Os escritos de Maria Valtorta são aprovados pela igreja católica.


Em resposta a várias perguntas sobre “O poema do homem-Deus” conhecida como o Evangelho como me foi revelado de Maria Valtorta.

Por Dr. Mark Miravalle, STD (Doutor em Teologia Sagrada), Presidente da International Marian Association

 

Maria Valtorta nasceu em Caserta, Itália, em 14 de março de 1897. Profundamente piedosa, Maria sentiu-se fortemente atraída por Deus desde a infância, mas foi ainda jovem que começou a relatar experiências místicas.

Em 1920 ela foi atacada aleatoriamente por um jovem que a atingiu nas costas com uma barra de ferro. Gravemente ferida, ela ficou acamada por três meses e sua saúde começou a declinar gradativamente. Nos anos seguintes, ela fez uma oferta pessoal de seus sofrimentos aos dois atributos Divinos do Amor e da Justiça, e em abril de 1934, ela estava permanentemente confinada em sua cama.

Foi em 1943 que Valtorta começou a escrever em seus cadernos os “ditados”, as visões místicas e mensagens que ela relatou ter recebido de Jesus e Maria, e os anos entre 1943 e 1947 foram o período de sua maior produção. Ela escreveu quase 15.000 páginas de ditados, pouco menos de dois terços das quais compunham O Poema do Homem-Deus , uma obra substancial sobre a vida de Jesus Cristo começando com o nascimento de Nossa Senhora e terminando na sua Assunção.

Maria Valtorta morreu em 12 de outubro de 1961. Em 1973 seus restos mortais foram transferidos para Florença e sepultados na Capela Capitular do Grande Claustro da Basílica da Santíssima Anunciação de Florença.

As seguintes observações são oferecidas para uma compreensão mais precisa do atual status da Igreja deO Poema do Homem-Deus . Não há nenhuma intenção aqui de fornecer uma resposta abrangente às várias objeções que têm circulado, algumas das quais sugerem que o status atual do Poema é moralmente comparável a um “livro proibido”. O desejo aqui é simplesmente dar uma resposta inicial a algumas das perguntas e objeções mais frequentes a respeito do Poema a partir de perspectivas eclesiásticas e teológicas.

1. Foi objetado que o Papa Pio XII nunca deu aprovação para O Poema do Homem-Deus, uma vez que essa aprovação não foi impressa na edição de 27 de fevereiro de 1948 do L’Osservatore Romano, que documentou a audiência papal de Pio XII com o padre Migliorini, o padre Berti e o padre Cecchin, diretores espirituais e custódios do Poema do Homem-Deus. Não há nenhuma razão substancial para duvidar da declaração oral concedida pelo Papa Pio XII durante uma audiência papal dada ao diretor espiritual de Maria Valtorta, Padre Romuald Migliorini, OSM, Padre Berti, OSM, e Padre Andrea Cecchin, Prior da Ordem do Servos de Maria (audiência papal, 26 de fevereiro de 1948; L’Osservatore Romano, 27 de fevereiro de 1948), (3) por meio do qual registram as palavras do papa dizendo: “Publique esta obra como ela é. Não há necessidade de opinar sobre sua origem, seja ela extraordinária ou não. Quem a lê , vai entender. Ouve-se muitas visões e revelações. Não vou dizer que são todas autênticas; mas há algumas das quais pode-se dizer que são. ” As especulações sobre “quanto foi lido” por Pio XII, quer no todo ou em parte “, colocariam em causa a declaração oral de Pio XII, conforme fielmente transmitida pelo Prior da Ordem dos Servitas de Maria, representariam especulação sem fundamento factual. .

2. Também foi levantada a objeção de que o Padre Béa, reconhecido especialista em escrituras do Vaticano, só leu parte do Poemamanuscrito. Padre Béa, que acabou se tornando o cardeal Béa, reitor do Pontifício Instituto Bíblico, pai do Vaticano II e presidente de várias comissões bíblicas do Vaticano, ofereceu seu testemunho de que “no que diz respeito à exegese, não encontrei erros nas partes I examinado.” (4) Inferir dessa declaração que ele falhou em ler as partes do Poema que contêm problemas doutrinários ou exegéticos é novamente mera conjectura sem fundamento factual.

3. Dúvida foi lançada sobre se alguém pode ou não ler licitamente O Poema porque ele foi previamente colocado no Índice de Livros Proibidos pelo Santo Ofício. A colocação do Poemano Índice não deve ser conotado como um ato papal direto do Papa João XXIII. Que o Santo Padre fosse informado da ação seria uma conclusão apropriada. Que o Santo Padre pessoalmente leu, analisou e concluiu sobre sua necessidade de ser colocado no Index estaria além da evidência. No entanto, a obediência aos decretos do Santo Ofício em referência ao Índice do Livro Proibido enquanto o Índice existia era exigida e deveria ter sido estritamente observada. A questão da obediência ou desobediência com relação à publicação inicial do Poema constitui uma questão inteiramente separada da questão teológica relevante da integridade doutrinária inerente e ortodoxia do próprio texto do Poema .

4. A dissolução do Índice de Livros Proibidos em 1966 denotaa priori que já não existe livro canonicamente proibido pela Igreja de ser lido sob pena de desobediência. Embora os livros possam ser considerados doutrinariamente errôneos pela Congregação para a Doutrina da Fé, a dissolução do Índice pelo próprio Santo Ofício deixa claro que não resta mais nenhum livro cuja leitura por membros da Fé constituísse em si mesmo um ato de desobediência canônica ou eclesiástica.

Concluir, portanto, que a leitura do Poema deve ser desobediente à Igreja devido à sua colocação anterior no Índice seria propor desordenadamente uma restrição além das restrições atuais que o Magistério em geral, e a Congregação para a Doutrina. da Fé em específico, têm apresentado.

5. A declaração de 1966 do Santo Ofício de que o “Index retém sua força moral apesar de sua dissolução” pode chamar o leitor católico a uma diligência e discernimento especiais no exame de obras anteriormente encontradas no Index. No entanto, isso não deve ser estendido de forma inadequada para apoiar a conclusão de que a leitura de qualquer trabalho anteriormente colocado no Index ainda constituiria um ato formal de desobediência, como se um Índice de Livros Proibidos ainda estivesse em plena existência e força operacional. Raciocínio semelhante poderia levar ao conceito equivocado de uma contínua “força moral obrigatória” para livros anteriormente proibidos pelas autoridades eclesiásticas competentes e, posteriormente, totalmente exonerados, imprimatizados e promulgados pelas autoridades eclesiásticas. Um excelente exemplo disso é a proibição de Santa Faustina Kowalska ‘Divina Misericórdia em Minha Alma , pelas autoridades eclesiásticas, que mais tarde obteve o Imprimatur e a plena aprovação da Igreja. (5)

6. O ex-Cardeal Ratzinger também foi citado como condenando pessoalmente O Poema . O comentário do cardeal Ratzinger de 1985 a um colega cardeal em uma carta que fala contra o caráter sobrenatural das formas literárias do Poema não estava na forma canônica ou eclesiástica de um decreto oficial e universalmente obrigatório da Congregação para a Doutrina da Fé. Nem o Cardeal Ratzinger de forma alguma proibiu a leitura do Poema .

Pode ser útil ter em mente que quando o ex-Cardeal Ratzinger e a Congregação para a Doutrina da Fé realmente examinaram um texto que concluíram continha um erro doutrinário intrínseco, eles não hesitaram em emitir, quando julgado apropriado, um documento oficialmente promulgado “Notificação” relativa ao respectivo texto devido aos seus erros doutrinários inerentes. (6) Essa Notificação jamais foi emitida pela CDF pós-conciliar com relação ao Poema do Homem-Deus .

7. Uma série de outras objeções levantadas contra o Poema aparecem carentes de fundamento teológico sério. Uma objeção afirma que a extensão dos discursos de Jesus e Maria manifesta evidência de falta de autenticidade. Esta opinião não pode fundamentar uma conclusão de erro doutrinário, mas antes compreende uma opinião muito subjetiva e pessoal quanto à duração apropriada, ou falta dela, dos ensinamentos de Jesus e dos diálogos de Maria.

Além disso, a objeção apresentada de que O Poema faz referência a um elemento sexual no Pecado Original e, portanto, é doutrinariamente errôneo, também não pode ser fundamentada teologicamente. A Igreja sempre permitiu uma diversidade significativa em relação aos conceitos da natureza do Pecado Original cometido por Adão e Eva, e tanto Santo Agostinho como Santo Tomás de Aquino de fato sustentaram que o elemento material do Pecado Original (peccatum originale materialiter ) incluía até certo ponto o aspecto da concupiscência. (7) Tal opinião teológica certamente não indica um erro doutrinário, independentemente de uma diferença legítima de opinião sobre o elemento potencial da sexualidade em relação ao primeiro pecado de Adão e Eva.

Ainda uma outra objeção de alegado erro doutrinário é a referência encontrada no Poemaque Maria é uma “segunda nascida do Pai” depois de Jesus, o primogênito do Pai. Longe de constituir erro doutrinário, essa posição mariológica foi postulada pela primeira vez pelo autor da Igreja Oriental, John the Geometer, no século décimo. (8) Este permanece um conceito mariológico aceitável próximo à escola franciscana de Mariologia, é complementar à predestinação eterna de Maria com Jesus na Encarnação e é referido pelo Bem-aventurado Pio IX na declaração papal que define a Imaculada Conceição, Ineffabilis Deus . (9)

Além disso, a extensa mariologia contida no Poemafoi também o tema de um estudo de 400 páginas escrito pelo indiscutivelmente o maior mariólogo italiano do século XX e Consultor do Santo Ofício, Rev. Gabriel Roschini, OSM (10) Em uma carta de 17 de janeiro de 1974, o Padre Roschini recebeu os parabéns do Papa Paulo VI por sua obra intitulada, A Virgem Maria nos Escritos de Maria Valtorta. A carta do Secretário de Estado assinala: «o Santo Padre lhe agradece de todo o coração por este novo testemunho de seus respeitosos cumprimentos e deseja que receba de seu trabalho o consolo de abundantes benefícios espirituais». (11) Nem a bênção papal concedida pelo Papa Paulo VI nem as felicitações papais emitidas através do Secretário de Estado teriam sido concedidas a um texto baseado em uma série de revelações privadas que foram “proibidas” ou declaradas “doutrinariamente errôneas” pela Congregação para a Doutrina da Fé.

Em suma, O Poema do Homem-Deus constitui um texto que pode ser licitamente lido e discernido pelo fiel católico contemporâneo. Eu convidaria católicos interessados ​​a examinar O Poemapara si próprios, mantendo sempre um determinado compromisso de obediência ao juízo final e definitivo da Igreja a respeito dessas revelações privadas relatadas. Eu, pessoalmente, achei esses escritos particularmente inspiradores por trazerem ainda mais luz e vida aos mistérios insondáveis ​​da vida de nosso Deus Encarnado contidos na inefável e infalível Palavra de Deus no Novo Testamento.

As seguintes avaliações documentadas também podem ajudar no discernimento e no exame autêntico e integral do Poema do Homem-Deus :

Sua Excelência o Arcebispo Alfonso Carinci, Secretário da Congregação dos Ritos Sagrados (1946):

Não há nada nele que seja contrário ao Evangelho. Pelo contrário, esta obra, bom complemento do Evangelho, contribui para uma melhor compreensão do seu significado. (12)

Fr. Dreyfus, da Escola Bíblica e Arqueológica Francesa, Jerusalém (1986):

Fiquei muito impressionado ao encontrar na obra de Maria Valtorta os nomes de pelo menos seis ou sete cidades, que estão ausentes do Antigo e do Novo Testamentos. Esses nomes são conhecidos apenas por alguns especialistas e por meio de fontes não bíblicas … Agora, como ela poderia ter conhecido esses nomes, se não pelas revelações que afirma ter? (13)

Mons. Ugo Lattanzi, decano da Faculdade de Teologia da Pontifícia Universidade Lateranense, Conselheiro do Santo Ofício (1951):

O autor não poderia ter escrito uma quantidade tão abundante de material sem estar sob a influência de um poder sobrenatural. (14)

Fr. Marco Giraudo, OP, Comissário do Santo Ofício em 1961, ao pe. Berti, em representação da Ordem dos Servos de Maria (1961):

Tens a nossa total aprovação para continuar a publicação desta segunda edição do Poema do Homem-Deus de Maria Valtorta. (15)

Fr. Agostino Béa (futuro Cardeal), SJ, Reitor do Pontifício Instituto Bíblico e Conselheiro do Santo Ofício (1952):

Li em manuscritos datilografados muitos dos livros escritos por Maria Valtorta … No que diz respeito à exegese, I não encontrei nenhum erro nas partes que examinei. (16)

Fr. Gabriel M. Roschini, OSM, Professor da Pontifícia Faculdade de Teologia “Marianum” de Roma, autor de 130 livros e Assessor do Santo Ofício (1972):

Devo admitir com franqueza que a Mariologia encontrada nos escritos de Maria Valtorta, sejam eles publicados ou não, foi para mim uma verdadeira descoberta. Nenhum outro escrito mariano, nem mesmo a soma total de todos os escritos que li e estudei foi capaz de me dar uma imagem tão clara, tão viva, tão completa, tão luminosa, ou tão fascinante, simples e sublime, de Maria, Obra-prima de Deus. (17)

Dr. Vittorio Tredici, geólogo e mineralogista, Itália (1952):

Desejo sublinhar o conhecimento inexplicavelmente preciso do autor sobre a Palestina em seus aspectos panorâmicos, topográficos, geológicos e mineralógicos. (18)

Sua Excelência o Bispo George H. Pearce, SM, Arcebispo Emérito de Suva, Fiji (1987):

Tive contato pela primeira vez com a obra de Maria Valtorta em 1979 … Acho que é tremendamente inspirador. É impossível para mim imaginar que alguém possa ler esta tremenda obra com a mente aberta e não estar convencido de que seu autor não pode ser ninguém, mas o Espírito Santo de Deus. (19)

Venerável [agora beato] pe. Gabriel Allegra, OFMO Padre Gabriel Allegra, da Ordem dos Frades Menores, foi um exegeta missionário e bíblico de renome mundial, tendo traduzido toda a Bíblia para o chinês. Fr. Allegra morreu em Hong Kong em 1976. O Papa João Paulo II declarou o pe. Allegra “Venerável” em 15 de dezembro de 1994. A seguir, trechos de sua ampla defesa de O Poema do Homem-Deus, intitulada Uma Crítica do “Poema do Homem-Deus” de Maria Valtorta : (20)

O Visionário-Ouvinte geralmente começa descrevendo a localização da cena que contempla; ela relata a tagarelice da multidão e dos discípulos; e então, de acordo com o que ela vê e ouve, ela descreve os milagres, relata os Discursos do Senhor, ou os diálogos dos presentes com Ele ou com os discípulos, ou os diálogos entre eles. Esta reevocação da vida de Jesus, seus tempos e arredores, e em seus vários aspectos: físico, político, social, familiar, é feito sem nenhum esforço. O escritor relata o que viu ou ouviu. Seu estilo não ressoa com a erudição notável nas vidas mais famosas de Jesus. É mais o relato de uma testemunha ocular e auricular. Se Maria de Magdala ou Joana de Chusa pudessem durante sua vida ver o que Maria Valtorta vê, e o tivesse escrito,Poema . Valtorta observou com tal intensidade o lugar e as personagens de suas visões que qualquer pessoa que tenha estado na Terra Santa para estudos e tenha lido repetidamente os Evangelhos, não precisa fazer nenhum esforço excessivo para reconstruir a cena ….

Repito: é um mundo ressuscitado, e o Escritor o governa como se possuísse o gênio de um Shakespeare ou de um Manzoni. Mas com as obras desses dois grandes homens, quantos estudos, quantas vigílias, quantas meditações são necessárias! Maria Valtorta, pelo contrário, embora possuísse uma inteligência brilhante, uma memória tenaz e pronta, nem sequer concluiu o ensino secundário; ela sofreu durante anos e anos com várias enfermidades e confinada à sua cama, tinha poucos livros – todos os quais estavam em duas prateleiras de sua estante – não leu nenhum dos grandes comentários sobre a Bíblia – que poderiam tê-la justificado ou explicado surpreendente cultura escriturística – mas apenas usei a versão popular da Bíblia de pe. Tintori, OFM E ainda assim ela escreveu os dez volumes do Poema de 1943 a 1947, em quatro anos! …

Detalhes marcantes

Todos nós sabemos o quanto os estudiosos de pesquisa fizeram, especialmente os estudiosos do hebraico, no desenho de vários mapas da geografia política da Palestina desde a época dos Macabeus até a insurreição de Bar Kokba. Por mais de vinte anos eles tiveram que consultar uma pilha de documentos: O Talmud, Flavius ​​Josephus, Inscrições, Folclore, itinerários antigos … E, no entanto, a identificação de muitas localidades ainda permanece incerta. Porém, no Poema – qualquer que seja o julgamento dado sobre sua origem – não há incerteza. Em pelo menos 4/5 dos casos, estudos recentes confirmam as identificações supostas em (O Poema); e o número aumentaria, eu acho, se algum especialista estivesse disposto a estudar essa questão profundamente. Valtorta, por exemplo, vê a bifurcação de estradas, pontos de referência que indicam direções, vários cultivos de acordo com as diferentes qualidades do terreno, tantas pontes romanas lançadas sobre vários rios ou ribeiros, nascentes que são vivas em certas estações e secam noutras. Ela nota a diferença de pronúncia entre os vários habitantes de diversas regiões da Palestina, e uma massa de outras coisas que deixam o leitor perplexo, ou pelo menos o tornam pensativo.

Há uma série de visões em que o mistério do Nascimento de Jesus, Sua Agonia, Sua Paixão e Sua Ressurreição são descritos com palavras e imagens celestiais, com uma eloqüência angelical; por outro lado, tanta luz é lançada sobre o mistério de Judas, sobre a tentativa de proclamar Jesus rei, sobre seus dois primos irmãos que não crêem nele, sobre a impressão despertada nos gentios sobre ele, sobre sua amor pelos leprosos, pelos pobres, pelos idosos, pelas crianças, pelos samaritanos, e especialmente pelo seu amor, tão agradavelmente ardente e delicado, por sua Mãe Imaculada.

E não só do ponto de vista humano, mas sobretudo teológico, que pode ficar indiferente lendo os dois capítulos sobre a desolação de Sua Santíssima Mãe depois da tragédia do Calvário, que nos revelam como a Corredentora foi tentada. por Satanás, e como Seu Filho Redentor foi tentado? A sublime teologia destes dois capítulos pode ser comparada à de tantos lamentos da Mãe Dolorosa.

Harmonia histórico-doutrinária

Os exegetas hoje, mesmo os católicos, tomam as mais estranhas e ousadas liberdades sobre a historicidade dos relatos da infância do Evangelho e das narrativas da Ressurreição, como se com a Crítica da Forma ( Formgeschichte e Crítica da Redação ( Método de Redaktionsgeschichte), encontra-se a panaceia para todas as dificuldades – dificuldades que não eram desconhecidas dos Padres da Igreja. Na verdade, para falar apenas de alguns exegetas recentes: por exemplo, Fouard, Sepp, Fillion, Lagrange, Ricciotti …, sobre esses pontos difíceis eles falaram suas palavras equilibradas e luminosas. Mas hoje há outros mestres que até os nossos seguem com tanta confiança … Pois bem, voltemos a nós: convido os leitores do Poema a lerem as páginas consagradas à Ressurreição, à reconstrução dos acontecimentos de o dia da Páscoa, e eles verificarão como tudo está harmoniosamente ligado ali – assim como tantos exegetas que seguem o método crítico-histórico-teológico tentaram fazer, mas sem sucesso total. Essas páginas não perturbam, mas alegram o coração dos fiéis e fortalecem sua fé!

Trechos de uma Carta de Sua Excelência, Bispo Roman Danylak, Bispo Titular de Nissa, Roma, Itália (13 de fevereiro de 2002): (21)

The Nothing Obstacles and Imprimatured, que a Igreja Católica afixa aos livros religiosos, foi e é um testemunho da ortodoxia da doutrina de um determinado livro. Não precisa necessariamente transmitir as opiniões ou convicções do padre delegado / teólogo censor que dá seu nihil obstat, ou do bispo, que concedeu permissão para imprimir o livro. É uma garantia de que não há nada contra a fé cristã e católica ou a doutrina moral. Essa prática atendia bem às necessidades dos fiéis. No entanto, houve abusos na história passada. Ouvimos histórias de eclesiásticos católicos (bispos, padres e teólogos) que proibiam livros, ou mesmo ordenavam que homens e mulheres acusados ​​de heresia fossem queimados na fogueira. Temos os exemplos de Santa Joana D’Arc e Savonarola, ambos queimados na fogueira sob a acusação de heresia. Depois, há as histórias da Inquisição Espanhola. Dois outros santos, místicos e teólogos, Santo Tomás de Aquino e o Beato (agora Santo) Padre Pio de Pietrelcina, foram perseguidos por seus superiores eclesiásticos com acusações de heresia, histeria. No final, a Igreja os reconheceu como santos. Existem eventos semelhantes em nossos tempos ….

Desejo abordar as várias questões que envolvem a vida e os escritos de uma delas, Maria Valtorta. Ela nasceu em Caserta, Itália, em 1887 e morreu em Viareggio em 1961. Ela ficou acamada desde o final dos anos 1930, após um ataque estúpido de um jovem capanga que esmagou suas costas com um pé-de-cabra. O Senhor aceitou sua prontidão para carregar sua cruz em união com Sua paixão. Ela se tornou uma alma de vítima. Jesus recompensou sua generosidade no sofrimento com graças ilimitadas. Ela se tornou sua amanuense. Ele ditou ou revelou a ela a história de Sua vida, morte e ressurreição, a de Sua mãe e da Igreja primitiva em uma série de revelações particulares que começaram em 1943 e continuaram até 1954. Com outras almas sagradas, serviu ao Seu propósito de dar sinais externos dos estigmas de sua paixão. Ele respeitou a humildade modesta de Maria Valtorta, que pediu que os sinais de sua paixão permanecessem invisíveis para o mundo externo. Nos últimos anos de sua vida, ela se retraiu totalmente para dentro de si mesma. No entanto, sua produtividade literária nos 12 anos entre 1943 e 1954 encheu muitos volumes.

Maria, fiel a Cristo e à Sua Igreja, estava em total obediência às leis e regras da Igreja Católica. Nada deveria ser impresso sem aprovação eclesiástica. Apesar dessa insistência, seu diretor espiritual, pe. Migliorini e o primeiro editor de suas obras, Michele Pisani, passaram a divulgar fragmentos dos escritos. Três padres servitas apresentaram ao Papa Pio XII uma cópia datilografada do primeiro volume do Poema do Homem-Deus. O papa disse-lhes: “Que seja publicado nada acrescentando nem retirando nada.”

M. Pisani publicou os primeiros volumes da Vida de Cristo de Valtorta, O Poema do Homem-Deus , sem a aprovação do bispo local. Eclesiásticos zelosos trouxeram isso à atenção de seus superiores. O Poema do Homem-Deusfoi colocado no índice de livros proibidos, não por causa de erros doutrinários, mas porque foi impresso sem o necessário nihil obstat e imprimatur .

O Poema do Homem-Deus , como é intitulado na tradução inglesa atual, ou o ” Evangelho como foi revelado a mim “, como é conhecido nas edições italianas subsequentes, está agora em sua quarta edição italiana. Ele foi traduzido para muitos outros idiomas. O Cardeal Ratzinger em cartas privadas reconheceu que este trabalho está livre de erros de doutrina ou moral. A Conferência Episcopal Italiana reconheceu o mesmo em sua correspondência com o atual Editor, Dr. Emilio Pisani.

O Papa Paulo VI revogou a Instituição do Índice de Livros Proibidos em 1965/6. A aprovação prévia de escritos relatando novas revelações não é mais necessária. Os autores e editores devem submeter seu julgamento a respeito das alegadas revelações ao julgamento final da Igreja, sem fazer reivindicações de sua verdade. Esta decisão é retroativa a relatos mesmo de revelações anteriores, se não houver nada contrário à fé e à moral. Por meio de uma comédia de erros, alguns desses mesmos eclesiásticos agora ignoram a regra do direito canônico e continuam a condenar os escritos de Maria Valtorta.

A grande questão é esta: “Há algo contra a fé ou a moral em seus escritos?” Todos os seus críticos, relutantemente, reconheceram que não há nada contra a fé e a moral …

texto acima é uma introdução um tanto longa à minha intenção original: apresentar uma carta de recomendação, um Nihil Obstat , Imprimatur e um testemunho para este site de um monge católico sobre os escritos de Maria Valtorta. Não estou apenas dizendo que não há nada questionável no Poema do Homem-Deuse todos os outros escritos de Valtorta no que diz respeito à fé e à moral. Recomendo a esmerada erudição deste monge, que reuniu uma série de escritos de uma variedade de teólogos, como pe. Karl Rahner sobre o significado da revelação privada, de incontáveis ​​outros que deram testemunhos e escritos de Maria Valtorta, os comentários teológicos a seus escritos de um de seus primeiros diretores espirituais, pe. Corrado Berti; e os numerosos outros testemunhos e estudos sobre vários aspectos dos escritos de Maria. Especialistas bíblicos, geógrafos da Terra Santa, teólogos, prelados e cientistas, advogados consistoriais, que conheceram e visitaram Maria Valtorta em vida. Ele acrescenta o testemunho do Venerável Pe. Gabriel Allegro, OFM, exegeta bíblico e missionário; e a esmerada bolsa do atual redator e editor das obras, Dr. Emilio Pisani, que cotejou todos os argumentos, pro et contra, os escritos de Maria Valtorta. Este é um site que vale a pena visitar (www.mariavaltorta.com) muitas vezes, tanto para aqueles que adquiriram os escritos de Maria Valtorta, como para aqueles que ainda não leram esta Vida de Cristo e de Nossa Senhora …

Notas

(1) Em edições posteriores, o título refletirá o título original em italiano, O Evangelho como foi revelado a mim .

(2) Cfr. Fr. Mitch Pacwa, SJ, “O Poema do Homem-Deus” é simplesmente um romance ruim? , New Covenant, 1994; www.ewtn.com.

(3) L’Osservatore Romano , 27 de fevereiro de 1948, p. 1.

(4) Carta do Padre Agostino Béa , 1952, Centro Editoriale Valtortiano, Viale Piscicelli, 89-91, 03036 Isola del Liri (FR), Itália.

(5) O Diário foi eclesiasticamente proibido em 1958, com a proibição sendo removida em 15 de abril de 1978.

(6) Cfr. Congregação para a Doutrina da Fé,Notificação sobre certos escritos do pe. Marciano Vidal, C.Ss.R. , 22 de fevereiro de 2001.

(7) Summa Theologiae , I-II 82, a.3.

(8) Cfr. Johannis Geometrae, laus in Dormitione, BM Virginis , Benger AA, La Assumptione de la ts Vierge dans la tradição bizantina , du VI.e au Xe siécle. Studies and Documents (Archives des l’Orient Chrétiene, 5, Paris, 1955, n. 407).

(9) Cfr. Bl. Pio IX, Ineffabilis Deus , dez. 8, 1854.

(10) Cfr. Fr. Gabriel Roschini, OSM, A Virgem Maria nos Escritos de Maria Valtorta , Centro Editoriale Valtortiano SRL., 1973.

(11) “Carta do Secretário de Estado ao Padre Gabriel Roschini,” 17 de janeiro de 1974, A Virgem Maria nos Escritos de Maria Valtorta , Centro Editoriale Valtortiano, 1973.

(12) Carta do Arcebispo Carinci , 1946, Centro Editoriale Valtortiano.

(13) Carta do Padre Dreyfus , 1986, Valtortiano Publishing Center.

(14) Carta de Mons. Ugo Lattanzi , 1951, Valtortiano Publishing Center.

(15) Carta de Fr. Marco Giraudo, OP , 1961, Centro Editoriale Valtortiano.

(16) Carta de Fr. Augustine Béa, SJ , 1952, Valtortian Publishing Center.

(17) Cf. Fr. Gabriel Roschini, OSM,A Virgem Maria nos Escritos de Maria Valtorta , edição em inglês, Kolbe’s Publications Inc., 1990, p. XVIII.

(18) Carta do Dr. Vittorio Tredici , 1952, Editora Valtortiano.

(19) Carta do Bispo George H. Pearce, SM , 1987, Valtortian Publishing Center.

(20) Ven. Fr. Gabriel Allegra, OFM, Uma Crítica ao “Poema do Homem-Deus” de Maria Valtorta, 1970, Centro Editoriale Valtortiano.

(21) Carta do Bispo Roman Danylak , Bispo Titular de Nyssa, Centro Editoriale Valtortiano. ”

                                                                                   

O artigo original foi publicado em 15 de abril de 2006 pelo Dr. Mark Miravalle, STD, sobre Mãe de Todos os Povos (www.motherofallpeoples.com):
https://web.archive.org/web/20180520224247/http://www .motherofallpeoples.com / 2006/04 / em-resposta-a-várias-perguntas-sobre-q-o-poema-do-homem-godq /

Compartilhe a Divina Vontade