A VIRGEM MARIA NOS ESCRITOS DA LUISA – VOLUME 1 A0 19


Seleção de textos retirados dos primeiros 19 volumes de seu diário

Primeira parte .
Apresentado pelo Pe. Pablo Martín

Tudo o que Nosso Senhor diz a Luisa a respeito de sua Mãe Santíssima pode ser resumido em a missão único de Maria como Mãe de Deus, em o ofício Devido da missão– de Corredentora e nossa Mãe, e em as condições necessárias para que Maria pudesse cumprir bem ambas as coisas. O Senhor explica isso a ele para fazê-lo entender seu próprio cargo como “Vítima” e, portanto, sua própria missão – igualmente única – para começar na terra o Reino da Vontade Divina. Ou seja, tudo o que Jesus explica sobre sua Mãe é em função do que Luisa está recebendo e o que ela tem que fazer.

Para compreender plenamente o sentido de fé de Luísa, antes de lermos as suas páginas, assistamos a este inocente diálogo de amor entre Jesus, a Mãe do Céu, e ela:
“Sinto que só amo a Ele, tanto que sem Ti sei ser, mas não sem Jesus; Você não desgosta mais, não é, porque você sabe e quer isso, entre todos, amei mais a Jesus ”.
(10º Volume, 19-10-1911)

A STMA VIRGEM NOS ESCRITOS DE LUISA PICCARRETA

1 – O Reino da paz está no Coração de Maria.

“O meu Reino estava no Coração da minha Mãe, e isso porque o seu Coração nunca se agitou nem um pouco, tanto que no imenso mar da Paixão ela sofreu dores indizíveis, o seu Coração foi trespassado de parte a parte pela espada do dor, mas não recebeu o menor suspiro de constrangimento. Portanto, sendo o meu Reino um reino de paz, eu poderia estendê-lo Nela e reinar livremente sem qualquer obstáculo ”. ( 2ª Volume, 4-7-1899) dois – A festa da Assunção no Céu e a “Ave Maria”.

(…) Senti que saí de mim mesma, para a abóbada do céu, junto com meu amado Jesus. Parecia que tudo estava celebrando, Céu, terra e purgatório; todos foram inundados com uma nova alegria e exultação. Muitas almas deixaram o purgatório e como relâmpagos vieram para o céu, para assistir à festa de nossa Rainha e Mãe. Eu também percorri aquela imensa multidão de anjos, santos e almas do purgatório que ocupavam aquele novo céu, tão imenso que, comparado a ele, o outro dos nossos que vemos me parecia um pequeno buraco; uma razão maior, que a Confessora me deu permissão. Mas, ao tentar olhar, não vi nada além de um Sol muito luminoso que irradiava raios, que me penetrava por toda parte e me virava como vidro, tanto que os menores pontos e a distância infinita entre o Criador e a criatura eram muito perceptíveis, já que cada um desses raios tinha sua nuance: um manifestava a santidade de Deus, outro sua pureza, outro seu poder, outro sua sabedoria e todas as outras virtudes e atributos de Deus. Assim a alma, vendo o seu próprio nada, as suas misérias e a sua pobreza, sentiu-se oprimida e, em vez de olhar, prostrou-se no chão perante aquele Sol Eterno, que ninguém pode enfrentar. O mais surpreendente é que para ver a festa da nossa Mãe e Rainha, era preciso olhar desde aquele Sol, como a Mãe Santíssima.

A Virgem parecia tão submersa em Deus, que olhando de outros pontos não se via nada. (…) outro seu poder, outro sua sabedoria e todas as outras virtudes e atributos de Deus. Assim a alma, vendo o seu próprio nada, as suas misérias e a sua pobreza, sentiu-se oprimida e, em vez de olhar, prostrou-se no chão perante aquele Sol Eterno, que ninguém pode enfrentar. O mais surpreendente é que para ver a festa da nossa Mãe e Rainha, era preciso olhar desde aquele Sol, como a Mãe Santíssima. A Virgem parecia tão submersa em Deus, que olhando de outros pontos não se via nada. (…) outro seu poder, outro sua sabedoria e todas as outras virtudes e atributos de Deus.

Assim a alma, vendo o seu próprio nada, as suas misérias e a sua pobreza, sentiu-se oprimida e, em vez de olhar, prostrou-se no chão perante aquele Sol Eterno, que ninguém pode enfrentar. O mais surpreendente é que para ver a festa da nossa Mãe e Rainha, era preciso olhar desde aquele Sol, como a Mãe Santíssima. A Virgem parecia tão submersa em Deus, que olhando de outros pontos não se via nada. (…) Era preciso olhar de dentro desse Sol, porque o Stma. A Virgem parecia tão submersa em Deus, que olhando de outros pontos não se via nada. (…) Era preciso olhar de dentro desse Sol, porque o Stma. A Virgem parecia tão submersa em Deus, que olhando de outros pontos não se via nada. (…) … “Único e único tesouro meu, você nem mesmo me deixou ver a festa de nossa Rainha e Mãe, nem ouvir as primeiras canções que os Anjos e Santos cantaram para ela quando ela entrou no Paraíso.”
E Jesus: “O primeiro canto que fizeram para a minha mãe foi a Ave Maria, porque na Ave Maria estão os mais belos
louvores, as maiores honras, e a alegria que sentiu ao ser feita Mãe de Deus se renova; portanto, digamos juntos para entretê-lo, e quando você vier ao Paraíso, farei com que você o encontre, como se o tivesse dito com os Anjos pela primeira vez no Céu ”.
E assim disse com Jesus a primeira parte da Ave Maria.
Oh, quão terno e comovente foi saudar nossa Mãe Santíssima. junto com seu filho amado! Cada palavra que Ele disse deu uma luz imensa na qual muitas coisas sobre o Abençoado foram compreendidas. Virgem; Mas quem pode dizer todas elas, muito mais que sou tão incapaz? É por isso que passo por eles em silêncio. ( 2, 15/08/1899)

3 – O que Jesus é por natureza, Maria é pela graça.
… Então olhei para o seu lindo rosto e por dentro senti um contentamento indescritível, e dirigindo-me a ele
disse: “Doce amor meu, sou eu e sinto um enorme prazer em contemplá-lo! Que prazer nossa mamãe e rainha
sentiram quando Você se trancou em suas entranhas puras? Que alegrias e graças você não deu a ele? ”
E ele: “Minha filha, as delícias e as graças que derramei sobre Ela foram tantas e tantas que basta dizer-lhe que o que sou por natureza, nossa Mãe foi por graça; razão maior que, não havendo nela culpa, minha Graça foi capaz de dominá-la livremente, de modo que nada há de meu Ser que eu não tenha concedido a ela ”.
Naquele momento parecia-me ver a nossa Rainha e Mãe como se fosse outro Deus, com esta única diferença: que em Deus ela é a sua própria natureza, em Santa Maria é a graça obtida. Quem pode dizer meu espanto? Como minha mente se perdeu ao ver uma maravilha da graça tão prodigiosa? Então, dirigindo-me a Ele, eu disse: “Meu querido Bom, nossa Mãe alcançou tanto bem porque exibido intuitivamente. Gostaria de saber: como você se mostra, com visão abstrativa ou intuitiva? Quem sabe se vai ser abstrato! ”.
E ele: “Eu quero fazer você entender a diferença entre um e outro. No abstrativo a alma contempla a Deus, no intuitivo entra Nele e obtém as graças, ou seja, recebe em si a participação do Ser Divino. E quantas vezes você já participou do meu Ser? … ” ( 2,26-9- 1899)

4 – O Coração de Maria e o Coração de Jesus.
Esta manhã comunguei e, encontrando Jesus, a Mãe e a Rainha estiveram presentes e, que maravilha, olhei
para a Mãe e vi o Seu Coração transformado no Menino Jesus, olhei para o Filho e vi no Coração do Criança para
mãe … ( 3º, 1-6-1900)

5 – A aflição de Maria.
“Por enquanto, não cuide de Mim, mas cuide da minha mãe, por favor; Consolai-a, que está muito aflita com os castigos mais pesados que vou derramar sobre a terra ”. ( 4º,30-9-1900)

6 – O nascimento de Jesus.

Encontrando-me no meu estado normal, senti-me fora de mim e depois de andar por aí encontrei-me dentro de uma caverna e vi a Rainha Mamãe dando à luz o Menino Jesus. Que maravilha extraordinária! Pareceu-me que tanto a Mãe quanto o Filho haviam se transformado na mais pura luz, mas sob essa luz se distinguia muito bem a natureza humana de Jesus, que continha a Divindade em si mesma e servia de véu para cobri-la, para que rompesse o véu da natureza humana era Deus, e coberto por esse véu estava o homem; e essa foi a maravilha das maravilhas: Deus e homem, homem e Deus, que sem deixar o Pai e o Espírito Santo vem habitar conosco e assume a carne humana, visto que o amor verdadeiro nunca se separa. Então me pareceu que a Mãe e o Filho naquele bendito instante se espiritualizaram, e sem o menor obstáculo Jesus deixou o ventre, ambos transbordando em excesso de amor, ou seja, aqueles santíssimos corpos transformados em Luz, Sem o menor impedimento, Jesus Luz brotou de dentro da luz da Mãe, deixando Ele e Ela saudáveis e intactos, voltando depois ao estado natural. Mas quem pode dizer a beleza do Menino, que no momento em que nasceu ainda irradiava externamente os raios de sua Divindade? Quem pode dizer a beleza da Mãe, que estava toda absorta nesses raios divinos? Jesus Luz brotou de dentro da luz da Mãe, deixando Ele e Ela saudáveis e intactos, voltando mais tarde ao estado natural. Mas quem pode dizer a beleza do Menino, que no momento em que nasceu ainda irradiava externamente os raios de sua Divindade? Quem pode dizer a beleza da Mãe, que estava toda absorta nesses raios divinos? Jesus Luz brotou de dentro da luz da Mãe, deixando Ele e Ela saudáveis e intactos, voltando mais tarde ao estado natural.

Mas quem pode dizer a beleza do Menino, que no momento em que nasceu ainda irradiava externamente os raios de sua Divindade? Quem pode dizer a beleza da Mãe, que estava toda absorta nesses raios divinos?
E San José? Pareceu-me que ele não estava presente no nascimento, mas estava em outro canto da caverna, todo absorvido naquele Mistério profundo, e se não via com os olhos do corpo, via muito bem com os olhos da alma, porque estava arrebatado em êxtase sublime. ( 4º, 12-25-1900)

7 – O prodígio de viver com a Criança Divina.

Ele continuou a ver o Santo Menino e viu a Rainha Mãe de um lado e São José do outro, que adoravam profundamente o Menino divino. Estando totalmente atento a Ele, parecia-me que a presença contínua do Menino os tinha absorvido em êxtase contínuo, e se eles faziam algo era um prodígio que o Senhor realizava neles, caso contrário, teriam ficado imóveis, sem poder externamente cumprir seus deveres. ( 4º, 26/12/1900)

8 – O motivo da aflição de Maria.

Continuando o meu estado de privação, esta manhã parece que o vi um pouco, junto com a Rainha Mãe, e com
Jesus com a coroa de espinhos, tirei-o, sentindo pena dele; e enquanto ele fez, ele me disse: “Também tenho pena de minha Mãe, porque sendo o meu sofrimento a razão de sua dor, tendo pena dela, você tem pena de mim.” ( 4º, 4-5-1901)

9 – O segredo de Maria.

“Minha filha, venha comigo e você encontrará o caminho e Jesus; além disso, quero ensinar-lhe o segredo para poder estar sempre com Jesus e viver sempre contente e feliz, também neste mundo; Em outras palavras, fixe em si mesmo que só você e Jesus estão no mundo, e mais ninguém a quem você tem que agradar, agradar e amar, e que somente Dele você tem que esperar ser amado e lembrado em tudo. Com Jesus e você sendo assim, não fará mais diferença para você se você se encontrará cercado de desprezo ou louvor, por familiares ou estranhos, por amigos ou inimigos. Só Jesus será todo o seu conteúdo e Só ele bastará para tudo. Minha filha, enquanto tudo o que existe embaixo não desaparecer completamente para a alma, ela não encontrará um contentamento verdadeiro e perpétuo ”. ( 4º, 21/08/1901)

10 – The Stma. Trinidad e Maria.

(…) Eu vi diante de mim uma luz sem fim e entendi que a bem-aventurança habitava nessa luz. Trinidad, e ao mesmo tempo viu diante daquela Luz a Rainha Mãe, que foi toda absorvida pelo Stma. Trindade, e Ela absorveu em si as Três Pessoas Divinas, de tal forma que foi enriquecida com as três características próprias da Santíssima Trindade, ou seja, Poder, Sabedoria, Caridade; E assim como Deus ama a raça humana como seu nascimento e como uma partícula que saiu Dele, e deseja ardentemente que essa parte de Si mesmo volte para Ele, também a Rainha Mãe, participando nisso, ama a raça humana com amor. irreprimível. ( 4º, 1-26-1902)

11 – As dores de Maria tornaram-se graça e glória para todos.

Estando no meu estado normal, a Rainha Mãe veio e disse: “Minha filha, minha As dores, como dizem os profetas, eram um mar de dores, que no céu se tornaram um mar de glória; e cada dor minha produziu tantos tesouros de graça; E assim como na terra me enchem de estrela do mar, com certeza leva ao porto, assim no céu me chamam de estrela de luz para todos os bem-aventurados, para que sejam recriados por esta luz que me causou minhas dores ”. ( 4º, 2-24-1902)

12 – “O Senhor está convosco”.

“Meus amados, as palavras mais desejáveis e que mais consolam a minha Mãe, são as «Dominus Tecum», porque assim que o Arcanjo os pronunciou, ela sentiu que todo o Ser Divino lhe era comunicado e se sentiu cheia do Poder divino, de modo que o dela desapareceu diante do Poder divino, e minha Mãe ficou com o Poder divino em suas mãos ”. ( 4º, 10-1-1903)

13 – A adoração de Maria no encontro com Jesus na Via Dolorosa.

Continuando o meu estado habitual, por alguns momentos vi Jesus abençoado com a cruz sobre os ombros, no momento do encontro com a sua Mãe Santíssima, e disse-lhe: “Senhor, o que sua Mãe fez neste encontro tão doloroso?”
E ele: “Minha filha, ele só fez um ato de adoração muito profundo e simples, e como o ato, quanto mais simples, mais fácil é se unir a Deus, Espírito infinitamente simples, por isso mesmo, nesse ato ele se infundiu em Mim e continuou fazendo o que eu mesmo fiz dentro de mim; o que foi extremamente agradável para mim, mais do que se eu tivesse feito algo maior, porque o verdadeiro espírito de adoração consiste nisto: que a criatura se perca e se encontre no meio divino, e que adore tudo. o que Deus faz, unindo-se a Ele. Você acredita que é a verdadeira adoração que aquele que adora com a boca e com a mente está em outra coisa? Ou seja, a mente adora e a vontade está longe de mim? Ou aquele poder me adora e os outros estão completamente confusos? Não, eu quero tudo para mim e tudo que eu dei, em mim, ( 6º, 17/12/1903)

14 – As sete dores de Maria são sete canais de graça para todos.

Esta manhã encontrei-me fora de mim e, olhando para a abóbada do céu, vi sete sóis extremamente resplandecentes, cuja forma era diferente do sol que vemos; Eles começaram na forma de uma cruz e terminaram em uma ponta, e essa ponta estava dentro de um coração. No começo não parecia bom, porque a luz desses sóis era tão grande que não permitia ver quem estava lá dentro, mas quanto mais perto eu chegava, mais se distinguia que lá dentro estava a Rainha Mãe … Então, aproximando-se de mim, com toda a gentileza disse: “Minha filha, coragem no caminho para dor. Você vê esses sete sóis que saem de dentro do meu coração? São minhas sete dores, que me trouxeram tanta glória e esplendor. Estes sóis, fruto da minha dor, ferem continuamente como flechas o trono da Santíssima Trindade, que, sentindo-se ferido, continuamente Me envia sete canais de graça, dos quais Me torna senhor, e deles disponho para a glória de todos O céu, como um alívio para as almas do purgatório e a favor de todos os viajantes (os que ainda estão a caminho, os peregrinos) da terra ”. ( 6º, 21/12/1903)

15 – Na Paixão, Jesus deu tudo à sua Mãe e Maria deu tudo ao seu Filho.

“… No tempo da minha Paixão tive a minha querida Mãe e, ao mesmo tempo que a fazia participar de todas as minhas dores e de todos os meus bens, Ela, como criatura, esteve muito atenta em recolher em si tudo o que as criaturas teriam feito por Mim, um caminho que encontrei Nela toda a minha satisfação e todo o agradecimento, o agradecimento, o elogio, a reparação, a correspondência que teria que encontrar em todos os outros… ” ( 6º, 4-9-1905)

16 – Como podemos participar dos bens e méritos das sete dores de Maria.
Quem está sempre na ocasião, sobretudo, de ver que estou gravemente ofendido, desprezado, pisoteado, e tenta me reparar, ter pena de mim e pedir por quem me ofende, é como se nele eu encontrasse a minha própria mãe , que se eu pudesse me libertar de meus inimigos e participar de sua quarta dor. Aquele que crucifica seus sentidos por amor à minha crucificação e tenta copiar as virtudes de minha crucificação, participa da quinta. Aquele que está em um ato contínuo de adoração, beijando minhas feridas, consertando, me agradecendo, etc., em nome de toda a raça humana, é como se Me tivesse em seus braços, como minha Mãe me tinha quando eu não era reclamado. da cruz, e participe da sexta dor. Aquele que permanece em minha graça e corresponde a ela, sem dar espaço em seu próprio coração a ninguém além de mim, ( 6º, 17-9-1905)

17 – A única intenção de Maria no 16 – Como podemos participar dos bens e méritos das sete dores de Maria.
Quem está sempre na ocasião, sobretudo, de ver que estou gravemente ofendido, desprezado, pisoteado, e tenta me reparar, ter pena de mim e pedir por quem me ofende, é como se nele eu encontrasse a minha própria mãe , que se eu pudesse me libertar de meus inimigos e participar de sua quarta dor. Aquele que crucifica seus sentidos por amor à minha crucificação e tenta copiar as virtudes de minha crucificação, participa da quinta. Aquele que está em um ato contínuo de adoração, beijando minhas feridas, consertando, me agradecendo, etc., em nome de toda a raça humana, é como se Me tivesse em seus braços, como minha Mãe me tinha quando eu não era reclamado. da cruz, e participe da sexta dor. Aquele que permanece em minha graça e corresponde a ela, sem dar espaço em seu próprio coração a ninguém além de mim, ( 6º, 17-9-1905)

17 – A única intenção de Maria no dia da Paixão.
“Minha filha, minha Mãe saiu no dia da Minha Paixão só para poder encontrar e consolar seu Filho. Assim a alma que ama verdadeiramente, em tudo o que faz, sua intenção é apenas encontrar o seu Amado e aliviá-lo do peso da sua cruz … ” ( 8, 12-1907)

18 – Toda a vida e santidade de Maria surgiram da palavra “Fiat”.
Continuando meu estado normal, encontrei-me fora de mim, em um jardim, no qual vi a Rainha Mãe que estava em um trono muito alto. Eu queimei de vontade de ir até Ela para beijar sua mão, e enquanto eu tentava ir, Ela veio ao meu encontro e me deu um beijo no rosto. Quando olhei para ele, vi dentro dele como um globo de luz, e dentro dessa luz estava a palavra “Fiat”, da qual descendiam tantos mares diferentes e intermináveis de virtudes, obrigado, grandeza, glória, alegrias, beleza e tudo o que possui nossa Rainha e Mãe, de forma que tudo isso tem como raiz aquele “Fiat”, e do “Fiat” vêm todos os seus bens. Ó omnipotente, fecundo, santo “Fiat”, quem te pode compreender? Me sinto mudo; é tão grande que não consigo dizer nada; é por isso que faço tricô.
Então eu olhei para ela com espanto e ela me disse: “Minha filha, toda a minha santidade veio da palavra ‘Fiat’. Nem mesmo me movi para respirar, ou dar um passo, ou para uma ação, ou qualquer coisa, senão de dentro da
Vontade de Deus. Minha vida era a Vontade de Deus, minha comida, meu tudo, e isso produziu tanta santidade, riqueza, glória, honras, não humanas, mas divinas. Para que a alma, quanto mais se une ou se identifica com a Vontade de Deus, quanto mais se pode dizer que é santa, mais é amada por Deus; e quanto mais amada ela é, mais favorecida, porque sua vida nada mais é do que a repetição da Vontade de Deus; E ele não pode amá-la se for a mesma coisa que ela? Portanto, não é preciso olhar o quanto ou o pouco se faz, mas se Deus o quer, porque o Senhor olha mais para a pequena obra, se for segundo a sua Vontade, do que para a grande sem ela ”. ( 8º, 4-5-1908)

19 – Ele “Eu te amo” infinito entre Jesus e Maria.
Eu estava meditando quando a Rainha Mãe amamentava o menino Jesus. Ele me disse: “O que aconteceria naquele ato entre o Stma. Mãe e o pequeno Jesus? ” Naquele momento eu senti ele se mover
meu interior e isso me disse: “Minha filha, quando mamei o leite do peito da minha doce Mãe, junto com o leite suguei o amor do seu coração, e o que mamei foi mais amor do que leite; e sentindo que no ato de mamar me dizia: “Amo-te, amo-te, ó filho”, repetia-lhe: “Amo-te, te amo, ó mamãe”. E ele não estava sozinho nisso; dizendo “Eu te amo”, o Pai e o Espírito Santo, toda a Criação, os Anjos, os Santos, as estrelas, o sol, as gotas de água, as plantas, as flores, os grãos de areia, todas as coisas correram juntas com o meu “Amo-te” e repetiam: “Nós te amamos, te amamos, ó Mãe do nosso Deus, no amor do nosso Criador”. Minha Mãe viu tudo isso, foi inundada por aquele amor, não encontrou nem um pequeno espaço em que não sentisse que eu a amava; seu amor ficou para trás e quase sozinho, e repetiu: “Eu te amo, ( 8º, 27/12/1908)

20 – O amor consumiu Maria, deu-lhe a morte de Jesus e a ressuscitou para uma nova vida.

Eu pensava na Mãe do Céu, quando ela tinha o meu sempre amado Jesus morto nos braços, o que ela fazia e como cuidava dele. E uma luz, acompanhada por uma voz, dizia dentro de mim:
“Minha filha, o amor trabalhou poderosamente em minha Mãe, o amor a consumia intensamente em Mim, em minhas feridas, em meu sangue, em minha própria morte, e a fazia morrer em meu Amor, e em meu Amor, consumindo amor e tudo. o que minha Mãe foi, a fez ressuscitar com um novo amor, isto é, todo o meu Amor, de forma que o seu amor a fez morrer e o meu Amor a fez ressurgir para uma vida toda em Mim, de maior santidade e toda divina. Portanto, não há santidade se a alma não morrer em Mim, não há vida verdadeira se não estiver totalmente consumida no meu Amor ”. ( 10, 21-6-1911)

21 – A Paixão de Jesus encheu continuamente a alma de Maria

“Minha filha, minha querida mamãe nunca deixou de pensar na minha Paixão e, à força de repeti-la, preencheu-se
inteiramente Comigo. É o que acontece com a alma: à força de repetir o que sofri, ela se enche de Mim ”. ( 11, 24/03/1913)

22 – A união perfeita entre Jesus e Maria: Ela era o céu de Jesus.

Enquanto eu orava, pensava em quando Jesus se despediu de sua Mãe Santíssima para ir sofrer a Paixão, e pensei: “Como é possível que Jesus pudesse se separar de sua amada Mãe e Ela de Jesus?”
E o bendito Jesus me disse: “Minha filha, é claro que não poderia haver separação entre minha doce mamãe e eu. A separação era apenas aparente. Ela e eu estávamos fundidos, e essa fusão foi tão grande que fiquei com Ela e Ela veio comigo; de modo que se pode dizer que houve uma espécie de bilocação. Isso também acontece com as almas, quando estão verdadeiramente unidas a mim; e se quando estão orando fazem com que a oração entre em suas almas como vida, ocorre uma espécie de fusão ou bilocação: eu, onde quer que esteja, os carrego comigo e fico com eles.
Minha filha, você não pode entender bem o que minha querida mamãe foi para mim. Quando vim à terra, não poderia ficar sem o céu, e meu céu era minha mãe. Entre ela e eu circulava tamanha eletricidade que nem mesmo um pensamento teve minha mãe que não o tirou de minha mente; e que tirando de Mim a palavra, a vontade, o desejo, a ação e o passo, ou seja, tudo, formado naquele Céu o Sol, as estrelas, a lua e todas as alegrias possíveis que a criatura pode Me dar e que ela ele pode se divertir. Oh, como me agradou naquele céu! Oh, como me senti reparado e compensado por tudo! Até os beijos que minha mãe Me deu continham o beijo de toda a humanidade e retribuíam o beijo de todas as criaturas. Em tudo senti minha doce mamãe. Eu senti na minha respiração, e se estava ocupado, eu o acalmei. Eu senti isso no meu coração e se eu estivesse amargo, Eu adociquei. Sentia a cada passo e se estava cansado me dava vigor e descanso … E quem te pode dizer como o senti na Paixão?

Em cada golpe do flagelo, em cada espinho, em cada ferida, em cada gota do meu Sangue, em tudo o que senti e fiz de Mim o ofício de uma verdadeira Mãe … Ah, se as almas Me correspondessem, se levassem tudo de mim, quantos céus e quantas mães eu teria na terra! ” ( 11, 9-5-1913)

23 – Maria queria tornar suas todas as dores de Jesus.

“… E quando penso no que sofreu minha querida mamãe, que quis fazer dela todas as minhas dores para sofrê-las em meu lugar, como você tentou imitá-la, implorando-me para poder sofrer as dores que as criaturas Me causam, fico repetindo: Minha mamãe! , Minha mãe! … “( 11, 25/10/1915)

24 – Por que nossa mãe chora.
… Eu tinha visto minha Mãe Celestial chorar, e perguntei a ela: “Mãe, por que você está chorando?”
me disse: “Minha filha, como não chorar, se o fogo da Justiça divina quis destruir tudo? O fogo da culpa devora todo o bem das almas e o fogo da Justiça quer destruir tudo o que pertence às criaturas; e vendo que o fogo corre, eu choro. Então ore orar ”. ( 12, 18-9-1917)

25 – A dor de nossa Mãe pelo que seus filhos sofrem.
… Depois, à noite, Jesus e a Rainha e a Mãe voltaram, chamando-me pelo nome, como se quisessem que eu prestasse atenção. Como foi lindo ver como a Mãe e Jesus conversaram! Minha mãe
Celestial disse: “Meu filho, o que está fazendo? É muito que você deseja fazer. Tenho meus direitos de mãe e me dói que meus filhos sofram tanto. Você quer abrir o céu para chover castigos, destruindo as criaturas e os alimentos que os servem de alimento, e quer inundá-los doenças contagiosas: o que farão? Você diz que ama esta minha filha:
Quanto você vai sofrer se fizer isso? Para não irritá-la, você não o fará.
E eu o puxava para mim, mas Jesus respondeu decididamente: “Não posso; muitos males eu os evito por
executar. ” E eles ficavam dizendo tantas outras coisas um para o outro, mas eu não entendia tudo. Tenho estado assustado, mas espero que Jesus apazigue. (12º, 28/05/1918) ela, mas não todos. Minha mãe, deixe o furacão dos males passar.

26 – Todas as imensas dores do Coração de Jesus, Ele os sente no Coração de sua Mãe.

“Minha filha, entre as tantas feridas que tem o meu Coração, há três que Me dão dores mortais e uma dor tão amarga que ultrapassa todas as outras feridas juntas, e são as dores das almas que Me amam. Quando vejo uma alma que é toda minha e que sofre por minha causa, torturada, violada, disposta a sofrer até a morte mais dolorosa por Mim, sinto suas tristezas como se fossem minhas e talvez até mais. Ah, o amor sabe abrir as lágrimas mais profundas, tanto que não deixa outras dores serem sentidas. Nesta primeira ferida, a primeira que é minha querida Mãe. Oh, como seu coração transbordou em meu Coração, perfurado por minhas tristezas, e eu senti todas as feridas que o perfuraram. E vê-la morrer sem morrer, por causa da minha morte, Senti no meu Coração a
amargura e a intensidade do seu martírio e senti as dores da minha morte que o Coração da minha querida Mãe sentiu, e o meu Coração morreu com Ela. Então todas as minhas tristezas, junto com as tristezas de minha mãe, superaram tudo. Era justo que minha Mãe Celestial ocupasse o primeiro lugar no meu Coração, tanto na dor como no amor, porque cada dor sofrida por meu amor abria mares de graças e de amor, que se derramavam em seu Coração trespassado. Nessa ferida estão todas as almas que sofrem por mim e só por amor … ”( que se derramou em seu Coração perfurado. Nessa ferida estão todas as almas que sofrem por mim e só por amor … ”( que se derramou em seu Coração perfurado. Nessa ferida estão todas as almas que sofrem por mim e só por amor … ”( 12,27-1-1919)

27 – A paixão redentora mais amarga de Jesus começou desde o ventre de sua Mãe, que a compartilhou.

“Você vê, minha filha, com que excesso de amor amei a criança. Minha Divindade teve ciúme de confiar à criatura a tarefa da Redenção, fazendo-me sofrer a Paixão. A criatura era impotente para me fazer morrer tantas vezes quanto as criaturas saíram e tiveram que sair para a luz da criação, e por quantos pecados mortais elas teriam o infortúnio de cometer. A Divindade queria vida para cada vida de uma criatura e vida para cada morte ocorrida com o pecado mortal. Quem poderia ter tanto poder sobre mim, para me dar tantas mortes, senão a minha divindade? Quem teria a força, o amor, a constância de me ver morrer tantas vezes, senão a minha Divindade? A criatura teria se cansado e desmaiado.

E não pensem que esta obra da minha Divindade começou tarde, mas eu mal fui concebida, desde o ventre de minha Mãe, que muitas vezes percebeu minhas dores, foi martirizada e sentiu a morte comigo. Portanto, desde o ventre, minha Divindade se encarregou de ser o carrasco amoroso, mas justamente por ser amoroso foi mais exigente e inflexível, tanto que minha Humanidade gemendo foi perdoada nem um espinho, nem um prego, mas não como o espinhos, pregos ou flagelos que sofri na paixão que as criaturas me deram, que não se multiplicaram: tantos ficaram como me deram. Pelo contrário, aqueles de minha Divindade se multiplicaram em cada ofensa; Então eram tantos espinhos quantos são os pensamentos ruins, tantos pregos para quantos são os atos indignos, tantos golpes quantos são os prazeres, tantas penalidades quanto é a variedade de ofensas. Por isso eram mares de dores, espinhos, pregos e golpes incontáveis.

Antes da Paixão que a Divindade Me deu, aquela que as criaturas Me deram nos últimos dias não passava de uma sombra, uma imagem do que minha Divindade Me fez sofrer no decorrer da minha vida. É por isso que amo tanto as almas, são vidas que Me custam, são dores inconcebíveis para uma mente criada. Então, entre na minha Divindade e vá tocar com a mão o que sofri ”.
( 12, 4-2-1919)
28 – Jesus e Maria formam uma única coisa, um único elo: Maria tem o primado no Amor.

Eu estava dizendo ao meu doce Jesus: “É possível que eu seja o segundo elo em união com a sua Humanidade? Há almas tão amadas por Ti que não mereço estar sob seus pés; E então há sua mãe inseparável, que ocupa o primeiro lugar em tudo e todos. Parece-me, meu doce Amor, que queres brincar comigo, mas a obediência obriga-me, com a mais crua amargura da minha alma, a pôr isso por escrito. Meu Jesus, tem piedade do meu duro martírio! ”
Enquanto dizia isso, meu doce Jesus, acariciando-me, disse-me: “Minha filha, por que você angústia? Não tenho por acaso o hábito de escolher do pó fazer grandes maravilhas, prodígios da graça? Toda a honra é minha,
e quanto mais fraco e menor que eu escolher, mais sou glorificado. E então, minha Mama não está na parte secundária de meu Amor, de minha Vontade, mas forma um único vínculo comigo. Também é verdade que tenho almas muito queridas, mas isso não significa que posso escolher uma em vez de outra para uma altura de cargo, e não só de ofício, mas para uma altura de salinidade, como é conveniente viver em minha vontade … ”( 12, 9-2-1919)

29 – Quantas vezes Maria compartilhou todas as dores e mortes de Jesus em seu ventre.

“… É por isso que foi necessária uma força e uma vontade divinas, para me dar tantas mortes e tantas tristezas, uma força e uma vontade divinas para me fazer sofrer. E já que em minha Vontade todas as almas e todas as coisas estão em ação, não de forma abstrata ou com uma única intenção, como alguém pode pensar, mas na realidade eu as tinha todas em Mim, e incorporadas a mim elas formaram minha própria vida Na verdade, ele morreu por cada um e sofreu as dores de todos. É verdade que houve um milagre de minha Onipotência, o prodígio de minha imensa Vontade. Sem minha Vontade, minha Humanidade não teria sido capaz de encontrar ou abraçar todas as almas, nem eu poderia ter morrido tantas vezes. Por isso, minha pequena Humanidade, desde que foi concebida, começou a sofrer sucessivamente as dores e as mortes, e todas as almas nadaram em Mim, como num vasto mar, e eles eram como membros de meus membros, sangue de meu sangue e coração de meu Coração.
Quantas vezes minha Mamãe, ocupando o primeiro lugar na minha Humanidade, sentiu minhas dores e minhas mortes e morreu junto comigo! Como foi doce para mim encontrar o meu eco no amor de minha mãe! São mistérios profundos, onde a inteligência humana, não entendendo bem, parece estar perdida ”. ( 12º, 18/03/1919)

30 – Todas as dores mortais de Jesus e Maria, Dele Nela e Dela Nele, por nosso amor.

“… Ah, minha filha, sinto seu estado doloroso em meu Coração. Lamento repetir a corrente de dor que existia entre minha mãe e eu. Ela foi crucificada pelas minhas dores, eu fui crucificado pelas suas; Mas qual foi o motivo de tudo isso? O amor das almas. Por amor a eles, minha amada Mãe tolerou todas as minhas dores e até a minha morte, e eu, por amor às almas, tolerou todas as suas dores, mesmo privando-os de mim. Oh, quanto custou ao meu amor e ao amor materno dela ter de privar de Mim minha inseparável Mama! Mas o amor pelas almas triunfou sobre tudo…” ( 12, 15-4-1920)

31 – A bênção recíproca que Jesus e Maria deram um ao outro para iniciar a Paixão, como uma nova Criação.
Eu estava pensando, quando meu doce Jesus, para iniciar sua dolorosa paixão, quis ir pedir a sua Mãe a
bênção, e o bendito Jesus me disse:
“Minha filha, quantas coisas este mistério diz! Queria ir pedir a minha querida Mãe a sua bênção, para dar-lhe a oportunidade de a pedir também. Houve muitas dores que ela teve de suportar e era justo que minha bênção a fortalecesse. Normalmente pergunto quando quero dar. E minha mãe me entendeu na hora, tanto que ela não me abençoou, mas quando ela pediu minha bênção, e depois de ter sido abençoada por mim, ela me abençoou. Mas tem mais. Para criar o Universo disse ‘Fiat’ e só com ‘Fiat’ pus ordem e embelezei o céu e a terra. Ao criar o homem, minha respiração onipotente infundiu vida nele. No início da minha Paixão, com a minha palavra onipotente e criativa quis abençoar a minha Mãe, mas não só a abençoei; Nela eu vi todas as criaturas. Era Ela quem tinha o primado sobre tudo e Nela abençoava a cada um, sim, abençoava cada pensamento, palavra, ação, etc., abençoava tudo que deveria servir à criatura. Como quando meu onipotente ‘Fiat’ criou o sol, e este sol, sem  diminuir sua luz e calor, sempre continua seu curso para cada um dos mortais, assim, minha palavra criadora, bênção, permaneceu no ato de abençoar sempre, sempre, nunca deixando de abençoar, pois o sol nunca deixará de dar sua luz a todas as criaturas.

Mas isso não é tudo. Com minha bênção, eu queria renovar tudo o que é valioso na Criação, queria chamar meu Pai Celestial para abençoar, para comunicar o Poder à criatura; Queria abençoá-la em meu nome e do Espírito Santo, comunicar-lhe Sabedoria e Amor, e assim renovar a memória, a inteligência e a vontade da criatura, restaurando a soberania sobre todos. Você deve saber, porém, que quando eu dou eu quero, e minha querida Mãe entendeu e imediatamente me abençoou, não só por Ela, mas em nome de todos.
Oh, se todos pudessem ver esta minha bênção, a sentiriam na água que bebem, no fogo que os aquece, na comida que  comem, na dor que os aflige, nos gemidos da oração, no remorso da oração. culpa, no abandono das criaturas …, em tudo sentiriam a minha palavra criadora que lhes diz (mas infelizmente não a ouvem): «Abençoo-vos em nome do Pai, em meu, como Filho e no Espírito Santo ; Abençoo-te para te ajudar, te bendigo para te defender, para te perdoar, para te consolar, te bendigo para te santificar ». E a criatura ecoaria minhas bênçãos, abençoando-me em tudo. São estes os efeitos da minha bênção, pela qual a minha Igreja, ensinada por Mim, Me faz eco, e em quase todas as ocasiões, ao administrar os Sacramentos e outros, dá a sua bênção ”. ( 12, 28-11-1920)

32 – De todos os dons e graças que Deus deu a Maria obrigado a todos descer.
«Meu doce Jesus, enquanto te abraço, quero manifestar-te o meu amor, a minha gratidão e tudo o que a criatura
tem o dever de te dar por teres criado a nossa Rainha e Mãe Imaculada, a mais bela, a santíssima, portento de Graça, enriquecendo-a com todos os dons e fazendo-a também nossa Mãe, e faço isso em nome das criaturas do passado, do presente e do futuro. Quero pegar cada ato das criaturas, cada pensamento, palavra, pulsação, passo, e dizer a você em cada um deles: Eu te amo, te abençoo, te adoro, te agradeço, por tudo que você fez ao Celestial Mãe, sua e minha ”.
Jesus aceitou meu ato com tanto prazer que me disse: “Minha filha, eu estava esperando ansiosamente fazendo este seu ato em nome de todas as gerações. Minha Justiça e meu Amor sentiram a necessidade deste ato de correspondência, porque há grandes graças que caem sobre todos por terem enriquecido tanto a minha Mãe, e ainda assim nunca têm uma palavra, um ‘obrigado’ para me dizer ”. ( 12, 18/12/1920)

33 – Tarefa maternal de Maria em nós: não é necessário que a entendamos, basta que confiemos nela.
Encontrando-me em meu estado normal, encontrei-me fora de mim junto com Jesus. Eu ia muito longe e às
vezes caminhava com Jesus, outras vezes com a rainha-mãe. Se Jesus me desaparecesse, eu encontraria a mãe, e se ela me desaparecesse, eu encontraria Jesus. Muitas coisas me foram ditas ao longo do caminho. Jesus e mamãe eram muito amigos, com uma doçura adorável. Esqueci tudo, minha amargura e até sua própria privação; Já pensei nisso Eu não iria perdê-los novamente. Oh, quão facilmente o mal é esquecido antes do bem! No final da estrada, a Mãe Celestial me tomou nos braços – eu era muito pequena – e me disse: “Minha filha, quero te corroborar em tudo”, e parecia que com sua mão sagrada ele estava assinando minha testa, como se estivesse escrevendo, e me selando; depois, como se escrevesse nos olhos, na boca, no coração, nas mãos e nos pés, e depois os selei. Eu queria ver o que Ela escreveu em mim, mas não sabia como ler aquela escrita. Só na boca vi duas letras, que diziam ‘destruição de todos os gostos’, e então eu disse: “Obrigado, oh mãe, que você tire
todo o gosto que não é de Jesus.” Eu queria entender mais, mas a mamãe conseguiu abençoado e desapareceu, e eu me encontrei. (12º, 25/12/1920) dizendo: “Você não precisa saber; tenha confiança em mim. Eu fiz o que era necessário para você ”.

34 – Efeitos prodigiosos de “Fiat” Divino pronunciado por Maria.

“O primeiro ‘sim’ no meu ‘Fiat’ pedi à minha querida Mãe e, ó poder do seu ‘Fiat’ na minha Vontade, assim que o Divino ‘Fiat’ encontrou o ‘Fiat’ da minha Mãe tornaram-se um sozinho. Meu ‘Fiat’ o ergueu, divinizou-o, cobriu-o com sua sombra e eles são obra humana. Ele me concebeu, Filho de Deus. Só no meu ‘Fiat’ eu poderia me conceber. Meu ‘Fiat’ comunicou a imensidão, o infinito, a fecundidade de uma forma divina e por isso o Imenso, o Eterno, o Infinito podiam ser concebidos Nela. Assim que ele disse ‘Fiat mihi’, “faça-se em mim”, ele não apenas Me assumiu, mas ao mesmo tempo cobriu todas as criaturas, todas as coisas criadas; Ela sentiu em si todas as vidas das criaturas e a partir daí começou a fazer de todas elas Mãe e Rainha. Quantos presságios contém este ‘sim’ de minha Mãe! Se eu contasse a você todos eles, você nunca iria terminar de ouvi-los. Agora, por um segundo ‘sim’ em meu testamento, eu perguntei a você, e você, embora tremendo, pronunciou-o. Este ‘sim’ em minha vontade
terá suas maravilhas, terá uma realização divina. Você me segue e se afunda cada vez mais no imenso mar da minha Vontade, e eu cuidarei de tudo. Minha Mãe não pensou em como eu teria me encarnado Nela, mas apenas disse ‘Fiat mihi’, e eu cuidei da maneira de me encarnar. Você também vai ”. ( 12º, 01/10/1921)

35 – A Encarnação e a Redenção foram frutos de “Fiat mihi” de Maria.

“Minha filha, o ‘Fiat’ é tudo, é cheio de vida, ainda mais, é a mesma vida, e é por isso que do ‘Fiat’ vem tudo e todas as vidas.
A criação veio do meu ‘Fiat’: é por isso que em cada coisa criada se vê o traço do ‘Fiat’. Do ‘Fiat mihi’ de minha amada Mãe, dito em meu Testamento, que tinha o mesmo poder de meu ‘Fiat’ Criador, veio a Redenção; para que não haja nada da Redenção que não tenha a marca do ‘Fiat mihi’ de minha Mãe. Mesmo minha própria  humanidade, meus passos, minhas obras, minhas palavras, foram selados com o ‘Fiat mihi’ dela. Nas minhas dores, nas minhas feridas, nos espinhos, na cruz, no meu sangue, o seu ‘Fiat mihi’ deixou a sua marca, porque as coisas têm a marca que indica a origem de onde vieram. Minha origem no tempo foi o ‘Fiat mihi’ de minha Mãe Imaculada; por isso, tudo o que fiz tem a assinatura do seu ‘Fiat mihi’. Portanto, em cada Hóstia sacramental
há seu ‘Fiat mihi’; se o homem surge da sua culpa, se o recém-nascido é batizado, se o céu se abre para receber as almas, é o ‘Fiat mihi’ de minha Mãe que assina, precede e segue tudo. Ó potência do ‘Fiat’, a cada momento ele surge, se multiplica e dá vida a todos os bens!
Agora quero dizer-lhe porque lhe pedi o seu ‘Fiat’, o seu ‘sim’ no meu testamento. Minha oração ensinada, o ‘Fiat Voluntas tua sicut em Cœlo et in terra’, esta oração de tantos séculos, de tantas gerações, desejo que ela tenha a sua realidade e cumprimento. Por isso queria outro ‘sim’ em meu testamento, outro ‘Fiat’ que tivesse força criadora; Eu quero o ‘Fiat’ que surge a cada momento, que se multiplica por todos, eu quero uma alma que em mim ‘Fiat’ sobe ao meu trono e com sua força criadora traz a vida do ‘Fiat’ à terra, assim no terra como no céu ”.

Eu, surpreso e chocado ao ouvir isso, disse: “Jesus, o que você está dizendo? Você já sabe o quão ruim eu sou e o quão incapaz de tudo ”.
E ele: “Minha filha, tenho o hábito de escolher as almas mais desprezíveis, pobres e incapazes para minhas maiores obras.
Minha própria mãe não tinha nada de extraordinário por fora, nenhum milagre, nenhum sinal de que ela se distinguisse das outras mulheres. Sua única marca registrada era a virtude perfeita, à qual quase ninguém prestava atenção. E se eu dei aos outros santos a insígnia dos milagres ou os premiei com minhas feridas, para minha Mãe nada, nada; e ainda assim Ela era o presságio de portentos, o milagre dos milagres, a verdadeira e perfeita Crucificada, e nenhuma outra semelhante a Ela … ”( 12º,17-1-1921)

36 – Os três “Fiat”. Dos efeitos do segundo “Fiat” dito por ela, apenas Maria era um espectador.

“Minha filha, o primeiro ‘Fiat’ foi pronunciado na Criação, sem nenhuma criatura intervir. O segundo ‘Fiat’ foi falado na Redenção; Queria que um filho interviesse e escolhi minha mãe para cumprir o segundo ‘Fiat’. Agora, para que tudo seja realizado, quero dizer o terceiro ‘Fiat’, e quero dizê-lo através de você. Eu escolhi você para cumprir o terceiro ‘Fiat’. Este ‘Fiat’ completará a glória e honra do ‘Fiat’ da Criação e será a confirmação e o desenvolvimento de todos, do ‘Fiat’ da Redenção. Estes três ‘Fiat’ irão representar a Sagrada Trindade na terra e eu terei o ‘Fiat Voluntas tua’, tanto na terra como no céu. Esses três ‘Fiat’ serão inseparáveis; um será a vida do outro, serão um e três, mas diferentes um do outro. Meu amor quer, minha glória exige isso, tendo feito os dois primeiros ‘Fiat’ saírem do seio do meu poder criativo, o terceiro ‘Fiat’ também sai, meu amor não podendo mais contê-lo, e isso para completar a obra que saiu de Mim; caso contrário, a obra de Criação e Redenção permaneceria incompleta.

Ouvindo isso, me senti não só confuso, mas também chateado, e disse a mim mesmo: Mas tudo isso é possível?
Há muitos! E se isso é verdade, que ele me escolheu, parece-me que é uma das loucuras habituais de Jesus. E então o que eu poderia fazer ou dizer, de uma cama, meio aleijado e incapaz como estou? Eu poderia enfrentar a
multiplicidade e infinitude do “Fiat” de Criação e Redenção? Como o meu “Fiat” é parecido com os outros dois “Fiat”, tenho que correr com eles, multiplicar com eles, fazer o bem que eles fazem, me entrelaçar com eles. Jesus, pense no que você faz! Não sou capaz de tanto ”.

Mas quem pode dizer todas as bobagens que ele disse? Nisso, meu doce Jesus voltou e
dizendo: “Minha filha, calma, eu escolho quem eu quiser. Enfim, você tem que saber que todos os meus trabalhos são iniciados por uma única criatura e eu e depois se espalham. Na verdade, quem foi o primeiro espectador do ‘Fiat’ da minha Criação? Adão e Eva certamente não eram uma multidão. Depois de anos e anos, multidões e pessoas eram espectadores. E no segundo ‘Fiat’ apenas minha mãe era a única espectadora; nem São José sabia de nada e minha mãe estava na mesma situação e ainda mais. A grandeza da força criadora do meu trabalho que senti nela foi tão grande que, confusa, não senti força para dizer uma palavra a ninguém; e se mais tarde São José descobriu, foi porque eu contei a ele. Então, em seu útero virginal, esse ‘Fiat’ germinou como uma semente, a espiga foi formada para multiplicá-lo e, finalmente, saiu à luz do dia. Mas quem eram os espectadores? Muito
pouco; na casinha de Nazaré os únicos espectadores eram minha querida mamãe e São José. Quando mais tarde minha Humanidade cresceu, eu saí e me dei a conhecer, mas não para todos; então ele se espalhou ainda mais e continuará a se espalhar.
Esse será o caso do terceiro ‘Fiat’: em você ele germinará, a orelha se formará; só o sacerdote saberá, então poucas almas e depois se espalhará, se espalhará e seguirá o mesmo caminho da Criação e da Redenção. Quanto mais você se sente esmagado, mais o pico do terceiro ‘Fiat’ cresce em você e se fertiliza. Portanto, esteja atento e fiel ”. ( 12, 24 de janeiro de 1921)

37 – Os tres “Fiat”. Do “Fiat” de Maria fluem infinitos atos de graça, como uma nova criação.

“Minha filha, é claro, em meu testamento está a força criativa. De um único ‘Fiat’ meu surgiram bilhões e milhões de estrelas; Do ‘Fiat mihi’ de minha Mãe, que deu origem à minha Redenção, saem bilhões e milhões de atos de Graça, que são comunicados às almas. Esses atos de Graça são mais belos, mais resplandecentes, mais multiformes que as estrelas, e enquanto as estrelas são fixas e não se multiplicam, os atos de Graça se multiplicam infinitamente, a cada momento que correm, fazem as criaturas felizes, dão-lhes felicidade, força e vida. Ah, se as criaturas pudessem ver na ordem sobrenatural da Graça, sentiriam tais harmonias, veriam um espetáculo tão encantador, que acreditariam que este era o seu Paraíso.
Agora, o terceiro ‘Fiat’ também deve correr junto com os outros dois ‘Fiat’, deve se multiplicar infinitamente e a cada
momento deve produzir tantos atos quanto são os atos da Graça que brotam de meu seio, quantas são as estrelas, quantas são as gotas de água e quantas são as coisas criadas que o ‘Fiat’ da Criação fez; ele tem que se confundir com eles e dizer: Quantos atos você é, tantos quanto eu. Esses três ‘Fiat’ têm o mesmo valor e a mesma potência. Você desaparece; É o ‘Fiat’ que funciona e, por isso, também você no meu onipotente ‘Fiat’ pode dizer: quero criar tanto amor, tantas adorações, tantas Bênçãos, quanta glória ao meu Deus, poder suprir para todos e em tudo. Seus atos encherão o Céu e a terra, se multiplicarão com os atos de Criação e Redenção e com eles formarão um só. Tudo isso parecerá surpreendente e incrível para alguns, mas então eles teriam que questionar meu poder criativo; e então, quando sou eu que quero, aquele que dá esse poder, toda dúvida cessa. Não sou livre para fazer o que quero e dar a quem quero? Esteja atento. Eu estarei com você, eu irei cobrir você com minha força criativa e farei o que eu quero de você ”. ( 12, 2-2-1921)

38 – O amor de Maria supera o de todas as criaturas juntas, pois ela fez a Palavra encarnar Nela.

“Minha filha, minha mamãe, com seu amor, com suas orações e com sua aniquilação me chamou, fazendo-me vir do céu à terra, para me encarnar em seu ventre.
Você, com seu amor e sempre se perdendo em minha Vontade, chamará minha Vontade de fazer vida em você na terra e então Me dará vida em outras criaturas. No entanto, deves saber que, tendo-me chamado minha Mãe do Céu à terra, ao seu seio, ela fez um ato único que nunca mais se repetirá, e eu a enriqueci de todas as graças, dotei-a de tanto amor que ultrapassa o amor de todas as outras criaturas juntas, eu a fiz ser a primeira em privilégios, em glória, em tudo. Poderia dizer que o Eterno se reduziu a um único ponto e se derramou inteiramente Nela em torrentes, em imensos mares, tanto que todos ficam abaixo Dela. Você, ao chamar minha vontade para vir até você, você também faz um ato único; Portanto, pelo decoro da minha Vontade que deve residir em ti, tenho que derramar sobre ti tanta graça, tanto amor, que te faça superar todas as criaturas. E como minha Vontade tem supremacia sobre tudo e é eterna, imensa, infinita, para a criatura em que a vida de minha Vontade deve ter início e realização, devo comunicá-la, dotá-la, enriquecê-la com as mesmas qualidades de minha Vontade, dando-a supremacia sobre tudo.

Minha Vontade Eterna pegará o passado, o presente e o futuro, os reduzirá a um único ponto e o derramará sobre você. Minha Vontade é eterna e quer ter vida onde encontra o eterno, é imensa e quer vida na imensidão, é infinita e quer encontrar o infinito: como posso encontrar tudo isso, se não o coloco primeiro em você? ” ( Tenho que derramar em você tanta graça, tanto amor, que te faça superar todas as criaturas. E como minha Vontade tem supremacia sobre tudo e é eterna, imensa, infinita, para a criatura em que a vida de minha Vontade deve ter início e realização, devo comunicá-la, dotá-la, enriquecê-la com as mesmas qualidades de minha Vontade, dando-a supremacia sobre tudo. Minha Vontade Eterna pegará o passado, o presente e o futuro, os reduzirá a um único ponto e o derramará sobre você. Minha Vontade é eterna e quer ter vida onde encontra o eterno, é imensa e quer vida na imensidão, é infinita e quer encontrar o infinito: como posso encontrar tudo isso, se não o coloco primeiro em você? ” ( Tenho que derramar em você tanta graça, tanto amor, que te faça superar todas as criaturas. E como minha Vontade tem supremacia sobre tudo e é eterna, imensa, infinita, para a criatura em que a vida de minha Vontade deve ter início e realização, devo comunicá-la, dotá-la, enriquecê-la com as mesmas qualidades de minha Vontade, dando-a supremacia sobre tudo. Minha Vontade Eterna pegará o passado, o presente e o futuro, os reduzirá a um único ponto e o derramará sobre você. Minha Vontade é eterna e quer ter vida onde encontra o eterno, é imensa e quer vida na imensidão, é infinita e quer encontrar o infinito: como posso encontrar tudo isso, se não o coloco primeiro em você? ” ( imensa, infinita, à criatura na qual a vida da minha Vontade deve ter início e realização, devo comunicá-la, dotá-la, enriquecê-la com as mesmas qualidades da minha Vontade, dando-lhe a supremacia sobre todas. Minha Vontade Eterna pegará o passado, o presente e o futuro, os reduzirá a um único ponto e o derramará sobre você. Minha Vontade é eterna e quer ter vida onde encontra o eterno, é imensa e quer vida na imensidão, é infinita e quer encontrar o infinito: como posso encontrar tudo isso, se não o coloco primeiro em você? ”
( Isso os reduzirá a um único ponto e derramará sobre você. Minha Vontade é eterna e quer ter vida onde encontra o eterno, é imensa e quer vida na imensidão, é infinita e quer encontrar o infinito: como posso encontrar tudo isso, se não o coloco primeiro em você? ” ( Isso os reduzirá a um único ponto e derramará sobre você. Minha Vontade é eterna e quer ter vida onde encontra o eterno, é imensa e quer vida na imensidão, é infinita e quer encontrar o infinito: como posso encontrar tudo isso, se não o coloco primeiro em você? ” ( 12, 3-8-1921)

39 – Prerrogativas únicas de Maria, para poder encarnar Nela o Verbo.

“… Minha Vontade nunca poderia ter descido de uma forma singular e incomum a uma alma, se não tivesse suas
prerrogativas únicas; nem eu poderia, o Verbo Eterno, ter descido à minha amada Mãe, se ela não tivesse suas prerrogativas singulares e o sopro divino não tivesse soprado nela como para uma nova Criação, tornando-a admirável entre todos e superior a todas as coisas criadas … ” ( 13, 27/10/1921)

40 – Os dois suportes de Jesus morrendo no Getsêmani. Maria, depositária da misericórdia.

Eu estava fazendo companhia ao meu moribundo Jesus no Jardim do Getsêmani e, na medida do possível, tive pena Dele,segurei-O com força contra o meu coração, tentando secar seu suor mortal.
E o meu amado Jesus, com uma voz abafada e moribunda, disse-me:
“Minha filha, dura e dolorosa foi a minha agonia no Jardim, talvez mais dolorosa que a da cruz, porque se isso foi o
cumprimento e o triunfo de tudo, aqui no Jardim foi o começo, e os males são mais sentidos no início do que no final. Nessa agonia, a dor mais terrível foi quando todos os pecados foram apresentados a Mim, um por um. Minha Humanidade entendeu toda a sua enormidade e cada crime foi gravado com ‘morte a um Deus’, armado com uma espada para me matar. Antes da Divindade, a culpa parecia tão horrível para mim, mais horrível do que a própria morte, que só por entender o que significava o pecado, eu sentia vontade de morrer e realmente morrer. Gritei com o Pai e foi inexorável; não havia ninguém, a menos que ele me ajudasse para que ele não morresse. Gritei para todas as criaturas terem misericórdia de Mim, mas foi em vão; Você sabe quem impediu a execução e apoiou minha Humanidade para que ela não morresse? A primeira foi minha mãe inseparável. Ela, ao me ouvir pedir ajuda, voou para o meu lado e me segurou, e eu descansei meu braço direito sobre ela. Eu a vi quase morrendo e nela encontrei a imensidão de toda a minha Vontade, sem nunca ter havido uma ruptura entre a minha e a dela.
Minha Vontade é Vida e, a Vontade do Pai sendo imóvel e a morte vindo a mim da parte das criaturas, outra Criatura que continha a Vida de minha Vontade me deu Vida. Portanto, minha Mãe, que na maravilha da minha Vontade me concebeu e me fez nascer no tempo, agora me dá vida pela segunda vez, para me fazer cumprir a obra da Redenção.

Então olhei para a minha esquerda e encontrei a pequena Filha da Minha Vontade; Te encontrei como a primeira, seguida pelas outras filhas do meu testamento; E assim como amei a minha Mãe comigo como primeiro elo de Misericórdia, através da qual tivemos que abrir as portas a todas as criaturas e em quem quis apoiar o meu direito, também te amei como primeiro elo de Justiça, para impedi-lo de descarregar sobre todas as criaturas, como elas merecem; é por isso que eu queria apoiar minha esquerda, para que você pudesse segurá-la comigo. Com estes dois apoios, senti-me voltar à vida e, como se nada tivesse sofrido, com um passo firme fui ao encontro dos meus inimigos. E em todas as dores que sofri na minha Paixão, muitas delas capazes de me dar a morte, esses dois apoios nunca Me deixaram; e quando eles me viram prestes a morrer, Oh, os prodígios da minha Vontade! Quem pode numerá-los e calcular seu valor? É por isso que amo tanto quem vive na minha Vontade, reconheço nele o meu retrato, as minhas feições nobres, sinto o meu próprio hálito, a minha voz, e se não o amasse me decepcionaria; seria como um pai sem descendência, sem o nobre namoro de sua corte e sem a coroa de seus filhos.
E se eu não tivesse a descendência, a corte, a coroa, como poderia dizer que sou Rei? Meu Reino é feito por aqueles que vivem em minha vontade. Deste Reino eu escolho a Mãe, a Rainha, os filhos, os ministros, o exército, o povo; Eu sou tudo para eles e eles são tudo para mim ”. ( 13, 19-11-1921)

41 – Maria salvou, só Ela, todos os frutos e a glória da Redenção.

“… Mas minha Vontade e meu Amor não querem ficar sozinhos em minhas obras; Querem fazer outras imagens
semelhantes a Mim, e à minha Humanidade tendo salvado o propósito da Criação, por causa da ingratidão do homem vi o fim da Redenção em perigo e quase inútil para muitos. Portanto, para fazer com que a Redenção Me dê glória completa e todos os direitos que Me são devidos, tirei da família humana outra criatura, que foi minha Mãe, cópia fiel de minha Vida, em quem minha Vontade foi preservada intacta, e Coloquei Nela todos os frutos da Redenção, para que salvasse o fim da Criação e da Redenção; e minha Mãe, mesmo que ninguém tivesse aproveitado a Redenção, Ela teria me dado tudo que as criaturas não teriam me dado.

Agora eu vou para você. Eu era verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, a minha querida Mãe era inocente e santa e o nosso Amor nos levava mais longe: queríamos outra criatura que, mesmo concebida como todos os outros filhos dos homens, ocupasse o terceiro lugar ao meu lado. Não aconteceu que só minha Mãe e eu tínhamos
toda a Vontade Divina; Queríamos outros filhos que, em nome de todos, vivendo de acordo com a nossa Vontade, nos dessem glória e amor divino por todos. Então chamei você desde a eternidade, quando ainda não havia nada aqui embaixo; E como eu sonhei com minha querida mamãe, deliciando-me, acariciando-a e derramando sobre ela
todos os bens da divindade, assim sonhei com você, acariciei-te e as torrentes que choveram sobre minha mamãe inundaram-te, na medida em que pudeste contê-las, eles te prepararam, te impediram e, Embelezando você, eles lhe deram a graça de que minha Vontade era parte integrante de você e esta, não a sua, mas a Minha animava até
mesmo seus menores atos. Em cada ato seu correu minha Vida, minha Vontade e todo meu Amor. Que felicidade! Quantas alegrias senti! É por isso que digo que você é, depois da minha mãe, meu segundo apoio. Não me apoiei em você, porque você não é nada e não poderia se apoiar em mim, mas na minha Vontade, que você teve que
conter. Minha Vontade é Vida e quem a possui tem Vida e pode sustentar o Autor da Vida. Portanto, assim como estabeleci em Mim o fim da Criação e em Minha Mãe os frutos da Redenção, também em ti estabeleci o propósito da Glória, como se em toda a minha Vontade tivesse sido preservada intacta, e de quem vem o grupo de outras
criaturas. As gerações não passarão se eu não cumprir o meu propósito ”. ( Eles lhe deram a graça de que minha Vontade era integral em você e essa, não a sua, mas a Minha animava até mesmo seus menores atos. Em cada ato seu correu minha Vida, minha Vontade e todo meu Amor. Que felicidade! Quantas alegrias senti! É por isso que
digo que você é, depois da minha mãe, meu segundo apoio. Não me apoiei em você, porque você não é nada e não poderia se apoiar em mim, mas na minha Vontade, que você teve que conter. Minha Vontade é Vida e quem a possui tem Vida e pode sustentar o Autor da Vida. Portanto, assim como estabeleci em Mim o fim da Criação e em
Minha Mãe os frutos da Redenção, também em ti estabeleci o propósito da Glória, como se em toda a minha Vontade tivesse sido preservada intacta, e de quem vem o grupo de outras criaturas.

As gerações não passarão se eu não cumprir o meu propósito ”. ( Eles lhe deram a graça de que minha Vontade era integral em você e essa, não a sua, mas a Minha animava até mesmo seus menores atos. Em cada ato seu correu minha Vida, minha Vontade e todo meu Amor. Que felicidade! Quantas alegrias senti! É por isso que digo que você é, depois da minha mãe, meu segundo apoio. Não me apoiei em você, porque você não é nada e não poderia se apoiar em mim, mas na minha Vontade, que você teve que conter. Minha Vontade é Vida e quem a possui tem Vida e pode sustentar o Autor da Vida. Portanto, assim como estabeleci em Mim o fim da Criação e em Minha Mãe os frutos da Redenção, também em ti estabeleci o propósito da Glória, como se em toda a minha Vontade tivesse sido preservada intacta, e de quem vem o grupo de outras criaturas. As gerações não passarão se eu não cumprir o meu propósito ”. ( mas o meu encorajará até mesmo seus menores atos. Em cada ato seu correu minha Vida, minha Vontade e todo meu Amor. Que felicidade! Quantas alegrias senti! É por isso que digo que você é, depois da minha mãe, meu segundo apoio. Não me apoiei em você, porque você não é nada e não poderia se apoiar em mim, mas na minha Vontade, que você teve que conter. Minha Vontade é Vida e quem a possui tem Vida e pode sustentar o Autor da Vida. Portanto, assim como estabeleci em Mim o fim da Criação e em Minha Mãe os frutos da Redenção, também em ti estabeleci o propósito da Glória, como se em toda a minha Vontade tivesse sido preservada intacta, e de quem vem o grupo de outras criaturas. As gerações não passarão se eu não cumprir o meu propósito ”. ( mas o meu encorajará até mesmo seus menores atos. Em cada ato seu correu minha Vida, minha Vontade e todo meu Amor. Que felicidade! Quantas alegrias senti! É por isso que digo que você é, depois da minha mãe, meu segundo apoio. Não me apoiei em você, porque você não é nada e não poderia se apoiar em mim, mas na minha Vontade, que você teve que conter.

Minha Vontade é Vida e quem a possui tem Vida e pode sustentar o Autor da Vida. Portanto, assim como estabeleci em Mim o fim da Criação e em Minha Mãe os frutos da Redenção, também em ti estabeleci o propósito da Glória, como se em toda a minha Vontade tivesse sido preservada intacta, e de quem vem o grupo de outras criaturas. As gerações não passarão se eu não cumprir o meu propósito ”. ( É por isso que digo que você é, depois da minha mãe, meu segundo apoio. Não me apoiei em você, porque você não é nada e não poderia se apoiar em mi ( Minha Vontade é Vida e quem a possui tem Vida e pode sustentar o Autor da Vida. Portanto, assim como estabeleci em Mim o fim da Criação e em Minha Mãe os frutos da Redenção, também em ti estabeleci o propósito da Glória, como se em toda a minha Vontade tivesse sido preservada intacta, e de quem vem o grupo de outras criaturas. As gerações não passarão se eu não cumprir o meu propósito ”. ( 13, 26- 11-1921)

42 – Por meio de Maria descem todos os frutos da Redenção.
“… Você tem que saber que quanto maior o trabalho que eu quero fazer, mais preparativos são necessários. Quantas profecias, quantos preparativos, quantos séculos eles tiveram para preceder minha redenção? Quantos símbolos e figuras preparou a Concepção de minha Mãe Celestial? Por isso, depois de realizar a Redenção, ele teve que fortalecer o homem nos bens dela; para o que escolhi os Apóstolos, para assegurar os frutos da Redenção, tendo que buscar com os Sacramentos o homem perdido para o salvar. Portanto, redenção é salvação, é salvar o homem de cada precipício.

Por isso já vos disse mais uma vez que fazer viver a alma na minha Vontade é maior do que a própria Redenção, porque salvar-se, viver meia vida, cair e levantar-se não é tão difícil. Isso foi conseguido com a minha Redenção, porque queria salvar o homem a todo o custo e confiei isso aos meus Apóstolos, como depositários dos frutos da Redenção. Então, tendo naquela hora fazer o que é menos, saí do que é mais, reservando outros momentos para cumprir meus outros planos.
Agora, viver em minha Vontade não é apenas salvação, mas Santidade que deve superar outras santidades e deve levar a marca da Santidade do Criador. É por isso que as santidades menores tiveram que surgir antes, como namoro, precursores, mensageiros, preparativos de toda esta santidade divina.
E como na Redenção escolhi a minha Mãe incomparável como elo de união comigo, através do qual todos os frutos da Redenção deveriam descer, por isso escolhi-te como elo de união, a partir do qual deve começar. a Santidade de viver em minha Vontade, a qual, tendo deixado minha Vontade para me dar a plena glória do propósito para o qual o homem foi criado, teve que retornar ao seu Criador com os mesmos passos de minha Vontade. Então, sobre o que você está se perguntando? Essas são coisas decretadas ‘desde a eternidade’ e ninguém pode mudá-las.
E sendo a coisa grande, isto é, estabelecer meu Reino na alma até mesmo na terra, eu agi como um Rei quando ele tem que tomar posse de um Reino. Ele não é o primeiro a ir, mas primeiro ele tem o palácio preparado para ele, então ele envia seus soldados para preparar o Reino e colocar os povos em seu domínio; em seguida, siga seus guardas de honra, seus ministros e, finalmente, o rei chega. Isso é decoroso para um rei. Assim fiz: mandei preparar o meu palácio, que é a Igreja; os soldados são os santos, para que por eles os povos Me conheçam; depois, outros santos que semearam milagres se seguiram, como ministros mais íntimos; agora, como Rei, venho para reinar; por isso tive que escolher uma alma na qual formar a minha primeira morada e fundar este Reino da minha Vontade. Por tanto, deixe-me reinar e me dê plena liberdade ”. ( 13, 3-12-1921)

43 – Maria foi capaz de conceber Jesus e dar-lhe a vida porque tinha a vontade divina.

“Minha filha, meu testamento tudo contém e quem a possuir pode me dar tudo. Minha Vontade foi tudo para Mim: me concebeu, me formou, me fez crescer e me fez nascer. Se minha mãe contribuiu dando-me o sangue, ela poderia fazê-lo porque minha vontade, absorvida por ela, o continha. Se eu não tivesse a minha Vontade, não teria podido contribuir para a formação da minha Humanidade, para que a minha Vontade direta e a minha Vontade absorvida em minha Mãe me dessem Vida. O humano não tinha poder sobre mim para me dar nada, mas apenas a vontade divina com seu sopro me alimentou e me deu à luz.

Mas você acha que foi o frio no ar que me deixou entorpecido? Ah não! Foi a frieza de coração que Me fez frio, e a ingratidão que Me fez chorar amargamente assim que nasci. Minha querida mãe enxugou minhas lágrimas, embora também tenha chorado.

Nossas lágrimas se misturaram, e dando um ao outro os primeiros beijos Desabafamos no amor. Mas nossa vida tinha que ser de dor e choro, e me obriguei a colocar na manjedoura para chorar novamente, chamando meus filhos com meus soluços e minhas lágrimas. Queria movê-los com minhas lágrimas e meus gemidos para que Me ouvissem.
Mas sabe quem foi o primeiro, depois da minha mãe, que chamei com as lágrimas ao meu lado, na mesma manjedoura, para desabafar o meu amor? Foi você, a pequena filha da minha vontade. Você era tão pequeno que poderia tê-lo ao meu lado na mesma manjedoura e poderia derramar minhas lágrimas em seu coração. Essas lágrimas selaram minha vontade em você e fizeram de você a filha legítima de minha vontade. Meu Coração ficou feliz, vendo que em você voltou, inteiro em minha Vontade, tudo o que minha Vontade havia realizado na Criação … ”( 13, 12-25-1921)

44 – As vidas de Jesus e Maria eram uma: isso a distinguia aos olhos de Jesus.
“… Minha querida Mãe também não fez nada de extraordinário em sua vida exterior, pelo contrário, ela aparentemente fez menos do que qualquer outra pessoa. Ela desceu aos atos mais comuns da vida, fiou, costurou, varreu, acendeu o fogo … Quem diria que Ela era a Mãe de um Deus? Suas ações externas não faziam pensar. E quando Ela Me carregou em seu seio, contendo Nela a Palavra Eterna, cada um de seus movimentos, cada ação humana obteve a adoração de tudo o que foi criado. Dela veio a vida e a conservação de todas as criaturas; o sol dependia dele e esperava a conservação de sua luz e de seu calor; a terra, o desenvolvimento da vida vegetal …

Tudo girava em torno dela, o céu e a terra dependiam de seus desejos; e ainda quem viu alguma coisa? Ninguém.
Toda a sua grandeza, poder e santidade, os imensos mares de bens que saíram dela, do seu interior, cada batida, cada respiração, cada pensamento, cada palavra, fluíram para o seu Criador. Entre Deus e Ela, as correntes que ela recebeu e deu eram contínuas. Nada saiu dela que não ferisse seu Criador e com o qual ela não fosse ferida por Ele. Essas correntes a engrandeciam, a elevavam, a faziam superar tudo, mas ninguém via nada. Só eu, seu Filho e Deus, estava ciente de tudo. Entre minha mãe e eu corria tal corrente que o seu coração batia no meu e o meu no dela, pelo que ela viveu graças ao meu coração eterno e eu graças ao seu batimento materno; nossas vidas se confundiam juntas, e foi exatamente isso que me fez distinguir que ela era minha mãe.

As ações externas não Me satisfazem nem Me agradam, se não partem de um interior do qual Eu sou vida. Então, sobre o que você está se perguntando, se sua vida exterior é comum? Costumo cobrir as minhas obras maiores com as coisas mais comuns, para que ninguém perceba e eu possa fazer com mais liberdade, e quando acabo surpreendo e expresso a todos, deixando-os espantados … ” ( 14, 3-16-1922)

45 – Uma única vontade anima Jesus e Maria, e é por isso que Jesus nada fez em que ela não participasse.

“… Tudo isso é necessário para a santidade de viver na minha Vontade, para engendrar semelhança entre a alma e eu. Foi o que fiz com minha mãe. Não tolerei nem mesmo uma pequena penalidade, nem um ato ou qualquer bem que fizesse em que Ela não participasse. Uma foi a Vontade que Nos animou e, portanto, quando sofri as dores, as mortes, ou quando trabalhei, Ela morreu, sofreu, trabalhou junto comigo. Em sua alma ela tinha que ser minha cópia fiel, para que, olhando para Mim nela, tivesse que encontrar um outro Eu.

Agora, o que fiz com minha mãe, quero fazer com você. Depois de Ella eu coloquei você. Eu quero o Stma. Trindade seja copiada na terra: minha mãe, você e eu; É necessário que por meio de uma criatura minha Vontade tenha uma vida operativa na terra. E como pode essa vida operar, se não dou o que contém a minha Vontade e o que fez sofrer a minha Humanidade? Minha vontade teve uma verdadeira vida operativa em mim e em minha inseparável mamãe; agora eu quero que você tenha isso em você. Uma criatura é absolutamente necessária para Mim, então minha vontade decidiu; o resto vai depender disso … ”( 14, 20-7-1922)

46 – Todas as criaturas recebem em vida os atos de Jesus e, com eles, os de Maria.
“Minha filha, em meu Testamento você não só encontrará todos os atos que minha Humanidade fez, nos quais eu entrelacei todas as criaturas, mas você encontrará tudo que minha querida Mãe fez, que se entrelaçou comigo formou um único ato. Assim que fui concebida em seu ventre, Ela começou a se entrelaçar com minhas ações, e
assim como minha Humanidade não tinha mais vida, nem mais comida, nem mais propósito do que apenas a Vontade de meu Pai (que, estando presente em tudo, Me constituía um ato de cada criatura, para devolver ao Pai os direitos do Criador por parte das criaturas, e para me dar como vida a todas as criaturas), assim como Ela, assim
que começou a se entrelaçar comigo, em nome de todos Ela devolveu a Ele os direitos de Criador e deu a todas as criaturas. Assim, todas as criaturas receberam em vida os atos de minha Mãe, junto com os meus. Agora no Céu ela abraça toda a glória de cada um, e de cada criatura minha Vontade dá a ela tal glória que não há glória que ela
não possua, nem glória que não desça dela. E enquanto ela entrelaçava comigo suas obras, seu amor, suas tristezas, etc., agora no céu ela está rodeada de tanta glória por quantas vezes ela os entrelaçou em minha vontade. Por isso ele supera tudo, tudo abraça e tudo atende. É isso que significa viver no meu testamento. Minha querida Mãe jamais teria podido receber tanta glória, se todos os seus atos não tivessem fluído em minha Vontade, que a constitui Rainha e coroa de todas … ”( agora no céu ela está rodeada de tanta glória por quantas vezes ela os teceu em meu testamento. Por isso ele supera tudo, tudo abraça e tudo atende. É isso que significa viver no meu
testamento. Minha querida Mãe jamais teria podido receber tanta glória, se todos os seus atos não tivessem fluído em minha Vontade, que a constitui Rainha e coroa de todas … ”( agora no céu ela está rodeada de tanta glória por quantas vezes ela os teceu em meu testamento. Por isso ele supera tudo, tudo abraça e tudo atende. É isso que
significa viver no meu testamento. Minha querida Mãe jamais teria podido receber tanta glória, se todos os seus atos não tivessem fluído em minha Vontade, que a constitui Rainha e coroa de todas … ”( 14, 15-8-1922)

47 – Maria estava ciente de todas as tristezas secretas da vida de Jesus.

“… Minha mãe era uma espectadora de todas as tristezas da minha vida oculta, e era necessário. Se eu tivesse vindo do céu à terra para sofrer, não por mim, mas pelo bem dos outros, deveria ter pelo menos uma criatura em quem tivesse que sustentar o bem que continham minhas dores e, portanto, comover minha mãe. querido para me agradecer, para me elogiar, para me abençoar, para me amar e para fazê-lo admirar o excesso de minha bondade. Tanto que Ela, tocou, comoveu, enlevada de ver minhas dores, ela me pediu que, em vista do grande bem que minhas tristezas lhe causaram, não a privasse de identificá-la com minhas mesmas dores para sofrê-las, retribuir por elas e ser minha imitadora perfeita. Se minha mãe não tivesse visto nada, eu não teria meu primeiro imitador, nenhum “obrigado”, nenhum elogio. Minhas tristezas, o bem que elas continham, não teriam surtido efeito, porque por não as conhecer ninguém não teria podido ter o meu primeiro sustento; e assim a finalidade do grande bem que a criatura deveria receber, teria sido perdida. Vê como era preciso que pelo menos alguém conhecesse todas
as minhas dores? … ”( 14, 13/10/1922)

48 – Frutos dos atos que Jesus e Maria fizeram juntos na Vontade Divina, a nosso favor.

“Queria que minha Mãe, também Santa, Me seguisse no imenso mar da Vontade Suprema e que junto comigo duplicasse todos os atos humanos, colocando, depois do meu, o duplo selo dos atos praticados em minha Vontade, em todos os atos de as criaturas. Quão doce foi para mim a companhia de minha mãe inseparável em meu testamento! A companhia no trabalho dá origem à felicidade, à complacência, ao terno amor, à alegria, à concordância, ao heroísmo; enquanto o isolamento produz o oposto. Então, enquanto minha querida Mãe e eu trabalhamos juntas, surgiram mares de felicidade, de complacência em ambas, mares de amor que, teimosamente, se atiraram um no outro e produziram grande heroísmo. E esses mares não surgiram apenas para Nós, mas também para aqueles que nos fizeram companhia em nossa vontade. Mais ainda, 14, 11-11-1922)

49 – A Imaculada Conceição (EU) .

“Minha filha, a Eu A Imaculada Conceição de minha querida Mãe foi prodigiosa e completamente maravilhosa, tanto que os céus e a terra cheios de espanto fizeram uma festa. As Três Pessoas Divinas deram persistência: o Pai transbordou em um imenso mar de Poder; Eu, o Filho, em um mar infinito de Sabedoria, e o Espírito Santo em um imenso mar de Amor eterno, que fundindo-se em um único mar formava um, no meio do qual se formou a Conceição desta Virgem, escolhida dentre os escolhidos. Portanto, a Divindade forneceu a substância desta Concepção. E não só ela era o centro da vida desta criatura admirável e única, mas este mar estava ao seu redor, não só para tê-la defendida de tudo que pudesse obscurecê-la, mas para dar a cada momento uma nova beleza, novas graças, poder, sabedoria, amor, privilégios, etc. Portanto, a tua pequena natureza foi concebida no centro deste mar, e se formou e cresceu sob a influência destas ondas divinas. Por isso, logo que se formou
esta nobre e singular criatura, Deus não quis esperar como sempre faz com as outras criaturas; Queria receber seus abraços, a correspondência de seu amor, seus beijos, desfrutar de seus sorrisos inocentes. Por isso, logo que foi feita a sua concepção, dei-lhe o uso da razão, dotei-a de todos os conhecimentos, fiz-lhe conhecer as nossas alegrias e as nossas dores em relação à Criação; e desde o ventre de sua mãe veio ao céu, aos pés do nosso trono, para nos abraçar e nos dar a correspondência de seu amor, seus beijos cheios de ternura, e se jogando em nossos braços Ela nos sorriu com tanta gratidão de gratidão e apreço, que roubou nossos sorrisos. Oh, Que lindo foi ver esta criatura inocente e privilegiada, enriquecida com todas as qualidades divinas, vir no meio de Nós, cheia de amor, cheia de confiança, sem medo, porque só o pecado cria distância entre o Criador e a criatura, quebra o amor, destrói a confiança e instila o medo. Então Ela veio entre Nós como Rainha, que com o amor que Tínhamos dadoa Ela, Ela nos dominou, Ela nos encantou, Ela nos fez festa e nos roubou mais amor; e a deixamos trabalhar, desfrutamos do amor que nos levou embora e a constituímos como Rainha do Céu e da Terra. O céu e a terra exultaram e celebraram Conosco, por termos a sua Rainha depois de tantos séculos … O sol sorriu com a sua luz e sentiu-se afortunado por ter de servir a sua Rainha dando-lhe luz. O céu, as estrelas e todo o universo sorriam de alegria e faziam festa, pois tinham que torcer para sua Rainha, fazendo-a ver a harmonia das esferas e sua beleza. As plantas sorriam, porque tinham que alimentar sua Rainha; e a terra também sorria e se sentia enobrecida, já que devia ser a morada nas pegadas de seu imperador. Apenas o inferno chorou, sentindo que sua força estava falhando com o domínio desta Senhora Soberana.

Mas você sabe qual foi o primeiro ato que esta Criatura Celestial fez quando se viu pela primeira vez diante de nosso trono?
Ela compreendeu que todo o mal do homem tinha sido a ruptura entre a sua vontade humana e a do seu Criador, estremeceu e, sem deixar passar um só momento, amarrou a sua vontade aos pés do meu trono, sem nem mesmo querer saber; e minha vontade foi amarrada a ela e se tornou o centro de sua vida, de modo que entre nós e ela todas as correntes, todos os relacionamentos, todas as comunicações foram abertas, e não havia segredo de que não confiamos nela. Foi justamente esse, o ato mais belo, maior, mais heróico que ela fez, colocar sua vontade aos nossos pés, que nos fez, tão extasiados, nos tornar Rainha de todas. Você vê o que significa ligar-se à minha vontade e não conhecer a sua?
O segundo ato foi se oferecer a qualquer sacrifício por Nosso amor. O terceiro era nos devolver a honra, a glória de toda a Criação, que o homem nos negou ao fazer sua vontade; e desde o ventre de sua mãe chorou de amor a Nós, vendo-nos ofendidos, e chorou de dor pelo culpado … Oh, como aquelas lágrimas inocentes Nos tocaram e apressaram o suspiro da Redenção!
Esta Rainha nos dominou, nos amarrou, obteve de nós infinitas graças; Estávamos tão inclinados para a humanidade que não podíamos e não sabíamos como resistir aos seus apelos contínuos. Mas de onde vem esse poder e influência sobre a própria Divindade? Ah, você já entendeu: foi a força da nossa Vontade que atuou nela, que, ao dominá-la, a fez ser dominadora do próprio Deus. E, além disso, como poderíamos resistir a uma criatura tão inocente, possuída pelo poder e santidade de nossa própria Vontade?

Teria sido para resistir a nós mesmos. Nela descobrimos nossas qualidades divinas; Como ondas, os reflexos de nossa Santidade, os reflexos de nossas maneiras divinas, de nosso Amor, de nosso Poder, etc., e nossa Vontade, inundou sobre Ela, Se esta Virgem Imaculada não tivesse como centro da vida a Vontade Divina, todas as outras prerrogativas e privilégios com que tanto a enriquecemos teriam sido uma coisa de nada em comparação com esta. Foi isso que o confirmou e preservou todos os seus privilégios, ainda mais, ele multiplicava novos a cada momento. Esta é, portanto, a razão pela qual constituímos a sua Rainha de todos, porque quando trabalhamos, o fazemos com razão, sabedoria e justiça: porque ela nunca deu vida à sua vontade humana, mas antes a nossa Vontade nela sempre foi íntegra. Como poderíamos dizer a outra criatura: “Você é a Rainha do céu, do sol, das estrelas etc.” se em vez de ser dominada por nossa Vontade, ela foi dominada por sua vontade humana?

Todos os elementos, o céu, o sol, a terra, Eles teriam escapado do regime e da dominação desta criatura; todos teriam gritado em sua língua muda: “Não a queremos! Somos superiores a ela, porque nunca escapamos de sua Vontade eterna ”. “Assim como você me criou, eu também sou”, o sol teria gritado com sua luz, as estrelas com seus brilhos, o mar com suas ondas, e assim por diante. Pelo contrário, no momento em que todos sentiam o domínio desta Virgem exaltada, que, quase como uma irmã sua, nunca quis conhecer a sua vontade, mas apenas a de Deus, não só festejaram, mas sentiram a honra de ter sua Rainha e eles correram ao seu redor para formar sua procissão e prestar homenagem a ela, colocando a lua como um banquinho a seus pés, as estrelas como uma coroa, o sol como um diadema, os Anjos como servos, os homens como esperando … Todos , Todos eles o
honraram e prestaram homenagem a ele. Não há honra e glória que não possa ser dada à nossa Vontade, quer trabalhe em Nós, na sua própria sede, quer viva na criatura.

Mas você sabe qual foi a primeira coisa que esta nobre rainha fez quando, saindo do útero, abriu os olhos para a luz deste submundo? Ao nascer, os Anjos cantaram a canção de ninar da Menina Celestial; Ela ficou extasiada e sua bela alma saiu de seu corpinho, acompanhada por multidões de Anjos, e viajou pelo Céu e pela Terra, indo coletar todo o amor que Deus havia derramado em toda a Criação, e penetrando no Paraíso veio aos pés de Nosso trono nos ofereceu a correspondência de amor de tudo o que foi criado e pronunciou seu primeiro “obrigado” em nome de todos. Oh, como estamos felizes por ouvir o “obrigado” desta Pequena Rainha, e confirmamos todas as graças, todos os dons, fazendo-a superar todas as outras criaturas reunidas.
Então, se jogando em nossos braços, ele mergulhou em nossas delícias, nadando no mar de todos os felizes, embelezando-se com nova beleza, nova luz e novo amor; implorou por novamente pela humanidade, implorando-nos com lágrimas para que a Palavra Eterna descesse para salvar seus irmãos. Mas enquanto ela estava fazendo isso, nosso testamento a fez saber para descer à terra, e ela imediatamente deixou nossa felicidade e alegrias e partiu, para fazer … o quê? Nossa vontade. Que poderosa atração nossa Vontade, habitante da terra, exercia sobre
esta Rainha recém-nascida! A terra já não nos parecia estranha, já não podíamos flagelá-la com a nossa Justiça; Tínhamos a Força de nossa Vontade, que nesta Menina inocente nos segurava os braços, sorria-nos do chão e transformava a Justiça em graças e um doce sorriso, tanto que, incapaz de resistir ao doce encantamento, o Verbo Eterno apressou o seu curso. Ó prodígio da minha Divina Vontade, tudo te é devido, por Ti tudo se cumpre, ( 15 °, 12-08-1922) cinquenta – A Encarnação da Palavra. A colaboração de María com o Stma. Trindade.

“Minha querida filha, se a Concepção de minha Mãe Celestial foi prodigiosa e foi concebida no mar que saiu das Três Pessoas Divinas, a minha Conceição não foi no mar que saiu de Nós, mas no grande mar que em Nós residiu, nossa própria Divindade, que desceu ao ventre virginal desta Virgem, e eu fui concebido. É verdade que se diz que o Verbo se encarnou, mas meu Pai Celestial e o Espírito Santo eram inseparáveis de mim. É verdade que eu tinha a parte de agente, mas Eles tinham concorrente. Imagine dois refletores, um dos quais reflete a mesma imagem no outro. Os sujeitos são três: o do meio assume a parte trabalhadora, sofredora e suplicante; os outros dois estão com ele, assistem e são espectadores. Portanto, posso dizer que dos dois refletores, um era a Santíssima Trindade e o outro minha querida mãe. Ela, No breve curso da sua vida, vivendo sempre na minha Vontade, ela preparou para Mim no seu seio virginal o pequeno terreno divino em que Eu, Verbo Eterno, devia revestir-me de carne humana, porque nunca teria descido ao terreno humano. E refletindo a Trindade nela, fui concebido. Por isso, enquanto essa mesma Trindade permaneceu no Céu, fui concebido no seio desta nobre Rainha. Todas as outras coisas, por maiores que sejam, nobres, sublimes, prodigiosas, até a própria Conceição da Rainha Virgem, são todas deixadas para trás; não há nada comparável, nem amor, nem grandeza, nem poder, à minha Encarnação. Não se trata aqui de formar uma vida, mas de encerrar a Vida que dá vida a todos, não de me estender, mas de me restringir, para poder encarnar, não de receber, mas de dar … Quem tudo criou, para se trancar em uma pequena Humanidade criada! São apenas obras de um Deus, de um Deus que ama, que quer a todo custo ligar a criatura ao seu Amor para fazê-la amá-lo. Mas isso ainda não é nada. Você sabe onde todo o meu Amor, todo o meu Poder e Sabedoria brilharam? Apenas o Poder Divino formou esta minúscula Humanidade, tão pequena que poderia ser comparada ao tamanho de uma avelã, mas com todos os seus membros fornecidos e treinados dois, e o Verbo foi concebido Nela, a imensidão da minha Vontade, contendo em si todas as criaturas passadas, presentes e futuras, concebeu Nela a vida de todas as criaturas e, ao mesmo tempo que a minha crescia, assim cresciam em Eu. Por esta razão, enquanto aparentemente eu parecia estar sozinho, visto com o microscópio de minha Vontade, todas as criaturas foram vistas concebidas.

Comigo foi como quando você vê águas cristalinas, que parecem límpidas, mas olhando ao microscópio, quantos micróbios você não consegue ver?
Minha Encarnação foi tal e tão grande que a grande roda da Eternidade foi tocada e estática, ao ver os inúmeros excessos do meu Amor e todas as maravilhas reunidas em uma. Toda a massa do Universo comoveu-se ao ver que aquele que dá vida a tudo se fechava, se tornava anão, se sobrecarregava, fechava tudo … para fazer o quê? Para assumir a vida de todos e fazer renascer a todos ”. ( 15 °, 16/12/1922)

51 – Maria, Rainha de todas, se humilhou mais do que ninguém por causa do conhecimento que ela tinha de Deus e de si mesma.

“… De minha Mãe, Rainha de todas, diz-se que ela era a mais humilde de todas, porque tinha que ser superior a todas; mas para ser mais humilde do que tudo ele tinha que descer ao mais baixo, abaixo de tudo; e minha Mãezinha, com o conhecimento que tinha de seu Deus e Luisa usa uma palavra do dialeto, que significa “avelã”, mas ao mesmo tempo em italiano é “O tecido interno dois Não é por acaso que Jesus Cristo está, em seu Stma. Humanidade, “o Primogênito” entre todas as criaturas (Col.1,15), “o novo Adão”, modelo exemplar do próprio Adão e de toda a raça humana. Do óvulo, do qual se forma o saco embrionário ”; um significado que ela não podia saber.

Criador e quem era ela, criatura, desceu tão baixo que, como Ela Se humilhou, Nós a exaltamos, mas tanto que não há ninguém como Ela … ”( 15º, 22-2-1923)

52 – As dores de Maria fizeram de sua rainha, porque foram encorajados por ele “Fiat” Divino.
Por dentro, ele me disse: “Minha filha, o primeiro Rei das dores fui Eu, e sendo eu homem e Deus, tive que reunir tudo em Mim para ter primazia sobre tudo, até sobre as próprias dores. As de minha Mãe não eram senão o reflexo das minhas, que, refletindo sobre Ela, comunicavam todas as minhas dores a Ela, que, trespassando-A, enchiam-na de tanta amargura e dor que ela sentia vontade de morrer a cada reflexo das minhas dores; mas o amor a sustentou e deu sua vida de volta. Por isso, não só pela honra, mas com direito à justiça, foi a primeira Rainha do imenso mar das suas dores ”.
Eu estava pensando nas dores de minha Mãe Celestial, e meu bom Jesus, movendo-se em meu. Enquanto dizia isso, parecia-me que vi minha mamãe na frente de Jesus, e tudo o que Jesus tinha, as dores e feridas daquele Divino Coração, se refletiram no Coração da Rainha Dolorosa, e como eles refletiram, tantas espadas se formaram
em o Coração da Mãe trespassada. Essas espadas foram seladas por um ‘Fiat’ de luz, da qual Ela estava cercada, no meio de tantos ‘Fiat’ de uma luz muito brilhante, que lhe deu tanta glória, que não há palavras para dizê-lo.
E Jesus passou a dizer: “Não foram as dores que fizeram minha Mãe rainha e a fizeram brilhar com tanta glória, mas meu Onipotente ‘Fiat’, que teceu cada um de seus atos e dores e foi a vida de cada um deles. Então meu ‘Fiat’ foi o primeiro ato que compôs a espada, dando-lhe a intensidade de dor que desejava. Meu ‘Fiat’ poderia colocar naquele Coração trespassado todas as dores que desejasse, acrescentando feridas a feridas, tristezas sobre tristezas, sem a sombra da menor resistência; Pelo contrário, ela ficou honrada porque meu ‘Fiat’ ganhou vida mesmo a cada batida de seu coração. E meu ‘Fiat’ deu a ela toda a glória e fez dela uma verdadeira e legítima
Rainha. Agora, em que almas podem ser disparados os lampejos da minha dor e da minha própria vida? Naqueles que têm o meu ‘Fiat’ como vida. Este ‘Fiat’ formará neles meus reflexos e serei generoso em compartilhar o que minha Vontade realiza em Mim.

É por isso que espero pelas almas na minha Vontade, para lhes dar o verdadeiro
domínio e a glória completa de cada ato e dor que possam sofrer. Fora da minha Vontade, agindo e sofrendo não os reconheço; Ele pode dizer: “Não tenho nada para lhe dar; Qual é a vontade que o encorajou a fazer ou sofrer isso? Bem, deixe aquele te pagar. Muitas vezes fazer o bem, sofrer, sem que a minha Vontade tenha a ver com isso, pode ser uma escravidão miserável, que se transforma em paixões, enquanto só a minha Vontade dá o verdadeiro domínio, as verdadeiras virtudes, a verdadeira glória, que converte o humano em divino ”. ( para dar-lhe verdadeiro domínio e glória total por cada ato e dor que você possa sofrer. Fora da minha Vontade, agindo e sofrendo não os reconheço; Ele pode dizer: “Não tenho nada para lhe dar; Qual é a vontade que o encorajou a fazer ou sofrer isso? Bem, deixe aquele te pagar. Muitas vezes fazer o bem, sofrer, sem que a minha Vontade tenha a ver com isso, pode ser uma escravidão miserável, que se transforma em paixões, enquanto só a minha Vontade dá o verdadeiro domínio, as verdadeiras virtudes, a verdadeira glória, que converte o humano em divino ”. ( para dar-lhe verdadeiro domínio e glória total por cada ato e dor que você possa sofrer. Fora da minha Vontade, agindo e sofrendo não os reconheço; Ele pode dizer: “Não tenho nada para lhe dar; Qual é a vontade que o encorajou a fazer ou sofrer isso?

Bem, deixe aquele te pagar. Muitas vezes fazer o bem, sofrer, sem que a minha Vontade tenha a ver com isso, pode ser uma escravidão miserável, que se transforma em paixões, enquanto só a minha Vontade dá o verdadeiro domínio, as verdadeiras virtudes, a verdadeira glória, que converte o humano em divino ”. ( podem ser escravidão
miserável, que se tornam paixões, enquanto só a minha Vontade dá o verdadeiro domínio, as verdadeiras virtudes, a verdadeira glória, que transforma o humano em divino ”. ( podem ser escravidão miserável, que se tornam paixões, enquanto só a minha Vontade dá o verdadeiro domínio, as verdadeiras virtudes, a verdadeira glória, que transforma o humano em divino ”. ( 15, 23-3-1923)

53 – Para ser a Mãe do Homem-Deus, Maria recebeu a fertilidade virginal do Pai.
“… É o que eu fiz na obra da Redenção. Para elevar uma criatura, para que pudesse conceber um Homem e Deus, tive que reunir nela todos os bens possíveis e imagináveis, tive que elevá-la tanto que coloquei nela o germe da mesma Fertilidade Paterna, e como meu Pai Celeste Ela me gerou uma virgem em seu ventre com o germe virginal de sua Fertilidade eterna, sem obra de mulher, e nesse mesmo germe procedeu o Espírito Santo, assim minha Mãe Celestial, com aquele germe eterno, totalmente virginal de Fertilidade Paterna, me concebeu em seu ventre virgem, sem a obra do homem. A Santíssima Trindade teve que dar de si a esta Virgem divina, para me conceber, o Filho de Deus. Minha Santa Mãe nunca poderia ter me concebido, pois Ela não tinha sementes. Agora, sendo Ela da raça humana, Este germe de Fertilidade Eterna deu-lhe o poder de concebê-lo como Homem, mas como o germe era divino, ao mesmo tempo ele me concebeu sendo Deus. E assim como, no ato de gerar o Pai, o Espírito Santo procede ao mesmo tempo, assim, ao mesmo tempo que fui gerado no ventre de minha Mãe, procedeu-se a geração de almas. Para que tudo que desde a eternidade acontecesse à Stma. Trindade no céu, se repete no seio
da minha querida mãe.

O trabalho foi muito grande e incalculável para uma mente criada. Tive que reunir todos os bens, além de mim, para que todos encontrassem o que desejavam. Por isso, visto que a obra da Redenção deve ser tão grande que abarque todas as gerações, durante tantos séculos quis as orações, os suspiros, as lágrimas, as penitências de tantos patriarcas e profetas e de todo o povo do Antigo Testamento.
Era para prepará-los para receber um bem tão grande e para me fazer reunir nesta criatura celestial todos os bens que todos iriam desfrutar.
Agora, o que foi que fez essas pessoas orar, suspirar, etc.? A promessa do futuro Messias. Essa promessa foi como o germe de tantas súplicas e lágrimas. Se essa promessa não tivesse sido feita, ninguém teria se importado, ninguém teria esperado a salvação.
E agora, minha filha, chegamos ao meu testamento. Você acha que é uma santidade como as outras santidades? Pode ser um bem ou uma graça mais ou menos como as outras que tenho concedido há tantos séculos aos outros Santos e a toda a Igreja? Aqui se trata de uma nova era, de um bem que deve servir a todas as gerações; mas é preciso que tudo de bom seja reunido primeiro em uma só criatura, como eu fiz na Redenção, reunindo tudo em minha Mãe, e veja como as coisas são do mesmo jeito.

(…) Esta minha Vontade é a mesma que agiu na Redenção, que quis fazer uso de uma Virgem. Que maravilhas e maravilhas da graça Ele não fez nela? Ela é grande, contém todos os bens e é magnânima em tudo o que faz, e se se trata de fazer algo pelo bem de toda a humanidade, põe em jogo todos os seus bens. Agora a minha Vontade quer aproveitar outra virgem para nela colocar a sua sede e começar a fazer saber que esta Vontade se faz tão bem na terra como no céu ”. ( 15º, 14-4-1923)

54 – A virgindade perfeita de Maria. Através dela o Redentor veio e se deu a conhecer.

“Querida filha de minha vontade suprema, é meu costume fazer minhas maiores obras em almas virgens e desconhecidas; e não apenas virgens da natureza, mas virgens dos afetos, do coração, dos pensamentos, porque a verdadeira virgindade é a sombra divina, e só na minha sombra posso impregnar minhas maiores obras. Também naqueles tempos em que vim redimir havia pontífices, autoridades, mas não fui a eles, porque a minha sombra não estava lá. Por isso escolhi uma Virgem desconhecida de todos, mas bem conhecida por Mim; e se a verdadeira virgindade é a minha sombra, escolhê-la desconhecida foi devido ao meu ciúme divino, que, querendo-a apenas para Mim, a manteve desconhecida de todos. Mas apesar de esta Virgem celeste ser desconhecida, dei-me a conhecer, abrindo o caminho para tornar a Redenção conhecida por todos.
Agora, sendo as pessoas que vocês chamam de pessoas conhecidas, o zelo divino não pôde manter sua vigilância e a sombra divina, oh, como é difícil encontrá-la.
E também, eu escolho quem eu quero. Está estabelecido que duas Virgens virão em auxílio da humanidade: uma para fazer o homem salvar a si mesmo, a outra para fazer minha Vontade reinar na terra, para dar ao homem sua felicidade terrena, para unir as duas vontades, a divino e humano, formando um, para que o propósito para o qual o homem foi criado tenha seu pleno cumprimento. Serei encarregado de abrir caminho para dar a conhecer o que quero. O que me interessa é ter a primeira criatura em quem depositar esta minha Vontade e que nela tenha vida, tanto na terra como no céu; o resto virá por si só…” ( 15 °, 20-4-1923)

55 – Jesus e Maria adquiriram em suas privações todos os bens para poder dá-los a todos.

“… Ah, minha filha, para tomar posse plena de minha Vontade você tem que reunir em você todos os humores de todas as criaturas, e quando você passa por um humor, assim você adquire seu domínio. Isso aconteceu em minha Mãe e em minha própria Humanidade. Quantas dores, quantos estados de espírito houve em Nós? Minha querida mãe tantas vezes permaneceu no estado de pura fé, e minha lamuriosa Humanidade era como se esmagada sob o enorme peso de todos os pecados e as dores de todas as criaturas; Mas enquanto eu sofria, fiquei com o domínio de todos os bens opostos aos pecados e dores das criaturas, e minha amada Mãe permaneceu como Rainha da fé, esperança e amor, dominadora da luz, para poder dar a fé, esperança, amor e luz para todos.

Para dar necessidade de possuir e possuir é necessário recolher em si essas dores, e com resignação e amor
para transformar tristezas em bens, trevas em luz, frieza em fogo. Minha Vontade é plenitude e quem nela viver deve entrar com o domínio de todos os bens possíveis e imagináveis, tanto quanto possível a uma criatura. Quantos bens posso dar a todos e quantos pode dar minha inseparável mamãe por tudo ter sofrido? (E se não dermos mais é porque não há quem os receba). E enquanto estávamos na terra, nossa morada foi na plenitude da Vontade Divina … ” Quantos bens posso dar a todos e quantos pode dar minha inseparável mamãe por tudo ter sofrido? (E se não dermos mais é porque não há quem os receba). E enquanto estávamos na terra, nossa morada foi na plenitude da Vontade Divina … ” Quantos bens posso dar a todos e quantos pode dar minha inseparável mamãe por tudo ter sofrido? (E se não dermos mais é porque não há quem os receba). E enquanto estávamos na terra, nossa morada foi na plenitude da Vontade Divina … ” ( 15 °, 23/05/1923)

56 – Maria, criatura única, na qual estão todos os bens da Redenção, sempre foi guardado.
“Minha filha, quanto maior o trabalho que quero fazer, mais necessário é que a criatura que eu escolho seja única e singular.
A obra da Redenção foi a maior e escolhi para ela uma só criatura, dotando-a de todos os dons, nunca concedidos a ninguém, para que ela possuísse tanta Graça que pudesse tornar-se Mãe e que eu pudesse depositar nela todos os bens de redenção; e para proteger meus próprios dons, desde o momento em que ela foi concebida até que Me concebeu, eu a eclipsei na Luz do Stma. Trinidad, que a protegia e tinha o cuidado de orientá-la em tudo. Quando mais tarde fui concebida em seu ventre virginal, sendo eu a verdadeira cabeça e o primeiro de todos os Sacerdotes, assumi o cuidado de guardá-la e dirigi-la em tudo, até no movimento dos seus batimentos cardíacos; e quando morri confiei-a a outro padre, que era San Juan. Alma tão privilegiada, que continha todas as graças, únicas na Mente Divina, única na história, não quis deixá-la até o seu último suspiro sem a ajuda de um representante meu. Eu fiz isso com outras almas? Não, por não ter tantos bens, dons e graças, não foi necessário tanto cuidado
e assistência … ” ( 15 °, 11-7-1923)

57 – Todos os bens são depositados em Maria e a mesma Vida divina, para ser dada a todos.

“Minha filha, assim fiz na Encarnação: primeiro coloquei na minha querida Mãe todos os bens que me convinham para poder descer do Céu à terra, depois encarnei e fiz o depósito da minha própria vida. Esse depósito veio de minha mãe como uma vida para todos. Então será de mim Vai…” ( Dia 16, 27-7-1923)

58 – Maria restabeleceu todas as relações com a Vontade de Deus;seu cumprimento vem de Maria.

“… Agora você deve saber que uma simples criatura quebrou a relação entre a Vontade Divina e a criatura. Essa ruptura destruiu os planos que o Divino teve na criação do homem. Pois bem, a outra criatura simples, embora dotada de tantas graças e privilégios, como a Virgem, Rainha de todos, mas sempre criatura pura, foi dada a tarefa de religar, de lançar os alicerces, de restabelecer relações com a Vontade de seu Criador, de reparar a primeira ruptura daquela primeira criatura; a mulher foi a primeira, a mulher foi a segunda.

Foi precisamente Ela quem, ligando o seu amor ao nosso, nos devolveu a honra, o decoro, a soberania e os direitos sobre a Criação. Não foi por uma única criatura que o mal começou e a semente da ruína foi formada para todas as gerações? Assim, somente por meio dessa criatura celestial o bem começou. Colocando-se em relação
com a Vontade de seu Criador, ele formou a semente daquele ‘Fiat’ Eterno que deveria ser a salvação, a santidade, o bem-estar de todos. Bem, à medida que esta criatura celestial crescia, assim a semente daquele Eterno ‘Fiat’ crescia Nela, tornando-se uma árvore, e a Palavra Eterna se sentia irresistivelmente atraída a descansar na sombra
de sua Vontade Eterna e foi concebida, formando sua Humanidade naquele útero virginal, no qual sua Vontade Suprema reinava como o rei dominante. Então você vê como todos os bens descendem de minha Vontade Suprema e todos os males aparecem quando a criatura escapa da Vontade Divina? Portanto, se eu não tivesse encontrado uma criatura que tivesse a minha Vontade como vida e que se colocasse em relação Comigo, com aqueles elos da Criação que Me são queridos, não teria desejado ou poderia descer do Céu e assumir a carne humana para salvar os homem. Então minha Mãe foi o começo, a origem, o germe do “Fiat Voluntas tua, tanto na terra como no céu”, porque uma criatura o destruiu e era justo que outra criatura o reconstruísse.

(…) Agora, minha filha, se minha Sabedoria Eterna providenciou para que uma criatura celestial, a mais sagrada de todas, preparasse a semente de minha sagrada Vontade, na qual formei o plano do ressurgimento do homem em minha Suprema Vontade, agora, através de outra criatura, fazendo-a entrar nas moradas eternas da minha Vontade e ligando a sua vontade à Minha, unindo-a com todos os meus atos, faço ressurgir o seu interior no sol eterno da minha Vontade e abro este plano às gerações, para que quem quiser pode entrar para se colocar em relação com a Vontade do seu Criador. E se até agora gozaram dos bens da Redenção, agora virão a provar os frutos do “Fiat Voluntas tua, assim na terra como no céu”, essa felicidade perdida, essa dignidade e nobreza, essa paz toda celeste, que o homem na Terra. Não poderia dar-lhe uma graça maior, porque ao colocá-lo de novo em relação à minha Vontade, devolvo todos os bens com que o dotei ao criá-lo … Dia 16, 13/08/1923)

59 – Maria é como o Sol, sendo a origem de todos os bens.Ela é o milagre dos milagres.

“… E aí está também o exemplo da minha Mãe, verdadeira santidade de viver na minha Vontade, com todo o seu interior eclipsado no sol eterno da Vontade Suprema, e que, tendo que ser Rainha da santidade dos santos, Mãe e portadora da minha vida a todos e, portanto, de todos os bens, ficou oculta para todos, trazendo o bem sem se dar a conhecer. Mais que o sol silencioso, carregava a Luz sem falar, o Fogo sem barulho, o Bem sem chamar a atenção. Não havia nenhum bem do qual ela não saiu; Não houve milagre que não tenha surgido Dela. Vivendo na minha vontade, vivi escondido em todos e fui e é a origem dos bens de todos. Ela foi tão arrebatada em Deus, tão fixada e ordenada na Vontade Divina, que todo o seu interior nadou no mar da Vontade Eterna, O interior do homem precisava mais do que o exterior ser reparado, rearranjado, e tendo que fazer o que é mais, parecia deixar o mínimo, enquanto Ela era a origem do bem externo e interno.

E, no entanto, aparentemente não parecia que ele fazia trabalhos grandes e barulhentos. Ela, mais que o sol, passou despercebida e escondida na nuvem de luz da Divina Vontade, tanto que os próprios Santos se deram fazendo coisas aparentemente mais barulhentas que minha própria Mãe; E ainda, quais são os maiores santos em comparação com minha Mãe Celestial? Elas são apenas pequenas estrelas comparadas ao grande sol, e se elas são iluminadas, a causa é o sol. Mas mesmo que não fizesse coisas vistosas, não parava de parecer majestoso e belo, mal voando sobre a terra, inteiramente atento àquela Volição Eterna que fascinou e raptou com tanto amor e força para trazê-la do Céu à terra, e que a família humana havia banido com tanta brutalidade, relegando-a ao Paraíso. E Ela, com seu interior perfeitamente ordenado na Vontade Divina, não deu tempo a tempo. Se pensava, se palpitava, se respirava, tudo o que fazia eram elos fascinantes com os quais atraía o Verbo Eterno para a terra; e de fato ele ganhou e realizou o maior milagre, que ninguém mais poderia fazer … ” ( tudo o que ele fez foram laços fascinantes com os quais atraiu o Verbo Eterno à terra; e de fato ele ganhou e realizou o maior milagre, que ninguém mais poderia fazer … ” ( tudo o que ele fez foram laços fascinantes com os quais atraiu o Verbo Eterno à terra; e de fato ele ganhou e realizou o maior milagre, que ninguém mais poderia fazer … ” ( Dia 16, 20/08/1923)

60 – Maria foi preservada em sua pequenez, dando vida Nela apenas à Vontade Divina.
“Minha pequena, o mal não pode entrar nos verdadeiros pequeninos. Você sabe quando o mal começa a entrar, a crescer?
Quando o seu próprio amor começar a entrar. Quando entra na criatura, começa a se preencher e a viver consigo mesmo, e o Todo deixa a pequenez da criatura; E parece-lhe que a sua pequenez se torna grande, mas é a grandeza que a faz chorar porque, Deus não vivendo inteiramente nela, se afasta do seu Princípio, desonra a sua origem, perde a luz, a beleza, a santidade, o frescor do seu criador. Parece-te que cresce aos teus próprios olhos e até aos olhos dos outros, mas diante de Mim, ah, como diminui! Talvez se torne grande, mas nunca será meu filhinho favorito, que eu, movido por amor por ele, de modo que permaneça como o criei, o preencha Comigo e o torne o maior, e ninguém será capaz de igualá-lo.

Isso é o que fiz com minha Mãe Celestial. Entre todas as gerações, Ela é a menor, porque nunca entrará nela como agente, mas sempre minha Eterna Vontade, que não só a manteve pequena, bela, fresca, como veio de Nós, mas também a fez mais.
ótimo entre todos. Oh, que linda ela era, pequena em si mesma, mas grande, superior a todos por nossa causa! Somente por causa de sua pequenez ela foi elevada à altura da Mãe daquele que a criou. Portanto, como você vê, todo o bem do homem está em fazer minha Vontade, enquanto todo o mal está em fazer a dele. Por isso, para vir redimir o homem, escolhi minha Mãe, porque ela era pequena, e a usei como canal para trazer todos os bens e frutos da Redenção ao gênero humano.
Agora, para tornar minha Vontade conhecida, para abrir o Céu fazendo minha Vontade descer à terra e reinar lá como no Céu, eu tive que escolher outra garotinha entre todas as gerações. Sendo a obra que mais quero fazer, reintegrar o homem ao seu início, donde veio, abrir-lhe aquela Vontade Divina que ele rejeitou, abrir os braços para recebê-lo novamente no seio da minha Vontade, a minha infinita Sabedoria clama do nada a a mais pequena. Era justo que ela fosse pequena: se eu colocasse uma menina à frente da Redenção, deveria colocar outra menina à frente da « Fiat Voluntas tua, tanto na terra como no Céu ».

Entre duas meninas tive que encerrar o propósito da criação do homem e realizar meus planos sobre ele: por meio de uma eu deveria redimi-lo, lavá-lo com meu sangue de suas deformidades, dar-lhe perdão; Pelo outro tive que fazê-lo voltar ao seu início, à sua origem, à sua nobreza perdida, aos laços com a minha Vontade que ele havia rompido, para admiti-lo novamente ao sorriso da minha Vontade Eterna, de ter sua vontade beijada. e o meu e aquele vivia no outro. Esse foi apenas o fim da criação do homem, e ao que estabeleci ninguém pode se opor. Séculos e séculos passarão; como na Redenção, também nesta, mas o homem voltará aos meus braços, pois foi criado por Mim ( …)
E além disso, a vida da minha Vontade já existia na terra, não é inteiramente nova, embora estivesse apenas de passagem.
Ele estava em minha mãe inseparável e querida. Se a vida de minha Vontade não estivesse Nela, eu, o Verbo Eterno, não teria sido capaz de descer do Céu; Teria faltado o caminho para descer, a sala para entrar, a humanidade para cobrir minha Divindade, o alimento para me alimentar; Eu teria perdido tudo, porque todas as outras coisas não são adequadas para Mim. Ao contrário, encontrando minha Vontade em minha amada Mãe, encontrei meu próprio Céu, minhas alegrias, minha felicidade. Em todo caso, mudei de residência, do céu para a terra, mas fora isso não mudei nada; o que eu tinha no Céu, graças à minha Vontade que Ela possuía, encontrei na terra, e é por isso que com todo o meu amor desci para tomar Nela a minha carne humana … ”. ( Dia 16, 11-10-1923)

61 – Maria tornou seus todos os atos rejeitados da Vontade Divina; é por isso que o Verbo se encarnou.

“… Isso é necessário, como foi necessário que uma filhinha nossa, como foi minha Mãe, se encarregasse de receber Nela todos os atos de nossa Vontade, rejeitados pelas criaturas; Fez-os seus, acolheu-os com decoro, amou-os, reparou-os, correspondeu-se por eles, tanto que preencheu todos os seus limites, na medida do possível uma criatura. Então a Divindade, quando viu novamente sua Vontade em sua totalidade com respeito à Criação naquela garotinha, não apenas dela, mas de todas as outras, sentiu-se tão atraída que, por tantos atos de sua Vontade como ela fez na Criação, acrescentou o maior, o mais sublime, o mais prodigioso ato: que este pequenino era aquele que devia ser elevado à única dignidade de Mãe do seu próprio Criador.

Jamais eu, o Verbo Eterno, teria sido capaz de descer do Céu, se não tivesse reencontrado Nela toda a minha Vontade, como Queríamos que existisse na criatura.
Qual foi, portanto, a causa que me fez vir à terra? Minha vontade existe em uma pequena criatura. O que importa para mim que ela seja pequena? O que Me interessou é que minha Vontade esteja segura Nela, sem qualquer quebra por parte de sua vontade humana. Uma vez que os nossos foram salvos, todos os nossos direitos foram
restaurados para Nós, a criatura foi colocada em ordem em relação ao seu Criador e o Criador foi colocado em ordem em relação à criatura. O fim da Criação foi alcançado; Por isso nos pusemos a trabalhar, para que o Verbo se faça carne, primeiro para redimir o homem e depois para que a nossa Vontade seja feita assim na terra
como no céu. Ah sim, Foi a minha Mãe que, fazendo para si toda a nossa Vontade que Nos tinha deixado pelo bem da Criação, feriu a Divindade com flechas divinas, de tal forma que, como um poderoso íman, atraiu para o seu ventre o Verbo, ferida pelas nossas próprias flechas. . Não sabemos nada a negar quem possui nossa vontade.
Vês a necessidade que quero, para cumprir aquele “Fiat” que vim trazer à terra e que só foi acolhido e compreendido pela minha Mãe (e por isso não houve divisão entre Ela e eu), outra criatura ofereça-se para receber dentro de você todos os atos de minha Vontade que surgiram na Criação. Não sabemos nada a negar quem possui nossa vontade. Vês a necessidade que quero, para cumprir aquele “Fiat” que vim trazer à terra e que só foi acolhido e compreendido pela minha Mãe (e por isso não houve divisão entre Ela e eu), outra criatura ofereça-se para receber dentro de você todos os atos de minha Vontade que surgiram na Criação. Não sabemos nada a negar quem possui nossa vontade, outra criatura ofereça-se para receber dentro de você todos os atos de minha Vontade que surgiram na Criação.
A Divindade quer ser ferida novamente com seus mesmos dardos, para dar às gerações este grande bem, que minha Vontade reine nelas … ”( Dia 16, 15/11/1923)

62 – Com que comida Maria alimenta seus filhos. Ela é a “Mãe e Rainha da Vontade Divina”.

Eu estava cumprindo a hora da Paixão em que a minha Mãe dolorosa recebeu nos braços o seu Filho morto e o colocou no túmulo, e disse-lhe dentro de mim: “Minha mãe, junto com Jesus, coloco todas as almas nos teus braços, para que os reconheças todos como teus filhos, escreve-os no teu Coração um a um e coloca-os nas chagas de Jesus. Eles são filhos de sua imensa dor e isso basta para você reconhecê-los e amá-los. Quero colocar todas as gerações na Vontade Suprema, para que não falte ninguém, e em nome de todos quero dar-lhes consolo, compaixão e alívio divino ”.

E enquanto eu falava isso, meu doce Jesus se moveu dentro de mim e me disse: “Minha filha, se você
você saberia o que minha dolorosa Mãe alimentou todas essas crianças! ”
(…) “Mas o homem queria fazer a sua vontade e rompeu com o Divino … Gostaria que ele não tivesse feito isso! Minha vontade se retirou e ele mergulhou no abismo de todos os males. Agora, para religar essas duas vontades, era necessário Alguém que possuísse uma Vontade Divina e, portanto, amando a Eu, o Verbo Eterno, com um amor eterno pelo homem, as Três Pessoas Divinas decretam que eu tome carne humana para vir salvá-lo. e para reunir as duas vontades separadas. Mas onde eu poderia descer? Quem era ela para emprestar sua carne ao seu Criador?
Por isso escolhemos uma criatura que, graças aos méritos antecipados do futuro Redentor, ficou isenta da culpa original.
Seu amor e o nosso eram um. Foi essa criatura celestial que entendeu a história de nossa Vontade. Nós, ainda menina, narramos para ela toda a dor de nossa Vontade e como o homem ingrato, rompendo a união entre sua vontade e a Nossa, restringiu nossa Vontade no círculo divino, bloqueando-a em seus planos, impedindo-a de comunicar seus bens a ela e o propósito para o qual foi criado. ( …) Oh, como a menininha celestial entendeu nossa grande dor e o grande mal do homem quando ele deixou nosso Testamento! Oh, quantas vezes com lágrimas ardentes ele chorou por nossa dor e pelo grande infortúnio do homem! É por isso que Ela, temendo, não quis conceder nem um ato de vida à sua vontade. É por isso que ela permaneceu pequena, porque seu
amor não tinha vida nela, e como ela poderia se tornar grande? Mas o que Ela não fez, nossa Vontade fez: ela a fez crescer toda bela, santa, divina; enriqueceu tanto que o tornou o maior de todos. Foi um prodígio de nossa Vontade, um prodígio de graça, de beleza, de santidade. Mas Ela sempre permaneceu pequena, tanto que nunca deixou nossos braços, e fazendo nossa defesa Seu coração, Ela nos correspondeu por todos os atos de sofrimento da Vontade Suprema.
Portanto, você vê com que alimento esta Mãe amorosa alimenta seus filhos? Custou-lhe toda a sua vida, dores sem
precedentes, a própria vida do seu Filho, para formar Nela o depósito abundante deste alimento da minha Vontade, para tê-lo pronto para alimentar todos os seus filhos. Como Mãe terna e amorosa, Ela não poderia amar seus filhos mais; Ao dar-lhes esse alimento, seu amor atingiu o mais alto grau. Assim, a tantos de seus títulos, o mais belo que se poderia acrescentar é o de Mãe e Reino da Vontade Divina.

Agora, minha filha, se foi isso que minha Mãe fez pela obra da Redenção, você também tem que fazer pela obra do “Fiat Voluntas tua”. A tua não tem que ter vida em ti e, fazendo com que todos os atos da minha Vontade sejam teus em cada uma das criaturas, tu os depositares em ti; e enquanto em nome de todos vocês corresponderão à minha Vontade, você formará em si mesmo todo o alimento necessário para alimentar todas as gerações com o alimento da minha Vontade … ”( Dia 16, 24/11/1923)

63 – Para que a Redenção dê frutos, é preciso conheça Maria e o que Deus fez por ela.

“… Veja, isso teria acontecido na Redenção. Se minha querida Mãe não quisesse fazer saber que era minha Mãe, que Me concebeu em seu ventre virginal, que Me alimentou com seu leite, minha vinda à terra, a Redenção seria incrível e ninguém se sentiria movido a acreditar e receber os bens que a Redenção contém, enquanto, com a
minha Mãe dando a conhecer quem Ela era, aquela isenta de qualquer mancha, mesmo original, um prodígio da Graça, e como Ela amou ternamente todas as criaturas como crianças e por amor a eles veio sacrificar a vida de seu Filho e de Deus, a Redenção teve maior importância, tornou-se mais acessível à mente humana e formou o reino da Redenção com seus copiosos efeitos. Portanto, interferir com minha Mãe na obra da Redenção nada mais era do que dar maior importância ao grande bem que vim fazer na terra. Como tinha que ser visível para todos, assumir carne humana, tinha que servir como criatura do gênero humano, sublimando-o acima de tudo, para cumprir meus altos desígnios. Ora, se assim foi para formar o reino da minha Redenção na terra, então também, tendo que formar o reino da minha Vontade, é necessário que se conheça outra criatura, na qual o verdadeiro reino de Deus deva ter origem e início. minha Vontade, quem ela é, quanto a amei, como a sacrifiquei por todos e cada um … enfim, tudo que minha Vontade estabeleceu e depositou em sublimando-o acima de tudo, para realizar os meus projetos elevados. Ora, se assim foi para formar o reino da minha Redenção na terra, então também, tendo que formar o reino da minha Vontade, é necessário que se conheça outra criatura, na qual o verdadeiro reino de Deus deva ter origem e início. minha Vontade, quem ela é, quanto a amei, como a sacrifiquei por todos e cada um … enfim, tudo que minha Vontade estabeleceu e depositou em sublimando-o acima de tudo, para realizar meus altos desígnios. Ora, se assim foi para formar o reino da minha Redenção na terra, então também, tendo que formar o reino da minha Vontade, é necessário que se conheça outra criatura, na qual o verdadeiro reinado de minha Vontade, quem ela é, quanto a amei, como a sacrifiquei por todos e cada um … enfim, tudo que minha Vontade estabeleceu e depositou em ela … “( Dia 16, 4-12-1923)

64 – Para que o Verbo se encarnasse, Maria teve que cubra todas as criaturas com a Vontade Divina.

“… Você deve saber que para atrair o Verbo e fazê-lo descer do Céu, minha Mãe se comprometeu a passar por todas as gerações e, fazendo dela todos os atos da vontade humana, colocou neles a Vontade Divina, porque aquela capital da Vontade Suprema que ela possuía era tão grande que superava tudo que todas as criaturas deveriam ter juntas, e em cada jornada que ela fazia ela multiplicava aquele capital. Portanto, vendo Eu, Verbo Eterno, que uma de nossas criaturas mais fiéis com tanta graça e amor cobriu todos os atos humanos com a Vontade Divina, fazendo seu o coração o que era necessário para isso, visto que no mundo Nossa vontade foi desenhada, eu desci do céu … ”( Dia 16, 06/12/1923)

65 – A Imaculada Conceição (II) . Maria teve que ser concebida na Vida, nas dores e nos méritos do Redentor para poder concebê-lo também.

Pensava na Imaculada Conceição da minha Mãe e Rainha, e o meu sempre amável Jesus, depois da Sagrada
Comunhão, fez-se ver dentro de mim, como numa sala cheia de luz, e nessa luz mostrou tudo o que tinha feito em o curso de toda a sua vida. Todos os seus méritos, suas obras, suas dores, suas feridas, seu sangue, tudo o que continha a vida de um Homem e de Deus era visto em ordem, como se fosse um ato de preservação de uma alma tão querida a Ele, de qualquer mal. , no mínimo, isso poderia ofuscar. Fiquei surpreso ao ver tanta atenção de Jesus, e Ele me disse:
“Quero dar a conhecer ao meu pequeno recém-nascido a Imaculada Conceição da Virgem, concebida sem pecado. Mas primeiro você tem que saber que minha Divindade é um único Ato. Todos os atos estão concentrados em um. Isso significa ser Deus, a maior maravilha de nossa Essência Divina, não estar sujeito a uma sucessão de atos; E se parece à criatura que uma vez que fazemos uma coisa e outra outra, é antes que tornemos conhecido o que está naquele único Ato, porque sendo a criatura incapaz de saber tudo ao mesmo tempo, o damos a conhecer pouco a pouco.
Agora, tudo que eu, a Palavra Eterna, tive que fazer em minha Humanidade assumida, formei um único ato com aquele único Ato que contém minha Divindade. Portanto, antes que esta nobre criatura fosse concebida, já havia tudo que a Palavra Eterna tinha que fazer na terra. Portanto, no ato em que esta Virgem foi concebida, todos os meus méritos, minhas dores, meu sangue, tudo o que continha a vida de um Homem e de Deus foram exibidos em torno de sua concepção, e ela foi concebida nos abismos sem fim de meus méritos, de meu divino sangue, no imenso mar de minhas dores. Em virtude de tudo isso, era imaculado, belo e puro. O caminho do inimigo estava bloqueado por meus méritos incalculáveis e não poderia causar-lhe nenhum dano.

Acontece que Aquele que deveria conceber o Filho de Deus deveria primeiro ser ela mesma concebida nas obras deste Deus, a fim de ser capaz de conceber aquela Palavra que tinha que vir para redimir a raça humana. Portanto, primeiro Ela foi concebida em Mim e depois Eu fui concebida Nela. Bastou dar a conhecer a seu tempo às criaturas, mas na Divindade foi como já foi feito.

Por isso, esta criatura exaltada foi a que mais colheu os frutos da Redenção, aliás, nela produziu o seu fruto completo, porque tendo sido concebida nela, ela amou, estima e conservou como seu tudo o que o Filho de Deus fez. Na terra. Oh, que beleza desta terna menina! Foi um prodígio da Graça, uma maravilha de nossa Divindade. Ela cresceu como nossa Filha, foi nosso decoro, nossa alegria, nossa honra e nossa glória ”.

Mas enquanto meu doce Jesus dizia isso, pensei em minha mente: “É verdade que minha Rainha e Mamãe foram
concebidas nos méritos infinitos de Meu Jesus, mas seu corpo e seu sangue foram concebidos no ventre de Santa Ana, que não estava isento da mancha original; portanto, como pode ser que ele não tenha herdado nenhum dos muitos males que todos nós herdamos do pecado de nosso primeiro pai, Adão? ”

E Jesus: “Minha filha, você ainda não entendeu que todo mal está na vontade. A vontade oprimiu o homem, isto é, sua natureza, não a natureza para a vontade do homem, então a natureza permaneceu em seu lugar, como eu a havia criado; Nada mudou, foi a sua vontade que mudou e ela se colocou, nada menos, contra uma Vontade Divina, e essa vontade rebelde dominou a sua natureza, enfraqueceu-a, poluiu-a e tornou-a escrava de paixões muito baixas. Aconteceu como um recipiente cheio de perfumes ou coisas preciosas: se esvaziado de seu conteúdo e cheio de esterco ou de coisas vis, o recipiente muda? Ele muda o que põe dentro, mas permanece o que é. Em qualquer caso, torna-se mais ou menos apreciável, dependendo do seu conteúdo. O homem também.

Pois bem, para minha Mãe, ter sido concebida em uma criatura da raça humana não lhe causou nenhum mal, pois sua alma estava imune a toda culpa. Entre a sua vontade e a do seu Deus não havia divisão, as correntes divinas não encontraram nenhum obstáculo ou oposição para se derramarem nela e a cada momento ela estava sob a mais intensa chuva de novas graças. Então, com aquela vontade e com aquela alma, todo santo, todo puro, todo belo, o recipiente de seu corpo que ele recebeu de sua mãe, foi perfumado, reabilitado, ordenado, divinizado, de modo que também ficou isento de todos os males naturais de aqueles em que a natureza humana é invadida.

Ah, sim, foi precisamente Ela quem recebeu a semente do «F IAT V OLUNTAS TUA, na terra como no céu ”, o que o enobrece e coloca no seu início, pois o homem foi criado por Nós antes de pecar, até o fez vencer, embelezou-o ainda mais com a corrente contínua daquele ‘ FIAT ‘, o único que tem o poder de reproduzir imagens inteiramente semelhantes a Aquele que as criou.

E graças a essa Vontade Divina que atuou nela, pode-se dizer que o que Deus é por natureza, ela é pela graça. A nossa Vontade tudo pode fazer e tudo alcançar, quando a alma nos dá liberdade para agir e não interrompe o nosso trabalho com a sua vontade humana ”. ( Dia 16, 08/12/1923)

66 – Deus pôde gozar as alegrias da Criação graças a Maria; é por isso que ela foi capaz de conceber a Palavra.
“Minha filha, tenho desfrutado das alegrias puras da Criação, meus jogos inocentes com a criatura, mas a intervalos, não de forma perene, e as coisas, quando não são estáveis e contínuas, aumentam ainda mais a dor e fazem um suspiro mais desfrutá-los novamente, e faria qualquer sacrifício para torná-los permanentes.
Em primeiro lugar desfrutei das alegrias puras da Criação quando, tendo criado tudo, criei o homem, até que ele pecou ( …) Pela segunda vez, desfrutamos das puras alegrias da Criação, quando depois de tantos séculos a Virgem veio à luz Eu imaculado.
Tendo sido preservado até da sombra da culpa e possuindo nossa Vontade em toda sua plenitude, não havendo nenhuma sombra de ruptura entre Ela e Nós, entre sua vontade e a Nossa, as alegrias, nossos jogos inocentes foram devolvidos a Nós; Em seu colo ela nos trouxe todas as festas da Criação, e Nós lhe demos tanto e nos divertimos tanto dando que a cada momento a enriquecemos com tantas novas graças, novas alegrias, novas belezas que ela não poderia conter mais. Mas a criatura Imperador não ficou muito tempo na terra, passou para o Céu, e não encontramos outra criatura no submundo que pudesse perpetuar nossa diversão e nos dar as alegrias da Criação. Em terceiro lugar, desfrutamos as alegrias da Criação quando eu, a Palavra Eterna, desci do Céu e tomei minha Humanidade.
Ah, minha querida Mãe, possuindo a plenitude da minha Vontade, tinha aberto as correntes entre o céu e a terra, tinha posto tudo em festa, o céu e a terra, e a Divindade, estando em festa pelo amor desta santa criatura, me fez ser concebida no seu seio virginal, dando-lhe a Fertilidade Divina, para me fazer realizar a grande obra da Redenção.

Se não tivesse existido esta Virgem exaltada, que teve o primado na minha Vontade, que fez uma vida perfeita na minha Vontade, vivendo Nele como se não tivesse a sua, e que com isso estabeleceu a corrente das alegrias da Criação e das nossas festas, nunca a Palavra Eterna teria vindo à terra para cumprir a Redenção da raça humana. Você vê como a coisa maior, mais importante, mais satisfatória, aquela que mais atrai a Deus, é viver em minha vontade, séculos e séculos não foram obtidos.
Oh, como minha Humanidade, estando na terra e tendo em si a própria vida da Vontade Suprema, que era inseparável de Mim, de forma perfeita e completa deu à Divindade todas as alegrias, a glória, a correspondência de amor dos toda a Criação, e a Divindade sentiu-se tão felicitada que Me deu o primado sobre tudo, o direito de julgar todos os povos! Oh, que bem as criaturas obtiveram sabendo que um Irmão deles, que tanto as amou e que tanto sofreu para salvá-las, tinha que ser seu juiz! A Divindade, vendo todo o fim da Criação contido em Mim, como se estivesse desnudando tudo, Me concedeu todos os direitos sobre todas as criaturas.
Mas minha Humanidade passou para o Céu e não sobrou ninguém na terra que perpetuasse a vida inteiramente na Vontade Divina e que, elevando-se acima de tudo e de todos em nossa Vontade, nos desse alegrias puras e nos fizesse continuar nossas inocentes diversões com uma criatura terra. Então nossas alegrias foram interrompidas, nosso jogo cortou a face da terra ”( …)

“… Vejam, se passaram vinte séculos desde a verdade, as alegrias plenas da Criação foram interrompidas, porque não encontramos capacidade suficiente, desapropriação total da vontade humana em alguém a quem podemos confiar a propriedade de nossa Vontade. Agora, para fazer isso, tínhamos que escolher uma criatura que fosse mais próxima e gêmea das gerações humanas. Se eu tivesse usado minha mãe como exemplo, eles teriam se sentido muito distantes dela. Eles teriam dito: ‘Como ele poderia não ter que viver na Vontade Divina, se ele carecesse de todas as manchas, mesmo a original?’ Portanto, eles teriam encolhido os ombros e não teriam nenhum interesse. E se eu tivesse dado o exemplo à minha Humanidade, eles teriam ficado ainda mais assustados e teriam dito: ‘Foi Deus e o homem, e sendo a Vontade Divina sua própria vida, não é surpreendente que
ele vivesse na Vontade Suprema. ‘ Portanto, para fazer viver na minha Vontade ter vida na minha Igreja, tive que seguir a escala, ainda descer antes, escolha uma criatura entre eles … ”( Dia 16, 22-2-1924)

67 – Jesus depositado no Coração de sua Mãe toda a lei evangélica e os bens da redenção.

“Minha filha, toda a lei e os bens da Redenção foram escritos por Mim e depositados no Coração de minha querida Mãe. Era justo que Ela, sendo a primeira que viveu na minha vontade e por isso aquela que me atraiu do céu e me concebeu no seu seio, conhecesse todas as leis e fosse depositária de todos os bens da redenção. E não acrescentei uma vírgula a mais, e não porque fosse incapaz, ao sair para a vida pública manifestei isso ao povo, aos apóstolos, e os próprios apóstolos e toda a Igreja não acrescentaram mais nada ao que eu disse e fiz. Eu quando estava na terra. Nenhum outro evangelho foi feito e nenhum outro sacramento instituído, mas sempre envolve tudo o que eu fiz e disse. Dia 16, 2-24-1924)

68 – Maria, vivendo na Vontade Divina, realizou o maior milagre: atrair a Palavra para a terra.

“… Minha Mãe também teve minha Vontade como uma vida, apesar da qual o mundo continuou seu curso no mal, nada foi visto para mudar; nenhum milagre externo foi visto nele. E ainda o que ele não fez no submundo, ele fez no Céu, com seu Criador. Com sua contínua vivência na Vontade Divina, ela formou Nela o espaço para atrair o Verbo à terra, mudou o destino da raça humana, fez o maior dos milagres que ninguém mais fez ou poderá fazer. Foi um milagre único transportar o céu para a terra. Quem deve fazer mais, não precisa fazer menos. Porém, quem sabia alguma coisa do que minha Mãe estava fazendo, o que ela estava fazendo com o Eterno para realizar o grande prodígio da vinda do Verbo no meio das criaturas? Eles só sabiam que ela era a causa, alguns quando ela me concebeu, muitos quando me viram morrer na cruz ”. ( Dia 16, 3-24-1924)

69 – Maria foi o ponto de partida da obra do Redentor, porque ele possuía inteiramente.

“… Não coloquei todo o meu Ser no seio de minha Mãe Celestial? Eu me tranquei em parte e em parte fiquei no céu? Claro que não, e ao me encerrar em seu seio, não foi ela a primeira que participou de todos os atos do seu Criador e de todas as suas dores, identificando-se comigo, para não omitir nada do que eu fiz? Não foi Ela o meu ponto de partida, de onde saí para me entregar às outras criaturas? Se fiz isso com a minha Mãe inseparável, para rebaixar o homem e cumprir a minha redenção, não o posso fazer com outra criatura, dando-lhe graça e  capacidade de conter em si a minha Vontade, fazendo-a participante de todos os bens que contém, para formar a sua Vida e emergir como uma segunda mãe, para ir no meio das criaturas para me dar a conhecer e cumprir a   ‘FIAT V OLUNTAS TUA, tão na terra como no céu ‘? Você não quer ser o ponto de partida do meu testamento?
Mas, oh, quanto custou minha rainha e minha mãe estar o ponto de partida da minha aparição na terra! Assim, custará a você ser o ponto de partida da minha Vontade, para que ela apareça no meio das criaturas. Quem tem tudo para dar, tudo tem que conter.
Você não pode dar se não o que você tem … ” ( Dia 16, 6-6-1924)

70 – A Imaculada Conceição (III) . O teste de Maria desde o primeiro momento de sua concepção.

Ele estava pensando na Imaculada Conceição da Rainha e Mãe Soberana. As qualidades, belezas e maravilhas de
sua Imaculada Conceição fluíram em minha mente, uma maravilha que supera todas as outras maravilhas feitas por Deus na Criação. Agora, enquanto pensava nisso, dizia a mim mesmo: Grande é o prodígio da Imaculada Conceição, mas minha Mãe Celestial não tinha prova em sua Conceição; Tudo lhe era favorável, tanto de Deus como de sua natureza, criada por Deus tão feliz, tão santo, tão privilegiado. Então, qual foi o seu heroísmo e sua prova? Se o Anjo no Céu e Adão no paraíso terrestre não estivessem isentos, apenas a Rainha de todas seria excluída do mais belo que o teste deveria colocar em sua augusta cabeça de Rainha e Mãe do Filho de Deus? ?
Enquanto eu pensava isso, meu amado Jesus, movendo-se dentro de mim, disse-me: “Minha filha ninguém
pode ser aceitável para mim sem prova. Se não houvesse provas, eu teria tido uma Mãe escrava, não livre, e a escravidão não entra em nossas relações ou em nossas obras, nem pode participar de nosso amor livre.
Minha mãe fez sua primeira prova desde o primeiro momento de sua concepção. Assim que teve seu primeiro ato de uso da razão, ela conheceu sua vontade humana de um lado e a Divina de outro, e foi deixada livre, a qual das duas vontades ela queria aderir, e Ela, sem perder um momento e conhecendo todas as alcance do sacrifício que fez, deu-nos a sua vontade, sem querer saber, e nós lhe demos a nossa. Nessa troca de entrega recíproca de vontades, de todas as qualidades, da beleza, dos prodígios, dos imensos mares de graça do Eu Imaculada Conceição do mais privilegiado entre todas as criaturas.

É sempre a vontade que estou acostumada a testar. Todos os sacrifícios, mesmo a morte, sem a vontade, me enojariam e não atrairiam nem um olhar de mim.
Mas você quer saber qual foi o maior prodígio feito por Nós nesta Criatura tão sagrada e o maior heroísmo, que ninguém pode igualar, de uma criatura tão bela? Que sua vida começou com a nossa Vontade, com ela ele a seguiu e a cumpriu. Portanto, pode-se dizer que ele cumpriu desde o princípio e começou onde ele cumpriu. E nosso maior prodígio foi que em cada um de Seus pensamentos, palavras, respirações, batidas, movimentos e passos, nossa Vontade fluiu para Ela e Ela nos ofereceu o heroísmo de um pensamento, uma palavra, um sopro, um palpitar divino e eterno, operativo nela. Isso a elevou tanto que o que somos por natureza ela foi pela graça. Todas as suas outras prerrogativas, seus privilégios, seu próprio Eu A Imaculada Conceição não teria sido nada comparada a este grande prodígio, aliás, foi isso que a confirmou e a tornou estável e forte por toda a vida. Minha vontade continua, transbordando nela, comunicou-lhe a natureza divina, e o recebimento contínuo dela a tornou forte no amor, forte na dor, diferente entre todas. Foi a nossa Vontade operando Nela que atraiu o Verbo à terra, que formou a semente da Fertilidade Divina, para poder conceber um homem e Deus sem obra humana, e a fez digna de ser a Mãe do seu próprio Criador ” . ( Dia 17, 12-08-1924)

71 – Abraçar tudo e poder dar tudo a todos é uma exclusividade da Maria. A Igreja inteira depende dela.

“… O que é que se opõe à verdade? Onde isso te exalta tanto, só porque eu disse que te colocaria ao lado de minha Divina Mãe? Pois, tendo sido a depositária de todos os bens da minha Redenção, Ela, portanto, a colocou como minha Mãe, como Virgem, como Rainha, à frente de todos os remidos, dando-lhe uma missão distinta, única e especial, que não será outra.
Os próprios apóstolos e toda a Igreja dependem dela e recebem dela. Não há bem que Ela não possua; todos os bens vêm dela. Era justo que, sendo minha Mãe, confiasse tudo e todos ao seu Coração Materno. Abrace tudo e poder dar tudo a todos, isso é só da minha mãe.

Agora repito-vos que, ao colocar a minha Mãe diante de todos, depositando Nela todos os bens da Redenção, escolhi assim outra virgem, que coloquei ao lado dela, dando-lhe a missão de fazer conhecer a minha Divina Vontade . E se a redenção é grande, ainda maior é a minha vontade. E como na Redenção houve um começo no tempo, não na eternidade, então minha Divina Vontade, embora seja eterna, teve que ter seu início para se dar a conhecer no tempo. Portanto, uma vez que minha Vontade existe no Céu e na terra e somente Ela é a única que possui todos os bens, eu tive que escolher uma criatura para quem confia a uma segunda mãe os depósitos dos seus conhecimentos, faz-lhe conhecer as suas qualidades, os seus valores, as suas prerrogativas, para que a ame e guarde com ciúme o seu depósito. E minha Mãe Celestial come, verdadeira depositária dos bens da Redenção, é generosa com quem os deseja, por isso esta segunda Mãe será generosa em dar a conhecer a todos o depósito
dos meus ensinamentos, a santidade da minha Vontade Divina e o bem que quer dar, como minha Vontade vive desconhecida no meio das criaturas e como desde o início da criação do homem ela suspira, reza, pede que o homem volte ao seu início, isto é, a Ela, e que os direitos de sua soberania sobre todas as criaturas.

Minha redenção foi apenas uma, e usei minha querida mãe para fazê-lo. Minha Vontade também é única e devo usar outra criatura, que, colocando-a na cabeça e depositando nela, me servirá para tornar conhecidos meus ensinamentos e cumprir os planos de minha Vontade Divina.

Então, onde isso está te elogiando muito? Quem pode negar que a redenção e o cumprimento da minha vontade são duas missões únicas e semelhantes? E que, apertando as mãos uns dos outros, minha Vontade fará com que os frutos da Redenção sejam completados e os direitos da Criação sejam restaurados para Nós, selando o propósito para o qual todas as coisas foram criadas? É por isso que nos interessamos tanto por esse conhecimento da missão da nossa Vontade, porque nada mais fará tanto bem às criaturas como isto: será o cumprimento e o coroamento de todas as nossas obras… ”( 17, 15/04/1925)

72 – Maria tem a missão única de Mãe de Deus e o ofício de Corredentora e nossa Mãe.

“Minha filha, certas missões e ofícios trazem consigo tais dons, graças, riquezas e prerrogativas que, se não fosse pela missão ou pelo desempenho do cargo, não seria necessário possuir o que se possui e que foi dado pela necessidade realizar o escritório …)
Ao lado de mim está minha Mãe do Céu, que teve a missão única de ser a Mãe de um Filho que é Deus e a função de Corredentora da raça humana. Por sua missão de Divina Maternidade foi enriquecida com tanta Graça que, reunindo tudo, tudo das outras criaturas do céu e da terra, nunca poderão igualá-la. Mas não bastava: para atrair o Verbo ao seu ventre materno, ela abraçou todas as criaturas, amou, reparou, adorou a Suprema Majestade por todos, para que só ela pudesse fazer tudo o que as gerações humanas deviam a Deus. Assim, em seu Coração virginal ela tinha uma veia inesgotável para com Deus e para com todas as criaturas. Quando a Divindade wncontrou nesta Virgem a correspondência do amor de todos, ela se sentiu arrebatada e realizou a concepção do Verbo, isto é, a Encarnação. E quando ela me concebeu, ela assumiu a função de Corredentora e participou comigo e abraçou todas as dores, as satisfações, as reparações, o amor maternal por todos. Portanto, no Coração de e minha Mãe havia uma fibra de amor maternal por cada criatura. Por isso, com verdade e justiça, declarei-a, quando estava na Cruz, Mãe de todos. Ela correu comigo no amor, na dor, em tudo; Ele nunca me deixou sozinho. Se o Eterno não tivesse dado a ela tanta graça para poder receber por si mesma o amor de todos, ela nunca teria se mudado do céu para vir à terra para redimir a raça humana. Daí a necessidade, a comodidade de que, pela sua missão de Mãe da Palavra, tivesse que abraçar tudo e superar tudo. Quando um trabalho é único, segue-se que quem tem essa missão não tem nada a escapar, deve controlar tudo, Para dar aquele bem que possui, tem que ser como um verdadeiro sol, que pode iluminar a todos. Assim tem sido para mim e minha mãe celestial.

Agora, sua missão de tornar conhecida a Vontade Eterna está ligada à minha e à minha.
Querida mãe…” ( Dia 17, 1 ° -5-1925)

73 – A maternidade de Maria representa a paternidade do Pai Celestial e possui sua Onipotência.

“… A Virgem, com a sua Maternidade, que reflete a Paternidade do Pai Celeste e contém o seu Poder, para cumprir a sua missão de Mãe do Verbo Eterno e de Corredentora do género humano. ( …) Quando olhei para o sol, que só Adão e Eva desfrutavam com tanta luz, olhei também para todos os seres vivos e, vendo que aquela luz era para servir a todos, minha Bondade Paterna exultou de alegria e fui glorificado em minhas obras. Fiz o mesmo com minha Mãe: enchi-a de tanta Graça que ela pode agradecer a todos sem ficar sem nenhuma. Assim fiz com a minha Humanidade: não há bem que eu não possua; Nela está contido tudo e a mesma Divindade, para dá-la a quem a quiser. E assim fiz com você: coloquei minha Vontade em você e com Ela me fechei, coloquei em você seu conhecimento, seus segredos, sua luz … ” ( Dia 17, 4-5-1925)

74 – Jesus tratou apenas com Maria a Redenção e, Depois de fazer tudo nela, Ele se entregou aos outros.

“… Minha filha, é meu costume que a ordem de minha Sabedoria eterna manifeste minhas maiores obras primeiro a uma única alma, para concentrar nela todo o bem que meu trabalho contém e resolvê-lo somente com ela, como se nenhuma outra existisse. E quando eu fiz tudo, de tal forma que posso dizer que completei meu trabalho nele, tanto que nada deve faltar, então o faço fluir como um imenso mar em favor de outras criaturas. Eu fiz isso com minha Mãe Celestial. Em primeiro lugar, tratei com Ela de você para você a Obra de Redenção; nenhuma outra criatura sabia sobre isso. Ela se preparou para todos os sacrifícios, para todos os preparativos necessários para me trazer do Céu à terra. Fiz tudo como se fosse o único redimido; mas depois de me dar à luz, para que todos pudessem me ver e levar os bens da redenção, Assim será com a minha Vontade: quando eu tiver completado tudo em você, de modo que minha Vontade triunfe em você e você nela, então correrá como água para o bem de todos; mas é preciso fazer com que a primeira alma tenha as outras ”. ( Dia 17, 25/06/1925)

75 – Toda a glória de Maria como Mãe e Rainha vem de “Fiat”, e assim será para a Igreja.

“… Mais tarde me encontrei em um vasto jardim e para minha grande surpresa encontrei minha Rainha e Mãe, que,
aproximando-me de mim, me disse: “Minha filha, venha comigo para trabalhar nisso
jardim. Temos que plantar flores e frutos celestiais e divinos. Está quase vazio e se há alguma planta é terrestre e humana; portanto, é conveniente rasgá-lo para fazer este jardim totalmente do agrado de meu Filho Jesus. As sementes que devemos usar são todas as minhas virtudes, minhas obras, minhas dores, que contêm a semente do ‘Fiat Voluntas tua’. Não houve nada que eu fiz que não contivesse esta semente da Vontade de Deus. Em vez disso, eu teria preferido não fazer nada, em vez de agir ou sofrer sem essa semente. Toda a minha glória, a dignidade de Mãe, a Alteza da Rainha, a supremacia sobre todas as coisas veio desta semente. Toda a Criação, todos os seres Me reconheceram como dominante sobre eles, porque viram a Vontade Suprema reinando em Mim. Por isso, Tudo o que eu fiz e tudo o que você fez com esta semente da Suprema Vontade podemos juntos e
vamos plantar este jardim ”. ( Dia 17, 2-8-1925)

76 – The Stssma. A Virgem encheu o céu e a terra com amor, com glória e da gratidão que todos devemos a Deus.

“… Essa falta de correspondência de amor a Deus por tudo o que ele fez na Criação pelo homem é a primeira fraude que a criatura faz a Deus, é usurpar seus dons, sem nem mesmo reconhecer de onde vêm e quem é aquele que tanto a amava.
É por isso que é o primeiro dever da criatura, e este dever é tão indispensável e importante, que Aquela que levou a nossa glória, nossa defesa, nosso interesse, nada fez senão passar por todas as esferas, da menor coisa criada por Deus aos maiores, que imprima sua correspondência de amor, glória, gratidão por todos e em nome de todas as gerações humanas. Ah, sim, foi precisamente minha Mãe Celestial que encheu o céu e a terra com a correspondência por tudo o que Deus fez na Criação. Depois dela, foi a minha Humanidade que cumpriu este dever sacrossanto, que tanto faltou à criatura, com o qual meu Pai Celestial se tornou benevolente para com o homem culpado. Isso foi conseguido com as minhas orações e as da minha Mãe inseparável.

Você não quer repetir minhas mesmas orações? É mais, ( 18, 9-8-1925)

77 – A Assunção de Maria (II) foi o triunfo e a festa da Vontade Divina.

(…) Depois pensei na festa da minha Mãe Celestial na sua Assunção ao Céu, e o meu doce Jesus com um
sotaque terno e comovente acrescentou:
“Minha filha, o verdadeiro nome desta festa que deveria ser chamada é festa da Vontade Divina. A vontade humana foi aquela que fechou o Céu, aquela que rompeu os laços com seu Criador, aquela que fez aparecer as misérias e a dor, aquela que pôs fim às festividades que a criatura deveria desfrutar no céu. Pois bem, esta criatura, Rainha de todos, sempre e em tudo fazendo a Vontade do Eterno – aliás, pode-se dizer que sua vida era apenas a Vontade Divina – abriu o Céu, ligou-se ao Eterno e fez isso no Céu as partes voltaram com a criatura. Cada ato que ele fez na Suprema Vontade foi uma festa que Começou no Céu, foram sóis que formei para decorar aquela festa, foram músicas que fiz chegar para animar a Jerusalém Celestial, para que a verdadeira causa desta festa seja a Vontade Eterna operando e realizada em minha Mãe Celestial, que operou tantas maravilhas Nela, que surpreendeu os céus e a terra, acorrentou o Eterno com os laços indissolúveis do amor e sequestrou o Verbo ainda no seio. Os próprios Anjos, raptados, repetiam entre si: «De onde vem tanta glória, tanta honra, tanta grandeza e maravilhas nunca vistas nesta exaltada Criatura? E ainda assim ele vem do exílio. E surpresos reconheceram a Vontade do seu Criador operando e como Vida Nela, e estremecendo disseram: «Santo, Santo, Santo! Honra e glória à Vontade de nosso Senhor Soberano, e glória ao Três Vezes Santo, Aquela que fez funcionar esta Vontade Suprema ». Por isso, é sobretudo a minha Vontade que foi e é celebrada no dia da Assunção ao Céu da minha Santíssima Mãe. Foi apenas a minha Vontade que a fez subir tão alto, que a distinguiu entre todos; tudo o mais teria sido como nada, se eu não tivesse possuído o prodígio de minha Vontade. Foi a minha Vontade que lhe deu Fertilidade Divina e a fez Mãe do Verbo, foi a minha Vontade que a fez ver e abraçar todas as criaturas juntas, fazendo-a Mãe de todos e amando a todos com o amor da Maternidade Divina, e fazendo-a Rainha de tudo, Ela o fez governar e dominar. tudo o mais teria sido como nada, se eu não tivesse possuído o prodígio de minha Vontade.

Foi a minha Vontade que lhe deu Fertilidade Divina e a fez Mãe do Verbo, foi a minha Vontade que a fez ver e abraçar todas as criaturas juntas, fazendo-a Mãe de todos e amando a todos com o amor da Maternidade Divina, e fazendo-a Rainha de tudo, Ela o fez governar e dominar. tudo o mais teria sido como nada, se eu não tivesse
possuído o prodígio de minha Vontade. Foi a minha Vontade que lhe deu Fertilidade Divina e a fez Mãe do Verbo, foi a minha Vontade que a fez ver e abraçar todas as criaturas juntas, fazendo-a Mãe de todos e amando a todos com o amor da Maternidade Divina, e fazendo-a Rainha de tudo, Ela o fez governar e dominar.

Assim, naquele dia a minha Vontade recebeu as primeiras honras, a glória e os frutos abundantes do seu trabalho na Criação, e começou a sua festa ininterrupta para glorificar o que faz na minha querida Mãe. E embora o Paraíso tenha sido aberto por Mim e muitos Santos já possuíssem a Pátria Celestial quando a Rainha foi levada para o Céu, mesmo assim a causa primária foi justamente Ela, que em tudo cumpriu a Vontade Suprema, e por isso esperaram por Aquele que tanto anseia Ele o havia honrado e que continha o verdadeiro prodígio da Santíssima Vontade, fazer a primeira festa à Suprema Vontade. Oh, como ele exaltou todo o Céu, abençoou e louvou a Vontade Eterna, quando viu esta Rainha sublime entrar no Empíreo, no meio da corte celestial, toda rodeada pelo Sol Eterno da Vontade Suprema! Eles viram tudo resplandecente com a potência do Supremo ‘Fiat’;

Não tinha havido sequer um batimento cardíaco Nela que não imprimisse aquele ‘Fiat’ e, atônitos, olharam para Ela e disseram:
«Sobe, sobe mais alto; é justo que aquele que tanto honrou o Supremo ‘Fiat’, pelo qual estamos na Pátria Celestial, tenha o trono mais alto e seja a nossa Rainha ». E a maior honra meu A Mãe veria glorificada a Vontade Divina ”. ( 18, 15/08/1925)

78 – A verdadeira morte de Maria: rendeu sua vontade como morto nas mãos de Deus.

Encontrando-me em meu estado normal, minha pobre mente estava em uma atmosfera muito elevada; Pareceu-me ver a Divindade, e em um joelho do Pai Celestial minha Rainha e Mãe morta, como se eu não tivesse vida. Eu, pasmo, pensei comigo mesmo: “Minha mamãe está morta, mas que morte feliz é morrer de joelhos de nosso Criador!” Mas, olhando mais de perto, vi como se sua vontade estivesse separada do corpo, nas mãos do Pai Divino. Fiquei atônito e não sabia como explicar o que vi, mas uma voz que veio do Trono Divino disse:
“Esta é a escolhida entre todos os escolhidos, ela é a toda bela, ela é a única criatura que nos deu sua vontade e a deixou morta de joelhos, em nossas mãos, e nós lhe demos um presente de nossa Vontade. Não poderíamos dar a ele um presente maior, porque ao adquirir esta Suprema Vontade ele tinha o poder de trazer a Palavra à terra e realizar a Redenção da raça humana. A vontade humana não teria poder ou apelo sobre Nós; mas uma Vontade Divina dada por Nós a esta criatura incomparável, Ela nos derrotou, nos conquistou, nos sequestrou e, incapazes de resistir, cedemos às suas orações para trazer a Palavra à terra. Agora esperamos que venha morrer do outro joelho, nos dando a sua vontade, e nós, vendo-a morta em nossas mãos, como se ela não existisse mais para você, Daremos a nossa a você e por você, ou seja, a partir desta nossa Vontade que lhe foi dada, nosso ‘Fiat’ voltará a viver na terra. Estas duas vontades mortas sobre os nossos joelhos serão o resgate de tantas
vontades rebeldes e nós as teremos como uma vestimenta preciosa, que nos compensará por tantos males de outras criaturas, porque com a nossa Vontade eles poderão nos satisfazer de tudo ”. ( 18, 10-10-1925)

79 – Tudo o que Maria fez por Jesus. Ele fez isso para aqueles que vivem na Vontade Divina.

(…) “Minha filha, coloque o seu pequeno ‘Eu te amo’ não só na boca, mas também em todos os atos que acontecem entre Meu Filho e Eu. Você deve saber que tudo o que eu fiz ao meu Filho, minha intenção era fazer para aquelas almas que tinham que viver na Vontade Divina, porque estando Nela eles estavam prontos para receber todos os atos que eu fiz a Jesus, e eu encontrei espaço suficiente para colocá-los. Então, se eu beijei meu Filho, eu os beijei, porque os encontrei unidos a Ele em Sua Vontade Suprema. Eles foram os primeiros conforme ordenado Nele, e meu amor maternal me forçou a fazê-los compartilhar o que eu estava fazendo a meu Filho.
Grandes graças eram necessárias daqueles que viveriam nesta Santa Vontade, e coloquei à sua disposição todos os meus bens, minhas graças, minhas dores, como ajuda, como força, como suporte, como luz, e me senti feliz e glorificado com as maiores honras por ter como meus filhos os filhos da Vontade do Pai Celestial, que eu também possuía, e é por isso que os considerava meus filhos. Além disso, o que é dito sobre meu Filho pode ser dito sobre eles: que assim como as primeiras gerações obtiveram a salvação pelos méritos do futuro Redentor, assim também essas almas, em virtude da Vontade Divina que nelas opera, essas futuras filhas são as que imploram incessantemente a salvação, graças para as gerações futuras; eles estão com Jesus e Jesus neles, e repetem com Ele o que Jesus contém. Portanto, se queres que repita o que fiz ao meu Filho, faze com que ele te encontre
sempre na sua vontade, e te concederei os meus favores em abundância ”. ( 18, 10-10-1925)

80 – The Stssma. A Virgem completou todos os atos bons e sagrados do Antigo Testamento Vontade
necessário para preparar e obter a vinda do Redentor.

“… É normal que a Sabedoria Eterna estabeleça os atos da criatura, faça o bem que deseja fazer a ela. Isso aconteceu para que viesse a Redenção, para que o Verbo Eterno viesse à terra, demorou quatro mil anos para se passar, e em todo esse tempo todos os atos que as criaturas tiveram que fazer para se preparar e merecer o grande bem de a Redenção, e todas as graças e conhecimentos que a Suprema Majestade teve que dar, para tornar conhecido o mesmo bem que a vinda da Palavra em seu meio traria. É por isso que os Patriarcas, os Santos Padres, os Profetas e todo o bem do Antigo Testamento, que com as suas ações deviam formar o caminho, a escala, para alcançar a realização da tão esperada Redenção. Mas isso não foi o suficiente. Por mais boas e sagradas que fossem suas ações, havia a parede imponente do pecado original, que mantinha a divisão entre Deus e eles.
Por isso, foi necessário que uma Virgem concebida sem mancha original, inocente e santa, enriquecida por Deus com todas as graças, que fez todos os bons atos ao longo de quatro mil anos, cobriu-os com sua inocência, santidade e pureza, De tal forma que a Divindade viu aqueles atos através dos atos desta inocente e sagrada Criatura, que não só abarcou todos os atos dos antigos, mas com os seus os superou a todos, e por isso obteve a vinda do Verbo. a terra.
Com todas as boas ações dos antigos, aconteceu como quem tem muito ouro e prata, sem a imagem do Rei sendo cunhada naquele metal precioso, que dá o valor da moeda a esse metal, de modo que, embora tenha um valor, não se pode dizer que é um valor monetário que pode circular no reino com direitos monetários. Mas suponha que o rei adquiriu esse ouro e essa prata e, dando-lhes a forma de uma moeda, cunhou sua efígie: esse ouro teria adquirido o valor de uma moeda. Assim a Virgem, cunhou a sua inocência, a sua santidade, a vontade divina que possuía em plenitude, apresentou-os todos juntos perante a Divindade e obteve o tão esperado Redentor. Então, o Stssma. A Virgem completou todos os atos necessários para que a Palavra viesse à terra … ” ( 18, 11-12-1925)

81 – O Coração materno de Maria foi traspassado ao ver a dor de Jesus.

“Minha filha, minhas lágrimas começaram desde o primeiro momento da minha concepção no seio de minha Mãe Celestial, até o último suspiro na cruz. ( …) Quantas vezes minha querida Mãe, olhando para mim, foi perfurada ao ver minhas lágrimas, e pela dor de me ver chorar, Ela juntou suas lágrimas às minhas, e choramos juntas; e às vezes era obrigada a esconder-me para desabafar, para não furar sempre o seu Coração materno e inocente. Outras vezes, esperava minha Mãe do Céu para cuidar das coisas da casa por necessidade, para desabafar minhas lágrimas, para poder completar o número de lágrimas de todos os criaturas “. ( 18, 20/12/1925)

82 – Só o que é necessário para a Redenção foi conhecido de Maria: que o Filho de Deus era seu Filho.

“… Meu amor e minha Vida, Jesus, há algum tempo Tu me disseste que querias fazer de mim uma cópia de minha Mamãe Celestial, da qual, porém, quase nada se sabia de tantos mares de graça com que a inundaste a cada momento. Ela não disse nada a ninguém, ela tinha tudo para si, nem o Evangelho diz nada. Sabe-se apenas que ela foi sua mãe e que deu a você ao mundo, a você, a palavra eterna, mas tudo que entre você e ela era de favores, de graça, ela tinha tudo para ela. De mim, porém, você quer o contrário, quer que eu manifeste o que me diz, não quer o segredo do que há entre eu e você. Isso machuca. Onde está a cópia da minha mãe que você quer fazer de mim? ”
E meu doce Jesus, segurando-me bem junto ao seu Coração, com toda a ternura que me disse:
“Minha filha, coragem, não temas; Como foi de minha Mãe, de quem só se sabia o necessário e o suficiente para que se soubesse, que eu era seu filho, que por ela vim redimir as gerações e que ela foi a primeira em cuja alma tive o meu primeiro campo da ação divina, e tudo mais, os favores e mares de graças que ele recebeu, permaneceram no tabernáculo dos segredos divinos (mas o mais importante, o maior, o mais sagrado, que o Filho de Deus era seu Filho, e essa foi para Ela a maior honra, que a exaltou acima de todas as criaturas; de modo que, sabendo o máximo de minha Mãe, o mínimo não foi necessário), assim será para minha filha: só se saberá que Minha Vontade teve seu primeiro campo de ação divina em sua alma, e tudo que é necessário para que minha Vontade seja conhecida, como ela quer sair para fazer a criatura voltar à sua origem e como eu a espero ansiosamente em meus braços, para que não haja mais divisão entre ela e eu. Se isso não fosse conhecido, como poderia aquele grande suspiro bom? Como você se prepararia para uma graça tão grande? Se minha Mãe não quisesse que soubesse que eu era o Verbo Eterno e seu filho, que bem teria produzido a Redenção? “… ( 19, 6-3-1926)

83 – No jogo do amor com Deus, Maria perdeu sua vontade e venceu a vontade Divino

“… Foi grande a nossa dor quando vimos que a criatura nos rejeitou estes grandes bens e o nosso jogo de azar falhou naquele momento, mas mesmo que tivesse falhado, foi sempre um jogo divino, que podia e devia ser refeito do seu fracasso. Por isso, depois de tantos anos, meu amor quis brincar de novo, e foi com minha mãe Eu imaculado. Nela o nosso jogo não falhou, teve o seu sucesso total, por isso demos tudo a Ela e confiamos tudo a Ela, ainda mais, foi uma carreira: Nós para dar e Ela para receber.
(…) Venha comigo, diante do Trono Divino, e você encontrará aos pés da Suprema Majestade a pequena chama da vontade da Rainha dos Céus, que Ela jogou no jogo divino, pois para jogar é necessário sempre colocar algo seu, caso contrário Quem vence não tem nada a tirar e quem perde nada deixa para trás. E como ganhei o jogo com minha mãe, ela perdeu a pequena chama de sua vontade. Mas feliz perda; tendo perdido a sua pequena chama, deixando-a como homenagem contínua aos pés do seu Criador, formou a sua vida no grande fogo divino, crescendo no imenso mar dos bens divinos, e conseguiu assim obter o tão esperado Redentor … ” ( 19,
3-9-1926)

84 – The Stma. A Virgem é a recém-nascida da Vontade Divina no tempo: é por isso que ele fez tudo e conseguiu tudo.
“Minha filha, não se surpreenda se eu disser que você é a recém-nascida do meu Testamento. Você deve saber que minha própria mãe Eu Imaculado é o recém-nascido da minha Vontade, porque comparando o que é o Criador e o que a criatura é e pode tirar de Deus, pode-se dizer que é um pequeno recém-nascido, e por ser o recém-nascido da minha Vontade, se formou à semelhança do seu Criador e poderia ser Rainha de toda a Criação e como Rainha dominava tudo e o seu eco correspondia bem ao eco da Vontade Divina. E não só o Soberano Celestial, mas todos os Santos, Anjos e bem-aventurados, pode-se dizer que acabam de nascer na Vontade Eterna, pois assim que a alma deixa o corpo mortal, renasce na minha Vontade; e se não renasce Nela, não pode só entrar na Pátria Celestial, mas nem mesmo salvar a si mesmo, porque na glória eterna ninguém entra se não tiver nascido da minha Vontade.

Um exemplo é minha Mãe e Rainha, que foi a recém-nascida da Vontade Divina no tempo, e sendo recém-nascida teve o poder de fazer seu Criador descer à terra, e enquanto ela era imensa, ela O trancou em seu ventre materno, para vesti-lo em sua própria natureza e dá-lo como Salvador das gerações humanas. Ela, sendo a recém-nascida, formou mares de graça, luz, santidade, conhecimento, nos quais conter Aquele que a criou. Com a potência da Vida da Vontade Suprema que ele possuía, Ele podia fazer tudo e impetrar tudo, e o próprio Deus não podia recusar o que esta Criatura Celestial pedia, porque o que Ele pedia era o que a Sua própria Vontade pedia, do qual nada poderia nem devo negar … ” ( 19, 3-14-1926)

85 – Maria foi concebida Imaculada e Cheia de Graça porque tinha que ser a Mãe de Deus.

“Minha filha, minha Mãe foi concebida sem mancha de origem para poder impetrar o tão esperado Redentor, pois foi justo e digno que em quem deveria ser minha Mãe, nem mesmo o germe da culpa jamais existiu, e teve que ser a nobre, a mais sagrada entre todas as criaturas, mas com uma nobreza divina e uma santidade completamente semelhante ao seu Criador, por poder encontrar nela tanta graça e capacidade que ela pudesse conceber o Santo dos Santos, a Palavra Eterna.

Muitas vezes as criaturas também fazem isso, que se têm que preservar coisas preciosas e de grande valor, preparam recipientes muito limpos e dão um valor equivalente às coisas preciosas que devem ser guardadas neles. Mas se forem coisas comuns e de pouco valor, vasos de barro de muito pouco valor são preparados, Não se toma cuidado para mantê-los trancados a sete chaves como o contêiner bem limpo, mas eles os mantêm em qualquer lugar, de forma que pela preciosidade do contêiner e como é guardado, seja possível saber se o que contém é algo precioso e de grande valor . Pois bem, como tive que receber o seu sangue para ser
concebida no seu ventre, era justo que tanto a sua alma como o seu corpo fossem muito limpos e que ela se enriquecesse com todas as graças, privilégios e prerrogativas possíveis e imagináveis que Deus pode dar e que ela criatura pode receber…” ( 19, 3-19-1926)

86 – O objetivo principal de tudo o que Jesus e Maria fizeram na Redenção era para obter o Reino da Vontade Divina na terra.

“Minha filha, de tudo o que minha Mãe fez e de tudo que eu fiz na Redenção, o propósito primordial era que meu ‘Fiat’ reinasse na terra. Não teria sido decoroso, nem verdadeiro amor, nem grande magnanimidade, muito menos agir como o Deus que sou, se vindo ao mundo eu quisesse e tivesse que dar às criaturas o mínimo, como os meios para se salvarem, e não a mínima coisa. uma coisa maior, como é a minha Vontade, que contém não só os remédios, mas todos os bens possíveis que estão no céu e na terra; não só a salvação e a santidade, mas aquela santidade que a eleva à própria santidade de seu Criador.
Oh, se você pudesse penetrar em cada frase, ato, palavra e tristeza de minha Mãe inseparável, você descobriria dentro do ‘Fiat’ que Ela suspirou e implorou …
(…) Não chamei e escolhi minha mãe enquanto estava em minha pátria celestial? É assim que te chamei e te escolhi com aquela mesma força a que ninguém resiste, para o tão esperado ‘Fiat’, e mais, digo-te que para o obteres tens à tua disposição coisas maiores e mais importantes que o que minha querida mãe tinha. Por isso você fica mais feliz, porque Ela não teve mãe, nem suas obras, como auxílio para obter o tão esperado Redentor, mas apenas o namoro dos atos dos profetas, dos patriarcas e do bem do Antigo Testamento e dos grandes. bens previstos do futuro Redentor, enquanto tendes uma Mãe e todas as suas obras por socorro, tendes os socorros, as dores, as orações e a própria Vida, não prevista, mas realizada, do vosso Redentor; Não há bem ou oração que foi feita e que é feita no Eu igreja que não está com você, para ajudá-lo a obter o tão esperado ‘Fiat’. E como o fim primário de tudo o que foi feito por Mim, pela Rainha dos Céus e por todos os bons foi o cumprimento da minha
Vontade, portanto, tudo está contigo para pedir que o fim seja alcançado. Portanto, esteja atento, eu estarei com você, também minha Mãe; você não estará sozinho suspirando o triunfo de nossa Vontade ”. ( 19, 3-28-1926)

87 – Maria só pode conceber a Palavra porque ela teve a vontade divina como sua própria vida.

“Minha filha, você deve saber que minha Mãe Celestial foi capaz de me conceber, o Verbo Eterno, em seu ventre puríssimo, porque ela fez a Vontade de Deus como Deus o faz. Todas as outras prerrogativas que ela tinha, ou seja, sua virgindade, sua concepção original imaculada, sua santidade, os mares de graça que ela possuía, não eram meios suficientes para poder conceber um Deus, porque todas essas prerrogativas não lhe deram nem mesmo a imensidão nem a visão para poder conceber um Deus imenso, que tudo vê, muito menos a fertilidade para poder conceber; em uma palavra, o germe para a fecundidade divina teria faltado, enquanto.

Possuindo a Vontade Suprema como sua própria vida e fazendo a Vontade de Deus como Deus a faz, ele recebeu o germe da fecundidade divina, e com ele a imensidão, o que tudo vê. É por isso que de uma maneira conatural eu poderia ser concebido Nela; Não me faltou a imensidão, nem nada que pertence ao meu ser. …) Fazer a Vontade de Deus como Deus o faz foi o ponto mais alto, mais substancial, mais necessário para minha Mãe obter o tão esperado Redentor. Todas as outras prerrogativas eram a parte superficial, a decência, o decoro que Lhe convinha. É assim para você: se você quer obter o tão esperado ‘Fiat’, você tem que conseguir fazer a Vontade de Deus como Deus a faz ”. ( 19, 3-31-1926)

88 – Vivendo na Vontade Divina, Maria tirou tudo de Deus retribuir tudo e para todos de uma forma divina.

“… Esta foi a vida da minha Mãe Divina. Ela era a verdadeira imagem de viver em meu testamento. Seu viver Nele era tão perfeito que ela não fazia nada a não ser receber continuamente de Deus o que era conveniente para ela fazer para viver na Vontade Suprema. Recebeu assim o ato de adoração suprema, para poder colocar-se à frente de cada adoração que todas as criaturas têm a obrigação de fazer ao seu Criador, pois a verdadeira adoração tem vida nas Três Pessoas Divinas. Nossa perfeita harmonia, nosso Amor recíproco, nossa única Vontade, constituem a mais profunda e perfeita adoração na Sagrada Trindade.

Portanto, se a criatura Me adora e sua vontade não concorda Comigo, é uma palavra inútil, mas não adoração. Por isso minha Mãe tirou tudo de Nós, para se espalhar em tudo e se colocar à frente de todos os atos da criatura, Na cabeça de cada ato de amor, em cada passo, em cada palavra, em cada pensamento, na cabeça de cada coisa criada. Ela colocou seu ato em primeiro lugar em todas as coisas, e isso lhe deu o direito de ser Rainha de tudo e de tudo, e superada em santidade, em amor, em graça, todos os Santos que foram e serão, e todos Anjos juntos. O Criador derramou nela, dando-lhe tanto amor que ela tem amor suficiente para poder amá-lo por todos, comunicou-lhe a máxima concórdia e a única Vontade das Três Pessoas Divinas, para que pudesse adorar de maneira divina por todos e cumprir todos os deveres das criaturas. Se não fosse assim, não seria verdade que a Mãe Celestial superou a todos na santidade, no amor, mas na forma de dizer; mas quando falamos, eles são atos, não
palavras. É por isso que encontramos tudo nela, …)

Você tem que ser o nosso eco, o eco da Mãe Celestial, porque só Ela foi quem viveu perfeita e plenamente na Vontade Suprema; É por isso que ela pode atuar como guia e professora.
Ah, se você soubesse com quanto amor estou ao seu redor, com o quanto eu zelo por você, para que sua vida na minha Vontade Eterna não seja interrompida! Você deve saber que estou fazendo mais com você do que com minha própria Mãe Celestial, porque Ela não tinha suas necessidades, tendências ou paixões que pudessem impedir o curso de minha Vontade Nela no mínimo. Com grande facilidade o Criador se derramou nela e ela nele, e por isso minha vontade sempre foi triunfante nela; é por isso que ela não precisava ser empurrada ou repreendida … ” ( 19, 16- 4-1926)

89 – A Divina Vontade sempre teve plenitude de vida em Maria: portanto, ela é a nova criação.

“… Você deve saber que minha Vontade somente na Criação e em minha Mãe Celestial sempre foi íntegra e teve seu campo de ação livre. Por isso, tendo que te chamar a viver na minha Vontade como um deles, tive que os propor como exemplo, como imagem que deves imitar. ( …) Mas quem supera tudo é minha Mãe Celestial. Ela é o novo céu, ela é o sol mais brilhante, ela é a lua mais esplêndida, ela é a terra mais florescente. Tudo, tudo encerra nela, e se cada coisa criada contém a plenitude do seu próprio bem recebido de Deus, minha Mãe contém todos os bens juntos, porque ela é dotada de razão, e vive nela toda a minha vontade, a plenitude da graça , de luz, de santidade cresceu a cada momento. Cada ato que eu fiz foram sóis, estrelas, que minha Vontade formou Nela, de tal forma que ultrapassou toda a Criação, e minha Vontade, sendo integral e permanente Nela, fez a maior coisa e impôs o tão esperado Redentor.

Por isso a minha Mãe é Rainha no meio da Criação, porque tudo venceu, e a minha Vontade encontrou nela o alimento da sua razão, e a fez viver em Si mesmo com integridade e permanência. Houve a mais alta concordância, trocaram-se apertos de mão, houve fibra de seu coração, pensamento, palavra, em que minha vontade não tinha vida. E o que uma vontade divina não pode fazer?

Tudo, não há poder que lhe falte ou algo que não possa fazer. Por isso se pode dizer que ela fez tudo, e tudo que os outros não puderam, nem vão poder fazer juntos, ela fez sozinha … ”

90 – O supremo sacrifício de Maria foi contínuo: era dele “Fiat” com pleno conhecimento e em tudo.

Aí pensava comigo mesmo: “Minha mãe e rainha é verdade que ela fez o maior sacrifício, que ninguém mais fez, ou seja, ela não queria conhecer a sua vontade de forma absoluta, mas apenas a de Deus, e com isso ela abraçou todas as dores, todas as penalidades, até mesmo o heroísmo do sacrifício de sacrificar seu próprio Filho para cumprir a Vontade Suprema, mas aquele sacrifício ele fez uma vez; tudo o que ele sofreu depois foi o efeito do primeiro ato, ele não teve que lutar como fazemos em circunstâncias diferentes, em situações imprevistas, em perdas inesperadas. É sempre uma luta, até que nosso próprio coração sangre por medo de ceder à nossa vontade guerreira humana. Com que atenção se deve prestar, para que a Vontade Suprema sempre tenha seu lugar de honra e supremacia em tudo, e muitas vezes a luta afia mais a pena do que a própria pena.

Mas enquanto eu estava pensando isso, meu tipo Jesus se moveu dentro de mim, me dizendo:
“Minha filha, você se engana, não foi um dos maiores sacrifícios de minha Mãe, mas foram tantas e quantas foram `ás dores, tristezas, circunstâncias, situações em que a existência dela e a minha foram expostas. Suas tristezas sempre foram duplicadas, porque minhas tristezas eram por ela mais do que se fossem dela. Além disso, minha Sabedoria não mudou de direção com minha Mãe; em cada dor que tive que tocá-la, sempre perguntei se ela queria aceitá-la, me sentir repetindo aquele ‘Fiat’ para ela em cada dor, em cada circunstância e até em cada batimento do coração dela. Aquele ‘Fiat’ soava tão doce, tão suave e harmonioso para Mim, que queria ouvi-lo repetir em todos os momentos da sua vida, e é por isso que sempre lhe perguntei:

«Mãe, Você quer fazer isso Você quer sofrer esta dor? » E meu ‘Fiat’ trouxe-lhe os mares dos bens que contém e o fez compreender a intensidade da dor que ele aceitou, e que compreender com luz divina o que ele teve que sofrer a cada momento deu-lhe um tal martírio que ultrapassa infinitamente o luta que sofrem as criaturas, porque como Ela não tinha o germe da culpa, Ela não tinha o germe da luta, e minha Vontade teve que encontrar outra solução para fazê-la sofrer não menos que as outras criaturas, porque tendo que para adquirir o direito de Rainha das Dores com justiça, ela teve que superar todas as criaturas juntas nas penalidades.

E quantas vezes você já provou a si mesmo que, embora não tenha sentido nenhuma luta, ao fazer minha Vontade
compreender as dores a que te sujeitei, você ficou petrificado pela força da dor e, enquanto foi deixado desfeito pela dor, você foi o único Cordeirinho em meus braços, pronto para aceitar outras dores às quais minha Vontade gostaria de submetê-lo? Oh, você não sofreu mais do que com a própria luta? Lutar é sinal de paixões veementes, enquanto minha Vontade, se dói, dá coragem, e com o conhecimento da intensidade da dor dá mérito, como só uma Vontade Divina pode dar. Por isso, como eu faço contigo, em tudo o que quero de ti, te pergunto primeiro se queres, se aceitas, assim fiz com minha Mãe, para que o sacrifício seja sempre novo e me dê a oportunidade de conversar com a criatura, ( 19, 28/04/1926)

91 – Por que Maria está antes de Adão e Eva diante de Deus:porque ele nunca se separou de Deus.

“Minha filha, você deve saber que os primeiros antes da Suprema Majestade são aqueles que viveram em meu Testamento, sem nunca deixar meu Testamento. Minha mãe veio ao mundo depois de quatro mil anos, mas antes de Deus ela existia antes de Adão. Seus atos, seu amor, estão na primeira ordem das criaturas, de modo que todos os seus atos são antes de todos os atos das criaturas, porque ela era a mais próxima de Deus, ligada aos mais próximos laços de santidade, de união e semelhança.
Vivendo em nossa Vontade, seus atos se tornaram inseparáveis dos Nossos, e o que é inseparável se torna o mais próximo, como uma coisa conatural, de seu Criador … ” ( 19, 6-5-1926)

92 – Maria é mãe de direito. Toda a redenção foi confiada a ele e ela o fez dar frutos.

“Minha filha, minha inseparável Mãe, para me conceber, o Verbo Eterno, foi enriquecida com mares de graça, luz e santidade pela Suprema Majestade, e Ela fez tais e tantos atos de virtude, de amor, de orações, de desejos e de suspiros ardentes, que ultrapassaram todos os amores, virtudes e atos de todas as gerações, necessários para obter o tão esperado Redentor.

Assim, quando vi na Rainha Soberana o amor completo de todas as criaturas e de todos os atos que foram necessários para merecer que o Verbo fosse concebido, e Nela encontrei a correspondência do amor de todos, nossa glória reintegrada, todos os atos dos redimidos e mesmo daqueles a quem a minha redenção devia servir de condenação pela sua ingratidão, então o meu Amor deu o seu último desabafo e eu encarnei. Por isso, o direito ao nome de Mãe lhe é inato, é sagrado, porque abarcando todos os atos de todas as gerações, substituindo-se por todos, era como se ela desse à luz a todos, a uma nova vida, desde o seu ventre materno .

Agora, você deve saber que quando fazemos o nosso trabalho, à criatura escolhida para isso e a quem é confiada, devemos dar tanto amor, luz e graça, que nos possa dar toda a correspondência e a glória da obra que lhe foi confiada. confiável. Nosso Poder e Sabedoria não seriam colocados no banco da criatura desde o início de uma obra nossa se ela estivesse falida. Portanto, nosso trabalho deve ser seguro na criatura chamada para ser o primeiro ato, e devemos coletar todos os juros e glória equivalentes ao trabalho que nos foi confiado. E mesmo que depois o nosso trabalho fosse comunicado a outras criaturas e devido à sua ingratidão corresse o risco de falhar, para Nós é mais tolerável, porque aquele a quem foi inicialmente confiado fez-nos interessar-nos plenamente pelos fracassos de outras criaturas.

(…) E não foi qualquer obra, um pequeno capital, mas a grande obra da Redenção e todo o custo do valor infinito e
incalculável do Verbo Eterno. Foi um trabalho único, uma nova descida do Verbo Eterno à terra não poderia se repetir e por isso tivemos que assegurá-la no Soberano Celestial. E tendo-lhe confiado tudo e mesmo a própria Vida de Deus, Ela, fiel a Nós, teve de responder por todos nós, tornar-se fiadora e responsável desta Vida Divina que lhe foi confiada, como de facto o fez.

Pois bem, minha filha, o que eu fiz e quis de minha Mãe Celestial na grande obra da Redenção, quero fazer com você na grande obra do Supremo ‘Fiat’. ( …) Eu não sou o dono de dar o que eu quero? Quer limitar o meu trabalho completo que quero confiar a você? O que você diria se minha Mãe Celestial quisesse aceitar o Verbo Eterno sem seus bens e os atos necessários para poder me conceber? Isso teria sido amor verdadeiro e aceitação verdadeira? Claro que não. Então você gostaria de meu Testamento sem suas obras e sem os atos que lhe são convenientes? … ” ( 19, 18/05/1926)

93 – Quando Maria veio ao mundo, todas as criaturas e o Criador tinha seus olhos sobre Ela.

“Minha filha, quando minha Mãe e Rainha vieram à luz, estavam todas esperando por ela e, como se fosse um único olhar, todos os olhos se dirigiram para aquele que lhes enxugaria as lágrimas, dando-lhes a Vida do tão esperado Redentor. Toda a Criação estava concentrada nela, sentindo uma honra obedecer a um simples gesto dela. A mesma Divindade se dirigia para Ela, toda dependente Dela, para prepará-la e formar Nela com graças surpreendentes o espaço em que o Verbo Eterno devia descer para se revestir de carne humana. Portanto, se não tivéssemos a capacidade de, enquanto agimos, tratamos, falamos e doamos a uma criatura, não negligenciamos as outras, todos nos teriam dito: « Deixe-nos de lado, pense naquela Virgem; dar tudo a ela, dar-lhe tudo, para que ela faça vir Aquele em quem estão as nossas esperanças, a nossa vida, todo o nosso bem ». É por isso que esse tempo, em que a Rainha Soberana veio à luz, pode ser chamado de tempo de minha Mãe … ”( 19 °,94 – Maria teve pela graça a unidade da luz da Vontade Divina: a Luz plena e nunca interrompida.

“… Viver na minha Vontade é possuir a fonte da unidade da luz da minha Vontade, com toda a plenitude dos efeitos que nela existem. Assim, em cada ato seu vem luz, amor, adoração, etc., esse ato constituinte para cada ato, amor para cada amor, como a luz do sol invade tudo, se harmoniza com tudo, reúne tudo em si e como um raio radiante dá ao seu Criador a correspondência de tudo o que ele fez por todas as criaturas e a verdadeira nota de concordância entre o Céu e a terra. 23/05/1926)

(…) A unidade da luz era possuída por Adão antes de pecar, e ele não poderia mais recuperá-la em vida. Aconteceu com ele quanto à terra que gira em relação ao sol, que não sendo fixa, enquanto gira se opõe ao sol e a noite se forma. Agora, para torná-la novamente firme e assim poder sustentar a unidade desta luz, era necessário um reparador, que deveria ser superior a ele; uma força divina foi necessária para endireitá-lo: daí a necessidade de Redenção.
A unidade desta Luz foi possuída por minha Mãe Celestial e, portanto, mais do que o sol pode dar luz a todos. Entre Ela e a Suprema Majestade nunca houve noite ou sombra, mas sempre o dia inteiro, e é por isso que a cada momento esta unidade da Luz de minha Vontade fez fluir Nela toda a Vida Divina, dando-lhe mares de luz, de
alegrias , de felicidade, de conhecimento divino, mares de beleza, de glória, de amor. E Ela, triunfantemente, trouxe a seu Criador todos aqueles mares como seus, para mostrar-lhe seu amor, sua adoração e fazê-lo se apaixonar por sua beleza; e a Divindade fez fluir outros mares novos e mais bonitos. Ela tinha tanto amor que, como algo
natural, ela poderia amar por todos, adorar e fornecer para todos. Seus menores atos, realizados na unidade dessa Luz, eles eram superiores aos atos maiores e a todos aqueles de todas as criaturas juntas; Por isso os sacrifícios, as obras, o amor de todas as outras criaturas, pode-se dizer que são pequenas chamas comparadas ao sol,
gotículas de água comparadas ao mar, se comparadas aos atos da Rainha Soberana. E é por isso que Ela, em virtude da unidade desta luz da Vontade Suprema, triunfou em tudo, derrotou o seu próprio Criador e o fez prisioneiro no seu ventre materno. Ah, só a unidade desta luz da minha Vontade, possuída por Aquele que reinou sobre todos, poderia fazer este prodígio que nunca aconteceu, que lhe proporcionou as ações dignas deste Divino Prisioneiro. se comparado aos atos da Rainha Soberana. E é por isso que Ela, em virtude da unidade desta luz da Vontade Suprema, triunfou em tudo, derrotou o seu próprio Criador e o fez prisioneiro no seu ventre materno. Ah, só a unidade desta luz da minha Vontade, possuída por Aquele que reinou sobre todos, poderia fazer este prodígio que nunca aconteceu, que lhe proporcionou as ações dignas deste Divino Prisioneiro. se comparado aos atos da Rainha Soberana. E é por isso que Ela, em virtude da unidade desta luz da Vontade Suprema, triunfou em tudo, derrotou o seu próprio Criador e o fez prisioneiro no seu ventre materno. Ah, só a unidade desta luz da minha Vontade, possuída por Aquele que reinou sobre todos, poderia fazer este prodígio que nunca aconteceu, que lhe proporcionou as ações dignas deste Divino Prisioneiro.
Adão, perdendo esta unidade da Luz, transtornou e moldou a noite, as fraquezas, as paixões, para si e para as gerações.Esta Virgem exaltada, por nunca fazer a sua vontade, sempre se pôs de pé diante do Sol Eterno, e por isso sempre foi dia para ela e ela deu à luz o dia do Sol da Justiça para todas as gerações. Se esta Rainha Virgem nada mais tivesse feito do que preservar no fundo de sua alma imaculada a unidade da Luz da Vontade Eterna, teria sido suficiente para nos devolver a glória de tudo, os atos de todos e a correspondência de amor de toda a Criação. . A Divindade, através dela, em virtude da minha Vontade, sentiu as alegrias e a felicidade que ela havia estabelecido para receber através da Criação voltando para Ela. Por isso ela pode ser chamada de Rainha, Mãe, Fundadora, base e espelho de minha Vontade, em que todos se possam olhar para receber dela a sua
vida ”. ( …)
“Minha filha, Adão no estado de inocência e minha Mãe Celestial possuíam a unidade da Luz de minha Vontade, não por si mesmas, mas comunicada por Deus, enquanto minha Humanidade a possuía por sua própria capacidade, porque Nela não estava apenas a unidade da Luz da Vontade Suprema, mas ali estava o Verbo Eterno e, sendo eu inseparável do Pai e do Espírito Santo, aconteceu a verdadeira e perfeita bilocação, pois enquanto permaneci no Céu desci ao seio de minha Mãe, e sendo o Pai e o Espírito Santo inseparáveis de mim, eles também desceram comigo enquanto permaneceram nas alturas do céu ”. ( …)

“Minha filha, o Pai e o Espírito Santo, sendo inseparáveis de Mim, desceu Comigo e Eu fiquei com Eles no Céu, mas a tarefa de satisfazer, sofrer e redimir o homem foi assumida por Mim. Eu, o Filho do Pai, assumi a tarefa de pacificar Deus com o homem. Nossa Divindade era intangível e incapaz de sofrer a menor dor. Foi a minha Humanidade, inseparavelmente unida às Três Pessoas Divinas, que, entregando-se sob o poder do Divino, sofreu dores inauditas, satisfazia de maneira divina. E visto que minha Humanidade não possuía apenas a plenitude de minha Vontade como própria, mas a própria Palavra e, como conseqüência da inseparabilidade, o Pai e o Espírito Santo, portanto, superou de forma ainda mais perfeita tanto o inocente Adão quanto eu. Mãe, já que neles era graça, em mim era natureza. Eles tinham que receber luz de Deus, graça, poder, beleza; em Mim estava a fonte de onde surgiram a luz, a beleza, a graça, etc., razão pela qual havia tanta diferença entre Mim, que era a natureza,
e minha própria Mãe, que era a graça, que Ela foi eclipsada diante de mim Divindade…” ( 19, 31/05/1926)

95 – Para fazer a redenção, Jesus precisava de uma virgem mãe em que a Divina Vontade reinou.

“Minha filha, tudo foi estabelecido, a hora e a hora, tanto da Redenção como de fazer a minha Vontade conhecida na terra para que ela reine. Ficou estabelecido que minha Redenção deveria servir como um meio e uma ajuda. Ela não tinha sido o começo do homem, antes, surgiu como um meio depois que o homem partiu de seu início. Pelo contrário, minha Vontade foi o começo do homem e o fim em que ele deve se encerrar. Todas as coisas têm início a partir da minha Vontade e tudo deve retornar a Ela, e se não tudo no tempo, na eternidade ninguém poderá escapar dela, pelo que, também por isso, o primado é sempre meu Fiat.
Pois bem, para formar a Redenção, precisei de uma Virgem Mãe, concebida sem a sombra da mancha original, pois, tendo que me vestir de carne humana, foi um decoro para Mim, Verbo Eterno, não receber sangue infectado para formar meu Stssma .Humanidade.

Agora, para dar a conhecer a minha Vontade para que reine, não é necessário que Eu forme uma segunda mãe segundo a ordem natural, mas sim uma segunda mãe segundo a ordem da graça, porque para fazer reinar a minha Vontade não o faço Eu preciso de outra Humanidade, mas para dar tal conhecimento Dela, que as criaturas, atraídas por suas maravilhas, por sua beleza e santidade e pelo grande bem que deriva para elas, possam com todo amor se submeter ao seu domínio. Por isso, escolhendo-te para a missão da minha Vontade, segundo a ordem natural que te tirei do tronco comum, mas pelo decoro da minha Vontade, segundo a ordem da graça, tive que te elevar tanto que não sobraria nada na tua alma. Sombra infecciosa, pela qual minha vontade poderia sentir nojo de reinar em você. Como o sangue puro da Virgem era necessário Eu Imaculada para formar a minha Humanidade, para poder redimir o homem, assim foi necessária a pureza, a candura, a santidade, a beleza da tua
alma para formar em ti a Vida da minha Vontade. E como tendo formado a minha Humanidade no seio da minha Mãe, esta Humanidade foi dada a todos – entende-se, aos que Me amam – como meio de salvação, de luz, de santidade, assim esta vida de minha Vontade formada em vós será dado a todos, para se darem a conhecer e assumir o seu domínio. Se eu quisesse te libertar da mancha de origem, como minha Mãe Celestial, para fazer minha Vontade ter vida em você, ninguém teria se importado com minha Vontade para reinar nela; eles teriam dito: « É preciso ser uma segunda mãe de Jesus, para ter seus privilégios, para fazer reinar em nós a vida da Suprema Vontade ». Pelo contrário, sabendo que você é um de sua linhagem, concebido como eles, desejando-o, eles também, com a ajuda de sua boa vontade, poderão conhecer a Vontade Suprema, o que devem fazer para que
reine neles, o bem que ela supõe para eles. , felicidade terrena e celestial preparada de forma diferente para aqueles que fazem meu Fiat…” ( 19, 6-6-1926)

96 – O embaraço de Maria ao perceber o que o Todo queria fazer em seu nada.

“… Vejo que o teu nada sente o peso do Todo, porque quanto mais te elevo intimamente a Mim e te faço saber o que o Todo quer fazer do teu nada, mais te sentes a tua nulidade e quase assustado, esmagado pelo Todo, queres escapar de ter que manifestar, e mais ainda por escrito, o que o Todo quer fazer deste nada; um motivo maior de que, por mais nojo que você sinta, eu sempre ganho e faço você fazer o que eu quero.
O mesmo aconteceu à minha Mãe Celestial quando lhe disseram: «Saúdo-te, Maria, cheia de graça. Você deve conceber o Filho de Deus ». Ao ouvir isso ficou assustada, estremeceu e disse: “Como isso pode acontecer?” Mas terminou dizendo: “Fiat mihi secundum verbum tuum” (“faça-se em mim segundo a tua palavra”). Ela sentiu todo o peso do Tudo em seu nada e naturalmente entrou em pânico. Por isso, quando te mostro o que quero fazer contigo e o teu nada se apavora, vejo o susto da Rainha Soberana repetir-se, e eu, simpatizando contigo, encorajo o teu nada, reforço-o, para que resista a segurar o Todo.

Portanto, não se preocupe, mas pense em fazer o Tudo em você agir ”.

97 – Os atos de Maria são inseparáveis do que Deus faz: na terra eles salvam e no céu eles felicitam e glorificam a todos.

“Minha filha, amo tanto os atos da minha Vontade, que Eu mesmo me encarrego de guardá-los na unidade da minha Luz suprema, de modo que os torne inseparáveis de Mim e dos meus próprios atos. ( …) Isso aconteceu com minha mãe e minha rainha. Ela sempre trabalhou na unidade da Luz da Suprema Vontade. Todos os seus atos, seu papel como Mãe, seus direitos como Rainha, permaneceram inseparáveis de seu Criador; tanto que a Divindade, quando traz à tona os atos de bem-aventurança para fazer feliz toda a Pátria Celestial, traz à tona todos os atos da Mãe Celestial ao mesmo tempo, para que todos os Santos não se sintam apenas inundados por nossa
alegrias e alegrias, mas também são inundados pelo amor maternal de sua Mãe, pela glória de sua Rainha e por todos os seus atos transformados em alegrias para toda a Jerusalém celeste. Assim, todas as fibras do seu Coração materno amam todos os filhos da Pátria Celestial com o amor de Mãe, fazendo com que todos compartilhem das suas alegrias de Mãe e da sua glória de Rainha. Portanto, Ela foi a Mãe do amor e da dor na terra por seus filhos, o que lhe custou tanto quanto a vida de seu Filho e de Deus lhe custou, e em virtude da unidade da Luz da Suprema Vontade que ela possuía, suas ações foram feito inseparável do nosso. No Céu ela é a Mãe do amor, das alegrias e da glória para todos os seus filhos celestiais, pelos quais todos os Santos têm
um amor maior e uma nova glória e alegrias graças à sua Mãe e Rainha Soberana.

(…) “Enquanto estive com a minha Mãe na vida oculta de Nazaré, tudo se calou à minha volta, embora estar oculto com a Rainha Celestial tenha servido admiravelmente para formar a substância da Redenção e para anunciar que já estava no meio deles. Mas quando seus frutos foram comunicados ao povo? Quando saí em público, me dei a conhecer e falei com eles com o poder da minha palavra criativa. E como tudo o que fiz e disse foi espalhado e continua a espalhar-se entre o povo, aspirei que os frutos da Redenção tiveram e têm os seus efeitos … ”
( 19, 15/06/1926)

98 – Maria salvou Nela o fruto pleno da Vida, Paixão e Morte de Jesus, para dar a todos.

“Minha dor era tanta que minha Humanidade estava realmente prestes a sucumbir e dar seu último suspiro, mas enquanto morria, a Suprema Vontade com sua onivisão tornou presentes para minha Humanidade agonizante todos aqueles que teriam feito reinar em si, com domínio absoluto, a Vontade Eterna, que teria colhido os frutos da minha Paixão e Morte, entre a qual estava, à frente, minha querida Mãe. Ela se encarregou do depósito de todos os meus bens e dos frutos que estão na minha Vida, Paixão e Morte. Ele nem mesmo deixou um sopro meu se perder, o precioso fruto do qual ele não guardou. Dela tiveram que ser transmitidos ao pequeno recém-nascido de minha Vontade e a todos aqueles em quem a Suprema Vontade teria formado sua vida e seu Reino. Quando minha Humanidade moribunda viu os frutos completos de minha Vida, Paixão e Morte sãos e salvos, “Minha filha, minha Mãezinha pôde me dar aos outros porque ela me concebeu em si mesma, me fez crescer e me alimentou. Ninguém pode dar o que não tem e se Me deram a outras criaturas foi porque Me possuíram ”. ( 19, 20/06/1926)

99 – Maria agiu universalmente e por todos diante de Deus, e é por isso que ele os concebeu em seu Coração.

“… Como nossa filha, você deve defender os direitos da Rainha Soberana. Ela agiu de forma universal e por isso teve um amor, uma glória, uma oração, uma dilaceração, uma dor pelo seu Criador e por cada uma das criaturas. Ela não perdeu nenhum ato que as criaturas deviam ao seu Criador e, encerrando a todos em seu Coração materno, amou a cada um de maneira universal, para que Nela encontremos toda a nossa glória, ela não nos negou nada, não apenas o que ela tinha diretamente para nos dar, mas ela nos deu o que as outras criaturas nos negaram. E para agir como uma Mãe magnânima, amorosa, que ama apaixonadamente seus filhos, ela os engendrou a todos em seu Coração dolorido, cada fibra do qual foi uma dor que a atravessou e na qual deu vida a cada um de seus filhos, até chegar ao golpe fatal da morte de seu Filho e Deus. A dor desta morte  selou a regeneração da vida aos novos filhos desta Mãe dolorosa.
Pois bem, uma Rainha Virgem, que tanto nos amou e defendeu todos os nossos direitos, uma Mãe tão terna que teve amor e dor por todos, merece que a nossa pequenina recém-nascida de nossa Suprema Vontade a ame por todos, corresponda a ela por tudo e que, abraçando todos os seus atos na nossa Vontade, tu colocas os teus unidos aos dela, pois Ela é inseparável de Nós, a sua glória é nossa, a nossa é dela, por um motivo maior que
nossa vontade põe tudo em comum ”. ( …)
Minha filha, minha vontade tudo contém e zelosamente preserva todos os seus atos como se fossem um. Assim preserva todos os atos da Rainha Soberana, como se fossem todos dela, porque Ela fez tudo em minha Vontade. Portanto, minha própria Vontade os fará presentes a você. Agora, você deve saber que quem fez tanto bem a todos e amou a todos, que Ele tem trabalhado de forma universal por Deus e por todos, com justiça tem direito a tudo e a todos. Atuar de forma universal é a forma divina, e minha Mãe Celestial pôde trabalhar com os caminhos de seu Criador porque possuía o Reino da nossa Vontade.

Agora Ela, tendo operado em nossa Vontade Suprema, tem os direitos sobre as propriedades que Ela formou em nosso Reino; E quem poderá retribuir senão quem vive no mesmo Reino? Porque só neste Reino está a ação universal, o amor que ama a todos, que tudo abraça e que nada escapa … Por isso todos te esperam; Minha Mãe quer também a correspondência do amor universal com que amou todas as gerações. E a você, por outro lado, na Pátria Celestial a glória universal corresponderá a você, herança somente daquele que possuir o Reino da minha Vontade na terra ”. ( 19, 26-6-1926)

100 – A plena luz da Divina Vontade deu a Maria todas as penalidades da Redenção: o Corredentora

“… Para formar o reino da Redenção, quem mais se destacou no sofrimento foi minha Mãe, e embora aparentemente Ela não tenha sofrido nenhuma dor conhecida de outras criaturas, exceto minha morte, que todos conheciam, que era por sua mãe.
Coração o golpe fatal, mais comovente do que qualquer morte mais dolorosa, visto que Ela possui a unidade da Luz de minha Vontade, essa Luz carregou não apenas as sete espadas que o Eu igreja, mas todas as espadas, as lanças, as feridas de toda a culpa e dor das criaturas, que torturaram de forma dilacerante o seu Coração materno. Mas isso ainda não é nada: aquela Luz trouxe-lhe todas as minhas dores, minhas humilhações, minhas amarguras, meus espinhos, minhas unhas, as dores mais íntimas do meu Coração. O Coração de minha Mãe era o verdadeiro sol, cuja luz, embora apenas a luz se veja, contém todos os bens e efeitos que a terra recebe e possui, portanto, pode-se dizer que a terra está contida no sol. Assim, a Rainha Soberana, só sua pessoa podia ser vista, mas a luz de minha Vontade Suprema a fazia ter em Si todas as dores possíveis e imagináveis, e quanto mais íntimas e desconhecidas, mais preciosas e poderosas diante do Divino Coração para obter o que ansiava. Redentor,
De modo que a Igreja sabe tão pouco sobre as dores do Soberano Celestial que se pode dizer que ela conhece apenas as dores que aparecem, e portanto dá o número de sete espadas, mas se ela soubesse que seu Coração materno era o refúgio, o depósito de todas as dores, e que a luz da minha Vontade lhe trouxe tudo e nada lhe poupou, não diria sete espadas, mas milhões de espadas, ainda mais do que, sendo dores íntimas, só Deus conhece a intensidade da dor, e Por isso foi justamente constituída Rainha dos mártires e de todas as dores. As criaturas sabem dar peso e valor às penalidades externas, mas não entendem ou não sabem dar o preço certo sobre as penalidades internas.
Agora, para formar primeiro em minha Mãe o Reino da minha Vontade e depois o da Redenção, não foram necessárias tantas dores, já que não tendo culpa, a herança das dores não era para Ela, sua herança era o Reino da minha vontade; mas para dar o Reino da Redenção às criaturas, ele teve que sofrer muitas penalidades. Assim os frutos da Redenção amadureceram no Reino da minha Vontade, que minha Mãe e eu possuímos. Não há coisa bela, boa e útil que não saia da minha vontade.

E unida à Rainha Soberana veio minha Humanidade. Ela permaneceu escondida em mim, nas minhas dores, nas minhas dores; Por isso, pouco se sabe dela, mas da minha Humanidade foi preciso saber o que fiz, o quanto sofri e o quanto amei. Se nada fosse conhecido, ele não poderia formar o reino da Redenção. O conhecimento das minhas dores e do meu amor atrai e empurra, dá coragem e luz para atrair almas, para levar os remédios, os bens que estão na minha Redenção; Saber quanto suas faltas Me custam, sua salvação, é uma corrente que te liga a Mim e evita novas faltas. Mas se eles nada soubessem de minhas tristezas e de minha morte, sem saber quanto Me custou sua salvação, ninguém se preocuparia em me amar e salvar sua alma.

Pois bem, minha filha, como foi preciso dar a conhecer quem foram e quanto lhes custou formar o Reino da Redenção, é preciso dar a conhecer antes aquilo que a minha paternal bondade escolheu formar nela o Reino de ‘Fiat ‘Supremo, e então comece a comunicá-lo aos outros. Como foi da Redenção, que se formou primeiro entre minha Mãe Celestial e eu, e depois foi conhecido pelas criaturas, assim será do ‘Fiat’
Supremo … ”( 19, 11-7-1926)

101 – Deus preparou Maria sem que ela superasse que ela seria sua Mãe e no devido tempo isso foi revelado a ele.

(…) Se eu quisesse manifestar o Reino de minha Vontade quando vim à Terra, ou antes que os bens da Redenção fossem reconhecidos e amplamente possuídos por criaturas, meus maiores santos teriam ficado amedrontados. Todos teriam pensado e dito: “Adão, que era inocente e santo, não sabia viver nem perseverar neste Reino de luz sem fim e santidade divina; Como podemos nós? ” E você, a primeira, quantas vezes não teve medo? E tremendo diante dos imensos bens e da santidade totalmente divina do Reino do Supremo ‘Fiat’, quiseste recuar, dizendo-me: «Jesus, pensa noutra criatura, sou incapaz».
O sofrimento não o assustou tanto, pelo contrário, muitas vezes você Me pediu e Me incentivou a conceder-lhe sofrimento. E por isso, minha mais que bondade paterna [ fez você] como uma segunda Mãe minha, que escondi para encarnar no seu seio. Antes de prepará-la, eu a formei, para não assustá-la, e quando chegou o momento oportuno, justamente no ato em que tive que ser concebida, a informei através do Anjo; E embora a princípio tremesse e se perturbasse, logo se acalmou, pois estava acostumada a viver com seu Deus, no meio de sua Luz e na presença de seu Santidade…” ( 19, 18/07/1926)

102 – Enquanto Jesus e Maria viveram na terra, Seus atos divinos ressoaram por toda a Criação.

“… Minha filha, você deve saber que enquanto minha Humanidade esteve na terra, assim como enquanto a Rainha
Soberana esteve, na Criação não havia solidão ou silêncio sepulcral, porque em virtude da luz da Vontade Divina, onde quer que estivesse , como a luz se espalhou, difundindo-se em tudo, se multiplicou em todas as coisas criadas e meu ato se repetiu em todos os lugares, porque um era a vontade … ” ( 19, 29/07/1926)

103 – Maria era inseparável de Jesus, mas muitas vezes ela se sentiu privada Dele, em um estado de pura fé.

Quão difícil é a privação do meu doce Jesus! A verdadeira morte da alma é sentida, e acontece como o corpo quando a alma sai, que embora tenha os mesmos membros, estão sem vida, inertes, sem movimento e sem valor. O mesmo me parece minha pequena alma sem Jesus: tem as mesmas faculdades, mas desprovida de vida. Quando Jesus sai, a vida, o movimento e o calor acabam, por isso a dor é cruel, indescritível e incomparável a qualquer outra dor. Ah, a Mãe Celestial não sofreu esta dor, porque a sua santidade a tornava inseparável de Jesus e por isso nunca foi privada Dele ”.

“Minha filha, você se engana; A privação de Mim não é separação, mas dor, e você tem razão quando diz que é mais que mortal, uma dor que tem o poder, não de separar, mas de reforçar com laços mais fortes e estáveis a união inseparável comigo.
( …)
E então, não é verdade que a Rainha Soberana nunca foi privada de Mim; nunca separados, mas privados sim, o que não prejudicava o cume de sua santidade, mas a aumentava. Quantas vezes a deixei em estado de pura fé, porque, tendo que ser Rainha das dores e Mãe de todos os viventes, não lhe faltou o mais belo adorno, a pérola mais lustrosa, que lhe deu a característica de Rainha dos mártires e Soberana Mãe de todas as dores. Esta dor de permanecer na fé pura preparou-a para receber o depósito dos meus ensinamentos, o tesouro dos sacramentos e todos os bens da minha Redenção, pois a minha privação, sendo a pena maior, coloca a alma em posição de ser a depositário dos maiores dons de seu Criador, seu mais alto conhecimento e seus segredos. Quantas vezes não fiz isso com você? Depois de uma privação minha, manifestei a você o mais alto conhecimento sobre minha Vontade, e com isso fiz de você o depositário, não apenas de seu conhecimento, mas de minha própria Vontade.

Além disso, a Rainha Soberana como Mãe devia possuir todos os estados da alma, mesmo o estado de pura fé, para dar aos seus filhos aquela fé inabalável que os torna capazes de dar o seu sangue e a vida para defender e testemunhar a fé. Se ele não possuísse esse dom da fé, como poderia tê-lo dado a seus filhos? ”

“… Quem deve ser o cabeça deve sofrer, trabalhar e fazer sozinho tudo o que os outros farão juntos. É o que eu fiz, sendo o chefe da Redenção: posso dizer que fiz tudo pelo amor de todos, para dar-lhes vida e para tornar a todos seguros. Como também a virgem Eu Imaculada, por ser Mãe e Rainha de todos, quanto sofreu? Quanto ele amou e fez por todas as criaturas? Ninguém pode dizer que ele nos iguala, tanto no sofrimento quanto no amor; No máximo, eles se parecem conosco em parte, mas nos igualam, ninguém. Mas estando à frente de todos, tanto eu como a Rainha Soberana, tínhamos todas as graças e todos os bens, tínhamos a força em nosso poder, o domínio era nosso, o céu e a terra obedeciam a um simples gesto nosso e tremiam diante de nós. poder e santidade. Os redimidos pegaram nossas migalhas e comeram nossos frutos, foram curados por nossos remédios, foram fortalecidos por nossos exemplos, aprenderam nossas lições, aumentaram à custa de nossas vidas e, se foram glorificados, foi graças. para nossa glória, mas o poder é sempre nosso, a fonte viva de todos os bens sempre brota de Nós;
É tão verdade que se os redimidos se afastarem de Nós, eles perderão todos os seus bens e ficarão doentes e pobres mais do que antes. Isso é o que significa estar na liderança. É verdade que você sofre muito, que trabalha tanto, que tem que preparar o bem para todos, mas tudo que você tem supera tudo e todos. Há tanta distância entre quem está à frente de uma missão e quem tem que ser um membro, que aquele que é a cabeça do sol e o
membro da pouca luz podem ser comparados … ” mas tudo o que é possuído supera tudo e todos. Há tanta distância entre quem está à frente de uma missão e quem tem que ser um membro, que aquele que é a cabeça do sol e o membro da pouca luz podem ser comparados … ” mas tudo o que é possuído supera tudo e todos. Há tanta distância entre quem está à frente de uma missão e quem tem que ser um membro, que aquele que é a cabeça
do sol e o membro da pouca luz podem ser comparados … ” ( 19, 22/08/1926)

104 – Para obter o Redentor foi necessário um desejo ardente de todos e, finalmente, do Stma. Virgem.

“… Isto aconteceu na Redenção: se a nossa Justiça não tivesse encontrado as orações, os suspiros, as lágrimas, as penitências dos patriarcas, dos profetas e de todo o bem do Antigo Testamento, e então uma Rainha Virgem, que possuía completa Nossa Vontade, que fez tudo seu com tantas orações insistentes, assumindo toda a tarefa de dar satisfação a todo o gênero humano, nossa Justiça jamais teria consentido na vinda do tão esperado Redentor entre as criaturas. Teria sido inexorável e teria dito um não direto à minha vinda à terra … ” ( 19, 13-9-1926)

105 – O reino da Redenção, antes de se dar às criaturas, foi formado entre Jesus e Maria.

“Minha filha, este Reino do Supremo ‘Fiat’ deve primeiro ser fundado, formado e amadurecer bem entre você e eu, e então deve ser transmitido às criaturas. Assim foi entre a Virgem e eu: primeiro fui formado nela, acreditei no seu ventre, nutri o seu seio, vivemos juntos para formar entre os dois, de ti para ti, como se ninguém mais existisse, o reino da redenção, e então minha própria Vida e os frutos da Redenção que minha Vida continha foram transmitidos a outras criaturas. Assim será para o Supremo ‘Fiat’: primeiro faremos só entre nós dois, de você para você, e quando for formado cuidarei de como transmiti-lo às criaturas … ” (19, 15-9-1926)

A SSTMA. VIRGEN NAS ESCRITAS DE LUISA  PICCARRETA
ÍNDICE
(Volumes)
2, 4-7-1899
2, 15-08-1899
2, 26-9-1899
3º, 1-6-1900
4, 30-9-1900
4º, 25/12/1900
4º, 26/12/1900
4º, 4-5-1901
4, 21/08/1901
4º, 26/01/1902
4º, 24-2-1902
4º, 01/10/1903
6, 17/12/1903
6º, 21/12/1903
6º, 4-9-1905
6, 17/09/1905
8, 12-1907
O Reino da paz está no Coração de Maria. A festa da Assunção no
Céu (EU) e a “Ave Maria”.
O que Jesus é por natureza, Maria é pela graça. O Coração de Maria e o
Coração de Jesus.
A aflição de Maria. O
nascimento de Jesus.
O prodígio de viver com a Criança Divina. O
motivo da aflição de Maria. O segredo de Maria.
The Stma. Trinidad e Maria.
As dores de Maria tornaram-se graça e glória para todos.
“O Senhor está contigo”
A adoração de Maria no encontro com Jesus na Via Dolorosa. As sete dores de Maria
são sete canais de graça para todos.
Na Paixão, Jesus deu tudo à sua Mãe e Maria deu tudo ao seu Filho. Como podemos participar
dos bens e méritos das sete dores de Maria. A única intenção de Maria no dia da Paixão.
44
8º, 4-5-1908
8º, 27/12/1908
10, 21/06/1911
11, 24/03/1913
11, 5-9-1913
11, 25/10/1915
12, 18-9-1917
12º, 28/05/1918
12, 27/01/1919
12º, 2-4-1919
12, 9-2-1919
12º, 18/03/1919
12º, 15/04/1920
12, 28/11/1920
12, 18/12/1920
12, 25/12/1920
12º, 01/10/1921
12º, 17/01/1921
12º, 24/01/1921
12, 2-2-1921
12º, 3-8-1921
13, 27/10/1921
13,19-11-1921
13, 26-11-1921
13, 3-12-1921
13, 12-25-1921
14º, 16/03/1922
14, 20/07/1922
14, 15/08/1922
14, 13/10/1922
14, 11-11-1922
15, 12-08-1922
15, 16/12/1922
15, 22-2-1923
15, 23-3-1923
15, 14-4-1923
15, 20-4-1923
15, 23-5-1923
15º, 7-11-1923
16, 27-7-1923
16, 13-8-1923
16, 20/08/1923
16 de novembro de 1923
16, 15/11/1923
16, 24/11/1923
16, 4-12-1923
16, 12-06-1923
16, 12-08-1923
16, 22-2-1924
16, 24-2-1924
16, 3-24-1924
Toda a vida e santidade de Maria surgiram da palavra “Fiat”.
Ele “Eu te amo” infinito entre Jesus e Maria.
O amor consumiu Maria, deu-lhe a morte de Jesus e ressuscitou-a para uma nova vida. A paixão de Jesus
encheu continuamente a alma de Maria.
A união perfeita entre Jesus e Maria: Ela era o céu de Jesus. Maria queria
tornar suas todas as dores de Jesus.
Por que nossa mãe chora.
A dor de nossa Mãe pelo que seus filhos sofrem.
Todas as imensas dores do Coração de Jesus, Ele as sente no Coração de sua Mãe. A paixão redentora mais
amarga de Jesus começou desde o ventre de sua Mãe,
que compartilhou.
Jesus e Maria formam uma única coisa, um único elo: Maria tem o primado no Amor.Quantas vezes Maria
compartilhou todas as dores e mortes de Jesus em seu seio. Todas as dores mortais de Jesus e Maria, Dele
Nela e Dela Nele, por amor
para nós.
A bênção recíproca de Jesus e Maria para iniciar a Paixão, como
Nova criação.
De todos os dons e graças que Deus deu a Maria, graças a todos descendem. A tarefa materna de Maria
em nós: não temos que compreendê-la, basta que
nós confiamos.
Efeitos prodigiosos de “Fiat” Divino pronunciado por Maria.
A Encarnação e toda a Obra da Redenção foram frutos de “Fiat mihi” de Maria. Os tres “Fiat”. Dos efeitos do
segundo “Fiat” que Ela disse, apenas Maria era uma espectadora. Os tres “Fiat”. Do “Fiat” de Maria fluem
infinitos atos de Graça, como um novo
Criação.
O amor de Maria supera o de todas as criaturas juntas, porque ela encarnou o Verbo.
nela.
Prerrogativas únicas de Maria, para poder encarnar Nela o Verbo.
Os dois suportes de Jesus morrendo no Getsêmani. Maria, depositária da misericórdia. Maria salvou, só Ela,
todos os frutos e a glória da Redenção. Por meio de Maria descem todos os frutos da Redenção.
Maria foi capaz de conceber Jesus e dar-lhe a vida porque tinha a vontade divina.
As vidas de Jesus e Maria eram uma: isso é o que a distinguia aos olhos de Jesus. A mesma Vontade anima
Jesus e Maria, e é por isso que Jesus nada fez em que Ela não fez
vai participar.
Todas as criaturas recebem em vida os atos de Jesus e, com eles, os de Maria. Maria estava ciente
de todas as tristezas secretas da vida de Jesus.
Frutos dos atos que Jesus e Maria fizeram juntos na Vontade Divina, a nosso favor A Imaculada Conceição (EU) .
A Encarnação da Palavra. A colaboração de María com o Stma. Trindade.
Maria, Rainha de todos, humilhou-se mais do que ninguém pelo seu conhecimento de Deus e de si mesma
em si.
As dores de Maria a fizeram Rainha, porque foram animadas pelo Divino “Fiat”. Para ser a Mãe do Homem-Deus,
Maria recebeu a fecundidade virginal do Pai. A virgindade perfeita de Maria. Por meio dela o Redentor veio e se
deu a conhecer. Jesus e Maria adquiriram em suas privações todos os bens para poder dá-los a todos. Maria,
criatura única, que possui todos os bens da Redenção, sempre foi protegida. Em Maria estão depositados todos
os bens e a mesma Vida divina, para ser dada a todos. Maria restabeleceu todas as relações com o D. Will; seu
cumprimento vem de Maria. Maria é como o Sol, ela é a origem de todos os bens. Ela é o milagre dos milagres.
Maria foi preservada em sua pequenez, dando vida Nela somente à Vontade Divina. Maria cometeu todos os atos
de D. Será rejeitado; é por isso que o Verbo se encarnou. Com que comida Maria alimenta seus filhos. Ela é a
“Mãe e Rainha da Vontade Divina”. Para que a Redenção dê o seu fruto, é necessário conhecer Maria e o que
Deus fez por ela. Para que o Verbo se encarnasse, Maria teve que cobrir todas as criaturas com a Vontade de D.
A Imaculada Conceição (II). Maria teve que ser concebida em vida, dores e
méritos do Redentor para poder concebê-lo também.
Deus gozou das alegrias da Criação graças a Maria; é por isso que ela foi capaz de conceber a Palavra. Jesus
colocou toda a Lei do Evangelho e os bens da Redenção no Coração de sua Mãe. Maria, vivendo na vontade divina,
realizou o maior milagre: atrair o Verbo para a terra.
Quatro cinco
16, 6-6-1924
17, 12-08-1924
17, 15/04/1925
17º, 1 ° -5-1925
17, 4-5-1925
17, 25-6-1925
17, 2-8-1925
18, 9-8-1925
18, 15/08/1925
18, 10-10-1925
18, 11-12-1925
18, 20/12/1925
19, 6-3-1926
19, 3-9-1926
19, 14/03/1926
19, 19/03/1926
19, 28/03/1926
19, 31-3-1926
19, 16-4-1926
19, 28-04-1926
Maria foi o ponto de partida da obra do Redentor, porque o possuiu completamente. A Imaculada
Conceição (III) . O teste de Maria desde o primeiro momento de sua concepção.
Abraçar tudo e poder dar tudo a todos é só Maria. A Igreja inteira depende dela. Maria tem a missão única de
Mãe de Deus e o ofício de Corredentora e Mãe nossa. A maternidade de Maria representa a paternidade do Pai
Celestial e possui sua
Onipotência.
Jesus tratou a Redenção somente com Maria e depois de fazer tudo nela, se entregou aos outros. Toda a glória
de Maria como Mãe e Rainha vem de “Fiat”, e assim será para a Igreja. The Stma. A Virgem encheu o céu e a
terra com amor, glória e gratidão que todos
eles devem a Deus.
A Assunção de Maria (II) foi o triunfo e a festa da Vontade Divina.
A verdadeira morte de Maria: ela entregou sua vontade como morta nas mãos de Deus.
Tudo o que Maria fez por Jesus, fez por aqueles que vivem na Vontade Divina. The Stma. A Virgem
completou todos os atos bons e sagrados do Antigo Testamento,
necessário para preparar e obter a vinda do Redentor.
O Coração materno de Maria foi traspassado ao ver a dor de Jesus.
Maria só sabia o que era necessário para a redenção: que o Filho de Deus era seu Filho. No jogo do amor com
Deus, Maria perdeu a vontade e conquistou a Vontade Divina.
The Stma. A Virgem é a recém-nascida da Vontade Divina no tempo: por isso ela fez tudo e
tem tudo.
Maria foi concebida Imaculada e Cheia de Graça porque tinha que ser a Mãe de Deus. O objetivo principal de
tudo o que Jesus e Maria fizeram na Redenção foi obter o Reino
da Vontade Divina na terra.
Maria só pôde conceber a Palavra porque possuía a D. Vontade como sua própria vida. Vivendo na Vontade
Divina, Maria tirou tudo de Deus para dar-lhe tudo de forma divina.
e para todos.
A vontade divina sempre teve plenitude de vida em Maria: por isso Ela é a nova
Criação. O supremo sacrifício de Maria foi contínuo: ela “Fiat” com pleno conhecimento e em tudo.
Por que Maria foi antes de Adão e Eva antes de Deus: porque ela nunca se separou de Deus. Maria é
mãe de direito. Toda a redenção foi confiada a ela e ela o fez
frutificar.
Quando Maria veio ao mundo, todas as criaturas e o Criador tinham seus olhos fixos
Ela. Maria teve pela graça a unidade da luz da Vontade Divina: a Luz plena e nunca interrompida.
Para realizar a Redenção, Jesus precisava de uma Virgem Mãe em quem reinasse o D. Vontade. O embaraço de
Maria ao perceber o que o Todo queria fazer em seu nada. Os atos
de Maria são inseparáveis do que Deus faz: na terra salvam e no céu felicitam e glorificam a todos.
Maria salvou Nela o fruto pleno da Vida, Paixão e Morte de Jesus, para dá-lo a
todos.
Maria trabalhou universalmente e para todos diante de Deus, e é por isso que ela os concebeu nela
Coração.
A luz plena da Vontade do Pai deu a Maria todas as dores da Redenção: a Corredentora. Deus preparou Maria sem
que ela se esquecesse de que seria sua Mãe e no devido tempo
declarado.
Enquanto Jesus e Maria viveram na terra, suas ações ressoaram por toda a Criação
divino.
Maria era inseparável de Jesus, mas muitas vezes se sentia privada Dele, em estado de
fé pura.
Para obter o Redentor, foi necessário o desejo ardente de todos e, finalmente, da Mãe Santíssima.
Virgem.
O reino da Redenção, antes de se dar às criaturas, foi formado entre Jesus e Maria.

Compartilhe a Divina Vontade