Como para Deus, não é o tempo que conta, mas os atos que praticamos


12 de março de 1930

Como para Deus, não é o tempo que conta, mas os atos que praticamos. Exemplo de Noé. O bem que possui um sacrifício prolixo e contínuo. Como cada ato da criatura tem seu própria semente distinta.

Minha fuga no Divino Fiat continua, nem minha pobre mente sabe ficar sem girar em seus inúmeros atos; Eu sinto que uma força suprema que mantive conforme programado nas obras de meu Criador, e ela continua girando e girando para sempre sem me cansar, e oh, quantas belas surpresas está agora na Criação, agora a Redenção [de] Jesus Bendito torna-se narrador [de] como no que me surpreende não passa de uma invenção maior do que o seu amor! Então, enquanto eu estava andando pelo Éden e nos tempos antes de sua vinda à terra, pensei comigo mesma: “E por que Jesus gastou tanto tempo para vir e redimir a raça humana?” E Jesus, movendo-se no meu interior, disse-me:

“Minha filha, quando nossa infinita Sabedoria deve dar um bem à criatura, ela não conta o tempo, mas os atos das criaturas, porque diante da Divindade não há dias e anos, mas apenas um dia perene, e portanto não medimos o tempo, mas os atos que fizeram são contados por Nós. Portanto, naquele tempo que parece tão longo para você, os atos que Nós desejamos para vir e redimir o homem não foram feitos. E só os atos determinam o bem, e não o tempo. Muito mais que [os homens] forçaram nossa Justiça a exterminá-los da face da terra, como aconteceu no dilúvio, que só Noé mereceu, obedecendo a nossa Vontade e com a prolixidade (Característica de quem é demasiadamente longo e demorado para explicar algo..) de seu longo sacrifício para construir a arca, para se salvar com a família dele, e encontrar em seus atos a continuação da nova geração na qual o Messias prometido viria.

Um sacrifício prolixo (longo) e contínuo possui tal atração e força arrebatadora no Ser Supremo, que O fazem decidir dar grandes bens e continuação de vida ao gênero humano.

Se Noé não tivesse nos obedecido e não tivesse se sacrificado para fazer um trabalho tão longo, ele teria sido esmagado no dilúvio e, não salvando a si mesmo, o mundo, a nova geração teria acabado.

Você vê o que significa um sacrifício prolixo e contínuo: é tão grande que salva a si mesmo e dá origem a uma nova vida nos outros e ao bem que decidimos dar. Que o fazem decidir dar grandes bens e continuação de vida ao gênero humano.

Vede, portanto, para o Reino de minha Divina Vontade, eu queria seu longo e contínuo sacrifício de tantos anos de cama! O teu longo sacrifício colocou-te em segurança – mais do que uma arca – no Reino da minha Divina Vontade, e inclina a minha bondade para dar um bem tão grande: fazê-la reinar no meio das criaturas! ”

Depois disso continuei minha viagem no Divino Fiat para trazer todos os atos das criaturas em homenagem ao meu Criador, e pensei comigo mesma: “Se eu puder reunir tudo o que eles fizeram e fechar tudo na Vontade Divina, eles não se transformarão em atos, da Vontade Divina? ” E meu doce Jesus acrescentou:

“Minha filha, todos os atos das criaturas, cada uma das quais possui sua semente conforme foi feita, se não foi feito em meu Divino Fiat não possui sua semente, portanto nunca pode ser um ato de minha Vontade; porque se no ato falta a semente de luz, que tem a virtude de transformá-la em sol, mantendo-a ali como primeiro ato no ato da criatura.

E nos atos das criaturas acontece que, se uma pessoa guarda a semente das flores, semeando-a terá flores e, se semear a semente dos frutos, terá frutos; e nem a semente das flores dará fruto, nem a do fruto dará flores, mas cada um dará de acordo com a natureza de sua semente.

Assim, os atos das criaturas; se no ato havia um fim bom, um propósito santo, para me agradar, para me amar, em cada ato veremos: [em um] a semente do bem, em outro, a semente da santidade, ou a semente de me agradar, ou a semente de me amar. Essas sementes não são leves, mas simbolizam quem é a flor, quem é o fruto, quem é uma muda e quem é uma jóia preciosa, e eu sinto a homenagem da flor, do fruto e assim por diante, mas não a homenagem que pode Me dar um sol; e quando você reúne todos juntos esses atos para incluí-los em meu Fiat, eles permanecem o que são, cada um [com] a natureza que a semente lhe deu e vemos que são atos que a criatura pode fazer, não atos que minha Divina Vontade pode fazer, seu germe de luz no ato deles.

A semente da Vontade Divina não é cedida por Ela, exceto quando a criatura nela vive e em seus atos Lhe dá o primeiro lugar de honra ”.

Compartilhe a Divina Vontade