Livro do Céu – Volume 1 Capítulo 5 – Jesus inicia seu trabalho na alma

O meu reino da Divina Vontade no meio de criaturas

– LIVRO DO CÉU –

O chamado da criatura em ordem, em seu lugar e no propósito para o qual foi criada por Deus

Diário da serva de Deus 

LUISA PICCARRETA a filhinha da Vontade Divina

Volume 1 °

 


5 – Jesus inicia seu trabalho na alma:
Ele me separa do mundo externo.

 

De onde o Mestre Divino começa seu trabalho, Ele colocou sua mão para arrancar meu coração de todas as criaturas e, com uma voz interna, Ele me disse: “Eu sou todo beleza e mereço ser amado. Veja, se você não se retirar desse pequeno mundo que a rodeia, isto é, dos pensamentos das criaturas, imaginação, não posso entrar livremente em seu coração; esse murmúrio em sua mente é um obstáculo para fazer-te ouvir minha voz mais clara, e derramar minhas graças, para realmente você se apaixonar por Mim. Prometa que és toda minha, e eu mesmo colocarei minha mão para trabalhar em ti. Você está certa que não pode fazer nada; não tema, farei tudo, dá-me sua vontade e isso é o suficiente para mim! ”

E isso aconteceu após a Comunhão. Então, prometi a Ele que eu era toda Dele, pedi perdão a Ele, porque até aquele momento não havia sido; Eu disse a Ele que realmente queria amá-lo e orei a Ele para que Ele nunca me deixasse sozinha sem Ele; e a voz continuou: “Não, não, eu irei com você para observá-la em todas as suas ações, seus movimentos, seus desejos…”.

Então, durante todo o dia, senti isso em cima de mim, retirei tudo de mim, como, por exemplo, se eu me deixasse levar conversando um pouco demais com a família de coisas, mesmo indiferentes, desnecessárias, a voz interna me dizia: “Esses discursos te enchem a mente com coisas que não me pertencem, cercam-na com o coração de um pó para fazer você sentir minha graça fraca, não mais viva. Ah, imita-Me quando Eu estava na casa de Nazaré!¨ Minha mente não estava preocupada com outra coisa senão a glória do Pai e a salvação das almas, minha boca não dizia nada além de discursos sagrados, com minhas palavras tentei reparar as ofensas ao Pai, lançar os corações e puxá-los para o Meu amor e, principalmente, minha Mãe Maria e São José; em uma palavra, tudo chamava Deus, tudo funcionava para Deus e tudo se referia a Ele.¨

Permaneci muda, confusa, tentei o máximo que podia ficar sozinha, confessei minha fraqueza, pedi ajuda e graça para poder fazer o que Ele queria, porque sozinha eu não podia fazer nada além de feri-lo. Se entre o dia em que minha mente cuidou de pensar nas pessoas que eu amava, imediatamente me lembrei dizendo (a Jesus): “É isso que você quer? Quem já amou-vos como eu? Veja, se Tu Senhor não terminar o que começou, eu O abandono!” Às vezes eu me sentia dando tantas críticas amargas, e não fazia nada além de chorar.

Especialmente uma manhã, depois da Comunhão, Ele me deu uma luz tão clara do grande amor que nos trouxe e da inconstância das criaturas, que meu coração permaneceu tão convencido que, a partir de então, eu não era mais capaz de amar alguém terreno. Ele me ensinou a amar as criaturas sem me afastar Dele e Nele; isto é, olhando as criaturas como uma imagem de Deus, para que, se eu recebesse o bem das criaturas, eu tivesse que pensar que somente Deus era o primeiro autor desse bem e que Ele os usara para enviá-los para mim; portanto meu coração ainda ficou mais ligado a Deus. Se então eu recebia mortificações (dificuldades, dores, cruzes, contrariedades, perseguições, desprezos, rejeição, maldade sofrida…), também tive que vê-las como instrumentos nas mãos de Deus para minha santificação; então meu coração não foi mais sombreado com meu próximo.

Então, desta maneira, aconteceu que eu apontei para todas as criaturas em Deus, [tanto que] por qualquer falta (falhas, maldades) que vi nelas, nunca perdi a estima; se eles me motivavam, eu me sentia grata, pensando que eles me faziam fazer novas compras (de graças) para minha alma; se eles me elogiavam, recebi esses elogios com desprezo, dizendo: “Hoje isto, amanhã eles podem me odiar”, pensando em sua inconstância. Em resumo, meu coração adquiriu tanta liberdade, que eu mesmo não consigo expressar.

 

Compartilhe a Divina Vontade