8º MEDITAÇÃO DO ANJO DA GUARDA DA MARIA VALTORTA


DOMINGO DE RAMOS
Introdução: Sal 22 (21): 20, 22, 2
Colete: Deus Todo-Poderoso e eterno, que desejou que nosso Salvador tomasse sobre Si nossa carne e sofresse a morte na cruz, para que toda a humanidade
deve seguir o exemplo de Sua humildade; conceda misericordiosamente que aprendamos a lição de Sua paciência e nos tornemos participantes de Sua
ressurreição. Pelo mesmo Cristo nosso Senhor.
Epístola: Ph 2: 5-11
Gradual: Sal 73 (72): 24, 1-3
Trato: Sl 22 (21): 2-9, 18, 19, 22, 24, 32
Evangelho: Mt 26: 36-75; 27: 1-60
Ofertório: Sl 69 (68): 21-22
Segredo: Conceda-nos, nós oramos, Senhor, que os dons agora oferecidos aos olhos de Sua majestade, possam ganhar para nós a graça da verdadeira devoção e a recompensa de um
feliz eternidade. Por meio de nosso
Senhor. Comunhão: Mt 26:42
Pós-comunhão: Em virtude deste mistério, Senhor, que nossos pecados sejam purificados e nossos desejos legítimos realizados. Por meio de nosso Senhor.

14 de abril de 1946
Azariah diz:

“A leitura que precede a bênção das palmas não faz parte da Santa Missa, mas faz parte da liturgia de hoje.
“Um dia, no início da sua instrução do Santíssimo Senhor Jesus, Ele disse-lhe: ‘Nas páginas do Livro, na História do
meu povo, os acontecimentos do futuro estão ocultos sob figuras e ações.’
“Geralmente, as pessoas aplicam a figura das palmas de hoje às setenta palmas do oásis de Elim. Mas meu Senhor concede que eu
possa instruí-lo sobre a verdadeira figura da Leitura de hoje.
“O povo de Israel, depois dos tempos sagrados dos patriarcas, que poderiam ser comparados a terras férteis ricas em todos os
bens, se corrompeu, tornando-se um ‘deserto estéril’ onde apenas raros oásis, e fontes ainda mais raras, demonstravam que nem
tudo tinha morrido e, como um lembrete da misericórdia celestial, atraiu aqueles que estavam perdidos, mas possuíam boa
vontade, em torno dos espíritos solitários dos Justos de Israel. Os patriarcas, juízes e profetas, os grandes reis de Israel, os
Macabeus, Judite, Ester, Joel, Tobias, Neemias e os santos – essas são as palmas e as fontes que se erguem de forma solitária no
meio da aridez desolada de a consciência de Israel, que ingrata se afastava de seu Benfeitor, esquecendo-se de sua ajuda.
“Aquele que havia dado aquela Terra anteriormente prometida – cuja rica beleza ultrapassava todas as esperanças dos
patriarcas – ao seu povo, descobriu que sua terra era assim. O Cristo a descobriu quando desceu para cumprir a segunda parte das
grandes promessas feitas a Abraão, isto é, depois de ter dado a ele e seus descendentes a terra vista na visão e uma posteridade
mais numerosa do que as estrelas, a promessa de que ele receberia o Messias, nascido do ventre de uma filha de Abraão, para
redimir o mundo.
“E o Cristo deu o oásis com doze fontes e setenta palmas para o povo que desfalecia no deserto para que
tivesse refresco e alimento e acampasse no oásis fornecido pelo Salvador.
“Um verdadeiro dom do Santíssimo Jesus foram os doze apóstolos deixados para perpetuá-lo em seu magistério
e dar às almas a água viva das palavras divinas e o alimento contido nos sacramentos. Um verdadeiro dom do
Santíssimo Jesus foram os setenta e dois discípulos, que, como colaboradores dos apóstolos, formaram com eles o
núcleo inicial da Igreja Apostólica, o Oásis em torno do qual as multidões de fiéis se tornaram cada vez mais
numerosas, o oásis que se espalhou, fertilizando o solo, vencendo o deserto , a ponto de elevar suas gloriosas
palmeiras em todos os pontos da Terra.
“Veja esta verdade na primeira parte da leitura neste momento do Êxodo e nunca seja como o povo que, quando perto das
fontes e palmas de Elim, se queixou deste dom de Nosso Senhor Jesus.
“A segunda figura: o Pão do Céu. O Maná que o homem não poderia imaginar ou exigir, que o homem não poderia dar a si
mesmo, mas que o Senhor eterno dá liberalmente a seus filhos para que não morram de fome, o doce sabor branco O maná é
dado em tal medida que haverá o suficiente para todos os que desejam se alimentar dele todos os dias. E somente a rebelião
contra os mandamentos de Deus, as infrações da Lei o fazem mudar de alimento sagrado e vital para a corrupção. Não por si
mesmo. , pois é incorrupto, incorruptível e incorruptível, como Aquele que nem mesmo a morte corrompeu e que é Ele Mesmo,
com seu Corpo e Sangue, Alma e Divindade, como foi em seus dias na Terra. Mas torna-se corrupção por ser recebido no pecado,
pois maldito é aquele que dele se alimenta no espírito de Judas, o inimigo de obediência e justiça.
“Reflita nas palavras do Deus Santíssimo: ‘E assim posso testar se ele anda ou não segundo a minha Lei.’ Na verdade, ele que
se alimenta da Santíssima Eucaristia, alimento que não é dado aos próprios anjos, mas que o Amor Infinito dá aos homens não se
santifica, mas permanece como era ou regride a um estado pior mostra que ele não está caminhando de acordo com a Lei, pois
com sua alma obstinadamente em falta, mais ou menos gravemente, ele deve tomar aquele Alimento, visto que tal Alimento não
vem para transformá-lo.
“Eucaristia e boa vontade – a Eucaristia, o amor de Deus, e a boa vontade, o amor do homem – quando unidas, só podem produzir
santidade. A boa vontade limpa o terreno do que poderia tornar estéril a Semente Santíssima que germina a Vida eterna. A boa vontade
coloca sobre o altar o que serve para consumar o holocausto – isto é, o que o fogo eucarístico pode inflamar, queimando o homem
material para acender o espírito, purificá-lo e torná-lo ágil como uma chama que tende para o céu, elevando-se com seus raios e seus
perfumes para o Céu para se reunir ao Fogo que o incendiou: Fogo com fogo para a união do amor.
“Mas quando falta a boa vontade e a desobediência está presente, isto é, um estado de pecado – o que pode fazer a Eucaristia?
Nada mais do que o Maná quando recolhido de maneira contrária à ordenada por Deus. torna-se prejudicial, em seu efeito, em
quem o recebe. Nem 1 da manhã, falo apenas dos verdadeiramente sacrílegos, mas também dos mornos e dos orgulhosos, que se
alimentam dele por hábito, dizendo virtualmente: ‘Somos nós que mostramos isso condescendência para com Deus, nós que
cumprimos este costume. ‘
“’No sexto dia, eles devem preparar o que trouxeram, e fazer com que seja o dobro da quantidade que eles geralmente juntam dia
após dia.’
“No sexto dia – isto é, véspera do Dia do Senhor (e cada dia da Sagrada Comunhão é o Dia do Senhor para a alma) – as almas
devem preparar o que habitualmente possuem: fervor, arrependimento e resoluções, de modo a ir para receber dignamente e
fecundamente o Pão do Céu. Bem-aventurados aqueles que o fazem. E bem-aventurados aqueles para quem todos os dias é
véspera do Dia do Senhor, e em perpétua preparação para o maravilhoso, santificador e vital encontro que suas vidas transpiram.
chegados na véspera do grande dia do seu descanso: morte na graça de Deus, eles se ouvirão sendo consolados pelos Sacerdotes
de Deus, pelos
voz do seu coração e do anjo da guarda, com estas palavras: ‘Esta noite (a morte é a noite) você saberá que o Senhor
é Aquele que te tirou da terra do Egito (isto é, da vida terrena, que é exílio e tristeza). E amanhã de manhã (isto é,
tendo vencido a morte) você verá a glória do Senhor ‘: isto é, o Céu, sua morada como santos eternamente.
“Isso é o que a leitura da Bênção das Palmas deve dizer a você. E agora meditemos sobre a Santa Missa.” Você está
verdadeiramente moldado, como metal liquefeito pelo calor, em sua forma e assume a semelhança Dele em sua paixão.
A vossa humanidade se derreteu no calor da caridade, o espírito amoleceu para ser remodelado e hora a hora um sinal do
vosso amado Jesus na sua Paixão vai sendo impresso em vós. Seus desejos são seus, suas tristezas são suas, seus
momentos de solidão, suas observações amargas do que os homens são; sua desolação ao ver a si mesmo não
compreendido, rejeitado e ridicularizado dessa forma é sua. E seus são seus gemidos e suas orações ao pai.
“Semana Santa, semana de dor. Mas por ter sempre dado a você suas joias mais adoráveis nesta semana, que é a perfeição
de suas muitas semanas como um Homem – nem qualquer uma de todas as 1737 semanas que O viram no mundo iguala este final
alguém como um Homem sujeito à dor, seja grato a Ele como se fosse pela mais bela prova de amor. Não se pergunte: “Que
tortura este me trará? Que cálice beberei entre quinta e sexta-feira? Que agonia? Que morte ? Que desconforto? Que traição?
“Não se pergunte. Abandone-se ao seu Pai. Uma hora será poupada: a do abandono de Deus. Você já o
experimentou, quando foi necessário ir em socorro das almas levadas ao desespero e restaurar o Céu e
restaurá-los para o céu, e essa tortura não é repetida duas vezes.
“O Eterno e Santo Padre, portanto, não rejeitará mais sua pequena ‘voz’, e você pode clamar a Ele, certo de ser ouvido:
‘Oh! Senhor, não retenha a tua ajuda de mim, vem em minha defesa, livra-me de a boca do leão, livra-me, que sou tão
fraco, dos chifres do búfalo. ‘
“Ele já ouviu uma prece sua nestes dias. Mas persevere nesse objetivo, pois ainda há muito que fazer por aquela
alma. E ainda há mais a ser feito por você, que realmente vê a boca horrenda que gostaria de devorá-lo abrindo-se
sobre você e os chifres ameaçadores apontados para você do búfalo diabólico que gostaria de aterrorizar você para apagar a obra de Deus.
Tampouco és defendido por quem tem o dever de defendê-lo, como companheiro, como fiel e como instrumento.
“Você está familiarizado com este aspecto de seu Mestre também: a fuga dos apóstolos, de seus amigos, quando a tempestade
assolou o Inocente, o pensamento egoísta do homem em todos esses casos: ‘Que eu seja salvo,’ e com ele abandonando, sem
heroísmo e sem justiça, o indefeso aos seus acusadores.
“Mas Deus, mesmo que pareça ausente, está presente. Mas Deus julga e mede. Mas Deus defende. E a injustiça humana, repito mais
uma vez, não pode afetar a Justiça divina.
. . . Meu Deus, volte para mim. Por que você me abandonou? Sim, esse é o gemido da alma nas horas de escuridão. Mas
não é condenado por Deus. Mas não é uma ofensa a Deus. Mas não denota desespero de Deus. Caso contrário, a Santíssima
Palavra não teria clamado assim, tanto no Getsêmani como na Cruz. Em seu lamento, que ao superficial pode parecer uma
reprovação contra Deus e desespero, está a fé. A fé no seu socorro, na sua presença, na sua justiça, ainda que as forças do mal,
triunfando durante a sua breve hora, pareçam negar tudo e assim fazer tremer a alma como culpado perante o Juiz Perfeito.
“As forças do mal que lançam o anátema contra os inocentes e os acusam de crimes para esmagá-los no espírito
também e ‘separá-los da salvação’.
“Oh, alma minha, mesmo que você estivesse carregada de pecado, uma vítima expiando e redimindo os pecados dos homens,
uma vítima se oferecendo para continuar a obra de Jesus o Redentor, carregada de acusações de pecados como estava o Cristo
naqueles tremendos horas, considere que é um peso externo, uma vestimenta externa. Não é culpa do espírito, nem lepra sobre
ele, nem roupas sujas, tudo o que faria com que você fosse expulso do banquete de Deus, mas nesse espírito existem apenas as
feridas gloriosas da alma da vítima, e essas feridas são um ornamento, não é uma desonra. O anjo apóstolo declarou quem são os
que estão diante do trono de Deus e do Cordeiro: ‘Estes são os que vêm do grande tribulação e lavaram e branquearam suas vestes
no sangue do Cordeiro. ‘
“Essas vestes embranquecidas com a dor das dores, com a Vítima das vítimas, e com a grande tribulação dos verdadeiros fiéis,
das ‘vítimas’, dos martirizados para serem corredentores, são adornada com as joias de seus sofrimentos, incluindo a joia de acusações injustas.
“Não temas, alma minha. E não gemes se fores humilhada e crucificada. A Oração diz assim: porque se humilhou ao
assumir uma carne mortal e se submeteu à morte na cruz, a Santíssima Palavra tornou-se o Salvador . Pouca voz, anfitriã
voluntária, junta-te e até supera o pedido do orador e pede não só para merecer receber os ensinamentos e frutos do
sacrifício vital e mortal de Cristo, mas antes ser como Ele e humilhado e crucificado com Ele para salvar um grande número
de almas.
“Salvar é maior do que ser salvo. Pois é uma afirmação de que o pequeno salvador já está salvo, pois somente onde Deus vive
na plenitude de suas graças existe virtude heróica; e o amor pela cruz, pela dor e pelo holocausto, através do amor daquele grande
amor possuído por ‘aquele que dá a sua vida pelos seus irmãos’ é uma virtude heróica. E porque salvar significa ser ‘outro Cristo’.
Pela paciência você chegará à Glória e à ressurreição no Céu, em Deus, para sempre, após a morte que é a vida na Terra.
“Leiamos Paulo: ‘Tende em vós os mesmos sentimentos que Jesus Cristo.’ Esse é o modelo. Paulo não diz: ‘O mesmo que este
ou aquele santo.’ Ele diz o mesmo que Jesus Cristo.
“Cristo disse: ‘Seja perfeito como meu Pai Celestial é perfeito’.
“É óbvio, mesmo para uma reflexão humana reta, que mesmo que Cristo fosse apenas um grande profeta, ele teria sido o
primeiro a se esforçar para alcançar a perfeição do Pai, de acordo com o que Ele ensinou. E na verdade Jesus é o reflexo no espelho
da Perfeição Celestial, do Deus Triniforme. Nem uma única falha Nele em trinta e três anos de vida, a ponto de a Verdade, vivendo
em forma mortal, poder afirmar: ‘Quem dentre vocês pode me convencer de pecado? E , quando perto da morte, na hora em que
nem mesmo os homens comuns mentem, mas somente aqueles que são servos do Engano podem manter o engano, Ele repetiu
perante o Pontífice: ‘Eu falei ao ouvir de todos e não disse nada em segredo. você me questiona? Pergunta aqueles que me
ouviram sobre o que eu disse a eles. ‘
“Oh, bem-aventurados aqueles que podem repetir estas palavras aos seus acusadores sem corar, certos de que não cometeram ações
repreensíveis! Bem-aventurados! Muito bem-aventurados! Mortos, mas não contrariados pelos fatos, eles ascendem a Deus, já coroados, e
se com o tempo os homens mudam seu julgamento daqueles que um dia condenaram, na verdade não são eles que erguem a coroa das
trevas naTerra para colocá-la na cabeça do bendito, mas é uma coroa que desce e em seu esplendor celestial fala e faz
tremer quem ergueu as mãos e abriu a boca contra aquele que Deus amou e que amou a Deus e O serviu com
serviço perfeito.
“’Tende em vós os mesmos sentimentos de Jesus Cristo, que, embora existindo na forma de Deus, não considerou esta sua igualdade
como uma pilhagem.’
“Jesus, por ser Aquele que nasceu de Maria, não era menos Deus do que era como o Verbo no céu. A Carne não anulou a Divindade em
Cristo. Como Verdadeiro Deus e Verdadeiro Homem, Ele não tinha um, mas dois perfeições em Si mesmo. A da Natureza Divina, oculta, mas
não diminuída pela Carne, e a da Natureza Humana, recuperada e de fato superperfeita do que era a natureza de Adão, para a dádiva de
uma natureza humana perfeita, a dádiva gratuita de Deus a Adão- Ele uniu sua própria vontade para superperfectar a natureza humana. O
Primogênito dentre os mortos desejava redimir o homem caído não apenas com seu Sangue, mas levando a Humanidade – uma vez
perfeita, depois caída – a uma superperfeição para que o Inferno e os blasfemadores da Verdade ficaria derrotado e confuso.
“Curvem a cabeça, ó homens que querem explicar o inexplicável com a pobre ciência criada por vocês, sombria e desprovida de
luzes e guias sobrenaturais. Aniquilem-se, ó vocês que só sabem descobrir o Erro, ou Dano. Vocês estão derrotados. Jesus Cristo, o
Homem, com o lampejo de sua Humanidade, destrói seus axiomas, anula seus cálculos, mostra-se pelo que Você é: o orgulhoso
maníaco que mede Deus – se você O aceita – por sua mesquinhez, e se você o faz não O aceite, continue delirando sobre autocriações impossíveis de matéria, sobre linhas degradantes e impossíveis de descendência.
“Jesus Cristo é o Homem. E não há filósofo ou fundador louco de religiões sacrílegas que possa criar um super-homem que seja
mais do que o Homem nascido não por vontade carnal, mas pela Vontade de Deus.
“E este Perfeito, em quem estava a Plenitude da Divindade e da Santa Humanidade, não pensava que por causa da primeira Ele
poderia abusar de todo poder por causa da segunda …. ‘Mas Ele se aniquilou, assumindo a forma de escravo e tornando-se
semelhante aos homens, Ele apareceu como um homem simples e se humilhou, tornando-se obediente até a morte, e
65
morte na cruz. ‘
“É aqui, ó queridas vozes, ó queridas vítimas, que deves chegar, precisamente para que Deus brilhe mais em vós. A
honra implica obrigação. Ser instrumentos extraordinários não vos deve dar orgulho nem pretensões de usufruir de
benefícios materiais, pretensões de imunidade de dor, ofensas, calúnias, acusações injustas, desdém, abandono – de tudo,
em suma, que Jesus, o Deus-Homem, sofreu. Mas, antes, julgando-se mais do que compensado por todo sacrifício pelos
dons extraordinários que Deus vos concede e pela aceitação de seu sacrifício – pois não há maior honra do que ser julgado
digno de ser ‘hospedeiro’ – vocês devem se aperfeiçoar em humildade e obediência, obediência heróica até a morte e morte
na cruz.
“Mas ouça o que Paulo diz ao concluir: ‘Por esta razão também, porém, Deus o exaltou e deu-lhe um nome acima de
qualquer outro nome, de modo que em nome de Jesus todo joelho deve dobrar no céu e na terra e na Inferno, e toda língua
deve confessar que o Senhor Jesus Cristo está na glória de Deus Pai. ‘
e a Luz se estabelecerá na glória com seus escolhidos, enquanto as Trevas engolirão as trevas, e no Abismo
haverá o uivo de angústia e reconhecimento desesperado daqueles que falharam em conhecer a Deus e
reconhecer Deus em seus servos e em Deus nas obras desses mesmos servos. O reflexo do Nome de Jesus
escrito nas sobrancelhas dos santos! E nenhum será desconhecido. Cento e quarenta e quatro mil vezes o
Nome de Jesus escrito nas testas dos santos! Setas de luz piscante para diminuir cento e quarenta e quatro mil
vezes 144.000 O reflexo do Nome de Jesus escrito nas sobrancelhas dos santos! E nenhum será desconhecido.
Cento e quarenta e quatro mil vezes o Nome de Jesus escrito nas testas dos santos! Setas de luz piscante para
diminuir cento e quarenta e quatro mil vezes 144.000 O reflexo do Nome de Jesus escrito nas sobrancelhas dos
santos! E nenhum será desconhecido. Cento e quarenta e quatro mil vezes o Nome de Jesus escrito nas testas
dos santos! Setas de luz piscante para diminuir cento e quarenta e quatro mil vezes 144.000
culpados que negaram Deus em suas criaturas mais queridas e os torturaram com suas negações!
«Querida alma, vale a pena sofrer a Cruz por esta hora. Põe a tua mão direita na mão do Cordeiro que sobe ao seu
Calvário e deixa-te conduzir com a sua aprovação para depois seres acolhido com honra onde depois os marcados com o
Nome de Jesus aguarda a hora da revisão triunfal.
“Como o Senhor é bom para os retos de coração! Como Ele é bom! Mas fique acordado e vigie para que seus passos não se
desviem do caminho e seu coração não se desajeite contra a justiça ao ver o triunfo momentâneo dos pecadores.
“Cristo também viu e chorou, gritando: ‘Eu clamo a Você e Você não me ouve. Mas, nesta hora, sou um verme e não um homem, a
desgraça dos homens e a escória do povo. Todos que me vêem, zombam de mim, murmuram com os lábios e balançam a cabeça, dizendo:
“Ele esperava no Senhor. Que o Senhor o liberte, então, e o salve, porque Ele o ama tanto! ”E eles me despojam depois de me
ridicularizarem, e dividem meus bens, tirando partido da minha Verdade, quase como se fosse uma questão de aposta. ..!,
“Oh, santa modéstia de Cristo, não só por causa da cobertura da Carne deixada descoberta, mas por causa da Verdade
maltratada, zombada e alterada para torná-la ridícula e sacrílega, como a obra de um louco ou de um demônio.
“Tua tortura, instrumentos extraordinários crucificados. Tua tortura! Tu esperas a alguém com respeito e compaixão e
não encontras homem que te console. Pedes caridade, e te dão fel. Vós implorais pelo refrigério de uma palavra fraterna,
de santa compreensão , e eles dão vinagre para aguçar a dor de suas feridas.
“Prostre-se e ore com o seu Guardião: ‘Pai, se este cálice não pode ser separado de mim sem que eu o beba, seja feita a Tua
Vontade.’ A grande palavra que muitos, que são severos com seus irmãos, são incapazes de dizer no que diz respeito a eles. Mas
diga você mesmo, para inclinar o Senhor ao cumprimento de seus justos desejos.
“Abençoemos o Senhor!”
“Graças a Deus.”
“Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo”.

Compartilhe a Divina Vontade