PREPARAÇÃO PARA O FIM DOS TEMPOS – Pe. Adam Skwarczyński – místico


Padre Adam Skwarczyński, 24 de maio de 2019

SPARK OF POLAND – NA PREPARAÇÃO PARA O JULGAMENTO FINAL

Para maior glória de Deus, nosso Pai, a quem peregrinam criaturas felizes por toda a eternidade,
levando o seu amor e agradando ao Seu Coração.
Há dois anos, no verão de 2017, escrevi a vocês, caros leitores, uma carta que foi publicada até
agora em 11 línguas, com o título: “A centelha da Polônia está preparando o mundo para a Parusia”. Tenho
discutido principalmente duas coisas neste texto. Na primeira, aquela Parusia, a segunda vinda de
Jesus à terra é a questão dos nossos dias e não do fim do mundo. Segundo, como devemos nos preparar
espiritualmente e como ajudar o mundo nessa preparação.

Desde 2014, “Spark of Poland”, a partir de reuniões locais e da leitura de uma brochura, tornou-se
um movimento poderoso graças à Internet e às publicações. Temos nossa própria editora com o
mesmo nome, que vem com leituras sobre a Parusia para leitores na Polônia e no exterior. Os
textos foram compartilhados com bispos poloneses e eles não colocam obstáculos em sua divulgação.
Também temos um novo site.
Estou escrevendo pela segunda vez porque recebi instruções de Deus sobre assuntos muito importantes para minha
própria surpresa. Estou em contato constante com o Tomasz, que também recebe muita luz sobre esses
assuntos e que compartilha com seu bispo e verificamos tudo juntos.
Em 7 de dezembro de 2018, recebi o primeiro segredo do Juízo Final, cujo lugar não é no fim do
mundo (o fim da terra), mas no futuro próximo, e é para dar a todos a oportunidade de se converter .
Isso é o que a Parousia vai ser. Então, em 2 de fevereiro de 2019, soube que o segundo estágio da
Parusia (após o Julgamento Final) será de três dias de escuridão. Quem sobreviver e vier à luz,
começará a vida no Novo Mundo. Finalmente, em 7 de abril de 2019, vi no céu o sofrimento de
Deus Pai devido à rebelião de Seus filhos terrestres e Seu anseio pelo Novo Mundo, que Ele anseia
dar ao Seu povo escolhido. All of Heaven já completou a “mobilização geral” e está esperando pelo
sinal de Deus Pai para agir. Deixe-me contar um pouco mais sobre essas experiências
de 2 de fevereiro de 2019.

Aprendi isso após a terrível purificação, que por vários eventos chocantes a humanidade
será dividida em perseguidores e aqueles que serão perseguidos por sua lealdade a Deus. A segunda fase do julgamento
continuará com 3 dias de escuridão. No final, os gritos dos demônios e das pessoas que são
levadas por eles para o inferno serão acalmados: aqueles que não se converteram devido ao “pequeno julgamento” na primeira
etapa, no encontro com Jesus. Então o céu se abrirá ao som das trombetas dos anjos e
uma voz poderosa será ouvida: “Ajoelhe-se diante do Senhor e renuncie aos pecados, mesmo os menores!”
Todas as pessoas que estiveram em oração até agora irão, e neste instante elas vão sentir
extremamente enojado até mesmo com seus menores pecados que eram anteriormente negligenciados.
Eles se tornarão novas pessoas, prontas para começar a vida no Novo Mundo, em um período feliz
de 25 anos. Em um momento, a Voz do Céu chamará as pessoas para uma reconciliação total com seus
vizinhos. Estas palavras serão: “Receba-os como seus amados irmãos e irmãs!” Embora não seja
um encontro físico naquele momento com aqueles espalhados pelo mundo, mas todos em espírito terão a
oportunidade de se unir em um abraço sincero com todos (claro que convertidos!), Que não tinham sido capazes de
amar até agora : com os excluídos e rejeitados, condenados (mesmo sentenciados à prisão perpétua: o
as prisões deixarão de existir), acusado de acusações e culpas reais, mesmo as mais pesadas. Este
abraço sincero terminará com uma conversão que culminará em divórcios, toda discórdia e inimizade entre as
pessoas, tornando-as uma família e separando-as de seu passado ruim. A humanidade assumirá plenamente
“a luz da iluminação (dos antigos) gentios e a glória do povo de Israel” (o novo Israel, a
Igreja, unindo todos). Agora os anjos serão capazes de limpar a terra de toda contaminação e lixo e
trazê-la ao estado em que veio das mãos do Criador. Vai ser lindo, como uma partícula do Paraíso!

No entanto, as ruínas das cidades ainda serão um aviso, e o mapa-múndi será
diferente.
Assim, a “repetida” vinda de Jesus será ao mesmo tempo “final”. Eu realmente não entendi porque no “Diário”
da Irmã Faustina, o Senhor Jesus usou este termo: “Minha chegada final.” Durante a oração da noite, Deus me
iluminou, que não se faz no fim do mundo, mas no fim dos tempos e, portanto, nos nossos dias.
Descrevi a primeira dessas experiências com alguns detalhes (nas escrituras e em “entrevistas”),
relacionando-as com “Advertência” ou “pequeno julgamento”. Isso era para estar na frente de Jesus rodeado pelos
Anjos (talvez entre um trono), como Juiz. Estando na igreja à noite, tive a impressão de
que todas as pessoas na terra estão passando por isso agora. Mas então, por volta de
1983, eu não sabia que essa era a experiência da primeira fase do Juízo Final! A segunda fase, que acabo de
descrever, experimentei em espírito como se participasse de um grupo de pessoas trancadas
em uma sala.
Os cristãos nos primeiros séculos viviam com a crença de que Jesus retornará “em breve” e reinará
na terra (no Apocalipse, “em breve” é repetido até oito vezes). Ao mesmo tempo, eles tinham que saber
que não se tratava de Jesus andando na terra em carne. Eles se cumprimentaram com as palavras “Marana tha”
, confirmando assim sua convicção. Mais tarde, não só esse costume, mas também a própria expectativa
Ele desapareceu. Ao longo dos séculos, Parusia enredou-se no ensinamento da Igreja com o Juízo
Final no fim do mundo e, assim, escondeu-se atrás da névoa do evento que “em milhares de anos
pode ocorrer inevitavelmente e não requer uma expectativa ou preparação . E agora esse erro
deve ser superado! Tentaremos ir nessa direção.

I. A Igreja deve enfrentar as seguintes questões.

A. Se Jesus vai estabelecer seu Reino na terra no fim do mundo, por quem, pouco antes da
aniquilação da terra, esse Reino será necessário? e para que? Afinal, a Terra deve deixar de
cumprir seu papel de lugar de mérito para o Céu! E o julgamento? Se você estivesse encerrando a história da
humanidade como “fim”, não poderia mais apontar os pecados e erros no vindouro Reino de Deus.
No entanto, poderia a conversão final e renovação da face da terra ser possível sem julgamento?
Acima de tudo, é sobre o Julgamento e o Reino não no fim do mundo, mas no fim dos (nossos!)
Tempos!

B. Quem receberia o Juízo Final no fim do mundo?
1. O punhado de justos que ainda estão vivos? É possível, porém, que na fronteira entre o
mundano (em sua fase final) e a eternidade, eles precisem do mesmo julgamento que todas as outras gerações na
terra: detalhado. Duvido que imagens como Michelangel Buonarotti ou Hans Memling serviriam para
isso. O bom não vai esperar até que o Senhor volte à terra, o que ele verá em seu retorno à Casa
do Pai, quando eles forem “arrebatados juntamente com eles nas nuvens, e nós subiremos aos ares ao encontro do
Senhor” ( 1 Tessalonicenses, 4:17). Eles serão sequestrados no corpo ressuscitado. Isso também se aplica a
últimos rebeldes e perseguidores da Igreja, liderados por Satanás: “mas um fogo caiu sobre eles
do céu e os devorou” (Apocalipse 20,9).

2. Talvez o Julgamento cubra os mortos? Mas eles já foram julgados imediatamente após sua morte
e se encontraram irrevogavelmente “à direita” do Juiz – no céu – ou “à esquerda” – no
inferno. Por que Deus-Juiz tiraria todo mundo do inferno e do céu e os colocaria diante Dele? Só para
mostrar quem estava atrás do seu lado “direito” e quem estava do lado “esquerdo”? Eles não sabem?
Você gostaria de colocar os condenados no umbral do céu, olhá-los e salvá-los no limiar do inferno com
o mesmo propósito? Ou talvez apenas para quê? – Você colocaria todos eles juntos em um círculo da terra …?
3. Talvez o Juízo Final tocasse aqueles no Purgatório nesse caso? No entanto, eles já foram
tentado e ninguém tem dúvidas sobre seu destino. Além disso, perto do “fim” haverá muito poucos lá. O
Purgatório terminará com seu “sequestro” ou “para as nuvens” ou para o portão do Céu, os detalhes
não importam.

4. Então, talvez o Julgamento tenha a ver com os próprios corpos, então ressuscitados? Por que
precisam de julgamento, já que por natureza irão para o Inferno ou para o Céu, conectando-se com suas almas,
previamente julgadas?
Assim, para um homem que pensa logicamente a partir de uma resposta quádrupla negativa, o Juízo
Final, assim geralmente entendido, isto é, visto no fim do mundo, se desfaz, ele perde a razão de
sua existência! E ainda, o fato de que nosso Senhor “dali”, do céu, “virá julgar os
vivos e os mortos”, é a verdade da nossa fé … Como resolver esse dilema?
II. O que significa: “ele virá julgar os vivos e os mortos”?
Quando pronunciei as palavras de Credo: “Ele virá para julgar os vivos e os mortos”, tive a
sensação de que não era um aspecto físico, mas uma morte espiritual, o pecado.
Além disso, o Juízo Final não está relacionado com o momento da aniquilação da terra ou do fim do
mundo, mas com a Parusia de Jesus “no fim dos tempos”, em nosso tempo! Essa era a fé dos
primeiros cristãos e devemos voltar a ela. Vejamos agora em detalhes o julgamento assim entendido.

1. Será o cumprimento do anúncio dos Anjos do Monte da Ascensão: “Jesus voltará
quando o viste subir ao céu”, significa na sua glória, com grande poder e majestade. Ele virá
de cima de nossas cabeças, do espaço, mas em nossa experiência espiritual, não menos
realista do que a física. Foi assim que me ocorreu à noite.

2. Ele virá com os Anjos e, portanto, suas trombetas soarão e os livros que eles levarão serão abertos, de
acordo com os quais todo homem será julgado. Feliz quem, até então, poderá lavar todos os
pecados de sua vida no Sangue do Cordeiro. Então, seus pecados, registrados nos livros, serão conhecidos,
mas não “ferirão” a Ele ou a Cristo. Portanto, a melhor preparação para a Parusia é
a confissão geral. Mas os padres pedem confissão, eles também apreciam isso?
3. Esses vigilantes são preparados para a Parusia como “virgens prudentes”, providos de “óleo” da
graça santificadora, que é a condição para a vida do Deus Triúno na alma humana. De acordo com o Credo,
eles estão vivos”. Durante minha reunião noturna com o juiz, eu estava felizmente “vivo”, então não foi
terrível para mim. Foi sublime e lindo.

4. Este julgamento “no fim dos tempos” é também necessário para as “almas frias” (na Novena à Sua
Misericórdia, essas pessoas são claramente definidas por Jesus sem ambigüidade: são “semelhantes a
cadáveres”) ou de “mornas” e, portanto, digno de rejeição (Apocalipse 3,16). Muitas dessas pessoas
mergulharão em grandes lágrimas ao ver a vida perdida e entrarão no caminho da santidade.
Muitos morrerão no momento deste Julgamento, esperançosamente não desesperados, mas em grande
arrependimento e dor interna que será sua conversão. Será difícil para eles suportar o contraste entre
o amor infinito de Deus por eles e seu amor residual por Ele! Assim, eles irão imediatamente à procura do
sacerdotes-confessores, preparados pelo Juízo para as confissões de toda a vida, mas como será difícil
encontrá-los então! Os misericordiosos padres, saindo do esconderijo, correrão o risco de
perder suas vidas.

5. Entre os “mortos” há muitos aqueles cuja “lâmpada” da graça se apagou de fato, mas
estão voltados para Deus, mas o adiam para mais tarde. Eles são como “virgens tolas” cujo
sono é agitado. Eles estão prontos para ir ao “depósito de óleo” a qualquer momento, mas ainda não vão
, ignorando os pecados e os sacramentos. É possível que durante o Juízo eles vejam com horror
Satanás, que está sentado em suas almas no trono de Deus. Para eles, o Julgamento terá um ponto de inflexão:
decidirá sua felicidade eterna (se querem se converter e santificar) ou seu desastre (quando rejeitam a graça).
Quando o mundo deixar de existir, tal Julgamento não será capaz de influenciar a conversão, penitência e entrada de
ninguém no caminho da santidade. Sem dúvida, é a conversão repentina que São João chama nos
últimos capítulos do Apocalipse (como mencionado mais tarde) como “a primeira da ressurreição”,
que você deve entender: puramente espiritual, para viver na graça santificante.

6. O julgamento agora incluirá os servos e adoradores de Satanás, que até agora rejeitaram
resolutamente a Jesus e seu amor, e o farão também então. Eles serão vencidos por uma grande chama de ódio
para com Ele que seu destino eterno será então selado, muitos deles morrerão “Onde estão os cadáveres
(disse Jesus), eles vão reunir e os abutres”, e esses “abutres” vão sejam os demônios do inferno, que virão atrás de
suas presas. No entanto, isso não significa que neste dia eles vão levar todos embora, porque alguns de seus
servos, que no final das contas virarão as costas a Deus, se tornarão perseguidores
extremamente cruéis da Igreja. Os demônios virão atrás deles em três dias de escuridão no final
de punição, purificando a terra. Então a terra será colhida, e “o grão separado do joio”, estes “se
acenderão em fogo inesgotável”.

7. Nosso Senhor virá repentina e inesperadamente, “como um ladrão de noite”, como um noivo que
volta do banquete de casamento para casa e surpreenderá a todos com sua vinda. Daí a
necessidade de vigilância e preparação constantes. “Como foi nos dias de Noé, assim será nos
dias do Filho do Homem: eles comerão, beberão e se casarão até o dia em que Noé entrar na arca; de
repente veio uma inundação e perdeu todos eles. Assim como no tempo de Ló: eles comeram e beberam,
compraram e venderam, plantaram e construíram, mas no dia em que Ló deixou Sodoma, uma chuva de fogo e
enxofre caiu do céu e perdeu todos. ”

Hoje, especialmente instruídos pela “Profetisa dos nossos tempos” a Virgem Maria (sobre as suas palavras,
que conhecemos pelas suas revelações, por exemplo, ditadas pelo padre Stefano Gobbi), sabemos que
este dia está muito próximo, mas já está possível que mesmo este último não saibamos sua data exata.

III. Quais serão as consequências do Julgamento Final no final dos tempos?

1. Poucos serão os sobreviventes da Grande Purificação, devido à vontade de Deus, toda a natureza se
rebelará contra o ser humano, que com prazer mergulha no mal, muitas vezes mais que o povo de
Sodoma e Gomorra; Vou me rebelar contra os filhos de Deus que pregam (Bíblias e teólogos) que Ele, o
misericordioso, “nunca castiga” …! “Por isso a maldição devora a terra, quem
nela habita é castigado ” – escreve Isaías (24, 6,13) – Por isso, os que habitam a terra são consumidos, restam apenas
algumas pessoas. Acontecerá no seio da terra e no centro de todos os povoados, como na
batida da azeitona, como no fim da vindima ”.

Jesus não disse a mesma coisa (Lucas 17: 26-37) sobre dividir a humanidade ao meio? “Naquela noite
estarão dois deitados na mesma cama: um será levado e o outro será deixado. Duas mulheres estarão
moendo juntas: uma será levada e a outra será deixada ”. Ele o relacionou com o “Dia do Senhor”, o dia de
sua revelação.

2. O que acontecerá com os sobreviventes – com o “grão” de Deus, recolhido pelos Anjos ao “celeiro”?
Esses sobreviventes receberão de Deus o “Novo Mundo” que tentei descrever inadequadamente em meu
“romance” “Com um Anjo para o Novo Mundo”. Eu o escrevi como testemunha ocular dessa realidade na qual
me movi muitas vezes em minha visão noturna desde que era criança. Será o único período
desse tipo em toda a história do mundo. Certamente seria muito incompleto se faltasse um período
feliz; se a humanidade, depois de expulsa do Paraíso, nunca experimentasse o que (segundo
o plano de Deus) a plenitude de sua vida na terra seria após a Redenção, uma vida estritamente baseada
nos mandamentos de Deus e nos princípios evangélicos. Desta forma, você experimentará
uma felicidade grande e excepcional, seu desabrochar, a realização dos sonhos mais nobres. A terra se
tornará um enorme jardim e mosteiro, orado e cantado de gratidão a Deus. Acima da Terra,
naturalmente, no sentido espiritual, brilharão os “Três Sóis”: o Sagrado e Santíssimo Coração de Jesus,
Maria e José, unidos no amor. Toda a matéria será “iluminada pelo espírito”.
3. Este período não será longo, não apenas “mil anos” (veja abaixo), nem um século. Tanto que as pessoas poderão
esvaziar o Purgatório, que não existirá depois do fim do mundo, bem como fortalecer-se espiritualmente
para a última perseguição.

4. Porque para quem vive no fim do mundo não haverá mais o purgatório (que, aliás, é um
doloroso martírio), terá que passá-lo para a terra. É sobre este breve período, que inclui os
apocalípticos “três anos e meio”, ou metade dos “sete perfeitos” (ver abaixo), São João escreve
que Satanás “será libertado da sua escravidão” para “acampar os santos e cidade amada ”. Este será o
momento dos últimos mártires para os quais o céu se abrirá. Dediquei a segunda parte do meu romance a
esse período: “Entre na alegria”. Enquanto no primeiro usei várias fontes, no segundo confiei
apenas na minha própria imaginação.

5. No “Novo Mundo”, a Igreja será absolutamente um rebanho sob a orientação de um pastor, não
será necessário mais “ecumenismo” (“unidade na multiplicidade”, “respeito pelas diferenças”, “diálogo
teológico”, etc. .). Não só isso, fora a fé católica, não haverá outras religiões no mundo. Será um
grande esforço para a Igreja evangelizar e levar ao baptismo todos os habitantes da terra. Para isso,
será necessário todo um exército de “Apóstolos do Fim dos Tempos”, clérigos e leigos.
6. A Igreja, unindo todos os habitantes da terra, será santa, pura e pobre. O Papa não estará
rodeado por uma grande cúria com seus dicastérios, e nada restará do Vaticano, com todas as suas riquezas, museus,
bibliotecas e arquivos. A justiça viverá na terra. “O lobo vai viver com o cordeiro […], a criança vai remexer
na cova da víbora” (Isaías 11,8) – são os tempos que Isaías viu e descreveu. “Bem, vou
criar um novo céu, junto com uma nova terra, eles não se lembrarão do que era antigamente, não será mais lembrado”
(Isaías 65,17). Sem esse desapego do passado, as almas doentes construiriam um mundo doente no
qual crescessem.

IV. Apocalipse – algumas coisas para explicar
1. O Apocalipse de São João contém uma descrição de eventos específicos do “fim dos tempos”
de nosso tempo? O autor escreve antecipadamente que se trata de “o que deve acontecer em breve” e que “O
tempo está próximo”, e entretanto… 2.000 anos se passaram!

Ele e outros apóstolos, especialmente São Paulo, estavam convencidos de que o Senhor Jesus em
breve retornaria à terra e estabeleceria seu reino ali. Sua tarefa era zelar e preparar outros para
a Parusia. Agora sabemos que Deus queria vê-los preparados, mas não revelou o tempo da Parusia.
Agora, porém, é diferente: ele envia à terra o “novo Elias” ou o seu “anjo”, a Rainha dos
Profetas, alguém que antes da Segunda Vinda do Messias desempenha um papel semelhante ao
confiado a São João Baptista. Foi ela quem ditou a um padre italiano durante 25 anos, o Padre Gobbi
(o fundador do Movimento Sacerdotal Mariano) e dirigiu-lhe as mensagens, iluminando a Parusia, a
Novo Pentecostes e o Triunfo do seu Imaculado Coração com clareza suficiente para coincidir no
tempo. Vale a pena alcançar suas mensagens. Em cada país Maria apareceu, ensinou, alertou, quantas
vezes em suas imagens ela chorou com lágrimas de sangue …

No início do capítulo 12 do Apocalipse, nossa visão é dirigida pela própria Maria. A mãe dos
padres disse ao padre Gobbi que em 1917 ela era a “Mulher vestida de sol” que São João viu.
Em referência ao milagre de Fátima, Maria quer que leiamos os seguintes capítulos do Apocalipse
como uma descrição dos eventos que acontecerão mais tarde, e até Parusia (ver, por
exemplo, “Aos padres…” em 29/06. 1983, No. 267n e seguintes). A Virgem diz-nos: que o reino de
Cristo triunfe sobre todos no seu triunfo eucarístico. A Igreja plenamente unida contribuirá para a
renovação de todas as nações. E que “o momento está próximo”, ele nos garante com toda determinação.
Se a Igreja agora rejeita, ou mesmo rejeita as mensagens da “Profetisa”, como ela pode entender o
Apocalipse?

2. Uma leitura rápida do Apocalipse dá a impressão de algum conglomerado caótico de descrições de
eventos misteriosos, e sua ordem lógica é possível? Não temos dúvidas de que o início é o primeiro
século, quando as cidades individuais, capitais da diocese, precisam da luz do céu e a recebem (nos
três primeiros capítulos). E depois…? Um leitor atento notará facilmente que os eventos estão na
“linha do tempo” organizados de forma adequada e legível, mas o final do primeiro muitas vezes não se
conecta com o início do segundo, mas as descrições se sobrepõem. O autor inspirado observou
eventos sucessivos de uma perspectiva diferente, e inadvertidamente faltando alguma coisa, na ordem de visão que
escreveu-os. Uma vez será uma olhada na terra do lado do céu, outras vezes na própria terra ou
simplesmente “olhando para o céu”. Sua descrição inclui várias penalidades, mas também contém um
espaço quando você foi instruído a pular algo. E quando tanta coisa aconteceu, ele deve engolir o “livro” e “[…]
até proclamar uma mensagem profética sobre uma multidão de povos, rasas, línguas e reinos” (Apocalipse 10).
Portanto, na “linha do tempo”, temos diferentes eventos acontecendo, tanto no céu quanto na
terra, e anunciados pelas seguintes 7 trombetas angelicais e três “ai”. O Cordeiro, o único digno de
ter um livro de destinos, abre os seus próximos selos. É assim que chegamos desse “eixo” ao lugar já
mencionado, diretamente relacionado com o julgamento da terra e sua reorganização completa, até o
capítulo 12 com o “grande sinal no céu”. Fátima “Mulher vestida de sol”, que surge no ano e mês
da eclosão da terrível revolução comunista na Rússia, confirma o que lemos aqui: vivemos nos
anos da “loucura” de Satanás, que desceu à terra e mar, “embriagado de fúria sabendo que o
tempo disponível é curto ” (Apocalipse 12,12). “Ay” foi pronunciado na terra, que passa a ser o espaço da
busca de demônios pela Mulher, e depois da luta com “o resto dos filhos da Mulher, isto é,
contra aqueles que cumprem os mandamentos de Deus e permanecem testemunhas fiéis de Jesus ”(Ap 12,
13-18). Uma descrição chocante da Primeira e da Segunda Besta, dos Maçons e do mundo e da
Igreja (Ap 13), devemos isso a Maria através das notas do Padre Gobbi. Esta é a realidade dos
nossos dias! Ninguém a caracterizou mais claramente do que Ela, nem ela estabeleceu um diagnóstico tão
irrepreensível da situação atual do mundo, como o fez Maria no livro “Aos sacerdotes …” (S.
Gobbi).
Após a visão celestial da comitiva virgem do Cordeiro (Ap 14, início do capítulo), encontramos uma descrição sintética dos eventos relacionados ao Juízo, colocados até agora no fim
do mundo, mas esperando pela humanidade em desta vez, realmente “em breve” (sua “hora” chegou).
Aqui temos as últimas fortes reprimendas dos anjos, e depois as foices lançadas por eles, que é
a colheita. E quando parece que na terra que sangra de tristeza deve haver luto, é justamente o
contrário: “o cântico de Moisés e do Cordeiro” (Ap 15) ressoa sobre ela, arrancado do poder da
Besta. Em seguida, vem a descrição dos poderes que são hostis a Deus: “Babilônia”, “A Besta”,
“Grande Prostituta”, temos uma descrição detalhada de sua punição. Jogar uma grande pedra no mar por
um anjo não nos lembra da bomba atômica ou do impacto de um asteróide gigante? Como resultado dessa
explosão ou golpe, há morte completa e vazio em grandes áreas da terra, mas agora não há “luto”,
caso contrário, encontramos a ação de graças “Aleluia” da multidão de habitantes do Céu que se
regozijam na vitória de Deus. Para enfatizar esta vitória, o autor inspirado retorna ao castigo dado às
Bestas e aos reis da terra pelo exército sob o comando da Palavra de Deus (Ap 19, 11-21).
A principal punição, porém, não são os servos, mas o próprio Senhor, que revela a chave no
capítulo 20 do Apocalipse. Apocalipse 20, 1-6: Por fim, a terra respira livremente, livre do demônio
enganador das nações, amarrada e lançada nas trevas infernais quase até o fim do mundo. Os
habitantes da terra são julgados, alguns deles “ressuscitam” e reinam com Cristo por “mil anos” em
a terra, e durante a última perseguição (Apocalipse 20: 7-10), eles acabaram com o castigo eterno e
encontraram os perseguidores. Coincide com a ressurreição (física) dos mortos.

3. O que é esta “primeira ressurreição”, completamente diferente da universal, com respeito aos
corpos no fim do mundo? É fácil entender que terá um caráter espiritual: será uma conversão
de muitas pessoas no momento de se reunir com Jesus que vem em Parusia (ver acima II, 3-5),
deixando a sepultura de pecados pecaminosos para viva na graça santificadora.

4. Por que São João no livro do Apocalipse usa o termo “mil anos” várias vezes?
Ao que parece, a resposta mais adequada pode ser esta: não se trata do número absoluto de anos, mas
da percepção das pessoas: viver naquele momento parecerá um período terrivelmente longo. Se lemos na
Bíblia sobre Deus, “que ao longo de mil gerações mantém a sua aliança e tem misericórdia
dos que o amam e cumprem os seus mandamentos” (Dt 7,9), não estamos a falar dos anos,
mas sim de a permanência da aliança, já que 1.000 gerações teriam que viver na terra por 20.000
anos, então teríamos mais 17.000 anos! O que é feliz para nós termina muito rapidamente em
a nossa opinião e o que é difícil e doloroso – dura “sem fim”. Assim
podem sentir as almas do purgatório , imersas no sofrimento e completamente perdidas no tempo. E porque os
últimos anos, os mais difíceis da existência da Terra, tiveram um substituto justo para o purgatório;
Não é de surpreender que eles possam sofrer de maneira semelhante e, portanto, se perderão no tempo.
Existe outra forma de entender esses “mil anos”, ou seja, medi-los não com base em um calendário astronômico,
mas espiritual. Primeiro, o amadurecimento espiritual dessas pessoas, incluindo crianças, seu crescimento em
santidade ocorrerá em uma taxa até então desconhecida. Embora não sejam ajudados pelo povo, todos
bibliotecas com obras-primas irão se dispersar, mas o impacto nas almas do Mestre Divino – o
Santificador, o Espírito Santo – será poderoso. “Ele vos ensinará todas as coisas”: estas palavras de Jesus,
dirigidas aos apóstolos, serão agora cumpridas para todos. A partir daqui, pode-se dizer que durante 20 anos
desse período, as pessoas vão subir como águias muito mais rápido e mais alto do que costumavam ser
por 1000 anos! Em segundo lugar, para pessoas que são tão perfeitas e unidas a Deus, o
desejo pelo Céu será muito difícil de suportar. Parecerá a eles que a vida terrena se estende por “1000
anos”, cada dia sem uma “saída” da terra será um tormento para eles. Até Santa Teresa de Ávila
Ele experimentou isso, o grito de sua alma é conhecido: “Eu morro porque não morro!”

5. O que será o “Reino de 1000 anos” afinal?
Cristo reinará sobre toda a terra nas almas dos justos. Ao afirmar que ele reinará de forma
visível, e por 1000 anos, a Igreja o condenou por heresia. E assim, em 373, o sínodo sob a
direção do Papa condenou os ensinamentos do Bispo Papias sobre o reinado de
1000 anos dos santos com Cristo . Papias afirmou que esses santos devem ser “ressuscitados espiritualmente”, isto é, livres das
demandas sensuais e desfrutar da satisfação de todos os desejos espirituais. A heresia do
milenarismo (da palavra latina mille – milhares) foi condenada e fornecida com a cláusula: “Tuto doceri
non posse” (“Pregar que a ciência é perigosa”).

Parusia (ou “o dia do Senhor”, “Aviso”, então a primeira etapa do Juízo Final) não será o
início da “caminhada na terra” de Jesus, mas seu “ser no breve momento!” “Com os anjos
do Seu poder em chamas de fogo.” Algum tempo depois, relativamente curto, “e aparece como uma
chama ardente fazendo justiça aos que não querem conhecer a Deus nem ouvir a mensagem
do evangelho de Jesus nosso Senhor” (2Ts 1-8). Uma série de eventos que conduzem ao segundo estágio
do Juízo Final – três dias de trevas – acontecerão na Terra, durante os quais todos aqueles que não
receberem a graça de viver no Reino de Cristo serão removidos da terra. Este reino será muito
sorte que ele continuará após amarrar Satanás e lançá-lo no abismo, para que ele não mais engane as
nações. A graça da vida nele será dada à humanidade por vários motivos:
1). Deus mostrará como seria a terra se as pessoas não se entregassem a Satanás. Permitirá um único
momento basear completamente a vida social no Evangelho como sua lei, substituindo
os direitos humanos imperfeitos.

2). O Divino Mestre dará voluntariamente a última lição de santidade.

3). O Corpo Místico de Cristo (a Igreja) deve percorrer o mesmo caminho que Jesus percorreu como Cabeça
e , portanto, sua “hosana”, paixão e morte, eventualmente ressurreição.

4). Para a última batalha com Satanás, que tem um substituto justo para o purgatório (que não será mais
depois do fim do mundo), os discípulos fiéis de Cristo devem ganhar força e resistência no período de
paz e felicidade.

5). Neste período de felicidade os espíritos malignos tentarão as pessoas a pecar, mas o príncipe das
trevas será lançado no abismo, o “enganador das nações”, “acusador da vida”, assim como os
fantasmas que puniram a terra com desastres. Assim, a terra poderia ser purificada, curada por
anjos, cheia da paz e harmonia de Deus e uma sensação de segurança. Então você começará a ter
colheitas extraordinárias.

6. Três vezes (Ap 11: 3, 12, 6, 13, 5), São João anuncia um período importante, embora breve, de três anos
e meio (42 meses, 1.260 dias). A que eventos você está se referindo? Os comentaristas bíblicos aparentemente não
podem dar uma resposta. Enquanto isso, esse período pode se referir primeiro à perseguição aos
crentes, despertados pelo anticristo e durando até três dias de trevas, e então, no fim do último
mundo, o mais longo. A perseguição sangrenta e cruel aos discípulos de Jesus, que os
substituirá pelo Purgatório, que de agora em diante não existirá.

conclusão

Sei que as idéias aqui mencionadas relacionadas à Parusia e ao Juízo Final (muito perto!) Serão
difíceis para muitos aceitarem, até parecerão revolucionárias. Sei que para mudar todo o meu
pensamento, até a minha vida, e esperar a próxima “hora de Damasco”, é preciso ter o apoio de uma graça
especial de Deus. Sei que para muitos será uma surpresa constatar que pertencem a uma geração
com privilégios excepcionais, mas que também são totalmente responsáveis ​​por usufruir desse
privilégio. Aqui, em breve, esta geração passará pelo Juízo detalhado aqui na terra, sem perder, como
todas as outras gerações, a vida terrena! E será o Julgamento Final! Este presente foi planejado por
Deus para um propósito específico: dar uma mão a todos os que gostariam de se converter e viver com Ele
para sempre.

– Rogo aos meus compatriotas, em cujas mãos dou o meu testemunho, tomando a Deus como
testemunha da minha veracidade, que usem os últimos momentos para preparar a Polónia e o mundo
para o Juízo Final. Imploro que não ignore aquela voz que vem de Deus por meio de pessoas diferentes;
que sua voz no deserto não soou em vão, ele não caiu em sacos quebrados.

– Peço-lhe que não se oponha ao próprio Deus, afirmando que as “revelações privadas” não o obrigam,
porque desde o início do mundo, através de tais revelações, Deus dirigiu e deu palestras aos seus
eleitos e, através deles, quis ensinar outras. Centenas de exemplos podem ser extraídos da Bíblia, e
tais manifestações e efeitos de sua aceitação ou rejeição. Da história polonesa também.
Jesus “amou especialmente a Polónia” e conta com o facto de que, gastando-se e em toda a sua
plenitude, a “centelha” preparará o mundo para a sua segunda e última vinda. Todos os verdadeiros poloneses
são responsáveis ​​perante Deus por nosso movimento e sua missão. Mas o tempo esta se esgotando!
Que todos aqueles que em seu coração e de fato respondam positivamente à voz de Deus, bem como a
toda a sua vida, pela intercessão da Mulher vestida de sol, bênção e graça de Deus.
Fonte: http://wobroniewiaryitradycji.wordpress.com www.paruzja-iskraz.pl

Fuente: http://wobroniewiaryitradycji.wordpress.com www.paruzja-iskraz.pl

Compartilhe a Divina Vontade