ESTUDO 22 – O EVANGELHO COMO ME FOI REVELADO CAP23 – ESCOLA DA VONTADE DIVINA


MEDITAÇÃO

O nascimento de João Batista

“Os tesouros de Deus estão abertos para aqueles que acreditam nEle e em sua bondade ilimitada” .-

■ María e Isabel conversam.

Isabel diz: “Maria, eu tenho fé. Mas se eu morrer … não deixe Zacarias imediatamente. Sei que você pensa em sua casa, mas fique um pouco para ajudar meu marido nos primeiros dias de dor.

Virgem: “Eu ficarei, para me parabenizar pela sua alegria e a dele. Vou embora quando você se sentir forte e aliviada. Fique calma, Isabel. Tudo sairá bem. Em sua casa não faltará nada enquanto durar sua dor. Zacarías será cuidado pelo servo mais amoroso, e suas flores e suas pombas receberão o cuidado que lhes dispensou, e você encontrará ao mesmo tempo animadas e
belas para recebê-la com ternura, sua patroa, quando retornar. Vamos para casa agora, porque vejo que você está mais pálida … ”.

Isabel: “Sim, parece-me que volto a sentir dores. Talvez tenha chegado a hora. Maria reza por mim ”. Virgem: “Vou ajudá-la com minhas orações até que seu transe se transforme em alegria.”

■ E as duas mulheres entram na casa lentamente. Isabel vai para seus aposentos. Maria, hábil e clarividente, dá ordens e prepara tudo o que for necessário. Conforta Zacarías que está muito preocupado. Na casa que esta noite desperta e onde se ouvem estranhas vozes de mulheres chamadas a ajudar, Maria permanece vigilante como um farol numa noite de tempestade. A casa toda gira em
torno da Maria, que, doce e sorridente, tudo cuida; e ora. Quando ela não é chamado para algo, se retira para orar. É na sala onde costumam se reunir para refeições e trabalho. Com Ela está Zacarías, que anda preocupado. Eles oraram juntos. Maria continua orando. E agora que o velho cansado se sentou em uma poltrona perto da mesa, e o sono continua, Ela ainda ora. Ora mais intensamente, de joelhos, com os braços levantados, quando os gritos da parturiente forem mais altos. Sara entra e acena para ela. Maria vai descalça para o jardim.

Sara diz: “A senhoria liga para ela”.

Virgem: “Estou indo”, e ela vai para fora da casa, sobe as escadas … ela parece um anjo branco vagando em uma noite tranquila cheia de estrelas.

■ Entra onde está Isabel, que exclama: “Oh, Maria! Quanta dor! Não aguento mais, Maria. Quanta dor você tem que suportar para ser mãe!

Maria a acaricia com amor e a beija. “Maria, Maria! Deixa eu colocar as mãos na sua barriga! ”. Maria pega aquelas duas mãos ásperas e inchadas, coloca-as na barriga já ligeiramente saliente e segura-as com força com as suas mãozinhas macias e graciosas.

E agora, que as duas estão sozinhas, Maria fala baixinho e diz:

“Aqui está Jesus, ouvindo você e vendo você. Confie, Isabel. Seu santo coração bate mais forte porque agora Ele está intervindo em seu nome. Sinto que lateja como se estivesse em minhas mãos. Eu entendo as palavras que meu filho me diz com as batidas do coração. Agora ele está me dizendo:

“Diga à mulher para não ter medo. Um pouco mais de dor, e então, quando o sol nascer, entre as rosas que esperam aquele raio da manhã para se abrir, sua casa terá a rosa mais bonita, e será João, meu Precursor ”.

Isabel também pousa o rosto no ventre de Maria e chora silenciosamente. Maria fica assim por um tempo, porque parece que a dor de Isabel está diminuindo. Ela diz a todos para ficarem calmos. Ela permanece branca e bela sob a luz fraca de uma lamparina a óleo, como um anjo perto de alguém que está sofrendo. Ora. Eu a vejo mover seus lábios, mas mesmo que eu não os veja, eu entenderia que ora por causa da expressão de êxtase em seu rosto. O tempo passa. A dor volta para agarrar Isabel.

■ Maria a beija novamente e vai embora. Ela desce rapidamente ao luar e corre para ver se Zacarías
ainda dorme. Sim, ele ainda dorme, mas em seu sonho ele geme. Maria sente compaixão por ele. Ora novamente. E quando Zacarías acorda, tonto, Maria o pega pela mão e o encoraja.

“Quando amanhecer, em breve, a criança vai nascer. Tudo sairá bem”.

Zacarías balança a cabeça tristemente, aponta para a sua boca muda. Eu gostaria de dizer muitas coisas, mas não posso. Maria percebe isso e diz:

“O Senhor tornará a sua alegria perfeita. Coloque toda a sua confiança nele. Espere de todo o coração. Ame com toda a sua alma. O Altíssimo vai ouvi-lo, mais do que você poderia esperar. Ele quer essa sua fé, total, como uma purificação de sua desconfiança do passado. Diga em seu coração comigo: «Eu acredito». Diga isso a cada batida. Os tesouros de Deus estão abertos a quem crê n’Ele e na sua bondade sem limites ”.

■ A luz começa a penetrar pela porta entreaberta. Maria abre. O amanhecer tornou a terra encharcada de orvalho toda branca. Há um cheiro forte de terra úmida, de grama verde, e se ouvem os primeiros pios dos pássaros que são chamados de galho em galho. Zacarías e María saem pela porta. Eles estão pálidos da noite em que acordaram e a luz do amanhecer os torna ainda mais pálidos. Maria calça as sandálias e vai até o pé da escada, escutando para ver se escuta alguma coisa. Nada aconteceu. Maria vai para um quarto e volta com leite quente. Ela dá para Zacarias beber. Em seguida, vai até os pombos, volta e entra na mesma sala. Talvez seja a cozinha. Inspeciona tudo. Ela parece tão ágil e serena que parece que dormiu o melhor dos sonhos. Zacarías anda nervosamente de um lado para o outro no jardim enquanto Maria olha para ele com pena. Em seguida, ela entra novamente na mesma sala e, ajoelhada ao lado de seu tear, ora intensamente, pois os gritos da parturiente são mais altos. Ela se abaixa para implorar ao Eterno. Zacarías volta, entra e assim a vê prostrada; o pobre velho chora. Maria se levanta e o pega pela mão. Ela é muito mais jovem que ele, mas parece ser a mãe daquele homem desolado e derrama seus consolos sobre ele.

■ Ficam assim, lado a lado, sob este sol que pinta o ar da manhã com cores. Assim, o anúncio
feliz chega aos seus ouvidos:

“Ele já nasceu! Já nasceu! É um menino! Oh feliz pai! Um garotinho como uma rosa, bonito como um sol, forte e saudável como sua mãe. Alegra-te pai a quem o Senhor abençoou, para que possas oferecer-lhe um filho no seu templo. Glória a Deus que concedeu um herdeiro a esta casa! Bênção para você e para o filho que nasceu! Que os seus descendentes perpetuem o teu nome para todo o sempre, por todas as gerações, e sejam sempre fiéis ao convênio do Senhor Eterno ”.

■ Maria, chorando de alegria, bendiz ao Senhor. Então os dois acolhem o menino, que foi trazido ao pai para abençoá-lo. Zacarías não vai aonde Isabel está; pega o menino que grita com todos os seus pequenos pulmões. Mas ele não vai onde sua esposa está. María vai, carregando com amor o menino, que ficou calado enquanto María o tomou nos braços.

A comadre que vai atrás dela percebe esse fato.
“Mulher”, diz ela a Isabel, “o teu filho calou-se assim que Maria o pegou. Veja como ele dorme tranquilo; e Deus sabe como ele é inquieto e forte! Olha, agora parece um pichoncito! ”. Maria coloca o menino ao lado da mãe e acaricia Isabel, arrumando os cabelos grisalhos, e diz em voz baixa:

A rosa nasce e você vive. Zacarias é feliz ”.

Isabel pergunta: “Ele fala?”

Virgem: “Ainda não. Mas confie no Senhor. Descanse agora. Eu estou contigo”.

(Escrito em 3 de abril de 1944).

 Todo o sofrimento se acalma para quem pousa a cabeça no colo de Maria.

“Só eu, sem mácula e sem união conjugal, estava livre de dar à luz com dor. Tristeza e dor são
frutos da culpa. Eu, que era a Irrepreensível, também tinha que conhecer a dor e a tristeza porque era
a Corredentora ”.

■ A Virgem Maria diz:

“Se a minha presença santificou o Batista, não cancelou a condenação de Isabel por Eva: “Você dará à luz seus filhos com dor.” Só eu, sem mancha e sem união conjugal, estava livre de dar à luz com dor. Tristeza e dor são frutos da culpa. Eu, que era a Irrepreensível, tinha que conhecer também a dor e a tristeza, porque fui Corredentora. Mas não senti a dor do parto. Não. Este sofrimento eu não experimentei. E, no entanto, acredite em mim, filha, não houve e não haverá uma dor de parto semelhante a minha de Mártir de uma Maternidade espiritual realizada no leito mais duro: o meu na cruz, ao pé da forca do Filho que estava morrendo. E que mãe há que é obrigada a dar à luz assim? Que mãe há que se vê obrigada a misturar a tortura de rasgar as entranhas, que se partem do estertor da morte do Filho moribundo, com a tortura de sentir as entranhas se retorcerem enquanto tem que superar o horror de ter que dizer: «Eu te amo. Vinde a Mim que sou tua Mãe » aos algozes daquele Filho nascido do amor mais sublime que o Céu jamais viu, o amor de Deus com uma Virgem, o beijo do Fogo, o abraço da Luz que se fez Carne e o do ventre de uma mulher feita o Tabernáculo de Deus? Isabel disse: “Quanta dor ser mãe!” Muita. Mas nada em relação à minha”.
” Eu sou a eterna Portadora de Jesus … A bem-aventurança de estar no Céu não apaga a memória de
meus filhos que sofrem na Terra. Todo o céu reza para que o céu O amor é“.-

■ Virgem: “Ele também disse:” Deixe-me colocar minhas mãos em seu peito! ” Oh, se em seus
sofrimentos você sempre me pedisse isso. Eu sou o eterno Portador de Jesus. Está no meu seio, como o senhor o viu ano passado, como uma Hóstia na Custódia. Quem vem a mim o encontra. Quem se apoia em mim, o toca. Quem se volta para mim fala com Ele. Eu sou Seu vestido. Ele é minha alma. Muito mais unido agora do que quando ele esteve dentro de mim por nove meses. Quem quer que venha até mim e descanse a cabeça no meu colo, toda dor fica entorpecida, toda esperança floresce e todos os tipos de graças fluem. Eu rezo por você. Lembre se.

■ A felicidade de estar no Céu, vivendo nos raios de luz de Deus, não apaga a memória de meus filhos que sofrem na Terra. Todo o Céu ora, porque o Céu ama. O céu é a caridade que vive, e a caridade tem piedade de você. Mesmo que fosse só eu, seria, minha, oração suficiente em favor das necessidades daqueles que esperam em Deus. Porque eu nunca paro de orar por todos vocês; santos e iníquos, para dar alegria aos santos e aos iníquos o arrependimento que salva.
Venham, venham, filhos da minha dor. Espero ao pé da cruz para distribuir graças a você ”.

(Escrito em 3 de abril de 1944).

Compartilhe a Divina Vontade