Refletindo: O Sofrimento foi transformado por Deus em benção


14 de fevereiro de 1912

Jesus diz que em sua vontade todas as coisas têm o mesmo valor; e fala de sua vontade.

Continuando meu estado habitual, meu sempre amável Jesus veio, e eu estava lhe dizendo: “Diga-me, ó Jesus, como é que depois de ter disposto sua alma a sofrer, [e] conhecendo o bem que existe sofrer, o que você tira desse tesouro? ”

E Jesus:” Minha filha, meu amor é grande, meu regime é insuperável, meus ensinamentos são sublimes, minhas instruções divinas, criativas e inimitáveis. Então, para que todas as coisas – grandes ou pequenas, sofram e desfrutem, naturais ou espirituais – adquiram apenas uma cor e têm apenas um valor, permito que, quando a alma se treinou para sofrer e passa a amar, faço o sofrimento, passar como propriedade própria na vontade; para que sempre que eu lhe envio o sofrimento, mantendo a propriedade, as disposições na vontade, ela sempre se encontrará disposta a sofrer e amar. Então, eu olho as coisas no testamento, e é para a alma como se ela sempre sofresse, apesar de não sofrer. E para que o gozo tenha o mesmo valor que sofrer e orar, trabalhar, comer, dormir, enfim, tudo, porque tudo é se as coisas forem da minha vontade, para fazer o que [elas] têm apenas um valor, permito que a alma treine todas as coisas na minha vontade com santa indiferença.

Assim, parece à alma que, enquanto eu dou algo, eu o afasto, mas não é verdade; antes, no começo, quando a alma não está bem treinada, ela sente a sensibilidade no sofrimento, na oração e no amor, mas quando, com o treinamento, passa como sua própria propriedade na vontade, a sensibilidade cessa; mas quando surgiu a oportunidade de precisar fazer uso dessas propriedades divinas que eu a fiz adquirir, com passos firmes e com uma alma imperturbável [a alma] começa a praticar na ocasião em que se apresenta. Como por exemplo: o sofrimento ocorre? Eles encontram neles a força, a vida do sofrimento. Eles deveriam orar? Eles encontram neles a vida de oração; e assim por diante, todo o resto “.

Parece-me que sim, de acordo com o que Jesus diz: Suponho que recebi um presente; até decidir onde devo guardar esse presente, olho para ele, aprecio, sinto certa sensibilidade em amar esse presente; mas se eu o mantenho trancado e com chave, sem olhar mais para ele, a sensibilidade cessa, mas com isso não posso dizer que o presente não é mais meu, na verdade é mais certo que o meu, porque eu o mantenho trancado e com chave, enquanto antes estava em perigo e eles poderiam roubar.

Jesus continua: “Na minha vontade todas as coisas andam de mãos dadas, todas se assemelham, todas concordam. Assim: o sofrimento gera prazer e diz: ‘Fiz minha parte na Vontade de Deus, agora faça a sua e só quando Jesus quiser, voltarei a campo’; o fervor diz no frio: “Você será mais ardente do que eu se se contentar em estar na Vontade do meu Amor Eterno”; oração para trabalhar, sono para vigília, enfermidade para a saúde, tudo, todas as coisas entre elas, parece que uma dá lugar à outra para permanecer no campo, mas todas têm seu lugar distinto. Então, quem mora na minha vontade não precisa se preparar para fazer o que [eu] quero, mas como fio elétrico, ela já está em Mim fazendo o que eu quero ”.

Luisa com certeza iluminada e inspirada pelo próprio Jesus encabula conversa com Ele, querendo Dele saber o que o dispôs a querer sofrer, qual bem Ele tirou em sua humanidade desse dom do sofrimento.

E Jesus, maravilhosamente com suas palavras eloquentes aproveita para evidenciar seu maravilhoso aceno ao amor. Ele fez algo insuperável em criatividade para nos assemelhar a Ele. Ele sabendo que o homem sofre o vazio existêncial de estar afastado de seu criador, aproveita dessa matéria prima, que o homem não tem como fugir dela, independente de querer não sofrer nunca.

Mas, Ele pega toda a miséria do ser humano e a transforma em MISERICÓRDIA!

Criou um regime insuperável de Amor e Bondade, um Deus tão Perfeito e Santo. Olhou para suas criaturas e via suas misérias, sua pobreza, sua cegueira, e quis transformar tudo isso em tesouros, em meios de salvação e expiação.

Fez o sofrimento ser uma propriedade da vontade própria da vontade, para que algo que o homem já vivia… por obra do pecado, do marca colocada por seu opositor (Satanás), fosse usada para sua confusão… transformou a maldição do homem em meio de salvação do mesmo.

Que Genialidade, que Deus Fonte e Mestre de Sabedoria Infinita!

E todo o sofrimento (que era considerado maldição de Deus ao homem), era por meio da virtude da vida de Jesus, de seu sacrífico, da sua Cruz, por meio dela, tornou-se benção e salvação.

E tudo, tudo o que sofrermos hoje, podemos escolher em converter em benção para nós… se agradecermos.

E pode também ainda ser usado como maldição para nós, se recusarmos aceitar, e reclamarmos…

Mesmos as pequenas e grandes coisas que sofremos, todas podem ser desfrutadas como benção. Jesus então é quem como Ele disse em outro trecho, carrega um fardo de cruzes e vai distribuindo entre as almas.

Vai treinando as almas que o amam, e que vão aceitando o sofrimento a cada vez aceitarem mais…

Se a vontade da pessoa, aceitar os sofrimentos e usar esses mesmos sofrimentos como pequenos degraus de superação. Jesus mantêm esse propriedade de ser remédio, cura e escada de santificação

E parece que quando Ele envia algo de sofrimento, a alma se sente só, sem ajuda. Ele explica que no começo a alma sofre mais, sente grande sensibilidade… mas a medida que supera, ela vai se encontrando mais disposta a sofrer e amar. Começa a perceber que aprendeu mais com o sofrimento. Começa a se comparar com outras pessoas que nunca sofreram, que receberam tudo fácil da vida..

E reconhece o quanto Ela se superou, cresceu, aprendeu, é mais resistente a provas, tempestades… Quando vemos uma pessoa que nasceu numa situação de deficiência e essa pessoa usou dessa limitação para se superar.. Quanto que essa pessoa é forte, determinada e exemplo para nós.

Mas também vemos a diferença berrante entre um pessoa que sempre foi mimada pelos pais, que quando cresce, não aguenta nada. Tudo é choradeira, quando acontece as situações adversas, se desespera, volta pros braços da mamãe, ou se entrega a vícios, transtornos, depressão, dentre tantos sinais psicossomáticos existentes.

Você deve ter conhecido ou ouvido falar de adolescente imaturos, que em qualquer primeira decepção amorosa, já querem tentar suicídio, ou se enveredam aos vícios para se sentirem capazes de serem mais ousados para se aproximar de outras pessoas, pois sua imaturidade e sentimento de inferioridade os atrasa em sua realização como pessoa.

O mundo hoje, oferece tantos tratamentos psicológicos para tantos nomes de doenças criadas pela falta de aceitar o sofrimento. Os pais que não aguentam ouvir o choro dos 20 primeiros dias de cólica de seus recém nascidos.

E muitos bebês recebem um tablet logo que abrem os olhos … ou são bombardeados de Galinha pintadinha..

Pois os pais, não foram treinados para suportar todos os momentos que seus filhos precisam de sua atenção. Não conseguem fazer nada com os filhos chorando, ou aprendendo…

E Jesus que permitiu que a alma que aceitou o sofrimento, encontrar o valor deles, ela começa a sentir o mesmo gosto tanto em amar como sofrer… a pessoa, percebe que gostar muito de seu esporte que lhe causa muitos transtornos, também é seu melhor hobby ou passatempo. E pode até ser sua profissão.

A alma começa a perceber que o treinamento em aprender algo difícil como tocar piano, depois se torna a sua maior felicidade. E não é mais um tormento todo o tempo dedicado, como dores nos dedos e tanto tempo dedicado…. o prazer derivado desse treino, dessa entrega, se tornou seu prazer.

O mesmo acontece, quando aceitamos ser bons pais e mães, ser bons profissionais, sermos bom esposo ou esposa. Se conseguirmos ver a dedicação, o tempo ofertado, os momentos felizes em meio a cruzes, as tempestades vividas juntos, percebemos que tudo vale a pena.

Sabemos que se têm sofrimentos que não são provenientes de Deus: o resultado de uma vício…

Esses só trazem dor, e até esses Deus sabe transformar em cruz.

O permanecer do lado de um filho viciado, do esposo beberrão, as vezes chega a ser impossível.

Mas o lidar com isso, pode ser transformado em cruz abençoada. Quando se entende o que é viver na Divina Vontade. Muitas vezes, a falta de sofrimento dessa pessoa que traz a infelicidade para a família, foi o que ocasionou essa desgraça. E é justamente amar como Jesus ama. Lavando os pés… e muitas vezes, lavar os pés é ser firme, ousado e verdadeiro com essa pessoa.

Todo o processo de diálogo sendo feito do jeito certo na hora certa. E se necessário deixar a pessoa, chegar ao fundo do poço sozinha.

Não vamos entrar nesse mérito, senão ficaríamos aqui por horas.
E Jesus termina, que quem mora na sua Vontade Divina, que aceitou o presente das cruzes que Ele envia, aprecia o presente, e se a pessoa guarda o presente sem mais olhar para a dor causada, e decide somente amar e apreciar a experiência como doação e amor. Percebendo que muitas vezes, não soube amar antes, e que quando veio o sofrimento, realmente mostrou seu amor…
Quantas vezes, demonstramos e vemos o amor, quando paramos de olhar para a dor. E começamos a ver somente o amor que temos em estar ali vivendo essa doação. Quando percebemos que somos amados, ou amamos muito, quando contamos o tempo que passamos ao lado da pessoa que nos causou sofrimento.

E Deus nos faz abrir os olhos, e perceber que aquele que mais nos causou dor, foi o que mais nos ensinou o verdadeiro amor que vai nos fazer assemelharmos com Jesus. E que esse será o passaporte, assinado diariamente por Deus para nossa entrada no paraíso.

¨Então, quem mora na minha vontade não precisa se preparar para fazer o que [eu] quero, mas como fio elétrico, ela já está em Mim fazendo o que eu quero¨. (ama)

 

Aline Aparecinha

Compartilhe a Divina Vontade