O que é preciso para formar a vida da Vontade Divina na criatura.


8 de julho de 1934

 

O que é preciso para formar a vida da Vontade Divina na criatura. Véu que te esconde. Troca de vida.

A Vontade Divina me parece que, com um olhar indagador, sempre me olha se, em todo o seu interior, minha adorável Vontade flui como o primeiro ato, e com um ciúme admirável e divino, tudo investe, tudo envolve; nem vê se o ato é pequeno ou grande, mas verifica se a vida de sua Vontade a atravessa, porque todo o valor e grandeza de um ato são confirmados se houver dentro de sua Vontade, tudo o mais reduz-se, por maior que seja, a um véu muito fino, suficiente para cobrir e ocultar o grande tesouro, a vida incomparável da Vontade Divina.

Agora, enquanto minha mente estava inteiramente ocupada pela Vontade Divina, meu Supremo Bom Deus, que parece ter um gosto indizível quando quer falar de sua Vontade, com toda a bondade me disse:

Minha filha abençoada, para que um ato seja agradável para Mim e minha Vontade para formar uma vida inteira na criatura, todo o interior da alma deve estar centralizado no meu Fiat.

A vontade dela deve desejá-lo (O FIAT), o desejo deve desejar ardentemente o que a vontade Divina quer, os afetos, as tendências devem apetecer e se esforçar apenas para receber a vida da minha Vontade em seus atos, o coração para amar e travar em seus batimentos cardíacos, a vida da minha vontade, a memória para lembrá-la, a inteligência para entendê-la. (Memória, inteligência e vontade, três atributos humanos)

Para que tudo seja centralizado no ato em que minha Vontade deseja formar sua vida. Desde que para formar uma vida é preciso vontade, desejo, coração, afetos, tendências, memória, inteligência, caso contrário não poderia ser chamada vida inteira e perfeita, então minha Vontade Divina, querendo formar vida no ato da criatura, [isso deve ser] centralizada em seu ato, ou vida, que deseja formar caso contrário, não se poderia dizer que é uma vida inteira e perfeita.

Eis que, portanto, minha Vontade quer que tudo seja capaz de retribuir a vida de seu amor no amor à criatura, seus desejos e tendências divinos nos seus, o batimento cardíaco não criado (de Deus) no batimento cardíaco criado (da criatura), sua memória eterna no coração,  memória acabada, enfim, tudo: ela quer se libertar de tudo para poder formar a vida inteira, não a meio caminho; e assim como a criatura renuncia à sua, também minha Vontade Divina faz uma troca de sua [vida].

E então sua vida é frutífera e gera, no véu da criatura que a cobre, amor, desejos, tendências, sua própria memória, e ali forma o grande prodígio de sua vida; caso contrário, não se poderia dizer que é vida, mas simplesmente a adesão à minha vontade – nem mesmo no todo, mas em parte -, portanto, não traria nem os efeitos nem os bens que possui Minha Vontade. 

Imagine como seria o sol: se sua luz não possuísse calor, doçura, gostos, perfumes, cores, não poderia formar o belo Arco íris de cores, a variedade de doçuras, a doçura de sabores e perfumes; se ele os dá à terra, é porque os possui, e se não os possuísse, não conheceria uma vida real de luz, mas uma luz estéril sem fecundidade. Daí a criatura: se ela não der o lugar de todo o seu interior à minha Minha Vontade, não poderá sentar o seu amor que nunca sai, a doçura e os gostos divinos e tudo o que constitui a vida da minha vontade.

Portanto, não reserve nada de si mesmo e para si mesmo e você nos dará a grande glória de ter uma vida de nossa vontade na terra velada por seus restos mortais e você [terá] o grande bem de possuí-lo. Você sentirá nos seus restos, como um mar rápido, fluir felicidade, alegrias, firmeza do bem, amor que sempre ama; a doçura, os gostos, as conquistas de seu Jesus também serão suas.

Seus restos mortais continuarão no escritório aqui embaixo, mas eles terão uma vida de Vontade Divina que  a sustentarão, e [a vontade divina] usará [seus restos mortais] de levar a vida de suas conquistas e vitórias divinas em despojos humanos. Portanto, sempre à frente na minha vontade ”.
(corpos incorruptos)

 

Compartilhe a Divina Vontade