Como estudar os escritos da Serva de Deus Luisa Piccarreta


Como estudar os escritos da Serva de Deus Luisa Piccarreta

 Volume 13 – 13 de outubro de 1921

Jesus disse: “Minha filha, cada vez que eu te falar, tenciono abrir uma pequena fonte no teu coração; pois todas as minhas palavras são fontes que conduzem e jorram à Vida Eterna. Mas para formar essas fontes em seu coração, você deve fazer sua própria parte, isto é, você deve  MASTICAR  ( mastigar ) essas palavras a fim de engoli-las e abrir uma fonte com você. Ao pensar repetidamente neles, você executa a mastigação; contando-os a quem quer que tenha autoridade sobre você, e tendo a certeza de que são minhas palavras, você irá, sem dúvida, devorá-los e abrir a fonte dentro de você; quando necessário, você se servirá e beberá grandes goles da fonte da minha verdade. ”

Volume 7 – 28 de fevereiro de 1906

“Quando a alma  MASTICA essas verdades e as faz seu alimento, então a graça se comunica e toma posse. Essa é a razão pela qual nem todas as almas recebem esses efeitos, porque essas verdades passam por suas mentes como um relâmpago. ”

Volume 13 – 21 de maio de 1921

Jesus vive em quem vive por vontade própria e nele repousa. Como alguém dá repouso a Jesus.

Encontrando-me em meu estado normal, meu sempre amável Jesus apareceu em meus braços no ato de descansar. Segurei-O com força contra o coração, dizendo-Lhe: “Meu amor, fala comigo. Porque você está tão quieto?”

Jesus: “Minha filha amada, o descanso é necessário para mim. Depois de tanto ter falado com você, quero ver em você os primeiros efeitos das minhas palavras. Você deve trabalhar, fazendo o que lhe ensinei, e eu descansarei. Depois de ter posto em prática os meus ensinamentos, voltarei a falar-lhe das coisas que são superiores e mais sublimes, para que possa encontrar em você um repouso mais bonito. E então, se eu não pudesse descansar naquelas almas que vivem em minha Volição, em quem poderia esperar encontrar descanso? Só as almas que vivem na minha Volição são capazes de Me dar descanso. O ato de viver em minha Volição me proporciona um quarto; atos feitos em minha vontade me proverão de uma cama; atos repetidos, a constância da repetição, são como canções de ninar, música e ópio para me ajudar a dormir. Mas enquanto eu durmo, Eu cuido de você de tal maneira que a sua vontade nada mais é do que a saída da minha Vontade; seus pensamentos são a válvula de escape para minha inteligência; suas palavras a saída para minhas palavras; seu coração a saída para o meu Coração; de modo que, embora você não Me ouça falando com você, há uma tal dispersão de você em Mim que você não pode querer, nem pensar, nem fazer outra coisa senão as coisas que Eu mesmo quero e faço. Portanto, na medida em que você vive em minha vontade, pode ter certeza de que tudo o que acontece em você sou eu mesmo. ”

Volume 1 – página 25

Agora tentarei explicar a segunda maneira que Jesus tem ao falar: encontrando-se fora de si mesma, a alma vê a pessoa de Jesus Cristo, por exemplo, em criança, ou crucificada, ou em qualquer outra postura; e a alma vê o Senhor pronunciando as palavras de Sua boca, e a alma responde de sua boca. Às vezes acontece que a alma começa a conversar com Jesus, assim como fariam duas esposas íntimas. O falar do Senhor é muito moderado – apenas quatro ou cinco palavras, e às vezes até apenas uma palavra; muito raramente aumenta um pouco. Mas nessas poucas palavras – ah! quanta luz Ele introduz na alma. Parece que vejo um pequeno riacho à primeira vista, mas olhando mais de perto, em vez de um riacho, dá para ver um mar imenso. Essa é uma palavra dita por Jesus. A imensidão de luz que deixa na alma é tal, Mastigando bem, ela descobre tantas coisas, sublimes e proveitosas para sua alma, que fica atônita.

Volume 1 – página 44

Depois disso, Ele me deixou e eu senti tanta dor, compreendendo o quão feio é o pecado do orgulho, que é impossível descrevê-lo. Depois de eu  mastigarCom tudo isso completamente dentro de mim, meu bom Jesus voltou e me disse para continuar a confissão dos meus pecados. E eu, todo trêmulo, continuei a acusar meus pensamentos, palavras, obras, causas e omissões; e quando Ele viu que eu não conseguia continuar a confissão por causa da dor que sentia por tê-lo ofendido tanto … na verdade, eu tinha uma clareza tão vívida, estando diante daquele Sol Divino; e especialmente pude ver minha pequenez, a nulidade de meu ser, e fiquei surpreso com o quão ousado eu tinha sido, me perguntando de onde eu havia tirado essa coragem para ofender um Deus tão bom, que, no próprio ato em que eu era ofendê-lo, me ajudou, me preservou, me alimentou. E se Ele tinha algum rancor comigo, foi pelo pecado que cometi, que Ele odiava muito, enquanto me amava imensamente, Ele me desculpou perante a justiça divina, e estava todo ocupado em remover aquela parede de divisão entre a alma e Deus, que o pecado havia produzido. Oh! se todos pudessem ver quem é Deus, e quem é a alma no ato de pecar, todos morreriam de tristeza, e eu acredito que o pecado seria exilado da terra … Então, quando bendito Jesus veria que eu não poderia levar mais por causa da dor, Ele se retiraria e me deixaria, para me permitir compreender bem o mal que havia feito. E então Ele voltaria novamente, e eu continuaria a acusação de meus pecados. quando o bendito Jesus visse que eu não aguentava mais por causa da dor, Ele se retirava e me deixava, para me permitir compreender bem o mal que havia feito. E então Ele voltaria novamente, e eu continuaria a acusação de meus pecados. quando o bendito Jesus visse que eu não aguentava mais por causa da dor, Ele se retirava e me deixava, para me permitir compreender bem o mal que havia feito. E então Ele voltaria novamente, e eu continuaria a acusação de meus pecados.

Volume 3 – 30 de dezembro de 1899

Efeitos da humilhação e da mortificação.

Esta manhã vi o meu adorável Jesus por um momento, e como a obediência me disse para orar por uma certa pessoa, quando Jesus veio, eu a encomendei a Ele, e Ele me disse: “A humilhação não deve apenas ser aceita, mas também amavam; tanto assim, a ponto de  mastigá-  lo como comida. E assim como quando um alimento é amargo, quanto mais se  mastiga , mais sente a amargura, da mesma forma, a humilhação, quando está bem  MASTIGAed, dá origem à mortificação. E estes – isto é, a humilhação e a mortificação – são os dois meios mais poderosos para sair de certas amarras e obter as graças necessárias. Embora pareça ser nocivo para a natureza humana, assim como a comida amarga que parece fazer mais mal do que bem – assim com humildade e mortificação. Mas não é assim. Quanto mais o ferro é batido na bigorna, mais ele brilha com o fogo e é purgado. O mesmo para a alma: quanto mais ela é humilhada e espancada na bigorna da mortificação, mais ela brilha com o fogo celestial e é purgada – se ela realmente quiser trilhar o caminho do bem. Se ela for falsa, acontece o oposto. ”

Volume 6 – 4 de março de 1904

A alma deve viver no alto. Quem vive no alto não pode ser prejudicado.

Como eu estava muito aflito e sofrendo pela perda do meu bom Jesus, eu O vi por pouco tempo, e Ele me disse: “Minha filha, sua alma deve tentar manter o vôo de uma águia – ou seja, para habite no alto, acima de todas as coisas baixas desta terra; e tão alto que nenhum inimigo pode prejudicá-lo. Na verdade, quem vive no alto pode prejudicar os inimigos, mas não pode ser prejudicado. E ela não deve apenas viver no alto, mas deve tentar ter pureza e agudeza de olhos, semelhantes aos de uma águia. Embora vivendo no alto, através da agudeza de sua visão, ela penetra nas coisas divinas – não de passagem, mas de  MASTIGARlevando-os a ponto de fazer deles sua comida favorita, desprezando qualquer outra coisa. E ela também penetra nas necessidades de seu vizinho, nem tem medo de descer até o meio deles e fazer o bem a eles; e se necessário, ela entrega sua vida. Pela pureza de sua visão, ela faz o amor de Deus e o amor ao próximo de dois em um, retificando tudo para Deus. O mesmo deve acontecer com a alma, se ela quiser Me agradar. ”

Volume 7 – 28 de fevereiro de 1906

A maior honra que a criatura pode dar a Deus é depender da Sua Divina Vontade em tudo. A maneira pela qual a Graça se comunica.

Esta manhã o bendito Jesus se manifestou por um momento, e disse-me: “Minha filha, a maior honra que a criatura pode dar a Deus é em tudo depender da Sua Divina Vontade; e o Criador, ao ver que a criatura cumpre seu dever de criatura para com o Criador, comunica Sua Graça a ela. ” E enquanto Ele falava, uma luz saiu do bendito Jesus, que me fez compreender a forma como Ele comunica a graça.

Eu entendi desta forma. Por exemplo, a alma sente dentro de si a aniquilação de si mesma; ela vê seu nada, sua miséria, sua incapacidade de fazer uma sombra de bem. Agora, enquanto ela se sente assim, Deus comunica Sua Graça, e a Graça da verdade, de tal forma que a alma pode ver a verdade em tudo sem engano, sem escuridão. E aqui está como, o que Deus é por natureza – a Verdade eterna que não pode enganar nem ser enganada – a alma se torna pela Graça. Ou seja, a alma sente o desprendimento das coisas da terra, ela vê sua efemeridade, sua instabilidade, como tudo é falso, tudo está podre, o que mais merece ser aborrecido do que amado. Enquanto a alma sente este estado, Deus comunica Sua Graça, e a Graça do amor verdadeiro e do amor eterno; Ele comunica Sua beleza, de maneira a enlouquecer a alma que ama, e a alma fica cheia do amor e da beleza de Deus. E aqui está como, o que Deus é por natureza – amor e beleza eterna – a alma se torna pela Graça; e assim com todas as outras virtudes divinas, de forma que se eu quisesse dizer tudo, demoraria muito. Acrescento apenas que Grace antecipa a alma, Isso a excita, mas somente quando a alma MASTICA essas verdades, e as engole como comida em seu seio, então se comunica e entra para tomar posse dela. É por isso que nem todos recebem os efeitos descritos acima – porque eles os deixam escapar de suas mentes como relâmpagos, e não abrem lugar para eles.

Volume 9 – 20 de maio de 1909

O amor a Deus supera tudo.

Continuando no meu estado normal, Ele mal se fez ver em um flash de luz e me disse: “Minha filha, não há nada que possa superar o Amor – nem doutrina, nem dignidade, e muito menos nobreza. No máximo, quem os usa para o bem de fazer especulações sobre o meu Ser pode Me conhecer mais ou menos; mas quem chega a fazer de Mim seu próprio objeto? Ame.  Quem chega a Me comer como se faz com a comida? Ame. Quem me ama me devora; aquele que me ama encontra meu ser identificado com cada partícula de seu ser.  Há tanta diferença entre quem realmente Me ama e os outros, quaisquer que sejam suas condições ou qualidades, quanto entre quem conhece um objeto precioso, o aprecia, o estima, mas não lhe pertence, e quem o possui aquele objeto precioso como seu. Quem é mais afortunado entre estes: aquele que o conhece ou aquele que o possui? Certamente aquele que o possui. Então, o amor compensa a doutrina e a supera; Ela compensa a dignidade e supera todas as dignidades, proporcionando à pessoa a dignidade divina. Tudo compensa e supera tudo. ”

 Volume 11 – 4 de novembro de 1914

A satisfação de Jesus por causa das Horas da Paixão.

Eu estava cumprindo as  Horas da Paixão  e Jesus, todo contente, disse-me: “Minha filha, se soubesses a grande satisfação que sinto em te ver repetindo estas  Horas da Minha Paixão  – repetindo-as sempre, sem parar – tu seja feliz. É verdade que meus Santos meditaram na minha Paixão e compreenderam o quanto sofri, derretendo-me em lágrimas de compaixão, tanto, a ponto de me sentir consumido por amor às minhas dores; mas não de forma contínua, e repetido muitas vezes nesta ordem. Portanto, posso dizer que você é o primeiro a Me dar esse prazer, tão grande e especial, que vai fragmentando dentro de você – hora a hora – minha vida e o que sofri.  E me sinto tão atraída que, hora a hora, dou esta comida e como a mesma comida com você, fazendo o que você faz junto com você.   Saiba, entretanto, que eu o recompensarei abundantemente com nova luz e novas graças; e mesmo depois de sua morte, cada vez que as almas na terra fizerem estas  Horas de minha Paixão , no Céu eu os vestirei com uma luz e glória sempre novas. ”

Volume 12 – 9 de março de 1919

A vontade divina deve ser o centro e o alimento da alma.

Como eu estava em meu estado normal, meu sempre adorável Jesus atraiu-me cada vez mais para a Sua Vontade. Que abismo sem fim. Então Ele me disse: “Minha filha, veja como minha Humanidade nadou na Vontade Divina, que você deve imitar”. Naquele momento, um sol parecia surgir diante de minha mente – não tão pequeno quanto aquele que brilha em nosso horizonte, mas tão grande a ponto de ultrapassar toda a superfície da terra. Ainda mais, não se podia ver onde chegavam seus limites; e os raios que ela espalhava, formando uma harmonia encantadora, subiam e desciam, penetrando por toda parte. No centro deste sol pude ver a Humanidade de Nosso Senhor, nutrindo-se do sol, que formou toda a sua vida. Ele recebeu tudo do sol e tudo devolveu a ele, que se espalhou como chuva benéfica sobre toda a família humana.

Então, meu doce Jesus acrescentou: “Viste como te quero? O sol que você vê é minha Vontade, na qual minha Humanidade estava como dentro de Seu próprio centro. Recebi tudo do meu Testamento ; nenhum outro alimento entrou em mim. Nem mesmo um pensamento, uma palavra ou um sopro entrou em Mim, que foi alimentado por um alimento estranho à minha Vontade. Foi certo que eu devolvi tudo a Ela. Eu também quero você – no centro da minha Vontade, de onde você se alimentará de tudo. Cuidado para não comer qualquer outro alimento; você desceria de sua nobreza e se degradaria, como aquelas rainhas que se rebaixam a comer alimentos vis e sujos, indignos deles. E ao aceitar, você deve devolver tudo imediatamente para Mim. Portanto, você não fará nada além de receber e dar para mim. Desta forma, você também formará uma harmonia encantadora entre você e Eu. ”

Volume 12 – 8 de outubro de 1919

Efeitos da confiança em Jesus.

Continuando no meu estado habitual de dores e privações, tenho passado com Jesus quase em silêncio, completamente abandonado Nele como uma criança. Então, fazendo-se ver no meu interior, meu doce Jesus me disse: “Minha filha, a confiança em mim é a pequena nuvem de luz, na qual a alma fica tão envolvida que todos os medos, todas as dúvidas, todas as fraquezas desaparecem dela. Na verdade, a confiança em Mim não só forma esta nuvem de luz que a envolve completamente, mas a alimenta com alimentos opostos, que têm a virtude de dissipar todos os medos, dúvidas e fraquezas.

Na verdade, a confiança em Mim dissipa o medo e nutre a alma com amor puro; ele dissolve as dúvidas e lhe dá certeza; tira a fraqueza e lhe dá fortaleza.  Ainda mais, isso a torna tão ousada Comigo, que ela se apega ao meu seio – e ela mama e suga, e se alimenta; nem ela quer qualquer outro alimento. E se ela vê que, ao sugar, não sai nada – e permito-o para a excitar à mais alta confiança – não se cansa, nem se desprende do meu seio; pelo contrário, ela suga com mais força, bate a cabeça no meu peito, enquanto eu rio para mim e deixo.

A alma confiante é meu sorriso e minha diversão. Aquele que tem confiança em mim, me ama, me estima, acredita que sou rico, poderoso, imenso; por outro lado, aquele que não tem confiança, realmente não me ama; ela me desonra, acredita que sou pobre, impotente, pequeno. Que afronta à minha bondade. ”

Volume 12 – 12 de março de 1921

A vontade divina: grão que se tornará alimento. Luisa: a palha que a veste e protege.

Eu dizia a mim mesmo: ‘Minha Rainha Mãe providenciou o sangue para formar a Humanidade de Jesus em seu ventre. E eu – o que darei para formar a Vida da Vontade Divina dentro de mim? ‘ E meu amado Jesus me disse:   “Minha filha, tu Me proverás a palha para fazer a espiga, da qual Eu serei o grão. Darei minha Vontade como alimento para nutrir todas as almas que desejarem comê-la.  Você será a palha que preservará o grão. ” Ao ouvir isso, eu disse: ‘Meu amor, meu ofício de servi-lo como palha é feio, porque a palha é jogada fora, queimada e não tem valor.’ E Jesus: “Ainda assim, a palha é necessária para a espiga. Se não fosse pela palha, o grão não poderia amadurecer e nem se multiplicar. A pobre palha serve de vestimenta e defesa do grão. Se o sol escaldante o investe, a palha o defende do excesso de calor para não o deixar murchar. Se a geada, a chuva ou qualquer outra coisa invadem o grão, a palha assume todos esses males. Portanto, pode-se dizer que a palha é a vida do grão; e se a palha é jogada fora e queimada, é quando ela é separada do grão. O grão da minha Vontade não está sujeito a crescer ou diminuir; tanto quanto eles tomam dele, não diminuirá de um único grão. Portanto, seu canudo será necessário para Mim; me servirá de vestimenta, de defesa, defendendo os direitos de minha vontade. Portanto, não há perigo de você se separar de mim. ”

Depois de um tempo Ele voltou e eu disse-lhe: ‘Minha Vida, Jesus, se as almas que viverão na tua Vontade serão arco-íris, quais serão as cores desses arco-íris da paz?’ E Jesus, toda bondade: “Suas qualidades e cores serão totalmente divinas. Eles brilharão com as cores mais belas e brilhantes, que são: Amor, Bondade, Sabedoria, Poder, Santidade, Misericórdia, Justiça. A variedade dessas cores será tão clara na escuridão da noite, e em virtude dessas cores, elas farão o dia surgir nas mentes das criaturas. ”

Volume 13 – 13 de outubro de 1921

Todas as palavras de Jesus são fontes que conduzem e jorram para a Vida Eterna.

Eu me senti oprimido, pensando que sou forçado a dizer e escrever até as menores coisas que o bom Jesus me diz. Então, ao vir, disse-me: “Minha filha, cada vez que te falo, pretendo abrir uma pequena fonte no teu coração, porque todas as minhas palavras são fontes que conduzem e jorram para a Vida Eterna.   Mas para que essas fontes possam se formar em seu coração, você também deve colocar algo de sua preferência – ou seja, você deve  mastigar completamente para ser capaz de engoli-los em seu coração e abrir a fonte. Ao pensar sobre eles, repetidamente, você forma a mastigação. Ao contá-los para aqueles que têm autoridade sobre você, e como você está certo de que são minhas palavras, você os engole sem dúvida e abre a fonte para si mesmo; e na ocorrência de sua necessidade, você os usa, bebendo em grandes goles da fonte da minha verdade. Ao escrevê-los, você abre os canais que podem servir a todos aqueles que desejam matar a sede, para não deixá-los morrer de sede. Agora, por não dizer a eles, você não pensa sobre eles; e por não  CHEWingê-los, você não pode engoli-los. Assim, você corre o risco de que a fonte não se forme e que a água não jorra; e quando precisar dessa água, você será o primeiro a sentir sede. E se você não os escrever, não abrindo o canal – de quantos bens você privará os outros? ”

Agora, enquanto escrevia, pensava: ‘Já faz algum tempo que o meu doce Jesus não me fala da Sua Santíssima Vontade, mas de outras virtudes. Sinto-me mais inclinado a escrever sobre Sua Santíssima Vontade; Sinto mais gosto por Ele, como se fosse algo exclusivamente meu e a Sua Vontade me bastasse em tudo. ‘ E o meu sempre benigno Jesus, ao vir, disse-me: “Minha filha, não te estranhes se gostares mais e te sentires mais inclinada a escrever sobre a minha Vontade. Na verdade, ouvir, falar, escrever sobre a minha vontade é a coisa mais sublime que pode existir no céu e na terra. É o que mais me glorifica e reúne todos os bens e toda a santidade de uma só vez. Por outro lado, cada uma das outras verdades encerram seu próprio bem distinto; eles são bebidos gole por gole, escalados passo a passo, e eles se adaptam à maneira humana. Com a minha Vontade, ao contrário, é a alma que se adapta ao caminho Divino. Não são goles que ela bebe – mas mares; não escadas que ela sobe – mas vôos que ela faz em direção ao céu em um piscar de olhos. Oh! minha vontade, minha vontade! Só por ouvir de você, isso me traz tanta alegria e doçura; e ao me sentir rodeado pela minha Vontade contida na criatura como se fosse por outra Imensidão Minha, sinto um gosto tal que Me faz esquecer o mal das outras criaturas.

Deves saber que te manifestei grandes coisas sobre a minha Vontade, que ainda não  mastigaste bem e digeres , de modo a tomar toda a substância e formar toda a massa de sangue na tua alma. Depois de ter formado toda a substância, voltarei e manifestarei a você outras coisas, mais sublimes, sobre a minha Vontade. E enquanto espero que as digeres bem, te ocuparei com as outras verdades que Me pertencem, para que, se as criaturas não quiserem aproveitar o mar, o sol da minha Vontade para vir. para Mim, eles podem usar pequenas fontes e canais para vir a Mim, e levar para o seu próprio bem as coisas que pertencem a Mim. ”

Volume 14 – 3 de março de 1922

O Fazendeiro Celestial semeia Sua Palavra.

Continuando no meu estado de costume, meu doce Jesus veio, mas sem dizer nada, todo taciturno e aflito ao cume. E eu: ‘O que é, Jesus, que Você não fala? Se tu és a minha vida, a tua palavra é o meu alimento e não posso jejuar; Estou muito fraco e sinto a necessidade contínua de comida para crescer e me manter forte. ‘

E Jesus, toda a bondade me disse: “Minha filha, eu também sinto a necessidade de um pouco de comida, e depois de ter te alimentado com a minha palavra, essa mesma palavra,  mastigada por você, sendo convertida em sangue, faz germinar o alimento para mim . E se você não pode jejuar, também não quero jejuar. Quero a comida que te dei de volta e depois voltarei para te alimentar. Estou com muita fome – rápido, deixe-me satisfazer minha fome. ” Fiquei confuso e não sabia o que dar a Ele, pois nunca tive nada; mas Jesus, com ambas as mãos, tomou meu batimento cardíaco, minha respiração, meus pensamentos, afeições e desejos, que se transformaram em muitos pequenos globos de luz, e os comeu, dizendo: “Este é o fruto da minha palavra; estas são minhas próprias coisas – é só que eu as como. ”

Volume 16 – 24 de novembro de 1923

A história da Vontade Divina. Como a Santíssima Virgem, para a obra da Redenção, fez seus todos os atos da Vontade Divina e preparou a comida para seus filhos; por isso Ela é ‘Mãe e Rainha da Vontade Divina’. Luisa deve fazer o mesmo pela obra do Fiat Voluntas Tua.

Eu estava cumprindo a Hora da Paixão em que minha triste Mamãe recebeu Seu Filho, morto, em Seus braços, e o colocou no sepulcro; e no meu interior dizia: ‘Minha Mamãe, junto com Jesus coloco todas as almas nos teus braços, para que os reconheças todos como teus filhos, inscreve-os um a um no teu Coração, e coloca-os dentro das feridas de Jesus . Eles são filhos de sua imensa tristeza, e isso basta para que Você os reconheça e ame. E quero colocar todas as gerações na Vontade Suprema, para que não falte ninguém, e em nome de tudo Eu Te dou confortos, compaixões e alívios divinos. ‘ Agora, enquanto eu dizia isso, meu doce Jesus moveu-se em meu interior e disse-me: “Minha filha, se soubesses com que comida minha triste mamãe alimentava todos esses filhos …”. E eu: ‘O que foi, ó meu Jesus?’ E ele, novamente: “Já que tu és o meu pequenino, escolhido por Mim para a missão da minha Vontade, e tu vives naquele Fiat em que foste criado, quero dar-te a conhecer a história da minha Vontade Eterna, as suas alegrias e as suas Dores, Seus efeitos, Seu imenso valor, o que fez, o que recebeu, e aquele que levou a sério Sua defesa. Os pequenos prestam mais atenção em Me ouvir, porque suas mentes não estão ocupadas com outras coisas. São como se estivessem vazios de tudo, e se se quer dar-lhes um alimento diferente ficam enojados porque, sendo pequenos, costumam tomar apenas o leite da minha Vontade que, mais que mãe amorosa, os mantém apegados à Sua. seio divino para nutri-los abundantemente. E ficam com as boquinhas abertas, esperando o leite dos meus ensinamentos, e me divirto muito. Oh!

Pois bem, a origem da minha Vontade é eterna. Nunca a tristeza entrou Nisto; entre as Pessoas Divinas esta Vontade estava na mais alta concórdia – ainda mais, era uma. Em cada ato emitido, tanto ‘ ad  intra’  quanto ‘ ad extra’, Deu-nos alegrias infinitas, novos contentamentos, felicidade imensa. E quando Queríamos lançar a máquina da Criação – quanta glória, quantas harmonias e honra Ela não nos deu? Assim que o Fiat foi lançado, este Fiat difundiu Nossa beleza, Nossa luz, Nosso poder, ordem, harmonia, amor, santidade – tudo; e Permanecemos glorificados por Nossas próprias virtudes, ao ver, por meio de Nosso Fiat, o desabrochar de Nossa Divindade velada em todo o universo. Nossa vontade não parou; inchado de amor como estava, Ele queria criar o homem; e você conhece a história dele, portanto, sigo em frente. Ah! foi ele quem causou a primeira tristeza à minha vontade. Ele tentou amargurar Aquele que o amou tanto e que o fez feliz. Minha vontade chorou mais do que uma terna mãe que chora por seu filho, que é aleijado e cego apenas porque se retirou do testamento de sua mãe. Meu Will quis ser o primeiro ator no homem, para nada mais que dar-lhe novas surpresas de amor, de alegrias, de felicidade, de luz, de riquezas. Queria dar sempre – é por isso que queria agir. Mas o homem queria fazer sua vontade e rompeu com o Divino. Se ao menos ele nunca tivesse feito isso …! Minha vontade se retirou e ele caiu no abismo de todos os males. Agora, para reunir essas duas vontades, era necessário um que contivesse uma vontade divina dentro de si. Portanto, visto que Eu, Verbo Eterno, amei este homem com um amor eterno, Nós, as Pessoas Divinas, decretamos juntos que eu deveria assumir a carne humana para vir salvá-lo e reunir as duas vontades quebradas. Mas onde descer? Quem seria aquele que emprestaria sua carne ao seu criador? Minha vontade queria ser o primeiro ator no homem, para nada mais que dar-lhe novas surpresas de amor, de alegrias, de felicidade, de luz, de riquezas. Queria dar sempre – é por isso que queria agir. Mas o homem queria fazer sua vontade e rompeu com o Divino. Se ao menos ele nunca tivesse feito isso …! Minha vontade se retirou e ele caiu no abismo de todos os males. Agora, para reunir essas duas vontades, era necessário um que contivesse uma vontade divina dentro de si. Portanto, visto que Eu, Verbo Eterno, amei este homem com um amor eterno, Nós, as Pessoas Divinas, decretamos juntos que eu deveria assumir a carne humana para vir salvá-lo e reunir as duas vontades quebradas. Mas onde descer? Quem seria aquele que emprestaria sua carne ao seu criador? Meu Will quis ser o primeiro ator no homem, para nada mais que dar-lhe novas surpresas de amor, de alegrias, de felicidade, de luz, de riquezas. Queria dar sempre – é por isso que queria agir. Mas o homem queria fazer sua vontade e rompeu com o Divino. Se ao menos ele nunca tivesse feito isso …! Minha vontade se retirou e ele caiu no abismo de todos os males. Agora, para reunir essas duas vontades, era necessário um que contivesse uma vontade divina dentro de si. Portanto, visto que Eu, Verbo Eterno, amei este homem com um amor eterno, Nós, as Pessoas Divinas, decretamos juntos que eu deveria assumir a carne humana para vir salvá-lo e reunir as duas vontades quebradas. Mas onde descer? Quem seria aquele que emprestaria sua carne ao seu criador? para nada mais, mas para dar-lhe novas surpresas de amor, de alegrias, de felicidade, de luz, de riquezas. Queria dar sempre – é por isso que queria agir. Mas o homem queria fazer sua vontade e rompeu com o Divino. Se ao menos ele nunca tivesse feito isso …! Minha vontade se retirou e ele caiu no abismo de todos os males. Agora, para reunir essas duas vontades, era necessário um que contivesse uma vontade divina dentro de si. Portanto, visto que Eu, Verbo Eterno, amei este homem com um amor eterno, Nós, as Pessoas Divinas, decretamos juntos que eu deveria assumir a carne humana para vir salvá-lo e reunir as duas vontades quebradas. Mas onde descer? Quem seria aquele que emprestaria sua carne ao seu criador? para nada mais, mas para dar-lhe novas surpresas de amor, de alegrias, de felicidade, de luz, de riquezas. Queria dar sempre – é por isso que queria agir. Mas o homem queria fazer sua vontade e rompeu com o Divino. Se ao menos ele nunca tivesse feito isso …! Minha vontade se retirou e ele caiu no abismo de todos os males. Agora, para reunir essas duas vontades, era necessário um que contivesse uma vontade divina dentro de si. Portanto, visto que Eu, Verbo Eterno, amei este homem com um amor eterno, Nós, as Pessoas Divinas, decretamos juntos que eu deveria assumir a carne humana para vir salvá-lo e reunir as duas vontades quebradas. Mas onde descer? Quem seria aquele que emprestaria sua carne ao seu criador? Mas o homem queria fazer sua vontade e rompeu com o Divino. Se ao menos ele nunca tivesse feito isso …! Minha vontade se retirou e ele caiu no abismo de todos os males. Agora, para reunir essas duas vontades, era necessário um que contivesse uma vontade divina dentro de si. Portanto, visto que Eu, Verbo Eterno, amei este homem com um amor eterno, Nós, as Pessoas Divinas, decretamos juntos que eu deveria assumir a carne humana para vir salvá-lo e reunir as duas vontades quebradas. Mas onde descer? Quem seria Aquele que emprestaria Sua carne ao Criador? Mas o homem queria fazer sua vontade e rompeu com o Divino. Se ao menos ele nunca tivesse feito isso …! Minha vontade se retirou e ele caiu no abismo de todos os males. Agora, para reunir essas duas vontades, era necessário um que contivesse uma vontade divina dentro de si. Portanto, uma vez que eu, Verbo Eterno, amei este homem com um amor eterno, Nós, as Pessoas Divinas, decretamos juntos que eu deveria assumir a carne humana para vir salvá-lo e reunir as duas vontades quebradas. Mas onde descer? Quem seria aquele que emprestaria sua carne ao seu criador? Nós, as Pessoas Divinas, decretamos juntos que eu deveria assumir a carne humana para vir e salvá-lo, e para reunir as duas vontades quebradas. Mas onde descer? Quem seria Aquele que emprestaria Sua carne ao Criador? Nós, as Pessoas Divinas, decretamos juntos que eu deveria assumir a carne humana para vir e salvá-lo, e para reunir as duas vontades quebradas. Mas onde descer? Quem seria aquele que emprestaria sua carne ao seu criador?

É por isso que escolhemos uma criatura, e em virtude dos méritos previstos do futuro Redentor, Ela foi isenta do pecado original. A vontade dela e a nossa eram uma só. Foi esta Criatura Celestial que entendeu a história de Nossa Vontade; Narramos tudo a Ela, como a um pequenino: a dor de Nossa Vontade, e como, ao romper sua vontade com a Nossa, o homem ingrato havia restringido Nossa Vontade dentro do círculo divino, quase a obstruindo em seus desígnios, impedindo-a de se comunicar para ele Seus bens e o propósito para o qual ele foi criado. Para Nós, dar é fazer-nos felizes e também a quem de Nós recebe; é enriquecer sem empobrecer; é dar o que somos por natureza, formando-o na criatura pela graça; é sair de nós mesmos para dar o que possuímos. Ao dar, nosso amor se derrama, e nossa vontade faz festa. Se não fôssemos dar, por que formaríamos a Criação? Portanto, o simples fato de não poder dar aos Nossos filhos, às nossas queridas imagens, era como um luto por Nossa Vontade Suprema. Só em ver o homem operar, falar, andar, sem a conexão de Nossa Vontade, porque ela foi rompida por ele, e que correntes de graças, de luz, de santidade, de ciência, etc. correriam para ele, se tivesse sido conosco, mas não pudemos – Nosso Testamento assumiu a atitude de tristeza. Em cada ato da criatura houve uma dor por Nós, porque vimos aquele ato vazio de valor divino, sem beleza e santidade – completamente diferente de Nossos atos. Oh! como o Pequeno Celestial entendeu esta nossa maior tristeza, e o grande mal do homem em se afastar de Nossa Vontade. Oh! quantas vezes ela chorou lágrimas quentes por causa de nossa tristeza, e por causa do grande infortúnio do homem. Portanto, temendo, Ela não quis conceder nem mesmo um ato da vida à Sua própria vontade; é por isso que Ela permaneceu pequena: porque sua vontade não tinha vida nela – como ela poderia se tornar adulta? Mas o que Ela não fez, Nossa Vontade fez: Ela a ressuscitou toda bela, santa, divina; Isso a enriqueceu a ponto de torná-la a maior de todas. Ela foi um prodígio de Nossa Vontade – um prodígio de graça, de beleza, de santidade. Mas Ela permaneceu sempre pequena, tanto assim, que Ela nunca desceu de Nossos braços; e levando a sério Nossa defesa, Ela retribuiu todos os atos dolorosos da Vontade Suprema. E não só Ela estava completamente em ordem com Nossa Vontade, mas também fez dela todos os atos das criaturas; absorvendo em Si mesma toda Nossa Vontade rejeitada por eles, Ela a consertou, Ela A amou;

Você vê, então, com que alimento esta Mãe amorosa alimenta seus filhos? Custou-Lhe toda a sua vida, dores inauditas, a própria Vida do Seu Filho, formar em Si o depósito abundante deste alimento da minha Vontade e mantê-lo pronto para nutrir todos os Seus filhos como Mãe terna e amorosa. Ela não poderia amar seus filhos mais; ao dar-lhes esta comida, Seu amor alcançou o grau máximo. Portanto, entre os muitos títulos que Ela possui, o mais belo título que poderia ser dado a Ela é o de  ‘Mãe e Rainha da Vontade Divina’ .

Ora, minha filha, se minha mamãe fez isso pela obra da Redenção, você também deve fazer pela obra do  Fiat Voluntas Tua.  Sua vontade não deve ter vida em você; e fazendo com que todos os atos de minha Vontade para cada criatura sejam seus, você os depositará dentro de você; e enquanto retribui minha Vontade em nome de todos, você formará dentro de você todo o alimento necessário para nutrir todas as gerações com o alimento de minha Vontade. Cada dizer, cada efeito, cada conhecimento adicional sobre Ele, será mais um sabor que encontrarão neste alimento, de modo que o comerão com avidez. Tudo o que vos digo sobre a minha vontade servirá para lhes abrir o apetite e para que não comam nenhum outro alimento, à custa de qualquer sacrifício. Se um alimento fosse considerado bom, para restaurar as forças, para curar os enfermos, para conter todos os gostos; e ainda mais, para dar vida, para embelezar e fazer feliz – quem não faria nenhum sacrifício para levar esta comida? Assim será por minha vontade. Para torná-la amada e desejada, o conhecimento é necessário. Portanto, fique atento – receba em você este depósito da minha Vontade, para que, como segunda Mãe, possa preparar a comida para os nossos filhos. Ao fazer isso, você imitará minha mamãe. Também lhe custará muito, mas, em face da minha Vontade, qualquer sacrifício não parecerá nada para você. Faça-o como um pequeno, nunca desça de meus braços, e eu continuarei a narrar para você a história de meu Testamento. ” Também lhe custará muito, mas, em face da minha Vontade, qualquer sacrifício não parecerá nada para você. Faça-o como um pequeno, nunca desça dos meus braços, e eu continuarei a narrar para você a história do meu Testamento. ” Também lhe custará muito, mas, em face da minha Vontade, qualquer sacrifício não parecerá nada para você. Faça-o como um pequeno, nunca desça de meus braços, e eu continuarei a narrar para você a história de meu Testamento. ”

Volume 16 – 1º de junho de 1924

O grande bem produzido por lembrar tudo o que Jesus fez, sofreu e disse em Sua vida.

Esta manhã encontrei-me fora de mim e vi o meu último confessor, rodeado de muitas pessoas que estavam todas atentas e como que extasiadas por o ouvir; e ele falou e falou, e ficou tão inflamado que inflamou os outros. Aproximei-me para ouvir o que ele estava dizendo e, para minha surpresa, ouvi que ele estava dizendo tudo o que meu bendito Jesus havia me dito – Suas sutilezas de amor, as muitas condescendências de Jesus para comigo. E quando falou dos estratagemas de amor de Jesus para comigo, irradiou luz, a ponto de permanecer transfundido nessa luz; e não só ele, mas também aqueles que o ouviam. Fiquei surpreso e disse a mim mesmo: ‘O confessor não fez isso apenas na vida – contando as coisas da minha alma aos outros – mas o está fazendo também depois da morte, na próxima vida. ‘E eu estava esperando que ele acabasse de falar, para poder me aproximar dele e contar-lhe alguma dificuldade minha; mas ele não iria terminar, e eu me encontrei dentro de mim.

Então, de acordo com minha maneira usual, eu segui meu amado Jesus em Sua Paixão, tendo compaixão por Ele, reparando-O e tornando minhas as Suas dores. E Jesus, movendo-se no meu interior, disse-me: ‘Minha filha, quanto bem me faz a memória de Mim e de tudo o que fiz, sofri e disse na minha Vida, procura para a alma. Ao Me compadecer e fazer suas as minhas intenções, e ao lembrar, uma a uma, minhas dores, minhas obras, minhas palavras, ela as chama para dentro de si e as coloca em ordem dentro de sua alma, de modo a chegar a colher os frutos do que fiz, sofri e disse. Isso produz uma espécie de umidade divina na alma, sobre a qual o sol de minha graça se deleita em nascer e formar o orvalho celeste, em virtude dessa umidade. E não só este orvalho embeleza a alma de uma forma maravilhosa, mas tem a virtude de mitigar os raios do sol ardente da minha justiça divina quando, encontrando almas queimadas pelo fogo do pecado, está prestes a atingi-las, queimá-las e secá-las ainda mais. Temperando seus raios, este orvalho divino os utiliza para formar um orvalho benéfico para que as criaturas não sejam atingidas, e se constitui em umidade vital para não as deixar murchar. Oh! como isso simboliza a natureza quando, após um dia de sol escaldante, as plantas estão a ponto de murchar: basta uma noite úmida e, voltando a subir sobre essa umidade, o sol forma seu orvalho e, em vez de fazê-los morrer, seu calor serve para fecundá-los e completar a maturação de seus frutos. este orvalho divino os utiliza para formar orvalho benéfico para que as criaturas não sejam atingidas e constitui-se em umidade vital para não as deixar murchar. Oh! como isso simboliza a natureza quando, após um dia de sol escaldante, as plantas estão a ponto de murchar: basta uma noite úmida e, voltando a subir sobre essa umidade, o sol forma seu orvalho, e em vez de fazê-los morrer, seu calor serve para fecundá-los e completar a maturação de seus frutos. este orvalho divino os utiliza para formar orvalho benéfico para que as criaturas não sejam atingidas e constitui-se em umidade vital para não as deixar murchar. Oh! como isso simboliza a natureza quando, após um dia de sol escaldante, as plantas estão a ponto de murchar: basta uma noite úmida e, voltando a subir sobre essa umidade, o sol forma seu orvalho, e em vez de fazê-los morrer, seu calor serve para fecundá-los e completar a maturação de seus frutos.

O mesmo acontece, de forma mais maravilhosa, na ordem sobrenatural. A memória é o começo de um bem. A memória dá muitos goles para a alma dar sua vida. Quando algum bem – quando as coisas são esquecidas, perdem a virtude vital para a alma, perdem sua atratividade, a gratidão, a correspondência, a estima, o amor, o valor. E essa memória não só produz a origem de todo bem na vida, mas depois da morte também produz a origem da glória. Não ouviste o teu falecido confessor – como ele gostava de falar das graças que te dei? Isso porque durante sua vida ele se preocupou em ouvi-los, lembrou-se deles, e seu interior permaneceu cheio deles a ponto de transbordar para fora. E agora, quanto bem isso não proporcionou para ele na próxima vida? É para ele como uma fonte de bem que transborda para o bem dos outros. Assim, quanto mais a alma se lembra do que Me pertence, minhas graças, as lições que dei a ela, mais cresce dentro dela a fonte dos meus bens, a ponto de, incapazes de contê-los, transbordarem para o bem dos outros . ”

Alguns se dedicam ao estudo e outros às artes plásticas. 

Volume 19 – 3 de setembro de 1926

O desejo purifica a alma e aguça seu apetite pelos bens de Jesus. Como a Vontade Divina está penetrando e convertendo Seus efeitos na natureza da pessoa.

Eu estava me sentindo totalmente identificado com o meu doce Jesus, e orava a Ele de coração para que zelasse por minha pobre alma, para que nada pudesse entrar em mim que não fosse a Sua Vontade. Agora, enquanto fazia isso, meu querido Bem, minha doce Vida, movia-se em meu interior e dizia-me: “Minha filha, o desejo de um bem, de conhecê-lo, purga a alma e dispõe sua inteligência para compreendê-lo, seu memória para lembrar; sua vontade sente seu apetite por estar aguado, por fazer dele seu alimento e sua vida; e move Deus dar a ela esse bem e torná-lo conhecido.  Portanto, o desejo de um bem, de conhecê-lo, é como o apetite por comida. Quando há apetite, a pessoa sente o gosto, come com prazer, fica satisfeito e contente por ter ingerido aquele alimento e fica com o desejo de desfrutá-lo novamente.  Por outro lado, se não houver apetite, a mesma comida que alguém aprecia com tanto entusiasmo, causa náusea e repulsa a outra pessoa que não tem apetite, e ela pode chegar ao ponto de sofrer por causa disso. Tal é o desejo da alma – é como o apetite; e vendo que o desejo pelas minhas coisas é o seu deleite, a ponto de fazer delas o seu alimento e a sua vida, eu abundo – eu abundo em dar, que nunca me canso de dar. Por outro lado, quem não os deseja, porque falta o apetite, sentirá náuseas pelas minhas coisas, e se repetirá aquele ditado do Evangelho: ‘Será dado a quem tem, enquanto a quem não deseja o meu bens, minhas verdades, coisas celestiais, serão privados do pouco que ele tem ‘. Pena justa para quem não deseja, não tem apetite, e não quer saber nada sobre as coisas que pertencem a mim. E se ele tem alguma coisa pequena, é certo que seja tirada dele e seja dada àqueles que possuem muito. ”

Então, depois disso, eu estava pensando e me identificando com a Santa Vontade Divina, e me encontrando em Sua luz imensa, senti Seus raios divinos penetrarem tão profundamente em mim que me transformaram em Sua própria luz. E Jesus, saindo do meu interior, disse-me: “Minha filha, que bela, penetrante, comunicativa, transformadora é a luz da minha Vontade! É mais do que o sol que, batendo na terra, dá com liberalidade os efeitos que sua luz contém; nem espera ser pedido, mas, espontaneamente, à medida que sua luz enche a superfície da terra, dá o que tem a tudo que encontra. Confere doçura e sabor ao fruto, cor e fragrância à flor, desenvolvimento às plantas; a todas as coisas dá os efeitos e bens que contém, não faz exceção a ninguém – basta que sua luz os toque, penetra neles e os aquece para realizar seu trabalho. Minha vontade é mais do que sol; enquanto a alma se expõe aos seus raios vivificantes e bane as trevas e a noite da sua vontade humana, a sua luz sobe e investe a alma, penetrando nas suas fibras mais íntimas para dissipar as sombras e os átomos da vontade humana. À medida que sua luz bate na alma e ela a recebe, comunica todos os efeitos que contém, pois, saindo do Ser Supremo, minha Vontade contém todas as qualidades da Natureza Divina. Assim, ao investi-la, comunica a bondade, o amor, o poder, a firmeza, a misericórdia e todas as qualidades divinas – não de forma superficial, mas de forma real, de forma a transmutar todas as suas qualidades no natureza humana; tanto assim, que a alma se sentirá dentro de si, como se fosse sua, a natureza da verdadeira bondade, do poder, da doçura, da misericórdia; e assim com todo o resto das qualidades supremas. Só a Minha Vontade tem o poder de converter Suas virtudes em sua natureza – mas apenas para aquele que se abandona como presa de Sua luz e de Seu calor, e mantém longe dela a tenebrosa noite de sua própria vontade, a verdadeira e perfeita noite do pobre criatura. ”

Volume 23 – 28 de fevereiro de 1928

Assim como Deus tem a hierarquia dos Anjos no Céu com nove coros distintos, Ele também terá a hierarquia dos filhos de Seu Reino com mais nove coros. Condição dos confessores tardios, e como a memória do padre Di Francia não se apagará nesta obra.

Eu estava pensando sobre a Sagrada Volição Divina, e mil pensamentos encheram minha pobre mente. Pareciam muitas luzes mais fortes que estavam surgindo, que então se uniram na mesma luz do Sol eterno daquele Fiat que não conhece o ocaso. Mas quem pode dizer o que eu estava pensando? Eu estava pensando nos muitos saberes falados a mim por Jesus sobre a Vontade Divina, e como cada um deles traz uma Vida Divina para a alma, com a impressão de uma raridade de beleza, de felicidade – mas distinta uma da outra, que lugares em comum com quem tem o bem de conhecê-lo e amá-lo. Então, pensei comigo mesmo: ‘Um conhecimento a mais ou a menos – haverá grande diferença entre uma alma e outra.’ Então, eu senti tristeza ao lembrar meus últimos confessores, que teve tanto interesse em me fazer escrever o que o bendito Jesus me diria sobre a Vontade Divina. Senti pena do venerável padre Di Francia, que tantos sacrifícios fez para vir de longe, arcando com as despesas da publicação; e justamente quando as coisas estavam acontecendo, Jesus o trouxe para o céu com ele mesmo. Portanto, uma vez que estes não possuíam tudo o que diz respeito ao Fiat, eles não possuirão todas as vidas e raridades de beleza e felicidade que esses conhecimentos contêm.

Mas enquanto minha mente vagava por entre tantos pensamentos, de tal forma que se eu quisesse contar todos demoraria demais, meu doce Jesus estendeu os braços por dentro de mim, e espalhando luz, me disse: “Minha filha, assim como Eu tenho a hierarquia dos Anjos, com nove coros distintos, então terei a hierarquia dos filhos do Reino do meu Divino Fiat. Terá Seus nove coros, e eles se distinguirão uns dos outros de acordo com as variedades de belezas que adquiriram por conhecer, alguns mais, outros menos, os conhecimentos que pertencem ao meu Fiat. Portanto, cada conhecimento adicional sobre minha Divina Volição é uma nova criação que ela forma nas criaturas, de felicidade e de beleza inalcançável, porque é uma vida divina que corre dentro dela,

Portanto, se Nossa Bondade paterna expõe Sua vida, Sua beleza e felicidade, a ponto de criá-la no seio das criaturas, e eles não se interessam em conhecê-la para tomá-la por meio de Nossos saberes já dados a eles. , não é certo que eles recebam a beleza ou os sons de Nossas alegrias como seus próprios dons. Eles tomarão o que conheceram. Portanto, haverá vários coros na hierarquia do Reino da minha Vontade Divina. Se você soubesse que diferença vai passar entre aqueles que trazem meus conhecimentos da terra e aqueles que irão adquiri-los no céu…. O primeiro os terá como seus próprios dons e a pessoa verá neles a natureza da beleza divina, e ouvirá os mesmos sons das alegrias e felicidades que seu Criador faz ouvir e formar. Por outro lado, no segundo, estes não serão nem sua própria natureza nem seus próprios dons, mas eles os receberão como o efeito da comunicação de outros, quase como a terra recebe os efeitos do sol, mas não possui a natureza do sol . Portanto, aqueles que possuirem todos os conhecimentos formarão o coro mais alto e, de acordo com seu conhecimento, os diferentes coros serão formados. Porém, todos aqueles que adquiriram estes conhecimentos, total ou parcialmente, terão o nobre título de filhos do meu Reino, pois, para quem tem o bem de conhecê-los para fazer deles sua própria vida, esses saberes tenho em meu Fiat a virtude de enobrecer a criatura, de fazer fluir na alma os humores vitais da vida divina e de elevá-la à sua origem primeira; e eles são como o pincel do estes não serão nem sua própria natureza nem seus próprios dons, mas eles os receberão como o efeito da comunicação de outros, quase como a terra recebe os efeitos do sol, mas não possui a natureza do sol. Portanto, aqueles que possuirem todos os conhecimentos formarão o coro mais alto e, de acordo com seu conhecimento, os diferentes coros serão formados. Porém, todos aqueles que adquiriram estes conhecimentos, total ou parcialmente, terão o nobre título de filhos do meu Reino, pois, para quem tem o bem de conhecê-los para fazer deles sua própria vida, esses saberes tenho em meu Fiat a virtude de enobrecer a criatura e de fazer fluir na alma os humores vitais da vida divina e de elevá-la à sua origem primeira; e eles são como o pincel do estes não serão nem sua própria natureza nem seus próprios dons, mas eles os receberão como o efeito da comunicação de outros, quase como a terra recebe os efeitos do sol, mas não possui a natureza do sol. Portanto, aqueles que possuirem todos os conhecimentos formarão o coro mais alto e, de acordo com seu conhecimento, os diferentes coros serão formados. Porém, todos aqueles que adquiriram estes conhecimentos, total ou parcialmente, terão o nobre título de filhos do meu Reino, pois, para quem tem o bem de conhecê-los para fazer deles sua própria vida, esses saberes tenho em meu Fiat a virtude de enobrecer a criatura e de fazer fluir na alma os humores vitais da vida divina e de elevá-la à sua origem primeira; e eles são como o pincel do ‘Façamos o homem à Nossa imagem e semelhança’ , e eles retratam a imagem do Criador na criatura.

Quanto a alguns saberem mais e outros menos, então, a nobreza destes não será destruída. Acontecerá, por exemplo, com uma família nobre, que tem muitos filhos, alguns dos quais se dedicam aos estudos, outros às artes plásticas. Os que se elevam mais, ocupam cargos elevados e decorosos, são mais conhecidos, amados e estimados, pois, pelas ciências que possuem, fazem mais bem no meio do povo, o que os outros irmãos não fazem. Mas, apesar disso, o fato de que, pelos seus sacrifícios, estes se elevam tanto, não destrói a nobreza dos outros irmãos, porque todos eles carregam dentro de si o sangue nobre de seu pai, e por isso se vestem de um de maneira nobre, eles têm maneiras nobres de operar e falar – em tudo. Assim serão os filhos do meu Fiat – todos nobres; eles perderão a aspereza da vontade humana, os miseráveis ​​trapos das paixões; as trevas das dúvidas, dos medos, serão colocadas em fuga pela luz dos meus conhecimentos e lançarão tudo no mar de paz.

Portanto, seus confessores que passaram para a próxima vida serão como o prelúdio dos filhos da minha Vontade. Na verdade, o primeiro se sacrificou muito e trabalhou para ajudar o pequenino campo de sua alma; e mesmo que, naquela época, eu tenha falado pouco a vocês sobre meu Fiat, porque primeiro tive que dispor de vocês, ele será como o primeiro arauto, como a alvorada que anuncia o dia do Reino da minha Vontade. O segundo e o terceiro confessores seus, que tanto participaram, e conheceram em grande parte os conhecimentos da minha Vontade, e fizeram tanto sacrifício – principalmente o terceiro, que tanto amou que se tornaram conhecidos, e se sacrificou tanto. por escrito – será como o sol nascente que, colocando-se em seu curso, forma o dia cheio de luz. Os que vierem a seguir serão como o meio-dia do grande dia do meu testamento;

E você pensa que a memória do padre Di Francia, seus muitos sacrifícios e desejos de tornar conhecida minha vontade, a ponto de iniciar a publicação, se extinguirá nesta grande obra de meu Divino Fiat, só porque eu o trouxe comigo ao céu? Não não; pelo contrário, terá o primeiro lugar, porque vindo de longe foi como que em busca do que há de mais precioso no céu e na terra, do ato que mais Me glorifica, ou melhor, me dará glória completa da parte das criaturas, e elas receberão bens completos. Ele preparou o terreno para que minha Divina Vontade pudesse ser conhecida; tanto que ele não poupou nada, nem despesas, nem sacrifícios; e mesmo que a publicação não tenha tido sua finalização, por apenas iniciá-lo ele preparou os caminhos para que um dia a obra de minha Vontade no meio das criaturas possa ser conhecida e ter vida. Quem poderá destruir o fato de o padre Di Francia ter sido o primeiro iniciador na divulgação do Reino da minha Vontade? – e só porque sua vida foi extinta, a publicação não teve sua finalização? Assim, quando esta grande obra se tornar conhecida, seu nome, sua memória, estarão repletos de glória e de esplendor, e ele terá seu ato primordial em uma obra tão grande, tanto no céu como na terra. Na verdade, por que está acontecendo uma batalha, e quase todos anseiam pela vitória – para vencer retendo os escritos de meu Divino Fiat? Porque ele havia trazido os escritos para publicá-los. Não fosse assim, quem teria falado sobre isso? Ninguém. E se ele não tivesse feito outros compreenderem a importância, o grande bem desses escritos, ninguém teria se interessado. Portanto, minha filha, a minha bondade é tão grande que recompenso justa e superabundantemente o bem que a criatura faz, principalmente nesta obra da minha Vontade, de que tanto me preocupo. O que não darei àqueles que se ocupam e se sacrificam para colocar em segurança os direitos de meu Fiat eterno? Excederei tanto em dar, que deixarei o céu e a terra maravilhados. ” O que não darei àqueles que se ocupam e se sacrificam para colocar em segurança os direitos de meu Fiat eterno? Excederei tanto em dar, que deixarei o céu e a terra maravilhados. ” O que não darei àqueles que se ocupam e se sacrificam para colocar em segurança os direitos de meu Fiat eterno? Excederei tanto em dar, que deixarei o céu e a terra maravilhados. ”

Ao ouvir isso, pensei comigo mesmo: ‘Se esses conhecimentos contêm tanto bem, se o bendito Jesus continua depois da minha morte com mais conhecimentos sobre o Seu Fiat para outras almas, uma obra tão grande não será atribuída a essa obra?’ E Jesus, movendo-se como se apressado em meu interior, acrescentou: “Não, não, minha filha. Assim como do padre Di Francia se dirá que foi o primeiro propagador, e seus confessores foram cooperadores, assim se dirá que a filhinha do meu testamento foi a primeira e depositária de um tão grande bem, a quem foi confiado e que foi escolhido com uma missão especial. Suponha que alguém tenha feito uma invenção importante; pode ser que outros o propaguem, difundam mais, imitem, expandam; mas ninguém poderá dizer: ‘Eu sou o inventor desta obra.’ Sempre será dito: “O inventor era tal e tal.” O mesmo acontecerá com você. Dir-se-á que a origem do Reino do meu Fiat, o depositário, foi a filhinha do meu testamento ”.

Volume 24 – 19 de março de 1928

Relutância em escrever. Pequenez. O retorno dos escritos. Como a Divina Vontade vive sufocada no meio das criaturas porque não se sabe. Grave peso sobre aqueles que devem torná-lo conhecido; como eles se tornam ladrões. Preparação de grandes eventos. 

Meu Coração e minha Vida Jesus, aqui estou eu de novo, com o grande sacrifício de começar a escrever mais um volume. Meu coração sangra pelo esforço que estou fazendo, principalmente pelas condições em que se encontra minha pequena e pobre alma. Meu Amor, se não me ajudares, se não me sobrecarregares dentro de ti e não utilizares o teu poder e amor sobre mim, não poderei mais continuar e serei incapaz de escrever uma só palavra. Por isso, rogo-te que só o teu Fiat triunfe em mim! E se quer que eu continue escrevendo, não me abandone a mim mesmo – continue seu ofício de professor que dita à minha pequena alma. Se então não quiseres que eu escreva mais, beijo e adoro a tua vontade divina e agradeço-te; e eu oro para que eu possa lucrar com as muitas lições que Você me deu, para que eu possa  MASTIGAR eles continuamente, e que eu possa modelar minha vida de acordo com seus ensinamentos. Mamãe Celestial, Rainha Soberana, estenda seu manto azul sobre mim para me proteger; guie minha mão enquanto escrevo, para que possa cumprir a Vontade Divina.

Volume 24 – 6 de abril de 1928

Como a alma pode se colocar na Unidade Divina. Exemplo do sol. O repetidor do Criador. Como Deus dá gole por gole. Necessidade de que os conhecimentos abram caminho .

Pensava no Divino Fiat para me unir à sua unidade, para poder suprir aquela unidade de vontades que falta entre o Criador e a criatura. Então pensei comigo mesmo: ‘Posso chegar a tal ponto que penetre na unidade de meu Criador?’ E Jesus, movendo-se no meu interior, disse-me: “Minha filha, quando a alma se coloca na unidade da minha Vontade, é como se se colocasse na esfera do Sol. Olhe para o Sol: é um; do alto de sua esfera faz um único ato, mas a luz que desce ao fundo envolve toda a terra e, pelos efeitos de sua luz, produz atos múltiplos e inúmeros. Investe quase cada coisa, cada planta; dá-lhe o seu abraço de luz e diz: ‘O que você gostaria – doçura? Eu darei a você. E você, o que você gostaria – calor? Eu darei a você. E você – você quer fragrância? Eu vou dar a você também. ‘ Sua luz se derrama apaixonadamente por quase todas as coisas, e dá a ela aquilo que convém a sua natureza para formar sua vida e crescer de acordo com a ordem criada por Deus. Agora, por que tudo isso? Porque essa esfera contém muita luz e todas as sementes e efeitos de todas as coisas e plantas que estão espalhadas pela face da terra. por que tudo isso? Porque aquela esfera contém muita luz e todas as sementes e efeitos de todas as coisas e plantas que estão espalhadas pela face da terra. por que tudo isso? Porque aquela esfera contém muita luz e todas as sementes e efeitos de todas as coisas e plantas que estão espalhadas pela face da terra.

Agora, isso simboliza a alma que deseja viver na unidade de Nossa Vontade. Ela se eleva à esfera do Sol do Fiat eterno, que contém tanta luz que ninguém pode escapar dela e possui todas as sementes da vida das criaturas. Sua luz segue investindo e moldando a todos, e reza para que cada um receba a vida, a beleza, a santidade que seu Criador deseja. E a alma, daquela esfera, torna-se de tudo e se entrega a tudo. Ela repete Nosso ato que é um, mas aquele ato único tem a virtude de fazer tudo e de se dar a todos, como se cada um o tivesse à sua disposição e o possuísse plenamente como seu. Na verdade, a unidade é a natureza dentro de nós, e na alma pode ser graça; e Nos sentimos bilocados na criatura que vive em Nossa unidade. Oh, como nos deleitamos em ver a pequenez da criatura ascendendo,

Depois disso, fiquei pensando em como Jesus abençoado faria vir o Reino de Sua Vontade: como poderia a criatura abraçar tantos saberes sobre Ela todos juntos, e quase ao mesmo tempo, bens tão grandiosos, modos divinos, beleza e santidade que contêm os reflexos da semelhança de seu Criador? Mas enquanto eu pensava nisso, meu amado Jesus se moveu em meu interior e me disse : “Minha filha, por sua natureza a criatura não pode receber, todos juntos, um grande bem, uma luz que não tem limites, mas ela deve tomá-la gole por gole, esperando para engolir o primeiro gole para depois tomar outro.  E se ela quisesse tomar tudo junto – coitada, ela se afogaria e seria forçada a derramar o que ela não pode conter, esperando para primeiro digerir o pouco que ela tomou, para que possa correr como sangue em suas veias, e seu humor vital pode se espalhar por toda a sua pessoa, para então se dispor a tomar mais um  gole . Não foi esta a ordem que tive convosco, manifestando-vos o que considerava o meu eterno Fiat, pouco a pouco, começando com as primeiras lições, depois com a segunda, a terceira e assim sucessivamente? E quando você iria  mastigar o primeiro e engoli-lo, deixando-o escorrer como sangue dentro de sua alma, eu prepararia para você a segunda lição, e minha Vontade formaria os primeiros atos da vida em você. E celebrei a sua glória e cumpri o propósito da Criação, esperando ansiosamente poder dar-lhe lições mais sublimes, preencher-lhe tanto que você mesmo não saberia de onde tirar para repeti-las.

Farei o mesmo para formar o Reino da minha Vontade Divina. Começarei pelas primeiras lições que vos dei, e por isso quero que comecem a ser conhecidas, para que percorram o seu caminho, preparando e dispondo as almas para que, aos poucos, ansiem por ouvir mais lições, dado o grande bem que receberam das primeiras. É por isso que preparei lições por tanto tempo sobre minha Vontade – porque ela encerra o propósito primário para o qual o homem foi criado, bem como todas as coisas e a própria vida que o homem deve realizar nela. Portanto, sem a minha Vontade, é como se o homem não tivesse vida verdadeira, mas uma vida quase estranha a ele e, portanto, cheia de perigos, de infelicidade e de misérias. Pobre homem, sem a vida da minha Vontade – teria sido melhor para ele se nunca tivesse nascido! Mas, para sua grande desgraça, ele nem mesmo conhece sua verdadeira vida, porque até agora não houve ninguém que tenha partido o verdadeiro pão dos seus conhecimentos, para formar o sangue puro e permitir que a sua verdadeira vida cresça na criatura. Partiram para ele um pão amanhecido e medicado que, se não o fez morrer, não o deixou crescer são, vigoroso e forte de uma força divina, como o pão da minha Vontade faz crescer. Minha vontade é vida e tem a virtude de dar a sua vida; É luz e expulsa as trevas; É imensa e leva o homem de todos os lados para lhe dar força, felicidade, santidade, de forma que tudo esteja seguro ao seu redor. Ah! você não sabe que tesouros de graça esses conhecimentos ocultam – que bem eles trarão às criaturas;

Volume 26 –  9 de junho de 1929

Não posso fazer mais nada a não ser pensar agora em uma verdade, agora em outra, a respeito da Vontade Divina.

Meu abandono no Fiat Divino é contínuo, e Sua Luz eclipsa tanto minha pequena inteligência, que nada mais posso fazer senão pensar agora em uma verdade, ora em outra, a respeito da Vontade Divina. E quanto mais penso sobre isso, mais belo e majestoso se torna diante de mim; e com um amor indizível, mais do que uma mãe terna, Ele abre seu ventre de luz e dá à luz um nascimento, para encerrá-lo em sua filhinha. Agora, enquanto eu estava neste estado, meu doce Jesus me disse: “Minha filha, cada respiração é a vida da próxima que se segue; tanto que, quando se está prestes a soltar uma respiração, antes de ser emitida completamente, ela exige outra respiração. Assim, pode-se dizer que a respiração tem vida e dá vida à criatura porque é contínua; eles estão tão unidos e próximos entre si que são inseparáveis. E assim também para a batida do coração: uma batida do coração clama pela vida da próxima batida do coração, e a batida contínua forma a vida; tanto assim, que se a respiração e as batidas cessarem, a vida não existe mais. Tal é a alma que faz e vive em minha Divina Vontade; sua identificação, sua proximidade com Isto, é tão grande – mais do que respirações e batimentos cardíacos próximos entre si. Portanto, os atos praticados em meu Divino Fiat são como muitas respirações ou pulsações que a criatura faz em Deus, de tal forma que ela se torna a respiração divina, e meu Fiat forma sua respiração; então, é a vida que eles trocam mutuamente, para formar uma única vida. Portanto, os atos praticados em Nossa Divina Vontade são inseparáveis ​​de Nós,

Volume 26 – 9 de março de 1930

Como os conhecimentos sobre o Divino conterão a ciência de formar Sua Vida nas pessoas de Seu Reino. Como na memória daquilo que Jesus fez e sofreu, o Seu Amor se renova, incha e transborda para o bem das criaturas.

Meu abandono no Fiat continua. Sinto-me preso em Seus braços de Luz, e amarrado com tanta força que não sou capaz de me mover nem um pouco; nem, muito menos, eu quero. Vou vigiar-me bem para não me afastar do Seu ventre de Luz, mas me parece que existe um acordo entre mim e a Vontade Divina, que ambos não queremos nos separar. Oh, Santa Volição, quão amável e poderoso Você é! Com a tua amabilidade tu me atraes, me encantas, me encantas e fico encantado. Não sei o que fazer para não me fixar em Ti. E com o Seu poder, Você se mantém firme sobre a minha pequenez. Você se derrama em torrentes de uma maneira que eu perdi o caminho para sair de Sua Luz infinita. Mas feliz perda! Ah, oh adorável Fiat, faça com que todos percam o caminho para que não conheçam outro caminho senão aquele que os conduz à Sua Divina Vontade. Mas como poder fazer com que as criaturas conheçam tal bem? Mas, enquanto pensava nisso, meu doce Jesus, fazendo-se ouvir em meu interior, disse-me:

“Minha filha, os conhecimentos sobre Minha Divina Vontade são meios que podem conduzir as criaturas aos braços da Luz de Meu Divino Fiat. Os conhecimentos são germes, e este germe dá origem ao início da vida da Minha Divina Vontade na criatura.  Cada um dos conhecimentos será como tantos goles de vida que formarão o amadurecimento desta Vida Divina na criatura.  É por isso que vos disse tantas coisas sobre o Meu Divino Fiat. Cada conhecimento trará, alguns os germes, alguns o nascimento, alguns a comida, alguns a respiração, alguns o ar, e alguns a luz e o calor para amadurecer a vida da Minha Vontade nas almas. Todo conhecimento contém um grau adicional de maturação. Portanto, por mais que busquem saber o que tenho manifestado sobre Meu Divino Fiat, muito mais se sentirão amadurecidos nele. Meus conhecimentos sobre Ele moldarão as almas e, com seu toque de conhecimento, sufocarão os males da vontade humana. Serão como uma mãe misericordiosa que, custe o que custar, deseja curar seu filho e vê-lo com saúde e beleza. Se você soubesse o que significa um conhecimento sobre Minha Divina Vontade! Eles contêm a ciência de formar Sua vida a fim de formar o povo de Seu Reino. Ver, mesmo na ordem natural isso acontece. Para quem quer ser professor, é preciso que saiba o que diz respeito às ciências. E se não quiser se dedicar ao conhecimento das ciências, nunca terá amadurecimento para ser professor. E de acordo com os graus das ciências que ele estudou, ele possuirá mais ou menos os graus de aprendizagem. Se ele estudou pouca ciência, poderá amadurecer para ser um professor elementar; e se ele estudou muita ciência, ele será capaz de amadurecer para ser um professor nas escolas superiores. Assim, pelo que sabem, tanto nas artes como nas ciências, muito mais amadurecerão naquele bem que conhecem, e serão capazes de amadurecer nos outros o bem, as ciências e as artes que eles possuem. Tendo contado a vocês tantos conhecimentos sobre Minha Divina Vontade, não foi para lhe dar uma bela notícia. Não não! Tem sido para formar a Sua ciência primeiro em vocês, e depois no meio das criaturas, para que quando esta ciência, Divina e todo o Céu, for conhecida, possa amadurecer a vida do Meu Divino Fiat e formar o Seu Reino . ”

Depois disso, eu estava continuando minha ronda na Vontade Divina, e agora parei em um ponto, e agora em outro, do que meu amado Jesus tinha feito e sofrido. E Ele também ficou ferido por Seus mesmos atos que Eu coloquei ao Seu redor, dizendo-Lhe: “Meu Amor, meu ‘Eu Te amo’ flui no Teu. Veja, oh Jesus, o quanto Você nos amou; e ainda resta algo a fazer. Você não fez tudo. Resta-vos dar-nos o grande presente do vosso Divino Fiat como vida no meio das criaturas, para que reine e forme o seu povo. Rapidamente, oh Jesus, o que você está esperando? As tuas obras, as tuas dores, pedi o Fiat Voluntas Tua, como no céu assim na terra. ” Mas enquanto eu pensava isso, meu doce Jesus saiu de dentro do meu interior e me disse:

“Minha filha, quando a alma se lembra do que fiz e sofri ao longo da Minha vida aqui embaixo, sinto o Meu amor renovado. Conseqüentemente, ele incha e transborda; e o mar do Meu amor forma ondas altíssimas para se derramar duplamente sobre as criaturas. Se soubesses com quanto amor te espero quando circulas na Minha Divina Vontade, em cada um dos Meus atos, porque Nela tudo o que fiz e sofri está em ato como se realmente os fizesse. E eu, com todo amor, te espero para te dizer: ‘Olha, filha, eu fiz isso por você, eu sofri por você; venha a reconhecer as propriedades do seu Jesus, que também são suas. ‘ Meu Coração sofreria se a filhinha da Minha Divina Vontade não reconhecesse todos os Meus bens. Manter nossos bens escondidos de quem mora no Meu Divino Fiat seria não mantê-la como filha. Ou não ter toda a nossa confiança nela, o que não pode ser porque a Nossa Vontade a identifica connosco tanto que aquilo que é Nosso é dela, seria assim uma dor para Nós. E nos encontraríamos nas condições de um pai muito rico que possui muitas propriedades, e seus filhos não sabem que seu pai possui tantos bens. Por isso, por não saberem deles, acostumam-se a viver como pobres, a manter costumes rústicos, nem se preocupam em vestir-se nobres. Não seria uma tristeza para o pai que sua propriedade fosse mantida escondida desses filhos, ao passo que, ao torná-la conhecida a eles, eles mudariam seus hábitos de viver, vestir e usar maneiras nobres, de acordo com sua condição? Se seria uma pena para um pai terreno, muito mais para o seu Jesus que é o Pai Celestial. Ao tornar conhecido a vocês o que tenho feito e sofrido, e os bens que Minha Divina Volição possui, assim Meu amor cresce por vocês, e seu amor cresce cada vez mais por Mim, e Meu Coração se alegra em ver Nossa filhinha rica com Nosso mesmos bens. Portanto, a sua volta na Minha Divina Vontade é uma manifestação do Meu amor e Me dispõe a fazer-lhes conhecer novas coisas e a dar-lhes uma pequena lição adicional sobre tudo o que nos diz respeito. E o dispõe a ouvi-lo e a receber Nossos dons. ” e para fazer de você uma pequena lição adicional sobre tudo o que nos diz respeito. E o dispõe a ouvi-lo e a receber Nossos dons. ” e para fazer de você uma pequena lição adicional sobre tudo o que nos diz respeito. E o dispõe a ouvi-lo e a receber Nossos dons. ”

Volume 28 – 29 de agosto de 1930

Como as coisas criadas estão grávidas da Vontade Divina. As cruzes são o caminho que conduz ao céu.

Meu abandono no Divino Fiat continua. Uma força invencível me transporta para Seus atos Divinos, e eu sinto e conheço a Vontade Divina operando em todas as coisas criadas, o que me faz um doce convite para segui-la em Seus atos a fim de ter minha companhia. Mas enquanto eu fazia isso, meu sempre amável Jesus me disse:

“Minha filha, todas as coisas criadas estão grávidas da Minha Divina Vontade, que nelas se deixou não por Nós, porque Não tínhamos necessidade, mas pelo amor das criaturas; dando-se de muitas maneiras diferentes, por quantas coisas foram criadas. Agindo como uma verdadeira Mãe, Ele queria atacar as criaturas com tanto amor por quantas coisas surgissem à luz do dia.  Queria dar-se a cada instante, sem interrupção, para dar-se gole a gole para formar a sua vida e estender o seu reino em cada alma.  Portanto, você vê que não há nada em que Meu Divino Fiat não queira se dar? E pode-se dizer que toda coisa criada forma o seu trono de amor onde deixa descer a sua misericórdia, as suas graças e o seu caminho, para comunicar a sua vida divina. É como estar à espreita para ver o bem que pode fazer aos seus filhos, se a ela abrirem o coração para receber os seus bens e conformar-se aos seus caminhos divinos. Assim, toda coisa criada é um chamado que faz à criatura para receber o presente que ela quer fazer, Minha Divina Vontade. Cada coisa criada é um novo amor que quer alimentá-la com a colher, e [é] um ato ao redor e dentro da criatura.

“Mas, ai, quantas ingratidões da parte deles! Minha Divina Vontade os abraça, Ela os aperta a Si, ao Seu seio, com Seus braços de luz, e eles fogem de dentro de Sua luz, sem devolver o abraço e olhar Quem é Quem tanto os ama. Portanto, minha filha, seja sua reparadora. Em tudo, continue os apelos que faz por meio de cada coisa criada para dar-lhe amor para amar e receber todos  os goles  de sua vida divina no fundo de sua alma, a fim de dar-lhe a liberdade de deixando reinar. ”

Conseqüentemente, segui Seus atos e [continuei] meu abandono na Suprema Volição, mas minha pobre mente estava ocupada por tantos incidentes que nosso Senhor dispôs, e dispõe, em minha pobre existência. E meu doce Jesus acrescentou:

“Minha filha, as cruzes, os incidentes da vida, as mortificações, os atos, os abandonos das criaturas, tudo o que se pode sofrer por Meu amor, nada mais são do que pedrinhas que marcam o caminho que leva ao céu. Assim, à beira da morte a criatura verá que tudo o que sofreu serviu para formar o caminho que marcou, com caminhos indeléveis, e com pedras imóveis, o caminho certo que conduz à Pátria Celestial. E se tudo o que Minha Providência dispôs do sofrimento, ela tem sofrido para cumprir Minha Divina Vontade, para receber não a dor, mas um ato de Sua Vida Divina, ela formará tantos sóis por quantos atos ela fez e sofreu dores, de maneira que ela própria verá o seu caminho marcado à direita e à esquerda por sóis que, tomá-la e investi-la com sua luz irá conduzi-la às regiões celestiais. Portanto, todos os incidentes da vida são necessários, porque servem para formar a estrada e traçar o caminho para o céu. Se as estradas não forem formadas, é difícil ir de um país a outro; muito mais, [se as estradas não forem formadas] é difícil chegar à Glória Eterna. ”

Volume 36 – 19 de maio de 1938

Pobre filha minha, você não comeu, por isso não tem forças

Com toda a conversa de Jesus, eu ainda não conseguia me sentir completamente calmo. Enquanto Ele falava, a paz voltou para mim, mas depois, pensando no que me aconteceu durante esses dias – o que não é preciso dizer aqui – comecei a me sentir incomodado novamente. Então, por cerca de dois dias depois disso, meu doce Jesus ficou em silêncio e, por isso, me senti completamente exausto, extremamente fraco. Então meu amado Jesus, tendo compaixão de mim, toda bondade, veio e me disse: “Pobre filha minha, você não comeu, por isso não tem forças. Faz dois dias que você não come nada, porque você não estava em paz, então não pude alimentá-lo com minhas verdades. Minhas verdades são alimento para a alma, mas também dão força ao corpo. Por estar tão perturbado, você não teria me entendido, nem estaria disposto a comer uma comida tão deliciosa. É preciso saber que a paz é a porta pela qual entra a verdade – o primeiro beijo – o convite das criaturas dispostas a escutar, a deixá-la falar. Portanto, se você quer que eu lhe dê muita comida, volte ao seu estado de paz. Além disso, durante esses dias você tem estado tão perturbado que o Céu, os Anjos e os Santos têm tremido sobre você. Eles sentiram um ar ruim que não pertencia a eles vindo de você. Então, todos eles oraram para que você encontrasse sua paz novamente. Eles sentiram um ar ruim que não pertencia a eles vindo de você. Então, todos eles oraram para que você encontrasse sua paz novamente. Eles sentiram um ar ruim que não pertencia a eles vindo de você. Então, todos eles oraram para que você encontrasse sua paz novamente.

A paz é o sorriso do Céu, a fonte das alegrias Celestiais. Olhe para o seu Jesus, nunca me incomodo com nenhuma ofensa que eles possam me fazer. Posso dizer que meu trono é paz. Por isso, quero-te totalmente em paz, minha filha, porque também neste modo temos que nos adaptar e parecer iguais: me pacifica, te pacifica. Caso contrário, o reino da minha vontade não pode ser estabelecido em você, pois é um reino de paz. ”

Volume 36 – 18 de dezembro de 1938

Deus não dá se a criatura não quiser receber. Condições dolorosas quando não se vive na Volição Divina. O depositário de toda a Criação. Comida divina: amor. Condições de Deus quando as criaturas não vivem na Volição Divina. Como eles degeneram de Sua imagem.

Estou sempre nos braços da Divina Volição que me faz saber de tudo, dizendo-me: ‘Tudo fiz por ti, mas quero que reconheças os excessos do meu amor.’ Enquanto a minha mente vagava, meu sempre adorável Jesus, que sempre quis ser o primeiro narrador do Fiat e de suas obras, toda a bondade me dizia: “Minha bendita filha, para dar a conhecer tudo o que temos feito pelas criaturas é já para nós o retorno pelo que temos feito. Mas quem podemos deixar saber? Àquele que vive na nossa Vontade porque a nossa Vontade dá a capacidade de nos compreender, o ouvir para ouvir; Transforma a vontade humana para que ela deseje o que queremos. Nunca damos se a criatura não quiser receber e não souber o que queremos dar.

Veja então em que condições dolorosas eles nos deixam por não vivermos em nossa Vontade. Eles nos transformam no Deus mudo. Não podemos dar a conhecer o quanto os amamos e o quanto deveriam nos amar; pode-se dizer que as comunicações entre o céu e a terra permanecem interrompidas. Você deve saber que tudo foi criado como um presente para as criaturas. Fizemos cada coisa criada como portadora da dádiva e do amor que colocamos dentro dessa dádiva. Você sabe por quê? Porque a criatura não tinha nada para nos dar; e nós a amávamos com muito amor e queríamos que ela tivesse algo para nos dar. Se não há nada para dar, a correspondência acaba, a amizade se desfaz – o amor morre. Assim, demos à criatura muitos dos nossos dons, como se fossem dela, para que ela pudesse ter algo para nos dar.

Oh! Que alegria, que felicidade para nós, quando a vemos usando nossos dons para nos amar e dizer: ‘veja o quanto eu te amo. Eu te dou o Sol para te amar, e te amo com o mesmo amor com que você me amou no Sol; Eu te dou a homenagem e a adoração de sua luz, a variedade de seus efeitos para te amar – seu ato contínuo de luz, para me espalhar por toda parte e colocar meu ‘eu te amo’ em tudo que é tocado por sua luz. ‘ Então, você sabe o que acontece? Vemos a luz do Sol, todos os seus efeitos e todos os lugares onde essa luz penetra, todos cravejados do ‘Eu te amo’ – a adoração, os tributos da criatura. E mais: o Sol carrega em triunfo o amor do Criador e da criatura, por isso nos sentimos unidos nele, com uma só Vontade e um só coração; e se a criatura sente que quer nos amar mais, corajosamente ela diz: ‘veja o quanto eu te amo – mas não é o suficiente, eu quero te amar mais; então eu entro em sua luz inacessível, imensa e eterna que nunca termina. De dentro dessa luz, eu quero te amar com seu amor eterno. ‘ Você não pode compreender nossa alegria em ver que ela nos ama não apenas em nossos dons, mas também em nós mesmos. Conquistados pelo seu amor, redobramos o dom em troca e nos entregamos a ela para sermos amados – não apenas na forma como amamos as nossas obras, mas na forma como amamos dentro de nós. Tudo isso para amá-la. ‘Você não pode compreender nossa alegria em ver que ela nos ama não apenas em nossos dons, mas também em nós mesmos. Conquistados pelo seu amor, redobramos o dom em troca e nos entregamos a ela para sermos amados – não apenas na forma como amamos as nossas obras, mas na forma como amamos dentro de nós. Tudo isso para amá-la. ‘Você não pode compreender nossa alegria em ver que ela nos ama não apenas em nossos dons, mas também em nós mesmos. Conquistados pelo seu amor, redobramos o dom em troca e nos entregamos a ela para sermos amados – não apenas na forma como amamos as nossas obras, mas na forma como amamos dentro de nós. Tudo isso para amá-la.

Desta forma, ela usa todas as coisas criadas para nos fazer novas surpresas de amor em troca de nossos dons – para manter a correspondência e para dizer continuamente que nos ama. E nós, que não sabemos receber sem dar, redobramos nossos dons. Mas o maior presente é quando a vemos carregada nos braços de nossa Vontade. Sentimo-nos tão atraídos que não podemos ficar sem falar sobre nosso Ser Supremo. Dar a ela um conhecimento adicional do que somos é o maior presente que podemos dar – ultrapassa toda a Criação. Conhecer nossas obras é uma dádiva, mas tornar nosso próprio ser conhecido é dar a própria vida; é admiti-la em nossos segredos; é o Criador confiando na criatura.

Viver na nossa Vontade e ser amado é tudo para nós; mais ainda, visto que o amor por nós mesmos constitui nosso alimento contínuo. Porque Seu Filho ama, meu Pai Celestial gera incessantemente e, ao me gerar, Ele forma o alimento com o qual nos alimentamos. Eu sou Seu Filho e amo com Seu mesmo amor – e o Espírito Santo procede; com isso, formamos mais alimentos para nos alimentarmos. Se criamos a Criação, é porque amamos; e se o sustentamos com nosso ato criativo e preservador, é porque amamos. Esse amor é nosso alimento. Se queremos que a criatura nos conheça em nossas obras e em nós mesmos, é porque queremos ser amados e usamos esse amor para nos alimentar. Nunca desprezamos o amor – amor é amor, é Nosso. A fome do nosso amor só é satisfeita sendo amado. Queremos o céu, a terra e as criaturas nada mais são do que amor por nós. E se nem tudo é amor, entra a dor, causando em nós o delírio de amar sem ser amados.

Nossa Vontade é nossa Vida, o amor é o alimento. Veja, o ponto alto, nobre e sublime em que queremos a criatura: queremos formar Nela a vida da nossa Vontade. Ele irá converter todas as coisas – circunstâncias, cruzes, até mesmo o ar que ela respira, em amor; alimentando-a para dizer,   ‘a vida de nossa Vontade é sua e nossa; comemos a mesma comida. ‘Através disso, vemos a criatura crescendo em nossa imagem e semelhança. Estas são as verdadeiras alegrias da nossa Criação – poder dizer aos nossos filhos: ‘somos parecidos’. E qual não seria a alegria da criatura, ao dizer: ‘Pareço meu Pai Celestial’. É por isso que quero que as criaturas vivam em minha vontade. Quero que meus filhos se pareçam comigo.

Se essas crianças não voltam no meu testamento, nos encontramos na condição de um pai pobre e nobre – tão cheio de conhecimento que pode dar aulas a todos, rico e cheio de bondade e rara beleza. Mas seus filhos não se parecem em nada com ele. Eles degeneraram da nobreza de seu Pai; eles são tão pobres, idiotas, feios e imundos que chegam a ser nojentos. O pobre pai se sente desonrado pelos filhos. Ele até olha para eles e quase não os reconhece, vendo-os cegos, aleijados e enfermos – eles nem reconhecem o pai. Essas crianças são a dor de seu próprio pai.

O mesmo acontece conosco. Aqueles que não vivem em nossa Vontade nos desonram e se tornam nossa dor. Como eles podem se parecer conosco se nossa vontade não é deles ? Nossa vontade alimenta nossos filhos com nosso próprio alimento, que forma nossa santidade neles quando o comem; eles são embelezados com nossa beleza, adquirindo grande conhecimento de seu pai.  Nosso Fiat fala através de Sua luz e lhes diz muitas coisas sobre seu Pai, até que eles se apaixonem por Ele a ponto de não poderem ficar sem Ele. Isso os faz parecer com o pai. Filha, sem minha vontade não há ninguém que possa alimentá-la, entendê-la, formá-la ou cultivá-la, como podem as crianças que se parecem conosco. Em vez disso, eles saem de nossa casa e não sabem o que fazemos, o que somos, o quanto os amamos ou o que precisam fazer para ser como nós; portanto, nossa imagem está longe deles. Como podemos ser parecidos, se eles não nos conhecem, e se ninguém fala com eles sobre o nosso Ser Divino? ”

 

Fiat!

Compartilhe a Divina Vontade