Perguntas e respostas sobre o Terceiro Fiat de Deus – Thomas Fahy


Perguntas e respostas
sobre o terceiro Fiat de Deus

(A vontade divina …)

OBSERVAÇÃO: TEXTO TRADUZIDO DIRETAMENTE DO LINK http://piccarreta.com/questions-reponses-sur-divine-volonte?lang=en

Contêm erros que foram comentados no video abaixo:

OUÇAM A EXPLICAÇÃO

Autor: Padre Thomas M. Fahy

Traduzido por Guy Harvey e sua equipe

Versão completa disponível na  loja  ou em Guy Harvey

1. P.  O que significa a palavra  Fiat ?

R. A palavra  Fiat , que é uma palavra latina, significa:  Que assim seja . É uma ordem ou decreto sobre a criação de um projeto. Também pode significar  sim  um pedido, com o intuito de atender a essa demanda.

3. P.  O que o primeiro Fiat de Deus ?

R. O primeiro  Fiat  Deus é aquele que resultou na  Criação  do universo e de tudo o que existe fora do próprio Deus. Nesta brochura, estamos particularmente interessados ​​na criação do homem e no que Deus fez por amor ao homem.

5. P. O que é o  Terceiro Fiat de Deus ?

R. O terceiro  Fiat  Deus é um cumprimento do decreto eterno de Deus para a  santificação  do homem pela mesma santidade divina, na medida em que é possível para uma criatura, recompensando o homem na plenitude da vida da Santíssima Trindade e a Vontade Divina, fonte eterna de graças e bênçãos. Este dom de Deus torna o homem capaz de cumprir a vontade de Deus na terra como é feito no céu. -Jesus orou por esta intenção em oração ao Pai que ele nos deixou, oração em toda a cristandade repita:  Venha o teu reino . O terceiro  Fiat  unifica e coroa o primeiro  Fiat  e o segundo, levando-os à sua conclusão.

7. P.  Alguém já fez a vontade de Deus  na terra como no céu ?

R. sim. Inicialmente, Adão e Eva fizeram a vontade de Deus como no Céu, antes de escolherem seguir a sua própria vontade no momento do evento. Desde, com exceção de Jesus e Maria, ninguém fez a vontade de Deus na terra como no céu e esta, até o terceiro dia  Fiat  Deus começou a fazer na alma  Luisa  de Corato, Itália, no ano de 1889.

10. P.  Luisa Piccarreta foi a primeira a receber o dom da Vontade Divina ?

R. sim. Com exceção, é claro, de Adão e Eva no início, depois Jesus e Maria, Luisa Piccarreta foi a primeira a receber o dom da Vontade Divina. Isso fica evidente na revisão de sua vida e de seus escritos. -Jesus chamou a mensageira da Vontade Divina, a filha da Vontade Divina e de muitas outras formas, explicando como ela foi a primeira a experimentar o cumprimento da oração do Senhor: o  Pai Nosso .

11. P.  Houve outros pioneiros desta era do terceiro  Fiat ?

R. sim. Après Luisa Piccarreta,  que foi a primeira grande , veio de outros pioneiros. L’un d’eux fut le bienheureux Annibale Di Francia d’Italie. Estiveram presentes também a Madre Conceição Cabrera México, a Beata Dina Belanger Canadá e o Arcebispo Luis Maria Martinez, do México. Eles entraram em um novo tipo de santidade que parece, em alguns aspectos, a ele por Luísa. Hoje, em vários lugares da terra, existem almas que começam a viver na Vontade Divina.

12. P.  O mundo parece mais do que nunca afogado nas trevas do pecado. Como podemos falar do terceiro  Fiat  já ?

R. O segundo  Fiat  de Deus, Redenção, iniciou um período de grande escuridão espiritual. Podemos dizer que seus primórdios foram marcados pela concepção da Virgem Maria, poucos anos depois, unindo seu  Fiat  ao Fiat eterno  , conceber o Verbo divino em seu ventre puríssimo e dar à luz nosso Salvador Jesus. Poucas pessoas sabiam que este segundo  Fiat , a Redenção, havia começado a ser realizado antes que Jesus começasse sua vida pública aos trinta anos. A mesma situação aparece no início da realização do terceiro  Fiat , cujo amanhecer atual seguido pela clareza de sua própria época.

13. P.  Na oração ao Senhor, as palavras significam  : Venha o teu reino ?   

R. Palavras  Teu reino venha  ensinado por Jesus não significa que inaugurou o reinado da Vontade Divina neste tempo; caso contrário, ele teria dito algo como: “Meu Pai, Vim estabelecer o Teu reino na terra, está confirmado: Tua vontade de governar e reinar agora». Em vez disso, ele disse: “Venha o Teu reino”, o que significa que o governo virá no futuro e que as criaturas devem esperar com a mesma certeza que tiveram os hebreus quando esperavam a vinda do Redentor.

16. P.  O que significam as palavras  : Dê-nos hoje o nosso pão de cada dia ?   

R. Estas palavras expressam o pedido de três tipos de pão:

1. O pão da Vontade Divina. É necessário antes de tudo porque, a cada momento, a criatura precisa receber sua vida divina.

2. O pão da Eucaristia. Mas que fruto este pão ele pode trazer ao homem se ele não for primeiro alimentado pela Vontade Divina? Se as criaturas se alimentam do lodo da vontade humana, – Jesus não é capaz de proporcionar os benefícios do Santíssimo Sacramento ou da santidade. E dá-lhes alguma coisa, é em pequenas porções, – de acordo com as suas disposições. A Eucaristia e os outros sacramentos que Jesus deixou para a sua Igreja fornecem a plenitude dos frutos, eles se comportam e comunicam a verdadeira santidade apenas quando o Divino vai encontrar a realização na terra como no céu.

3. Finalmente, equipamento necessário para a nossa subsistência de pão corporal.

17. P.  O que significam as palavras  : Perdoe nossas ofensas como perdoamos aqueles que nos ofenderam ?   

R. Este pedido será respondido completamente quando o homem comer da Vontade Divina como Jesus fez em Sua Humanidade. Portanto, o amor do homem é perfeito e o perdão será como o de Jesus na Cruz, ou seja, marcará o heroísmo. Suas virtudes, vindo diretamente da Vontade Suprema, são tão correntes surgindo desta Vontade como um vasto oceano.

19. P.  O que é a alma humana  A natureza humana ?

R. A alma humana é a essência espiritual da natureza humana. A natureza humana é composta por um corpo (visível e físico) e uma alma vibrante e ativa (invisível e espiritual) que anima o corpo. A alma humana é imortal, o que significa que ela viverá para sempre, está no céu, ou inferno, após a vida na terra. No entanto, muitos daqueles que estão destinados ao céu passam pelo purgatório antes. A alma humana, imagem da Santíssima Trindade, possui três faculdades principais: a vontade, o intelecto e a memória.

Possuindo toda a ciência e a arte de criar, Deus quis que o homem não fosse apenas dotado de corpo e alma, mas também limitasse sua Vontade Divina, que é o princípio da vida e do corpo e da alma. O que a alma é para o corpo, a Divina Vontade será uma e a outra. Assim foi com Adão e Eva antes de rejeitarem o dom da Vontade Divina.

20. P.  O que é vontade ?

R. Humanos, a vontade é o que mais se assemelha ao seu Criador. É o motor e o princípio vital da alma. A vontade dá vida ao intelecto e à memória. Ele também tem o poder de decisão, de escolher fazer ou não fazer algo. Isso é chamado  de arbitragem gratuita .

Humanos, a vontade não está pensando, mas causa a atividade da mente; não é o olho, porém, dá vida ao olhar e à busca de tudo, à observação de qualquer um; não é fala, mas dá vida às palavras; não é a mão, mas, no entanto, dita seus movimentos; não são os pés, mas proporcionam o caminhar; não é amor nem desejos, mas é a vida de amor e desejos.

Inicialmente, quando Adão e Eva foram criados, era a Vontade Divina que os guiava e governava e animava todas as suas atividades. Mais ou menos, sua vontade humana ficou para trás, deixando a Vontade Divina reinar livremente neles. Após o fracasso que se seguiu à corrida que Deus os fez sofrer, a Divina Vontade tomou seu reino e sua alma, e a pobre vontade humana iniciou seu longo e lamentável reinado entre as gerações humanas até os tempos atuais. Esta lamentável situação está agora chegando ao fim, porque estamos no alvorecer da realização do terceiro  Fiat   !

21. P.  No primeiro capítulo da Bíblia, é dito que Deus viu que tudo o que ele havia criado era lindo. Como é que a vontade humana é tão fraca, inconstante, desordenada para o mal ?

R. Não era intenção de Deus que o humano operasse separadamente da Vontade Divina. Ao criar a vontade humana, Deus intentou a natureza unida à Vontade Divina, para que esta força seja a Vontade Divina, o primeiro motor, o suporte, o alimento e a vida da vontade humana.

Com o pecado de Adão, a Humanidade perdeu seu relacionamento feliz com a Vontade Divina. Desde então, é a vontade humana que reinará na terra, ao invés da Vontade Divina. Este grande infortúnio será reparado na era do terceiro  Fiat , quando a Vontade Divina reinará novamente  na terra como no céu !  

22. P.  É que Adão e Eva foram criados com a Vontade Divina reinando neles  Foi esse o estado de justiça original de nossos primeiros pais ?

R. sim. Adão e Eva foram criados  à imagem e semelhança de Deus . Era seu estado natural como seres humanos. Portanto, todos os humanos são à imagem de Deus, mesmo aqueles que estão no inferno. Esta imagem pode ficar significativamente distorcida. Também pode ser belo e harmonioso se refletir Deus. E a semelhança de Deus pode ser experimentada em diferentes níveis.

A semelhança de Deus é um presente maravilhoso que deu a Adão e Eva o título de Rei e Rainha da Criação. Eles foram criados imaculados. Deus deu a eles o maior presente, a mesma vida que a Santíssima Trindade, a Divina Vontade, fonte de toda graça e de todo bem. Nossos primeiros pais possuíam Deus e Deus possuía. Eles foram guiados pela Vontade Divina que reinava neles. Cada uma de suas ações era divina, penetrando em todos os lugares, se multiplica ao infinito, o próprio Deus encantador que se alegrava ao ver sua própria atividade dentro de suas criaturas. Até mesmo os anjos ficaram maravilhados ao ver a atividade da Santíssima Trindade de Adão e Eva e amaram cada um de seus atos.

23. P.  O que Adão e Eva fizeram para merecer este presente insuperável ?

R. Nada! A criação de Adão e Eva veio de um decreto da Santíssima Trindade para obter recipientes para o transbordamento do amor de Deus. Esses recipientes devem ser capazes de reconhecer este amor divino e retornar ao Povo de Deus.

Adão e Eva não mereciam esse dom, nem tinham inteligência, nem tinham vontade própria, nem eram imagens de Deus, nem viviam no Jardim do Éden, etc., e menos ainda tinham o dom da Vontade Divina. Deus queria que Adão e Eva existissem e eles estão fora de Deus.

30. P.  Qual é a maior alegria que uma alma pode dar a Jesus ?

R. -Jesus disse à Beata Dina Bélanger, a 30 de abril de 1928, as seguintes palavras: «Minha filha, além da felicidade perfeita e eterna que tenho em meu Pai e em mim, é reproduzir-me nas almas que criei do amor. Mais alma me permite realmente reproduzi-lo, sinto mais felicidade e descanso nela. A maior alegria que uma alma pode me dar é deixar-me elevar à Divindade. Sim, minha pequena esposa, sinto um imenso prazer em transformar uma alma em mim, em divinizante, absorvendo-a completamente da Divindade. »

Nota  : a  Beata Dina Belanger é uma das pioneiras da nova era de santidade. Foi beatificada pelo Papa João Paulo II em 20 de março de 1993. Seu nome religioso era Marie Sainte-Cécile-de-Rome, RJM.

31. P.  Qual é o mistério da iniqüidade que São Paulo falou ?

R. Pode-se encontrar uma explicação parcial considerando a regra da vontade humana desde a queda de Adão e Eva. Nossos primeiros pais perderam o Reino da Vontade Divina, preferindo sua própria vontade à de Deus. Quando Jesus veio à Terra para nos salvar, ele recuperou o reino perdido para a humanidade. No entanto, a sabedoria divina não queria restaurar o Reino da Vontade Divina no momento da redenção, mas pediu a toda a cristandade que orasse pelo retorno do Reino Celestial.

Uma das razões era a grande ignorância da humanidade quanto às coisas divinas; deve ser corrigido ao longo dos séculos pelo Espírito Santo por meio da Igreja Católica. Por exemplo, a doutrina da Trindade era desconhecida quando Nosso Senhor veio, exceto por um número muito pequeno. Ignorando as verdades necessárias, a humanidade não saberia o que fazer com o dom da Vontade Divina. Então, a vontade humana passou a reinar uma vez que nosso – Senhor ascendeu ao céu. De alguma forma, isso explica o mistério da iniqüidade. A contrapartida deste mistério parece ser o mistério da Vontade Divina, também mencionada por São Paulo, que se revelará nos últimos dias.

32. P.  -Jesus ele tem duas vontades, uma divina e outra humana ?

R. sim. Como a segunda pessoa da Santíssima Trindade, por natureza divina, em comum com o Pai e o Espírito Santo, têm a Divina Vontade. Depois da natureza humana no ventre de Maria, ele também tinha uma vontade humana. Ele nunca deu vida às suas atividades apenas com sua vontade humana, escolhendo livremente deixar a Vontade Divina realizar. Nunca dando vida à sua vontade humana, exceto em unidade com a Vontade Divina, ele recuperou o Reino da Vontade Divina para a humanidade. Este reino será dado aos homens na era do terceiro  Fiat .

33. P.  Se Jesus deixou a Vontade Divina operar livremente nele, isso significa que todas as suas ações foram divinas, embora, externamente, fossem atos humanos ?

R. sim. Toda a sua atividade era divina, mesmo nas menores coisas, como piscar os olhos. Isso explica a diferença entre a santidade da atividade de Jesus e os santos. Toda a santidade da atividade da alma está enraizada na vontade que produz essa atividade. A atividade dos santos foi gerada por uma vontade humana fortalecida pela graça, mas ainda era uma vontade humana que produzia atos. Em Jesus e Maria, foi a vontade divina que produziu a atividade; uma diferença infinita!

34. P.  Como podemos dizer que Maria teve a Vontade Divina para conduzir suas atividades ?

R. Deus deu a Maria o dom da Vontade Divina no momento de sua Imaculada Conceição. Por natureza, ela tinha uma vontade humana, que sacrificou a Deus, e assim ela possuía a Vontade Divina no lugar da sua humana. Isso permitiu que ela cumprisse a Vontade de Deus como o próprio Deus. Na verdade, não é por causa da sua Imaculada Conceição e porque foi poupada do pecado original que Deus Filho pôde vir nela a Encarnação, mas antes pelo fato de que a Divina Vontade nela reinou. Não teria sido apropriado que a segunda pessoa divina se encarnasse em Maria se a vontade humana a tivesse governado.

35. P.  São João Batista não fez a vontade de Deus e no Céu porque Jesus disse que não há maior do que ele entre os homens nascidos de mulher e a Escritura diz que ele foi santificado no ventre de sua mãe Isabel, antes mesmo de nascer ?    

R. -Jesus terminou este maravilhoso comentário sobre João Batista com as palavras: “Ainda assim, o menor no reino dos céus é maior do que ele.” Adão e Eva não nasceram de mulher. Adão foi criado por Deus do pó da terra e Eva foi formada da costela de Adão. Eles possuíam o Reino dos Céus quando foram criados, mas perdidos por vaidade e desobediência, recusando-se a continuar a amar a Deus acima de todas as coisas.

Não havia humanos no céu quando Jesus falou assim com João Batista; no entanto, a Mãe de Jesus, nascida de Santa Ana, era certamente maior do que João Batista, porque é de longe a mais alta das criaturas. Maria tinha o Reino dos Céus, que é o Reino da Vontade do Pai.

36.  Qual é a diferença entre a graça santificante e a Vontade Divina ?

R. Essa diferença pode ser comparada àquela entre a luz produzida pelo sol e o próprio sol. A vontade divina é a fonte incriada da graça santificadora. Possuir a Vontade Divina como no Céu, é reter a fonte de toda graça. Ter a graça santificadora, que é uma participação na vida divina, é um grande dom. Possuir a Vontade Divina é ainda maior. A graça pode ser chamada de  vida mística  e a vida real da vida divina  .

37.  Maria não foi chamada de  cheia de graça  pelo arcanjo Gabriel ?

R. sim. As Escrituras apresentam Jesus e Maria como cheios de graça. Eles superaram o Dia de Ação de Graças porque ambos tinham a Vontade Divina, a fonte de toda graça. -Jesus possuía a vontade divina na natureza; Maria possuída por graça.

70. P.  Fornece uma maneira simples de compreender a diferença entre uma alma que vive na Vontade Divina e uma alma vivente resignada à Vontade de Deus.

R. Uma boa ilustração é considerar o primeiro como o sol e o segundo como a terra recebe os efeitos do sol. O primeiro tem a Vontade Divina como sua. O segundo assunto é uma vontade humana para a Vontade Divina.

87. Q.  Cite alguns escritos de santos, místicos e mestres espirituais sobre a deificação de almas.

R. É uma pergunta boa e útil por pelo menos  duas razões.  Uma  primeira razão  é que os cristãos modernos não sabem muito bem o que é graça santificadora e é acompanhada pela presença do Espírito Santo cuja missão é deificar as almas, ainda nesta vida.

Os primeiros cristãos, mais propensos a apreciar os imensos benefícios associados à adesão ao Corpo Místico de Cristo, estavam muito conscientes de serem deificados pela graça santificadora e não relutavam em aceitar e apreciar a verdade de que o Infinito os tornara deuses, permitindo-lhes para compartilhar a natureza divina. Conhecendo essa realidade sublime neles, eles se empenharam em se comportar de acordo, percebendo que dom maravilhoso é ser cristão, nascido na vida de Deus por meio do sacramento do batismo e pode crescer bem na vida divina por meio dos outros sacramentos, especialmente o sacramento da Sagrada Eucaristia.

Uma  segunda razão  é que a Igreja Católica foi abençoada com muitos santos, mestres místicos e espirituais que escreveram sob a influência da graça; eles eram capazes de usar a linguagem e a linguagem apropriada para explicar a missão e operação de Deus na alma com graça santificadora; eles foram capazes de explicar os efeitos dos divinizantes. Assim, a partir dos escritos do Servo de Deus, Padre  Juan G. Arintero , notamos alguns comentários de verdadeiros cristãos, homens e mulheres, que receberam a luz da graça para compreender a realidade daquilo que é deificado pela ação do próprio Deus. :

São Dionísio  :  «… E a salvação encontra-se na deificação, ou seja, na mais perfeita união com Deus e assimilação».

Père Arintero  :  “Este fogo é o Espírito Santo que deve animar-nos, inflamar-nos, purificar-nos, tornar-nos perfeitos até à divinização.»

“O verdadeiro sobrenatural é o fato de que Deus desce ao nível de suas criaturas e do aluno, tanto quanto possível no Criador.»

“Sem destruir a nossa natureza nem a nossa personalidade, mas enriquecendo, o Espírito Santo nos renova, nos transforma, nos deifica e nos une intimamente a Jesus Cristo nosso Salvador …”

“Mas nós somos Deuses criados, enquanto só Ele é o Vivente e Yahweh, sendo Deus por natureza, pode nos fazer deuses por participação. Ele é o Deus deificando: nós somos Deuses deificados.»

Santo Agostinho  :  «Se Deus se humilhou para se fazer homem, é exaltar os homens e fazer Deuses».

“O (Deus) chama os homens de deuses, porque eles são deificados por sua graça e não porque nasceram de sua substância.»

“O filho de Deus forma o corpo do único Filho do Pai. Ele é a Cabeça e nós, membros. Juntos, somos o Filho de Deus.»

Eadmer  (discípulo de Santo Anselmo)  :  “Deus fez outros deuses, mas só ele é o Deus que deifica; nós somos deuses que são deificados”.

São Pedro Crisólogo  :  «É por isso que aqueles que acreditam e professam ser filho de tal pai … devem fazer atos dignos de seu Pai e proclamar em pensamento e ação que ele se tornou divino por natureza».

Saint Basile  :  “… Então as almas que têm o Espírito e são iluminadas pelo Espírito, se tornam espirituais, e mandam graças aos outros … Então, vocês são como Deuses e nada mais sublime não pode ser desejado. »

Cirilo  :  “Por isso somos chamados de Deuses, não só porque fomos elevados à glória sobrenatural pela graça divina, mas porque agora temos que Deus vive e habita em nós.

“E se somos Deuses e filhos de Deus pela graça, então o Verbo Divino, por cuja graça nos tornamos deuses e filhos de Deus, é o verdadeiro Filho de Deus.»

Atanásio  :  “Assim como o Senhor se fez homem dando um corpo, assim nós, homens, fomos deificados pelo Verbo Divino.»

“O Filho de Deus assumiu nossa natureza para nos fazer deuses.»

Louis de Grenade  :  «A graça infunde-se na alma e transforma o homem em Deus, para que, sem deixar de ser homem, assuma as virtudes e a pureza de Deus».

Pourrat  :  “A graça usual da vida divina comunicada à alma. Como um residente na substância da alma para deificar, é chamada de graça santificadora. A graça santificadora, as virtudes e os sete dons do Espírito Santo é graça habitual. Todos sacramentos, sem exceção, produzem. »

Père John de Los Angeles  :  “A alma é feita para participar do próprio Deus por infiltração divina, isto é, por um dom divino saturando todo o nosso ser para nos deificar”.

“A alma é completamente transformada e deificada, no que é e no que faz, é Deus quem está nela e é. Tudo que Deus é por natureza, a alma pela graça. Embora ela não cesse de ser uma criatura, é totalmente deificado e assume a aparência de Deus. »

Santa Gertrudes  :  “Quando recebemos a graça criada, por exemplo, graça santificadora, é pela participação na graça incriada, que é Deus.»

São João da Cruz  :  “A substância da alma, embora não seja a substância de Deus – pode não ser tão substancial -, no entanto, unida a Ele, absorbée in lui. Torna-se assim Deus pela participação, Deus fazendo-o atingir este estado perfeito da vida espiritual. »

«Deus se comunica mais à alma que mais progrediu no amor, isto é, à pessoa cuja vontade é mais perfeita em conformidade com a Vontade de Deus».

Sainte Madeleine Pazzi  :  “Senhor, tu és particularmente glorificado em todos os teus sacerdotes com o teu Espírito, porque cada sacerdote é como um Deus em ti, como outra Palavra (Sl 81,6). Embora haja um só Deus em essência, há são milhares de deuses pela comunicação, participação e união. »

Sobre o Santíssimo Sacramento do Altar  :  «  Ninguém poderia imaginar que Deus se tornasse criatura e que uma criatura de Deus se tornasse a forma inefável e esta dupla comunicação. »

Palavras de Deus Pai no Santo  :  “… Minha Palavra, que é o fogo que acende, veio acender a terra para transformar todos os corações. Nesta fornalha onde o sopro do Espírito Santo acende o fogo, a alma está tão consumido pelo fogo que, em vez de humano, se torna totalmente divino, transformado em mim e comigo ao se tornar uma caridade. »

Santo Tomás de Aquino  :  «A caridade é uma virtude do homem como, mas do homem enquanto ele mesmo é Deus e por participação».

Padre Pio  :  “Sim, a graça santificadora imprime em nós a imagem de Deus para que nos tornemos divinos pela participação e, como bem diz São Pedro, nos tornemos participantes da natureza divina”.

Nota  :  Concluímos esta série de citações pela observação  père Juan Arintero  :

“Vivendo na Graça, vivemos na vida divina em verdade, bem, geralmente, pouco nos damos conta. Somos divinos, mas dificilmente nos damos conta. Temos a tendência de viver apenas na nossa vida e, por causa da nossa mornidão, sufocamos o semente da vida eterna em nós, ou se impedirmos seu crescimento, no entanto, não a perderemos completamente.

Nota  :  As três primeiras questões tratam de material com o objetivo de destacar a compreensão católica autêntica da deificação da alma pelo Espírito Santo. Esta operação sublime de Deus é realizada apenas nas almas que reconhecem seu nada. Satanás é muito astuto para imitar as obras de Deus, para confundir e enganar os orgulhosos. Assim, inspira alguns movimentos como a  Nova Era , com suas pretensiosas e falsas doutrinas, para neutralizar o fruto do que Deus já começou a difundir para a humanidade por meio de almas humildes como Luisa Piccarreta, a Beata Dina Bélanger e outras.

88. P.  Vimos como o respeito e a compreensão de como as pessoas santas, em diferentes períodos da história da Igreja, lidaram com a graça santificadora e seus efeitos na alma. Existe algo ainda maior quando as almas são chamadas a participar ?  

R. A menos que o próprio Deus nos tenha feito saber o estado original em que colocou a humanidade no tempo da criação de Adão e Eva, parece que é impossível para nós sabermos o grau mais elevado em que Deus nos convida a participar por meio de sua vida eterna e atividade divina.

O propósito dos 36 volumes do livro  O Livro do Céu , escrito por Luisa Piccarreta, nos ensina que Deus quer nos dar algo maior do que tudo o que antes havia sido mostrado, por incrível que pareça. Várias outras pessoas (a Beata Dina Bélanger, por exemplo), nos ensinaram coisas semelhantes sobre este assunto.

107. P.  Pode-se extrair dos escritos das passagens de Luísa que explicam o que significa viver para Jesus em sua Vontade Divina ?

R. Em resposta ao que disse sobre o assunto Luísa, -Jesus acrescentou: «Ah! você não sabe o que significa viver no meu Testamento! Isso significa olhar para trás a pura alegria esperada ao criar, os prazeres inocentes que fiz. Isso significa afastar de mim toda a amargura com que o homem traiçoeiro me oprimiu quase no início da criação. Isso significa uma troca contínua entre a vontade humana e a vontade divina; em primeiro lugar, a alma temendo sua própria vontade e vivendo por conta própria e, em segundo lugar, minha pressa em preencher a alma com alegria, amor e bênçãos sem fim. Oh ! como me sinto feliz em dar tudo que quero a essa alma, pois minha Vontade que vive em escopo para acomodar qualquer um!

“Portanto, há mais divisão entre mim e a alma, mas uma união estável no trabalho, pensamento e amor, porque minha Vontade compensa a sua em tudo; estamos em perfeito acordo e em perfeita comunhão de bens. Esta é a primeira meta da criação do homem: que ele viva como nosso filho, coloquemos nossas coisas em comum com ele para que ele seja completamente feliz e nós exulamos sua felicidade.Viver na minha Vontade é realmente isto: restituamos as alegrias e as festas da Criação.

“E você (Luisa), você me diz que eu tenho que manter tudo escondido dentro da minha igreja, sem deixar as coisas andarem! Pelo contrário, para saber qual será o cumprimento da Criação, eu vou virar o céu e terra de cabeça para baixo, vou treinar as almas por uma força irresistível! Vês como nesta vida me interesso pela minha Vontade, ela põe o selo em todas as minhas obras para que tudo seja feito? Talvez para ti, parece nada, ou você pensa que atualmente existem coisas semelhantes na minha igreja. Não, não para mim! Pelo contrário, está lá todas as minhas obras. Você deve, portanto, valorizar e estar mais atento para cumprir a missão que desejo para você.

108. P.  Em sua carta aos Gálatas, falando do envio do Filho pelo Pai para nos redimir, Paulo usa o termo  : Quando o tempo tiver passado . E, na sua carta aos Efésios, falando do mistério da Vontade de Deus, usa o termo  :  « Apresenta-nos o plano misterioso da sua vontade que, a seu favor, parou para sempre, para finalizar,  quando o tempo será feita , a intenção de unir todas as coisas em Cristo, no céu e na terra. “O que significam essas expressões ?     

R. No plano de Deus para a humanidade, parece que existem  três períodos de tempo  e  meio período de tempo , onde um período de tempo é aproximadamente 2.000 anos e um período de meio de 1.000 anos. Desde a queda de Adão até o Dilúvio, o período é de 2.000 anos. O dilúvio para Cristo, outro período de 2.000 anos. De Cristo até os dias atuais, um terceiro período de cerca de 2.000 anos. Daí, da hora atual até o fim do mundo, haveria um período de cerca de 1000 anos, ou seja, meio tempo.

O primeiro terminou com a purificação da água mundial    ; a segunda purificando o mundo  o Precioso Sangue de Jesus   ; o terceiro, provavelmente, atualmente atinge sua plenitude, termina com o fogo de purificação  . Depois disso, haverá dias completos do reinado da Vontade Divina na terra como no Céu e todas as coisas serão restauradas em Cristo. Esta nova era está para começar. Tranquilamente, nas almas, o terceiro  Fiat  está se estabelecendo, como o sol ao amanhecer, antes do amanhecer. Realmente parece que chegou a hora da oração respondida é Senhor e que também vem o triunfo do Imaculado Coração de Maria.

109. P.  Onde  viver na Vontade Divina  é diferente de  habitar na alma da Santíssima Trindade ?

R. A Santíssima Trindade está presente em todas as coisas e, pela força da sua Divina Vontade, as Pessoas divinas mantêm todas as coisas em existência segundo a natureza de cada uma. Quando uma criança chega, a Santíssima Trindade está presente para manter a criança existindo, na sua natureza humana. Quando ela foi batizada, algo surpreendente aconteceu: a Vontade Divina concretiza o esplendor da graça santificadora em sua alma e as Pessoas da Santíssima Trindade farão sua morada, proporcionando sua vida e sua semelhança a um caminho místico, mas limitado. Recebendo a graça santificadora, a alma recém-batizada se torna um filho adotivo de Deus.

No entanto, a graça é criada e, portanto, não é a própria vida de Deus, porque a vida de Deus é eterna e divina incriada. A graça criada, emanada da Vontade Divina da Trindade, torna a alma que vive mais ou menos santa e agradável a Deus, de acordo com seu nível de submissão e entrega à Vontade Divina. As ações da alma são geradas pela vontade humana e são, portanto, limitadas, incapazes de penetrar em todos os lugares, multiplicar até o infinito, ou abraçar tudo o que a eternidade contém. Portanto, essa foi a vida dos cristãos fiéis ao longo da história da Igreja, qualquer que fosse o conceito era o seu modo de vida. E assim foi que a vontade de Deus é feita na terra, mas não como no céu.

As almas bem-aventuradas, conscientes do seu nada, tomaram posse da Vontade Divina não só da Santíssima Trindade, mas entraram na Santíssima Trindade, contribuindo assim para a atividade divina e universal, como Adão e Eva inicialmente. As ações dessas almas são geradas pela própria Vontade Divina e, assim, se multiplica ao infinito, penetram em todos os lugares e abrangem tudo o que a eternidade tem. Uma de suas ações é maior do que o céu e a terra. Essas almas, com a Vontade Divina como sua, não só vivem uma vida mística com Deus como quem está na graça santificadora, mas a vida real de Deus, a vida Divina na Sua Vontade Divina, compartilhando a própria vida da Santíssima Trindade.

É, em essência, como a vontade de Deus é feita no céu e como, ao orarmos ao Senhor, pedimos a ela que venha à terra.

Nota  :  Esta tradução é a da segunda edição do  “Livro da Glória – Perguntas e Respostas sobre o Terceiro Fiat de Deus” , escrito por Thomas M. Fahy, em 1994.

Compartilhe a Divina Vontade