Efeitos benéficos da humilhação e mortificação


30 de dezembro de 1899 Efeitos da humilhação e mortificação.

Hoje de manhã, meu adorável Jesus, quando mal o vi e, desde que a obediência me disse que eu orasse por uma pessoa, portanto, quando Jesus veio [eu] contei a Ele e Ele me disse: “A humilhação não só é preciso aceitá-la, mas também amá-la, tanto quanto mastigá-la como comida; e como quando um alimento é amargo, quanto mais é mastigado, mais se sente amargura, e assim uma humilhação bem mastigada dá origem a mortificação; e esses são dois meios muito poderosos, isto é, humilhação e mortificação, para sair de certos obstáculos e obter as graças que você deseja.

Embora pareça prejudicial à natureza humana, como alimentos amargos parecem querer trazer algo mais do que bem, então humilhação e mortificação, mas não [, não é assim]. Quando o ferro é batido mais sobre a bigorna, mais brilha fogo e permanece purgado; então a alma, quanto mais humilhada e batida na bigorna da mortificação, mais brilha com fogo celestial e permanece purgada, se ela realmente quer seguir o caminho do bem; se for falso, tudo acontece ao contrário “.

1 de janeiro de 1900 Efeitos do autoconhecimento.

Sentindo-me muito afligida pela privação do meu Supremo e Único Bem, depois de muita espera, finalmente o vi sair de dentro do meu coração, chorando, acenando para mim com os olhos que machucavam sua ferida feita na circuncisão, portanto Ele estava chorando , e esperando que eu limpasse o sangue da ferida e suavizasse a dor do corte. Toda compaixão e confusão juntas, tanto que não me atrevi a fazê-lo, mas puxada pelo amor, não sei como encontrei uma fralda na mão e tentei, tanto quanto pude, secar o sangue do Menino Jesus. Eu senti, senti todo o pecado e pensei que era essa a causa dessa dor de Jesus. Oh, que pena! Senti-me absorta nessa amargura e o abençoado menino, que simpatizava com meu estado miserável, me disse: “Quanto mais a alma se humilha e se conhece, mais se aproxima da verdade e, encontrando-se na verdade, tenta se esforçar no caminho das virtudes, das quais vemos muito longe; e se vemos que ela está no caminho das virtudes, ela vê imediatamente o que resta a ser feito, porque as virtudes não têm fim, são tão infinitas quanto eu. Assim, a alma, encontrando-se na verdade, sempre tenta se aperfeiçoar, mas nunca virá a se ver como perfeita; e isso serve e garantirá que a alma esteja trabalhando continuamente, esforçando-se para melhorar a si mesma mais, sem perder tempo na ociosidade; e eu, me agradando com seu trabalho, enquanto a retoco para pintar minha semelhança com ela. Aqui, portanto, eu queria ser circuncidado: para dar um exemplo de grande humildade, que deixou os Anjos do Céu atordoados “.

Compartilhe a Divina Vontade