Método para a prática do relógio da paixão



Método para a prática piedosa

do relógio da paixão

 

Continuando com seu Prefácio, São Aníbal nos oferece algumas maneiras muito recomendáveis ​​de fazer “As Horas da Paixão”.


Para alguns parecerá difícil, senão impossível, praticar essa devoção ao doloroso Relógio. Como é que, alguns podem dizer, você pode meditar todos os dias por 24 horas, das 17h de hoje às 17h de amanhã, e então começar tudo de novo? Claro que isso é humanamente impossível. Dizemos humanamente, porque com uma ajuda especial da Graça Divina, esta meditação continua, ininterrupta, é o que aquela alma solitária que escreveu esta pequena ópera fez e vem fazendo há muitos anos.

Mas sem esperar tanto de nós, a meditação das 24 Horas da Paixão, Morte e Enterro de Nosso Senhor Jesus Cristo, pode ser feita de várias formas adaptáveis, de acordo com as diferentes condições e circunstâncias.

 

Primeira Via

A primeira dessas formas adaptáveis ​​para pessoas que levam uma vida um tanto aposentada e contemplativa, seja no Mosteiro ou em casa, (e certamente são poucos), seria ler primeiro este livro do Relógio da Paixão em sua totalidade, um golpe de cada vez, em vários dias, como você pode, e meditando. Depois de completá-lo assim em sua totalidade e de ter uma idéia de tudo, o devoto colocará na frente de cada hora o título e o conteúdo daquela hora; e quando ele não puder fazer melhor, tendo esperado pelas outras ocupações indispensáveis ​​do dia, ele pelo menos cuidará de manter em mente o mistério de cada hora sucessiva, reunindo-se com sua mente na Presença Divina, e acompanhando você com alguma ejaculação interna. Para isso, será muito útil guardar de cor o tempo de 24 horas com o relativo mistério, conforme mostrado na página 73 ou mantenha a lista de horas em vista. Que, se ele puder, em poucas horas, dar uma olhada no relativo mistério e encontrá-lo no livro, tanto melhor. Aplicando a alma com esta intenção e atenção, e perseverando, não faltará a ajuda da Graça Divina.

Isso se aplica ao dia; mas à noite, sendo o sono indispensável por pelo menos cinco ou seis horas, o devoto pode, antes de ir para a cama, ler uma ou duas das Horas com antecedência; (cuja leitura não ultrapasse sessenta minutos, como já dissemos). Das outras Horas, que pertencem à noite, leia pelo menos os títulos; então forma a intenção de que, dormindo nessas horas da noite, pretenda com o espírito meditar nas Horas que não pode meditar em vigília. Nosso Senhor, na sua infinita Bondade, acolhe esta intenção como se fosse a mesma ação.

 

Segunda via

Pessoas que estão suficientemente ocupadas durante o dia para vários negócios, incluindo a casa, podem praticar este exercício piedoso de outra maneira mais adequada para eles. Admitamos, com certeza, que queremos aplicar pelo menos uma hora por dia, à leitura e meditação da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, ainda duas vezes, ou seja, meia hora pela manhã e meia hora à noite. Em vez de escolher outro livro, eles escolheriam este e, partindo da primeira página do atual Relógio das Dores, leriam e ponderariam várias páginas dele por cerca de trinta minutos, e então na segunda meia hora da noite as páginas seguintes seguiriam; e assim cada vez sempre continuamente, até que em alguns dias eles estariam esgotados. Em seguida, eles começariam tudo de novo para exaurir novamente, e então tudo de novo; e assim durariam vários meses. Quando a idéia de todo o Relógio da Paixão tivesse se formado, eles poderiam muito bem seguir a meditação usual de trinta minutos pela manhã e trinta minutos à noite, variando as horas como de costume, mas para as outras horas do dia e da noite. eles liam os títulos, e colocavam a intenção de querer meditar de hora em hora esses mistérios, que também estão no meio das ocupações, e dormindo à noite teriam intencionalmente a intenção de meditar sobre aqueles mistérios correspondentes dos quais liam ou se lembrariam apenas dos títulos. Porém, como é sexta-feira, seria desejável meditar sobre a crucificação e as três horas de agonia na cruz. idéia de todo o Relógio da Paixão, eles poderiam muito bem seguir a meditação usual de trinta minutos pela manhã e trinta minutos à noite, variando as Horas como de costume, mas para as outras horas do dia e da noite eles liam os títulos, e colocavam a intenção de querer meditar sobre esses mistérios de hora em hora, isto é, mesmo no meio das ocupações, e dormir à noite, pretendiam intencionalmente meditar sobre aqueles mistérios correspondentes dos quais leriam ou se lembrariam apenas dos títulos. Porém, como é sexta-feira, seria desejável meditar sobre a crucificação e as três horas de agonia na cruz. idéia de todo o Relógio da Paixão, eles poderiam muito bem seguir a meditação usual de trinta minutos pela manhã e trinta minutos à noite, variando as Horas como de costume, mas para as outras horas do dia e da noite eles liam os títulos, e colocavam a intenção de querer meditar sobre esses mistérios de hora em hora, isto é, mesmo no meio das ocupações, e dormir à noite, pretendiam intencionalmente meditar sobre aqueles mistérios correspondentes dos quais leriam ou se lembrariam apenas dos títulos. Porém, como é sexta-feira, seria desejável meditar sobre a crucificação e as três horas de agonia na cruz. mas para as outras horas do dia e da noite eles liam os títulos, e colocavam a intenção de querer meditar de hora em hora esses mistérios, isto é, mesmo no meio das ocupações, e dormindo à noite eles intencionalmente pretendiam meditar aqueles mistérios correspondentes dos quais eles liam ou eles se lembrariam dos títulos sozinhos. Porém, como é sexta-feira, seria desejável meditar sobre a crucificação e as três horas de agonia na cruz. mas para as outras horas do dia e da noite eles liam os títulos, e colocavam a intenção de querer meditar de hora em hora esses mistérios, isto é, mesmo no meio das ocupações, e dormindo à noite eles intencionalmente pretendiam meditar aqueles mistérios correspondentes dos quais eles liam ou eles se lembrariam dos títulos sozinhos. Porém, como é sexta-feira, seria desejável meditar sobre a crucificação e as três horas de agonia na cruz.
É bem entendido que esta leitura ou meditação, como qualquer oração mental, deve ser acompanhada por preparação, depois por afeições, atos de amor e semelhantes, e então agradecimento deve ser feito.

 

Terceira via

Um método para exaurir todas as Horas da Paixão dia e noite seria associar 24 pessoas a este exercício, e cada uma ocuparia uma hora. Aqueles que tocassem as horas da noite, poderiam cada um fazer sua Hora com antecedência, no entardecer, e então colocar a intenção de repeti-la na hora correspondente, mesmo durante o sono. O que aconteceria se oito pessoas fervorosas fossem encontradas cada uma delas em uma hora de vigília à noite pelo amor de Jesus Cristo, que passou todas as noites em oração por nós, tudo bem, das 10 da noite às 6 da manhã, essas oito pessoas cada um faria a Hora designada, e assim todas as 24 Horas seriam praticadas continuamente com a grande aprovação de Nosso Senhor, com grande proveito dos 24 praticantes, e com o bem de toda a Santa Igreja militante e purgante e glória do Triunfante!

Com um pouco de boa vontade, este exercício sagrado, desta forma, poderia ser praticado nas Comunidades Religiosas praticantes, que receberiam bênçãos particulares do Deus Supremo.


Sobre o valor e lucro

do exercício destas

Horas da Paixão

Com as devidas reservas e com a mais perfeita submissão ao juízo da Santa Igreja, de acordo com o decreto do Papa Urbano VIII, transcrevo agora algumas revelações que Nosso Senhor Jesus Cristo fez à Alma solitária, que inspiraram esta obra. Revelações que mostram como é agradável ao adorável Coração de Jesus a prática deste Exercício. Começo transcrevendo uma carta enviada a mim pelo autor:

“Muito Reverendo Padre:

Aqui, enfim, remeto as Horas da Paixão escritas, e tudo para glória de Nosso Senhor. Anexo também outro folheto contendo os afetos e as belas promessas de Jesus para aqueles que cumprem estas Horas da Paixão.

Acredito que se aquele que medita sobre eles é pecador, se converterá, se for imperfeito se tornará perfeito, se for santo se tornará mais santo, se for tentado encontrará a vitória, se estiver sofrendo encontrará força, remédio, conforto; e se a sua alma for fraca e pobre, encontrará alimento espiritual e um espelho onde olhará continuamente para se embelezar e tornar-se como Jesus nosso modelo.

Jesus, abençoado pela meditação destas Horas, está tão contente que gostaria que houvesse pelo menos uma cópia dessas meditações para cada cidade ou vila, e que elas fossem praticadas; então aconteceria que nessas reparações Jesus ouviria a sua própria voz e as suas orações reproduzidas, como as elevou ao Pai nas 24 horas da sua dolorosa Paixão; e se isso fosse feito pelo menos em cada vila ou cidade por algumas almas, Jesus parece me fazer entender que a Justiça divina permaneceria parcialmente apaziguada, e seus flagelos seriam parcialmente detidos e como se amortecidos nestes tempos tristes de tormento e dispersão. de sangue.

Peço-lhe, Reverendo Padre, um apelo a todos: assim faça o pequeno trabalho que o meu amado Jesus me mandou fazer.

Por isso vos digo também que o propósito destas Horas da Paixão não é tanto contar a história da Paixão, porque há muitos livros que tratam deste lamentável assunto, e não teria sido necessário fazer outro; mas o propósito é a reparação, unindo os diversos pontos da Paixão de Nosso Senhor com a diversidade de tantas ofensas, e junto com Jesus fazer uma reparação digna, refazendo-lhe quase tudo o que todas as criaturas lhe devem; e, portanto, as diferentes maneiras de reparar; Nessas Horas, isto é, em alguns lugares abençoam, em outros têm piedade, em outros elogiam, em outros o Penante é consolado, em outros compensa, em outros imploram, rezam, pedem.

Deixo, portanto, em suas mãos tornar conhecido o propósito destas horas a quem as lê. “

 

As folhas com os escritos referidos pela Autora no início desta carta contêm o que Jesus lhe disse a respeito do exercício das Horas, e são, de acordo com as datas, as seguintes:

 

Volume VII – 9 de novembro de 1906

“Minha filha, quem está sempre ruminando sobre minha paixão são tão bem-vindos, e sentem desprazer e pena de mim, que me sinto revigorada por tudo que sofri no decorrer de minha paixão, e a alma, sempre ruminando-a, vem se preparar um alimento contínuo, e neste alimento há muitos condimentos e sabores diferentes que formam diferentes efeitos, de forma que se no decorrer da minha paixão me deram cordas e correntes para me amarrar, a alma me derrete e me dá liberdade; eles me desprezaram, cuspiram em mim e me desonraram, ela me valorizou, me purificou desses espíritos e me honrou; eles me despiram e me açoitaram, ela me cura e me veste; eles me coroaram de espinhos, me tratando como um rei da zombaria, amargaram minha boca com fel e me crucificaram, minha alma mastigando todas as minhas dores, me coroou de glória e me honrou por seu rei, ele enche minha boca de doçura, dando-me o alimento mais delicioso que é a lembrança de minhas próprias obras, e me desenrolando da cruz me faz levantar-me novamente em seu coração, dando-lhe como recompensa, sempre que o faz, uma nova vida de graça, para que é a minha comida e eu faço para mim mesma a sua comida continuamente. Então, o que eu mais gosto é sempre ruminar sobre minha paixão. “

 

Volume XI – 10 de abril de 1913

Esta manhã meu sempre amável Jesus veio e, abraçando meu coração, disse-me:

“Minha filha, quem sempre pensa na minha Paixão forma uma fonte no seu coração, e quanto mais pensa nisso, mais esta fonte se alarga, e como as águas que sobem são águas comuns a todos, então esta fonte da minha Paixão que se forma no coração, serve para o bem da alma, para minha glória e para o bem das criaturas. “

E eu: «Diga-me o meu bem, que darás em compensação a quem cumprir as horas da Paixão como me ensinaste? “

E Ele: «Minha filha, não os considerarei coisas tuas, mas como feitos por Mim, darei-te os meus mesmos méritos, como se sofresse a minha Paixão no ato, e os mesmos efeitos, segundo a disposição das almas, Eu não poderia dar esta recompensa maior na terra, e então no Céu eu os colocarei na minha frente, lançando-me sobre eles com raios de amor e contentamento por quantas vezes as horas de minha Paixão fizeram, e eles Me farão brilhar. Que doce encantamento será este a todos os bem-aventurados! “

 

Volume XI – 6 de setembro de 1913

Pensava nas horas escritas da Paixão, e como são sem indulgências e por isso quem as pratica não ganha, enquanto tantas orações enriquecidas com tantas indulgências. Enquanto eu pensava nisso, meu sempre amável Jesus, toda a bondade me dizia:

«Minha filha, com as orações indulgentes se ganha algo, por outro lado as horas da minha Paixão, que são as minhas orações, as minhas reparações e todo o amor, saíram realmente do fundo do meu coração, talvez já te esquecestes quantas vezes Eu me juntei a vocês para fazê-los juntos e transformei os flagelos em graças por toda a terra? De modo que minha satisfação é tanta que, em vez de indulgência, dou a ela um punhado de amor, que contém preços incalculáveis ​​de valor infinito, e então, quando as coisas são feitas por puro amor, meu Amor encontra ali uma saída. , e não é indiferente que a criatura dê alívio e escape ao Amor do Criador. “

 

Volume XI – outubro de 1914

Escrevia as horas da Paixão e pensava comigo: «Quantos sacrifícios por escrever estas horas abençoadas da Paixão, sobretudo por colocar no papel certos atos internos que se passaram apenas entre mim e Jesus, qual será a recompensa que Ele me dará? “

E Jesus, fazendo-me ouvir a sua terna e doce voz, disse-me: «Minha filha, em compensação por teres escrito as horas da minha Paixão, com cada palavra que tiveres escrito te darei um beijo, uma alma. “

E eu: «Meu Amor, isto a mim, e aos que lhe fizerem, que lhe dás? “E Jesus:“ Se os fizerem junto Comigo e com a minha mesma Vontade, darei também alma a cada palavra que recitarem, porque toda a maior ou menor eficácia destas horas da minha Paixão reside na maior ou menor união que eles têm Comigo, e fazendo-os com minha Vontade, a criatura se esconde em minha Vontade, e agindo minha Vontade eu posso fazer todos os bens que eu quiser, mesmo por uma única palavra, e isso toda vez que você os fizer. “

 

Outra vez reclamei a Jesus, que depois de tantos sacrifícios por escrever estas horas da Paixão, tão poucas almas as faziam, e Ele: «Minha filha, não te queixeis, mesmo que fosse apenas uma, devias alegrar-te, não eu teria sofrido toda a minha Paixão mesmo se apenas uma alma tivesse que ser salva? Assim também, nunca se deve omitir o bem porque poucos se aproveitam dele, todo o mal é para quem não aproveita, e como a minha Paixão fez com que a minha Humanidade adquirisse o mérito como se todos fossem salvos, embora nem todos sejam salvos. , porque minha Vontade era a de salvar a todos, e eu merecia de acordo com o que eu queria, não de acordo com o lucro que as criaturas fariam disso; então você, conforme sua vontade se identificou com a minha Vontade, de querer e fazer o bem a todos, então serás recompensado por isso, todo o mal é de quem, podendo, não o faz, estas horas são as mais preciosas de todas, porque nada mais é do que repetir o que fiz no decorrer da minha vida mortal, e o que continuo no Santíssimo Sacramento. Quando ouço essas horas de minha Paixão, ouço minha própria voz, minhas próprias orações, vejo minha Vontade naquela alma, que é querer o bem de todos e reparar para todos, e me sinto transportado para habitar. nele para poder fazer nela o que ela mesma faz. Oh! Quanto gostaria que ao menos um por país fizesse estas horas da minha Paixão! Eu me sentiria em todos os países, e minha Justiça nestes tempos muito indignada, permaneceria parcialmente apaziguada. ” porque nada mais é do que repetir o que fiz durante a minha vida mortal e o que continuo no Santíssimo Sacramento. Quando ouço essas horas de minha Paixão, ouço minha própria voz, minhas próprias orações, vejo minha Vontade naquela alma, que é querer o bem de todos e reparar para todos, e me sinto transportado para habitar. nele para poder fazer nela o que ela mesma faz. Oh! Quanto gostaria que ao menos um por país fizesse estas horas da minha Paixão! Eu me sentiria em todos os países, e minha Justiça nestes tempos muito indignada, permaneceria parcialmente apaziguada. ” porque nada mais é do que repetir o que fiz durante a minha vida mortal e o que continuo no Santíssimo Sacramento. Quando ouço essas horas de minha Paixão, ouço minha própria voz, minhas próprias orações, vejo minha Vontade naquela alma, que é querer o bem de todos e reparar para todos, e me sinto transportado para habitar. nele para poder fazer nela o que ela mesma faz. Oh! Quanto gostaria que ao menos um por país fizesse estas horas da minha Paixão! Eu me sentiria em todos os países, e minha Justiça nestes tempos muito indignada, permaneceria parcialmente apaziguada. ” Vejo nessa alma a minha Vontade, que é querer o bem de todos e reparar por todos, e sinto-me transportado para nela habitar para poder fazer nela o que ela mesma faz. Oh! Quanto gostaria que ao menos um por país fizesse estas horas da minha Paixão! Eu me sentiria em todos os países, e minha Justiça nestes tempos muito indignada, permaneceria parcialmente apaziguada. ” Vejo nessa alma a minha Vontade, que é querer o bem de todos e reparar por todos, e sinto-me transportado para nela habitar para poder fazer nela o que ela mesma faz. Oh! Quanto gostaria que ao menos um por país fizesse estas horas da minha Paixão! Eu me sentiria em todos os países, e minha Justiça nestes tempos muito indignada, permaneceria parcialmente apaziguada. “

Acrescento que um dia eu estava marcando a hora em que a Mãe Celestial sepultou Jesus, e a segui para lhe fazer companhia em sua amarga desolação para ter pena dela. Ele nem sempre fazia isso, só às vezes, agora eu estava indeciso se devia ou não, e bendito Jesus, com todo amor e como se rezasse para mim, ele me disse:

«Minha filha, não quero que o deixes de fora, fá-lo-á por meu amor em honra de minha mãe. Saiba que toda vez que você faz isso, minha mãe se sente como se estivesse em pessoa na terra e repetindo sua vida e, portanto, ela recebe aquela glória e amor que ela me deu na terra, e eu sinto como se ela estivesse lá novamente. minha Mãe na terra, sua ternura maternal, seu amor e toda a glória que Ela me deu, por isso a manterei em mente como mãe. “

Então, abraçando-me, ouvi-me dizer em silêncio: «Mamma mia, mamma. »E ela me sugeriu o que a doce mamãe fez e sofreu nesta hora, e eu a segui, e a partir de então nunca mais a negligenciei, ajudado por sua graça.

 

Volume XI – 4 de novembro de 1914

Eu estava cumprindo as horas da Paixão, e Jesus, todo satisfeito, disse-me:

«Minha filha, se conhecesses a minha grande satisfação que sinto em vê-la repetir estas horas da minha Paixão e repeti-las sempre e repeti-las novamente, ficaria feliz. É verdade que meus santos meditaram na minha Paixão e compreenderam o quanto eu sofri, e se desfizeram em lágrimas de compaixão, tanto que se sentiram consumidos por causa de minhas dores, mas não tão continuados e repetidos muitas vezes com isso ordem, para que eu possa dizer que você é o primeiro a me dar esse sabor tão grande e especial, e você vai quebrando minha Vida e o que você sofreu em você hora a hora, e eu me sinto tão atraída, aquela hora você Eu dou comida e como a mesma comida com você, e eu faço com você o que você faz. Mas saiba que vou recompensá-lo abundantemente com nova luz e novas graças, e mesmo depois de sua morte, sempre que estas horas da minha Paixão são feitas por almas nesta terra, Eu no Céu sempre os envolverei em uma nova luz e glória. “

 

Volume XI – 6 de novembro de 1914

Continuando as horas habituais da Paixão, meu amado Jesus me disse:

“Minha filha, o mundo está constantemente no ato de renovar minha Paixão, e como minha imensidão envolve a todos, dentro e fora das criaturas, sou obrigada pelo contato delas a receber pregos, espinhos, açoites, desprezo, cuspe e todos os Fico que sofri na Paixão, e ainda mais. Agora, quem faz estas horas da minha Paixão, do contacto destes sinto os pregos sendo retirados, os espinhos despedaçados, as feridas amolecidas, os cuspos retirados, sinto que o mal que os outros me fazem é retribuído para o bem, e eu, sentindo que o contato deles não me machuca, mas bom, eu me apóio cada vez mais neles. “

Além disso, o beato Jesus voltando para falar dessas horas da Paixão disse:

“Minha filha, saiba que ao cumprir essas horas, a alma toma meus pensamentos e os torna seus, minhas reparações, orações, desejos, afetos, até minhas fibras mais íntimas, e as torna suas, e se elevando sobre , entre o céu e a terra ela faz o meu mesmo ofício, e como corredentora diz junto Comigo: “Ecce ego mitte me”, quero reparar-te por todos, responder-te por todos e implorar pelo bem de todos. “

 

Volume XI – 23 de abril de 1916

Continuando o meu caminho habitual, o meu adorável Jesus deu-se a ver todo envolto pela luz que saía da Sua Santíssima Humanidade, que o embelezava de modo a formar um quadro encantador e arrebatador. Fiquei surpreso e ela me disse:

«Minha filha, cada dor que sofri, cada gota de sangue, cada ferida, oração, palavra, ação, passo, etc., produziram uma luz na minha Humanidade, para me embelezar de maneira a manter arrebatados todos os bem-aventurados.

Agora, a alma a cada pensamento de minha Paixão, compaixão, reparação, etc., que faz, nada faz senão tirar luz de minha Humanidade e se embelezar com minha semelhança, para que mais um pensamento de minha Paixão seja uma luz de mais do que lhe trará alegria eterna. “

 

Volume XI – 13 de outubro de 1916

Eu estava cumprindo as horas da Paixão, e o bendito Jesus me disse:

“Minha filha, no decorrer da minha vida mortal, milhares e milhares de anjos cortejaram a minha Humanidade e recolheram tudo o que fiz, os passos, as obras, as palavras, até os suspiros, as dores, as gotas do meu sangue, em soma, todos, eram anjos designados à minha custódia, para me honrar, obedientes a todos os meus sinais, eles subiam e desciam do céu para trazer ao Pai o que eu estava fazendo. Agora, esses anjos têm um ofício especial, e conforme a alma se lembra de minha Vida, minha Paixão, meu sangue, minhas feridas, minhas orações, eles são feitos ao redor desta alma e coletam suas palavras, suas orações e compaixões que me fazem, as lágrimas, as ofertas, uni-los aos meus e trazê-los diante de minha Majestade para renovar a glória de minha própria Vida, tanto é a satisfação dos anjos, que ouvem com reverência o que a alma diz e oram junto com ela, portanto com que atenção e respeito a alma deve fazer estas horas, pensando que os anjos penduram de seus lábios para repetir o que ela diz depois dela. “

Depois acrescentou: «Às tantas amarguras que me dão as criaturas, estas horas são os pequenos goles doces que as almas me dão, mas aos muitos goles amargos que recebo, os doces são poucos, portanto mais difusão, mais difusão. “

 

Volume XI – 9 de dezembro de 1916

Fui afligido pelas privações do meu doce Jesus, e se Ele vier, enquanto respiro um pouco de Vida, fico mais aflito em vê-lo mais aflito do que eu, e que Ele não quer ser apaziguado, porque as criaturas O forçam, arrebatam outros flagelos Dele. ; mas enquanto açoita o destino do homem e se esconde dentro, dentro do coração, como se não fosse ver o que o homem sofre, parece que não se pode mais viver nestes tempos tristes, mas parece que se está no começo.
Por isso, meu doce Jesus, preocupado com o meu difícil e triste destino de ter de estar muitas vezes sem Ele, veio atirar um braço em volta do meu pescoço e disse-me:

“E o que o Pai encontrou em Mim, isto é, glória, satisfação, amor, satisfações íntegras, perfeitas, para o bem de todos, quero encontrar nessas almas, como tantos Jesus que me fazem o par, e vocês devem essas intenções repita em cada hora da Paixão que você faz, em cada ação, em tudo, e se eu não encontrar minha satisfação, ah! o mundo acabou! Os flagelos vão chover torrencialmente, ah minha filha! Ah minha filha! E ele desapareceu.

 

Volume XI – 2 de fevereiro de 1917

Encontrando-me no meu estado normal, encontrei-me fora de mim, e encontrei o meu sempre amável Jesus, todo pingando sangue, com uma horrível coroa de espinhos, e com dificuldade me olhou através dos espinhos, e me disse:

«Minha filha, o mundo ficou desequilibrado porque perdeu o pensamento da minha Paixão. Na escuridão não encontrou a luz da minha Paixão que o iluminava, que ao fazê-lo conhecer o meu Amor e quantas dores me custaram as almas, pôde voltar a amar quem o amava de verdade, e a luz da minha Paixão, guiando-o, introduzindo-o proteja-se contra todos os perigos; na fraqueza não encontrou a força da minha Paixão que o sustentava; na impaciência não encontrou o espelho da minha paciência que lhe incutiu calma, resignação, e na frente da minha paciência, envergonhado fez-se o dever de dominar-se; nas dores não encontrou o consolo das dores de um Deus que, sustentando as suas, infundiu-lhe o amor ao sofrimento; no pecado ele não encontrou minha santidade, mas confrontando-o com ele instilou ódio de culpa. Ah! ele superou o homem em tudo, porque em tudo se desviou de quem o podia ajudar, pois o mundo perdeu o equilíbrio, agiu como uma criança que já não queria conhecer a sua mãe, como um discípulo que, ignorando a sua professora, não ele queria mais ouvir seus ensinamentos, nem aprender suas lições, o que será desta criança e deste discípulo? Eles serão a dor de si próprios e o terror e a dor da sociedade. Tal se tornou o homem, terror e dor, mas dor sem piedade, ah! o homem fica pior, sempre pior, e eu lamento por ele com lágrimas de sangue! ” como um discípulo que, ignorando o mestre, não quis ouvir seus ensinamentos nem aprender suas lições, o que será dessa criança e desse discípulo? Eles serão a dor de si próprios e o terror e a dor da sociedade. Tal se tornou o homem, terror e dor, mas dor sem piedade, ah! o homem fica pior, sempre pior, e eu lamento por ele com lágrimas de sangue! ” como um discípulo que, ignorando o mestre, não quis ouvir seus ensinamentos nem aprender suas lições, o que será dessa criança e desse discípulo? Eles serão a dor de si próprios e o terror e a dor da sociedade. Tal se tornou o homem, terror e dor, mas dor sem piedade, ah! o homem fica pior, sempre pior, e eu lamento por ele com lágrimas de sangue! “

 

Volume XII – 16 de maio de 1917

Encontrando-me no meu estado normal, eu estava me fundindo inteiramente no meu doce Jesus, e então me derramei completamente nas criaturas, para dar a todas as criaturas tudo de Jesus; e meu amado Jesus me disse:

«Minha filha, sempre que a criatura se funde em Mim, dá a todas as criaturas a influência da Vida Divina, e de acordo com o que as criaturas precisam, obtêm o seu efeito: Quem é fraco sente a força; quem teimoso na culpa recebe a luz; quem sofre, conforto; e assim com todo o resto. “

Então me encontrei fora de mim mesmo, me encontrei no meio de muitas almas que me disseram, – parecia que eram almas no purgatório e santas -, e nomearam uma pessoa que conhecia, que morreu há pouco tempo, e me disseram:

«Ele (Jesus) sente-se feliz por ver que não há alma que entre no Purgatório que não tenha a marca das horas da Paixão, e cortejados, ajudados por essas horas, eles se instalam em um lugar seguro; e não há alma que voe para o Paraíso, que não seja acompanhada por estas horas da Paixão, estas horas fazem chover orvalho contínuo do Céu na terra, no Purgatório e até no Céu. “

Ao ouvir isto disse a mim mesmo: «Talvez meu amado Jesus para guardar a palavra dada, que daria uma alma a cada palavra das horas da Paixão, não há alma que salve que não aproveite estas horas. “

Depois que voltei a mim mesmo e encontrei meu doce Jesus, perguntei-lhe se era verdade. E ele:

«Estas horas são a ordem do universo e harmonizam o céu com a terra e impedem-me de destruir o mundo; Sinto meu sangue, minhas feridas, meu amor e tudo o que fiz circular e fluir sobre todos para salvar a todos. E como fazem as almas nestas horas da Paixão, sinto o meu sangue, as minhas feridas, as minhas ansiedades por salvar as almas sendo postas em movimento e ouvindo repetir a minha Vida. Como as criaturas podem obter algum bem, exceto por meio dessas horas? Por que você duvida disso? Não é seu, mas meu, você tem sido o instrumento tenso e fraco. “

 

Volume XII – 12 de julho de 1918

Eu estava orando por uma alma moribunda com algum medo e ansiedade, e meu adorável Jesus, vindo, me disse:

«Minha filha, porque tens medo? Não sabes que cada palavra da minha Paixão, pensamento, compaixão, reparação, recordação das minhas dores, tantas vias de eletricidade de comunicação se abrem entre Mim e a alma, e por isso a alma está adornada com tantas variedades de belezas. Ela cumpriu as horas da minha Paixão e eu a receberei como filha da minha Paixão, vestida com o meu Sangue e adornada com as minhas feridas. Esta flor cresceu em seu coração, e eu a abençoo e recebo no meu como uma flor favorita. “

E enquanto ele falava isso, uma flor se soltou do meu coração e voou em direção a Jesus.

 

Volume XIII – 21 de outubro de 1921

Eu estava pensando na paixão do meu doce Jesus, então ao vir Ele me disse:

«Minha filha, sempre que a alma pensa na minha Paixão, recorda o que sofri ou se compadece de mim, a aplicação das minhas dores se renova nela, o meu sangue sobe para a inundar e as minhas feridas se preparam para curar se estiver ferido, ou embelezá-lo se estiver saudável, e todos os meus méritos para enriquecê-lo.

O trânsito que faz é surpreendente, é como se colocasse no balcão tudo o que fiz e sofri, e cobra o dobro, porque tudo o que fiz e sofri está em contínuo ato de doar-se ao homem, como o sol está em contínuo ato. para dar luz e calor à terra; o meu trabalho não está sujeito à exaustão, só que a alma o quer, e quantas vezes o quiser recebe o fruto da minha Vida, para que, se lembrarmos vinte, cem, mil vezes da minha Paixão, muitas vezes mais gozará da efeitos disso; mas quão poucos são os que a estimam! Com todo o bem da minha Paixão vemos almas fracas, cegas, surdas, mudas, coxas, cadáveres vivos que enojam porque a minha Paixão foi esquecida. Minhas dores, minhas feridas, meu sangue, são força que tira as fraquezas, luz que dá visão aos cegos, linguagem que solta as línguas e abre a audição, caminho que endireita o coxo, vida que ressuscita cadáveres, todos os remédios de que toda a humanidade precisa, na minha Vida e Paixão existem, mas a criatura despreza o remédio e ele não se preocupa com os remédios e, portanto, é visto que com toda a minha Redenção, o estado do homem perece afetado por um consumo incurável. Mas o que mais me dói é ver religiosos que se esforçam muito para adquirir doutrinas, especulações, histórias, e nada da minha Paixão, de modo que a minha Paixão muitas vezes se desfaz das igrejas, da boca dos padres, para que sua falar é sem luz, e os povos estão mais rápidos do que antes. ” na minha Vida e Paixão existem, mas a criatura despreza o remédio e não se importa com os remédios, e por isso vemos que com toda a minha Redenção, o estado do homem perece afetado por uma tuberculose incurável. Mas o que mais me dói é ver religiosos que se esforçam muito para adquirir doutrinas, especulações, histórias, e nada da minha Paixão, de modo que a minha Paixão muitas vezes se desfaz das igrejas, da boca dos padres, para que sua falar é sem luz, e os povos estão mais rápidos do que antes. ” na minha Vida e Paixão existem, mas a criatura despreza o remédio e não se importa com os remédios, e por isso vemos que com toda a minha Redenção, o estado do homem perece afetado por uma tuberculose incurável. Mas o que mais me dói é ver religiosos que se esforçam muito para adquirir doutrinas, especulações, histórias, e nada da minha Paixão, de modo que a minha Paixão muitas vezes se desfaz das igrejas, da boca dos padres, para que sua falar é sem luz, e os povos estão mais rápidos do que antes. ” de especulações, de histórias, e de nada da minha Paixão, de modo que a minha Paixão muitas vezes se dissolve das igrejas, da boca dos padres, para que a sua fala fique sem luz e os povos fiquem mais rápidos do que antes. ” de especulações, de histórias, e de nada da minha Paixão, de modo que a minha Paixão muitas vezes se dissolve das igrejas, da boca dos padres, para que a sua fala fique sem luz e os povos fiquem mais rápidos do que antes. “

Compartilhe a Divina Vontade