa da sua imutabilidade para o bem”.

7-47

2 de outubro de 1906

Como nossos sofrimentos podem elevar-se a Jesus.

( 1 ) Tendo comungado, senti-me fora de mim e vi uma pessoa muito oprimida de várias cruzes, e bendito Jesus que disse:

( 2 ) “Diga a ela que no ato que ela sente como se estivesse sendo alvo de perseguições, de ferroadas, de sofrimentos, ela pensa que eu estou presente para ela e que o que ela está sofrendo pode ser usado como cura e remédio para minhas feridas; para que seus sofrimentos me sirvam agora para curar meu lado, agora minha cabeça, e agora minhas mãos e pés muito doloridos, exacerbados pelas graves ofensas que as criaturas Me fazem, e esta é uma grande honra que faço a ela, dando-lhe Eu mesmo o remédio para curar minhas feridas e, ao mesmo tempo, dar-lhes o mérito da caridade de ter me curado”.

( 3 ) Enquanto ele dizia isso, vi muitas almas no purgatório, que ao ouvirem isso, todas espantadas, disseram:

( 4 ) “Você é afortunado por receber tantos ensinamentos sublimes, que adquire mérito para curar um Deus, que supera todos os outros méritos a esse respeito, e sua glória será tão distinta dos outros quanto o céu da terra.   Oh! se tivéssemos recebido tais ensinamentos, que nossos sofrimentos pudessem servir para curar um Deus, quantas riquezas de mérito adquiriríamos e que agora estamos privados delas”.

9-44

3 de setembro de 1910

 

O que Jesus faz com uma alma, ele o faz com efeitos em todas.

 

(1) Estando em meu estado habitual, o bendito Jesus veio como uma criança; ele me beijou, me apertou, me acariciou, e muitas vezes ele retribuiu com beijos e abraços.   Espantava-me que Jesus tivesse transcendido comigo, muito covarde, para ficar comigo com beijos e abraços.  Devolvi-os, mas tímidos, e Jesus com uma luz que vinha Dele, me fez entender que vir, é sempre um grande bem, não só para mim, mas para o mundo inteiro, para que com amor e desabafo com uma alma, passa a preocupar toda a humanidade, porque nessa alma há tantos laços que unem a todos: laços de semelhança, laços de paternidade e filiação, laços de fraternidade, laços de tudo ter saído e criado por suas mãos , laços de ter sido todos redimidos por ele e que nos vê marcados com seu sangue.   Portanto, vendo tudo isso, amando e favorecendo uma alma, os outros permanecem amados e favorecidos, se não no todo, pelo menos em parte.  Por isso, vindo a mim bendito Jesus, e encontrando-se em tempos de flagelos, beijando-me, abraçando-me, acariciando-me e olhando-me, quis olhar todos os outros e poupá-los em alguma parte, se não em tudo.

(2) Então, depois disso, vi um jovem, creio que era um anjo que marcava aqueles que seriam tocados pelo flagelo.   Parecia que um grande número de pessoas estava sendo levado.

Compartilhe a Divina Vontade