Estudo 10- Livro do Céu Vol.1 ao 11 – Escola da Vontade Divina


MEDITAÇÃO DO ESTUDO

Ele quer purificá-la de todo mínimo defeito. Como a purifica de tudo

(85) Me sentia confusa, não entendia sua maneira de agir, mas com o tempo eu entendi que ele usa essa maneira de agir quando quer dispor a alma para novas e mais pesadas cruzes, e sabe como atrair tanto à Ele com esses estratagemas, que a alma não ousa opor-se ao que Ele quer.
Então eu dizia: “Sim, te amo, mas me diga Tu mesmo, posso encontrar um objeto mais belo, mais santo e mais amável que Tu? Também por que me pergunta se estou disposta a fazer o que queres, se há tanto tempo te entreguei a minha vontade e te pedi que não evitasses nem mesmo me despedaçar de tal maneira que te pudesse agradá-lo? Eu me abandono em Ti. Ó Esposo Santo, obra livremente, faze de mim o que quiseres, dá-me a tua Graça, pois por mim nada sou e ada posso”. E Ele me dizia:
(86) “Você está verdadeiramente disposta a tudo o que eu quero?”

(87) Então me senti mais confusa e atordoado e dizia: “Sim, estou disposta”. Mas quase tremendo, e Ele compassivamente continuou me dizendo: “Não temas, eu serei sua força, você não sofrerá, mas serei Eu quem sofrerá e lutará em você. Olha, eu quero purificar sua alma de tudo, do mínimo defeito que poderia impedir meu amor em você, quero provar sua fidelidade, mas como posso ver se isso é verdade, senão colocando-te no meio da batalha? Você deve saber o que eu quero colocá-la no meio de demônios, lhes darei liberdade para atormentar-te e tentar-te para que quando você tiver combatido os vícios com as virtudes opostas, já se encontrará de posse de
essas mesmas virtudes que você pensou que perderia e, mais tarde, sua alma purificada e embelezada, enriquecida, será como um rei que volta vitorioso de uma guerra feroz, que enquanto acreditava perder o que tinha, se torna mais glorioso e cheio de imensas riquezas. Então eu virei, formarei minha morada em você, e sempre estaremos juntos. É verdade que será seu estado doloroso, os demônios não lhe darão paz, nem de dia ou noite, eles sempre estarão em ato de fazer te guerra feroz, mas sempre tenha em mente o que eu quero fazer de você, isso é, tornar-se semelhante a Mim, e você não será capaz de alcançá-lo, exceto através de muitos e grandes
tribulações, e assim terás mais animo para suportar as penas.
(88) Quem pode dizer como fiquei assustada com esse anúncio? Senti meu sangue gelar arrepiando meu cabelo e minha imaginação estava cheia de espectros negros que me parecia que eles queriam me devorar viva. Pareceu-me que o Senhor, antes de me colocar nesse estado doloroso, deu liberdade para tudo que eu tinha que sofrer, e eu estava cercado por tudo isso, então fui até Ele e disse: “Senhor, tem piedade de mim! Ah, não me deixe sozinha e abandonada, eu vejo que é tanta a raiva dos demônios, que não deixarão de mim, nem o pó, como posso resistir a eles? Para Ti minha miséria é bem conhecida e quão ruim eu sou, então me dê uma nova graça para não ofendê-lo. Senhor meu, a dor que mais dilacera minha alma, é ver que Tu também deve me deixar. Ah, a quem poderei dizer uma palavra, quem deve me ensinar? Mas que sua Vontade sempre seja feita, e bendito teu Santo Querer ”. E ele gentilmente continuou a me dizer:
(89) “Não te afliges tanto, você deve saber que eu nunca vou permitir que você seja tentada além de suas forças, se isso eu permito é para seu bem, eu nunca coloco almas em batalha para fazê-las perecer, primeiro meço sua força, dou-lhes minha graça e depois as introduzo, e se alguma alma se precipita, é porque não fica unida a Mim com a oração, não sentindo mais a sensibilidade do Meu Amor vão implorando amor das criaturas, enquanto somente eu posso satisfazer o coração humano, eles não se deixam guiar pelo caminho seguro da obediência, acreditando mais no julgamento próprio que em quem as guias em meu lugar, então que maravilha se se precipitam.
Então o que Eu te recomendo é a oração, embora você deva sofrer penas de morte, jamais deves negligenciar o que costuma fazer, e mais, quanto mais você se veja no precipício, tanto mais invocará a ajuda de quem pode libertar te. Além disso, quero que você se coloque cegamente em mãos do confessor, sem examinar o que lhe é dito, você estará cercada pela escuridão e você será como alguém que não tem olhos e que precisa de uma mão para guiá-la, o olho para ti será a voz do confessor que como a luz iluminará as trevas, a mão será a obediência que será guia e suporte para levá-la a um porto seguro. A última coisa que te recomendo é a coragem, quero que você
corajosamente entre na batalha, a coisa que mais faz temer um exército inimigo é ver a coragem, a força, a maneira como desafiam as batalhas mais perigosas, sem temer nada. Assim são os demônios, eles não temem nada além de uma alma corajosa, toda apoiada em Mim, que com um espírito forte, vai no meio deles não ser ferida, mas com a resolução de machucá-los e exterminá-los; os demônios ficam assustados, apavorados e gostariam de fugir, mas não podem, porque, vinculados à minha Vontade, são obrigados a permanecer para seu maior tormento. Assim que não tema a eles, que nada podem fazer-te sem meu Querer. E também, quando eu vir que você não você pode resistir mais e está prestes desfalecer, se for fiel a mim imediatamente, virei e colocarei
todos em fuga e te darei graça e fortaleza. Anime-se, anime-se!

2-10
Abril 5, 1899

Como Jesus a tem coberta em seu amor.

(1) Minha alma continuava em seu aniquilamento e com temor de perder o doce Jesus, quando num instante, de repente, fez-se ver e me disse:
(2) “Te tenho sob a sombra de minha caridade. Então, assim como a luz penetra por toda parte, assim meu amor te tem coberta por toda parte e em tudo. Do que teme então? E como posso Eu te deixar enquanto te tenho tão abismada em meu amor?”
(3) Enquanto Jesus assim dizia, eu queria lhe perguntar por que não se fazia ver segundo seu costume, mas Jesus logo desapareceu e não me deu tempo de lhe dizer nem sequer uma palavra. Oh Deus, que pena!

3-11
Novembro 21, 1899

Jesus quer deleitar-se olhando-se em Luisa, e ela é auxiliada pela Santíssima Virgem

(1) Esta manhã meu caríssimo Jesus, mal veio me disse:
(2) “Minha filha, todo o teu deleite deve ser contemplar-te em Mim, e se isto o fazes sempre, Tomarás em ti todas as minhas qualidades, a minha fisionomia, as minhas próprias linhas, e Eu encontrarei em correspondência todo o meu gosto e sumo contente em deleitar-me olhando-me em ti”.
(3) Dito isto desapareceu, e eu estava ruminando em minha mente essas palavras, quando de improviso voltou, colocou sua santa mão na minha cabeça e voltando minha cara para Ele acrescentou:
(4) “Hoje quero me deleitar um pouco olhando para mim em você”.
(5) Um estremecimento me correu por todo o corpo, um espanto de me sentir morrer porque via que me olhava fixo, fixo, querendo deleitar-se em meus pensamentos, olhares, palavras e em todo o resto, com o contemplar-se em mim. ¡¡¡ Oh Deus! Sou causa de deleite ou de amargura? Ia repetindo em meu interior. Enquanto estava nisto veio nossa amada Mãe Rainha em minha ajuda, trazendo uma vestidura branca entre as mãos, e toda amabilidade me disse:
(6) “Filha, não temas, quero suprir Eu mesma por ti vestindo-te com minha inocência, para que assim meu Filho ao contemplar-se em ti possa encontrar o maior deleite que se possa encontrar em uma criatura humana”.

(7) Então vestiu-me com essa vestidura e apresentou-me ao meu amado Bem Jesus dizendo-lhe:
(8) “Amado Filho, aceita-a por consideração a Mim e aceita-te nela”.
(9) Assim me tirou todo temor e Jesus se deleitou em mim e eu Nele.

4-10
Setembro 20, 1900

Sinais da cruz para recuperar a saúde.

(1) Continuo a sofrer, mais do que nunca, porque me foi negado o poder de morrer. Então ao vir meu adorável Jesus me repreendeu por minha demora em obedecer, porque até então parecia que

me tolerava; enquanto isso via o confessor e Jesus virando-se para ele tomou-lhe a mão e disse-lhe:

(2) “Quando vier, marque-a com o sinal da cruz na parte da dor, que a farei obedecer”.
(3) E desapareceu. Então, ficando sozinha sentia mais intensa a dor. Depois vindo o confessor e encontrando-me sofrendo, também ele me repreendeu porque não obedecia, e tendo-lhe dito o que tinha visto e o que Nosso Senhor tinha dito ao confessor, ele ao ouvir-me fez o sinal da cruz na parte onde sofria, e em dois minutos pude respirar e mover-me, enquanto antes não podia fazê-lo sem sentir espasmos atrozes; parece-me que a obediência e aqueles sinais de cruz ataram a dor, de modo que não posso mais me doer, e eis por que fiquei decepcionada em meus planos, porque esta senhora obediência tomou tal poder sobre mim, que não me deixa fazer nada do que quero, até no mesmo sofrer quer ela dominar, e devo estar em tudo e para tudo sob seu império.

5-10
Maio 11, 1903

A paz põe no seu lugar as paixões. A reta intenção tudo santifica.

(1) Encontrando-me no meu estado habitual, quando eu mal vi meu adorável Jesus me disse:
(2) “A paz põe em seu lugar todas as paixões, mas o que triunfa sobre tudo, que estabelece todo o bem na alma e que tudo santifica, é fazer tudo por Deus, isto é, agir com reta intenção de agradar só a Deus. O reto agir é o que dirige, o que domina, que retifica as mesmas virtudes, até a mesma obediência; em suma, é como um mestre que dirige a música espiritual da alma”.
(3) Dito isto, como um relâmpago desapareceu.

6-10
Dezembro 10, 1903

Quem busca o Senhor, cada vez recebe uma tinta um lineamento divino.

(1) Continuando meu estado, sentia um peso sobre minha alma pela privação do bendito Jesus, como se sobre mim gravitasse todo o peso do mundo, e em minha imensa amargura fazia quanto mais podia por buscá-lo. Depois, tendo vindo, disse-me:
(2) “Minha filha, cada vez que a alma me procura recebe uma tinta, um lineamento divino, e outras tantas vezes renasce em Mim e Eu renasço nela”.
(3) Enquanto dizia isto, estava a pensar no que tinha dito, quase maravilhando-me dizendo:
“Senhor, que dizes?”
(4) E Ele acrescentou: “Oh, se soubesses a glória, o gosto que sente todo o Céu ao receber esta nota da terra, de uma alma que procura sempre a Deus, toda conforme a nota deles! O que é a vida dos bem-aventurados? Quem a forma? Este renascer continuamente em Deus e Deus neles, isto é aquele ditado: “Que Deus é sempre velho e sempre novo”. Jamais sentem cansaço, porque estão em contínua atitude de nova vida em Deus”.

7-10
Abril 17, 1906

Deus armará os elementos contra o homem.

(1) Esta manhã passei mal, me encontrava fora de mim mesma e não via outra coisa que fogo, parecia que se abria a terra e ameaçava engolir cidades, montes e homens, era como se o Senhor quisesse destruir a terra, mas em modo especial em três diferentes pontos, um distante do outro, e um destes na Itália; pareciam três bocas vulcânicas, que alguma fazia sair fogo e inundava as cidades, e onde se abria a terra e sucediam horríveis
sacudidas de terremotos; eu não entendia bem se estava acontecendo agora ou deverá acontecer no futuro.

Quanta ruína, e a causa de tudo isto é unicamente o pecado, e o homem não quer render-se, parece que se pôs contra Deus, e Deus armará os elementos contra o homem, a água, o fogo, o vento e tantas outras coisas, e estes farão morrer muitíssimas . Que horror, que horror! Sentia-me morrer ao ver todas estas cenas dolorosas, tivesse querido sofrer qualquer coisa para aplacar o Senhor. Então Ele se fez ver, mas, quem pode dizer como? Disse-lhe alguma coisa para o acalmar, mas não me prestava atenção e depois disse-me:

(2) “Minha filha, já não encontro onde repousar na minha criação. Faze-me repousar em Ti e Tu, levanta-te em Mim e cala-te”.

8-11
Setembro , 1907
Quanto mais a alma é igual em tudo, tanto mais se aproxima da perfeição divina.

(1) Passo dias amargos, com privações contínuas, mas faz-se parecer como sombra ou relâmpago, e quase sempre com contínuas ameaças de mandar castigos. Oh! Deus, que desordem, o mundo parece transtornado, todos estão em atitude de fazer revoluções, de matar-se;
o Senhor parece que retira sua Graça e os homens se tornam tantas bestas ferozes, mas é melhor calar estas coisas, porque falar delas amarga demasiado minha pobre alma, bastante saturada de amargura. Depois, esta manhã, assim que veio o bendito Jesus, me disse:
(2) “Todas as obras de Deus são perfeitas, e sua perfeição se conhece por serem redondas ou ao mais quadradas, tanto que nenhuma pedra é colocada na Jerusalém Celestial que não seja redonda ou quadrada”.

(3) Eu não entendia nada disto, mas fazia por ver a abóbada do céu e via nela as estrelas, o sol, a lua, e também a mesma forma da terra, todas redondas, mas não entendia o significado disto, e o Senhor acrescentou:
(4) “O arredondamento é a igualdade em todas as partes, assim que a alma para ser perfeita deve ser igual em todos os estados, em todas as circunstâncias, sejam prósperas ou adversas, doces ou amargas. A igualdade deve circundá-la em tudo, para formá-la ao modo de um objeto redondo, de outra maneira, se não for igual em todas as coisas, não poderá entrar bela e polida a fazer parte da Jerusalém Celestial, e não poderá adornar a modo de estrela a pátria dos bem-aventurados, Então, quanto mais a alma é igual em tudo, mais se aproxima da perfeição divina”.

9-10

9
Julho 24, 1909

Tudo o que a alma faz por amor a Deus, entra n’Ele e transforma-se nas suas próprias obras.

(1) Estava a pensar na miséria do meu estado presente e dizia entre mim: “Tudo acabou para mim, Jesus esqueceu tudo, não se recorda mais das minhas fadigas, dos sofrimentos que em tantos anos de cama passei por amor dele”. E então minha mente ia repassando alguns sofrimentos, dos mais graves que já passei. Enquanto estava nisto o Bendito Jesus me disse:
(2) “Minha filha, tudo o que é feito por amor meu entra em Mim e se transforma em minhas mesmas obras, e assim como minhas obras estão a benefício de todos, isto é, dos viandantes, dos purgantes e dos triunfantes, assim tudo o que você tem feito e sofrido por Mim, está em Mim e fazem seu ofício em bem de todos, como os meus. Você gostaria de retirá-los em você?”
(3) Eu respondi: “Nunca Senhor”. Mas apesar de tudo isto continuava pensando e estando um pouco distraída de meu habitual obrar interior, e o bom Jesus repetiu:
(4) “Não a queres terminar tu? Faço-te terminá-la Eu”.
(5) E pôs-se dentro de mim a rezar em voz alta e a dizer tudo o que eu devia dizer. Vendo isto fiquei confusa e segui o bom Jesus, e assim que vi que já não prestava atenção a nada, então fez silêncio e eu fiquei sozinha fazendo o que tenho costume de fazer”.

10-12
Janeiro 15, 1911

O interesse é o veneno do sacerdote. Deus não é compreendido por quem não está despojado de tudo e de todos.

(1) Continuando meu habitual estado, meu adorável Jesus fazia-se ver chorando, porque me tinha trazido a Celestial Mãe para que o tranquilizasse, e eu fazia o que podia para consegui-lo, beijava-o, acariciava-o, apertava-o, dizia-lhe: “O que queres de mim? Não quer amor para que se sinta feliz e acalme seu pranto? Não me disse Você mesmo outras vezes, que sua felicidade é meu amor? E eu te amo muito, muito, mas te amo junto Contigo, porque por mim só não sei te amar; dai-me teu alento ardente que converte todo meu ser em uma chama de amor, e depois te amo por todos, te amo com todos, te amo nos corações de todos”. Mas quem pode dizer todas as minhas loucuras?
Então parecia que se acalmava um pouco, e para fazer que meu doce Jesus não chorasse mais lhe disse: “Minha vida e meu tudo, santifica-te, agora que façam as casas de reunião de sacerdotes, ó! como será consolado”.

(2) E Ele rapidamente: Ah, minha filha, o interesse é o veneno do sacerdote, e se infiltrou tanto neles que lhes envenenou o coração, o sangue e até a medula óssea. Oh! como o demônio os tem sabido enredar, tendo encontrado neles a vontade disposta para ser entrelaçada. Minha Graça tem usado toda sua arte para formar neles o tecido do amor e dar-lhes o contrário do interesse, mas não encontrando sua vontade disposta, pouco ou nada tem tecido de divino, por isso o demônio não pode impedir de tudo estas casas de reunião de sacerdotes, o que causou-lhe muita perda, se contenta em manter o tecido que os teceu com o veneno do interesse. Ah! se visses quão poucos são os que estão dispostos a separar-se da família e a derramar este veneno do interesse, chorarias Comigo, não vês como discutem entre eles a respeito deste ponto, como ficam agitados, como se inflamam os ânimos? Eles acreditam que é um absurdo e que isso não se aplica ao seu estado”.

(3) Enquanto dizia isto, via os sacerdotes dispostos a isso, e quão escasso era o número deles.

Jesus desapareceu e encontrei-me em mim mesma. Agora, sentindo repugnância de escrever  estas coisas que correspondem aos sacerdotes, mas tendo feito o sacrifício porque assim o quer a obediência, meu amado Jesus veio e me deu um beijo para recompensar-me pelo sacrifício feito e acrescentou:

(4) “Filha amada minha, não disseste tudo sobre os inconvenientes que traria se o sacerdote ficasse estorvado pela atadura da família, as tantas vocações equivocadas pelas quais a Igreja chora amargamente nestes tristes tempos; certamente não se veriam tantos modernistas, tantos sacerdotes vazios de verdadeira piedade, tantos deles dados aos prazeres, à incontinência e tantos outros que veem como se perdem as almas como se não fosse nada, sem a mínima amargura, e tantos outros desatinos que fazem, estes são sinais de vocações erradas. E se as famílias virem que não há nada mais a esperar da parte dos sacerdotes, a ninguém virá vontade de incitar os seus filhos a tornarem-se sacerdotes, nem aos filhos virá o pensamento de enriquecer, de elevar a família por meio do seu ministério”.
(5) E eu: “Ah! meu doce Jesus, em vez de me dizer estas coisas, vê os dirigentes, os bispos, porque eles que têm a autoridade podem conseguir te contentar neste ponto, mas eu, tão pobre, o que posso fazer? Não outra coisa que compadecer-te, amar-te e reparar-te”.

(6) E Jesus: “Minha filha, aos dirigentes, aos bispos? O veneno do interesse invadiu a todos, e como quase todos estão presos por esta febre pestífera, falta-lhes o valor de corrigir e de pôr uma trava àqueles que deles dependem. E além disso, Eu não sou compreendido por quem não está despojado de tudo e de todos, minha voz soa muito mal a seus ouvidos, mas bem lhes parece um absurdo, uma coisa que não é conveniente à condição humana; mas se falo contigo nos compreendemos suficientemente, e se não encontro outra coisa, Eu encontro um alívio para a
minha dor e tu vais amar-me demais, porque sabes que estou amargo”.

11-12
Março 15,1912
Quem faz a Vontade de Deus opera ao Divino. A Divina Vontade é a Santidade das santidades.

(1) Continuando meu estado habitual, eu sentia um grande desejo de fazer a Vontade Santíssima de Jesus bendito, e Ele ao vir me disse:
(2) “Minha filha, minha Vontade é a Santidade das santidades, assim que a alma que faz minha Vontade, por quanto fosse pequena, ignorante, ignorada, deixa atrás a todos os demais santos, apesar dos portentos, das conversões estrepitosas, dos milagres que tenham feito, é mais, confrontando-os, as almas que fazem minha Vontade são rainhas, e todas as demais estão como a seu serviço.

A alma que faz minha Vontade parece que não faz nada, mas faz tudo, porque estando em minha Vontade obram ao divino, ocultamente e em modo surpreendente, assim que é luz que ilumina, são ventos que purificam, são fogo que queima, são milagres que fazem fazer os milagres, e quem os faz são apenas os canais, porque é nelas que reside o poder para fazê-los, assim que é o pé do missionário, a língua dos pregadores, a força dos fracos, a paciência dos enfermos, o regime dos superiores, a obediência dos súditos, a tolerância dos caluniados, a firmeza nos perigos, o heroísmo dos heróis, o valor dos mártires, a santidade dos santos, e assim por diante, porque estando na minha Vontade concorrem a todo o bem que pode haver no Céu e na terra. Eis porque posso dizer que são minhas verdadeiras hóstias, mas hóstias vivas, não mortas, porque os acidentes que formam a hóstia não estão cheios de vida nem fluem em minha Vida, em troca a alma está cheia de vida, e fazendo minha Vontade flui e concorre a tudo o que faço Eu, Eis por que me são mais queridas estas hóstias consagradas por minha Vontade do que as mesmas hóstias sacramentais, e se tenho alguma razão de existir nestas, é para formar as hóstias sacramentais da minha Vontade. Minha filha é tanto o prazer que tomo de minha Vontade, que ao só ouvir falar dela me estremeço de alegria e chamo a todo o Céu a fazer festa; imagine você mesma o que será daquelas almas que a fazem. Eu encontro todos os contentes nelas e dou todos os contentes a elas, sua vida é a vida dos bem-
aventurados, somente duas coisas lhes interessam, desejam, anseiam: Minha Vontade. o Amor.

Pouco têm que fazer, enquanto fazem tudo, as mesmas virtudes ficam absorvidas em minha Vontade e no Amor, assim que não têm mais o que fazer com elas, porque minha Vontade contém, possui, absorve tudo, mas em modo divino, imenso e interminável; esta é a vida dos bem-aventurados”.

 

Compartilhe a Divina Vontade