Livro do Céu Volume 3 Serva de Deus Luisa Piccarreta


O Reino da minha Vontade Divina no meio das criaturas

LIVRO DO CÉU –

O chamado da criatura em ordem, em seu lugar e no propósito para o qual foi criada por Deus

Diário do Servo de Deus LUISA PICCARRETA

A Filha da Divina Vontade

Volume 3 °

De 1.11.1899 a 4.9.1900 JMJ

 

 1 de novembro de 1899

Purificação da Igreja. Seu apoio: “A vítima almas”.

 

 Encontrando-me no meu estado habitual, me vi fora de mim, dentro de uma igreja, e havia um padre que celebrava o Sacrifício Divino e, enquanto o fazia, chorava amargamente e disse:

“A coluna da minha Igreja não tem onde inclinar-se!

No ato em que Ele disse, vi uma coluna, seu topo tocou o céu, e abaixo dela havia padres, bispos, cardeais e todas as outras dignidades que apoiavam a referida coluna; mas, para minha surpresa, olhei e vi que aquelas pessoas, aquelas que eram muito fracas, as que estavam podres, as que eram doentes, as que estavam cheias de lama: o número de pessoas que estavam em um estado bom para apoiá-la era muito escasso.

De modo que esta coluna pobre, tais eram os tremores que recebeu embaixo, que vacilou sem poder ficar parada. Acima desta coluna, havia o Santo Padre que, com correntes de ouro e com os raios que ele transmitia de toda a sua pessoa, fazia o possível para sustentá-la, acorrentando e iluminando as pessoas que moravam abaixo, embora algumas fugiram às suas palavras,  para se sentirem mais confortáveis, pois estavam apodrecendo e enlameadas – e não apenas isso, essas palavras também serviram mas para amarrar e iluminar o mundo inteiro.

Enquanto eu via isso, aquele padre que celebrava a missa – duvido que Ele fosse padre, deveria ser o Nosso Senhor, pois mais me parecia ser, mas não tenho certeza – Ele me chamou perto Dele e me disse:

“Minha filha, você vê como minha Igreja está chorosa; aquelas mesmas pessoas que tiveram que apoiá-la, fracassam e, com suas obras, quebram, batem e passam a denegri-la. O único remédio é que faz com que tanto sangue seja derramado para formar um banho, a fim de poder lavar a lama podre e curar suas feridas profundas, para que possam ser curadas, fortalecidas e embelezadas com esse sangue, e elas possam ser ferramentas inteligentes para mantê-la mais estável e firme” .

Então Ele acrescentou: “Liguei para você para dizer: ‘Você quer ser vítima e, assim, ser um suporte para apoiar esta coluna em tempos tão incorrigíveis?‘”

No começo, senti um arrepio por medo de ainda não ter forças, mas imediatamente me ofereci e pronunciei o Fiat. Nesse tempo, me vi cercada por tantos santos, anjos e almas do purgatório que com pragas e outros instrumentos me atormentavam; e eu, embora a princípio sentisse medo, mas, quanto mais sofria, mais sentia vontade de sofrer e gostava de sofrer como se isso fosse um néctar muito doce.

E isso muito mais me tocou um pensamento: de quem sabe que essas dores poderiam consumir metade da vida e, portanto, poder dar o último vôo em direção ao meu Supremo e Único Bem?

Mas, para meu grande pesar, depois de sofrer amargamente, vi que essas dores não consumiam minha vida. Oh, Deus, que pena que esta carne frágil me impede de me unir ao meu Bem Eterno! (Luisa achando que o sofrimento era o bastante para ela morrer, ela se entregava plenamente com essa esperança de deixar a vida terrena e ir para Jesus definitivamente, é nesse abandono que os filhos da divina vontade devem se manter sempre, diante dos sofrimentos…)

Depois disso, vi o massacre sangrento que ocorreu com aquelas pessoas que estavam abaixo da coluna. Que catástrofe horrível! Muitos poucos foi o número que não permaneceu vítima; eles chegaram a tanta ousadia que tentaram matar o Santo Padre.

Mas então parecia que aquele sangue derramado, aquelas vítimas sangrentas e rasgadas, era um meio de fazer os que permaneceram fortes, de modo a apoiar a coluna, sem fazê-la vacilar mais. Oh, que dias felizes depois que isso passou! Dias de triunfos e paz; a face da terra parecia renovada, a referida coluna adquiriu seu primeiro brilho e esplendor. Oh, dias felizes! De longe vos saúdo, por tanta glória que dareis à minha Igreja e tanta honra àquele Deus que é o seu chefe!

 

3 de novembro de 1899

Brincadeira de Jesus com Luisa.

Hoje de manhã, meu adorável Jesus veio e me carregou para fora de mim mesma, me levou para dentro de uma igreja e desapareceu e fui deixada sozinha. Agora, encontrando-me na presença do Santíssimo Sacramento, fiz minha adoração habitual; mas, enquanto fazia isso, parecia que tinha me tornado muitos olhos, para ver se podia ver o doce Jesus.

Enquanto isso, eu o vi acima do altar, como uma criança, me chamando com sua linda mãozinha. Quem pode lhe contar o conteúdo? Voei para Ele e, sem pensar em mais nada, segurei-o nos braços e beijei-o; mas, ao fazê-lo, ele deu uma olhada séria e mostrou que não gostou dos meus beijos e começou a me rejeitar. Não me importando, continuei e disse a Ele: “Meu querido bonito, outro dia você queria que você desabafar comigo, com beijos e abraços e eu lhe dei toda a liberdade; hoje eu quero me aliviar também; Oh, dá-me liberdade! ”

Mas Ele continuou me repelindo, e vendo que eu não cessava, Ele desapareceu. Quem pode dizer o quão mortificada e preocupada eu estava em me encontrar em mim mesma?

Mas depois de um tempo Ele voltou e eu, querendo pedir que perdoasse minhas impertinências, me perdoou, querendo deixá-lo desabafar seus sentimentos comigo; e enquanto Ele estava me beijando, Ele me disse:

“Amada do meu coração, minha Divindade habita em você habitualmente e, desde que você inventa coisas novas, como me fazer deliciar com você, então Eu, para fazermos um casal, uso novas maneiras de fazer você se deliciar.me

Com isso, percebi que era uma piada que Jesus queria fazer.

 

4 de novembro de 1899

Diferentes efeitos da presença de Jesus e do diabo.

 

Como o bem-aventurado Jesus não veio nesta manhã, o diabo tentou tomar sua forma e ser visto, mas sem sentir os efeitos usuais, comecei a duvidar e me marquei com a cruz, primeiro eu e depois ele, e o diabo, vendo-se marcado, tremeu; Eu imediatamente o rejeitei sem olhar para ele.

Depois de um tempo, meu querido Jesus veio e, temendo que o espírito maligno fosse outra vez, tentei rejeitá-lo e invocar a ajuda de Jesus e da Rainha Mãe; mas para ter certeza de que Ele não era o diabo, Ele me disse:

Minha filha, sua atenção para tranquilizá-la se sou ou não, deve ser dos efeitos internos, sejam eles de virtude ou de vícios, porque, desde a minha natureza sou virtude. E isso também pode ser entendido acima para a natureza humana que, sendo carne, se ocorrer alguma dor, a carne muda de marcha e pode-se dizer que não é mais carne; então minha natureza, se de uma maneira real pudesse conter a sombra do vício, deixaria de ser aquele Deus que é, o que nunca pode acontecer “.

6 de novembro de 1899

Pureza de intenção.

 

Hoje de manhã, quando o adorável Jesus veio e me carregou para fora de mim, Ele me mostrou caminhos cheios de carne humana. Que carnificina cruel! É um horror pensar nisso! Então Ele me mostrou que algo estava acontecendo no ar e muitos deles morreram de repente. Comecei, como sempre, a implorar para que Ele fosse aplacado e a poupar suas próprias imagens de torturas tão cruéis, de guerras sangrentas; e como ele segurava a coroa de espinhos, peguei dele para colocar em mim, e isso para aplacá-lo mais; mas, para meu grande pesar, vi que os espinhos permaneciam quase todos partidos na sua cabeça mais sagrada, de modo que restava muito pouco para eu sofrer. Jesus se mostrou severo, quase sem me ouvir; Ele me levou de volta para a cama e, como eu estava com os braços na cruz, sofrendo as dores da crucificação em que Ele próprio havia me participado, Ele pegou meus braços e os uniu, amarrando-os com um fio de ouro. Sem me importar com o que isso significava, para romper o ar severo que Ele segurava, eu disse:

“Meu doce amor, ofereço-lhe esses movimentos do meu corpo que você mesmo fez comigo e com todos os outros que posso fazer, por o único propósito é de agradá-lo e glorificá-lo. Ah, sim, eu gostaria que os movimentos das pálpebras dos meus olhos, dos meus lábios e de todos os meus membros fossem feitos apenas para agradar você . Faça, ó bom Jesus, que todos os meus ossos, meus nervos ressoem entre eles e em vozes claras testemunhem meu amor a Ti”.

E Ele me disse:

Tudo o que é feito com o único propósito de me agradar brilha diante de Mim de modo a atrair meus olhares divinos; e gosto tanto deles que, para essas ações, até um movimento de cílios, dou o valor como se tivessem sido feitos por Mim.

Em vez disso, se essas ações se referem a outras ações, boas e até ótimas, feitas não somente para Mim. Soa como aquele ouro lamacento e cheio de ferrugem que não brilha e nem me importo de olhar para elas “.

E eu: “Ah, Senhor! Quão fácil é que o pó manche nossas ações! “

E Ele:” Ao pó não devemos prestar atenção, porque treme, mas o que precisamos cuidar é da intenção “.

Agora, como foi dito, Jesus cuidou de amarrar meus braços. Eu disse a Ele: “Oh, Senhor, o que você está fazendo?” E Ele: “Eu faço isso porque você, estando naquela posição da crucificação, você vem me apaziguar, e Eu, como quero punir as pessoas, estou amarrando-as a você “.

E tendo dito que desapareceu.

10 de novembro de 1899

Obediência ao confessor.

 

Depois de passar vários dias em conflito com Jesus, e o confessor quem queria que eu fosse dissolvida, ele viu que eu dormia e me impôs silêncio, finalmente esta manhã, enquanto eu o via, vi o confessor que absolutamente me comandava. Que eu esperava Jesus me dissolver. E isso mais de uma vez, mas Jesus não ouviu; Eu, no entanto, forçada pela obediência, disse-lhe:

“Meu amado Jesus, quando você se opôs à obediência? Não sou eu quem quer ser dissolvida, é o confessor que quer que eu sofra a crucificação; renda-se a essa sua virtude favorita, quem toca toda a sua vida e quem formou o último anel juntando tudo em um: o sacrifício da cruz “.

E Jesus: “Você realmente quer me fazer violência, tocando aquele anel que se uniu à Divindade e Humanidade e formou um único anel, o que é obediência”.

E enquanto dizia isso, Ele assumiu a aparência do crucifixo e, quase forçado pelo poder sacerdotal, participou das dores da crucificação. Que o Senhor seja sempre abençoado e que todos sejam para a sua glória! Então parece que eu fui dissolvida.

11 de novembro de 1899

A obediência a impede de obedecer à justiça.

 

 Encontrando-me no meu estado habitual, me vi fora de mim e me pareceu que estava virando a terra. Oh, como foi inundado com todos os tipos de iniqüidade! É horror pensar nisso! Agora, quando me virei, Cheguei a um ponto e encontrei um padre da vida santa e, em outro momento, uma virgem de uma vida intemperada e santa. Todos os três estão unidos e adotamos o discurso sobre as muitas punições que o Senhor está fazendo e as muitas outras que Ele mantém preparado.

Eu disse a eles: “O que você está fazendo? Você se conformou com a Justiça Divina? ”

E aqueles:  “ Vendo a estrita necessidade desses tempos tristes e que o homem não desistisse se um apóstolo saísse, ou se o Senhor enviasse outro São Vicente Ferrer, que com milagres e sinais portentosos poderiam levá-los à conversão, de fato, vendo o homem chegar a tal obstinação e uma espécie de loucura, que a própria força dos milagres os tornaria mais incrédulos, de onde, investidos por essa necessidade tão estrita, para seu próprio bem, e prender este mar podre que inunda a face da terra e, para a glória de nosso Deus, tão indignado, nos conformamos com a justiça. Somente estamos orando e nos oferecendo como vítimas, para que esses castigos sejam bem-sucedidos pela conversão dos povos. O que está fazendo você, que não se conformou como nós? “

E eu:” Ah, não! Não posso, pois a obediência não quer; embora Jesus queira que eu seja uniforme, mas como a obediência não quer [e] deve prevalecer sobre tudo, eu sempre devo estar em desacordo com o abençoado Jesus, algo que me aflige muito ”.

E aqueles: “Quando é obediência, com certeza não devemos aderir!” Depois disso, encontrando-me em mim mesma, quando vi o Jesus mais querido, e queria saber de que lado o sacerdote e a virgem estavam, Ele me disse que eles eram do Peru.

12 de novembro de 1899

Luisa salva alguns castigos.

 

Hoje de manhã, meu adorável Jesus veio e me carregou para fora de mim. Vi como se do céu ele tivesse que mover alguma coisa e tocar a terra. Fiquei tão assustada que gritei e disse a ele: “Oh, oh, Senhor, o que você está fazendo? Quanta ruína acontecerá se acontecer! Você pode me dizer que me ama e quer que eu tenha medo? Nunca vi! Não, não faça, não, não! Você não pode fazer isso, porque eu não quero! “

E Jesus, todo compassivo, me disse:
Minha filha, não tenha medo. E então, quando você quer fazer alguma coisa? Não preciso lhe mostrar nada quando Eu castigar as pessoas, caso contrário você me amarra em todos os lugares! Bem, fortalecerei seu coração de força e farei sair dele como um tronco, para poder manter o que você vê e depois derramarei tantas graças em você, para que você possa alimentar a mim e aos meus filhos ”.

Nesse momento, saiu de dentro do meu coração como um tronco e, no topo, como dois galhos em forma de força, que, erguendo-se no ar, ocupavam o meio do que estava prestes a se mover, e assim permaneciam imóveis; apenas em um ponto distante, parecia que tocava a terra.

Depois me encontrei em mim mesma e rezei para que se acalmasse; e parecia que Ele se rendeu, de modo que as dores da cruz eu participei. E Ele desapareceu.

13 de novembro de 1899

Jesus sofre ao ver as criaturas sofrerem. Luisa se oferece para consolá-lo.

Hoje de manhã, meu adorável Jesus parecia inquieto; Ele não fazia nada além de ir e vir, ou ficar comigo, agora, quase atraído pelo seu amor mais ardente pelas criaturas, foi ver o que estavam fazendo e tudo dependia do que sofriam, como se Ele próprio e não eles, foi tomado por esses sofrimentos.

Várias vezes vi o confessor que, com seu poder sacerdotal, obrigou Jesus a me fazer sofrer suas dores para acalmá-lo e, Ele, embora parecesse que não queria ser apaziguado, depois de se mostrar agradecido, agradeceu de coração aos que seguravam o braço Dele indignado; e agora Ele estava sofrendo. Oh, como era terno e comovente vê-lo assim!

Isso fez meu coração partir com compaixão. Várias vezes Ele me disse:

Conforma-te à minha justiça, pois não posso mais evitar. Ah, o homem é ingrato demais e quase me força de todos os lados a puni-lo; Punições que ele mesmo tira de mim! Se você soubesse o quanto Eu sofro ao fazer uso da minha justiça! Mas é o próprio homem que me faz violência. Ah, [mesmo] se eu não tivesse feito nada além de comprar a liberdade dele pelo preço do sangue, mesmo [nesse caso] deviam ser agradecidos! Mas [em vez disso], que, para me tornar mais errado, inventa novas maneiras de tornar inútil meu desembolso!

E enquanto Ele dizia isso, chorava amargamente; e para consolá-lo, eu disse-lhe:

“Meu doce Bem, não te entristeça; Vejo que sua aflição é mais do que você se sente obrigado a punir as pessoas. Ah não, nunca será! Se você é tudo para mim, quero ser tudo para você, portanto, acima de mim, você enviará os flagelos: aqui está a vítima, sempre pronta e à sua disposição, você pode me fazer sofrer o que deseja e assim sua Justiça permanecerá em algum lugar tão apaziguado e aliviado pela aflição que sente ao ver as criaturas sofrerem. Essa sempre foi minha intenção de não estar em conformidade com a Justiça: porque, sofrendo o homem, você sofrerá mais do que ele próprio. ”

Enquanto eu dizia isso, nossa Rainha Mãe veio e lembrei-me de que, depois de pedir ao confessor obediência para me conformar com a Justiça, ele me disse que eu pediria à Virgem se ela quisesse que eu me conformasse com ela. Eu disse a ele que ela me disse: “Não, não! Mas ore a meu filho e, nestes dias, tente o máximo que puder para mantê-lo unido [com você] e aplacá-lo, pois muitas punições estão preparadas! “

17 de novembro de 1899

O poder sacerdotal deve competir com a vítima.

 

Meu amável Jesus continua a tornar-se visto aflito. Esta manhã, junto com Ele, nossa Rainha Mãe veio e, pareceu-me que ela me trouxe para que eu o  aplacasse e orasse junto a Ele, pra me fazer sofrer para salvar o povo; e ela me disse que, se nos últimos dias eu não tivesse intervindo e o confessor não tivesse utilizado o poder sacerdotal para concordar com suas intenções de me fazer sofrer, muitas catástrofes teriam acontecido. Nesse momento, vi o confessor e imediatamente orei por ele, Jesus e a Rainha mãe; e Jesus, com toda bondade, disse:
“Na medida em que ele cuidará dos meus interesses, orando por mim e também se comprometendo a renovar a intenção de fazer você sofrer, a fim de salvar o povo, então eu cuidarei dele (do confessor) e Eu vou salvar. Eu estaria pronto para fazer esse pacto com ele “.

Depois disso, olhei para o meu bem doce e único Jesus, e vi que nas mãos Dele, estava segurando dois relâmpagos: um continha um forte terremoto e uma guerra; no outro, tantas espécies de mortes súbitas e doenças contagiosas.

Comecei a rezar para que acima de mim Ele derramasse aqueles raios e quase quis tirá-los de suas mãos, mas Ele, para não me deixar chegar a isso, começou a se afastar de mim e tentei segui-lo e, portanto, estou encontrada fora de mim; Jesus desapareceu e eu fui deixada sozinha.

Agora, encontrando-me sozinha, eu me virei um pouco e me vi em uma parte em que nesta estação eles colhem. Parecia que estouros de guerra estavam acontecendo lá, e eu queria ajudar aquelas pessoas pobres, mas os demônios me impediram de ir aonde essas coisas iriam acontecer e me espancaram para que eu não pudesse ajudar [aquelas pessoas pobres] e, também, [não pôde] impedir seus truques; e eles usaram tanta força para me fazer recuar.

19 de novembro de 1899

Mal de orgulho.

Meu adorável Jesus continua aparecendo e, já em minha mente, antes de vir, pensava em certas coisas que Jesus havia me contado nos últimos anos e que não me lembro tão bem, Ele, como se quisesse me lembrar, me disse:

Minha filha, o orgulho atormenta a graça. No coração dos orgulhosos, não há nada além de um vazio cheio de fumaça, que produz cegueira. O orgulho não faz nada além de se tornar um ídolo; para que a alma soberba não têm seu Deus com ele: com o pecado ele procurou destruí-lo em seu coração, e erguendo o altar em seu coração, ele se colocou sobre ele e se adorou “.

Oh, Deus, que monstro abominável é esse vício! Parece-me que, se a alma toma cuidado para não deixar entrar, está livre de todos os outros vícios, mas se, por causa do infortúnio, se deixar dominar por ele, uma vez que [o orgulho] é uma mãe monstruosa e má, dará à luz todos os seus filhos discretos, que são os outros pecados. Ah, Senhor, mantenha-a longe de mim!

21 de novembro de 1899

Jesus quer deleitar-se admirando-se em Luísa e isso é ajudado pela Virgem.

 

Hoje de manhã, meu amado Jesus, assim que chegou, me disse:

Minha filha, todo o seu prazer deve ser olhando para você em Mim; e se você sempre o fizer, irá reter em você todas as minhas Qualidades, minha fisionomia, meus próprios traços, e Eu, em troca, encontrarei todo o meu gosto e satisfação suprema em me deliciar em me ver em você “.

Dito isto, desapareceu, e eu estava pensando nas palavras já ditas. De repente Ele voltou, colocando sua mão sagrada na minha cabeça e virando o meu rosto para Ele, acrescentou:

“Hoje quero me deliciar um pouco olhando para você”.

Um arrepio percorreu-me inteira, um susto que eu estava morrendo, porque vi que Ele estava olhando para mim, olhando para mim, querendo deliciar-se com meus pensamentos, olhares, palavras e tudo mais, olhando para mim mesma.

“Oh Deus! Sou o objetivo de fazer [você] se deleitar ou amargurar você?”

Continuei repetindo em meu interior. Nesse momento, nossa querida Rainha Mamãe veio em meu auxílio, trazendo uma túnica muito branca entre as mãos e, com toda a amabilidade, ela me disse:

“Filha, não tema! Quero compensar você, vestindo-a na minha inocência, para que [o] meu Filho, olhando para você, encontre o maior prazer que pode ser encontrado numa criatura humana “.

Então ela me vestiu com aquela túnica e me ofereceu ao meu querido Bom Jesus, dizendo-lhe:

Aceite por minha causa, querido Filho, e deleite-se com ela”.

Assim, todo o medo passou por mim e Jesus se deleitou em mim e eu Nele. ”

20 de novembro de 1899

Luisa quer receber a amargura de Jesus

Hoje de manhã, meu doce Jesus veio e me tirou de mim. Agora, desde que vi tudo cheio de amargura, orei e pedi que Ele se derramasse em mim; mas, tanto quanto eu podia orar, não consegui que Ele derramasse suas amarguras em mim, apenas que, ao me aproximar de sua boca para receber sua amargura, uma respiração amarga veio .

Enquanto fazia isso, vi um padre que morreu, mas não sabia bem quem ele era, porque tinha a outra intenção de orar por esse padre doente, mas sem vê-lo por isso, fiquei confusa se foi isso ou algum outro. Então eu disse a Jesus:

“Senhor, o que você está fazendo? Você não vê quão escassos padres existem em Corato que você quer tirar mais deles! ”

E Jesus, não prestando atenção em mim e ameaçando com a mão, disse:
” Eu os destruirei mais “.

26 de novembro de 1899

Complacência da Santíssima Trindade pelos sofrimentos de Luísa. Para merecer a graça de sofrer mais, Luisa confessa seus defeitos diante da Santíssima Trindade.

Achando-me em muito sofrimento, meu adorável Jesus veio e colocou o braço atrás do meu pescoço, no ato de me apoiar. Agora, estando perto Dele, comecei a fazer minhas adorações habituais a todos os seus santos membros, começando com sua cabeça mais sagrada.

No ato que eu fiz, Ele me disse:

“Minha amada, estou com sede; deixe-me me mergulhar no seu amor, pois não posso mais me conter! “

E, assumindo a aparência de uma criança, Ele veio aos meus braços e começou a mamar em mim; parecia que Ele esta muito faminto e depois permaneceu revigorado e a sede saciada, mas oh, como eu estava feliz por sofrer, especialmente porque era meu único e único Bem que me causou sofrimento! E eu pedi que Ele me desse mais dor, tanto foi o gosto e a doçura que senti. E o abençoado Jesus, para me fazer mais feliz, rasgou meu coração, pegou-o em suas mãos e com uma lança o abriu e encontrou uma cruz resplandecente e muito branca.

Ele a pegou nas mãos e ficou muito satisfeito e me disse:

“Esta cruz produziu o amor e a pureza com que você sofre. Estou tão satisfeito com a maneira como você sofre que não apenas Eu, mas chamo o Pai e o Espírito Santo conosco”.

Em um instante eu estava prestes a olhar e vi Três Pessoas, que se cercaram olhando para esta cruz. Mas eu, reclamando com eles, disse:
“Grande Deus, meu sofrimento é muito pequeno! Não estou feliz apenas com a cruz, mas ainda quero os espinhos e as estacas; e se eu não mereço isso, porque indigna e pecaminosa, você, é claro, pode me dar as disposições para esse mérito!

“E Jesus, enviando-me um raio de luz intelectual, me fez entender que o que Ele queria [de mim] era que eu confessasse a verdade das minhas falhas. Eu quase me senti pousando diante das Três Pessoas Divinas, mas a Humanidade de Nosso Senhor inspirou confiança em mim, então me virei para Ele e então comecei a confessar meus defeitos. Agora, enquanto eu estava toda imersa em minha miséria, uma voz deles saiu dizendo:

Nós perdoamos você; e não peque mais “.

Eu esperava receber absolvição de Nosso Senhor, mas na melhor das hipóteses desapareceu. Pouco depois, Ele voltou crucificado e as dores da cruz eu participei.

27 de novembro de 1899

A graça faz a alma feliz.

Hoje de manhã meu querido Jesus não estava vindo; depois de muitas dificuldades, quando mal o vi, e eu, queixando-me de seu atraso, disse-lhe:

“Senhor abençoado, como, chegaste tão tarde?” Você esqueceu que eu não posso ficar sem você? Perdi a tua graça para não vires? ”

E Ele, interrompendo o minha lamentação, disse-me:

Minha filha, você sabe o que minha graça faz? Minha graça faz a alma dos homens abençoadas e felizes e a alma dos viajantes (pessoas que estão vivas na terra) felizes, com essa única diferença, que os homens desfrutam e deleitam, e os viajantes trabalham e se colocam no trânsito ( esperando ir ao céu). Assim, quem possui graça retém o Paraíso em si mesmo, porque a graça nada mais é do que possuir a Mim em si mesmo, e desde que Eu sou o objeto encantador que encanta todo o Céu e que Eu formo todo o conteúdo do Bem-aventurado, a alma, possuindo graça, onde quer que seja encontrada, possui o Paraíso “.

 

28 de novembro de 1899

Luisa concorda em sofrer no Purgatório para libertar algumas almas.

Meu amado Jesus veio toda afabilidade; Ele me parecia um amigo íntimo que faz tantas cerimônias com o outro amigo para atestar seu amor. As primeiras palavras que Ele me disse foram:

“Minha amada, Se você soubesse o quanto Eu te amo. Sinto-me muito atraído por amar você; meus próprios atrasos na vinda me forçam e são novas causas para Me fazer preenchê-la com novas graças e carismas celestiais. Se você pudesse entender o quanto Eu te amo, seu amor será comparado ao meu assim que você me ver! “
E eu: “Meu doce Jesus, se o que você diz é verdade, mas também sinto que te amo muito; e se você diz que meu amor é comparado ao seu assim que o vejo, é porque seu poder é ilimitado e o meu é limitado e, portanto, posso fazer pelo que me foi dado; é tão verdade que, quando tenho vontade de sofrer mais para testemunhar a você o meu amor, se você não me concede mais dores, o sofrimento não está em meu poder e sou forçada a me resignar a isso também, e ser esse ser inútil como sempre fui.

Em vez disso, você sentiu o mesmo sofrimento e, de qualquer maneira que queira me mostrar seu amor, já pode fazê-lo. Meu amado, dê-me poder e depois mostrarei o quanto posso fazer por ti, porque: aquela medida que você me der, a mesma medida que eu lhe darei! ”

Ele ouviu com grande prazer o meu ditado desproporcional e, quase querendo me colocar para testar, Ele me carregou para fora de mim, perto de um lugar profundo, cheio de fogo líquido e sombrio; muito horror e medo apenas por vê-lo.

Jesus me disse:

Aqui está o purgatório e muitas almas estão empilhadas neste fogo. Você irá a este lugar para sofrer para libertar aquelas almas que Me agradam; e você fará isso por meu amor ”.

Eu, imediatamente, embora um pouco trêmula, disse-lhe: “Tudo por você, estou pronta; mas você deve se unir, caso contrário, se você me deixar, nunca mais irei encontrá-lo e depois me fará chorar muito mais “.

E Ele:

Se eu me reunir contigo, qual seria o seu purgatório? Essas dores, com a minha presença, para você mudariam em alegrias e contentamentos ”.

E eu: “Eu não quero ir sozinha; e então, quando entrarmos naquele fogo, você ficará atrás de mim, para que eu não te veja e aceite esse sofrimento. ”

Então eu fui para aquele lugar cheia de escuridão e, aquele que me seguiu por trás, pelo meu medo não me deixou, peguei suas mãos, segurando-as firmemente atrás de mim. Tendo descido lá, quem pode dizer as dores que aquelas almas sofriam? Era certamente um sofrimento indisível para pessoas vestidas com carne humana! Então, entrando naquele fogo, a escuridão diminuia e muitas almas surgiriam e outras permaneceriam elevadas.

Depois de cerca de quinze minutos, partimos; e Jesus reclamou por todo o lado. Eu disse imediatamente: “Diga-me, meu bem, por que você reclama? Minha querida vida, talvez eu fosse a causa porque não queria ir sozinha para aquele lugar de dores? Diga-me, diga-me, você sofreu muito ao ver aquelas almas sofrerem? O que você sente? ”

E Jesus:” Minha amada, sinto-me cheio de amargura, tanto que, sendo incapaz de contê-la, estou prestes a transbordá-la sobre a terra.

E eu: “Não, não, meu doce Amor! Você a servirá para mim, não é? E quando me aproximei de sua boca, Ele derramou um licor muito amargo, tão abundantemente que não pude contê-lo; e orei que Ele me desse forças para apoiá-Lo; caso contrário, o que eu não fizera a Nosso Senhor, eu teria feito [isto é] para derramá-lo sobre a terra, e isso me deixou muito triste por fazê-lo! Parece, no entanto, que Ele me deu forças, embora houvesse tantos sofrimentos que eu senti que desmaiei, mas Jesus me segurando nos braços me apoiou e me disse:

“Para você é necessário ceder pela força; você se torna tão irritante, que me sinto quase obrigado a te contentar ”.

30 de novembro de 1899

Membros infantis e membros saudáveis ​​do Corpo Místico de Jesus

Meu adorável Jesus continua a chegar e desta vez eu o vi em ação quando Ele estava na coluna; Jesus, desatando-se, atirou-se em meus braços para ser consolado por mim.

Eu o segurei firme e comecei a arrumar seu cabelo todo coberto de sangue, sequei seus olhos e rosto, e o beijei e fiz vários atos de reparação. Quando cheguei às mãos e tirei a corrente delas, com a maior maravilha que vi que a Cabeça era de Nosso Senhor, mas os membros eram de muitas outras pessoas, especialmente religiosas.

Oh, quantos membros infectados que davam mais escuridão que luz! No lado esquerdo, havia aqueles que mais sofriam com Jesus: viam membros doentes, cheios de vermes e feridas profundas, outros que assim que permaneciam presos por um único nervo a esse Corpo; oh, como aquela Cabeça divina se machucou e vacilou acima daqueles membros!

Do lado direito, vimos aqueles que eram mais bons, isto é, membros saudáveis ​​e resplandecentes, cobertos de flores e orvalho celestial, perfumados com odores olfativos; e entre esses membros, podia-se ver alguém enviando um perfume escuro. Essa cabeça divina acima desses membros, muito veio a sofrer! É verdade que havia membros resplandecentes que quase se assemelhavam à luz daquela Cabeça que O recriou e Lhe deu grande glória, mas o número de membros infectados foi maior. Jesus, abrindo sua boca doce, me disse:

Minha filha, quantas dores esses membros me causam! Este Corpo que você vê é o Corpo Místico da minha Igreja, do qual me glória em ser sua Cabeça; mas quão cruel tormento esses membros causam neste corpo! Parece que eles se agitam com aqueles que podem me atormentar mais! “

Ele disse outras coisas que não me lembro tão bem sobre este Corpo, por isso aponto.

2 de dezembro de 1899

Eloquente louvor da cruz.

Ao me sentir muito afligida por certas coisas que não é permitido contar aqui, o amável Jesus, querendo me aliviar de minha aflição, entrou em um aspecto totalmente novo: Ele me parecia vestido de azul, todo enfeitado com pequenos sinos de ouro, que tocando um ao outro eles ressoavam com um som nunca antes ouvido. Ao aspecto de Jesus e ao som tão gracioso, senti-me encantada e aliviada em minha aflição, que se afastou de mim como fumaça. Eu teria ficado lá, em silêncio, tanto que me senti encantada, maravilhada com os poderes de minha alma, se o abençoado Jesus não tivesse quebrado meu silêncio, dizendo-me:

“Filha, para me deliciar, todos esses sininhos são tantas vozes que falam a você sobre o meu amor e quem te chama para me amar. Agora, deixe-me ver quantos sinos você continua me dizendo sobre o seu amor e o que eles me chamam para amar você”.

E eu, cheia de rubor, disse a Ele: “Ah, Senhor, o que você está dizendo? Não tenho nada, não tenho senão as únicas falhas! ”

Então Jesus, perdoando minha miséria, voltou a me dizer:

” Você não tem nada, é verdade; bem, eu quero enfeitar você com meus próprios sinos, para que [você] tenha tantas vozes quando me chamar e tenha como me mostrar seu amor ”.

Então parecia que [com] uma faixa ornamentada desses sinos circundava minha cintura. Depois disso, fiquei em silêncio e Ele acrescentou:

Hoje tenho o prazer de ficar com você, me diga uma coisa”.

E eu: “Você sabe que todo o meu contentamento é estar junto contigo; e, tendo-o, tenho tudo; portanto, possuindo-o, parece-me que não tenho mais nada a desejar nem a dizer “.

E Jesus: “Deixe-me ouvir sua voz recriando minha audição, vamos conversar um pouco juntos. Já falei com você muitas vezes sobre a cruz, hoje, deixe-me ouvi-la falar da cruz ”.

Eu me senti toda confusa, não sabia o que dizer; mas Ele, enviando-me um raio de luz intelectual, para satisfazê-lo, comecei a dizer: “Meu amado, quem pode lhe dizer o que é a cruz, somente sua boca pode falar dignamente da sublimidade da cruz; mas como Você quer, deixe-me falar também, eu faço.

A cruz sofrida por ti libertou-me da escravidão do diabo e casou-me com a divindade com um nó indissolúvel; a cruz é frutífera e me dá graça; a cruz é leve e me separa do temporal e me revela o eterno; a cruz é fogo e, tudo o que não é de Deus coloca em cinzas, a ponto de esvaziar o coração de uma folha mínima de grama que pode ficar lá. A cruz é uma moeda de preço inestimável e, se eu tiver Oh Santo Esposo, a sorte de possuí-la, serei enriquecida com moedas eternas, até me tornar a mais rica do Paraíso, porque a moeda que corre no céu é a cruz sofrida na terra .

A cruz então me faz conhecer não apenas a mim mesma, mas me dá o conhecimento de Deus, e envolve todas as virtudes. A cruz é a cadeira nobre da Sabedoria criada, que me ensina as mais altas doutrinas, sutis e sublimes; para que somente a cruz me revele os mistérios mais ocultos, as coisas mais ocultas, a perfeição mais perfeita escondida dos mais instruídos e sábios do mundo.

A cruz é a água benéfica que me purifica, não apenas, mas me alimenta das virtudes, me faz crescer e depois me deixa quando me leva de volta à vida eterna. A cruz é como um orvalho celestial que me preserva e embeleza o belo lírio da pureza. A cruz é o alimento da esperança. A cruz é uma tocha de fé operante. A cruz é aquela madeira sólida que preserva e mantém sempre acesa o fogo da caridade. A cruz é aquela madeira seca que faz desaparecer todos os fumos do orgulho e da vã glória, põe em fuga e produz na alma a humilde violeta da humildade.

A cruz é a arma mais poderosa que ofende os demônios e me defende de todas as suas garras. Assim, a alma que possui a cruz é de inveja e admiração para os mesmos Anjos e Santos; de raiva e indignação com os demônios. A cruz é o meu paraíso na terra, de modo que, se o Paraíso além, dos Bem-aventurados, são os prazeres, o Paraíso aqui é o sofrimento. A cruz é a mais pura corrente de ouro que se une a você, meu Bem Supremo, e forma a união mais íntima que você pode dar, até que meu ser desapareça e me transmute em você, meu amado Objeto, sentir-se perdido em você e vivo de sua própria vida ”.

Depois de dizer isso – não sei se eles estão fora de lugar – meu amado Jesus, sentindo tudo e o quanto estava satisfeito e, apreendido com entusiasmo pelo amor,  me beijou e me disse:

Bom, minha querida amada, você disse bem! Meu amor é fogo, mas não como o fogo terrestre que, onde quer que penetre, o torna estéril e coloca tudo em cinzas. Meu fogo é frutífero e apenas esteriliza tudo o que não é virtude, mas o resto dá vida a tudo e faz brotar as lindas flores, produz os frutos mais requintados e faz dele o mais delicioso jardim celeste. A cruz é tão poderosa e eu lhe comuniquei tanta graça, a fim de torná-la mais eficaz do que os próprios sacramentos; e isso porque, ao receber o Sacramento do meu Corpo, precisamos das disposições e da livre participação da alma para receber minhas graças, que muitas vezes podem faltar, mas a cruz tem a virtude de dispor a alma à graça “.

21 de dezembro de 1899

Luisa fala de virgindade e pureza.

Após um longo silêncio, nesta manhã, meu adorável Jesus, interrompendo-me, me disse: “Eu sou um receptáculo de almas puras”.

E nessas palavras Dele eu tinha uma luz intelectual que me fez entender muitas coisas sobre pureza, mas sei pouco ou nada sobre reduzir o que sinto ao intelecto. Mas a senhora mais respeitável da obediência quer que eu escreva algo, mesmo desproporcional, e, para agradá-la sozinha, direi sobre pureza.

Pareceu-me que a pureza era a jóia mais nobre que a alma pode possuir. A alma que possui pureza é investida de luz sincera, de modo que Deus abençoado, ao vê-la novamente, redescobre sua própria imagem, sente-se atraído por amá-la, tanto que se apaixona por ela e é tomado por tanto amor que ele dá seu coração puro para um abrigo, porque somente aquilo que é puro entra em Deus, nada entra manchado no seio mais puro.

A alma que possui pureza possui em si o seu esplendor primitivo que Deus lhe deu ao criá-la, nada é desfigurado, esnobado nela, mas como uma rainha que aspira ao casamento do rei celestial, sua nobreza é preservada até que esta nobre flor é transplantada para os jardins celestiais.

Oh, como esta flor virginal é perfumada com um cheiro distinto! Ele sempre se eleva acima de todas as outras flores e também dos mesmos anjos. Como se destaca da beleza variada! Para que todos sejam tomados por estima, amor e liberdade, eles dão o passo para fazê-lo alcançar o Cônjuge Divino, de modo que o primeiro lugar ao redor de Nosso Senhor seja dessas nobres flores.

Por isso, Nosso Senhor se deleita muito em andar entre esses lírios que perfumam a terra e o Céu, e tem muito mais prazer em estar cercado por esses lírios, já que Ele é o primeiro lírio nobre e o modelo, é o exemplo de todos os outros. Oh, como é bonito ver uma alma virgem! Seu coração não respira mais do que o da pureza e da brancura, nem é sombreado por outro amor que não é Deus, e seu corpo também respira o cheiro da pureza; tudo é puro nela: puro em seus passos, puro em seu trabalho, em falar, em olhar, até em mover-se; de modo que, à simples vista, é possível sentir o cheiro da fragrância e ver uma alma virgem. Que carismas, que graças, que amor mútuo, o estratagema amoroso entre essa alma e o noivo Jesus! Somente quem os experimenta pode dizer algo, que nem tudo pode ser dito. E não me sinto obrigada a falar sobre isso, então fico em silêncio e dou um passo à frente.

22 de dezembro de 1899

Como Deus nos leva a amá-lo de três maneiras e como de três maneiras ele se manifesta à alma.

 

Esta manhã, meu adorável Jesus não estava vindo. Depois de muita espera, quando apenas, quase como um flash que escapa, várias vezes Ele se mostrou; mas me pareceu antes ver uma luz que Jesus, e nessa luz uma voz que disse, na primeira vez que veio:

“Eu te abraço para me amar de três maneiras: por força de benefícios, força de simpatia e força de persuasão”.

Quem pode dizer quantas coisas eu entendi nessas três palavras? Pareceu-me que abençoado Jesus, para atrair meu amor e também o de outras criaturas, chove benefícios por nossa causa e, visto que essa chuva de benefícios não chega ao ponto de conquistar nosso amor, torna-se agradável. E qual é essa simpatia? São suas dores sofridas por nós, até que ele morreu derramando Sangue na cruz, onde se fez tão agradável, que se apaixonou por seus próprios carrascos e seus inimigos mais ferozes. Além disso, para nos atrair mais e tornar nosso amor mais forte e mais estável, ele nos deixou a luz de seus exemplos mais sagrados, unidos à sua doutrina celestial, que como luz lança as trevas desta vida e nos leva à salvação eterna.

Na segunda vez que Ele veio, me disse:
Eu me manifesto à alma de três maneiras diferentes: com poder, com notícias e com amor. O poder é o Pai, a notícia é a Palavra, o amor é o Espírito Santo “.

Oh, quantas outras coisas eu entendi! Mas muito pouco é o que sei manifestar. Pareceu-me que, com o poder, Deus se manifesta na alma, em toda a criação; do primeiro ao último homem, com a onipotência de Deus se manifesta.

O céu, as estrelas e todos os outros seres falam conosco, embora em linguagem muda de um Ser Supremo, de um Ser Não Criado, de sua onipotência, porque o homem mais cientista, com toda a sua ciência, não pode vir a criar a montanha mais vil; e isso nos diz que deve haver um Ser Não Realizado mais poderoso, que criou tudo e dá vida e subsistência a todos os seres. Oh, como todo o universo em notas claras e em caracteres indeléveis nos fala de Deus e de sua onipotência!

Então quem não vê é cego voluntariamente. Com a notícia, pareceu-me que Jesus abençoado ao descer do céu veio pessoalmente à terra para nos dar notícias do que é invisível para nós; e quantas maneiras Ele não se manifestou? Acredito que todo mundo, por si só, entende tudo o mais, por isso não vou insistir em dizer.

25 de dezembro de 1899

Jesus quer dela uma atitude contínua de sacrifício.

 

Depois de passar vários dias de privação quase total do meu Supremo e Único Bem, acompanhado por uma dureza de coração, sem sequer poder lamentar minha grande perda, embora eu também tenha oferecido essa dureza a Deus dizendo a Ele: “Senhor, aceite-o como sacrifício. Só você pode amolecer esse coração com tanta força “;

Finalmente, depois de muito sofrimento, minha querida Rainha Mãe veio trazendo em seu ventre a Criança Celestial embrulhada em uma fralda, toda tremendo; Ela me deu em meus braços, dizendo:

“Minha filha, aqueça-o com seus afetos, pois meu Filho nasceu em extrema pobreza, em total abandono de homens e em total mortificação”.

Oh, como Ele era fofo com sua beleza celestial! Peguei-o nos braços e segurei-o com força para aquecê-lo, porque estava quase entorpecido pelo frio, não tendo mais nada que o cobrisse, a não ser uma única fralda. Depois de aquecê-lo o máximo que pude, meu pequeno e delicado bebê, desvendando seus lábios roxos, me disse:

“Você me promete ser sempre uma vítima por minha causa, como eu sou por sua causa?”

E eu: “Sim Meu querido, eu prometo a você. ”

E Ele: “Não estou feliz com a palavra, quero um juramento e também uma assinatura com o seu sangue“.

E eu: “Se quer, por obediência, eu farei.”

E Ele parecia todo feliz e acrescentou: “Meu coração do qual nasci sempre ofereci em sacrifício a glorificação do Pai, pela conversão dos pecadores e pelas pessoas que me cercavam e que eram meus companheiros mais fiéis em meus sofrimentos.

Então, Eu quero que seu coração esteja em uma atitude contínua, oferecida em espírito de sacrifício por esses três fins “.

Enquanto isso dito, a Rainha Mamãe queria que a criança se refrescasse com seu doce leite. Eu o devolvi a ela, que estendeu o peito para colocá-lo na boca da Criança Divina, e eu, astuta, querendo fazer uma piada, coloquei minha boca para sugar; Puxei algumas gotas e, no ato que fiz, eles desapareceram, me deixando feliz e infeliz.
Que seja tudo para a glória de Deus e para a confusão desta pecadora miserável.

 27 de dezembro de 1899

A caridade deve ser como algo que deve cobrir ações. Ele continuou a aparecer nas sombras e nos raios.

 

Enquanto eu estava em um mar de amargura por sua ausência, em um instante Ele se mostrou para mim dizendo:

“A caridade deve ser algo que deve cobrir todas as suas ações, para que tudo brilhe com perfeita caridade. O que significa esse desagrado quando você não sofre? Que a sua caridade não é perfeita, porque sofrer por mim e não sofrer por meu amor, sem a sua vontade, é a mesma coisa ”.

E Ele desapareceu, deixando-me mais amarga do que antes, querendo tocar em um botão delicado demais para mim e que Ele próprio me infundiu. Então, depois de derramar lágrimas amargas em meu estado miserável e na ausência de meu adorável Jesus, Ele retornou e me disse:

“Com almas justas eu me levo com justiça, de fato, retribuindo-as duplamente por sua justiça, favorecendo-as com mais graças. E falando-lhes de palavras certas e de santidade “.

Eu, no entanto, me senti tão confusa e mal que não me atrevi a dizer uma única palavra, mas continuei a derramar lágrimas em minha miséria. E Jesus, querendo incutir confiança, colocou a mão embaixo da minha cabeça para levantá-la – porque eu não me segurava – e acrescentou:

Não se preocupe, eu sou o escudo dos perturbados”.

E Ele desapareceu.

30 de dezembro de 1899

Efeitos da humilhação e mortificação.

 

Hoje de manhã, meu adorável Jesus, quando mal o vi e, desde que a obediência me disse que eu orasse por uma pessoa, portanto, quando Jesus veio [eu] contei a Ele e Ele me disse:

“A humilhação não só é preciso aceitá-la, mas também amá-la, tanto quanto mastigá-la como comida; e como quando um alimento é amargo, quanto mais é mastigado, mais se sente amargura, e assim uma humilhação bem mastigada dá origem a mortificação; e esses são dois meios muito poderosos, isto é, humilhação e mortificação, para sair de certos obstáculos e obter as graças que você deseja.

Embora pareça prejudicial à natureza humana, como alimentos amargos parecem querer trazer algo mais do que bem, então humilhação e mortificação, mas não [não é assim]. Quando o ferro é batido mais sobre a bigorna, mais brilha fogo e permanece purgado; então a alma, quanto mais humilhada e batida na bigorna da mortificação, mais brilha com fogo celestial e permanece purgada, se ela realmente quer seguir o caminho do bem; se for falso, tudo acontece ao contrário “.

1 de janeiro de 1900

Efeitos do autoconhecimento.

Sentindo-me muito afligida pela privação do meu Supremo e Único Bem, depois de muita espera, finalmente o vi sair de dentro do meu coração, chorando, acenando para mim com os olhos que machucavam sua ferida feita na circuncisão, portanto Ele estava chorando, e esperando que eu limpasse o sangue da ferida e suavizasse a dor do corte.

Toda compaixão e confusão juntas, tanto que não me atrevi a fazê-lo, mas puxada pelo amor, não sei como encontrei uma fralda na mão e tentei, tanto quanto pude, secar o sangue do Menino Jesus. Eu senti, senti todo o pecado e pensei que era essa a causa dessa dor de Jesus. Oh, que pena! Senti-me absorta nessa amargura e o abençoado menino, que simpatizava com meu estado miserável, me disse:

“Quanto mais a alma se humilha e se conhece, mais se aproxima da verdade e, encontrando-se na verdade, tenta se esforçar no caminho das virtudes, das quais vemos muito longe; e se vemos que ela está no caminho das virtudes, ela vê imediatamente o que resta a ser feito, porque as virtudes não têm fim, são tão infinitas quanto eu.

Assim, a alma, encontrando-se na verdade, sempre tenta se aperfeiçoar, mas nunca virá a se ver como perfeita; e isso serve e garantirá que a alma esteja trabalhando continuamente, esforçando-se para melhorar a si mesma mais, sem perder tempo na ociosidade; e eu, me agradando com seu trabalho, enquanto a retoco para pintar minha semelhança com ela. Aqui, portanto, eu queria ser circuncidado: para dar um exemplo de grande humildade, que deixou os Anjos do Céu atordoados “.

3 de janeiro de 1900

Paz sempre, mesmo sem Jesus.

 

Continuo me vendo cheia de misérias, não só, mas também inquieta. Pareceu-me que todo o meu interior foi alertado pela perda de Jesus. Eu estava pensando comigo mesma que meus grandes pecados mereciam que meu adorável Jesus havia me deixado e, portanto, nunca mais o veria.

Oh, que morte cruel esse pensamento é para mim! De fato, mais cruel do que qualquer morte! Chega de ver Jesus! Já não ouvir mais a doçura da sua voz! Perdi Aquele de quem minha vida depende e de quem todo meu bem vem! Como posso viver sem Ele? Ah, para mim tudo acaba se eu perder Jesus! Com esses pensamentos, senti a agonia da morte, e Ele, num lampejo de luz, manifestou-se à minha alma, dizendo-me:

Paz, paz, não queira se aborrecer. Como uma flor muito perfumada perfuma o lugar onde está colocada, a paz enche Deus com a alma que a possui.

E escapou como um raio. Ah, Senhor, como você é bom com esta pecadora! E eu também te digo, em confiança: quão impertinente você é! Porque não menos do que eu tenho para perdê-lo e nem quer que eu seja perturbada; e se eu fizer isso, você me faz entender que eu me afasto de Você, porque com paz me encho de Deus e com problemas me encho de tentações diabólicas!

Oh, meu doce Jesus, quanta paciência é necessária para ti! Pois, aconteça o que acontecer comigo, eu não posso nem me preocupar ou incomodar, mas você quer que eu esteja em perfeita calma e paz!

5 de janeiro de 1900

Efeitos do pecado e da confissão.

 

Encontrando-me em meu estado habitual, senti-me saindo de mim mesma e encontrei meu adorável Jesus; mas oh, como eu me vi cheia de pecados diante de sua presença! No meu interior, senti um forte desejo de confessar a Nosso Senhor; então, Ele virou, comecei a dizer minhas falhas e Jesus me ouviu.

Quando terminei de dizer, voltando-me para mim com um rosto cheio de tristeza me disse:

“Minha filha, o pecado é um abraço venenoso e mortal para a alma, não apenas, mas também para todas as virtudes que existem na alma. Eles acham, se é sério; se é venial, é um abraço ferido, que torna a alma muito fraca e enferma e, junto com ela, as virtudes que adquirira também adoecem.

Que arma mortal é o pecado! Somente o pecado pode ferir e dar a morte à alma! Nenhuma outra coisa pode prejudicá-los, nenhuma outra coisa a torna diante de Mim, censurável, odiosa, a não ser um único pecado”.

Enquanto dizia isso, compreendi a feiúra do pecado e senti tanta dor que nem consigo expressá-la. E Jesus, vendo-me toda interpenetrada, Ele levantou o bem-aventurado braço e pronunciou as palavras de absolvição. Então, mais tarde, acrescentou:

“Como o pecado fere e dá morte à alma, o Sacramento da Confissão dá vida e a cura das feridas, e restaura o vigor às virtudes; e isto, mais ou menos, de acordo com as disposições da alma, opera a virtude do Sacramento “.

Pareceu-me que minha alma havia recebido nova vida; eu não conseguia mais perceber o desconforto de antes de Jesus ao me dar a absolvição. Que o Senhor seja sempre agradecido e glorificado!

5 de janeiro de 1900

Efeitos do pecado e da confissão.

Encontrando-me em meu estado habitual, senti-me saindo de mim mesma e encontrei meu adorável Jesus; mas oh, como eu me vi cheia de pecados diante de sua presença! No meu interior, senti um forte desejo de confessar a Nosso Senhor; então, Ele virou, comecei a dizer minhas falhas e Jesus me ouviu.

Quando terminei de dizer, voltando-me para mim com um rosto cheio de tristeza me disse:

“Minha filha, o pecado é um abraço venenoso e mortal para a alma, não apenas, mas também para todas as virtudes que existem na alma. Eles acham, se é sério; se é venial, é um abraço ferido, que torna a alma muito fraca e enferma e, junto com ela, as virtudes que adquirira também adoecem.

Que arma mortal é o pecado! Somente o pecado pode ferir e dar a morte à alma! Nenhuma outra coisa pode prejudicá-los, nenhuma outra coisa a torna diante de Mim, censurável, odiosa, a não ser um único pecado”.

Enquanto dizia isso, compreendi a feiúra do pecado e senti tanta dor que nem consigo expressá-la. E Jesus, vendo-me toda interpenetrada, Ele levantou o bem-aventurado braço e pronunciou as palavras de absolvição. Então, mais tarde, acrescentou:

“Como o pecado fere e dá morte à alma, o Sacramento da Confissão dá vida e a cura das feridas, e restaura o vigor às virtudes; e isto, mais ou menos, de acordo com as disposições da alma, opera a virtude do Sacramento “.

Pareceu-me que minha alma havia recebido nova vida; eu não conseguia mais perceber o desconforto de antes de Jesus ao me dar a absolvição. Que o Senhor seja sempre agradecido e glorificado!
—-

6 de janeiro de 1900

A confiança: escala para ascender à Divindade.

Naquela manhã, recebi a comunhão e, tendo me encontrado com Jesus, havia a Rainha Mãe; e Oh que Maravilha! Olhei para a mãe e vi seu Coração transmutado no menino Jesus; Olhei para o Filho e vi a Mãe no coração da criança. Nesse momento, lembrei que hoje é a Epifania, e eu, pelo exemplo dos Santos Magos, senti que devia oferecer algo ao Menino Jesus, mas vi que não tinha nada para dar a Ele. Então, vendo minha miséria, ocorreu-me oferecer meu corpo como a mirra com todos os sofrimentos dos doze anos que eu estivera na cama, pronta para Sofrer e ficar lá a qualquer hora que Ele quisesse; como Ouro, a dor que sinto quando me priva de sua Presença, que é a coisa mais dolorosa e terrível para mim; como incenso, minhas Preces precárias, juntamente com as da Rainha Mamãe, para que fossem mais aceitáveis ​​ao menino Jesus.

Fiz a oferta com toda a confiança de que o menino havia aceitado tudo. Jesus pareceu aceitar minhas más ofertas com muito bom gosto, mas o que mais gostou foi a confiança com que eu as ofereci. Então Ele me disse:

“A confiança tem dois braços, um abraça minha Humanidade, e a usa como uma escada para subir à minha Divindade; com o outro abraça a Divindade e, em torrentes, atrai para você as graças celestiais, de modo que a alma permanece completamente inundada no Ser Divino. Quando a alma está confiante, é certo que consegue o que pede. Eu me faço amarrar meus braços, eu me obrigo a fazer o que ela quer, eu a faço penetrar no meu coração e dela mesma eu pego o que ela pediu de mim. Se eu não fizesse isso, me sentiria em estado de violência”.

Enquanto Ele dizia isso, muitas correntes de licor saíram do seio da Criança e da Mãe, – mas não posso dizer exatamente como foi chamado o que digo lícor – que tudo inundou minha alma. A Rainha Mãe desapareceu. Depois disso, Juntamente com a Criança, fomos para a abóbada dos Céus; olhando seu rosto gracioso, eu o vi triste, disse para mim mesma: “Talvez Ele queira leite, então por isso ficou triste”.

De onde eu disse a Ele: “Você quer mamar, e a Rainha Mamãe não está?” Mas, antes de fazê-lo, eu me apavorava, por pensar que fosse um demônio! Então, para ter certeza, marquei com a cruz várias vezes e eu disse-lhe: “Você é realmente Jesus de Nazaré, a segunda pessoa da Santíssima Trindade, filho da Virgem Maria, mãe de Deus?” O Menino assegurava que sim. Então assegurada, o pus a mamar em mim. O Menino parecia que se reanimava tomando um aspecto alegre, e eu via que sugava parte dos rios dos quais Ele mesmo me tinha inundado.

E enquanto Ele fazia isso, senti-o puxando o meu coração, porque era Dele que parecia sair aquele leite que Jesus estava tirando de mim. Quem pode dizer o que aconteceu entre mim e o Menino Jesus? Não tenho linguagem para saber como manifestar, nem palavras para descrever.

8 de janeiro de 1900

Mesmos os erros serão úteis

Eu estava pensando comigo mesma: “Quem sabe quantos erros, são essas coisas que eu escrevo?” Enquanto isso, me senti desmaiando e o abençoado Jesus veio e me disse:

“Minha filha, até os erros serão beneficiados, e isso para informar que não há nenhum artifício de sua parte ou por acaso você é uma doutora teológica? tu mesma terias advertido onde te equivocavas, e isto também fará resplandecer de mais que sou Eu quem te falo, se vêem as coisas com simplicidade; porém te asseguro que não encontrarão nem a sombra do vício, nem coisa que não fale de virtude, porque enquanto você escreve, , Sou Eu mesmo a pessoa guiando sua mão. No máximo, eles serão capazes de encontrar alguns erros no primeiro aspecto, mas se olharem muito bem, encontrarão a verdade em tudo ”.

Dito isto, Ele desapareceu, mas depois de algumas horas Ele voltou; e me senti toda hesitante e preocupada com as palavras que Ele havia me dito e acrescentou:

“Minha herança é firmeza e estabilidade, não estou sujeito a nenhuma mudança; e a alma, quanto mais se aproxima de mim e entra no caminho das virtudes, mais se sente firme e estável em fazer o bem e, quanto mais está longe de mim, mais estará sujeita a mudanças e oscilações, agora para o bem e agora para o mal ”.

12 de janeiro de 1900 

 

Diferença entre autoconhecimento e humildade.

 

Encontrando-me em meu estado habitual, meu adorável Jesus entrou em um estado de compaixão. Ele manteve as mãos amarradas com força e o rosto coberto de espetos e várias pessoas lhe dando um tapa horrível; e Ele permaneceu quieto, placidamente, sem fazer um movimento ou lamentar, nem mesmo um movimento dos cílios, para mostrar que queria sofrer aqueles ultrajes e, isso, não apenas externamente, mas também internamente.

 

 Que espetáculo emocionante, a ponto de despedaçar com isso os corações mais difíceis! Quantas coisas dizia aquele rosto com as cusparadas, manchado de lama!

 Fiquei horrorizada, tremi, vi-me toda orgulhosa diante de Jesus. Enquanto Ele estava nesse aspecto, Ele me disse:

Minha filha, os pequeninos se deixam manejar como se deseja, não aqueles que são pequenos por razões humanas, mas aqueles que são pequenos, mas cheios da razão divina. Só posso dizer que sou humilde, porque no homem o que se chama humildade, é preciso dizer que engloba o conhecimento de si mesmo e aqueles que não se conhecem já andam na falsidade ”.

Por alguns minutos, Jesus fez silêncio e eu estava apenas contemplando-o. Enquanto fazia isso, vi uma mão que carregava uma luz que remexia em meu interior, nos esconderijos mais íntimos, queria ver se havia em mim o conhecimento de mim mesma e o amor por humilhações, confusões e desgraças. Aquela luz encontrou um vazio em meu interior – e eu também vi – que tinha que ser preenchida com humilhações e confusões, por exemplo, do abençoado Jesus. Oh, quantas coisas me fizeram entender essa luz e aquele rosto santo que estava diante de mim!

Eu disse a mim mesma: “Um Deus, por meu amor humilde e confuso, e eu, uma pecadora, sem essas divisas! Um Deus estável, firme em suportar tantos insultos, tanto que não se mexe nenhum pouco para sacudir aquelas cusparadas fedorentas. Ah, seu interior se manifesta para mim e diante de Deus e o exterior diante dos homens! E, no entanto, se Ele quiser, pode se libertar, porque não são as correntes que o prendem, mas sua Vontade estável, que a qualquer custo quer salvar a humanidade! E Onde estão minhas humilhações, firmeza e constância em fazer o bem pelo meu Jesus e pelo meu próximo? Ah, que vítimas diferentes somos, eu e Jesus! Que não nos parecemos em nada!”

 

Enquanto meu pequeno cérebro estava perdido nisso, meu adorável Jesus me disse:

 

“Somente minha Humanidade estava cheia de censuras e humilhações, o suficiente para transbordar delas; eis que, portanto, o céu e a terra tremem diante das minhas virtudes e, as almas que Me amam usam minha humanidade como uma escada para provar algumas gotinhas de minhas virtudes. Diga-me um pouco: ‘Antes da minha humildade, onde está a sua?’ Só eu posso me orgulhar de possuir verdadeira humildade. Minha Divindade, unida à minha Humanidade, podia fazer maravilhas em cada passo, palavras e ações; em vez disso, voluntariamente, me estreitei no círculo da minha Humanidade e me mostrei aos mais pobres e vim me confundir com os mesmos pecadores.

 

 O trabalho da Redenção em um tempo muito curto eu pude operá-lo e também por meio de uma única palavra; mas durante muitos anos, com tantas dificuldades e sofrimentos, para tornar as misérias do homem minhas, eu quis praticar tantas ações diferentes para fazer com que o homem fosse completamente renovado, divinizado, mesmo nas menores obras, porque a exemplo de Mim, que era Deus e Homem, eles receberam novo esplendor e permaneceram com a marca das minhas obras divinas. Minha Divindade escondida em minha Humanidade, [queria] descer a tanta baixeza, submeter-se ao curso das ações humanas, enquanto, com um único ato de Vontade, eu poderia ter criado mundos infinitos; porém [queria] sentir as misérias, as fraquezas dos outros, como se fossem Minhas; vendo-Me coberto de todos os pecados dos homens perante a Justiça Divina e que [minha Humanidade] teve que pagar a penalidade com o preço de penas e dores inéditas e com o desembolso de todo o Meu Sangue, Minha Humanidade exerceu atos contínuos de humildade profunda e heróica.

Aí está, ó filha, a enorme diversidade da minha humildade comparada com a humildade das criaturas que, diante da minha, dificilmente a deles é  só uma sombra; também a de todos os meus santos, porque a criatura é sempre criatura e não sabe quanto pesa a culpa como eu a conheço.

Embora sejam almas heróicas que ao meu exemplo se ofereceram a sofrer as penas de outros, mas estas não são diferentes daquelas, das outras criaturas, não são coisas novas para elas, porque estão formadas do mesmo barro. Além disso, só pensar que essas penas são causa de novas aquisições e que glorificam a Deus, é uma grande honra para elas. Além disso, a criatura está restrita no cerco onde Deus a colocou, e não pode sair desses limites com os quais Deus a cercou. Nem pode escapar desses limites, de modo que foi cercada por Deus Oh, se estivesse ao seu alcance fazer e desfazer as que eles fazem, todos iriam alcançar as estrelas! 

 

Mas minha Humanidade divinizada não tinha limites em se humilhar, tanto que se estreitou voluntariamente; e isto era como um entrelaçar em todas as minhas obras cobertas de heroica humildade. Pois é esta exata causa de todos os males que inundam a terra, isto é, a falta de humildade, e eu, com o exercício dessa virtude, tive que atrair todos os bens da Justiça Divina para Mim. Ah, sim, quantos bens que não partem de meu trono em resgates de graças senão por meio da humildade!? Por isso, que sem ser, por meio da humildade, nenhum bem pode ser recebido de Mim se não contiver a assinatura da humildade na ação da criatura, nenhuma oração meus ouvidos ouvem que passe à compaixão do meu coração se não for perfumado pelo cheiro da humildade.

Se a criatura não consegue destruir esse germe de honra, de estima – e isso é destruído pelo amor ao desprezo, humilhação, confusão! Ela sentirá um emaranhado de espinhos ao redor do coração, sentirá um vazio no coração que sempre a irritará e a fará muito diferente da minha Santíssima Humanidade. E se você não gosta de humilhações, no máximo poderá se conhecer um pouco, mas não brilhará diante de Mim vestida com o belo vestido de humildade “.

Quem pode dizer quantas coisas eu entendi sobre essa virtude e a diferença entre conhecer a si mesmo e a humildade? Pareceu-me tocar a distinção dessas duas virtudes, mas não tenho palavras para me explicar. Para dizer alguma coisa, tenho uma ideia, por exemplo: um homem pobre diz que é pobre, e também para pessoas que não o conhecem e que talvez possam acreditar que ele possui algo que claramente manifesta sua pobreza. Pode-se dizer que ele se conhece e fala a verdade; e por causa disso ele é mais amado, leva os outros à compaixão por seu mau estado e todos o ajudam. Tal é o conhecer a si mesmo.

 

 Se então, aquele pobre homem, com vergonha de manifestar sua pobreza, se gabaria de ser rico, enquanto todo mundo sabe que ele nem mesmo tem roupas decentes e morre de fome, o que acontece? Todo mundo o despreza, ninguém o ajuda e ele se torna motivo de zombaria e ridículo para quem o conhece; e o miserável, indo de mal a pior, acaba por perecer.

Tal é o orgulho diante de Deus e também diante dos homens. E aqui aqueles que não se conhecem já saem da verdade e caem no caminho da falsidade”, Agora, como é a diferença entre o orgulho e a  humildade – embora me pareça que são irmãs nascidas e que nunca podem ser humildes se não se conhecerem. Por exemplo, um homem rico que, despindo-se, por humilhação, de suas roupas nobres, se cobre de trapos miseráveis, vive desconhecido, sem manifestar quem ele é, se confunde com os mais pobres, vive com os pobres como se fossem iguais, deleita seus desprezos e confusões; e eis que [neste homem rico] a bela irmã do autoconhecimento, isto é, humildade.

Ah sim! A humildade chama graça, a humildade quebra as correntes mais fortes, o que é pecado. A humildade supera qualquer parede divisória entre a alma e Deus e retorna a Ele. Humildade é a planta pequena, mas sempre é verde e florida, não sujeita a ser rosada por vermes, nem ventos, granizo, ao calor que pode prejudicá-los ou fazê-lo murchar.

A humildade é a pequena planta, mas sempre verde e florida, não sujeita a ser roída pelos vermes, nem os ventos, nem as granizadas, nem o calor poderão lhe fazer mal nem murchar minimamente. A humildade, embora seja a mais pequena planta, sempre tira ramos altíssimos que penetram até o céu e se entrelaçam ao redor do coração de Nosso Senhor, e só os ramos que saem desta pequena planta têm livre a entrada nesse coração adorável. A humildade é a âncora da paz nas tempestades das ondas do mar desta vida. A humildade é sal que tempera todas as virtudes, e preserva a alma da corrupção do pecado. A humildade é a erva que brota no caminho pisado pelos caminhantes, que enquanto é pisada desaparece, mas logo se vê surgir de novo mais bela do que antes. A humildade é como enxerto nobre que enobrece a planta silvestre. A humildade é o ocaso da culpa. A humildade é a recém-nascida da graça. A humildade é como lua que nos guia nas trevas da noite desta vida. A humildade é como aquele ganancioso negociante que sabe negociar bem suas riquezas, e não esbanja nem sequer um centavo da graça que lhe vem dada. A humildade é a chave da porta do Céu, assim ninguém pode entrar nele se não tiver bem guardada esta chave. Finalmente, caso contrário eu nunca iria terminar e alongar-me muito, humildade é o sorriso de Deus e de todo o Empírico, e o choro de todo o inferno.

 

Compartilhe a Divina Vontade