Estudo 22- Vida Intima de Ns Jesus Cristo – Escola da Vontade Divina


MEDITAÇÃO

ENCONTRARAM UM VIL TUGÚRIO

Havendo rodado muita, pois, para encontrar algum asilo, por fim encontramos um lugar muito vil. Ali ninguém havia habitado por ser tão mal acondicionado e incapaz de dar conforto a quem quisesse lá estar com as comodidades indispensáveis. Esta foi, portanto, esposa minha, a habitação que tive naquele pais, e ainda a muita custo. Ali entramos e como se fosse um palácio fornecido de todo o conforto, demos graças ao Pai. Tanto eu como a dileta Mão e o Fidelíssimo José, com lágrimas de júbilo, prostrados por terra, demos louvores e ações de graças ao Pai, porque se dignava daquela maneira rea­lizar o desejo de meu Coração, corno também o da minha Mãe e de José. embora eles sentissem algum pesar, por temor de ver a minha pessoa em tantos padecimentos. Mas eu. que desejava sofrer de todas os modos, em pobreza, em abjeção, e falta do necessário, muito me regozijava por estar reduzido assim, e embora experimentasse alguma amargura por minha di­leta Mãe a por José. alegrava-me contudo pela mérito grande que con­quistavam, vendo-os tão resignados às disposições de meu Pai e seguirem com tanta prontidão a sua vontade. Tendo louvado e agradecido ao Pai por aquele pequeno asilo com o qual se dignara prover-me, agradeci-lhe também por parte de meus irmãos que se achavam aro semelhantes ocor­rências e, vendo-se consolados e providos pela liberalidade de meu dileto Pai, não se recordam de usar para com Ele ato algum de gratidão, dando-lhe graças. Ofereci-lhe ainda o ato tão heroico que havia praticado, porque sendo verdadeiro Filho de Deus e por isso absoluto Senhor do universo, contentei-me com habitação tão vil e pobre. E pedi-lhe se dignasse rece­ber tal ato em suplência por aqueles que não se contentam jamais, e como se fossem donos de toda a criação, tudo querem para seu serviço e como­didade, sem aceitarem sofrer o que significa pobreza e falta do supérfluo. Vendo que disto era atacada a maior parte de meus irmãos com solicitude maior duplicava as ofertas ao Pai, e cada vez mais me mostrava contente e feliz com aquela grande pobreza. humilhação e abjeção, a fim de que o Pai ficasse satisfeito, como deveras ficava com amor inefável contemplava minha humanidade no meio de tantas tribulações, e vendo-a contente e conformada com a sua vontade, muito se alegrava e nisto se comprazia. Rendidas as devidas graças e feitos alguns atos de adoração ao Pai dileto. Unidos aos de minha Mãe e de José estávamos muito alegres. achando-nos em tamanha pobreza e carentes, de fato, de qualquer socorro humano.

Tomo 2 Vida Intima de Ns Senhor Jesus Cristo_105 a 110

Compartilhe a Divina Vontade