VENHA A NÓS O VOSSO REINO!


JESUS A LUISA em 14 de abril de 1923 – Volume 15
Agora, minha filha, chegamos à minha vontade. Você acredita que é uma santidade como outros santos? Uma graça boa, quase igual às outras que eu fiz por tantos séculos aos outros santos e a toda a Igreja? Não não Aqui é uma nova era, um bem que deve servir a todas as gerações! Mas é necessário que todo esse bem se concentre primeiro em um, como eu fiz na Redenção, centralizando tudo em minha mãe. E veja como as coisas andam de mãos dadas: para fazer a redenção chegar e depositar almas nisso, fiz a promessa do futuro Messias, de modo que, esperando que não apenas eles fossem dispostos, mas também eles pudessem encontrar sua salvação no futuro Redentor. Agora, a fim de preparar as almas para viverem em minha Vontade e colocá-las à parte dos bens que ela contém e fazer o homem retornar ao caminho de sua origem, como foi criado por Mim, eu queria orar primeiro, fazendo minha voz ressoar, um pontapé ou para o outro lado da terra até o céu, dizendo: “Pai nosso que estás no céu”.

Eu não disse: ‘Meu Pai’, mas o chamei de Pai de toda a família humana, para envolvê-lo no que seria acrescentado: ‘Que todos santifiquem seu Nome, para que seu Reino venha à Terra e sua Vontade seja feita como no céu, assim na terra ‘. Esse era o propósito da Criação, e pedi ao Pai que isso fosse realizado. Enquanto eu orava, o Pai se rendeu às minhas súplicas e eu formei a semente de um bem tão bom. E para tornar esse germe conhecido, ensinei aos apóstolos minha oração, e eles a transmitiram a toda a Igreja, para que, como as pessoas do futuro Redentor, encontrassem nela a salvação e se preparassem para receber o prometido Messias, Assim, com este germe formado por Mim, a Igreja ora e repete minha oração muitas vezes, e está preparada para receber que reconheçam e amem meu Pai Celestial como seu Pai, de modo a merecerem ser amados pelas crianças e receber os grandes bem de que minha vontade seja feita tanto no céu como na terra. Os próprios santos nesta semente e na esperança de que minha vontade seja feita como na terra como no céu, eles formaram sua santidade, o mártir derramou seu sangue; não existe bem que não derive desse germe. Então a Igreja inteira ora. E como lágrimas, penitências, orações pelo Messias foram dirigidas [para] a Virgem exaltada, a quem eu tive que dispor para centralizar tanto bem, a fim de poder [os homens do Antigo Testamento] receber seu Salvador, embora eles não soubessem quem [aquela Virgem exaltada] era, então, a Igreja, quando ela recita o Pai Nosso, é precisamente por você que ela ora, para que [eu] acentue em você todo o bem que contém minha Vontade, a maneira, como a vontade divina tem vida na terra como no céu.

E, embora você não seja conhecida, a Igreja, ecoando minha oração: ‘Seja feita a tua terra como no céu’, ela reza para mim, peço que você acentue todo esse bem em uma segunda Virgem, de modo que, como outra salvador, salve a humanidade perigosa e, fazendo uso do meu inseparável amor e misericórdia, concedo minha própria oração juntamente com a de toda a Igreja, e faço o homem voltar à sua origem, para o propósito com a qual eu o criei, isto é: que minha vontade seja feita na terra como no céu. Isto é viver precisamente na minha vontade; tudo o que eu vou lhe mostrar te empurra; nisto eu te confirmo; este é o grande fundamento que estou formando em sua alma. E para fazer isso, centralizo todas as graças passadas, presentes e futuras que fiz a todas as gerações; pelo contrário, eu os dobro, multiplico-os, porque sendo minha Vontade a maior, mais santa, mais nobre coisa, que não tem começo nem fim, para colocá-la em uma criatura, é certa e digna que concentre todos os bens possíveis nela, inúmeras graças, pureza e nobreza divina, para que esta minha vontade tenha a mesma coragem que detém no céu essa vontade.

 

Jesus a Luisa em 02 de maio de 1923 Vol.15

E quando meu Fiat Voluntas Tua tiver sua realização como no céu e na terra, então a conclusão completa da segunda parte do Pai Nosso chegará, ou seja: O Pão Nosso de cada dia nos dai hoje. Eu disse: ‘Pai nosso, em nome de todos, peço três tipos de pão todos os dias: o Pão da sua Vontade; antes, mais do que pão, porque se o pão é necessário duas ou três vezes por dia, isso é necessário a todo momento, em todas as circunstâncias; de fato, deve ser não apenas pão, mas como o ar balsâmico que traz vida, a circulação da Vida Divina na criatura. Pai, se este Pão da sua Vontade não for dado, nunca poderei receber todos os frutos da minha Vida Sacramental, que é o segundo pão que lhe pedimos todos os dias. Oh, quão ruim é a minha vida sacramental porque o pão da sua vontade não os nutre; de ​​fato, encontra o pão corrupto da vontade humana! Oh, como isso me suga! Como eu me esquivo disso! E embora eu vá até eles, mas não posso lhes dar os frutos, bens, efeitos, santidade, porque não encontro nosso Pão; e se criaturas, no entanto, algo que eu der é em pequena proporção, de acordo com suas disposições, mas não todos os bens que eu contenho; e minha Vida Sacramental espera pacientemente que o homem pegue o pão da Vontade Suprema para poder dar todo o bem da minha Vida Sacramental ‘.

Então você vê que o Sacramento da Eucaristia, não apenas, mas todos os Sacramentos deixados à minha Igreja e instituídos por Mim, darão todos os frutos que eles contêm e plena satisfação quando nosso Pão, que é a Vontade de Deus, for feito tanto no Céu como na terra. Depois, pedi o terceiro pão, esse é o material. Como eu poderia dizer: ‘Dê-nos o nosso pão hoje’? Tendo em vista que o homem, tendo que fazer a nossa vontade, o que era nosso era dele, e o Pai não precisava mais dar o Pão da Sua Vontade, o Pão da Minha Vida Sacramental, o pão diário da vida natural para filhos ilegítimos, usurpadores e maus, mas para os filhos legítimos e bons que manterão os bens do Pai em comum. Por isso disse: ‘Dá-nos o nosso pão’; então eles comerão o pão abençoado, tudo sorrirá ao seu redor, a terra e o Céu terão a impressão da harmonia de seu Criador. Então acrescentei: ‘Perdoe nossas dívidas, assim como perdoamos nossos devedores’. Para que também a caridade seja perfeita; então o perdão será perfeito, terá a impressão de heroísmo – como eu o tinha na cruz – quando o homem comer o pão da minha vontade, como a minha humanidade o comeu; então as virtudes serão absorvidas em minha vontade e receberão a marca do verdadeiro heroísmo e virtudes divinas; serão como muitos rios que emergirão do seio do grande mar da minha vontade. E se eu acrescentasse: ‘

 

E não nos caiamos na tentação’ … como Deus poderia nos levar à tentação? Era porque o homem é sempre homem, livre de si mesmo – porque nunca retiro os direitos que, ao criá-lo, lhe dei – e ele, assustado e com medo de si mesmo, grita silenciosamente, ora sem se expressar com palavras: ‘Dê-nos a Pão da tua vontade, para que possamos rejeitar todas as tentações, e em virtude deste pão nos livra de todo o mal. Que assim seja. Você vê, portanto, que todos os bens do homem encontram seus nós, o estreito vínculo de fazer o homem à nossa imagem e semelhança, a validade de todas as suas ações, a restituição dos bens perdidos, a assinatura e a garantia de que sua felicidade terrena e celeste perdida é restaurada. Por isso, era tão necessário que minha Vontade fosse feita como no céu, assim na terra, que eu não tivesse outro interesse, nem ensinasse qualquer outra oração, exceto o Pai Nosso; e a Igreja, fiel executora e guardiã dos meus ensinamentos, sempre o tem na boca e em todas as circunstâncias, e todos, instruído e ignorante, pequeno e grande, sacerdotes e seculares, reis e súditos, todos oram a Mim para que seja feita a minha vontade como no céu, também na terra. Portanto, você não quer que minha vontade desça à terra?

 

Mas como a Redenção teve início em uma Virgem, eu não concebi em todos os homens para resgatá-los, embora quem quiser possa entrar no bem da Redenção e receber cada um por si só, no Sacramento, então agora minha Vontade deve ter seu princípio, possessão, crescimento e desenvolvimento em uma criatura virgem; e então, quem se dispor e quiser, entrará nos bens que vivem na minha vontade. Se eu não tivesse sido concebido em minha amada mamãe, a redenção nunca teria chegado; assim, se eu não trabalhar o prodígio de fazer uma alma viver em minha vontade suprema, o Fiat Voluntas Tua como no céu na terra não ocorrerá nas gerações humanas_”.

Compartilhe a Divina Vontade