Livro do Céu – Volume 2 – Português – Luisa Piccarreta


 

O Reino da minha Vontade Divina no meio das criaturas

– LIVRO DO CÉU –

O chamado da criatura em ordem, em seu lugar e no propósito para o qual foi criada por Deus

Diário da Serva de Deus LUISA PICCARRETA a Filha da Vontade Divina

Volume 2 °

De 28.2.1899 a 30.10.1899

JMJ

28 de fevereiro de 1899

Por ordem do confessor, começo a escrever o que passa entre mim e Nosso Senhor dia após dia. O ano de 1899, mês de fevereiro, dia 28.

Confesso a verdade, sinto uma grande repugnância; é tanto o esforço que tenho que fazer para me vencer, que somente o Senhor pode conhecer o tormento da minha alma.

Mas, ó santa obediência, que vínculo poderoso você é! Você sozinha poderia me vencer e, [me fazendo] vencer todas as minhas repugnâncias, montanhas quase insuperáveis, me vincula à Vontade de Deus e ao confessor.

Oh esposo santo por maior que seja o sacrifício, também preciso de ajuda; Não quero nada mais do que me apresentar em seus braços e me apoiar; assim, assistida por ti, poderei dizer a única verdade, apenas para a sua glória e para a minha confusão.

Hoje de manhã, depois de celebrar a missa, e recebida a comunhão. Minha mente estava em um mar de confusão, por causa dessas obediências que me são dadas pelo confessor para escrever tudo o que passa em meu interior.

Assim que recebi Jesus (comunhão), comecei a contar minhas dores, especialmente minha insuficiência e muitas outras coisas, mas Jesus parecia não se importar comigo e não respondeu a nada. Uma luz veio à minha mente e eu disse: “Quem sabe que eu não sou a causa de que Jesus não se mostra de acordo com o seu costume”.

Então, com todo o meu coração, eu disse a Ele: “Ah, meu bem e meu tudo, não se mostre tão indiferente comigo, meu coração poderá partir de dor! Se é para escrever, venha, deixe vir, me custou o sacrifício da vida, prometo que eu o farei!”

Então Jesus mudou sua aparência e me disse benignamente:“ O que você teme? Não te ajudei nas outras vezes? Minha luz a cercará em todos os lugares e você poderá manifestá-la ”.

Pureza de intenção.

Enquanto Ele dizia isso, não sei como vi o confessor ao lado de Jesus e o Senhor me disse: “Vê? Tudo o que você faz passa para o céu; portanto, você vê a pureza com a qual deve trabalhar, pensando que todos os seus passos, palavras e ações vêm à minha presença e, se são puros, feitos para Mim, sinto muito prazer neles e sinto-os em Mim ao meu redor como tantos outros mensageiros que Me lembram continuamente de você; mas se são para fins baixos e terrestres, eu os rejeito”.

E enquanto dizia isso, Ele parecia pegar nas suas mãos e erguê-las para o céu, e disse-me: “Os olhos estão sempre no alto; você é do céu, trabalha para o céu ”. Enquanto eu estava vendo o Confessor e que Jesus estava dizendo isso para ele (ao confessor), em minha mente me pareceu que se isso fosse feito, acontecia o mesmo que quando uma pessoa precisa sair de uma casa para ir para outra; que primeiro envia todas as coisas e tudo o que ela contém e depois vá embora.

Então, primeiro enviamos nossas obras para tomar o lugar para nós no Céu e depois, quando chegar a nossa hora, iremos. Oh, que belo cortejo elas (nossas obras) nos farão! Agora, quando eu estava vendo o confessor, lembrei-me de que ele havia me dito que eu tinha que escrever sobre fé da maneira que o Senhor havia me falado sobre essa virtude. Enquanto eu pensava assim, em um instante, o Senhor me puxou para si mesmo, de modo que me senti fora de mim mesma, no cofre dos céus, junto com Jesus e me disse estas palavras precisas: “A fé é Deus“.

Mas essas duas palavras continham uma luz imensa, que é impossível de explicar, mas, como posso, vou lhe dizer. Na palavra fé, entendi que a fé é o próprio Deus. Assim como o alimento material dá vida ao corpo para que ele não morra, a fé dá vida à alma; sem fé a alma está morta.

A fé vivifica, a fé santifica, a fé espiritualiza o homem e o faz ficar de olho no Ser Supremo, para que nada aprenda das coisas de baixo e, se ela (a alma) as aprende, aprende em Deus. De uma alma que vive pela fé! Seu vôo é sempre em direção ao céu; em tudo o que acontece, ela sempre olha para Deus e eis como: na tribulação, a fé a eleva em Deus e não a aflige, nem mesmo lamenta, sabendo que não deve formar seu conteúdo aqui, mas no céu.

Portanto, se a alegria, a riqueza, os prazeres a cercam, a fé a eleva em Deus e diz a si mesma: “Oh, quanto mais feliz eu ser desprendida, mais rica no Céu!” Portanto, ela se irrita com essas terras, as despreza e as rejeita. Ela as coloca sob seus pés.

Parece-me que para uma alma que vive pela fé, isso acontece como uma pessoa que possuía milhões e milhões de moedas e até reinos inteiros e outra que gostaria de lhe oferecer um centavo. E o que ela diria?

Ela não desdenharia, não jogaria na cara desta? Acrescento: e se esse centavo ainda estivesse todo desvalorizado, o que são as coisas terrenas? Mais: e se esse centavo fosse dado apenas em empréstimo?

Ela diria: “Aprecio e possuo imensas riquezas e você se atreve a me oferecer esse centavo vil e desvalorizado, tão enlameado e ainda apenas por um curto período de tempo?” Acredito que ela desviaria imediatamente o olhar e não aceitaria o presente.

Assim, a alma vive pela fé em relação às coisas terrenas. Agora, vamos novamente à idéia de comida; o corpo, ingerindo alimentos, não apenas se sustenta, mas participa da substância dos alimentos que já são transformados com o mesmo corpo.

Agora, isto é para a alma que vive pela fé: já que a fé é o próprio Deus, a alma vive de Deus, se alimenta do mesmo Deus e vem participar da substância de Deus e, participando, passa a se assemelhar a Ele e a se transformar no próprio Deus; portanto, acontece à alma que vive da fé que: santo é Deus, santa a alma; Deus poderoso, alma poderosa; sábio, forte, justo Deus, sábia, forte, justa a alma; [e] assim como todos os outros atributos de Deus. Em suma, a alma se torna um pequeno Deus. Oh, a bem-aventurança dessa alma na terra!

 

Então será mais abençoada no céu! Entendi novamente o que mais as palavras que o Senhor diz a suas amadas almas significam, ou seja: “Eu casarei com você pela fé”, que o Senhor neste casamento místico vem dotar as almas de suas próprias virtudes. Parece-me dois cônjuges que, combinando suas propriedades, não mais discernem as coisas de ambos e se tornam unidos. Mas no nosso caso, a alma é pobre, todo bem vem do Senhor, que a faz compartilhar de Sua substância.

A vida da alma é Deus, a fé é Deus e a alma que possui fé, vem enxertar em si todas as outras virtudes, de modo que permanece como rei no coração e os outros permanecem ao redor, como súditos, servindo à fé; de modo que as mesmas virtudes sem fé são virtudes que não têm vida.

Parece-me que Deus comunica de duas maneiras a fé ao homem: a primeira é no santo batismo; a segunda é quando Deus abençoando, atingindo uma partícula de sua substância na alma, comunica a ela a virtude de fazer milagres, como ser capaz de ressuscitar os mortos, curar os enfermos, parar o sol e muito mais. Oh, se o mundo tivesse fé, ele se transformaria em um paraíso terrestre!

Oh, quão alta e sublime é a fuga da alma que é exercida na fé! Parece-me que a alma, exercitando-se na fé, gosta daqueles passarinhos tímidos que temem ser levados pelos caçadores ou [temendo] alguma outra armadilha, moram no topo das árvores, ou nas alturas; quando são forçados a comer, caem, tomam comida e imediatamente voam para casa; e algum, mais cuidadoso, pega comida e nem a come no chão: para ficar mais seguro se ele a leva ao topo das árvores, mais tranquilo lá a engole.

Daí a alma que vive de fé: é tão tímida das coisas terrenas que, por medo de ser ameaçada, nem merece um olhar; sua habitação está acima, isto é, acima de todas as coisas da terra e, especialmente, nas feridas de Jesus Cristo e, de dentro daqueles quartos abençoados, ela geme, chora, ora e sofre junto com seu cônjuge Jesus na condição e miséria em que o gênero humano se encontra. Enquanto ela vive naqueles buracos das feridas de Jesus, o Senhor lhe dá uma partícula de suas virtudes e a alma sente em si mesma essas virtudes como se fossem suas; mas Ele adverte que, embora as veja como seus, ela as recebe, porque elas foram comunicados a ela pelo Senhor.

Acontece como uma pessoa que recebeu um presente que não possuía; agora o que ela está fazendo? Se ela pega e faz Dele seu mestre, para cada vez que olha para Ele, ela diz para si mesma: “Este é meu, mas me foi dado por aquele homem”. Assim, a alma que o Senhor, ao retirar de si uma partícula de seu ser divino, a transmuta para si. Agora, esta alma, como o pecado ela abomina! Mas juntos, ela tem pena dos outros, ora por aqueles que o vêem caminhando no caminho do precipício, ela se une a Jesus Cristo e se oferece como vítima para sofrer para apaziguar a Justiça Divina e poupar as criaturas dos merecidos castigos; e se o sacrifício da vida fosse necessário, oh, quão voluntariamente ela faria isso pela salvação [mesmo] de uma única alma!

Como você vê a divindade de Jesus

Depois de dizer ao confessor que lhe expliquei como às vezes vejo a Divindade de Nosso Senhor, eu lhe disse que era impossível saber como dizer alguma coisa, mas a noite me apareceu o meu abençoado Jesus e quase me censurou por esta minha negação; e então Ele fez brilhar como dois raios muito brilhantes: com o primeiro eu entendi no meu intelecto que fé é Deus e Deus é fé;

Tentei dizer algo sobre fé, tentarei [agora] dizer como vejo Deus: e esse foi o segundo raio. Agora, enquanto estou fora de mim e me encontrando nos céus mais elevados, agora parecia-me ver Deus sob uma luz e Ele também parecia luz; e sob essa luz havia beleza, fortaleza, sabedoria, imensidão, altura, profundidade sem termos e limites; de modo que mesmo no ar que respiramos existe o próprio Deus que respira; para que todos possam fazer isso como sua própria vida, como de fato é.

Para que nada escape Dele e ninguém possa escapar Dele. Essa luz parece ser toda voz e sem falar, tudo operando enquanto sempre descansa; é encontrado em toda parte, sem entulhar nada; e enquanto estiver em todo lugar, também mantém seu centro.

Oh, Deus, como você é incompreensível! Eu vejo você, sinto você, você é minha vida, você se encolhe em mim, enquanto permanece sempre imenso e não perde nada de si mesmo, ainda assim, sinto-me gaguejando e acho que não sei dizer nada. Para poder me explicar melhor de acordo com nossa linguagem humana, digo que vejo uma sombra de Deus em toda a criação; porque em toda a criação, onde Ele lançou a sombra de sua beleza, onde seus perfumes, onde sua luz; como no sol, onde eu vejo uma sombra especial de Deus;

Eu vejo isso sombreado neste planeta, como rei de todos os outros planetas. O que é o sol? Não é nada além de um globo de fogo; um é o globo, mas muitos são os raios, de tal maneira que podemos entender mais facilmente, darei o exemplo do Sol. O globo: Deus; os raios: os imensos atributos de Deus.
Segundo: o sol é fogo, mas junto é luz e é luz e calor; portanto, a Santíssima Trindade é sombreada ao sol: sendo o fogo o Pai, a luz o Filho e o calor é o Espírito Santo.

Mas como alguém é o sol e como o fogo não pode ser dividido da luz e do calor, assim também é o poder do Pai, do Filho e do Espírito Santo, que entre eles não pode realmente ser separado. E assim como o fogo ao mesmo tempo produz luz e calor, de modo que não se pode conceber o fogo sem conceber também luz e calor, assim, o Pai não pode ser concebido diante do Filho e do Espírito Santo; e assim, todos eles têm o mesmo princípio eterno juntos.

Acrescento que, [como] a luz do sol se espalha por toda parte, então Deus, com sua imensidão onde quer que penetre; mas lembre-se de que isso é apenas uma sombra, um exemplo, porque o sol não chegaria aonde não pode penetrar com sua luz, mas Deus penetra em todos os lugares; é o Deus Espiritual mais puro e podemos representá-lo pelo sol que faz seus raios penetrarem em todos os lugares, sem que ninguém possa tomá-los entre as mãos.

Mais, Deus olha para tudo, as iniqüidades, a maldade dos homens e sempre permanece o que é: puro, santo, imaculado. Obra de Deus é o sol, que envia sua luz para o lixo e permanece imaculado; no fogo espalha sua luz e não queima; no mar, nos rios e não se afoga; ilumina a todos, fertiliza tudo, dá vida a tudo com seu calor e não se compadece da luz, nem perde seu calor; e, muito mais, enquanto Ele faz tanto bem a todos, Ele não precisa de ninguém e continua sendo o que é: majestoso, resplandecente, sem nunca mudar.

Oh, como as qualidades divinas são claramente visíveis ao sol! Com sua imensidão, encontra-se no fogo e não queima no mar e não se afoga sob nossos passos e não nos pisoteia; ele dá a todos e não pede desculpas e não precisa de ninguém; olha para tudo, de fato a tudo que olha e não há nada que não sinta, de todas as fibras do nosso coração, de todo pensamento da nossa mente.

E sendo um espírito muito puro, não tem ouvidos nem olhos e, para algum sucesso, não existe o próprio Deus respirando: é o próprio Deus quem respiramos: Ele nunca muda. O sol, investindo o mundo com sua luz, não se cansa; então Deus, dando vida a todos, ajudando e apoiando o mundo, não se cansa.

Para não gozar mais, o homem, da luz do sol e suas influências benéficas, pode se esconder, mas ao sol nada lhe acontece, [o sol] permanece como ele é, o mal de fugir dele cai sobre o homem.

Assim, o pecador, com o pecado, pode se distanciar de Deus e não mais desfrutar de suas influências benéficas, mas para Deus nada acontece, o pecado causa somente o mal ao próprio homem. Até a redondeza do sol simboliza a eternidade de Deus que não tem começo nem fim.

A mesma luz penetrante do sol, que ninguém pode restringir em seus olhos e que, se [alguém] quisesse consertá-la durante toda a tarde, permaneceria ofuscada, e se o sol quisesse se aproximar do homem, o homem permaneceria incinerado, por isso Sol Divino: nenhuma mente criada pode restringi-lo em sua pequena mente para entendê-lo em tudo o que Ele É; e se ela quisesse fazer um esforço, ficaria deslumbrada e confusa (a mente humana); e se esse Sol Divino quisesse mostrar todo o seu amor, fazendo-o sentir-se [ao homem] enquanto estava em carne mortal, o homem permaneceria incinerado. Assim, [Deus] lançou uma sombra de Si mesmo e de Suas perfeições sobre toda a criação, de modo que parece que O vemos e tocamos e somos continuamente tocados por Ele.

Além disso, depois que o Senhor disse essas palavras: “Fé é Deus“. Eu disse a Ele: “Jesus, você me ama?” E Ele acrescentou: “E você, você me ama?” Eu imediatamente disse: “Sim, Senhor, e você sabe que sem você sinto que sinto falta da vida”. “Bem – Eu também te amo e você também me ama; portanto, vamos nos amar e estar sempre juntos ”. Então Ele terminou esta manhã.

Agora, quem pode dizer o quanto minha mente entendeu esse Sol Divino? Eu pareço vê-lo e tocá-lo em todos os lugares, na verdade me sinto investida dentro e fora de mim; mas minha capacidade é pequena, minúscula: embora pareça incluir algo de Deus, ao vê-lo parece que eu não entendi nada, de fato, ter desproporcionalidade; Espero que Jesus perdoe meus erros.

 

 

10 de março de 1899

O Senhor mostra muitos castigos.

Estando no meu estado habitual, Se mostrou meu Jesus sempre amoroso, amargo e aflito, e disse-me: “Minha filha, minha justiça tornou-se pesada demais e há muitas ofensas que os homens me cometem, o que não posso mais apoiá-los. Portanto, a foice da morte está prestes a colher muito e de repente e por doenças; e depois há muitos castigos que derramarei sobre o mundo, que serão uma espécie de julgamento “.

Quem pode dizer os muitos castigos que ele me mostrou e a maneira como eu fiquei aterrorizada e assustada? Minha alma é tanto a dor que sinto, que acho melhor passar em silêncio. Eu continuo a dizer, porque a obediência não quer.

Então pareceu-me que vi as ruas cheias de carne humana e o sangue que inundava o chão; cidades sitiadas por inimigos que não pouparam nem crianças; [os inimigos] me pareciam tantas fúrias que saíram do inferno que não respeitarão nem igrejas nem padres.

O Senhor parecia estar enviando um castigo do céu, o que não posso dizer; só me pareceu que todos receberemos um golpe mortal, e quem permanecerá vítima da morte e quem se recuperará. Também me pareceu ver as plantas secas e muitos outros males que devem ocorrer sobre as colheitas.

Oh, Deus, que dor ver essas coisas e ser forçado a mostrá-las! Ah, Senhor, apazigua-se! Espero que seu sangue e suas feridas sejam nosso remédio! Ou [os castigos] os derramam sobre esse pecador, porque eu sou digno deles; caso contrário, me leve, porque então você estará livre para fazer o que quiser; mas enquanto eu viver, farei o possível para me opor a você!

13 de março de 1899

Toda a criação fala do amor de Deus pelo homem e ensina a ele como deve o amar

Naquela manhã, o amado Jesus não foi mostrado de acordo com toda a sua afabilidade e doçura de sempre, mas severo, minha mente sentiu isso em um mar de confusão e minha alma ficou tão aflita e aniquilada, especialmente pelas punições vistas nos últimos dias.

Ao vê-lo nesse aspecto, não ousei dizer nada a Ele; olhamos um para o outro, mas em silêncio. Oh, Deus, que pena! Quando, em um momento, também vi o confessor; e Jesus enviando um raio de luz intelectual disse estas palavras: “Caridade; a caridade nada mais é que uma saída do Ser Divino, e Eu espalhei essa saída por toda a criação, de modo que toda a criação fala do amor que trago ao homem, e toda a criação ensina como ele deve Me amar, começando pela menor flor do campo e a maior fera selvagem “.

“Está vendo? – Ela diz ao homem [a pequena flor do campo] – Com seu doce cheiro e sempre olhando para o céu, ela diz: tento fazer uma homenagem ao meu Criador; você também, deixe que todas as suas ações sejam perfumadas, sagradas; contudo, não faça isso com o mau cheiro de suas ações, ofende meu Criador”. “Oh, caro homem – a pequena flor repete – não seja tão tolo a ponto de manter os olhos fixos na terra, mas levante-os para o céu. Viu? Lá em cima está o seu destino, sua terra natal, lá em cima é seu Criador esperando por você”.

A água que flui continuamente sob nossos olhos ainda nos diz: “Veja, da escuridão eu saí e tenho que correr por muito tempo, até quando venho me enterrar no lugar de onde vim. Você também, oh homem, corra, mas corra para o seio de Deus, de onde você saiu. Por favor, não corra pelos caminhos tortuosos, pelas estradas que te levam ao precipício; caso contrário, ai de você! ” E até os animais mais selvagens nos exortam:”

Veja, ó homem, como você é um ser selvagem por tudo que não é Deus; veja, quando vemos que [há] alguém se aproximando de nós, com nossos rugidos [vamos] colocar tanto medo nele que ninguém ousa se aproximar, e perturbar nossa solidão. Você também, quando cheiras as coisas terrenas, ou suas paixões violentas, elas fazem você se enlamear e faz você cair no precipício das falhas, com os rugidos de sua oração e com a retirada das ocasiões em que se encontra, você será salvo de todo perigo “.

Então, de todos os outros seres – que dizer todos eles seria muito longo – com voz unânime, eles ressoam entre eles e repetem para nós: “Veja bem, oh homem, por amor a você, Nosso criador criou a todos nós, para o seu serviço existimos; e você não é tão ingrato? Ame, rezamos por você, ame, repito para você, ame nosso Criador”.

Depois disso, meu amável Jesus me disse: “É tudo o que quero: amor a Deus e ao seu próximo por sua causa. Veja o quanto eu amei o homem, e ele é tão ingrato; como você quer que não os castigue?”

No mesmo ato, pensei ter visto um terrível granizo e um terremoto que deve causar danos notáveis, a ponto de destruir plantas e homens. Então, com toda a amargura da minha alma, disse-lhe: “Meu sempre e amável Jesus, por que agora está indignado? Se o homem é ingrato, a malícia não é tanto quanto a fraqueza.

Oh, se eles te conhecessem um pouco, oh, como seriam humildes! Portanto, acalme-se. Pelo menos eu recomendo a você Corato minha cidade e aqueles que me pertencem “. No ato de dizer isso, pareceu-me que até algo aconteceria, comparado ao que acontecerá em outros países, não será nada.

14 de março de 1899

A maldade do homem força Deus a puni-lo.

Hoje de manhã, meu doce Jesus, carregando-me junto com Ele, mostrou-me a multiplicidade de pecados cometidos e que eram tantos e tantos que é impossível descrevê-los.

Vi também no ar uma estrela de tamanho enorme e em sua redondeza continha fogo e sangue pretos; inspirou tanto medo e terror ao olhá-la, que parecia que a morte era menos ruim do que viver em tempos tão tristes. Em outros lugares, você pode ver os vulcões, que abrem outras bocas também devem inundar o país vizinho; podia-se ver também pessoas sectárias (de outras religiões), que queriam incendiar-se. Enquanto eu via isso, meu adorável mas aflito Jesus me disse: “Você viu o quanto eles me ofendem e o que eu mantenho preparado? Eu me retiro do homem”.

E enquanto Ele dizia isso, nós dois nos retiramos para a cama e vimos que, nesse retiro de Jesus, os homens começaram a fazer mais ações ruins, mais assassinatos, em uma palavra, eu parecia ver pessoas contra pessoas.

Quando fomos retirados, Jesus parecia estar se colocando no meu coração e começou a chorar e soluçar dizendo: “Oh, cara humanidade, como eu te amei! Se você soubesse o quanto lamento ter que te punir! Mas minha justiça me obriga a isso. Oh cara, oh, cara, o quanto eu choro e me arrependo do seu destino! ” (por causa dos castigos que precisarão derramar-se sobre a humanidade).

Então Ele deu vazão às lágrimas e novamente repetiu as palavras. Quem pode dizer a dor, o medo, o tormento que foi causado na minha alma, especialmente ao ver Jesus tão aflito e chorando?

Fiz o máximo que pude para esconder minha dor; para consolá-lo, eu lhe disse: “Senhor, nunca castigará os homens! Santo esposo, não chore, como você fez nos outros tempos, assim fará agora: Você se derramará em mim, me fará sofrer e, assim, sua justiça não o forçará a castigar o povo “. E Jesus continuou a chorar e eu repeti: ”

Mas ouça-me um pouco; Você não me colocou nesta cama porque eu era vítima de outras pessoas? Talvez eu não estivesse pronta para sofrer as outras vezes para salvar as criaturas? Por que Você não me escuta agora? ”

Mas com todas as minhas pobres palavras, Jesus não se acalmou de chorar. Então, incapaz de resistir por mais tempo, eu também quebrei as lágrimas, dizendo-lhe: “Senhor, se sua intenção é punir os homens, nem minha alma aguenta ver as criaturas sofrerem tanto, portanto, se você realmente quer enviar os flagelos e meus pecados não me fazem mais merecer sofrer; em vez de outros, eu quero ir pro céu, não quero mais ficar nesta terra “.

Então o confessor veio e, tendo recebido o chamado à obediência, Jesus se retirou e assim terminou. Na manhã seguinte, continuei a ver Jesus no meu coração retraído e vi que as pessoas dentro do meu coração vieram e o pisotearam, o colocaram sob seus pés. Fiz o máximo que pude para libertá-lo; e Jesus, voltando-se para mim, disse-me:  “Vê até onde chega a ingratidão dos homens? Eles mesmos me forçam a puni-los, sem que eu seja capaz de fazer o contrário. E você, minha querida, depois de me ver em tanto sofrimento, suas cruzes lhe serão mais queridas e suas tristezas se deleitarão.”

 18 de março de 1899  

A caridade é simples.

Hoje de manhã, meu amado Jesus continuou sendo visto de dentro do meu coração e, vendo-o um pouco mais bonito, tomei coragem e comecei a rezar para que Ele não enviasse tantos castigos.

E Jesus me disse: “O que move você, minha filha, a orar comigo para que Eu não castigue as criaturas. “Eu respondi imediatamente:” Porque são suas imagens e tendo as criaturas para sofrer, Você viria a sofrer”. Então Jesus, com um suspiro, me disse: “ 

A caridade é tão querida para mim, que você não consegue entender! A caridade é simples, como o meu Ser, que, embora imenso, também é muito simples, tanto que não há parte em que não penetre. Assim, a caridade, por ser simples, se espalha por toda parte, não tem consideração por ninguém, amigo ou inimigo, cidadão ou estrangeiro, que todos amem “.

 

 

19 de março de 1899  

 O diabo pode falar de virtude, mas ele não pode infundi-la na alma.

Hoje de manhã, enquanto Jesus se mostrava, eu ainda temia que Ele não fosse realmente Jesus, mas o demônio que queria me enganar; depois que fiz os protestos de sempre, Jesus me disse:

Filha, não tenha medo,  eu não sou o diabo; e então isso se ele fala de virtudes, é uma virtude colorida, não uma virtude verdadeira, nem tem a virtude de infundi-las na alma, mas apenas de falar sobre isso e, se às vezes mostra que deseja praticar um pouco de bem, não está perseverando e no ato mesmo que a alma faça esse pouco de bem, a alma é fraca e agitada. 

Somente Eu tenho o poder de me infundir no coração, de permitir que as virtudes sejam praticadas e de fazê-las sofrer com coragem, tranquilidade e perseverança. E então, quando o diabo foi em busca da virtude? Sua caça é os vícios. Portanto, não tenha medo, fique tranquila!

 

 

 

20 de março de 1899 

O mundo foi reduzido a um estado tão triste, porque perdeu sua subordinação aos líderes, primeiro a Deus.

Esta manhã, Jesus me transportou para fora de mim e me mostrou muitas pessoas, todas em discórdia. Oh, quanta dor Jesus sofreu! E, vendo-O sofrer muito, implorei que me compartilhasse suas amarguras, mas como Ele ainda quer punir o mundo, Jesus não quis derramar (amarguras) em mim; mas depois de orar e repassar, Ele pagou um pouco (derramou as suas amarguras) pelo contentamento que sentia.

Depois, levantando-se um pouco, Ele me disse: “A causa que o mundo reduziu a esse triste estado é a de ter perdido a subordinação aos líderes; e como a primeira cabeça é Deus, a quem eles se rebelaram, conseqüentemente, eles perderam toda a sujeição e dependência da Igreja, das leis e de todos os outros que se chamam líderes. 

Ah, minha filha! O que acontecerá com tantos membros infectados por esse mau exemplo dado por aqueles que se dizem líderes, ou seja, pelos superiores, pelos pais e por tantos? Ah, eles chegarão a tal ponto que nem pais, nem irmãos, nem reis, nem príncipes serão conhecidos (como líderes) novamente! 

Esses membros serão como tantas víboras que se envenenarão. Portanto, você vê como são necessárias as punições nesses tempos e a morte quase destrói essa raça de pessoas (líderes), para que os poucos que restarem aprendam às custas dos outros a serem humildes e obedientes. Então deixe-me fazer isso, não quero me opor a fazer as pessoas me castigarem (Jesus ao ver as pessoas sendo castigadas sofre, mas é necessário para o bem delas, pela possibilidade de conversão, proveniente dos castigos).

31 de março de 1899

Valor dos empréstimos vencidos.

Hoje de manhã, meu adorável Jesus se viu crucificado e, depois de ter comunicado suas dores, me disse: “Muitas são as feridas que Me fizeram sofrer na minha paixão, mas uma era a cruz; isso significa que existem muitas maneiras pelas quais eu atraio as almas à perfeição (diversos meios de sofrimentos), mas uma é a Cruz, no qual essas almas devem se unir; portanto, errado que no Céu não há mais nada que somente fazê-las serem abençoadas para sempre “.

Então Ele acrescentou: “Olha um pouco: uma é a cruz, mas de várias madeiras (tipos) possuem as cruzes; isto significa que no céu, também tem vários lugares que este céu contém (hierarquias de almas bem aventuradas pelo grau de sofrimento aceitado com amor na terra), mais ou menos gloriosas; e na medida do sofrimento sofrido aqui (na terra), mais ou menos pesado, esses postos no céu serão distribuídos. 

Oh, se todos soubessem a preciosidade do sofrimento, competiriam por quem mais queria sofrer! Mas essa ciência no mundo não é conhecida; portanto, abominam tudo o que pode torná-los cada vez mais ricos (no céu) “.

(Todos os seres humanos salvos irão morar eternamente na Pátria Celestial, após a morte (se purgados) e após o Juízo final)

 

 

 

3 de abril de 1899   

Humildade sem confiança é uma virtude falsa.

Depois de passar vários dias de privação e lágrimas, me vi confusa e aniquilada em mim mesma; no meu interior, continuei dizendo: “Diga-me, meu Deus, por que você se afastou de mim? Onde te ofendi que você não se mostra mais e, se você se mostra, está quase fúnebre e silencioso? Peço-te, não me faça esperar novamente, porque meu coração não aguenta mais! ”

Finalmente, Jesus se mostrou um pouco mais claro e, vendo-me tão aniquilada, Ele me disse:” Se você soubesse o quanto eu gosto de humildade! A humildade é a menor planta que se pode encontrar, mas seus galhos são tão altos que chegam ao céu, torcem ao redor do meu trono e penetram no meu coração. 

A planta pequena é a humildade, os galhos que administram isso e a planta é a confiança, de modo que não se pode dar verdadeira humildade sem confiança: humildade sem confiança é uma virtude falsa“.

Pelas palavras de meu Jesus, vemos que meu coração não foi apenas aniquilado, mas também um pouco desencorajado.

5 de abril de 1899 

Como Jesus me mantém na sombra de seu amor.

 

Minha alma continuou em sua aniquilação e com medo de perder o doce Jesus, quando, em um instante, de repente, Ele se mostrou e me disse:

Eu mantenho você na sombra da minha caridade; de onde, à medida que a sombra penetra em toda parte, meu amor a mantém escondida em toda parte e em tudo. Do que você tem medo? E como posso deixá-la, enquanto a mantenho tão afundada no meu amor?

Enquanto Jesus estava dizendo isso, eu queria dizer a Ele por que Ele não apareceu de acordo com o habitual, mas Jesus desapareceu imediatamente e não me deu tempo para dizer a Ele nem uma palavra. Oh, Deus, que pena!

 

Em 7 de abril de 1899

¨Quero fazer de você um objeto de meu prazer

Luisa se recompõe com Jesus e diz: “Quero fazer de você um objeto de meu prazer“. O mesmo estado continua, mas especialmente nesta manhã eu o passei muito amargamente; Quase perdi a esperança de que Jesus viesse. Oh, quantas lágrimas eu tive que derramar!

Era apenas a última hora (do dia) e Jesus ainda não estava vindo. Oh Deus o que fazer Meu coração estava com tanta dor e palpitando continuamente, com tanta força que senti uma agonia mortal. No meu interior, eu disse a Ele: “Meu bom Jesus, você não vê, que sinto que estou perdendo a vida?

Diga-me pelo menos, como eu posso passar sem você? Como posso viver? Embora eu seja ingrata em tantas graças, ainda assim te amo, já que lhe ofereço essa dor mais amarga da sua ausência para reparar minha ingratidão; mas venha, tenha Jesus, paciência. Você é tão bom, não me faça esperar mais, venha.

Ah, você também não conhece a si mesmo, que tirano cruel é o amor, que não tem compaixão por mim? “Enquanto eu estava nesse estado tão doloroso, Jesus veio com toda compaixão me disse:
” Aqui estou, sem mais chorar vem a Mim “.

Em um instante, me vi fora de mim, junto com Ele e o observei, mas com o medo de perdê-lo novamente, essas lágrimas correram dos meus olhos em uma veia larga. Jesus continuou me dizendo:

Não, não chore mais, você vê um pouco do quanto estou sofrendo; olhe para minha cabeça, os espinhos penetraram tanto por dentro, que não aparecem mais lá fora. Veja quantos cortes e sangue cobrem meu corpoChegue mais perto, me dê um alívio”.

Ao lidar com as dores de Jesus, esqueci um pouco de mim. Oh, como foi doloroso ver aqueles espinhos tão encarnados por dentro da sua cabeça, que mal podiam ser puxados! Enquanto eu fazia isso, Jesus reclamou, tanta foi a dor que Ele sofreu. Depois de quebrar toda a coroa de espinhos, juntei-a e, sabendo que o maior prazer que pode ser dado a Jesus é sofrer por Ele. Peguei e enfiei na minha cabeça.

Então, um por um, Ele se fez beijar as feridas e, de alguma forma, Ele queria que eu sugasse o sangue. Eu estava tentando fazer o que Ele queria, mas em silêncio total, quando a Santíssima Virgem apareceu e me disse: “Pergunte a Jesus o que Ele quer fazer com você“.

Não ousei, mas minha mãe pediu que eu o fizesse; para agradá-la, coloquei meus lábios perto do ouvido de Jesus e calei a boca em silêncio; perguntei-lhe: “O que você quer fazer comigo?” E Ele respondeu: “quero fazer de você um objeto de meu prazer“.

E no próprio ato de dizer essas palavras, Ele desapareceu e eu me encontrei em mim mesma.

9 de abril de 1899

 Jesus restaura a dor de sua privação.

Hoje de manhã Jesus se mostrou e me levou para uma igreja, ali acontecia a Santa Missa e fiz a comunhão das mãos de Jesus, depois me abracei aos seus pés com tanta força que não consegui abandoná-lo.

O pensamento das dores dos dias passados, que foi da privação de Jesus (Ela sente que Ele desapareceu e demorou a aparecer novamente), me fez temer tanto que eu O perderia novamente, que aos seus pés eu, e me agarrei e disse o quanto Ele me faz sofrer, esperando a sua volta ”.

Jesus me disse: “Entre em meus braços, quero restaurar você das dores que sofrestes estes dias“.

Quase não me atrevi a fazê-lo, mas Jesus estendeu as mãos e me pegou, abraçou-me e disse: “Não tenhas medo, não te deixarei; Hoje de manhã, quero contê-la, virei e estarei com você em custódia”.

E então nós dois nos retiramos sob custódia. Quem pode dizer o que fizemos? Agora Ele me beijou e eu a Ele, agora descansei Nele e Jesus em mim, agora vi as ofensas que Ele recebeu e fiz atos de reparação contra as várias ofensas.

Quem pode dizer a paciência de Jesus no sacramento? É tal e tanto que só aterroriza pensar. Mas enquanto eu fazia isso, Jesus me mostrou o confessor que veio me chamar a mim.

E Jesus me disse: “Chega agora; vá, porque a obediência está chamando você!

E assim pareceu-me que a alma retornou ao corpo e, de fato, o confessor me chamou à obediência.

 

12 de abril de 1899

Jesus diz: “Há muito para mim estar no sacramento, quanto mais ainda no seu coração“.  Hipocrisia: profunda dor de Jesus.

 

Hoje, sem me fazer esperar tanto, Jesus veio imediatamente e me disse: “Você é meu tabernáculo; tanto é para mim estar no sacramento, tanto quanto em seu coração; já em você há outra coisa a mais: poder participá-la de minhas dores e tê-la junto comigo, vítima viva diante da justiça divina, o que não encontro no sacramento“.

E enquanto Ele estava dizendo essas palavras, Ele se trancou dentro de mim. De pé dentro de mim, Jesus agora me fez sentir os espinhos, agora as dores da cruz, os cuidados e sofrimentos do coração.

Ao redor de seu coração, vi um emaranhado de ferroadas, que fizeram Jesus sofrer muito. Ah, quanta dor me fez vê-lo em tanto sofrimento! Eu teria gostado de sofrer tudo em vez de fazer meu doce Jesus sofrer e de coração pedi que Ele me desse dor, que eu sofresse.

E Jesus me disse:

Filha, as ofensas que mais perfuram meu coração são as missas sacrilegiosamente ditas e as hipocrisias“.

Quem pode dizer o que eu entendo nessas duas palavras? Pareceu-me mais que, externamente, vemos que o amamos, que o Senhor é louvado, mas internamente, temos veneno pronto para matá-lo; externamente, vemos que queremos Sua glória, sua honra, mas internamente buscamos nossa honra apenas, e somente a  nossa própria estima.

Todas as obras feitas com hipocrisia, mesmo as mais sagradas, são obras envenenadas que amarguram o Coração de Jesus.

 

 

16 de abril de 1899

Preparação para a ComunhãoOfensas feitas a Jesus. 

Estando no meu estado habitual, Jesus me convidou para dar uma volta e ver o que as criaturas fazem.
Eu disse a Ele:

“Meu adorável Jesus, não quero me virar e ver as ofensas que Te fazem; vamos ficar aqui, os dois juntos”.

Mas Jesus insistiu que Ele queria isso; então, para contentá-lo, eu disse a Ele: “Se você quer sair, antes, entremos em alguma igreja, porque lá há menos ofensas que fazem a Você”.

E assim fomos a uma igreja, mas mesmo lá Ele se ofendeu, mais do que em outros lugares até; não porque haja mais pecados nas igrejas do que no mundo, mas porque são ofensas feitas por seus entes queridos, pelos próprios que deveriam colocar corpo e alma para defender a Sua honra e a Sua glória; portanto, eles chegam ofender mais dolorosamente ao seu adorável Coração.

Então vi almas piedosas, que não estavam bem preparadas para a Comunhão, por pequenas coisas do nada; a mente delas, em vez de pensar em Jesus, pensava em seus pequenos distúrbios, em tantas coisas minúsculas e esse era o artifício delas.

Quanta dor essas pessoas causaram a Jesus e quanta compaixão elas mesmas fizeram! Pois elas cuidam de tantas coisas, tantas minúcias interiores e, entretanto, não se sentiam bem em [olhar] para Jesus.

Jesus me disse: “Minha filha, quanto essas almas impedem que minha graça desça nelas! Não olho para a minúcia e suas preocupações insignificantes, mas para o amor com que elas se aproximam e, elas me fazem Me perder nesses pormenores detalhes, que são mais fortes nelas do que Me amar; Mas o que é pior, é que essas almas se perturbam tanto, perdem muito tempo, gostariam de ficar com os confessores durante toda a hora para dizer todas essas pequeninas coisas delas (medos, dúvidas, sentimentos...), mas nunca colocam suas mãos para trabalhar como bons e corajosos filhos.

O que dizer então, filha, de certos padres desses tempos? Pode-se dizer que eles operam quase satanicamente, tornando-se um ídolo das almas. Ah sim dos meus filhos, meu coração é mais trespassado por causa deles (sacerdotes), porque se mais os outros me ofendem, ofendem as partes do meu corpo, mas o meu me ofende as partes mais sensíveis, mesmo no íntimo do coração! ”

Quem pode dizer a agonia de Jesus? Ao dizer essas palavras, Ele chorou amargamente. Fiz o máximo que pude para sentir pena Dele e repará-lo, mas enquanto fazia isso, nos retiramos.

21 de abril de 1899

Jesus: o pobre dos pobres.

Esta manhã, estando em meu estado habitual, em um momento eu me encontrei em mim mesma, mas sem poder me mexer, quando entendi que alguém entrou no meu quarto e depois fechou a porta novamente e senti que Ele estava se aproximando da minha cama. Em minha mente, pensei que alguém havia entrado furtivamente, sem que ninguém da família o tivesse visto e ele penetrou no meu quartinho. Pensei, quem sabe o que Ele pode fazer comigo? Foi tanto o medo que senti o sangue congelar em minhas veias e tremi por toda parte. Oh Deus, o que fazer?

Eu disse a mim mesma: “A família não o viu, sinto-me entorpecida e não posso me defender nem pedir ajuda; Jesus, Maria, minha mãe, me ajude; São José, me defenda deste perigo ”. Quando soube que Ele estava se levantando sobre a cama e se aconchegou perto de mim, foi tanto o medo que abri os olhos e disse a Ele: “Diga-me quem é você?”.

Ele respondeu:
Eu sou o pobre dos pobres. Eu não tenho onde ficar; Eu vim até você, se você quiser me manter com você em seu pequeno quarto; veja, Eu sou tão pobre que nem tenho roupas, mas você cuidará de tudo”.

Eu olhei bem para Ele, Ele era um menino de cinco ou seis anos, sem roupas, sem sapatos, mas extremamente bonito e gracioso. Eu respondi imediatamente:
“Para mim, eu ficaria feliz em mantê-lo, mas o que meu pai dirá? Não é que eu sou uma pessoa livre que eu poderia não fazer o que quero, mas tenho meus pais que me impedem.

Para vestir você, sim, posso fazê-lo com meus pobres trabalhos, farei qualquer sacrifício, mas é impossível mantê-lo comigo. E então, não tens um pai, nem uma mãe, não tem lugar para ficar? ”

 

Mas o menino respondeu amargamente:
” Eu não tenho ninguém. Oh, não me deixe correr mais, deixe-me ficar com você!¨

Eu não sabia o que fazer, como mantê-lo. Um pensamento me ocorreu: “Quem sabe que não é Jesus?” Ou será que algum demônio me perturbando? Então, novamente, eu disse a Ele:
“Mas me diga a verdade pelo menos: quem é você?”

E Ele repetiu: “Eu sou o pobre dos pobres“. Eu respondi: “Você aprendeu a rezar?” “Sim“, Ele respondeu. “Bem, faça isso; Eu quero ver como você fará isso! ”

Então Ele se marcou com a cruz. Eu adicionei: “E você pode dizer a Ave Maria?” Mas se você quiser que eu diga, vamos dizer juntos.

Comecei a Ave Maria e Ele disse junto, quando uma luz pura se destacou de sua adorável testa e eu soube que o pobre dos pobres era Jesus. Em um momento, com a luz que Jesus me enviou, Ele me fez perder novamente os sentidos e me tirou de mim (ela saiu do corpo).

Eu me vi toda confusa diante Dele, especialmente pelas muitas repulsões e imediatamente disse a Ele:”

Meu querido, perdoe-me; se eu te conhecesse, não teria proibido sua entrada. E então, por que você não me disse que era você? Eu tenho muitas coisas para lhe dizer; Eu teria lhe dito, não teria perdido o tempo com tantas inutilidades e medos.

Então, posso te guardar livremente, porque você não deixa ninguém te ver”. Mas enquanto eu dizia isso, Jesus desapareceu e, deixou-me triste por não ter dito nada do que eu queria lhe dizer.

23 de abril de 1899

Os louvores e desprezo dos outros.

Hoje fiz a meditação sobre os danos que podem chegar às nossas almas pelos louvores que as criaturas nos dão; enquanto eu fazia meu exame de consciência, para ver se havia em mim a satisfação de louvores humanos, Jesus se aproximou de mim e me disse:

Quando o coração está cheio de autoconhecimento, os louvores dos homens são como aquelas ondas do mar, que não causam dano nem deixam nada; então quando o humano elogia, o elogio aproxima-se do coração, mas encontra-o cheio e bem cercado por fortes paredes de autoconhecimento, eles voltam ao remetente, sem causar danos à alma.  Portanto, você deve ter cuidado com isso, que os louvores e o desprezo das criaturas são prejuízo a quem pouco se conhece”.

26 de abril de 1899

As almas desapegadas.

Enquanto hoje meu amante Jesus se mostrou para mim, pareceu-me que Ele estava me enviando tantos lampejos de luz, que todos me penetraram, quando em um instante nos encontramos, [eu] fora de mim e juntos encontramos o confessor.

Eu imediatamente orei ao meu amado Jesus para dar um beijo no confessor e ficar um pouco nos braços dele (Jesus como criança). Para me agradar imediatamente, Ele beijou o confessor no rosto, mas sem querer me deixar.

Fiquei muito angustiada, dizendo: “Meu querido, não era essa minha intenção, fazer você beijar o rosto, mas a boca dele (do confessor), para que, tocado por seus lábios puros, ele permaneça santificado e fortalecido nessa fraqueza, dessa maneira, ele poderá proclamar mais livremente a palavra sagrada e santificar os outros. Peço-lhe que me agrade! ”

Assim Jesus menino, deu outro beijo em sua boca e depois disse: “Estou tão satisfeito com as almas que se separaram de tudo, não apenas no afeto, mas também no efeito, vendo eles estão se despindo de tudo, então minha luz os atravessa e se torna com eles como cristais, que a luz do sol não encontra um impedimento para penetrar neles, como em outras coisas materiais.

Ah – Ele disse então – eles acreditam que se despem, mas, ao contrário, passam a vestir não apenas coisas espirituais, mas também corporais, porque minha Providência tem um cuidado especial e cuidadoso por essas almas desapegadas( de si mesmas, estimas, afetos materiais, animais e humanos). Minha providência as oculta em tudo e; acontece que nada tem, mas tudo possui “. (Jesus trabalha para que não chegue mais a essas almas: elogios, atenção que possa despertar nelas apego humano, sentimentos de afeição humana, etc…)

Depois disso, nos retiramos do confessor e encontramos muitas pessoas religiosas que pareciam ter todo o objetivo de trabalhar para fins de interesse próprio. Jesus, passando entre eles, disse:
Ai, ai daquele que trabalha com o propósito de comprar moedas! (adquirir ganhos, vantagens humanas ou materiais) Você já recebeu seu salário nesta vida! 

O confessor que sentia uma dificuldade em seus discursos e, após o beijo que recebeu de Jesus, ficou completamente livre dessa fraqueza.

17 de maio de 1899

Como todo o Céu é sombreado na Igreja.

 Naquela manhã, Jesus chegou muito compassivo; Ele estava tão aflito e sofrendo que não me atrevi a fazer perguntas. Nos entreolhamos em silêncio, de vez em quando Ele me dava um beijo e eu dava um beijo Nele; e assim Ele seguiu várias vezes para ser visto.

Da última vez, Ele me mostrou a Igreja, dizendo estas palavras precisas:

Na minha igreja, todo o céu é representado. Visto que no céu, um é a cabeça, que é Deus, e muitos são os santos, de diferentes condições, ordens e méritos; portanto, em minha igreja, representa todo o céu, um é a cabeça, que é o papa – e mesmo na trincheira que sua Santíssima Trindade envolve sua própria cabeça – e há muitos membros que dependem dessa cabeça, isto é, dignidades diferentes, ordens diferentes, superiores e inferiores, do menor ao maior; todos servem para embelezar minha Igreja e cada um, de acordo com sua posição [e] para o cargo compartilhado com ele, com o cumprimento exato das virtudes, para dar a si mesmo, em minha Igreja, um esplendor muito odoroso, de modo que a terra e O céu permanece perfumado e iluminado e as pessoas continuam tão atraídas por esta luz e este perfume, que é quase impossível não se render à verdade.

Deixo que você considere, então, aqueles membros infectados que, em vez de dar luz, produzem trevas, quanta agonia eles causam na minha Igreja! ”

Enquanto Jesus estava dizendo isso para mim, vi o confessor próximo a Ele. Jesus com seu olhar penetrante e fixo o olhou; depois, voltando-se para mim, Ele me disse:

Quero que [você] tenha total confiança no confessor, mesmo nas menores coisas, tanto que, entre Eu e ele, você não deve ter nenhuma diferença; porque de acordo com a sua confiança e a fé que você empresta às suas palavras, então Eu completarei pra você “.

No ato em que Jesus disse essas palavras, lembrei-me de certas tentações do diabo que haviam produzido em mim um pouco de desconfiança; mas Jesus com seu olhar vigilante, imediatamente me levou de volta e, no mesmo ato, senti que a desconfiança era tirada de dentro do meu interior. Que o Senhor seja sempre abençoado, que cuida tanto desta alma, tão miserável e pecadora!

 

 

 

 

 

6 de maio de 1899

Procure Jesus entre os anjos.


Naquela manhã, Jesus mal se mostrou. Minha mente estava tão confusa que quase não entendi a perda de Jesus, quando me senti cercada por tantos espíritos, talvez eles fossem anjos, mas não posso dizer com certeza.

Enquanto eu estava no meio deles, de tempos em tempos eu investigava aqueles que sabiam que podia ouvir pelo menos a respiração do meu Amado, mas, tanto quanto eu, não sentia nada que fosse nosso amante, meu Bem, quando pelas minhas costas um doce hálito eu senti; Eu imediatamente gritei: “Jesus, meu Senhor!”

Ele respondeu: “Luisa, o que você quer?”

“Jesus, meu lindo, venha, Não fique atrás, onde eu não posso te ver;

Eu estava a manhã inteira esperando por ti e investigando, quem sabe? Se eu podia vê-lo no meio desses Espíritos angelicais que cercavam a cama, mas isso me falhou; então me sinto muito cansada, então aqueles espíritos disseram:

“Senhor, como ela te reconheceu tão imediatamente!? E não ouvindo sua voz, mas somente sentindo a Vossa respiração, que ela te chamou de imediato! ”

Jesus respondeu:” Ela me conhece e eu a conheço. É tão querida para mim, como a menina dos meus olhos. ”

E enquanto Ele dizia isso, eu me vi nos olhos de Jesus. Quem pode dizer o que eu senti naqueles olhos puros? É impossível expressá-lo em palavras; os próprios anjos ficaram maravilhados.

 

7 de maio de 1899

Pureza de intenção em operação.

Enquanto eu meditava diariamente, Jesus continuou sendo visto perto de mim e me disse: “Minha Pessoa está cercada por todas as obras que são feitas pelas almas, como por uma roupa; e na extensão da pureza da intenção e da intensidade do amor que é feito, para que Me dêem mais esplendor e eu lhes dar mais glória, tanto que, no Dia do Julgamento, eu as mostrarei ao mundo inteiro, para que todos saibam tudo a maneira como meus filhos me honraram e a maneira como os honro “.

Tomando um ar mais angustiado, Ele acrescentou: “Minha filha, o que acontecerá com tantas obras, mesmo boas, feitas sem a intenção correta, por costume e por propósito egoísta? (querendo algo de Deus, interesses...) Que pena será para eles no dia do julgamento, ao ver tantas obras, boas em si mesmas, mas podres por sua intenção, de que, em vez de torná-los honoráveis ​​como muitos outros, suas próprias ações os tornarão envergonhados? Porque não são as grandes obras que pretendo, mas a intenção com que são feitas; aqui está toda a minha atenção “.

Jesus quase se calou e pensei nas palavras que Ele havia dito; enquanto ruminava em minha mente, especialmente na pureza da intenção e [como], fazendo o bem às criaturas, as mesmas [criaturas] devem desaparecer, criando a criatura como sendo o Senhor doando e fazendo como se as criaturas não existissem (para que não sejam vistas), Jesus retomou seu ditado, dizendo-me:

Ainda é assim. Veja, meu coração é muito largo, mas a porta é muito estreita; ninguém pode preencher o vazio deste coração, exceto que as almas desprendidas, nuas e simples, porque, como você vê, sendo pequena a porta, qualquer impedimento, também mínimo, isto é, uma sombra de ataque, uma intenção torta, um trabalho sem o objetivo de me agradar, impede que eles se deleitem no meu Coração.

O amor ao próximo está muito em meu coração, mas deve estar tão próximo do meu modo gratuito de amar, de modo que deve formar apenas um com o meu amor, sem poder discernir um do outro; mas aquele outro amor ao próximo (com interesses) que não se transforma em meu amor, não o vejo como algo que Me pertence ”.

9 de maio de 1899

Ameaça de punição: Jesus dá a Luisa seu hálito amargo.

Esta manhã, eu estava em um mar de aflições pela privação de Jesus. Depois de muitas dificuldades, Jesus veio e então se aconchegou perto de mim, para que eu não pudesse vê-lo;

Ele veio para colocar sua testa na minha, seu rosto repousava sobre o meu e todos os outros membros.

Agora, enquanto Jesus estava nessa posição, eu disse a Ele: “Meu adorável Jesus, você não me ama mais”:

E Ele: “Se eu não te amasse, não estaria tão perto de você“.

E retomei: “Como você me diz que me ama, se não me faz sofrer como antes ? (parou de fazê-la passar pelas dores da paixão)

Receio não me querer mais neste estado (de vítima); pelo menos me liberte do aborrecimento do confessor”. (Do confessor ter de ir pedir a obediência dela para voltar ao estado natural)

Enquanto eu dizia isso, parecia que Jesus não escutou minhas palavras e me fez ver uma multidão de pessoas que cometeram todo tipo de maldade, e Jesus, indignado com elas, causou várias espécies de doenças contagiosas entre elas e muitas morreram pretas como carvão;

Pareceu que Jesus limpou aquela multidão de pessoas da face da terra. Enquanto eu via isso, orei a Jesus para derramar sua amargura em mim, para que Ele pudesse poupar as pessoas, mas Ele nem ouviu isso e, ao responder às palavras que eu havia dito antes, acrescentou: ”

 

O maior castigo que posso lhe dar, é o padre e o povo, e se você se livrar desse estado de sofrimento. Minha Justiça agiria com toda a sua fúria, porque não encontraria mais oposição. Então, é verdade que o pior mal para alguém é ser colocado em um trabalho e depois ser deposto; melhor para ele se não tivesse sido admitido naquele trabalho, porque abusar e não tirar proveito dele o torna indigno ”.

Então Jesus continuou a vir várias vezes hoje, mas ficou tão aflito que moveu as mesmas pedras com pena e lágrimas. Tanto quanto pude, tentei consolá-lo; ou eu te abracei, apoiei sua cabeça muito sofredora, e lhe disse: “Coração do meu coração, Jesus, nunca era habitual Você aparecer tão angustiado; se em outros momentos você se fez parecer angustiado, ao despejar em mim [seus sofrimentos], imediatamente após,  mudavas de aparência, mas agora me nega esse alívio.

Quem diria que, depois de tanto tempo que Você graciosamente derramou (suas amarguras) e me fez compartilhar de seus sofrimentos e que Você mesmo fez tanto para me desfazer, nessa época eu tive que ficar sem ele (sofrimento)?

Sofrer por seu amor, é meu único alívio, foi o sofrimento que me fez suportar o exílio do céu (voltar pra terra após ter ido pro céu); mas agora, sinto falta disso, sinto que não tenho onde me apoiar e minha vida fica entediada.

Oh, Santo Esposo, Bem amado, minha querida Vida, por favor, me dê dores nas costas, me dê sofrimento, não olhe para a minha indignidade e meus graves pecados, mas sua grande misericórdia que não está esgotada! ”

 

(Luisa ainda vive muito sua vontade humana, apesar de boa, Jesus ainda tá formando sua alma para se resignar a Vontade Dele, Ele ainda vai começar a ensinar a ela a Viver na Divina Vontade plenamente satisfeita, ela reclamava só para Jesus, isso nós também podemos fazer…. mas sempre se resignar a Vontade de Deus, que muitas vezes é oposta a nossa, Jesus permite como Deus Pai fazia com Ele, quando Ele vivia na terra, que era permitir muitas contrariedades e penalidades,  para agradarmos Jesus plenamente, Ele também permite a nós, como fez com Luisa, contrariar e se opor às nossas vontades no começo, pensamos muito diferente de Jesus… lendo o livro Vida Intima de Ns. Senhor Jesus Cristo, e a Mistica cidade de Deus (Vida de Nossa Senhora) é que vamos compreender, o que realmente é imitar Jesus na vida na Divina Vontade, Luisa escreve todas as verdades de Jesus referente sua Vontade e como ela  nos molda e nos transfigura em sua imagem)

Eu desabafei com Jesus, aproximando-se de mim, Ele me disse:

 

Minha filha, é a minha justiça que quer dar vazão às criaturas; o número de pecados nos homens é quase completo e minha Justiça quer sair e torná-la a fonte de sua fúria e abrigar as injustiças dos homens. Aqui, para mostrar como sou amargo e para agradar um pouco, quero derramar meu único fôlego em você ”.

E assim, aproximando seus lábios dos meus, Ele me deixou sem fôlego, tão amarga que senti minha boca, meu coração e meu corpo inteiro. Se seu único fôlego era tão amargo, o que aconteceria com o resto de Jesus? Ele me deixou tanta dor que senti meu coração perfurado.

12 de maio de 1899

Jesus a faz feliz: Ele derrama doçura e amargura. 

Hoje de manhã, meu adorável Jesus continua sendo visto aflito, Ele me carregou para fora de mim e me mostrou as várias ofensas que recebeu, e eu comecei a rezar novamente para que Ele derramasse suas amarguras em mim.

Jesus não me ouviu a princípio e apenas me disse: “Minha filha, a caridade é perfeita somente, quando é feita com o único propósito de me agradar; e então é chamada de verdadeira e é reconhecida por Mim, quando é despojada de tudo (interesses humanos, estima, ganhos…)”.

 

Eu, aproveitando a oportunidade de suas próprias palavras, disse-lhe: “Meu querido Jesus, é exatamente por esse motivo que quero que você derrame em mim suas amarguras, para poder tirar você de tantos sofrimentos; e se eu imploro que poupe as criaturas, é porque me lembro bem que você em outras ocasiões, depois de castigar as criaturas, ao vê-las sofrer, tanto pobreza quanto outras coisas, tanto você sofreu também.

Em vez disso, quando eu era cautelosa e orava e incomodava Você a se cansar, tanto que você ficou satisfeito em se derramar em mim, poupando-os, depois disso Você ainda estava muito feliz, não se lembra? E então, elas não são suas imagens? ”

 

Jesus, vendo-se convencido, me disse:” Para você é necessário Me contentar! Chegue mais perto e beba ao meu lado ”.

Então eu fiz; Aproximei-me para beber ao lado (coração), mas em vez de amargura, chupei um sangue muito doce, que me embriagou com amor e doçura. Sim, fiquei feliz, mas essa não era minha intenção; portanto, para Ele endereçado, eu lhe disse: “Meu querido Bem, o que você está fazendo?

Não é amargo o que vem, mas doce. Por favor, por favor, coloque suas próprias amarguras em mim! ”

E Jesus, olhando-me gentilmente, disse-me:” Continue bebendo, e a amargura virá depois. ” Então, me colocando de lado, depois que a sobremesa continuou chegando, a amargura também veio. Mas quem pode dizer a intensidade da amargura!

Depois que me saciei de beber, levantei-me e, olhando para a cabeça Dele que continha a coroa de espinhos, tirei-a e enfiei-a na minha cabeça; e Jesus parecia condescendente, enquanto em outros momentos não havia permitido isso.

Quão bonito foi ver Jesus depois que Ele derramou sua amargura! Ele parecia quase desarmado, sem coragem, mas todo manso, como um cordeirinho humilde, todo condescendente. Eu avisei que era muito tarde e, como o confessor havia sido rápido nesta manhã para me chamar a obediência, não era que ele soubesse que eu tinha que ser chamada novamente – portanto , eu disse a Ele:

“Jesus muito doce, não me deixe perturbar a família e incomodar o confessor pedindo que ele volte novamente; Por favor, deixe-me voltar por mim mesma! ”

Jesus me disse:” Minha filha, não quero deixar você hoje. ” E eu: “Eu também não tenho coragem de deixar você, mas enquanto eu me mostro à família que sou em mim mesma e depois voltaremos a ficar juntos”. Então, depois de um certo período, nos despedimos um do outro, Ele me deixou um pouco.

Estava na hora do almoço e a família veio me ver. Mas me sentia cheia de sofrimento, minha cabeça não estava me segurando; aquela amarga e doce bebida do lado de Jesus me deu tanta saciedade, que era impossível para mim poder comer qualquer outra coisa. A palavra dada por Jesus me fez ficar em espinhos; então, sob o pretexto de que minha cabeça doía, eu disse à família: “Me deixe em paz, porque não quero nada”.

E então cheguei; e imediatamente comecei a chamar meu doce Jesus e Ele, sempre gentil, retornou. Mas quem pode dizer o que eu ganhei hoje, quantas graças Jesus deu à minha alma, quantas coisas me fez entender?

É impossível colocar em palavras. Então, depois de uma longa estadia, Jesus, para acalmar meus sofrimentos, derramou um leite doce da boca e depois me deixou à noite para me dar a palavra de que Ele retornaria imediatamente; e assim me encontrei novamente em mim, mas um pouco mais livre de sofrimento.

16 de maio de 1899

Virtudes da cruz: Despir-se da sua vontade.

Jesus continuou por outros dias a se manifestar da mesma maneira, não quis se separar de mim. Parecia que o pouco sofrimento que Ele havia derramado em mim o atraía tanto que Ele não poderia estar sem mim. Hoje de manhã, Ele derramou mais um pouco de amargura da boca na minha e depois me disse:

A cruz coloca a alma em paciência. A cruz abre o céu e une o céu e a terra, isto é, Deus e a alma. A virtude da cruz é poderosa e, quando entra na alma, tem a virtude de remover a ferrugem de todas as coisas terrenas, não apenas, mas também lhe dá o tédio, a irritação, o desprezo pelas coisas da terra e, em vez disso, então, faz provar, o gosto das coisas celestiais; mas a virtude da cruz é reconhecida por poucos, portanto [muitos] a desprezam ”.

Quem pode dizer quantas coisas eu entendi sobre a cruz enquanto Jesus falava? O falar de Jesus não é como o nosso, porque entendemos muito [pelo] que é dito; mas uma única palavra [de Jesus] deixa uma luz imensa que, ruminando bem, poderia fazer com que alguém ocupasse o dia inteiro em profunda meditação.

Portanto, se eu quisesse dizer tudo, ficaria muito tempo e também não teria tempo para fazê-lo. Depois de um tempo, Jesus voltou novamente, mas um pouco mais aflito. Eu imediatamente perguntei a causa e Jesus me mostrou muitas almas devotas e me disse:

Minha filha, o que eu vejo na alma é quando ela se despe de sua própria vontade; então minha vontade a investe, diviniza e torna tudo meu. Veja um pouco essas almas que dizem que são devotas até que as coisas sigam o seu caminho (ele permite cruzes); então, uma coisa pequena, se suas confissões não são longas, se o confessor não as satisfaz, elas perdem a paz e algumas não querem fazer mais nada. Isso diz que não é a minha vontade que as domina, mas a delas.

Você também acredita, minha filha, que eles seguem o caminho errado! Porque quando vejo que eles realmente querem me amar, tenho muitas maneiras de poder dar a minha graça ”.

 

Quanta dor me fez ver Jesus sofrer com [parte deste] tipo de pessoas! Tentei sentir pena Dele o máximo que pude e acabou.

19 de Maio de 1899

A humildade é a segurança dos favores celestiais.

Hoje de manhã, senti um medo de que não fosse Jesus, mas o diabo que queria me enganar. Jesus veio e me viu com esse medo me disse: “Humildade é a segurança dos favores celestiais. A humildade veste a alma de tal segurança, para que as artimanhas do inimigo não a penetrem.

A humildade traz todas as graças celestes para a segurança, tanto que, onde vejo humildade, deixo abundantemente todo tipo de favor celestial fluir. Portanto, não querendo incomodar-se por isso, mas com um simples olhar, sempre olhe para o seu interior, se você está investida com uma bela humildade e todo o resto não se importe mais com nada.¨

Então Ele me mostrou muitas pessoas religiosas e, entre elas, padres também de vida santa; mas, por melhores que fossem, não havia neles aquele espírito de simplicidade em crer nas muitas graças e nas muitas maneiras diferentes que o Senhor mantém com as almas.

E Jesus me disse: “Eu me comunico tanto com os humildes quanto com os simples, porque eles imediatamente acreditam em minhas graças e as valorizam, mesmo que fossem ignorantes e pobres. Mas com esses outros que você vê, sou muito relutante, porque o primeiro passo que aproxima a alma de Mim é a fé; por isso acontece que, com toda a sua ciência, doutrina e até santidade, eles nunca experimentam um raio de luz celestial (unção), ou seja, andam pelo caminho natural e nunca chegam a tocar nem por um tempo o que é sobrenatural. (falta as Luzes do Espírito Santo que encharca a alma de fé e confiança, e que faz ouvir Jesus no coração)

Aqui também está a causa, porque no decorrer da minha vida mortal não havia sequer um erudito, um padre, uma pessoa poderosa nos meus seguidores, mas todos ignorantes e de baixa condição, porque são mais humildes e simples e também mais fáceis de fazer grandes sacrifícios por Mim “.

23 de maio de 1899

A doçura.

 

Dessa vez, meu adorável Jesus menino, quis brincar um pouco: Ele veio, mostrou que queria me ouvir, mas como comecei a dizer, como um flash, Ele desapareceu diante de mim.

Oh, Deus, que pena! Enquanto meu coração estava nadando nessa amarga tristeza pela distância de Jesus e [ele] ainda estava quase um pouco desconfortável, Jesus voltou novamente me dizendo:

 

O que é, o que é? Mais calma, mais calma! Diga, diga, o que você quer? 

Mas, no ato de dizer, Ele desapareceu. Fiz o que pude para me acalmar; de maneira alguma, depois de um tempo meu coração voltou a ser incapaz de encontrar a paz sem o seu único conforto, e talvez mais do que antes! Jesus, voltando novamente, me disse: “Minha filha, a doçura tem a virtude de fazer a natureza mudar as coisas, sabe que o amargo se converte em doce; portanto: mais doce, mais doce! ”

Mas sem me dar tempo para dizer uma única palavra. Então eu passei esta manhã.

Desapego de si mesmo.

Depois me senti fora de mim, junto com Jesus, havia muita gente; que aspiravam à riqueza, honrarias,  que se gloriavam e que terminam em santidade e em muitas outras coisas, mas não para Deus, embora sejam vistos por grandes ¨personalidades¨.

 

Jesus, virando-se para eles, balançando a cabeça, disse: “Seus tolos, vocês estão trabalhando na rede, mas como se enganam!

 

Então, virando-se para mim, Ele me disse: “Minha filha, então a primeira coisa que recomendo [para as criaturas] é desapego de todas as coisas e até delas mesmas! E quando a alma se desapega de tudo, não precisa mais se forçar a ficar longe de todas as coisas da terra, pois se elas (as coisas) as rodeiam, mas, vendo-se livres desses apegos, se forem desprezados, essas minúcias  dizem adeus, desistem, para não lhe dar mais problemas (à alma) “.
(acaba os olhares de admiradores, elogios, atenção, tudo desaparece… e a alma fica em paz, pois não busca mais essas coisas.)

23 de maio de 1899

O desprezo a si mesmo deve estar unido à fé.

 

Naquela manhã, eu me aniquilei, até me sentir exasperada e irritada. Pareceu-me que era a mais abominável que se podia encontrar. Eu me via como um pequeno verme que girava e girava, mas ainda lá permanecia na lama, sem poder dar um passo.

Oh, Deus, que miséria humana! E, no entanto, depois de tantas graças, ainda sou tão ruim! Meu bom Jesus, sempre gentil com essa miserável pecadora, veio e me disse:

O desprezo a si mesmo é louvável quando é bem investido pelo espírito da fé; mas quando ele não é investido pelo espírito da fé, em vez de fazer o bem, ele pode prejudicá-la, porque vendo você como você é, que você não pode fazer nada de bom, você se derrotará, será derrubado, sem confiar no caminho do bem.

Mas, apoiando-o Comigo, ou seja, investindo-se no espírito da fé, você se conhecerá, se desprezará e Me conhecerá, confiando em você para poder trabalhar com a minha ajuda e eis que, ao fazê-lo, andará de acordo com a verdade ”.

Quão boa essa conversa de Jesus fez à minha alma! Entendi que devo entrar no meu nada e saber quem sou, mas não devo parar por aí, mas, imediatamente depois de me conhecer, devo voar para o imenso mar de Deus e parar para tirar todas as graças para minha alma; caso contrário, a natureza permaneceria enfraquecida e o diabo buscaria meios de jogá-la na derrota. Que o Senhor seja sempre abençoado, e que toda a sua glória seja sempre!

 

 

 

31 de maio de 1899

São necessários contrastes para tornar a verdade mais clara.

Hoje de manhã, no meu estado habitual, meu adorável Jesus veio e no exato momento em que vi o confessor. Jesus se mostrou um pouco arrependido, porque parecia que o confessor queria que todos aprovassem que era obra de Deus, e ele quase queria convencer manifestando algo do meu interior a outros sacerdotes. Jesus virou-se para o confessor e disse-lhe:

Isso é impossível; e mesmo Eu tinha opositores,  e pessoas das mais respeitáveis, que também eram sacerdotes e outras dignidades, (Princípes e doutores da Lei) que Ele viam em minhas obras sagradas, malícia, até a ponto de me chamar de demônio.

 

Esses contrastes, mesmo de pessoas religiosas, permitimos que, com o tempo, não pudessem mais brilhar a verdade. Que [você] deseja aconselhar-se com dois ou três sacerdotes dos mais bons e santos e também aprender, a ter luz e também a fazer o que Eu quero nas coisas a serem feitas, e saber conselho dos bons e da oração, isso sim Eu permito, mas o resto não, senão; seria um desejo seu desperdiçar meus trabalhos e colocá-los em piada, do que me arrependerei muito!”

Então Ele me disse:” O que eu quero de você é uma operação simples e correta; com os prós e contras das criaturas que você não se importe, que pensem como desejarem, sem o menor aborrecimento, porque querer que todos sejam favoráveis ​​é um desejo de enganar a imitação da minha vida“.  ( Não devemos nos preocupar com personalidades que não aceitam as verdades e a mística de Luisa)

 

24 de junho de 1899

O maior favor de uma alma é fazê-la conhecer a si mesma.

Meu doce Jesus esta manhã queria me deixar tocar meu nada com minhas próprias mãos. No ato que foi mostrado, as primeiras palavras que Ele me dirigiu foram: “Quem sou Eu e quem é você?”
Nessas duas palavras, vi duas luzes imensas: em uma eu entendi Deus, na outra vi minha miséria, meu nada.

Eu me via nada além de uma sombra, como aquela sombra que o sol faz ao irradiar a terra, que depende do sol, que passa por ela para outros pontos, a sombra acaba por existir a partir de seu esplendor. Assim, minha sombra, que é o meu ser, depende do místico Deus do Sol, que pode desfazer essa sombra em um instante.

O que dizer então, como eu deformei essa sombra que o Senhor me deu? Eu fiquei horrorizada ao pensar nisso: fedorenta, podre, todos os vermes, mas neste estado horrível, fui forçada a ficar diante de um Deus tão santo! Oh, Quão feliz eu ficaria se me tivessem sido capazes de me esconder nas profundezas mais escuras!

Depois disso, Jesus me disse: “O maior favor que posso fazer a uma alma é fazê-la conhecer a si mesma. O autoconhecimento e o conhecimento de Deus andam de mãos dadas: não importa o quanto você se conheça, você também conhecerá a Deus.

A alma que se conheceu, vendo que nada pode fazer por si mesma, essa sombra do seu ser, ela a transforma em Deus e acontece que em Deus ela realiza todas as suas operações. Acontece que a alma está em Deus e caminha com Ele, sem olhar, sem investigar, sem falar; numa palavra, como morto, porque conhecer em profundidade o seu nada não se atreve a fazer nada por si só, mas segue cegamente a força das operações da Palavra“.

Parece-me que para a alma que se conhece, acontece com as pessoas que se empolgam e que, ao passarem de um ponto a outro, sem dar um passo sozinhas, fazem longas jornadas, mas tudo isso em virtude do vapor que as carrega.

Assim, a alma, colocando-se em Deus, como as pessoas no nada que é, faz voos sublimes no caminho da perfeição, mas sabendo plenamente que não é isso, mas [é] em virtude daquele Deus abençoado que ela carrega dentro de si. Oh, como o Senhor favorece, enriquece, concede as maiores graças, sabendo quem ela sabe que que não é por si mesma, mas tudo atribui a bondade de Deus!

Ó alma que você se conhece, como você tem sorte!

3 de junho de 1899

Jesus derrama sua amargura.

Hoje de manhã eu estava em um mar de aflições, pois Jesus ainda não havia chegado; Senti essa dor, senti meu coração se partir, quando o confessor veio me chamar à obediência, pois ele teve que celebrar a Santa Missa; e Jesus, sem ser visto, nem vi sua sombra, como é seu costume, que quando Ele não vem, mostra uma mão, um braço; especialmente quando é dia de comunhão, como esta manhã, Ele mesmo vem, purifica-me, prepara-me para receber a si mesmo sacramentalmente.

Eu disse a mim mesma: “Santo cônjuge, amado Jesus, como você não pode vir e me preparar? Como posso recebê-lo?” Mas, enquanto isso, chegou a hora, o confessor chegou, mas Jesus não veio!

Que castigo agonizante, quantas lágrimas amargas! O confessor disse-me: “Você o verá em comunhão e lhe dirá, por obediência, por que Ele não vem e o que quer de você”. Assim, depois da Comunhão, vi meu bom Jesus, sempre bondoso com essa miserável pecadora. Ele me carregou para fora de mim e eu o segurei em meus braços; ele era criança. Eu imediatamente comecei a dizer: ”
Meu filhinho, meu único bem, como é que você não vem? Em que te ofendi? O que você quer de mim que me faz chorar tanto? ”

 

E no ato de dizer, foi tanta dor que, o segurava em meus braços, chorando. Mas mesmo antes de terminar de dizer a última palavra, Jesus, aproximando sua boca da minha, derramou sua amargura, sem responder uma palavra.

Quando Ele terminou de derramar, comecei novamente a dizer, mas Jesus, sem prestar atenção em mim, começou a derramar novamente. Depois disso, sem responder nada para mim o que eu queria.

Ele me disse: “Deixa eu derramar sobre você, caso contrário, vou destruí outros lugares com granizo, destruirei vários; portanto, deixe-me derramar e não pense em mais nada “.

Então, sem dizer mais nada, se derramou.
(A alma mesmo amante demonstra seu egoísmo, Jesus cheio de sofrimentos e amarguras, permite que passemos por sua privação e angústias, para nos dar a sua dor, compartilhar conosco suas tristezas, se você se sentir algum momento, amargurada e angustiada nessa jornada, saiba que é Jesus sofrendo dentro de você, querendo que você pense Nele, e não em sua própria amargura, Luisa ainda está em aprendizado e formação)

05 de Junho de 1899

Seu estado miserável: Saúde do confessor.

O estado de aniquilação continua, mas tal, que eu não ousei dizer uma palavra ao meu amado Jesus, mas nesta manhã Jesus, tendo compaixão pelo meu estado miserável, Ele mesmo queria me elevar, e eis como: enquanto Ele se mostrava e eu me senti toda aniquilada e vergonhosa diante Dele, Jesus chegou perto de mim, mas tão perto que me pareceu que Ele estava em mim e eu Nele e me disse: “Minha amada filha, para que você é tão aflita? Conte-me tudo, porque vou satisfazê-la e remediar tudo. ”

Como eu continuava me vendo, como disse no outro dia, de modo que, ao me ver tão mal, nem me atrevi a dizer nada, mas Jesus respondeu: “Logo, em breve, diga-me o que você quer, não demore!” Vendo-me quase forçada a ceder às lágrimas,  eu disse a Ele: “Santo Jesus, como Você quer que eu não seja afligida?

Porque depois de tantas graças, eu não precisava mais ser tão ruim! Às vezes, mesmo nas boas obras que tento fazer, nas mesmas orações misturo tantos defeitos e imperfeições, que eu mesmo sinto horror por elas. O que haverá diante de você, que você é tão perfeito e santo?

E então, o muito pouco sofrimento comparado a antes, seu longo atraso em chegar, tudo me diz em notas claras que são por meus pecados, minhas ingratidões negras a causa, e que Você, indignado está com raiva de mim, também me nega que o pão diário que você geralmente concede a todos que é a cruz; então você vai acabar me abandonando completamente.

Talvez possa me dar mais aflição do que isso? “Jesus, tendo compaixão por mim, me abraçou ao seu coração e me disse: “Não tema, hoje de manhã faremos as coisas juntos. “.

Assim, primeiro pareceu-me que Jesus continha uma fonte de água e outra de sangue no peito e nessas duas fontes Ele mergulhou minha alma, primeiro na água e depois no sangue. Quem pode dizer como minha alma permaneceu purificada e embelezada?

Então começamos a orar juntos recitando três Gloria ao Pai, e isso me disse que Ele fez isso para compensar minhas orações e adorações pela majestade de Deus Oh, que belo e emocionante foi orar junto com Jesus!

Depois disso, Jesus me disse: “Não me lembre de não sofrer; quer antecipar o horário designado por mim? Meu trabalho não é violência, mas tudo no seu tempo; vamos cumprir tudo, mas no devido tempo ”.

Então, por um fato muito providencial, de repente, depois que o Viático saiu da igreja para outras pessoas doentes, eu também tomei a Comunhão. Quem pode dizer depois de tudo o que aconteceu entre mim e Jesus, os beijos, as carícias que Jesus me fez?

É impossível dizer tudo! Pareceu-me que, depois da Comunhão, vi a Partícula Sagrada; e agora eu vi na partícula a boca de Jesus, agora os olhos, agora uma mão e então Ele se mostrou todo. Ele me carregou para fora de mim e agora eu estava no cofre dos céus e depois estava na terra, entre os homens, mas sempre junto com Jesus.

De vez em quando repetia: “Oh, como você é linda, amada minha , se você soubesse o quanto Eu te amo! E você, quanto me ama? ”

Ao ouvir dizer essas palavras, senti tanta confusão que me senti morrendo, mas com tudo isso, tive a coragem de lhe dizer:” Meu lindo Jesus, sim, eu te amo muito! E você, se você realmente me ama tanto, me diga também: Você vai me perdoar todo o mal que fiz? Mas me dê o sofrimento “.

Jesus: “Sim, eu te perdoo; e quero contentá-la em derramar abundantemente minhas amarguras em você ”. Assim Jesus derramou suas amarguras. Pareceu-me que Ele tinha uma fonte de amargura no coração, recebida pelas ofensas dos homens e a maior parte delas transbordou em mim. Então Jesus me disse: “Diga-me, o que mais você quer?”

E eu: “Santo Jesus, eu recomendo meu confessor a você, faça dele um santo e também lhe dê a saúde do corpo; e então, toda a sua vontade é que esse Padre venha? “E Jesus:” Sim “.

E eu: “Se a sua vontade for, o faça ficar bem!” E Ele: “Fique quieta. (não querendo investigar muito meus julgamentos!)

E no ato em si, Ele me mostrou a melhora da saúde do corpo e a santidade do corpo e alma do confessor; Depois que recomendei as pessoas que me pertenciam [e] orei pelos pecadores dizendo a Jesus: ”

Oh, como quero que meu corpo seja transformado em pedaços muito pequenos, para os pecadores se converterem!” E então beijei a testa, os olhos, o rosto, a boca de Jesus, fazendo várias adorações e reparações pelas ofensas que os pecadores lhe fizeram.

Oh, como eu e Jesus estávamos felizes! Então, pedindo a Jesus nunca viesse a deixar-me de novo, voltei para mim mesma e assim terminou.

8 de junho de 1899

Luisa quer que todos se convertam.

Meu adorável Jesus ainda continua se mostrando com toda bondade e doçura. Esta manhã, enquanto eu estava junto com Ele, Ele respondeu novamente: “Diga-me, o que você quer?”

E eu imediatamente disse: “Jesus, meu querido, o que eu realmente quero, é que o mundo inteiro deve ser convertido”.

Que pergunta desproporcional! Mas também [mesmo assim] meu amante Jesus me disse:

Eu ficaria contente se todos tivessem a boa vontade de se salvar; todavia, para mostrar a você que eu permitiria de bom grado tudo o que você disse, vamos juntos no meio do mundo e todos aqueles que encontrarmos com boa vontade para serem salvos, não importa quão ruins eles foram, eu os darei essa graça“.  Então saímos entre o povo, para ver quem tinha a boa vontade de salvar a si mesmo e, para nossa grande tristeza, encontramos um número tão pequeno, o que torna doloroso apenas pensar nisso. E entre esse número muito pequeno, havia meu confessor e a maioria dos padres e parte dos devotos, mas não todos de Corato (cidade de Luisa).

Então Ele me mostrou as várias ofensas que recebeu; Orei para que Ele me fizesse parte de seus sofrimentos e Jesus derramou suas amarguras da Sua boca na minha. Depois disso, Ele me disse: “Minha filha, sinto minha boca muito amarga, por favor, suavize-a“. Eu disse a Ele: “Eu lhe daria tudo de bom grado, mas não tenho nada; diga-me, o que eu poderia lhe dar? ”

 

E Ele me disse:
” Deixe-me sugar o leite dos seus seios, para que você possa me adoçar”. E no próprio ato de dizer isso, Ele deitou [Criança] nos meus braços e começou a sugar. Enquanto isso era feito, um medo me ocorreu: se não era o menino Jesus, mas o diabo! Então coloquei minha mão na testa dele e marquei-a com a cruz: “Pelo sinal da Santa Cruz…”.

E Jesus olhou para mim com alegria e no ato de chupar, sorriu e com aqueles olhos animados Ele parecia estar me dizendo: “Eu não sou um demônio, não sou um demônio!”

Depois que parecia que Ele estava satisfeito, Ele se levantou nos meus braços e me beijou. Agora, sentindo-me muito amarga com a amargura que havia derramado em mim, senti o desejo de sugar o lado de Jesus, mas não ousei, mas Jesus me convidou para fazê-lo e, por isso, tomei coragem pra sugar. Oh, que doçura do Paraíso veio daquele baú sagrado! Então eu me vi em mim mesma, toda inundada de doçura e satisfação.

Agora, deixe-me explicar: quando Jesus suga dos meus seios, o corpo não participa Dele, é quando estou fora de mim, parece que a coisa acontece apenas entre a alma e Jesus; e Ele, quando quer fazer isso, é sempre criança. É tão certo que é a única alma e não o corpo, que quando isso acontece, eu sempre me encontro na abóbada dos céus, ou me voltando para outros pontos da terra. (Luisa está em estado espiritual)

Desde então, às vezes eu disse que, voltando a mim mesma, senti uma dor naquela parte que o Menino Jesus havia sugado, porque durante a sucção Ele parecia que às vezes era um pouco mais forte que naqueles sulcos parecia que Ele queria puxar o [meu] coração de dentro do peito, portanto, senti uma dor e, a alma, voltando a mim mesma, participou no corpo também a dor.

Isso também acontece com outras coisas, como, por exemplo, quando o Senhor me transporta para fora de mim e me faz participar da crucificação. O próprio Jesus me espalha na cruz, perfura minhas mãos e pés com estacas, sinto tanta dor que sinto vontade de morrer. Então, encontrando-me em mim, sinto-os muito bem no meu corpo também, tão verdade que você não pode mexer os dedos, o braço; e, dentre os outros sofrimentos que o Senhor me faz participar, o que dizer, tudo seria muito longo.

Também me lembro que enquanto Jesus fazia isso – chupando os seios – lá Ele colocou a boca, mas do coração eu me senti puxando aquela coisa que chupava, tanto que enquanto Ele fazia isso, às vezes me sentia sendo arrancando meu coração do peito e às vezes me sentindo muito viva uma tristeza, eu disse a Ele: “Meu amor, realmente você é impertinente demais! Faça mais calmo, isso me machuca muito! ”

E Ele riu. Da mesma forma, quando eu sugo a Jesus, é de seu coração que eu tiro esse leite ou sangue; tanto que, para mim, como chupar o lado de Jesus, é assim que eu bebo ao lado.

Também acrescento outra coisa: como o Senhor ocasionalmente se abençoa ao derramar um leite doce da boca, ou deixa-me pegar seu precioso sangue para beber do seu lado, quando Ele faz isso, quer me ver chupar, nada mais e Ele chupa [se não] o mesmo que Ele me deu – porque eu não tenho nada para oferecer a Ele, mas tenho muitos sentimentos amargos sobre isso! Tanto [é] verdade que, às vezes, no mesmo ato em que Ele me chupou, eu chupei a Jesus e claramente senti que não havia mais nada do que [Ele] mesmo me deu. Parece que eu me expliquei o máximo que pude.

9 de junho de 1899

O pecado muito grave do aborto. União de sofrimentos e orações.

 

Hoje de manhã, passei muitos problemas com as muitas ofensas que vi dos homens, especialmente por uma desonestidade horrível. Quanta dor sofre Jesus ao perder as almas, muito mais do que uma criança nascida que foi morta sem o Santo Batismo.

Parece-me que esse pecado pesa tanto na balança da Justiça Divina, que são eles que clamam vingança diante de Deus, mas muitas vezes essas cenas dolorosas são frequentemente renovadas! Meu doce Jesus estava tão aflito que tive pena! Ao vê-lo em tal estado, não ousei lhe dizer nada; e Jesus apenas me disse:

Minha filha, une seus sofrimentos aos meus, suas orações às minhas; portanto, diante da Majestade de Deus, elas são mais aceitáveis ​​e não aparecem como suas coisas, mas como minhas obras”.

Então Ele continuou a ser visto outras vezes, mas sempre em silêncio. Que o Senhor seja sempre abençoado!

11 de junho de 1899

Luz para entender Luisa.

Meu doce Jesus continua a ser visto muito raramente e quase sempre em silêncio. Minha mente estava toda confusa e cheia de medo: por eu sentir que perdi o meu único bem! E por tantas outras coisas que não é necessário aqui contar.

Oh Deus, que pena! Enquanto eu estava nesse estado, quando Ele mal se mostrava, parecia que Ele carregava uma luz e dessa luz saíam muitos outros globos de luz; e Jesus me disse:

Tire todo o medo do seu coração. Veja, eu trouxe a você este globo de luz para colocá-lo entre você e Eu e aqueles que se aproximarem dele. Aqueles que vêm a você com um coração reto e para fazer o bem, esses globos de luz que saem penetrarão em suas mentes, descerão em seus corações e os encherão de alegria e graças celestiais e entenderão claramente o que eu faço em você; aqueles que vierem com outras intenções, eles experimentarão o oposto e desses globos de luz permanecerão ofuscados e confusos ”.

Então fiquei mais quieta. Que tudo seja para a glória de Deus.

12 de junho de 1899

O próprio Jesus a preparou para a Comunhão.

Esta manhã, tendo que tomar a comunhão, eu estava orando ao bom Jesus que veio para me preparar antes que o confessor viesse celebrar a Santa Missa: “Caso contrário, como posso recebê-lo, sendo tanto ruim e indisposta? ”

Enquanto fazia isso, meu doce Jesus teve o prazer de vir. No exato ato em que eu O vi, pareceu-me que Ele não fez nada além de disparar com seus olhares de luz mais puros e cintilantes.

Quem pode dizer o que aqueles olhares penetrantes que não deixaram escapar nem mesmo a sombra de um inseto? É impossível poder dizer; de fato, eu gostaria de passar tudo isso em silêncio, porque dificilmente se sabe que as operações internas da graça expõem com a boca, parece que elas estão sendo falsificadas.

Mas a obediência não quer e, quando é para ela, devemos fechar os olhos e ceder sem dizer mais nada, caso contrário, problemas em todos os lugares, porque ser uma dama (obediência) por si só é respeitada! Então, eu continuo a dizer.

À primeira vista, orei a Jesus para me purificar e, por isso, pareceu-me que tudo o que era sombreado foi abalado na minha alma. À segunda vista, pedi a Ele que me esclarecesse, por que razão é que o benefício de uma pedra preciosa ser pura, se não for brilhante para atrair os olhos de quem a olha? Eles vão olhar para isso, sim, mas com um olhar indiferente.

Quanto mais eu, que não apenas tinha que ser olhada, mas identificada com meu doce Jesus, Eu precisava daquela luz, que não apenas fez minha alma brilhar, mas que me fez entender a grande ação que estava prestes a tomar; portanto, não foi suficiente para eu ser purgada, mas ainda iluminada.

Então, naquele olhar, Jesus parecia me penetrar, como a luz do sol penetra no cristal. Depois disso, vendo que Jesus continuava olhando para mim, eu disse a Ele:

“Jesus muito amado, já que você ficou satisfeito antes de me purificar e depois me iluminar, abençoe-me agora para me santificar; muito mais, que ter que receber você, que é o Santo dos Santos, não é certo que eu seja tão diferente de você ”.

Assim, Jesus, sempre gentil com essa miserável, inclinou-se para mim, pegou minha alma em seus braços e parecia retocar tudo com suas próprias mãos. Quem pode dizer o que aqueles toques daquelas mãos criativas funcionaram em mim?

Como minhas paixões por esses retoques foram acertadas! Meus desejos, inclinações, afetos, batimentos cardíacos e meus outros sentidos, santificados por esses toques divinos, transformaram-se em algo completamente diferente, unidos entre si, não mais discordantes como antes, fizeram uma doce harmonia ao ouvir meu querido Jesus; Pareceu-me que havia tantos raios de luz que feriram meu adorável Coração.

Oh, como Jesus foi recriado e que momentos felizes foram para mim! Ah, experimentei a paz dos santos, para mim foi um paraíso de conteúdo e prazer! Depois disso, Jesus parecia vestir minha alma com o manto de fé, esperança e caridade e, no ato que me vestiu, Jesus me sugeriu o modo como eu deveria praticar essas três virtudes. Agora, enquanto eu fazia isso, Jesus, tomou outro raio de luz que me fez entender meu nada.

Ah! Pareceu-me que era como um grão de uvas no meio de um vasto mar, que é Deus, e essa pequena uva se dispersou naquele imenso mar, mas estava perdida em Deus, e depois me tirou de mim, levando-me a seus braços e Ele estava me sugerindo vários atos de contrição dos meus pecados; Só me lembro: eu era um abismo de iniqüidade!

Senhor, oh, quantas ingratitudes negras eu usei para você! Enquanto fazia isso, olhei para Jesus e segurei a coroa de espinhos na cabeça; Estendi a mão e tirei-a, dizendo: “Dá-me, ó Jesus, os espinhos, porque sou pecador; para mim os espinhos combinam, não para vocês que são justos, santos! ”

Assim, o próprio Jesus a colocou na minha cabeça. Então não sei como, de longe vi o confessor, Pedi imediatamente a Jesus que fosse preparar o confessor para recebê-lo em Comunhão; então Jesus parecia ir com seu pai.

Depois de um tempo, Ele voltou e me disse: “Quero que seja do jeito que você trata a mim e você trate o confessor, e por isso quero dele: olhar e lidar com você como se ele fosse outro Eu, porque sendo vítima como Eu era, não quero nenhuma diferença; e isso para garantir que tudo foi purificado e que todo o meu amor brilhe ”.

Eu disse a Ele: “Senhor, isso parece impossível, que eu possa lidar com meu confessor como você, especialmente em ver nele instabilidade!”

E Jesus: “No entanto, é assim; virtude verdadeira, amor verdadeiro faz tudo desaparecer, tudo destrói e, com um domínio para se encantar, não brilha mais em toda a sua obra que o único Deus e tudo olha em Deus “. (Jesus pede que ela purifique seu olhar, vendo até a instabilidade humana do confessor como sendo algo divino)

Depois disso, o confessor veio me chamar à obediência e, assim, celebrar a Santa Missa .
Então, ouvi a Santa Missa e recebi a Comunhão. Agora, quem pode dizer a intimidade que passou entre eu e Jesus? É impossível poder manifestá-lo, não tenho palavras para me fazer entender, então passo em silêncio.

14 de junho de 1899

Jesus que quer punir o mundo.

 

Esta manhã, o Jesus mais amado não veio, no meu interior eu pensava: “Como é que isso acontece? O que há de novo? Ontem, chegou tantas vezes e hoje a essa hora está atrasado e nem visível! Que desgosto, quanta paciência é necessária com Jesus! Todo o meu interior me pareceu colocar tudo nos braços, que eles queriam Jesus e me fizeram uma guerra para me dar sentenças de morte.

A vontade, como superior a tudo, buscava trazer a paz persuadindo meus sentidos, inclinações, desejos, afetos e tudo o mais para ficar quieta, porque Jesus tinha que vir. Então, depois de um longo sofrimento, Jesus veio carregando um copo na mão, cheio de sangue coagulado, podre e fedorento e me disse:

Você vê este copo de sangue? Vou derramar no mundo “.

Enquanto Ele dizia isso, a Mãe veio, a Santíssima Virgem e, juntamente com o meu confessor, orou a Jesus para que Ele não o derramasse no mundo, mas que Ele fizesse isso por mim. O confessor lhe disse: “Senhor, qual é o sentido de mantê-la vítima se você não quiser derramar isso nela?”

Eu absolutamente quero que você a faça sofrer e poupe as pessoas “.

A Mãe chorou e insistiu com Jesus, e com o confessor para não desistir de orar até que Jesus se contentasse em aceitar a mudança. Jesus insistiu que Ele queria derramar isso em todo o mundo e [num] primeiro [momento] parecia quase como se Ele franzisse a testa.

Eu me vi toda confusa, não sabia dizer nada, porque era tanto o horror que Ele estava fazendo ao ver aquele copo cheio de sangue tão feio que tremia em toda a natureza; quem iria beber? Mas eu estava resignada, no entanto, que se o Senhor tivesse me dado, eu teria aceitado.

Quem pode então dizer os castigos que eles continham naquele sangue, se o Senhor derramasse no mundo? A partir deste dia, de fato, parece que Ele estava segurando um granizo que causaria muitos danos e parece que isso iria continuar nos dias seguintes.

Depois, Jesus parecia um pouco mais calmo, tanto que parecia que o confessor o abraçou, porque ele havia orado a Ele dessa maneira, mas sem chegar a nenhuma determinação, se Ele deveria derramar sobre as nações ou não. Assim está terminado, deixando-me uma punição indescritível do que poderia acontecer.

16 de junho de 1899

Os castigos são necessários para humilhar as criaturas.

 

 

Ele continua a mostrar a si mesmo que quer punir; Rezei para Ele que Ele quisesse derramar sua amargura em mim e que quisesse salvar o mundo inteiro e, se isso não fosse possível, pelo menos aqueles que pertencem a mim e ao meu país. Com essa intenção, parecia que a intenção do confessor também estava unida, e parecia que Jesus, vencido por orações, derramou um pouco da boca, mas não aquele cálice mostrado acima.

O pouco que Ele me deu, parecia que era para salvar de alguma forma o meu país (Itália), mas não em tudo e naqueles que me pertencem. Mas nesta manhã fui a causa da aflição de Jesus, e depois mais tarde, vi-o mais calmo, sem pensar nisso, disse-lhe: “Meu amado Jesus, peço que me liberte do aborrecimento que dou ao confessor a qual ele vêm todos os dias.

Quanto custa você me libertar e você me colocar em sofrimento (petrificada) e você me libertar? É claro que não lhe custa nada e, se você quiser, pode fazer tudo! ”Enquanto eu estava dizendo isso a Ele, Jesus fez uma cara tão angustiada, que senti aquela aflição penetrando nas profundezas do meu coração e sem dizer uma palavra Ele desapareceu. (Luisa insistindo na vontade humana dela)

Como eu estava mortificada, somente o Senhor sabe! Especialmente pensando que Ele nunca mais voltaria! Porém, mais tarde Ele voltou, mas com mais aflição, carregando um rosto todo inchado e cheio de sangue, porque então eles haviam feito essas ofensas a Ele.

Jesus, todo triste, disse:

Viu o que eles fizeram comigo? Como você diz que não quer punir as criaturas? [Os castigos] são necessários para humilhá-los e não fazê-los pecar mais.

 

 

17 de junho de 1899

Ela não quer participar de punições.

Ainda continua o mesmo, mas especialmente nesta manhã eu estava sempre brigando com meu querido Jesus: Ele, que queria continuar enviando saraiva, como fez nos últimos dias e eu não queria. Quando, na melhor das hipóteses, parecia que uma tempestade estava se formando e deu comando aos demônios que destruíram vários pontos com o flagelo do granizo.

No mesmo ato, vi que, de longe, me chamava o confessor, dando-me a obediência de que fosse colocar os demônios em fuga, para não deixá-los fazer nada. Enquanto eu saí para ir, Jesus veio me encontrar, me fazendo voltar.

Eu disse a Ele: “Bendito Senhor, não posso, porque é a obediência que me chamou e você sabe que eu e Você a essa virtude devemos ceder, sem poder se opor a ela “.

Então Jesus: “Bem, eu farei isso por você“. E assim Ele ordenou que os demônios fossem para partes mais distantes e, por enquanto, não tocassem nas terras pertencentes ao nosso país.

Então Ele me disse: “Vamos“.

Então voltamos, eu pra cama e Jesus ao meu lado. Assim que chegamos, Jesus quis descansar dizendo que estava muito cansado; Eu o prendi dizendo: “Quem sabe o que é esse sono que você quer fazer? E então, a linda obediência que você me fez fazer! Para que você quer dormir? Esse é o bem que você me quer? E [diz] que você quer me contentar em tudo? Você quer dormir durma bem, apenas me dê a palavra de que você não fará nada!” (ela tinha receio Dele dormir e o mundo sofrer castigos)

Então, sentindo pena do meu descontentamento, Ele me disse:” Minha filha, mas eu gostaria de contentá-la! Vamos fazer isso: vamos sair juntos novamente entre as pessoas e aqueles que vemos que são necessários para punir pelas muitas ações nefastas – pelo menos, quem sabe [isso] sob o flagelo que se rendeu! E quem você quer [punir]; e aqueles que são menos necessários para punir e que você não quer, eu os pouparei “.

E eu: “Senhor, obrigado, devolvo sua grande bondade em me agradar, mas com tudo isso não posso fazer o que você me diz, não sinto forças para colocar minha vontade em castigar qualquer uma de suas criaturas; e então, que tormento será do meu pobre coração quando ouvir que tal ou aquele foi punido e que eu coloquei minha vontade nisso! ”

Então o confessor veio me chamar para eu ir e acabou.

19 de junho de 1899

Instabilidade em fazer o bem.

Tendo passado um dia no Purgatório ontem devido à privação quase total do Bem Supremo e às muitas tentações que o demônio me deu, me pareceu que cometi muitos pecados.

Oh Deus, que pena, ofendi a Deus! Hoje de manhã, assim que vi Jesus, imediatamente lhe disse: “Bom Jesus, perdoe-me os muitos pecados que cometi ontem”. E eu queria contar a Ele todo o mal que senti que tinha feito. Ele, quebrando meu ditado, me disse: “Se você se faz desaparecer, nunca pecará“.

Eu queria continuar dizendo, mas Jesus, me fazendo ver muitas almas devotas e me mostrando que não queria ouvir o que queria dizer a Ele, Ele começou novamente a dizer: “O que mais me arrependo dessas almas é a instabilidade em fazer o bem. Apenas uma coisinha, uma tristeza, até um defeito, enquanto então é o momento mais necessário para se apegar mais a Mim, aqueles ao invés disso, eles ficam irritados, perturbam e negligenciam o bem iniciado. Quantas vezes eu preparei as graças para eles e, vendo-os tão instáveis, fui forçado a desacreditar neles! ”
(Jesus observa quando queremos iniciar algum bem às pessoas, permite dificuldades e contrariedades, ingratidões das pessoas, tudo para garantir méritos e graças no bem a ser feito com intenção pura de agrada-Lo. Mas tem pessoas que ofendem muito a Jesus, quando em meio as ingratidões e dificuldades, reclamam, e desistem do bem iniciado e param o que buscavam fazer, assim impede Jesus de derramar suas graças preparadas para essas almas)

Então, sabendo que Ele não queria saber nada sobre o que eu queria dizer a Ele e vendo meu confessor que estava doente em seu corpo, orei por ele e fazendo várias perguntas, que não é necessário aqui contar. E Jesus respondeu-me tudo com benignidade; e assim está terminado.

20 de junho de 1899

O amor com que São Luis Gonzaga operava.

A mesma coisa é quase sempre continuada. Parece que hoje de manhã Jesus queria brincar um pouco. Depois de procurá-lo por algum tempo, vi uma criança de longe, como um raio caindo do céu, então notei.

Assim que cheguei, peguei-o nos braços e, como uma dúvida, me ocorreu: ainda não era Jesus! Eu disse a Ele: “Meu querido, me diga quem é você?”

E Ele: “Eu sou o seu querido e amado Jesus“.

E eu para Ele: “Meu pequeno bebê, meu querido, imploro que você leve meu coração e leve-o para o céu!” Jesus parecia pegar meu coração e o uniu ao Dele para que um só fosse feito.

Depois que o Céu foi aberto, parecia que Ele estava se preparando para uma grande festa. No ato em si, um jovem de aparência vaga desceu do céu, todo brilhando com fogo e chamas. Jesus me disse: ”

Amanhã é a festa do meu querido Luís, tenho que ir e ajudar”.

E eu: “Então você me deixa só?”

E Ele: “Você também virá. Veja como Luis é bonito? Mas o que mais havia nele que o distinguia na terra era o amor com  qual ele trabalhava. Tudo era amor nele: o amor ocupava o interior, o amor o cercava [fora], de modo que se podia dizer que a sua respiração era amor. Portanto, diz-se dele que ele nunca sofreu distração, porque o amor o inundou em todos os lugares e a partir desse amor ele será inundado eternamente, como se vê “.

E assim parecia que o amor de São Luís, poderia incinerar o mundo inteiro, de tão grande. Então, Jesus acrescentou: “Eu ando nas montanhas mais altas e faço minha alegria”.

Eu, não entendendo o significado, [Jesus] recomeçou a dizer: “As montanhas mais altas são os santos que mais me amam; e faço deles o meu prazer quando estão na terra e quando passam para o céu. Então, o céu todo está apaixonado “.

Depois disso, orei a Jesus que me abençoou e àqueles que vi naquele momento; e Ele, dando a bênção, desapareceu.

21 de junho de 1899

Jesus menino  brinca com Luisa.

Como ele não estava vindo, eu estava pensando comigo mesma: “Quem sabe que Jesus não virá mais a nós e me deixará abandonada!” E eu não disse nada mais do que: “Venha, meu amado, venha!” De repente, veio e Ele me disse: “Eu não vou te deixar, nunca vou te abandonar; você também vem, venha a Mim!

Eu corri imediatamente para me colocar em seus braços. Enquanto eu era assim, Jesus começou novamente a dizer: “Não só não vou deixar você, mas por seu amor não vou deixar Corato (cidade de Luisa)”.

Então, quase sem perceber, Ele desapareceu em um instante. Fiquei mais do que antes [com desejo] que o queria e estava dizendo: “O que você fez comigo? Como? Tão logo você foi embora sem sequer se despedir? ”

Enquanto eu estava respirando a dor, a imagem do Menino Jesus que eu seguro perto de mim parecia estar voltando à vida e de vez em quando sua cabeça saía de dentro da campainha para ver o que eu estava fazendo; quando viu que eu o avistei, Ele imediatamente voltou pra dentro, eu disse a Ele: ”

Você vê que é impertinente demais e deseja fazer-se criança! Sinto-me louca pela dor que você não vem e está brincando! Bem, brinque e brinque bem, porque terei paciência!”

22 de junho de 1899

Luisa não deixa Jesus dormir.

 

Hoje de manhã, meu doce Jesus queria continuar fazendo correções e querendo brincar. Ele veio, colocou as mãos no rosto, no ato de querer me acariciar, mas no ato de fazê-lo, desapareceu. Depois Ele voltou, estendeu os braços para o meu pescoço no ato de querer me abraçar, mas quando estiquei o meu para abraçá-lo, Ele me escapou como um flash, sem ser capaz de encontrá-lo.

Quem pode dizer as dores do meu coração? Enquanto meu pobre coração estava nadando neste mar de dor imensa, até que senti minha vida fracassar, Mãe Rainha veio, trazendo-o Criança para meus braços e, por isso, nos abraçamos juntos: Mãe, Filho e eu; para que eu tivesse tempo de dizer a Ele: ”

Meu Senhor Jesus, parece-me que você tirou sua graça de mim”. E Ele: “Sua tola! Como você diz que eu te tirei da minha graça enquanto estou em você? E qual é a minha graça se não Eu mesmo? 

Fiquei mais confusa do que antes, vendo que não conseguia falar e que nessas duas palavras havia dito que não havia dito nada além de erro. Mais tarde, a Rainha Mãe desapareceu e Jesus parecia se trancar dentro do meu interior e lá Ele permaneceu. Hoje, então, para meditação, Ele se mostrou dentro de mim enquanto dormia.

Eu estava olhando para Ele, babando em seu lindo rosto, mas sem despertá-lo, feliz em vê-lo pelo menos; quando em um instante a linda Rainha Mamãe voltou, ela o pegou de dentro do meu coração, movendo-o rapidamente para acordá-lo; depois de despertado, ela o colocou de volta nos meus braços, dizendo: “Minha filha, não o deixe dormir, pois se Ele dorme, você verá o que vai acontecer!

Era uma tempestade que estava sendo preparada; então a Criança, meio adormecida, estendeu as mãozinhas para o meu pescoço e me apertou, Ele me disse: “Mamma mia, mamma mia, deixe-me dormir“.
E eu: “Ninno, não sou eu quem não quer que você durma, é nossa Senhora Mamãe quem não quer e peço que você a agrade. É certo que nada é negado à Mãe ! ”

Depois de mantê-lo um pouco acordado, Ele desapareceu e acabou.

23 de junho de 1899

Ela vê o confessor junto com Jesus e ora por ele.

 

Tendo ouvido a Santa Missa e recebido a Comunhão, meu amante Jesus se mostrou dentro do meu coração; então me senti saindo de mim mesma, mas sem Jesus, vi meu confessor [e] como ele havia me dito que “depois da comunhão, nosso Senhor virá e você orará por mim”, logo que vi meu confessor, eu disse a ele: ”

Padre, você me disse que Jesus tinha que vir e Ele não veio”. Ele me disse: “Porque você não sabe como encontrá-Lo, então diz que Ele não veio”.

Tentei me olhar e vi os pés de Jesus saindo de dentro do meu interior. Eu imediatamente os peguei em minhas mãos e puxei Jesus para fora; Eu o abracei e, vendo-o com a coroa de espinhos na cabeça, tirei e entreguei ao confessor, dizendo para ele enfiar na minha cabeça; e assim ele fez.

De jeito nenhum, não importa o quanto ele se esforçasse, ele não conseguiria penetrar um único espinho! Eu disse a ele: ”

Força, não tema que eu sofra muito, pois, como você vê, é Jesus quem me dá força”. Por mais que tentássemos, parecia ser impossível. Então ele me disse: “Não é minha força poder fazer isso; e [porque] sendo nos ossos [que] esses espinhos devem penetrar, não sou capaz de poder fazê-lo .

Então me virei para o meu doce Jesus dizendo: “Você vê que o padre não sabe como colocá-la, coloque Você mesmo”. E assim Jesus estendeu as mãos e em um instante fez todos aqueles espinhos penetrarem dentro da minha cabeça, com dor e satisfação indescritíveis.

Depois disso, juntamente com o confessor, oramos a Jesus para derramar suas amarguras, para poupar o povo de tantos flagelos que Ele está derramando sobre eles, como parecia hoje, que um granizo estava sendo preparado um pouco longe de nós; então o Senhor derramou um pouco para condescender com nossas orações.

Além disso, ao continuar vendo o confessor, comecei a orar a Jesus por ele, dizendo: “Meu bom e querido Jesus, peço que conceda ao meu confessor que faça tudo, de acordo com o seu coração e em conjunto para lhe dar saúde corporal. Você viu como ele cooperou para ajudar você, tanto com a coroa e em fazer você derramar.
Se ele não conseguiu enfiar os espinhos na cabeça, não foi para não elevar você, nem falta de vontade dele, mas porque sua força não era o bastante; portanto, também para isso você deve ajuda-lo. Então, diga-me, ó meu único e bom bem, você o fará se sentir bem tanto na alma quanto no corpo? ”

Mas Jesus me ouviu, mas não me respondeu; Eu me instalei ainda mais a orar dizendo: “Hoje de manhã não vou deixar Você ou deixarei de orar se Você não me der a palavra de que vai me responder pelo que lhe peço”.

Mas Jesus não disse uma palavra. Quando na melhor das hipóteses nos encontramos cercados por pessoas; estes pareciam estar sentados ao redor de uma mesa, comendo e havia também a minha porção.

Jesus me disse: “Minha filha, estou com fome“. E eu: “Dou-te a tua parte, não estás feliz?”

E Jesus: “Sim, mas eu não quero ser visto, o que sou“. E eu: “Bem, mostrarei que tomo para mim e, sem me deixar avisar, darei a você”. E assim fizemos.

Logo após Jesus, levantando-se e aproximando os lábios do meu rosto, começou a sair da sua boca algo como um som de trombeta. Todas aquelas pessoas empalideceram e tremeram, dizendo entre si: “O que é, o que é? Agora nós morremos “.

 

Eu disse a Ele: “Meu Senhor Jesus, o que você está fazendo? Como? Até agora você não queria ser visto e começou a tocar? Fique quieto, fique quieto, não deixe que as pessoas temam você; você não vê como todos se assustam? ”

E Jesus:” Agora não é nada! O que será quando, de repente, parecer mais forte? O medo será tal que serão tomados, que muitos deixarão suas vidas ”.

E eu: “Meu adorável Jesus, o que você está dizendo? Sempre vá lá, você quer fazer justiça! Mas não! Misericórdia, misericórdia, peço-lhe, pelo seu povo! ”

Então, assumindo seu aspecto doce e benigno e continuando [eu] a ver o confessor, novamente comecei a incomodá-lo e Jesus me disse: “Farei seu confessor como aquela árvore enxertada, que não reconhece mais a velha árvore, tanto na alma quanto no corpo; e como penhor disso, eu te dei em suas mãos, como vítima, para garantir que ele se aproveite disso. “

25 de junho de 1899

Três alegrias espirituais da fé.

 

Jesus continua sendo visto esta manhã, de tempos em tempos, participando de alguns de seus sofrimentos, e às vezes também via o confessor unido [a Jesus].

Desde que ele me disse para orar por algumas de suas necessidades, vendo-o junto com Nosso Senhor, comecei a orar a Jesus, que o responderia no que ele queria. Enquanto eu estava orando a Ele, Jesus, com toda a bondade, se virou para o confessor e disse-lhe:

Fé, quero que você se inunde por toda parte, como aqueles barcos que são inundados pelas águas do mar; e como a fé sou Eu mesmo, sendo inundado por Mim e possuindo tudo, posso e dou livremente para aqueles que confiam em Mim, sem que você pense no que virá, quando e como fará, Eu, de acordo com as suas necessidades, Eu me prestarei para ajudá-lo “.

Então Ele acrescentou: “Se você praticar essa fé, quase nadando nela, darei três recompensas espirituais em seu coração. A primeira é que você penetrará nas coisas de Deus com clareza e, ao fazer as coisas sagradas, sentir-se-á inundado de alegria, com tanta alegria que se sentirá encharcado; e esta é a unção da minha graça.

O segundo é o tédio das coisas terrenas e você sentirá uma alegria das coisas celestiais em seu coração. A terceira é um desapego total de tudo e, onde antes de você sentir inclinação, você sentirá um incômodo, como Eu tenho introduzido em seu coração há algum tempo e você já está experimentando. E por isso seu coração será inundado pela alegria que as almas simples e desapegadas desfrutam, que têm seus corações tão inundados pelo meu amor, que não recebem nenhuma impressão das coisas que as cercam externamente “.

4 de julho de 1899

Jesus fala da Rainha Mãe e de perturbação.

Hoje de manhã, quando Jesus renovou as dores da crucificação, nossa Rainha Mãe estava junto; e Jesus, falando dela, disse:

 

“Meu próprio reino estava no coração de minha mãe e isso é porque seu coração nunca foi muito perturbado, tanto que no imenso mar da paixão, ela sofreu imensas dores, e seu coração foi separado pela espada da dor, mas ela não emitiu sequer um suspiro mínimo de perturbação, então, como meu reino é um reino de paz, eu poderia estender em você meu reino e, sem receber nenhum obstáculo, reinar livremente “.

 

Tendo Jesus seguido outras vezes para vir e me vendo toda cheia de pecados, eu disse a Ele: “Meu Senhor Jesus, me sinto completamente coberta de feridas e pecados graves; Peço-lhe que tenha misericórdia dessa miserável!”

 

E Jesus:” Não temas, pois não há faltas graves. E então, é preciso ter horror à culpa, mas não se perturbe, porque a agitação, de onde quer que venha, nunca é boa para a alma”.

 

Então Ele acrescentou: “Minha filha, você é uma vítima, como Eu; que todas as suas obras brilhem com as mesmas intenções, puras e santas, para que, encontrando a minha própria imagem em você, possa livremente derramar a influência de minhas graças e, assim, adornada, Serei capaz de lhe oferecer como vítima perfumada perante a Justiça Divina.

9 de julho de 1899

Jesus participa de seus sofrimentos para continuar sua paixão.

Naquela manhã, Jesus quis renovar as penalidades da crucificação. Primeiro, Ele me carregou para fora de mim, sobre uma montanha e perguntou se eu queria me crucificar, eu disse: “Sim, meu Jesus, não desejo nada além da cruz”.

 

Enquanto eu dizia isso, uma cruz muito grande se apresentou e, em cima dela, me deitou e me pregou com suas próprias mãos. Que dores atrozes eu sofri quando senti minhas mãos e pés perfurados pelas estacas que, além disso, haviam surgido e que para fazê-las penetrar era difícil e vim a sofrer muito!

 

Mas com Jesus tudo era tolerável. Depois que Ele terminou de me crucificar, me disse: “Minha filha, eu uso você para poder continuar minha paixão. Visto que meu Corpo glorificado não pode sofrer mais, de modo que, ao entrar em você, faço uso de seu corpo como usei o meu em minha vida mortal, para poder continuar sofrendo minha Paixão e, assim, poder oferecer uma vítima. Vivendo, perante a Justiça Divina, de reparação e propiciação “.

 

Depois disso, parecia que o Céu estava se abrindo e uma multidão de santos desceu, todos armados com espadas. Uma multidão como o trovão saiu daquela multidão, que dizia: “Viemos defender a Justiça de Deus e nos vingar dos homens que abusaram tanto de sua misericórdia”.

 

Quem pode dizer o que aconteceu na Terra com essa descida dos santos? Só posso dizer que aqueles que estavam lutando de um ponto e aqueles do outro, aqueles que fugiram, aqueles que se esconderam; parecia que todo mundo estava consternado.

14 de julho de 1899

Jesus não pode deixar aqueles que O amam
.

Meu adorável Jesus continua hoje em dia a ser visto muito raramente. Sua visita é como um relâmpago que, embora se queira continuar a olhar, já escapa, e se algumas vezes Ele aparece um pouco, está quase sempre em silêncio; outras vezes Ele diz alguma coisa, mas no ato que vai embora, parece-me que Ele retira [aquela palavra] junto com aquela luz que me vem da Sua Pessoa, para que depois não me lembre de nada do que ele disse; minha mente permanece na mesma confusão de antes.

 

Que estado miserável! Meu querido Jesus, tenha piedade desta miserável, continue a fazer uso da sua misericórdia! Então, para não fazer longas filas e dizer dia a dia o que passei, direi aqui, todos juntos, algumas palavras que Ele me disse nos últimos dias.

 

Lembro-me de que, depois de derramar lágrimas muito amargas, Jesus, fazendo-se ver, eu reclamei que Ele havia me deixado, Jesus então chamou para si muitos anjos e santos e se dirigiu a eles e disse: “Ouçam o que ela diz, que eu a deixei! Fale um pouco para ela, posso deixar aqueles que Me amam? Como posso deixa-la? ”

 

E os santos estavam com o Senhor de acordo e fiquei mais humilhada e confusa do que antes. Outra vez, dizendo-lhe que: “Até quando você vai me deixar!?”

Jesus me disse: “Filha, eu não posso te deixar; e, como prova disso, coloquei meu sofrimento em você”.

 

Encontrando-me ocupada com o pensamento: “Como, Senhor, você permitiu que o padre viesse? O assunto poderia ter passado entre você e eu “, em um instante me vi fora de mim, deitada em uma cruz, mas não havia ninguém que pudesse me pregar. Comecei a orar ao Senhor para vir e me crucificar, e Jesus veio e me disse: “Você vê como é necessário que o sacerdote esteja no meio das minhas obras? E isso é [ainda] útil para realizar a crucificação; é certo que sem ninguém você não pode se crucificar sozinha; sempre precisamos da ajuda de outros “.

18 de julho de 1899

O Sacramento de Jesus está no coração de Luisa e, com luz e amor, eles se atraem.

Quase sempre continua o mesmo. Desta vez, pareceu-me que em meu coração Jesus foi abençoado e da Hóstia Ele espalhava tantos raios em meu interior, e em meu coração muitos fios saíam, entrelaçados [com] todos esses raios de luz. Pareceu-me que Jesus com seu amor atraiu todo o meu coração, com esses fios, atraiu e obrigou-se a estar comigo.

22 de julho, 1899

Como a cruz torna a alma transparente.

Meu adorável Jesus, nesta manhã, Ele se viu com uma cruz de ouro pendurada no pescoço, toda resplandecente e que, olhando para ela, desfrutei imensamente. Num instante, o presente confessor foi encontrado e Jesus disse-lhe:

 

Os sofrimentos dos últimos dias aumentaram o esplendor da cruz, de modo que, olhando para ela, tenho grande prazer nela“.

 

Então Ele se virou para mim e me disse: “A cruz comunica tal esplendor à alma, para torná-la transparente; e como quando um objeto é transparente, você pode dar todas as cores que desejar, então a cruz, com sua luz, oferece todos os recursos e formas mais bonitas que se possa imaginar, não apenas dos outros, mas também da própria alma que os sente.

 

Além disso, em um objeto transparente, imediatamente se descobre o pó, as pequenas manchas e até a sombra. Tal é a cruz; uma vez que torna a alma transparente, ela imediatamente descobre os pequenos defeitos, as imperfeições mínimas, tanto que não há mão de mestre mais habilidosa do que a cruz para fazer [isso] que mantém a alma preparada para torná-la uma habitação digna do Deus do céu ”.

(a cruz, são todas as contrariedades e sofrimentos sofridos pelas almas, que aceitam tudo resignadas, sem murmurar, sem reclamar, aceitam os desprezos das pessoas, permanecem pacientes e gratas pela oportunidade de sofrer angústias e amarguras)

 

Quem pode dizer o que eu entendi da cruz e quanto é invejar a alma que a possui? Depois disso, Ele me carregou para fora de mim e me vi em uma escada muito alta que, sob um precipício; além disso, os degraus dessa escada eram móveis e tão estreitas que pouco as pontas dos pés não puderam ser colocadas.

 

O mais aterrorizante foi o precipício e a incapacidade de encontrar apoio de qualquer tipo e, querendo subir as escadas, [estes] seguiriam. Vendo as outras pessoas que quase todas caíram, estremeceu meus ossos! No entanto, você não pôde deixar de passar por essa escada; então tentei, mas assim que dei dois ou três passos, vendo o grande perigo que corria de cair no abismo, comecei a chamar Jesus para me ajudar.

 

Então, sem saber como, encontrei Jesus comigo e Ele me disse:

 

Minha filha, isto que você viu é o caminho que todos os homens nesta terra andam; os degraus móveis, que nem podiam ser sustentados para ter apoio, são os suportes humanos, as coisas terrenas que, querendo [os homens] se apoiar,  (estudos, empregos, pessoas, aposentadoria, pensão, heranças, carros, casas, família, filhos, marido, saúde, beleza, etc) em vez de ajudá-los, lhes dão um empurrão para que caiam mais cedo no ‘inferno. O meio mais seguro é andar quase voando, sem descansar [na] terra, por força de seus próprios braços, com os olhos só para si, sem olhar para os outros, e também tendo todos eles empenhados em Mim em busca de ajuda e força; para que você possa evitar facilmente o precipício “.

 

 

28 de julho de 1899

 

 A marca mais nobre da alma é a cruz. 

 

Hoje de manhã, meu adorável Jesus apareceu com uma aparência admirável e misteriosa. Ele usava uma corrente em volta do pescoço, pendurada em todo o peito; de um lado você podia vê-lo como um arco, do outro lado da corrente como uma aljava, cheia de pedras preciosas e gemas, que davam um ornamento das mais belas ao peito de meu doce Jesus, e com uma lança na mão.

 

Enquanto Ele estava nesse aspecto, me disse:

 

A vida humana é um jogo; quem brinca com prazer, quem [com] dinheiro e quem [com] sua vida, e muitos outros jogos que eles fazem. Eu também gosto de brincar com almas; mas quais são essas piadas que eu faço?

 

São as cruzes que envio; se eles as recebem com resignação e me agradecem por isso, eu me recrio e brinco com elas, agradando-Me imensamente, recebendo grande honra e glória deles e fazendo-os fazer compras maiores (de mais graças)”.

 

No ato de dizer isso, Ele começou a me tocar com a lança; do arco e da aljava, já todas aquelas pedras preciosas que continham dentro, saíram e se transformaram em tantas cruzes e flechas que feriram as criaturas. Alguns, mas em número muito limitado, se alegraram, os beijaram e agradeceram a Ele e vieram formar um jogo com Jesus; outros então os pegaram e os jogaram, sobre os quais encararam Jesus: como Jesus foi afligido por eles e quão grandes almas foram essas almas!

 

Então Jesus acrescentou: “Esta é a sede que eu chorei na cruz, que não sendo capaz de saciar sua sede inteiramente, tenho o prazer de continuar saciando sua sede nas almas dos meus entes queridos que sofrem. Então, sofrendo, venha e descanse a minha sede “.

 

Voltando outras vezes e, implorando para que Ele libertasse o confessor sofredor, Ele me disse:

Minha filha, você não sabe que a marca mais nobre que posso imprimir em meus queridos filhos é a cruz?”.

 

30 de julho de 1899

 

Não julgue

 

Hoje de manhã, transportando Jesus para mim, de acordo com o habitual, fora de mim (do corpo), passamos no meio de muitas pessoas e, a maior parte estava decidida a julgar as ações de outras pessoas sem olhar para elas mesmas.

 

Meu amado Jesus me disse: “A maneira mais certa de estar certo com o próximo é não olhar para o que eles fazem, pois olhar, pensar e julgar é tudo a mesma coisa. Então, olhando para o vizinho [o homem] vem defraudar sua própria alma, então acontece que ele não é certo nem para si mesmo, nem para o próximo, nem para Deus

 

Depois disso, eu disse a Ele: “Meu único bem, você não me beija há algum tempo ”; E então nós dois nos beijamos. E, quase querendo me corrigir, Ele acrescentou: “Minha filha, o que eu recomendo a você é preservar e estimar minhas palavras, porque minha palavra é eterna e santa como eu e, mantendo-a em seu coração e aproveitando, você terá a sua santificação e você receberá um esplendor eterno, produzido pela minha palavra, em recompensa. Se não, sua alma receberá um vazio e você ficará em dívida comigo ”.

 

 

31 de julho de 1899

 

 Jesus aparece em silêncio para ela.

 

Continuando Jesus a vir, nesta manhã, estava sempre em silêncio, mas [no entanto] fiquei muito feliz, desde que tivesse meu tesouro Jesus, porque, tendo-o, tinha todo o meu conteúdo. Muitas coisas eu entendi, ao vê-lo, de sua beleza, de sua bondade e muito mais; mas como tudo era pela inteligência e pela comunicação intelectual, a boca não pode expressar nada, então eu a passo em silêncio.

 

 

1º de agosto de 1899

 

Sobre Pureza

 

 

Esta manhã, meu Jesus mais doce, carregando-me para fora de mim, mostrou-me a corrupção na qual a raça humana caiu. É horror pensar nisso! Enquanto eu estava no meio dessas pessoas, Jesus disse, quase chorando:

 

Oh, homem, como você se desfigurou, se deformou! Oh Eu te fiz como meu templo vivo e você se tornou o lar do diabo!

 

Olha, também as plantas, cobertas de folhas, flores e frutos, ensinam a honestidade, a modéstia que você deve ter do seu corpo; e você, tendo perdido toda a modéstia e até admiração natural que deveria ter, tornou-se pior do que os animais, tanto que não tenho mais ninguém que se pareça com você! (nudez, impureza, decotes, roupas apertadas mulheres, curtas…)

 

Você era minha imagem, mas agora não se reconhece mais, pelo contrário, me deixa tão horrorizado com suas impurezas, que me deixa doente de ver você e você me força a fugir de você“.

 

Enquanto isto é o que Jesus disse, senti-me atormentada pela tristeza ao ver meu amado Jesus tão amargurado, e disse-lhe: “Senhor, você está certo que não encontra mais nada de bom no homem e que ele alcançou tanta cegueira que não se conhece. Nem mesmo para se apegar às leis da natureza; assim, se você quiser olhar para o homem, não fará nada além de enviar castigos; portanto, por favor, mire na sua misericórdia e tudo será remediado”.

 

Enquanto eu dizia isso, Jesus me disse: “Filha, descansa-me pelas minhas dores“.

 

No ato de dizer isso, Ele removeu a coroa de espinhos que parecia estar incorporada em sua adorável cabeça e a colocou na minha. Senti dores muito amargas, mas fiquei feliz por Jesus ter sido revigorado.

 

Depois disso, Ele me disse: “Filha, amo muito as almas puras e, dos imundos, sou forçado a fugir, destas (as puras), em vez disso, como um imã, sou puxado para ficar com elas. Para as almas puras, de bom grado, imprimo minha boca para fazê-las falar com a minha mesma língua, para que não tenham que suportar muito trabalho para converter almas. Nessas almas, tenho o prazer de não apenas continuar minha paixão nelas e ainda assim continuar a redenção, mas o que é mais, Estou extremamente satisfeito por glorificar minhas próprias virtudes nelas“.

 

2 de agosto de 1899

 

 Correspondência para Jesus

 

Esta manhã, meu adorável Jesus se viu todo aflito e quase zangado com os homens, ameaçando os castigos habituais e fazendo as pessoas morrerem subitamente sob relâmpagos, granizo e fogo. Orei muito a Ele para que Ele se acalmasse e Jesus me disse:

 

Há tantas iniqüidades que sobem da terra para o céu, que se a oração estivesse faltando por um quarto de hora e as almas pararem de sofrerem vítimas diante de mim, Eu faria o fogo (magma) sair da terra e inundar o povo”.

 

 Então Ele acrescentou: “Veja quantas graças eu tive que derramar sobre as criaturas, mas, como não encontro correspondência, sou forçado a retê-las em Mim, mas elas fazem com que me transformem em punição.

 

Considere você, minha filha, para corresponder às muitas graças que estou derramando em você, pois a correspondência é a porta aberta para que eu entre em seu coração e forme minha casa lá. A correspondência é como aquela boa recepção, essa estima usada por essas pessoas quando elas vêm visitá-la, de modo que, atraídas por esse respeito, pelas maneiras de afabilidade que se usa com elas, são forçadas a vir outras vezes e eles passam a não saber se destacar.

 

Tudo está em correspondência; e na medida em que eles me correspondam e se tratam na terra, eu os trarei para o Céu: fazendo com que encontrem as portas abertas, convidarei toda a Corte Celestial a recebê-los e colocá-los no trono mais sublime; mas tudo será o oposto para aqueles que não me correspondem“.

 

 

7 de agosto de 1899

 

Sobre o nada de nós mesmos.

 

Hoje de manhã, meu adorável Jesus não veio a nós. Depois de muita espera, Ele finalmente chegou.

 

Minha confusão e aniquilação foram tão grandes que não pude contar nada a Ele. Jesus me disse:

 

Quanto mais vocês se aniquilarem e conhecerem o seu nada, mais minha Humanidade, ao atingir raios de luz, comunicará a vocês minhas virtudes“.

 

Eu lhe disse: “Senhor, sou tão feia que fico horrorizada comigo mesma, quem estará diante de ti?”

 

E Jesus: “Se você é feia, sou Eu que posso torná-la bonita“.

 

E no ato de dizer isso, Ele enviou uma luz Dele para minha alma e parecia que ele me comunicava a beleza; e então, me abraçando, começou a dizer: “Como você é linda, mas linda da minha própria beleza, por isso sou atraído pra amar você“.

 

Quem pode dizer como fiquei confusa? Mas tudo seja para a sua glória.

 

 

8 de agosto de 1899

 

 A alma resignada é o descanso de Jesus.

 

Ele continua sendo visto, quando mal chega aos 30 anos e quase zangado com os homens e, tanto quanto eu rezei para que Ele derramasse sua amargura em mim, era impossível; e, sem prestar atenção ao que eu estava dizendo, Ele me disse:

 

“A resignação absorve tudo o que pode ser doloroso e repugnante para a natureza e converte em doçura; e sendo o Ser, pacífico, tranquilo, para que o que quer que aconteça no céu ou na terra, não possa receber sequer o menor suspiro de perturbação, portanto, a resignação tem a virtude de enxertar essas mesmas virtudes minhas na alma.

 

 A alma resignada está sempre em repouso, não apenas ela, mas também Me permite descansar nela pacificamente “.

(Resignar-se é nunca se perturbar, sentir mal estar pelas provas da vida, as dores, cruzes, sofrimentos, amarguras, contrariedades, doenças, problemas, falta de dinheiro, falta de bens materiais, emprego, e qualquer desprezo, falta de elogios e reconhecimento, etc… aceitar tudo sem nunca se mexer… agradecer a Jesus a graça de poder imitá-lo nisso, pois Ele viveu totalmente sofrendo sem nunca se queixar, só oferecia tudo ao Pai. A Alma resignada não sofre nunca acima de suas forças, e Jesus depois que viu ela firme na resignação, derrama graças para resolver todos os seus problemas, se ela permanecer confiante e souber pedir a vontade de Deus para a vida dela)

 

10 de agosto de 1899

 

Da justiça e como Jesus é ferido pela simplicidade. Frutos da justiça: verdade e simplicidade.

 

Enquanto meu doce Jesus veio nesta manhã, Ele me tirou de mim e desapareceu. E, deixando-me sozinha, vi que do céu desciam algo como dois castiçais de fogo e que, então, se dividiam em tantos pedaços,  e formavam-se tantos raios e granizo que desciam ao chão e causavam grande agonia nas plantas e nos homens.

 

Foi um horror o cativeiro da tempestade, que não se podia nem orar e as pessoas não podiam ir para casa. Quem pode dizer o quão assustada eu estava? Então eu comecei a orar para apaziguar o Senhor, e Ele, voltando, vi que na mão Ele carregava como uma varinha de ferro e na ponta [tinha] uma bola de fogo; e me disse:

 

Minha justiça há muito tempo é retida e, com razão, quer se vingar das criaturas, enquanto elas se atrevem a destruir nelas toda a justiça. Ah, sim, não consigo encontrar nada certo no homem!

 

Tudo é forjado (falsidade): em palavras, em obras e em etapas, tudo é decepção, tudo é fraude, tudo é injusto; de modo que a penetração no coração, interna e externa, não passa de um porão de vícios. Pobre homem, como você se reduziu!¨

 

Enquanto Ele dizia isso, agitou a varinha na mão no ato de machucar o homem. Eu disse a Ele: “Senhor, o que você está fazendo?”

 

E Ele: “Não tenha medo; vê esta bola de fogo que dispara? Ela afetará só os maus, os bons não receberão nenhum dano ”.

 

E acrescentei: “Ah, Senhor! Quem é bom? Somos todos maus! Peço-lhe que não olhe para nós, mas para a sua infinita Misericórdia, e assim ficará satisfeito com todos.”

 

Depois disso, Ele acrescentou: “Filha da Justiça isso é verdade. Como eu sou a verdade eterna que não se engana nem pode se enganar, a alma que possui justiça faz brilhar a verdade em todas as suas ações; portanto, conhecendo por experiência a verdadeira luz da verdade, se alguém quiser enganá-la, pela falta dessa luz que sente em si mesmo, conhece imediatamente o engano; acontece que, com essa luz da verdade, ela não engana a si mesma ou ao seu próximo, nem pode receber o engano.

 

Simplicidade é o fruto que produz essa justiça e essa verdade. Outra qualidade do meu Ser é o simples ser, que penetra em toda parte; não há nada que possa me opor a penetrar nela: penetro no céu e nos abismos, para o bem ou para o mal; mas meu Ser muito simples, penetrando até no mal, não fica sujo, de fato, não recebe a menor sombra.

 

Assim, a alma, com justiça e verdade, reunindo em si esse belo fruto da simplicidade, penetra no Céu, é introduzida nos corações para conduzi-los a Mim, penetra em tudo que é bom e, encontrando-se com os pecadores, para ver o mal que eles praticam não permanece suja, porque, sendo simples, cuida imediatamente, sem receber nenhum dano. A simplicidade é tão bela que meu coração permanece ferido ao olhar de uma alma simples.

 

 

12 de agosto de 1899

 Jesus transforma tudo em si mesmo e ensina sua caridade.

 

 

Hoje de manhã, meu adorável Jesus, depois de me esperar por um tempo, veio e me disse:

 

Minha filha, hoje de manhã quero conformar você completamente a Mim: quero que pense com minha própria mente, que olhe com meus próprios olhos, que ouça com meus próprios ouvidos, que fale com minha própria língua, que trabalhe com minhas próprias mãos, que ande com meus próprios pés e que me ame com meu próprio coração “.

 

Depois disso, Jesus uniu seus sentidos, mencionados acima, aos meus e vi que Ele me deu sua própria forma; não somente isso, mas Ele me deu a graça de fazer disso o uso que Ele próprio fez disso; e então continuou a dizer:

 

Muito obrigado a você estando em Mim; Eu recomendo que você saiba como preservá-los ”.

 

E eu: “Estou com muito medo, meu amado Jesus, por me conhecer cheia de misérias, e que, em vez de me sair bem, use mal suas graças. Mas o que mais me faz temer é a linguagem, que muitas vezes me faz cair na falta de caridade ao próximo “.

 

E Jesus: “Não tenha medo, eu vou te ensinar como você deve continuar falando com os outros. A primeira coisa, quando algo lhe é dito a respeito do próximo, lança um olhar sobre si mesma e observa se você é culpada desse [mesmo] defeito e, em seguida, querer corrigir é querer indignar-Me e escandalizar os outros.

 

A segunda: se você se vê livre desse defeito, então se alivie e tente falar como Eu teria falado; então você vai falar na minha própria língua. Ao fazer isso, você nunca falhará na caridade ao seu próximo; de fato, com seus discursos, fará bem a você, ao seu próximo e a Mim me dará honra e glória.

 

13 de agosto de 1899

 

Jesus tirou a imagem de Luisa.

 

Ele continuou a ser visto nesta manhã, quando justo, sempre ameaçando punições e, enquanto eu fazia isso para rezar para Ele se acalmar, quando um flash me escapou na minha frente.

 

A última vez que Ele veio, mostrou-se crucificado; Eu me coloquei perto de beijar suas feridas mais sagradas, fazendo várias adorações, mas enquanto fazia isso, em vez de Jesus Cristo, vi minha própria imagem.

 

Fiquei surpresa e disse: “Senhor, o que estás fazendo? Eu mesmo estou me adorando? Isso não pode ser feito! “E, no mesmo ato, Ele se mudou na pessoa Dele mesmo e me disse:

Não se surpreenda por eu ter visto sua própria imagem. Se eu sofro em você continuamente, que maravilha é você ter assumido a mesma forma? E então, não é para lhe dar a minha própria imagem que eu faço você sofrer? 

Eu estava toda confusa e Jesus desapareceu. Que tudo seja para sua glória, que seu santo nome seja sempre abençoado!

 

 

15 de agosto de 1899


A caridade ordena todas as virtudes.

 

Meu doce Jesus, nesta manhã, veio todo alegre, carregando um ramalhete de flores muito graciosas nas mãos e, colocando-se no meu coração, com essas flores agora Ele rodeava a cabeça, após as segurou nas mãos, se recriando e se divertindo. Ao comemorar com essas flores, parece que fiz uma grande compra.

 

Ele se virou para mim e me disse: “Minha amada, hoje de manhã vim colocar todas as virtudes do seu coração em ordem. As outras virtudes podem ser separadas uma da outra, mas a caridade liga e ordena tudo. Aqui está o que eu quero fazer em você: pedir caridade ”.

 

Eu disse a Ele: “Meu primeiro e único Bem, Como você pode fazer isso porque eu sou tão ruim e cheia de defeitos e imperfeições? Se a caridade é ordem, esses defeitos e pecados não são desordens que mantêm minha alma agitada e revirada? ”

 

E Jesus:” Purificarei tudo e a caridade colocará tudo em ordem. E então, quando eu compartilho uma alma dos sofrimentos da minha paixão, não pode haver falhas graves, pelo menos algum defeito venial involuntário; mas meu Amor, sendo fogo, consumirá tudo o que é imperfeito em sua alma “.

 

Assim, parecia que Jesus me purificou e ordenou tudo; depois derramou como um filete de mel do seu coração no meu e com esse mel Ele regou todo o meu interior, para que tudo o que estava em mim permanecesse em ordem, unido e com a marca da caridade.

 

Depois disso, senti-me saindo de dentro para a abóbada dos céus, junto com meu amante Jesus. Parecia que tudo estava em celebração: céu, terra e purgatório; todos foram inundados com uma nova alegria e júbilo. Muitas almas saíram do Purgatório e, quando um raio veio ao céu, para assistir à festa de nossa Rainha Mãe. Também me empurrei no meio daquela imensa multidão de pessoas, ou seja, anjos, santos e almas no Purgatório, que ocupavam aquele novo Céu, que era tão imenso, que o nosso que vemos, comparado com isso, me parecia um pequeno buraco; muito mais do que eu tinha a obediência do confessor.

 

Mas enquanto eu olhava, não vi nada além de um Sol muito brilhante que espalhou raios que me penetravam de um lado para o outro, para se tornar como cristal, e a distância infinita que passa entre o Criador e o mundo eram muito bem vistas. Especialmente desde aqueles raios, cada um tinha sua própria marca: quem era o centro da santidade de Deus, quem era a pureza, quem era o poder, quem era a sabedoria e todas as outras virtudes e atributos de Deus. Então, a alma, vendo seu nada, suas misérias e sua pobreza, se sentiu aniquilada e, em vez de olhar, afundou no chão diante daquele Sol Eterno, diante do qual não há ninguém que possa ficar diante dele.

 

O mais importante era que, para ver o banquete de nossa Rainha Mamãe, era preciso olhar de dentro daquele Sol: tanto a Virgem Maria parecia imersa em Deus, que não via nada de outros pontos. Agora, enquanto eu estava nesse estado de aniquilação diante daquele Sol Divino, e a Rainha Mãe [estava] segurando o Bebezinho nos braços, Jesus me disse:

 

Nossa Mãe está no Céu; Dou-lhe o cargo de ser minha mãe na terra. E como minha vida está continuamente sujeita ao desprezo, à pobreza, às dores, ao abandono dos homens, e minha mãe estando no chão foi minha fiel companheira de todas essas dores, não apenas, mas ela tentou me elevar em tudo, por mais que sua força poderia, você também, agirá como minha mãe, manter-te-ei fiel em todas as minhas dores, enquanto você sofrer as minhas o máximo que puder e, onde não puder, tentará me dar pelo menos um refresco.

 

Mas saiba que Eu quero que você se concentre em Mim; Sentirei ciúmes até de sua respiração se você não fizer isso por Mim; e quando Eu vir que você não ficará inteiramente contente comigo, Eu não te darei paz nem descanso “.

 

Depois disso, comecei a ser mãe Dele, mas, oh, quanta atenção eu precisava para agradá-lo! Você nem podia procurar em outro lugar, para vê-lo satisfeito! Agora Ele queria dormir, outra queria beber, outra Ele queria se recriar com carícias e eu tinha que estar pronta para tudo o que Ele queria; depois Ele disse: “Mamma mia, minha cabeça dói, por favor, me levante!”

 

Enquanto eu fazia isso para que Ele descansasse, na melhor das hipóteses, Ele se levantou e disse: “Sinto um peso e um sofrimento no coração ao ponto de sentir-me morrer; você vê um pouco do que está lá ”.

 

E observando no interior do coração, encontrei todos os instrumentos da paixão; um a um, tirei-os e coloquei-os no meu coração.

 

Então, vendo que Ele foi recriado, comecei a acariciá-lo e a sua volta cerquei-o e irradiava Nele e lhe dizia: “Somente Vós é meu único tesouro, você nem me mostrou o banquete de nossa rainha mãe, nem ouvi os primeiros cânticos que os anjos e santos fizeram na entrada que ela fez no paraíso! ”

 

As maiores honras e a alegria que ela teve ao ser feita a Mãe de Deus são renovadas; portanto, vamos recitá-lo juntos para honrá-la, e quando você vier ao céu, eu a deixarei encontrá-la como se você o tivesse recitado junto com os anjos pela primeira vez no céu “.

 

E assim recitamos a primeira parte da Ave Maria. Oh, como foi terno e comovente saudar nossa Santíssima Mãe junto com seu amado Filho! A cada palavra que Ele dizia, ele carregava uma luz imensa, na qual muitas coisas eram entendidas por conta da Santíssima Virgem; mas quem pode contar tudo, muito mais pela minha incapacidade? Por isso, passo por isso em silêncio.

 

 

16 de agosto de 1899

Luisa continua sendo a mãe de Jesus e Ele continua desejando que ela seja sua mãe;

 

De onde se viu tão gracioso menino, Ele chorou e, para acalmá-lo das lágrimas, segurando-o nos braços, comecei a cantar; Por isso, quando cantei, deixou de chorar e, quando não, retomou o choro.

 

Gostaria de passar em silêncio o que estava cantando, porque, primeiro, não me lembro de tudo, porque, estando fora de mim, é difícil acreditar em todas as coisas que passam, e também porque acredito que estão fora do lugar, mas a obediência, por ser impertinente demais, não quer me dar paz e, desde que faça o que Ela quiser, ela também fica contente com os meus erros.

 

Não sei, diz-se que essa obediência é cega e, para mim, parece-me ter todos os olhos, porque olha para as menores coisas, e quando não é feito como você diz, torna-se tão impertinente que não lhe dá paz. É por isso que ficar quieta com essa linda obediência – porque ela é tão boa quando você faz o que ela diz, que tudo o que você quer, através dela, tudo é obtido – então eu vou dizer o que me lembro de cantar:

” Filhinho, você é pequeno e forte, estou esperando por você todo conforto; Bebê lindo e lindo, você também se apaixona pelas estrelas; Querido, roube meu coração para preenchê-lo com seu amor; Garotinho, me faça uma garotinha; menino, você é um paraíso! Deixe-me vir e brincar no céu eterno “.

 

 

17 de agosto de 1899

 

Sra. Obediência.

 

Esta manhã, tendo recebido a comunhão, eu ia dizer ao meu adorável Jesus: “Como é que essa virtude da obediência é tão impertinente e às vezes é tão forte? Isso chega a tornar-la caprichosa!

 

“E Ele: ” Você sabe por que essa nobre senhora Obediência é como você diz? Porque ela dá morte a todos os vícios, e, é claro, quem precisa fazer com que outro sofra a morte deve ser forte, corajosa e, se ela não vier com isso, aproveita impertinências e caprichos.

 

Se isso é necessário para matar o corpo, que é tão frágil, muito mais para matar os vícios e paixões, o que é tão difícil que, às vezes, quando parecem mortos, eles começam a reviver novamente. Agora, essa dama diligente está sempre em movimento e está constantemente espionando; se ela vê que a alma faz a menor dificuldade para o que lhe é ordenado, então, temendo que algum vício seja capaz de começar a viver novamente em seu coração, a faz tanta guerra e não lhe dá paz, até que a alma não se prostre a seus pés e adore em silêncio o que deseja; é por isso que ela  é tão impertinente e quase caprichosa como você diz.

 

Ah sim! Não há paz verdadeira sem obediência; e se parece que a paz é desfrutada, é falsa paz, e parece [paz] porque está de acordo com as paixões, mas nunca com as virtudes; e acaba arruinando, porque se afastando da obediência [as criaturas] se afastam de Mim, que sou o rei dessa nobre virtude.

 

Então, a obediência mata a vontade de alguém e derrama a Divina em torrentes, tanto que se pode dizer que a alma obediente não vive por sua vontade, mas pela Divina; e alguém pode dar uma vida mais bela e santa do que a própria vontade de Deus? Com as outras virtudes, mesmo as mais sublimes, pode haver respeito próprio, mas nunca com obediência “.

 

 

18 de agosto de 1899

 

A verdade coloca a alma em ordem.

 

Chegando hoje de manhã ao amado Jesus, eu disse a Ele: “Meu amado Jesus, acredito que tudo o que escrevo são tantos erros”.

 

E Jesus: “Minha palavra não é apenas verdade, mas luz novamente, e quando uma luz entra em uma sala escura, o que ela faz? Escurece a escuridão e nos faz descobrir os objetos que estão lá, feios ou bonitos, se houver uma ordem ou uma desordem, e pela maneira como encontramos [o quarto] julgamos a pessoa que ocupa aquele quarto.

 

Agora a vida humana é o quarto escuro e quando a luz da verdade entra na alma, obscurece a escuridão, isto é, faz-nos descobrir o verdadeiro do falso, o temporal do eterno; então ela rejeita os vícios e coloca a ordem das virtudes, porque sendo minha luz santa [por causa da qual é minha própria divindade, ela não será capaz de comunicar nada além de santidade e ordem; portanto, a alma sente-se sair de si mesma, luz da paciência, da humildade, da caridade e outras coisas. Se a minha palavra produz esses sinais em você, qual é o sentido do medo? “

 

Depois disso, Jesus me fez sentir que Ele estava orando ao Pai por mim, dizendo:” Santo Pai, Eu te rogo por esta alma: faça cumprir tudo perfeitamente na vossa Santíssima Vontade; faça, ó adorável Pai, que suas ações sejam tão confirmadas com as minhas, mas de tal maneira que Vós não possa discernir uma da outro e, assim, será capaz de realizar acima dela o que eu desenhei ”.

 

Mas quem pode dizer a força que eu senti instilada em minha alma por essa oração de Jesus? Senti que estava vestindo a alma de uma fortaleza que, para cumprir a Santíssima Vontade de Deus, não teria me importado em sofrer mil martírios, se este fosse o seu consentimento. Que o Senhor sempre seja engrandecido, quanta misericórdia Ele usa com esta pobre pecadora!

 

 

21 de agosto de 1899

 

 Jesus mostra a Luisa como se sente atraído pelas almas que agem apenas para agradar a Ele.

 

Depois de passar dois dias sofrendo, meu benigno Jesus mostrou-se toda afabilidade e doçura. No meu interior, eu dizia: “Quão bom é o Senhor para mim! E, no entanto, não encontro nada de bom em mim que possa gostar.”

 

E Jesus, respondendo-me, disse-me: “Minha amada, uma vez que você não tem outro prazer e conteúdo, você acha que se retém, conversa e me dá gosto apenas em Mim, de modo que todas as outras coisas que não são minhas são nojentas para você, então Eu, sou seu prazer e seu consolo ao vir Me abraçar e conversar Comigo. Você não pode entender a força que tem em meu coração para me atrair a ti, uma alma que tem o único propósito de me agradar sozinha! Eu me sinto tão apegado a isso, que sou forçado a fazer o que ela quer”.

Enquanto Jesus disse isso, eu entendi que Ele falava assim, [porque] nos últimos dias, enquanto eu sofria amargas dores, no meu interior dizia: “Meu Jesus, tudo por seu amor! Essas dores são tantos atos de louvor, honra e homenagem que eu lhes ofereço; essas dores são tantas vozes que o glorificam e tantos certificados que dizem que eu te amo”.

 

 

22 de agosto de 1899

 

Jesus comunica suas virtudes a ela.

 

Meu querido Jesus continua a vir todo amável e majestoso. Enquanto Ele estava nesse aspecto, Ele me disse: “A pureza dos meus olhos brilham em todas as suas operações, de modo que, subindo novamente aos meus olhos, Me produz um esplendor e Me recria da imundície que as criaturas produzem“.

 

Fiquei completamente confusa com essas palavras, tanto que não ousei dizer nada a Ele, mas Jesus, voltando para mim, recomeçou a me dizer: “Diga-me, o que você quer?

 

E eu: “Quando eu tenho você, há mais alguma coisa que eu poderia desejar mais?”

 

Mas Jesus respondeu mais de uma vez que eu lhe dissesse o que eu queria; e eu, olhando-o, vi a beleza de suas virtudes e disse-lhe: “Meu doce Jesus, dê-me suas virtudes”.

 

E Ele, abrindo seu Coração, trouxe tantos raios distinguidos por suas virtudes, que quando entrei nos meus, senti-me toda fortalecida nas virtudes. Depois acrescentou: “O que mais você quer?”

 

E eu, lembrando que nos últimos dias, por causa de uma dor que sofri, me impediu de perder meus sentidos em Deus, disse-lhe: “Benigno, meu Jesus, faça essa tristeza não me impedir de me perder em ti “.

 

E Jesus, tocando a parte do sofrimento com a mão, atenuou a amargura do espasmo, para que eu pudesse me reunir e me perder Nele.

 

27 de agosto de 1899

 

Quando Jesus se manifesta em uma alma, ele lhe dá o conhecimento de si mesmo, de seu nada; Então Ele encheu-me Dele. E é o  contrário, quando é o inimigo.

 

 

Hoje de manhã, ao ver meu doce Jesus, senti um medo de que não fosse Ele, mas o demônio que me iludia. E Jesus, respondendo ao meu medo, me disse: “Quando Eu sou o único que se apresenta à alma, todos os poderes internos se aniquilam e conhecem seu nada, e Eu, vendo a alma humilhada, faço meu amor oprimir tantas correntes, para inundar tudo e fortalecê-la para sempre. O oposto acontece quando é o diabo “.


(Quando é o diabo, os poderes internos se mostram, as vaidades, a soberba, o orgulho, a vanglória, e muitos poderes das paixões. A alma fica cheia de si, se incha de si mesma. E essa alma fica oprimida de respeito humano, fraca se alguém a quiser corrigir ou humilhá-la, ela se ofende, e para de seguir o bem iniciado, desiste, fica no murmúrio do amor próprio)

 

 

30 de agosto de 1899

 

Ameaça de punição.

 

Hoje de manhã, meu amado Jesus me tirou de mim e me mostrou a decadência da religião nos homens e uma preparação para a guerra. Eu disse a Ele: “Oh, Senhor, em que estado de lágrimas o mundo está,  nestes tempos em termos de religião! Parece que o mundo não é mais reconhecido como sendo, que enobrece o homem e o faz aspirar a um fim eterno. Mas o que faz alguém chorar mais, é que eles ignoram a religião como parte daqueles que se dizem religiosos, que devem colocar suas vidas para defendê-la e revivê-la! ”

 

E Jesus, assumindo um aspecto mais aflitivo, me disse:

 

Minha filha, esta é a causa [do] porque o homem vive como um animal: porque Ele perdeu a religião! Mas os tempos mais tristes virão para o homem, com a dor da cegueira em que ele próprio mergulhou, tanto que o Meu coração me segura para vê-los.

 

Mas o sangue reviverá essa religião sagrada! [O sangue] que eu espalharei de todo tipo de pessoas, de seculares e de religiosos, ele regará o resto das pessoas selvagens que permanecerão e, refinando-as novamente, ele lhes devolverá sua nobreza. Aqui está a necessidade do sangue se espalhar e de as próprias igrejas serem quase derrubadas, para fazê-las voltar e existir com seu esplendor primitivo “.

 

Mas quem pode dizer o tormento cruel que eles farão nos próximos tempos? Passo em silêncio porque não me lembro muito bem e não a vejo tão clara; se o Senhor quer que eu fale sobre isso, ele me dará mais clareza e então eu voltarei a escrever sobre esse assunto, portanto, por enquanto vou apontar.

 

 

31 de agosto de 1899

 

O confessor dá [Luisa] a obediência para rejeitar Jesus e não falar com Ele.

 

 

Visto que o confessor deu obediência que, quando Jesus veio, tive que dizer: “Não posso falar, vá embora”.

 

Eu tomei isso como uma piada, não como uma obediência formal; portanto, quando Jesus veio, quase sem prestar atenção à ordem recebida, ousei dizer-lhe: “Meu bom Jesus, veja o que o padre quer fazer!”

 

E Ele me disse: “Filha, abnegação!”

 

E eu: “Ah Senhor, mas a coisa é séria: é que eu não devo te querer! Como posso? ”

 

E Ele, pela segunda vez:” Abnegação! ”

 

E eu:” Oh, Senhor, o que você está dizendo? Você sabe que eu não posso ficar sem você? ”

 

E Ele, pela terceira vez:” Mas minha filha, abnegação! “E Ele desapareceu. Quem pode dizer como eu permaneci vendo que Jesus queria que eu fosse obediente?

 

1 de setembro de 1899

 

A obediência continua.

 

Quando o confessor chegou, ele me perguntou se eu tinha obedecido e, depois de lhe contar como foi, Ele renovou a obediência de que eu absolutamente não deveria falar com Jesus, meu único consolo, e que eu teria que expulsá-lo se Ele viesse.

 

E eis que, tendo compreendido que a obediência era verdadeira [aquilo] que me foi dada, no meu interior disse o Fiat Voluntas Tua, também neste; mas, oh, quanto me custa! E que martírio cruel! Sinto-me como uma estaca enfiasse no meu coração, que o perfura de um lado para o outro; e como o coração está acostumado a pedir e desejar a Jesus continuamente, tanto que, como a respiração e a palpitação são contínuas, parece-me que o desejo pelo meu Bem são contínuos, portanto, querer impedir que isso seja o mesmo aquele querer impedir que outro respire e a palpitação do coração; como alguém poderia viver?

 

No entanto, devemos deixar a obediência prevalecer. Oh, Deus, que pena, que terrível tormento! Como impedir que o coração peça sua própria vida? Como parar isso?

 

A vontade se esforçou com toda a força necessária para contê-la, mas, como exigia grande vigilância e continuamente, de tempos em tempos, cansava-se e desanimava, e o coração escapava e perguntava a Jesus. A vontade, sentindo-se disso, se colocava com maior força para pará-lo; de modo algum, ela muitas vezes me perdia, por isso me pareceu que eu era continuamente desobediente.

 

Oh, em que contraste, que guerra sangrenta, que meu pobre coração sofreu! Eu estava com tanta angústia e sofrimento que pensei que a vida iria embora. No entanto, isso foi um consolo para mim, se eu pudesse morrer. Mas não! O que era mais, era que sim, senti pena de morte, mas sem poder morrer!

 

Então, depois de derramar lágrimas amargas o dia todo, na noite em que eu estava no meu estado habitual, meu sempre benigno Jesus veio, e eu, forçada pela obediência, disse-lhe: “Senhor, você não vem, porque a obediência não quer!”

 

Isso foi um consolo para mim! E Ele, me perdoando e querendo me fortalecer nos sofrimentos em que eu estava, com sua mão criativa marcou minha pessoa com um grande sinal da cruz e me deixou. Mas quem pode dizer que eu não estava no Purgatório?

 

O mais foi que eu não podia correr para o meu Bem supremo e único. Ah, sim, me foi negado pedir e desejar Jesus! Ah! Aquelas almas abençoadas do purgatório! [A] eles podem pedir, apressar-se, desabafar em direção ao bem maior; apenas que é proibido tomar posse dele. Para mim não. Também me foi negado esse conforto! Então a noite toda, eu não fiz nada além de chorar.

 

Quando minha natureza fraca não aguentava mais, o amável Jesus retornou no ato de querer falar comigo e eu imediatamente, lembrando-me da obediência, que acima de tudo quer reinar, disse-lhe: “Querido, minha vida, não posso falar; e você não vem, pois a obediência não quer. Se você quiser fazer sua vontade entender, vá até ele (o confessor)”.

 

Enquanto dizia isso, vi o confessor e Jesus se aproximar dele e disse-lhe: “Isso é impossível para minhas almas; Eu as mantenho tão imersas em Mim que elas formam a mesma substância, tanto que não mais discernimos um do outro; e como quando duas substâncias são combinadas, uma é transmitida na outra e, mesmo depois de querer separá-las, até pensar é inútil, então é impossível que minhas almas se separem de mim ”.

 

E tendo dito isso, partimos e fiquei mais aflita do que antes: meu coração estava batendo tão forte que senti meu peito quebrar. Depois disso, não sei dizer como, me vi fora de mim e, esquecendo-me, não sei como, da obediência que recebi, virei o cofre dos céus chorando, chorando e procurando meu doce Jesus. Eu vi chegando, se jogando em meus braços, tudo queimando e definhando; Lembrei-me imediatamente da ordem que recebi e disse-lhe: “Senhor, não tente me tentar esta manhã! Você não sabe que a obediência não quer? ”

 

E Ele:” O confessor me enviou, então eu vim “. E eu: “Não é verdade; Você é algum demônio que quer me enganar e me fazer falhar na obediência? ”

 

E Jesus:” Eu não sou um demônio “.

 

E eu: “Se você não é um diabo, façamos um ao outro o sinal da cruz”. E assim nós dois nos marcamos com a cruz. Então continuei dizendo a Ele: “Se é verdade que ele lhe enviou, vamos até ele, para que ele possa ver se você é Jesus Cristo ou o diabo, e então eu posso ter certeza”.

 

Então fomos ao confessor e, desde que [Jesus] era criança, eu o dei em seus braços, dizendo: “Padre, veja por si mesmo: é meu doce Jesus, ou não?” Agora, enquanto Jesus abençoado estava com o padre, Eu disse a Ele: “Se você é verdadeiramente Jesus, beije a mão do confessor”.

 

E, em minha mente, pensei que, se fosse o Senhor, ele teria feito a humilhação de beijar a mão [ao confessor], mas se Ele fosse demônio, não. E Jesus, sim, a beijou, mas não ao homem, mas ao poder sacerdotal; então Ele o beijou.

 

Depois disso, parecia que o confessor lhe implorou para ver se Ele era um demônio, e não o achou assim, ele o devolveu para mim. Mas com tudo isso, meu pobre coração não pôde desfrutar dos abraços de meu amado Jesus, porque a obediência o manteve atado, atolado; [tanto] que ainda não havia uma ordem oposta, então Ele não se atreveu a desabafar, nem mesmo a dizer uma palavra de amor.

 

Oh, santa obediência! Quão forte e poderosa você é! Eu vejo você nestes dias de martírio diante de mim como uma guerreira muito poderosa, armada da cabeça aos pés com espadas, raios, flechas, cheia de todos aqueles instrumentos capazes de ferir; e quando você vê que meu pobre coração cansado e baixo quer se levantar, procurando seu refresco, sua vida, o centro onde você se sente puxando como um ímã, você, olhando-me com mil olhos, me machuca com feridas mortais por todos os lados. Ah, tenha piedade de mim e não seja tão cruel comigo! Mas enquanto digo isso, a voz do meu adorável Jesus me faz ouvir no meu ouvido que diz:

 

Obediência era tudo para mim, obediência, quero que seja tudo para você. A obediência me deu nascimento; a obediência me fez morrer; as feridas que mantenho no meu corpo são todas as feridas e sinais que a obediência me fez. Você disse, com razão, que ela é uma guerreira muito poderosa, armada com todo tipo de arma capaz de ferir, porque em Mim ela nem me deixou uma gota de sangue, revelou-me a carne, deslocou meus ossos e meu pobre Coração, com o coração partido, sangrento, eu estava procurando alívio para aqueles que tinham compaixão por Mim.

 

A obediência, tornando-se mais do que um tirana cruel comigo, ficou satisfeita quando me sacrificou na cruz e, como vítima, viu-me expirar por seu amor. E porque isso? Porque o ofício desta guerreira mais poderosa é sacrificar almas; então ela não faz nada além de fazer guerra contra aquelas que não se sacrificam por ela; de onde ela não tem consideração se a alma sofre ou goza, se vive ou morre; seus olhos pretendem ver se ela vence, porque outras coisas não se preocupam em curar.

 

Portanto, o nome desta guerreira é vitória, porque todas as vitórias são concedidas à alma obediente e, quando parece que isso morre, então a verdadeira vida começa. E o que a maior obediência me concedeu? Por seus meios, venci a morte, derrotei o inferno, desamarrei o homem acorrentado, abri o Céu e, como rei vitorioso, tomei posse do meu reino, não somente para mim, mas por todos os meus filhos que teriam aproveitado minha redenção. Ah, sim, é verdade que isso me custou a vida ! Mas o nome obediência me rende docemente à minha audição; e tanto amor que sinto das almas que são obedientes! ”

 

Continuo dizendo de onde parei. Depois de um tempo, o confessor chegou e, depois de lhe contar tudo o que eu disse acima, ele renovou minha obediência de que continuasse a mesma coisa; e tendo dito a ele: “Padre, pelo menos, deixe-me dar ao meu coração a liberdade de perguntar a Jesus, que obediência dizer quando Ele vier: ‘Não venha pois: ‘Não posso falar. E ele: “Faça o que puder para impedi-lo e, quando não puder, dê liberdade a Ele”.
(Maria mãe de Jesus também viveu essa prova, conforme Livro Mística Cidade de Deus Tomo 3)

 

2 de setembro de 1899

 

A mesma obediência continua, mas um pouco mais suave.

 

Com essa obediência um pouco mais suave, meu pobre coração parecia ter começado a viver novamente dentre os mortos; mas com tudo isso, Ele não me deixou despedaçado de mil maneiras, por obediência, quando viu que o coração parou um pouco mais em busca de seu Autor, como se quisesse descansar Nele porque estava exausto pela força, cedeu e com suas garras me feriu.

 

E então, que ter que repetir esse refrão quando Jesus abençoado vinha: ¨Nós não vamos, não posso falar, porque a ‘obediência não quer’, não foi para mim o martírio mais atroz e cruel? Então meu doce Jesus, encontrando-me no estado habitual, veio e eu lhe mostrei a ordem que recebi, e Ele foi embora. Uma vez, enquanto eu estava lhe dizendo: “Você não vem, porque a obediência não quer “.

Ele me disse:

 

“Minha filha, tenha sempre em mente a luz da minha paixão, porque, ao ver minhas dores muito amargas, as suas se parecerão pequenas e ao considerar a causa pela qual sofri tantas dores imensas, que foi pecado, os menores defeitos parecerão sérios para você. Em vez disso, se você não se espelhar em Mim, as menores penalidades parecerão pesadas para você e defeitos graves as considerarão nada. ”

 

E Ele desapareceu. Depois de um tempo, o confessor chegou e, tendo perguntado se eu ainda tinha que continuar com essa obediência, ele me disse: “Não, você pode dizer a Ele o que deseja e mantê-lo o quanto quiser”.

 

Parece que sou livre e não tenho muito a ver com essa guerreira tão poderosa; caso contrário, ela teria se tornado tão forte desta vez que me daria a morte; mas ela teria me feito ter um grande lucro, porque eu sempre estaria unida ao Bem Supremo e não para fazer intervalos, e agradeceria a Ele, não apenas isso, mas teria cantado para Ele o canto da obediência, que é o canto das vitórias, então eu estaria rindo de toda a fortaleza dela … Mas enquanto digo isso, um olhar resplandecente e bonito apareceu diante de mim e uma voz que disse:

 

E eu teria me juntado a você e ficaria satisfeito em rir, porque teria sido a minha vitória“.

 

E eu: “Oh, querida obediência, que depois de termos rido juntos, eu teria deixado você na porta do Céu para dizer adeus a você e não mais vê-la novamente, não ter nada a ver com você, e eu teria olhado bem para ver se você poderia entrar! ”

 

 

5 de setembro de 1899

 

Como Jesus opera a perfeição passo a passo.

 

Esta manhã, eu estava com tanto desânimo e me vi tão mal, que eu me tornei insuportável. Quando Jesus veio, contei a Ele minhas dores e o estado miserável em que estava, e Ele me disse:

 

Minha filha, não queira perder a coragem; este é o meu habitual: trabalhar a perfeição passo a passo e não tudo em um instante, para que a alma sempre se veja em algo que falta, se empurre, faça todos os esforços para conseguir o que falta, para ficar mais parecida comigo e ser mais santificada; de onde Eu, atraído por essas ações, sinto-me empenhado em dar-lhe novas graças e favores celestiais e, assim, formar um comércio totalmente divino entre a alma e Deus.

 

Diferentemente, possuindo a alma em si mesma a plenitude da perfeição e portanto, de todas as virtudes, ela não encontraria maneiras de se esforçar, como lhe agrada, donde falta a isca, como acender o fogo entre a criatura e o Criador”.

 

Que o Senhor seja sempre abençoado!

 

7 de setembro de 1899

 

Fé, esperança e caridade. A alma: palácio de Deus

 

Jesus continua a chegar, mas em um aspecto completamente novo. Parecia que do seu abençoado Coração vinha um tronco de árvore, que continha três raízes distintas, e esse tronco do seu [Coração] se projetava no meu e, saindo do meu coração, o tronco formava tantos ramos bonitos, cheios de flores, de frutos , de pérolas e pedras preciosas brilhando como estrelas muito brilhantes. Agora, meu amante Jesus, vendo-se à sombra desta árvore, todos se recriaram; muito mais que da árvore caíram muitas pérolas que formaram um belo ornamento para sua Santíssima Humanidade.

 

Enquanto estava nessa posição, Ele me disse:

 

Minha querida filha, as três raízes que você vê que contêm essa árvore são fé, esperança e caridade. E como você vê que esse tronco sai de Mim e é introduzido em seu coração, isso significa que não há bem que as almas possuam e que não provém de Mim.

 

Então, depois da fé, esperança e caridade, o primeiro desenvolvimento que torna esse baú, é tornar conhecido que todo o bem vem de Deus, que eles não têm nada além de seu próprio nada, e que esse nada não faz nada além de me dar a liberdade de me deixar entrar neles e me fazer operar o que quero ;


Enquanto há outros que não são nada, ou seja, outras almas, aos quais com o livre arbítrio a que se opõem, de modo que, sem esse conhecimento, o tronco não produz ramos, nem frutos, nem qualquer outra coisa boa.

 

Os galhos que esta árvore contém, com todo o aparato de flores, frutas, pérolas e pedras preciosas, são todas as virtudes diferentes que a alma pode possuir. Agora, quem deu vida a esta linda árvore?

 

Certamente as raízes! Isso significa que fé, esperança e caridade abraçam tudo, todas as virtudes contêm tanto que são colocadas como base e fundamento da árvore, e sem elas nenhuma outra virtude pode ser produzida “.

 

Entendi também que as flores significam as virtudes, os frutos, os sofrimentos, as pedras e as pérolas preciosas, o sofrimento puramente pelo único amor de Deus, por isso aquelas pérolas que caíram formaram esse belo ornamento para Nosso Senhor. Agora, enquanto Jesus estava sentado à sombra desta árvore, Ele olhou para mim com ternura paterna, de modo que foi tomado por uma carruagem amorosa, que parecia não poder conter em si mesmo, e abraçando-me estritamente, começou a dizer:

 

Quanto você está linda! Você é minha pomba simples, meu amado lar, meu templo vivo, no qual, unida ao Pai e ao Espírito Santo, tenho o prazer de deliciá-la. Seu contínuo luto por Mim, me eleva e me restaura das ofensas contínuas que as criaturas Me fazem. Saiba que é tanto o amor que Eu lhe trago, que sou forçado a escondê-lo em parte, para que você não enlouqueça e possa viver, porque se Eu lhe mostrasse, você não apenas enlouqueceria, mas não poderia continuar vivendo; sua natureza fraca seria consumida pelas chamas do meu amor “.

 

Enquanto Ele dizia isso, eu me senti toda confusa e aniquilada e me senti afundando no abismo do meu nada, porque me via imperfeita; notei especialmente minha ingratidão e frieza pelas muitas graças que o Senhor me dá. Mas espero que tudo queira redundar em sua glória e honra, esperando com firme confiança que, em um esforço de seu amor, ele queira superar minha dureza.

 

16 de setembro de 1899

 

Contraste com Jesus. Efeitos do sofrimento apenas para Deus.

 

Esta manhã, meu adorável Jesus veio e, temendo que Ele fosse o diabo, eu lhe disse: “Permita-me marcar sua testa com a cruz”, e no ato em si, marquei-o e fiquei mais confiante e calma. Agora, o abençoado Jesus parecia cansado e queria descansar em mim, e já que eu também me cansei dos sofrimentos dos últimos dias, especialmente por suas poucas visitas, de modo que senti a necessidade de descansar Nele.

 

Portanto, depois de me opor um pouco, Ele me disse: “A vida do coração é amor. Sou como uma pessoa doente que queima com febre, que encontra refresco, um alívio no fogo que o devora. Minha febre é amor; mas onde tomo os refrescos mais adequados ao fogo que Me consome? Pelas dores e problemas sofridos por minhas almas favoritas apenas pelo meu amor.

 

Muitas vezes estou esperando que a alma se volte para Mim para me dizer: “Senhor, somente por ti quero sofrer esta dor”.

 

Ah, sim, esses são meus refrigeradores e refrescos mais adequados que Me elevam e atenuam o fogo que me consome!

Depois disso, Ele se jogou em meus braços, esperando descansar. Enquanto Jesus estava descansando, eu entendi muitas coisas sobre as palavras ditas por Jesus, especialmente sobre o sofrimento por Ele. Oh, que moeda inestimável! Se todos nós a conhecêssemos, competiríamos para ver quem poderia sofrer mais; mas acredito que estamos todos com falta de visão para conhecer esta preciosa moeda, portanto, não a conhecemos.

 

19 de setembro, 1899

 

Frutos da fé, esperança e caridade.

 

Sentindo-me um pouco chateada esta manhã, especialmente com o medo de que não seja Jesus quem vem, mas o diabo, e que meu estado não era a vontade de Deus, enquanto eu estava nessa agitação, meu adorável Jesus veio e me disse:

 

Minha filha, eu não quero que você perca seu tempo; pensando nisso, você se distrai de mim e vem me fazer sentir falta da comida, com a qual venho me alimentar! Mas o que Eu quero é que você pense em me amar apenas e ser completamente abandonada em Mim, porque assim você me preparará uma comida muito agradável, e não de vez em quando como faria se continuasse a fazê-lo, mas continuamente. E este não seria o seu grande contentamento: que sua vontade, sendo abandonada em Mim e me amando, é comida pra Mim, seu Deus? ”

 

Depois disso, Ele me mostrou seu Coração, e dentro Dele havia três globos de luz distintos, que formaram um deles; e Jesus, retomando seu discurso, me disse:

 

Os globos de luz que você vê em meu coração são a fé, a esperança e a caridade que trouxe à terra para felicitar o homem sofredor, oferecendo-o como um presente; então, Eu também quero te dar um presente mais especial “.

 

E enquanto Ele estava dizendo isso, daqueles globos de luz saíram como tantos fios de luz que inundaram minha alma, como uma espécie de rede, e eu fiquei dentro dela. E Jesus:

 

“Aqui é onde Eu quero que você ocupe sua alma. Primeiro voe nas asas da fé e, nessa luz, mergulhando, você sempre conhecerá e comprará novas notícias sobre Mim, seu Deus; mas quando você me conhecer, seu nada parecerá quase disperso e você não terá onde se apoiar, mas você, buscando mais e se jogando no imenso mar de esperança, quais são todos os meus méritos que adquiri durante a minha vida mortal, todas as dores da minha paixão, que também dei ao homem – e que somente através delas você pode esperar os imensos bens da fé, porque não há outro meio para obtê-los – portanto, usando esses meus méritos como se fossem seus, seu nada não se sentirá mais disperso e afundará no abismo do nada, mas adquirindo nova vida, e permanecerá embelezado, enriquecido, de maneira a atrair os mesmos olhos divinos.

 

E então não é mais tímida [sua alma], mas a esperança lhe dará coragem, de modo a tornar a alma estável como uma coluna, exposta a todo o clima do ar – quais são as várias tribulações da vida – que não a move um pouco; e a esperança fará isso, não apenas a alma, sem medo, mergulhará nas imensas riquezas da fé, mas se tornará mestre dela e chegará a tanta esperança que fará do mesmo Deus o seu.

 

A esperança faz a alma chegar onde quer; a esperança é a porta para o céu, de modo que somente por seus meios se abre, porque: quem espera tudo, obtém tudo. De onde o próprio Deus que veio para se tornar seu, imediatamente, sem nenhum obstáculo, se encontrará no imenso oceano de caridade e, trazendo consigo fé e esperança, mergulhará nele e fará apenas uma coisa Comigo, seu Deus ”.

 

O Jesus mais amado continua a dizer: “Se a fé é o rei, a rainha a caridade, a esperança é uma mãe pacificadora que coloca a paz; porque com fé e com caridade pode haver distúrbios, mas a esperança, sendo um vínculo de paz, converte tudo em paz. A esperança é apoio, esperança é refresco; e quando a alma, erguendo-se com fé, vê beleza, santidade, o amor com que é amada por Deus, sente-se atraída por amá-la, mas vendo sua insuficiência, o pouco que faz por Deus, o como deve amá-lo e não amando-o, sente-se desanimada, chateada e quase não ousa se aproximar de Deus; imediatamente essa pacificadora deixa a esperança e, colocando-se no meio da fé e da caridade, começa a fazer seu ofício de pacificação; então coloca a alma de volta à paz, empurra-a, eleva-a, dá-lhe uma nova força e, trazendo-a perante o rei da fé e a rainha caridade, pede desculpas pela alma, coloca uma nova efusão diante da alma de seus méritos e implora que eles a recebam; e fé e caridade, visando apenas a esta mãe pacífica e compassiva, recebem a alma; e Deus forma o deleite da alma e a alma o deleite de Deus “.

 

Oh, santa esperança, quão admirável você é! Imagino-me vendo a alma possuída por essa bela esperança, como um nobre viajante que caminha para ir e tomar posse de uma fazenda que fará toda a sua fortuna; mas desde que ele é desconhecido e, viajando para terras que não são dele, quem zomba dele, que o insulta, que tira suas roupas e que vem espancá-lo e ameaçá-lo a tirar sua pele.

 

E o nobre viajante, o que ele faz em todas essas provações? Ele ficará perturbado? Ah nunca! De fato, ele zombará daqueles que farão tudo isso e, sabendo [é claro] que quanto mais ele sofre, mais ele será honrado e glorificado quando se apoderar de sua fazenda; portanto, ele próprio provoca as pessoas para fazê-las atormentá-lo mais.

 

Mas ele está sempre calmo, goza da paz mais perfeita; mas o que ele é mais, enquanto está no meio desses insultos, permanece tão calmo que, enquanto todos os outros estão acordados ao seu redor, ele está dormindo no seio de seu Deus.

 

Quem dá a esse viajante tanta paz e muita firmeza em seguir a jornada? Certamente a esperança dos bens eternos que serão dele! E sendo ele próprio, ele superará tudo para se apossar dela. Agora, pensando que eles são dele, ele passa a amá-los, e aqui está a esperança que dá origem à caridade.

 

Então quem pode dizer, de acordo com a luz que Jesus abençoado me mostra? Eu gostaria de passar por ela em silêncio, mas vejo que a obediência senhora, que estabelece as vestimentas amigáveis ​​da amizade, assume a aparência de uma guerreira e está armando suas armas para fazer guerra contra mim e me machucar. Oh, não se arme tão imediatamente, abaixe suas garras, fique quieta, para que, tanto quanto eu possa, farei o que você diz e, portanto, sempre seremos amigas!

 

Agora, quando a alma se leva ao vasto mar da caridade, experimenta prazeres inefáveis, goza de alegrias indizíveis como alma mortal. Tudo é amor; seus suspiros, seus batimentos cardíacos, seus pensamentos são tantas vozes que ela ressoa em torno de seu Deus mais amado, todo o amor, que O chama a si mesma, para que Deus abençoe, puxe, machuque por essas vozes amorosas, Ele os paga e acontece que os suspiros, batimentos cardíacos e todo o Ser Divino continuamente chama a alma a Deus.

 

Quem pode dizer, então, como a alma permanece ferida por essas vozes? Como começa a delirar como se tivesse sido tomada por uma febre muito quente, como fica quase louca e mergulha no coração amoroso de seu amado para encontrar refresco e suga as delícias divinas nas correntes?

 

Ela permanece embriagada de amor e intoxicada, faz músicas todas amando seu mais doce esposo. Mas quem pode dizer tudo o que passa entre a alma e Deus? Quem pode dizer sobre essa caridade, o que é o próprio Deus? Nesse momento, vejo uma luz muito grande e minha mente agora está espantada, agora se aplica a um ponto, agora a outro e faço isso para ditar no papel e sinto-me gaguejando ao expressá-lo.

 

Então, sem saber o que fazer, estou em silêncio por enquanto; e acredito que desta vez a dama da obediência quer me perdoar, porque se ela quer ficar com raiva de mim, desta vez ela não está tão certa, porque o errado é dela, o que não me dá uma linguagem rápida para saber como dizê-lo. Você entendeu reverendo obediência? Ficamos em paz, não é?

 

 

 

 

 

21 de setembro de 1899

 

Contraste com a Sra. Obediência.

 

E, no entanto, quem tinha que dizer isso? Com tudo o que está errado, o que não me dá a capacidade de saber como manifestá-lo, a Srta. Obediência aceitou mal e começou a fazê-lo como uma tirana cruel, e chegou a tal crueldade que afastou meu Jesus de mim. Meu amante Bom, meu único conforto.

 

Você pode ver que às vezes se faz isso mesmo quando criança, que quando ela quer ganhar um capricho, se ela não ganha com o bem, ela ensurdece a casa com gritos, lágrimas, tanto que ela força todos a satisfazê-la à força, não há motivos, não há meio termo para convencê-la; a Sra. Obediência também.

 

E bom, eu não teria acreditado nela! Porque ela quer conquistar, ela quer que mesmo gaguejando eu escreva sobre caridade. Oh Deus torne-se mais razoável, você pode ver que não consigo passar por esse caminho!

 

E você, ó obediência, me traga meu doce Jesus, e peço que não tire de mim a visão do meu Bem Supremo, e prometo a você que, ainda mesmo gaguejando, vou escrever como quiser.

 

Só peço-lhe em graça que me deixe descansar por alguns dias, porque minha mente, pequena demais, não se levanta para ser imersa naquele vasto oceano de caridade divina, especialmente porque ali vejo muito mais das minhas misérias e feiúras.

 

Ao ver o amor que Deus me traz, sinto-me quase louca, de modo que minha natureza fraca parece débil e não aguento mais. Mas, ao mesmo tempo, tratarei de escrever outras coisas e depois retomarei com caridade.

 

Eu recomeço meu pobre provérbio. Encontrando minha mente ocupada com as coisas já ditas, Eu estava pensando comigo mesma: “Qual é o sentido de escrever isso, se eu não pratiquei o que escrevo? Esta escrita seria certamente uma condenação minha! ”

 

Enquanto eu pensava, o abençoado Jesus veio e me disse:”

 

Esta escrita servirá para tornar conhecido Quem é aquele que fala com você e ocupa sua pessoa; e então, se você não precisar, minha luz servirá a outros que lerão o que eu a faço você escrever “.

 

Quem pode dizer o quão mortificada eu estava ao pensar que outros se beneficiarão das graças que Ele me dá, se lerem esses escritos, e eu quem os receber, não? Eles não vão me condenar? E então, só de pensar que elas chegarão às mãos dos outros, meu coração está apertado pela dor e pela vergonha de mim mesma. Agora, permanecendo em uma aflição muito grande, continuei repetindo: “Qual é o meu estado, se ele serve como condenação?”

 

E meu Jesus mais afetuoso, retornando, me disse: “Minha vida era necessária para a salvação dos povos; e como não pude continuar na terra, portanto, elejo quem gosto de continuar neles, para poder continuar a salvação dos povos: aqui está o propósito profissional do seu estado ”.

 

 

22 de setembro de 1899

 

Repugnância para escrever.

 

Sentindo uma estaca trespassada no meu coração pelas palavras ditas ontem pelo doce Jesus, já que Ele sempre foi gentil com esta pecadora miserável, a fim de aliviar minhas dores, veio e, com pena de mim, disse-me:

 

“Minha filha, não quero mais sofrer. Saibam que tudo o que Eu faço você escrever, seja por virtudes ou por alguma semelhança, nada mais é do que fazer você se pintar e com a perfeição para a qual enviei sua alma “.

Oh, Deus, que grande repugnância sinto ao escrever estas palavras! Porque não parece verdade o que elas dizem, sinto que ainda não entendo o que é virtude e perfeição; mas a obediência o deseja e é melhor morrer do que ter algo a ver com isso.

 

Muito mais do que isso é ser duas caras: se for feito como você diz, assume a aparência de uma dama e o acaricia como um amigo mais fiel, mais lhe promete todos os bens que estão no céu e na terra; então, assim que Ele vê uma sombra de dificuldade, pelo contrário, imediatamente, sem ser avisado, alguém vai olhar e [o] guerreiro é encontrado que está armando suas armas para machucá-lo e destruí-lo.

 

Oh, meu Jesus, que tipo de virtude é essa obediência que faz tremer só de pensar nisso? Então, enquanto Jesus estava dizendo essas palavras para mim, eu disse a Ele:

 

“Meu bom Jesus, que é bom para minha alma ter tantas graças, enquanto depois elas me amarguram toda a minha vida, especialmente pelas horas da sua privação? Porque compreender quem Você é e de quem sou privada é um martírio contínuo para mim; portanto, não preciso de mais nada a não ser me fazer viver continuamente amargamente ”.

 

E acrescentou: “Quando uma pessoa experimenta a doçura de um alimento e depois é forçada a ter um sabor amargo, remover essa amargura aumenta o desejo de provar que o doce é dobrado; e isso é muito benéfico para essa pessoa, porque, se ela sempre provou o doce sem nunca provar a amargura, não levaria muito em conta o doce; se ela sempre experimenta amargura sem conhecer o doce, sem saber que nem chegaria a desejá-lo; então um e outro é bom, então é bom para você também “. 

 

E eu: “Como és paciente,  Jesus, em suportar uma alma tão infeliz e ingrata! Perdoe-me; parece-me que desta vez também quero investigar ”.

 

E Jesus: “Não fique chateada; Eu sou quem move as dificuldades em seu interior, para ter a oportunidade de conversar com você e para ensinar tudo a você. ”

 

 

25 de setembro de 1899

 

Luisa: defensora de Jesus e de outros.

 

Em minha mente, eu pensava: “Se esses escritos estão nas mãos de alguém, talvez eles digam: ‘Será um boa cristã, porque o Senhor lhe dá muitas graças’ ‘, sem saber que, com tudo isso, ainda sou tão ruim. Veja como as pessoas podem ser enganadas, boas e más!

 

Ah, Senhor, só você conhece a verdade e o fundo dos corações! “Enquanto eu pensava, o abençoado Jesus veio e me disse:”

 

Minha amada, e se as pessoas soubessem que você é Minha defensora e a deles!? ”

 

E eu:” Meu Jesus, o que você diz? ”

 

E Ele:” Como, não é verdade que você Me defende das dores que eles causam a mim, colocando você entre mim e eles, e leva sobre você o golpe que eles estavam prestes a receber de mim e o que Eu tinha que derramar sobre eles?

 

E se às vezes você não supera isso, é porque Eu não vou deixar você superar; e isso é para seu grande arrependimento, a ponto de reclamar a Mim. Você pode negar isso? ”

 

Não, Senhor, não posso negar, mas vejo que é algo que você mesmo infundiu em mim; portanto, digo que o fato, não é que sou boa e me sinto toda confusa ao ouvir você dizer essas palavras “.

 

 

26 de setembro de 1899

 

Oposições para escrever. Como a Santíssima Virgem é um portento de graça. Visão abstrata e intuitiva.

 

 

Hoje de manhã, quando meu adorável Jesus veio, Ele me carregou para fora de mim, mas com meu grande arrependimento eu O vi por trás e, como pedi a Ele para me mostrar seu rosto mais sagrado, era impossível para mim. No meu interior, continuei dizendo: “Quem sabe que não é minha oposição à obediência de escrever, que não é benigno para me fazer ver seu adorável rosto!”

 

E enquanto dizia isso, estava chorando. Depois que Ele me fez chorar, e Ele se virou e me disse: “Não percebo sua oposição, porque sua vontade está tão identificada com a minha que você não pode querer nada além do que Eu quero; de onde, enquanto a afasto, no ato em si você se sente atraída por um ímã para fazê-lo, portanto, suas repugnâncias não têm outro propósito senão tornar a virtude da obediência mais bela e brilhante; portanto, eu não ligo para elas (para as oposições) “.

 

Depois, olhei para o seu lindo rosto e, no interior, senti um conteúdo indescritível; e para Ele eu disse: “Meu mais doce amor, se eu sou (tão identificada com sua Vontade) e tenho tanto prazer em olhar para ti, que você poderia estar em nossa Rainha Mãe, quando se calou nas suas entranhas mais puras? Que afirmações, quantas graças você não a conferiu (deu à sua Mãe Maria)? ”

 

E Ele:“ Minha filha, as delícias e graças que eu lhe dei (a Mãe Maria) foram tantas e tantas, que basta dizer que o que Eu sou por natureza, nossa Mãe se tornou por graça; muito mais que, sem culpa ela foi (imaculada), minha graça pode governar livremente nela, de modo que nada do meu Ser eu deixei de lhe conferir (dar) ”.

 

Naquele instante, pareci ver nossa Rainha-Mãe como se ela fosse outro Deus, com esta única diferença: que em Deus ela é sua própria natureza (natureza divina), em Maria Santíssima, é uma graça obtida (natureza humana divinizada por graça).

 

Quem pode dizer como fiquei surpresa? Como minha mente se perdeu ao ver um prodigioso portento de graça? Então, para ela endereçado, eu lhe disse: “Meu querido Bem, nossa Mãe teve muito bem porque você se fez ver intuitivamente (Maria tinha visão abstrativa da Divindade, ela olhava para sua barriga e via Jesus dentro dela, ouvia Ele rezando);

 

Eu gostaria de saber: e para mim, como você se mostra, com a visão abstrativa ou intuitiva? Quem sabe se isso também é abstrativo? ”

 

E Ele:” Quero que você entenda a diferença entre um e outro. No abstrativo, a alma se lembra de Deus, no intuitivo (pela fé) em que entra e conquista as graças, ou seja, recebe em si a participação do Ser Divino; e você, quantas vezes você não participou do meu Ser?

 

Aquele sofrimento que parece estar em você como se fosse natural, aquela pureza que você sente como se não tivesse corpo e tantas outras coisas, Eu não os dei quando puxei você intuitivamente para Mim? ”

 

Ah, Senhor, é verdade demais!” E eu, que agradecimento te dei por tudo isso? Qual foi a minha correspondência? Sinto-me corar só de pensar nisso! Mas, por favor, perdoe-me e deixe-me conhecê-lo, do céu e da terra, como sujeito de suas infinitas misericórdias! ”

obs: Visão intuitiva exige o desenvolvimento da vida interior. Quando suficientemente desenvolvida, a intuição traz a compreensão imediata da verdade. Você pode ter esta percepção maravilhosa. Meditar é o caminho.

Visão abstrativa: a limitação da nossa mente leva-nos a só compreender as coisas compostas quando as consideramos em suas partes e contemplamos as faces diversas com que elas se nos apresentam: isto é o que se costuma chamar conhecer por abstração.

 

 

 

30 de setembro de 1899

 

Como a paciência em sofrer tentações é como alimento substancial. Luisa passa uma hora no inferno.

 

Primeiro passei mais de uma hora no inferno. De passagem, olhei para a imagem do Menino Jesus, e um pensamento, como um raio, disse ao Menino: “Como você é feio!” Tentei não curá-lo ou me perturbar, para evitar brincadeiras com o diabo; no entanto, com tudo isso, aquele raio diabólico penetrou em meu coração e senti que meu pobre coração odiava Jesus.

 

Ah, sim, me senti no inferno para manter a maldita companhia, senti o amor transformado em ódio! Oh Deus que dor não poder amar você! Eu disse: “Senhor, é verdade que não sou digna de amá-lo, mas pelo menos aceito esse castigo, que eu quero amá-lo e não posso!”

 

Então, depois de ter passado mais de uma hora no inferno, parece que saí, obrigada por Deus; mas quem pode dizer quanto meu pobre coração permaneceu aflito, fraco pela guerra mantida entre ódio e amor?

 

Senti essa prostração de força, que me pareceu não ter vida. Fiquei surpresa com o meu estado habitual, mas, oh, quanto tempo passou! Meu coração e todos os meus poderes internos, que com ansiedade indescritível, desejam e vão em busca de meu Bem Supremo e único e depois param quando já o encontra e com seu grande contentamento se o aprecia, desta vez não ousaram se mover, se eles (poderes internos) estavam tão aniquilados, confusos e afundados no próprio nada, que eles não se fizeram ouvir …

 

Oh, Deus, aquele golpe cruel teve que sofrer o pobre do meu coração! Com tudo isso, meu sempre benigno Jesus veio e sua visão consoladora [imediatamente] me fez esquecer que eu estava no inferno, tanto, que nem sequer pedi perdão a Jesus. Os poderes internos, humilhados, cansados ​​como estavam, parecia que descansavam Nele; tudo era silêncio, de ambos os lados não havia nada além de alguns olhares amorosos que feriram o coração um do outro.

 

Depois de algum tempo nesse profundo silêncio, Jesus me disse:

 

Minha filha, estou com fome, me dê algo“.

 

E eu: “Não tenho nada para lhe dar”. Mas, no ato, vi um pedaço de pão e entreguei a Ele, e Ele parecia comê-lo com todo gosto. Agora, no meu interior, eu estava dizendo:

 

“Faz alguns dias que não me diz alguma coisa”.

 

E Jesus respondeu ao meu pensamento: “Às vezes o noivo fica satisfeito em lidar com sua noiva, confiar-lhe os segredos mais íntimos; outras vezes se deleita com mais gosto em descansar e contemplar uma ou outra beleza, enquanto a fala impede o descanso, e o simples pensamento do que deve ser dito e do que deve ser tratado não se importa.

 

Olhe a beleza do noivo e da noiva; mas isso é útil, porque, depois de descansar e entender mais sua beleza, eles se amam mais e se fortalecem para trabalhar, tratar e defender seus interesses. Então, mesmo assim, Eu estou indo com você, você não está feliz? ”

 

Depois disso, um pensamento surgiu em minha mente, da hora que passei no inferno, e eu imediatamente disse:” Senhor, perdoe-me; quantas ofensas eu já fiz a você! “E Ele:” Não queira se afligir ou perturbar, sou Eu quem conduz a alma até as profundezas do abismo, para poder conduzi-la mais prontamente ao céu“.

 

Então Ele me fez entender que o pão que encontrei não passava de paciência com a qual eu havia suportado aquela hora de sangrenta batalha. Portanto, paciência, humilhação, a oferta a Deus do que se sofre em tempos de tentação, é um pão substancial que é dado a Nosso Senhor e que Ele o aceita com muito gosto.

 

 

 

1 de outubro de 1899

 

Jesus fala amargamente dos abusos dos sacramentos.

 

Naquela manhã, Ele continuou se mostrando em silêncio, mas em um aspecto muito angustiado: o amável Jesus manteve uma grossa coroa de espinhos presa na cabeça.

 

Senti meus poderes internos em silêncio e não ousei dizer uma única palavra; só que, vendo que Ele sofria muito em sua cabeça, estendi minhas mãos e lentamente tirei sua coroa, mas que espasmo amargo Ele sofreu!

 

Como as feridas se alargaram e o sangue fluiu em correntes! Para dizer a verdade, foi algo que atormentou a alma! Depois de removê-lo, coloquei-o na minha cabeça e Ele próprio ajudou a fazê-lo penetrar nela; mas tudo foi silêncio dos dois lados. Mas qual foi a minha maravilha, que depois de um tempo eu olhei para Ele novamente, e outra [coroa], com as ofensas que eles estavam fazendo, eles estavam colocando na cabeça de Jesus.

 

Oh traição humana! Oh incomparável paciência de Jesus, quão grande você é! E Jesus ficou calado e quase não os olhou, para não saber quem eram seus ofensores. Então, novamente, eu o tirei, e todos os poderes internos, despertando para terna compaixão, disse-lhe: “Meu bem, minha doce vida, me conte um pouco, por que Você não me diz mais nada?

 

Nunca foi seu costume esconder o seu interior de mim, por que Você não me diz mais alguma coisa? Nunca foi seu costume esconder o seus segredos de mim. Ah, vamos conversar um pouco juntos, porque assim daremos uma pequena vazão à dor e ao amor que nos oprimem! ”

 

E Ele:” Minha filha, você é o alívio das minhas dores. No entanto, saiba que nada lhe digo porque você sempre me força a garantir que você não quer que Eu castigue as pessoas; você quer se opor à minha justiça e, se Eu não fizer o que você quer, sentirá muito e sinto mais por você do que por Mim. Então, para evitar decepções dos dois lados, fico calado ”.

 

E eu: “Meu bom Jesus, você esqueceu o quanto você sofre depois de ter usado a Justiça? Que ver você sofrer nas mesmas criaturas é isso que me faz mais prudente do que nunca para forçá-lo a não punir as pessoas. E então, vendo essas mesmas criaturas se voltando contra você como tantas víboras envenenadas, quase como se estivesse ao seu alcance tirar a sua vida, porque se vêem sob seus flagelos e irritam sua justiça, não me dá coragem de dizer o Fiat Voluntas Tua ” (Seja feita Tua vontade). E Ele:

 

Minha justiça não pode passar mais. Sinto-me magoado por todos: pelos padres, pelos devotos, pelos seculares (protestantes e pagãos), especialmente pelo abuso dos sacramentos: aqueles que não se importam com eles (com os sacramentos), acrescentando escárnios, e aqueles que, ao atendê-los, formam conversas de prazer e aqueles que não estão satisfeitos com o que fazem. Seus caprichos, por isso me ofendem.

 

 Oh, quão rasgado está meu Coração ao ver os Sacramentos reduzidos como aquelas pinturas pintadas, ou como aquelas estátuas de pedra que parecem vivas, operando, de longe, mas é feito para se aproximar delas e começa a descobrir o engano; então você faz para tocá-los e o que é?

 

 Carta, pedra, madeira, objetos inanimados, e aqui [isso permanece] completamente desiludido! Tais são os Sacramentos reduzidos na maior parte: não há nada além de aparência apenas. (Batizados por aparência e status; Eucaristia por aparência e status; matrimônio por aparência e status; ordem por aparência e status; confissão por aparência e status; confirmação por aparência e status; …)  

 

 E aqueles que permanecem mais brutos do que líquidos? E então, o espírito de interesse que reina nos religiosos é algo a ser lamentado. (padres e diáconos que cobram, ganham vantagens, por amizades interesseiras (com governantes, juízes, pessoas abastadas que dão boas ofertas…)


 Você não acha que todos são olhos onde há um dinheiro muito vil, a ponto de degradar sua dignidade? Mas onde não há interesse, eles não têm mãos, nem pés para se mover um pouco! (quando é para gente pobre, não facilitam nada, não têm pressa, ou até empurram para outros…)


Esse espírito de interesse os enche tanto [seu] interior, que transborda para fora, a ponto de se sentir o mesmo secular
(pagão ou protestante …), escandalizados por eles mesmos, [eles] provocam a causa que não se acredita mais em suas palavras . (quando vemos pessoas que saíram da igreja, ou falam muito mal dos comportamentos dos padres, religiosos e pessoas da igreja)

 

Ah, sim, ninguém Me salva! Existem aqueles que Me ofendem diretamente e que, sendo capaz de evitar tantos danos, não se importam em fazê-lo, para que Eu não tenha ninguém a quem recorrer.

 

 Mas eu os castigarei para torná-los incapacitados e a quem destruirei perfeitamente; eles irão tão longe, que as igrejas desertas permanecerão, sem ter quem administre os sacramentos”. (aconteceu realmente na Europa, muitas igrejas foram abandonadas, vendidas, se tornaram cinemas, museus, e coisa pior…)

 

Interrompendo o que disse, todo assustado, eu disse: “Senhor, o que você está dizendo? Se existem pessoas que abusam dos sacramentos, há tantos bons filhos que os recebem com a devida disposição e sofrem muito se não as recebem”.

 

E Ele: “Muito pouco é o número desses; e então, o castigo desses por não poder recebê-los, terá êxito em minha reparação e serão vítimas daqueles que abusam ”.

 

Quem pode dizer como fiquei impressionada com essa conversa com o abençoado Jesus? Mas espero que Ele queira ceder à sua infinita misericórdia!

 

 

3 de outubro de 1899

 

 Obediência. Fala sobre padres: eles não devem interferir nos interesses da família e do mundo.

 

Hoje de manhã Ele continuou a ser visto muito aflito. Para meu paciente Jesus, não tive coragem de dizer nada, por medo de que Ele retomasse sua lamentável declaração sobre o estado religioso. E isso, porque a obediência quer que eu escreva tudo e também o que diz respeito à caridade ao meu próximo, e isso é tão doloroso para mim que tive que lutar com força com a dama obediência, muito mais para que [mudasse] na forma de um guerreira poderosa, armada com suas armas para me dar a morte. Na verdade, eu me encontrei em tal situação, que eu mesma não sabia o que fazer.

 

Parecia impossível escrever de acordo com a luz que Jesus me mostrou sobre o amor ao próximo, senti meu coração sofrer por mil picadas, minha boca ficou silenciosa e minha coragem se desvaneceu e disse-lhe: “Querida obediência, você sabe o quanto eu te amo e que daria minha vida de bom grado por sua causa, mas vejo que não posso aqui, e você vê o tormento da minha alma. Ah, não se torne uma inimiga, não seja cruel comigo, seja mais perdoadora para com aqueles que te amam tanto! Ah, venha comigo e deixe-me falar sobre isso juntas, tanto quanto deveríamos dizer! “.

 

Assim, parece que ela abafou sua fúria e ela mesma ditou o que era mais necessário, encerrando em poucas palavras todo o significado de várias coisas que diziam respeito à caridade, embora às vezes ela quisesse mais um minuto e eu lhe dissesse: “Basta uma pequena reflexão para entender o que significa; Não é melhor trancar todo o significado em uma palavra do que em tantas palavras? ”

 

Às vezes, eu desistia da obediência, às vezes eu, e assim parece que nos demos bem … Quanta paciência é necessária com essa obediência abençoada! Verdadeiramente uma amante, pois é suficiente que [ela] tenha o direito de governar, [que ela] mude para o aspecto de um cordeiro muito manso, ela própria sacrifique a fadiga e descanse a alma com seu Senhor, colocando os olhos ao seu redor vigilante, para garantir que ninguém se atrevesse a persegui-la e interromper seu sono. E enquanto a alma dorme, essa nobre senhora que dorme? Ela está pingando suor da testa, acelerando o cansaço que tocou sua alma, que realmente surpreende toda mente humana inteligente e abala todos os corações ao amá-la. Agora, enquanto digo isso, no meu interior vou dizendo:

“Mas o que é essa obediência? Do que é formada? Qual é a comida que a sustenta? ”

 

E Jesus, que me faz ouvir sua voz harmoniosa ao ouvir, que diz:

 

Você quer saber o que é obediência? A obediência é a quintessência do amor; a obediência é o amor mais alto, mais puro e mais perfeito, extraído do sacrifício mais doloroso, que se destrói para reviver a Deus. A obediência, sendo mais nobre e divina, não admite nada na alma de humano.

 

Portanto, toda a sua atenção é destruir na alma tudo o que não pertence à sua nobreza divina, que é o amor próprio; e, tendo feito isso, poucos cuidados são tomados para que somente ela lute, se afadigue [pelo] que pertence à alma e, a alma nela descansa silenciosamente. Por fim, Eu sou a mesma obediência “.

 

Quem pode dizer como fiquei maravilhada e fiquei em êxtase ao ouvir essa conversa do bem-aventurado Jesus? Oh, santa obediência, quão incompreensível você é! Eu me prostro aos seus pés e te adoro; Peço-lhe que seja minha guia, minha mestra, minha luz no caminho desastroso da vida, que guiado, ensinado, escoltado por sua luz mais pura, possa tomar posse do porto eterno com segurança.

 

Acabo quase tentando sair dessa [virtude] da obediência, caso contrário, nunca pararia de falar com ela. Há tanta luz que vejo sobre essa virtude que sempre posso escrever sobre ela; mas outras coisas me chamam; portanto, faço silêncio e volto de onde saí.

 

Então, eu vi meu doce Jesus aflito e, lembrando-me que a obediência havia me dito para orar por uma pessoa, então com todo o meu coração eu a recomendei, e Jesus me disse:

 

Minha filha, faça isso tudo para que suas obras brilham apenas com a virtude; mas especialmente Eu a aconselho a não trair as coisas de interesse da família: se ela tem algo, ela também dá, se ela não aceita, Eu não quero que ela se apegue a outra coisa; que as coisas sejam feitas a quem deve, e ela deve ser enviada, livre, sem se sujar nas coisas terrenas.

 

Caso contrário, aconteceria o infortúnio dos outros, que desde o início, tendo querido se envolver em algo da família, todo o peso é carregado sobre seus ombros, e eu, por minha única misericórdia, tive que me permitir não prosperá-los, mas sim sentir pena deles e, assim, fazê-los tocar com as mãos o quão indigno é para um ministro meu ficar ocupado nas coisas terrenas; embora, [seja] uma palavra que saiu da minha boca que, para os ministros (sacerdotes) do meu santuário, enquanto eles não tocassem em coisas terrenas, a comida diária (pra suas almas) nunca estaria faltando.

 

Agora, esses, se Eu os tivesse prosperado (nas coisas mundanas), eles teriam confundido seus corações e não teriam prestado mais atenção a Deus ou às coisas pertencentes ao seu ministério; agora entediados, cansados ​​de seu estado, eles gostariam de se apressar, mas não podem e isso é à custa do que não devem fazer “.

 

Depois, recomendei-lhe um enfermo, e Jesus me mostrou suas feridas, feitas por aquele doente. E tentei orar, acalmá-lo e repará-lo, e parecia que essas feridas foram unidas. E Jesus, com toda a bondade, me disse:

 

Minha filha, você hoje me fez o consultório de um médico mais sério, pois você não apenas tentou medicá-los, envolvê-los, mas também curou minhas feridas (neles), aquelas causadas no doente; por isso Me sinto muito revigorado e tranqüilizado ”.

 

Então percebi que, orando pelos enfermos, viemos fazer um consultório médico a Nosso Senhor, que sofre com suas próprias imagens.

 

 

 

 

 

7 de outubro de 1899

 

Como Luisa vê Jesus zangado contra o povo. O estado da vítima poupa punições.

 

Hoje de manhã o abençoado Jesus não veio e eu tive que ter muita paciência para esperar por Ele. No meu interior eu dizia: “Meu querido Jesus, venha, não me faça esperar tanto! Eu não te vejo desde a noite passada e agora já é tarde; e você não veio ainda?

 

Veja como pacientemente estive esperando por você. Oh, não deixe que eu fique impaciente, porque você ainda espera muito, porque então é a causa do seu atraso! Então venha, pois não posso mais esperar”

 

Agora, enquanto dizia esses e outros erros, meu único bem veio, mas, para meu grande pesar, o vi quase indignado com o povo.

 

Eu disse-lhe imediatamente: “Meu bom Jesus, peço-lhe que faça as pazes com o mundo”.

 

E Ele: “Filha, eu não posso; Eu sou como um rei que quer entrar em uma casa, mas essa casa está cheia de coisas imundas, podridão e tantas outras imundícies. O rei, como rei, tem o poder de entrar, não há quem possa impedi-lo; e mesmo com as próprias mãos, ele pode limpar a casa, mas não quer fazê-lo, porque não é decente que sua pessoa real descanse em tantas coisas baixas, e por tanto tempo que essa casa não seja limpa por outras pessoas, com tudo isso.

 

Ele tem o poder, a vontade e um grande desejo de sofrer com isso, Ele nunca será capaz de pisar no chão. Tal sou Eu. Sou um rei que posso e quero, mas quero a vontade deles, quero que removam a podridão das falhas, entrem e façam as pazes comigo.

 

Não, não é decente que minha realeza entre e faça as pazes com eles; antes, não farei nada além de enviar castigos: o fogo da tribulação os inundará em todos os lugares, a ponto de aterrá-los, para que se lembrem de que existe um Deus, o único que pode ajudá-los e libertá-los! ”

 

E eu, interrompendo o que disse, disse-lhe:” Senhor, se você quer punir, eu quero ir pro céu, não quero mais ficar nesta terra. Como meu coração será capaz de ver suas criaturas sofrerem? ”

 

E Jesus, com um olhar benigno, me disse:” Se você vier, e aonde irei morar nesta terra? Por enquanto, vamos pensar em ficar juntos aqui, que no Céu teremos que ficar lá por um longo tempo, quanto é toda a eternidade. E então, muito cedo, você esqueceu o cargo de ser minha mãe na terra?

 

Portanto, enquanto castigarei as nações, irei me refugiar e ficarei contigo ”.

 

E eu: “Ah, Senhor! Qual é o meu status de vítima por tantos anos? Que benefício isso tem para as pessoas? Enquanto você me disse que queria que eu fosse vítima para salvar as pessoas!

 

E agora você mostra que essas punições, em vez de acontecerem muitos anos antes, acontecem depois, nem mais nem menos que isso “.

 

E Ele: “Minha filha, não diga isso; meu sofrimento foi por seu amor, e o bem que resultou disso foi que terríveis punições duraram muito tempo, enquanto essa será mais curta. E isso não é bom, que, em vez de ficar muitos anos sob o peso de um castigo, será para poucos? Então, nesses cursos dos últimos anos, guerras, mortes súbitas, que não tiveram tempo de se converter e, em vez disso, tiveram e foram salvas, isso não é um grande bem?

 

Minha amada, por enquanto não é necessário fazer você entender o profissional do seu estado para você e para os povos, mas eu a mostrarei quando você vier ao céu e no dia do julgamento Eu a mostrarei a todas as nações. Portanto, não fale mais assim ”.

 

 

 

 

14 de outubro de 1899

 

 

Esperança: Mãe Paz. A Mãe Esperança é Jesus.

 

Esta manhã, me senti um pouco chateada e completamente aniquilada em mim mesma. Eu me via como se o Senhor quisesse me expulsar de si mesmo. Oh Deus, como é de partir o coração! Enquanto eu estava neste estado, o abençoado Jesus veio com um fio na mão e, batendo meu coração três vezes, Ele me disse:

 

Paz, paz, paz! Você não sabe que o reino da esperança é um reino de paz, e o direito dessa esperança é a justiça? Você, quando vê que minha Justiça se arma contra as nações, entre no reino da esperança e invista nas qualidades mais poderosas que ela possui, suba ao meu trono e faça o que puder para desarmar o braço armado;

 

E você fará isso com as vozes mais eloquentes, ternas e lamentáveis, com as razões mais poderosas, com as orações mais quentes, que a própria esperança ditará para você. Mas quando você vê que a mesma Esperança apoiará certos direitos da Justiça que são absolutamente necessários, e que querer renunciar a eles seria um desejo de enfrentar a si mesma, o que nunca pode ser, então conforma-se à Mim e cede à Minha Justiça “.

 

E eu, mais do que nunca aterrorizada por ter que ceder à Justiça, disse-lhe: “Ah, Senhor, como posso fazer isso? Ah, isso parece impossível para mim! O único pensamento de que Você deve punir as pessoas, porque são suas imagens, não posso tolerar!

 

Pelo menos se eles fossem criaturas que não lhe pertence! No entanto, isso não é nada; mas o que mais me aflige é que eu preciso te ver, vou dizer, atingido por si mesmo (neles), golpeado, açoitado, entristecido por si mesmo (neles), porque os castigos caem sobre seus próprios membros, não sobre  outros e, portanto, Você mesmo virá a sofrer.

 

Diga-me, meu único Bem, como meu coração pode resistir ao vê-lo sofrer, atingido por si mesmo? Que criaturas fazem você sofrer, são sempre criaturas e é mais tolerável, mas isso é tão difícil que não consigo engolir! Portanto, não posso me conformar com você, nem ceder “.

 

E ele, com pena de mim e com todo o amolecimento deste meu ditado, assumindo um aspecto aflitivo e benigno, disse-me:

 

Minha filha, você tem razão em que serei atingido em meus próprios membros, tanto que ao ouvir você falar, todas as minhas entranhas as sinto tocadas e movo-Me para a misericórdia e o coração sinto partir por ternura.

 

 Mas acredite em Mim, os castigos são necessários, e se você não quiser Me ver bater um pouco agora (neles), você me verá mais terrivelmente ferido, porque quanto mais eles me ofenderem, mais fico maltratado e você não se importaria mais? Portanto, conforma-se comigo, caso contrário você me forçará a não sentir pena de você, a não dizer mais nada, e com isso virei para Me negar o alívio que sinto ao conversar com você.

 

Ah, sim, você me reduzirá ao silêncio, sem ter que lidar com minhas dores com quem amo! ”

 

Quem pode dizer o quão amarga eu fiquei com essa conversa? E Jesus, querendo quase me distrair da minha aflição, retomou o seu discurso sobre a esperança, dizendo-me:

 

“Minha filha, não fique aborrecida, a esperança é a paz; e desde o exato ato em que faço justiça, estou na mais perfeita paz, para que você, imersa na esperança, permaneça em paz. A alma que jaz em esperança, ao querer lamentar-se, perturbar-se, derrotar-se, incorreria no infortúnio de quem, embora possua milhões e milhões de moedas, e também seja rainha de vários reinos, vai fantasiar e liderar reclamações, dizendo: eu deveria viver, como devo me vestir?

 

Ah, eu morro de fome! Estou bem infeliz! Vou me reduzir à pobreza mais extrema e acabar perecendo! E enquanto ela diz, ela chora, suspira e passa seus dias tristes, imersos na maior tristeza.

 

E isso não é tudo; o que é pior do que ela, é que, se ela vê seus tesouros, se anda em suas fazendas, em vez de apreciá-los, mais ela sofre, pensando em seu fim de vida e vendo comida, não quer tocá-la para se sustentar, e se alguém quiser convencê-la, fazendo-a tocá-las, mostrando-lhe suas riquezas, e que isso não pode ser, que ela seria reduzida à mais extrema miséria, não convencida, permanece surpresa e vendo seu triste destino chora.

 

Ou, o que alguém diria dela pelo povo? Que ela é louca, vemos que ela não está certa, ela perdeu o cérebro; a razão é clara, não pode ser de outra maneira. E, no entanto, pode ser que essa pessoa incorra no infortúnio que está fantasiando; mas como saindo de seus reinos, abandonando todas as suas riquezas, ela iria para terras estrangeiras, entre pessoas bárbaras, que ninguém será gentil em lhe dar uma migalha de pão.

 

E aqui é onde a fantasia ocorreu; o que era falso agora é verdade. Mas quem foi a causa? A quem culpar por uma mudança de estado tão triste? Sua vontade perfidiosa e obstinada. Esta é precisamente uma alma que possui a esperança: querer perturbar, desencorajar, já é a maior loucura “.

 

E eu: “Ah, Senhor, como pode a alma estar sempre em paz, vivendo na Esperança? E se a alma comete algum pecado, como pode estar em paz? ”

 

E Jesus:” No ato em que a alma peca, ela já deixa o reino da Esperança, pois pecado e Esperança não podem estar juntos. Toda razão acredita que todos são obrigados a respeitar, preservar, cultivar o que é dela; quem é aquele homem que vai para suas terras e queima o que possui? Quem não mantém suas coisas zelosamente guardadas? Eu não acredito em ninguém.

 

Agora, a alma que vive na Esperança, com o pecado, já ofende a Esperança e, se estivesse em seu poder, queimaria todos os bens que a Esperança possui; e então ela se encontraria na desgraça de quem, abandonando seus bens, vai morar em terras estrangeiras. Assim, a alma, com o pecado, saindo desta Mãe pacificadora, da Esperança, tão terna e compassiva, que a nutre com suas próprias Carnes, que é Jesus no Sacramento, objeto principal de nossa esperança, vamos viver no meio das pessoas bárbaras, quais são os demônios que, negando-lhes cada pequeno refresco, não os alimentam senão com veneno, que é o pecado.

 

No entanto, esta mãe lamentável, o que ela faz? Enquanto a alma se afasta dela, ela permanecerá indiferente? Ah não! Ela chora, ora, chama-a com as vozes mais ternas e emocionantes, vai atrás dela e fica satisfeita quando a traz de volta ao seu reino “.

 

Meu doce Jesus continua me dizendo: “A natureza da esperança é a paz, e o que você é por natureza, a alma que vive no seio desta Mãe pacificadora a segue pela graça”.

 

(A paz é fruto da esperança, mesmo em meio à tempestades, dificuldades, oposições, espera firme… não se perturba, sabendo que tudo é passageiro. Não foge dos sofrimentos, suporta na paz, pois conhece quem é seu bem, sua riqueza de ser filha de Deus. Que mesmo Deus lhe permitindo provas, tempestades, ela sabe que pode esperar Dele a vitória, por isso permanece em paz. )

 

E no próprio ato que meu abençoado Jesus disse essas palavras, com uma luz intelectual, Ele me mostrou, à semelhança de uma mãe, o que essa esperança faz pelo homem. Oh, que cena comovente e muito delicada, que, se todos pudessem vê-la, até os corações mais duros chorariam de tanto remorso e todos ficariam tão apaixonados por ela, que seria impossível separa-los de seus joelhos maternos, por um único momento!

 

E aqui tento dizer o que entendo e posso. O homem vivia acorrentado, escravo do diabo, condenado à morte eterna, sem esperança de poder reviver a Vida Eterna; tudo estava perdido e seu destino arruinado. Esta Mãe (Esperança) viveu no Céu, unida ao Pai e ao Espírito Santo, abençoada, feliz por Eles; mas parecia que ela não estava feliz, queria seus filhos, suas queridas imagens ao seu redor, o trabalho mais bonito de suas mãos.

 

Agora, enquanto ela estava no céu, seus olhos estavam concentrados no homem, que estava perdido na terra. Ela está toda preocupada em como salvar esses filhos amados dela e, vendo que esses filhos não podem satisfazer absolutamente a Divindade, mesmo à custa de qualquer sacrifício, porque são muito inferiores a Ela, o que essa Mãe compassiva faz?

 

Ela vê que não há outra maneira de salvar essas crianças a não ser dar a vida para salvá-las e levar consigo suas dores e misérias e fazer tudo o que elas precisam fazer por si mesmas.

 

Então o que Ela vai fazer? Ela se apresenta diante da Divina Justiça, esta Mãe amorosa, com lágrimas nos olhos, com as vozes mais ternas, com as razões mais poderosas que seu magnânimo Coração dita para você, e ela diz: “Obrigada, mas peço meus filhos perdidos; Eu não tenho alma para vê-los separados de Mim, a qualquer custo, quero salvá-los, e, embora veja que não há outro meio senão colocar minha própria vida, também quero colocá-la para que eles possam recuperar a deles. O que você quer deles? Reparação? Eu te reparo por eles. Glória, honra? Eu os glorifico e os honro por eles. Ação de Graças? Eu agradeço Tudo o que você quiser deles, farei isso por você, desde que Eu possa tê-los juntos para reinar“.  (Jesus é a Esperança)

 

A Divindade se emociona ao ver as lágrimas, o amor desta Mãe compassiva e convencida por suas poderosas razões. Ela se sente inclinada a amar essas crianças e a lamentar sua desgraça juntas, e elas concordam que aceitam o sacrifício da vida de Deus.

 

Essa mãe totalmente satisfeita em recomprar essas crianças. Assim que o decreto é assinado, ela desce do céu e vem à terra, e depositando suas vestes reais que tinha no céu, veste-se de misérias humanas, como se fosse o escravo mais vil e vive na pobreza mais extrema, no sofrimento inédito, no mais insuportável desprezo pela natureza humana; tudo o que Ele faz é chorar e interceder por seus amados filhos.

 

Mas o que é mais surpreendente, e desta Mãe e dessas crianças, é que, embora Ela ame muito essas crianças, em vez de receber essa Mãe de braços abertos, que veio para salvá-las, eles fazem o oposto. Ninguém quer recebê-la ou reconhecê-la, ao contrário, eles fazem com que ela vagueie, eles a desprezam e começam a planejar como matar essa mãe tão carinhosa.

 

O que essa mãe fará com tanto carinho ao se ver tão mal paga por seus filhos ingratos? Ela vai parar? Ah não! De fato, [ainda mais] acende com amor por eles e corre de um ponto a outro para reuni-los e colocá-los em seu colo.

 

Oh, quão duro, quão duro, a ponto de pingar suor, não apenas de água, mas também de sangue! Não há um momento de descanso, ela está sempre em posição de trabalhar pela salvação deles, ela fornece todas as suas necessidades, ela corrige todos os males passados, presentes e futuros; em resumo, não há nada que ela não encomende e descarte para o bem deles.

 

Mas o que essas crianças fazem? Será que eles se arrependeram da ingratidão ao recebê-la? Eles mudaram de idéia em favor desta mãe? Ah não! Eles olham para ela com um olhar maléfico, desonram ela com as calúnias mais negras, provocam abusos, eles a desprezam, confundem, eles batem nela com todo tipo de flagelo, reduzindo tudo a uma praga e acabam fazendo com que morra com uma morte, a mais infame que pode ser encontrada, em meio a espasmos e dores cruéis.

 

Mas o que essa mãe faz em meio a tantos sofrimentos? Será que ela odiaria esses filhos, talvez, astutos e prolongados? Ah não, nunca! Então, mais do que nunca, ela os ama cuidadosamente, oferece seus sofrimentos pela própria salvação e respira com a palavra de paz e perdão.

 

Oh, minha linda mãe! Oh, querida Esperança, quão amável você é em si mesma; Eu te amo Oh, sempre me mantenha no seu colo e eu serei o mais feliz do mundo!

 

Enquanto estou determinado a parar de falar sobre a esperança, uma voz ecoa em todos os lugares que diz:

A esperança contém todo o bom presente e futuro, e quem mora no colo dela e se ajoelha, tudo o que ele quer recebe. O que a alma quer? Glória, honra? A esperança dará a ela toda a honra e a maior glória na terra, para todos os povos, e no céu ela a glorificará eternamente. Ela vai querer riqueza? Oh, esta Mãe, Esperança, é muito rica e, além disso, [ao] dar seus bens aos filhos, suas riquezas não permanecem diminuídas; então, essas riquezas não são passageiras e transitórias, mas eternas. Você vai querer prazer, feliz?

 

Ah, sim, esta esperança contém todos os prazeres e gostos possíveis que podem ser encontrados no céu e na terra, que ninguém mais será capaz de igualá-la e quem é nutrido em seu seio, ao sabor da saciedade e, oh, quão feliz é! Vai querer ser aprendido, sábio? Esta Mãe Esperança contém em si as ciências mais sublimes, na verdade, é a Mestra de todos os mestres e aqueles que são ensinados por ela aprendem a ciência da verdadeira santidade “.

 

Em suma, a esperança nos dá tudo, para que, se alguém for fraco, ela lhe dê coragem; se outro está manchado, Esperança instituiu os Sacramentos e lá preparou a roupa para suas manchas; se você sente fome e sede, essa mãe compassiva nos dá a comida mais bonita e saborosa, quais são as carnes mais delicadas e bebe o sangue mais precioso.

 

O que mais essa Mãe Pacificadora da Esperança pode fazer mais? E quem mais é como ela? Ah, somente ela reconciliou o Céu e a Terra: a esperança uniu a Fé e a Caridade Consigo e formou esse elo indissolúvel entre a natureza humana e a Divina. Mas quem é essa mãe? Quem é essa esperança?

Foi Jesus Cristo, que trabalhou nossa Redenção e formou a esperança do homem mal orientado.

 

 

16 de outubro de 1899

 

 Expectativas. Jesus fala de castigos.

 

Esta manhã, meu doce Jesus não estava vindo. Eu não o vejo desde a noite passada, quando Ele se mostrou em um aspecto que era ao mesmo tempo pena e terror; Ele queria se esconder, para não ver os castigos que Ele próprio estava enviando ao povo e a maneira que Ele tinha que destruí-los.

 

Oh, Deus, que visão angustiante, nunca vista antes! Enquanto eu esperava, no meu interior fui dizendo: “Como é que isso não acontece?” Quem sabe que não vem porque eu não me conformo com a sua justiça!

 

Mas como posso fazer isso? Parece quase impossível dizer: “Fiat Voluntas Tua!” (que seja feita Tua vontade).

 

Então eu disse novamente: “Ele não vem porque o confessor não o envia para mim”. Agora, como eu pensava, quando quase não vi a sombra, vi, e Ele me disse:

 

Não temas, o poder dos sacerdotes é limitado; somente na medida em que eles se prestam a implorar que Eu vá até você e ofereça que você sofra para me fazer salvar as nações, então Eu, no ato em que enviarei os castigos, os curarei e os pouparei; se, então, nenhum pensamento for dado, nem terei consideração por eles ”.

 

E tendo dito , desapareceu, deixando-me em um mar de aflições e lágrimas.

 

21 de outubro de 1899

 

Os bens terrenos devem servir para a santificação, para não serem ídolos para o homem. Causa de punição.

 

Depois de passar dias muito amargos de privação, senti-me cansada e exausta de força, embora estivesse oferecendo os mesmos sofrimentos, dizendo: “Senhor, você sabe quanto me custa ser privada de ti, mas mesmo assim me resigno à Vossa Santa Vontade, oferecendo esse castigo muito agudo como um meio de testemunhar meu amor e aplacá-lo. Esses aborrecimentos, problemas, preguiça, frieza que sinto, pretendo enviá-los como mensageiros de louvor e reparações para mim e para todas as criaturas.

 

Isso eu tenho e isso eu ofereço a ti. É certo que você aceita o sacrifício da boa vontade, quando lhe é oferecido o que pode sem reservas; mas venha, porque não posso mais fazê-lo! ”

 

Muitas vezes, fui tentada a me conformar-me à Sua justiça e pensei que a causa que não me ocorreu era eu mesma, porque [pensei em] quando, nos últimos dias, Jesus me disse que se eu não o fizesse, isso o teria forçado a não deixá-lo descansar em Mim e não me dizer mais nada para não me entristecer; mas Ele não me deu o espírito para fazer isso, muito mais porque a obediência nem sequer lhe permitiu.

 

Enquanto eu estava nessas amarguras, primeiro veio uma luz, com uma voz que dizia:

 

Na medida em que o homem se intromete nas coisas terrenas, ele se afasta e perde a estima dos bens eternos. Dei riquezas para usá-las para sua santificação, mas eles as usaram para me ofender e formar um ídolo para seus corações; e destruirei eles e as riquezas junto com eles!”

 

Depois disso, vi meu querido Jesus, mas tão sofrido, ofendido e indignado com o povo que Ele pôs medo. Comecei imediatamente a dizer-lhe: “Senhor, ofereço-lhe suas feridas, seu sangue, o uso mais sagrado dos seus sentidos mais puros, que você fez no decorrer de sua vida mortal, para abrigar as ofensas e o mau uso dos sentidos que lhes fazem as criaturas ”.

 

E Jesus, assumindo um aspecto sério e quase estrondoso, disse:

 

Você sabe como os sentidos (5 sentidos) das criaturas se tornaram? Como aqueles gritos de bestas ferozes, que com seus rugidos afastam os homens, em vez de aproximá-los. É tanta a podridão e a multiplicidade de falhas que surgem de seus sentidos que me obrigam a me fazer fugir “. (olhares, gostos, sons, curiosidade, toques, cheiros, sensualidade, tudo que pecamos com nossos 5 sentidos)

 

E eu: “Ah, Senhor, como te vejo indignado! Se você quiser continuar enviando punições, eu quero ir ou quero sair deste estado (de vítima).

 

Que bom é estar lá, uma vez que não posso mais me oferecer como vítima para poupar o povo? ”

 

E ele, falando comigo seriamente, tanto que me senti aterrorizada, Ele me disse:” Você quer tocar nos dois extremos: ou você não quer que Eu faça nada ou você quer vir! Você não está feliz que as pessoas são salvas em parte? Você acredita que Corato (cidade de Luisa) é a melhor e a que menos me ofende?

 

E sabe que ela (cidade) será poupada, em comparação com outros países que não há nada a fazer? Portanto, fique contente e quieta e, enquanto cuidarei de punir as pessoas, você me acompanhará com seus suspiros e sofrimentos, rezando para que as mesmas punições sejam bem-sucedidas para a conversão dos povos “.

 

 

22 de outubro de 1899

 

A cruz: um caminho batido de estrelas. Jesus continua se mostrando aflito.

 

 

No ato que veio, Ele se jogou em meus braços, exausto de força, quase querendo um refresco, eu me envolvi em alguns de seus sofrimentos e então Ele me disse:

 

Minha filha, o caminho da cruz é um caminho a percorrer de estrelas, e conforme você anda, essas estrelas se transformam em sóis muito brilhantes. Que felicidade a alma terá por toda a eternidade, estando cercada por esses sóis?

 

Então, a grande recompensa que dou à cruz é tanta que não há medida, nem em largura nem em comprimento; é quase incompreensível para as mentes humanas, e isso porque, ao suportar as cruzes, não pode haver nada humano, mas tudo divino ”.

 

 

24 de outubro de 1899

 

 Causa da punição: o amor de Deus pelas criaturas.

 

Hoje de manhã, meu adorável Jesus veio e me carregou para fora de mim mesma, entre as pessoas e Jesus parecia estar olhando para as criaturas com um olhar de compaixão, e os mesmos castigos apareceram em suas infinitas misericórdias, do mais íntimo de seu coração mais amoroso; então, voltando-se para mim, Ele me disse:

 

Minha filha, o homem é uma reprodução do Ser Divino e, como nossa comida é amor, sempre recíproca, conformado e constante entre as Três Pessoas Divinas, portanto, estando fora de nossas mãos e fora de puro amor desinteressado, é como uma partícula de nossa comida.

 

Agora, essa partícula se tornou amarga para nós, não apenas, mas a maioria, ao se afastar de nós, pastou nas chamas infernais e no alimento do ódio implacável aos demônios, às nossas e às suas capitais inimigas.

 

Aqui está a causa raiz de nossa tristeza pela perda de almas; é isto: porque são nossos, são algo que nos pertence. Assim como a causa que me impele a puni-los é o grande amor que tenho por eles, para poder salvar suas almas “.

 

E eu:

“Ah, Senhor, parece que desta vez você não tem mais palavras a dizer senão só castigos! Seu poder possui tantos outros meios para salvar essas almas! E então se eu tivesse certeza de que todos os castigos caíssem somente sobre eles, sem Você sofrer neles, eu também ficaria contente, mas vejo que Você já está sofrendo muito pelos castigos que enviou; o que será se você continuar enviando outras punições? ”

E Jesus:

 

” Com tudo o que sofro, o amor pede que eu envie pragas mais pesadas, e isso porque não há meios mais poderosos para deixar o homem entrar em si mesmo e fazê-lo saber o que é seu ser, fazendo-o se ver desfeito; a outra mídia (oposição de Jesus: pecado) parece estar envolvendo-o mais.

 

Então, conforme-se a Minha justiça. Vejo bem que o amor que você quer, me empurra tanto para não me conformar com menos e você não tem coragem de me ver sofrer; mas também minha mãe me amou mais do que todas as criaturas e que ninguém mais pode se igualar a ela, ainda.

 

 Para salvar essas almas, ela se conformou com a Justiça e se contentou em me ver sofrer tanto. Se isso aconteceu com minha mãe, como você não pôde fazê-lo? ”

 

E no ato em que Jesus falou, senti-me puxar minha vontade para a Dele, que mal podia resistir à falta de conformidade com sua justiça. Eu não sabia o que dizer, então me senti convencida; mas ainda não manifestei minha vontade. Jesus desapareceu, e eu permaneci nessa dúvida se eu deveria ou não me conformar.

 

 

25 de outubro de 1899

 

 O eco do amor de Deus e o eco da ingratidão das criaturas.

 

Meu doce Jesus continua a manifestar-se quase sempre da mesma forma. Esta manhã, Ele acrescentou:

 

Minha filha, é tanto amor pelas criaturas que, como um eco, ressoa nas regiões celestes, enche a atmosfera e se espalha por toda a terra. Mas qual é a correspondência que as criaturas fazem para esse eco amoroso? Ai! Eles me correspondem com um eco de ingratidão, venenoso, cheio de todo tipo de amargura e pecados, com um eco quase letal, adequado apenas para me machucar. Mas eu despovoei a face da terra, de modo que esse eco retumbante de veneno não alcance mais meus ouvidos”. (Ele purgou a terra com pestes, como a peste bulbônica que matou milhares de pessoas)

 

E eu: “Ah, Senhor, o que você está dizendo!?” E Jesus:

 

Eu não faço nada além de um médico compassivo, que tem os remédios extremos para seus filhos, e essas crianças estão cheias de feridas. O que esse pai e o médico fazem, que ama mais os filhos do que a própria vida? Isso fará com que essas feridas diminuam?

 

Ele os perecerá, por medo de que, aplicando fogo e ferro, eles venham a sofrer? Nunca nunca! Embora Ele sinta que, acima Dele, tais ferramentas foram aplicadas, com tudo isso, ele mói, rasga e corta a carne, Ele aplica o veneno, o fogo, para impedir que a corrupção se espalhe ainda mais; embora muitas vezes aconteça que nessas operações as crianças pobres morram, mas essa não era a vontade do pai médico, mas sua vontade é vê-las restauradas.

 

Sou Eu: feri para curá-los, destruí-os para levantá-los; que muitos perecem, essa não é a minha vontade, esse é o efeito apenas de sua vontade perversa e obstinada, é o efeito desse eco venenoso que, até que se vejam destruídos, quer enviá-lo “.

 

Salmo – Dt 32

 

®️Sou eu que tiro a vida, sou eu quem faz viver!

 

🌾Já vem o dia em que serão arruinados

E o seu destino se apressa em chegar.

Porque o Senhor fará justiça ao seu povo

E salvará todos aqueles que o servem.

®️

 

🌾Saibam todos que eu sou, somente eu,

E não existe outro Deus além de mim:

Quem mata e faz viver sou eu somente,

Sou eu que firo e eu que torno a curar.

®️

 

🌾Se eu afiar a minha espada reluzente

E com as minhas próprias mãos fizer justiça,

Dos adversários todos hei de me vingar

E vou retribuir aos que odeiam.

 

E eu: “Diga-me, meu único Bem, como eu poderia suavizar esse eco venenoso que o aflige tanto?”

 

E Ele: “O único meio é que você sempre faça todas as suas operações com o único objetivo de me agradar e de empregar todos os seus sentidos e poderes com o propósito de me amar e me glorificar. Deixe [assim, por] todos os seus pensamentos, a palavra e tudo o mais nada mais desejará do que o amor que você tem por Mim, para que seu eco suba agradável ao meu trono e suavize minha audição “.

 

28 de outubro de 1899

 

Quem é você e quem sou eu?

 

Hoje de manhã, meu adorável Jesus veio no meio de uma luz e, olhando para mim como se estivesse me penetrando em todos os lugares, tanto que me senti aniquilada, Ele me disse:

 

Quem sou Eu e quem é você?”

 

Essas palavras me penetraram na medula de ossos e vi a distância infinita que passa entre o infinito e o finito, entre o tudo e o nada; não apenas isso, mas eu ainda conseguia ver a malícia desse nada e a maneira como ele se tornara lamacento; parecia-me um peixe nadando nas águas; então minha alma nadava na podridão, nos vermes e em tantas outras coisas apenas para colocar um horror à vista.

 

Ó Deus, que visão abominável! Minha alma gostaria de fugir diante da vista de Deus três vezes Santo, mas [Ele] com duas outras palavras me liga, isto é:

 

Qual é o meu amor por você? E qual é o seu retorno a Mim? ”

 

Agora, enquanto na primeira palavra eu queria fugir assustada da presença Dele, na segunda palavra:        “Qual é o meu amor por você? ” Eu me encontrei afundada, amarrada por todas as partes de seu amor, de modo que minha existência era um produto de seu amor, para que, se esse amor cessasse, eu não mais existisse.

 

Portanto, pareceu-me que os batimentos cardíacos, a inteligência e até o hálito do ser são uma reprodução de Seu amor. Nadei nele e, mesmo desejando fugir, parecia impossível fazê-lo, porque seu amor estava por tudo ao meu redor.

 

Meu amor então me pareceu uma gota de água jogada no mar, que desaparece, não sabe mais discernir. Quantas coisas eu entendi, mas, para dizer, eu demoraria muito. Então Jesus desapareceu e eu fiquei toda confusa; eu me vi tão pecadora e no meu interior implorei perdão e misericórdia. Depois de um tempo, meu único Bem retornou; e me senti toda ensopada com a amargura e a dor dos meus pecados, e Ele me disse:

 

Minha filha, quando uma alma está convencida de que fez algo errado ao me ofender, já faz o ofício de Madalena, que banhou os meus pés com as lágrimas dela, as ungiu com bálsamo e os secou com os cabelos. A alma, quando começa a olhar para si mesma o mal que fez, prepara um banho para minhas feridas.

 

Vendo o mal, ela recebe uma amargura e sente uma dor, e com isso vem ungir minhas feridas com um requintado bálsamo. A partir desse conhecimento, a alma gostaria de reparar e, vendo a ingratidão do passado, sente-se o amor por um bom Deus nascendo em si mesma e gostaria de colocar sua vida para testemunhar esse amor, e este é o seu cabelo (que seca os pés) que, como tantas correntes de ouro, se ligam ao meu amor “.

 

 

29 de outubro de 1899

 

Formação da habitação interior.

 

Meu adorável Jesus continua a chegar, mas nesta manhã, assim que chegou, Ele me pegou nos braços e me carregou para fora de mim; e eu, encontrando-me naqueles braços, compreendi muitas coisas e, especialmente, que, para poder permanecer livremente nos braços de Nosso Senhor e também abri-me em seu coração e sai Dele como a alma gostaria, que não tem peso.

 

Aborrecida por não agradar Jesus, era absolutamente necessário despir-me de tudo. Então, com todo o meu coração, eu disse a Ele: “Meu querido e único Bem, o que eu peço é que Você me tire tudo; porque veja bem que, para ser vestido por ti e viver em ti e viver novamente em mim, é necessário que nem mesmo a sombra, eu tenha do que não te pertence”.

 

E Ele, com toda bondade, me disse: “Minha filha, a principal coisa para entrar em uma alma e formar meu lar é o desapego total de tudo. Sem isso, não posso apenas morar lá, mas também nenhuma virtude pode residir na alma.

 

Então, depois que a alma tirou tudo de si mesma, entro e me uno à vontade da alma e construímos uma casa; suas fundações são baseadas na humildade e, quanto mais profundas, mais altas e fortes são as paredes.

 

Os referidos muros serão feitos de pedras de mortificação e acompanha o ouro puro da caridade.

 

Depois que os muros foram construídos, Eu, como o pintor mais excelente, não com cal e água, mas com os méritos da minha paixão, indicados para o limão (liga pra tinta), e com as cores do meu sangue, indicados para a água, colei-os a você e ali faço as pinturas mais excelentes, e isso serve para protegê-la das chuvas, das neves e de qualquer choque. Em seguida vêm as portas.

 

[A] para que sejam sólidas como madeira, não sujeita a vermes, é necessário silêncio, que forma a morte dos sentidos externos.

 

Para vigiar esta casa, você precisa de um guardião que vigie por toda parte, por dentro e por fora, e este é o santo temor de Deus, que olha para ela  evitar qualquer inconveniente, vento ou outro que possa sobrecarregá-la.

 

Esse medo será a salvaguarda desta casa, que operará, não com medo de punição, mas por medo de ofender o Mestre desta casa. Esse santo medo não deve fazer nada além de fazer tudo para agradar a Deus, sem nenhuma outra intenção.

 

Mais tarde, você deve decorar esta casa e preenchê-la com tesouros. Esses tesouros não devem ser senão desejos sagrados, lágrimas. Esses eram os tesouros do Antigo Testamento e neles [homens] encontravam sua salvação, no cumprimento de seus votos, seu consolo, sua fortaleza no sofrimento; enfim, toda a sua fortuna depositada no desejo do futuro Redentor e nesse desejo eles operavam como atletas.

 

A alma sem desejo de sofrer, opera quase como se estivesse morta; mesmo as mesmas virtudes, tudo é tédio, aborrecimento, ressentimento; do que ela gosta, ela anda quase rastejando pelo caminho do bem.

 

 Todo o oposto da alma que deseja sofrer; nada lhe dá peso, tudo é alegria, voa, encontra seus gostos nas mesmas dores, e isso ocorre porque havia um desejo antecipado de sofrer, e as coisas que antes eram desejadas, depois se amam e, amando-se, as pessoas e situações são mais bem-vindas e prazerosas.

 

 Portanto, esse desejo de sofrer,  deve primeiro ser acompanhado pela construção desta casa. Os ornamentos desta casa serão as pedras mais preciosas, as pérolas, as jóias mais caras da minha vida, sempre baseadas no sofrimento e no puro sofrimento.

 

E uma vez que Quem habita (Deus) é o Doador de todo bem, coloca nela o equipamento de todas as virtudes, cheira com os cheiros mais doces, faz insinuar as flores mais graciosas, faz uma música celestial das mais bem-vindas, faz respirar um pouco ‘ar do paraíso’.

 

Esqueci de dizer que precisamos ver se existe paz na casa, e isso deve ser apenas a concentração e o silêncio dos sentidos internos.

 

 Depois disso, continuei a ficar nos braços de Nosso Senhor e me vi completamente despida; e, nesse período, vi o atual confessor e Jesus me disse – mas me pareceu que ele queria fazer uma piada para ver o que eu disse :

 

“Minha filha, você se despojou de tudo e sabe que quando alguém se despe é preciso que outra pessoa pense em vesti-la, alimentá-la e dar-lhe um lugar para deixá-la habitar. Onde você quer estar, nos braços do confessor ou nos meus? 

 

E enquanto Ele dizia isso, estava fazendo o ato de me colocar nos braços do confessor. Comecei a insistir que não queria ir; e Ele, quem queria. Depois de um pouco de disputa, Ele me disse: “Não se preocupe, eu vou mantê-la em meus braços!” E assim ficamos em paz.

 

30 de outubro de 1899

 

Ameaça de punição.

 

Hoje de manhã, meu benigno Jesus veio aflito e as primeiras palavras que Ele me disse foram:

 

Pobre Roma, como você será destruída! Ao olhar para você, tenho pena de você! ”

 

E Ele disse isso com tanta ternura que tive compaixão; mas não entendi se são apenas pessoas ou edifícios. Eu, como tive a obediência de não me conformar à justiça, mas de orar, por isso lhe disse:

 

“Meu amado Jesus, quando falamos de punições, não devemos mais contestar, mas orar apenas”.

 

Então comecei a orar, a beijar suas feridas e a fazer atos de reparação. E enquanto eu fazia isso, de tempos em tempos Ele me dizia:

 

Minha filha, não me faça violência; fazendo isso, você quer me estuprar à força, então fique quieta”.

 

E eu: “Senhor, é a obediência que tanto deseja, não sou eu quem faz isso”.

Compartilhe a Divina Vontade